Cartas

No pasaránLeio, sem surpresa, que o Estado está sob censura, não podendo mais trazer noticias sobre a Operação Boi Barrica e os Sarneys. A julgar pelo que vimos assistindo na América do Sul nos últimos anos, era de esperar que, mais dia, menos dia, a imprensa brasileira fosse amordaçada. Basta ver o que ocorreu na Venezuela do chefão Hugo Chávez, onde emissoras de TV foram fechadas e os jornalistas, perseguidos. Na Bolívia, ao que se diz, não é diferente. Nesses países, onde existe democracia "até demais", como diz Luiz Inácio da Silva, a imprensa serve apenas de escada para os mandatários. Uma vez chegados ao cume, tratam de eliminá-la. Restam, então, os veículos oficiais ou aqueles chamados "penas alugadas", os veículos chapa-branca, meros diários oficiais, a exemplo do Granma, da "democrática" Cuba. Esperamos, todos os democratas de verdade, que o Estadão reaja e não se deixe esmagar. Pela longa história desse jornal, os brucutus no pasarán.MARIA CRISTINA ROCHA AZEVEDOcrisrochazevedo@hotmail.comFlorianópolisLamentável a decisão da Justiça em puro ato de censura ao Estadão. Não é a primeira vez que tentam calar um dos mais respeitados jornais do mundo. Tenho a plena certeza de que, mesmo respeitando a Justiça, essa decisão não intimidará o nosso jornal.PEDRO SERGIO RONCOsergioronco@uol.com.brRibeirão BonitoReceita de pizzaA Justiça censura o Estadão e proíbe informações sobre os Sarneys? Já que coronel não pode mais ser estampado na primeira página do jornal, gostaria muito de uma receita de pizza de abobrinha no lugar (de preferência à moda brasiliense). Do mesmo jeito que se fazia entre 1968 e 1975.RICARDO REGOcalibam2045@hotmail.comSão PauloPato à Benedita DuraReceita da tia Benedita Dura, mas roubada pelo cozinheiro Fernando Salguey, agora executada e servida por ele num bar de esquina de Brasília. Quê...? Brasília não tem esquina? Então, servida numa birosca mesmo, lá nos Lençóis Maranhenses. Pega o pato, despela o pato, flamba as penugens do pato, tempera o pato, lambuza o pato e bota o pato no espeto. Vai assando o pato lentamente, girando o pato lentamente, girando o espeto do pato bem lentamente... Até que todos esqueçam que tem pato no espeto e vão acabar comendo pão com banana, que é tudo o que o povo merece. Entendeu? Uma banana, oh!MARA MONTEZUMA ASSAFmontezuma.fassa@gmail.comSão PauloCensura nunca mais!É de abismar num Estado de Direito, em que a Constituição garante a liberdade de expressão e de informação, que um magistrado ainda com a cabeça nos anos negros determine a censura de notícias de fatos relevantes que ferem a ordem pública. Se há fundamentos e a Polícia Federal instaurou o devido procedimento de apuração, a população brasileira tem o direito de conhecer os fatos. E o Estadão continua a ser o paladino da defesa da cidadania e do direito de informar. Não bastaram os anos negros de Getúlio Vargas e Filinto Müller, depois Armando Falcão e os militares, hoje vemos mais um cala-a-boca contra a imprensa. Nós, brasileiros, nos sentimos revoltados e esperamos que o Judiciário recoloque o direito à informação dentro dos primados dos direitos humanos.NERY AGUIAR PORCHIAnery.aporchia@terra.com.brPeruíbeAI-5É deveras surpreendente um togado, no caso, o desembargador Dácio Vieira, censurar o Estadão, proibindo-o de publicar notícias sobre esse caso do senador Sarney, sob o argumento de que ofende a sua honra (sic). Sugiro ao Estadão que apure a fundo como esse cidadão chegou a tal função, pois não é possível alguém de bom senso, sendo cidadão comum, magistrado ou quem quer que seja, estar totalmente alienado da realidade nua e crua que o Estadão vem apresentando aos seus leitores e à sociedade brasileira. Se acha que o Estadão mente ou falseia a verdade, como queiram, o clã Sarney que use os trâmites legais e processe o jornal. Mas censurá-lo, jamais. O famigerado AI-5 já foi extinto!ASCIUDEME JOUBERTasciudeme@ig.com.brSão PauloA democracia acabouNinguém poderia imaginar que chegaríamos a isso em pleno século 21! Um jornal de extrema importância para uma nação inteira foi censurado por ordem do desembargador Dácio Vieira, que é ligado a Sarney e Agaciel Maia, os dois protagonistas da maior ''farra'' do Senado, nunca antes vista na história deste país! O desembargador pode até censurar o jornal, mas não pode calar nem varrer das mentes pensantes deste país tudo o que ele revelou, e que todo o Brasil sabe. Não adianta tapar o sol com a peneira nem mudar o discurso: Lulla rema conforme os benefícios que recebe e Sarney, por intermédio do "chefe" Renan, tenta se manter no posto. A democracia acabou neste país, mas até calarem todos ainda vai algum tempo. Portanto, a nossa mídia impressa que se cuide: se fizeram com um dos maiores jornais do País, farão com todos. Pobre nação, que nunca foi democrática e nunca será, se depender da corja que se apoderou de seu governo!LÍGIA BITTENCOURTligialbc@uol.com.brSão Bernardo do CampoTal pai, tal filhoO ditado popular faz-se realidade no caso da família Sarney. Será que o nosso presidente não tem medo de que o mesmo aconteça com seus filhos e netos? Falta de caráter é hereditária...SONIA ARRUGAsoniaarruga@terra.com.brSão PauloPara um cara qualquer, para o cara de duas caras, para pessoas comuns, incomuns, aloprados e magistrados, uma pergunta: atualmente, qual é a diferença entre biografia e ficha corrida?FLÁVIO CESAR PIGARIflavio.pigari@gmail.comJales?Lulla? e SarneyComo já era esperado, depois de tanto apoio, juras de amor, defesa do passado, etc..., "não é problema meu". Haja Teflon!ARTHUR BIAGIONI JUNIORbiagioni.jr@uol.com.brCampinasCasa dos horroresQue exemplo estão deixando os senadores Renan e Sarney? Para o Senado tentar recuperar a dignidade e o respeito, só elegendo para o lugar deles Jarbas Vasconcelos e Pedro Simon.LUIZ CARLOS TIESSItiessilc@hotmail.comJacarezinho (PR)Depois de tanta bagunça, a melhor denominação para o Senado seria casa-da-mãe-joana.LAERT PINTO BARBOSAlaert_barbosa@ig.com.brSão PauloTática da terra arrasadaPT, PMDB, PSDB, DEM, PDT, PTB, PSOL, etc., etc., alguém ainda duvida de que são todos farinha do mesmo saco? Será que não se consegue juntar dez políticos decentes para fundar um partido decente?ARIOVALDO BATISTAarioba06@hotmail.comSão Bernardo do CampoO Brasil só terá chance de sair desta podridão a partir do momento em que homens de bem iniciem uma Operação Mãos Limpas, como foi feito na Itália.HAROLDO LUCINDO MAIAharoldomaia@vivax.com.brAraraquaraCongresso NacionalRecomendo aos digníssimos congressistas que façam uma reflexão sobre a frase do deputado Ulysses Guimarães: "Velho, sim. Velhaco, não."CARLOS GONÇALVES DE FARIAcgfaria@ajato.com.brSão Paulo

, O Estadao de S.Paulo

01 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.