Cartas

Plano B do PTComo bom estrategista que é, o presidente Lula lançou Dilma Rousseff como sua candidata à Presidência da República na eleição de 2010. Para viabilizar essa candidatura, ignorou a opinião dos petistas e enfiou sua candidata goela abaixo de todos eles. Achou que com isso a eleição estava ganha e partiu para o ataque, vendendo a imagem de uma mulher para a Presidência que não tem empatia com o público e cuja trajetória política não agrada aos eleitores. Não tardou e eis que aparece Marina Silva (PT-AC), possível candidata à Presidência pelo PV. Ainda é cedo para dizer o que ocorrerá mais adiante, mas o plano B do PT está lançado. Se a candidatura Dilma não vingar, não faltarão afagos do presidente para convencer Marina a ser a candidata do PT - justamente ela, que tem a cara do partido, que veio de baixo e chegou ao poder de forma bem diferente de Lula. Resta saber se a senadora resistirá aos apelos de Lula, que a abandonou ao entregar o Ministério do Meio Ambiente a Carlos Minc - afilhado político de Sérgio Cabral, a quem Lula faz questão de atender -, ou se Marina apostará na carreira solo, preservando sua biografia, construída à custa de muito trabalho e de muita luta.IZABEL AVALLONE izabelavallone@yahoo.com.brSão PauloDilma x LinaA ministra Dilma agora nega, com veemência e com o apoio do presidente Lula, o pedido que fez à ex-secretária da Receita Federal Lina Maria Vieira para que agilizasse (bem entendido, encerrasse) a fiscalização nas empresas conduzidas por Fernando Sarney, filho do senador José Sarney. Em quem vamos acreditar? Na palavra de uma funcionária de carreira, até aqui honesta e insuspeita, ou em demagogos que estão no poder, useiros e vezeiros em negar tudo, quando acusados?FRANCISCO ZARDETTO fzardetto@uol.com.brSão PauloNo que tange à credibilidade, entre a palavra da ex-secretária da Receita Lina Vieira, a de Dilma e a de Lulla, logicamente fico com a primeira.ORIVALDO T. DE VASCONCELOS prof.tenorio@uol.com.brMonte AltoSob o tapete...Lina Vieira que se cuide. Até hoje não foram esclarecidos os assassinatos de Celso Daniel e Toninho do PT, que geraram suspeitas sobre os métodos do PT quando seus interesses eleitorais são fortemente contrariados, como ocorre agora com a candidatura Dilma. Parece óbvio o interesse em esconder o encontro em que a ministra teria pedido a Lina que encerrasse a investigação fiscal sobre empresas do estimado (por ela) senador Sarney. Cuidado, dra. Lina, muito cuidado.PAULO MAGALHA magalha1960@bol.com.brSão PauloRepública de AlagoasO apoio de Lulla e do PT a Sarney, Collor e Renan faz renascer a República de Alagoas, que julgávamos extinta, e atrasou o desenvolvimento do País em, no mínimo, 20 anos. E o PC virou PAC, bilhões que vão garantir verba farta para a campanha de Dilma e pagar os "serviços" dos compadres.EDVALDO ANGELO MILANO e_milano@msn.comLimeiraCom a reinauguração da República de Alagoas, quem ficará com a vaga de tesoureiro?LUIZ CARLOS MOREIRA lcm@tableau.art.brSão PauloParlapatõesEnquanto os parlapatões do Senado Fernando Collor e Renan Calheiros deblateram em defesa do senador José Sarney e de outros obscuros interesses próprios, Alagoas, o Estado que representam naquela Casa e por quem deveriam lutar, é o que possui o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em nosso país. Em penúltimo lugar está o Maranhão, Estado que há décadas é governado pelo clã Sarney. Esses são os novos companheiros e conselheiros do presidente Lula.ENI MARIA MARTIN DE CARVALHO enimartin@uol.com.br BotucatuNa mira da chibataTrabalho como porteiro noturno na zona leste e todas as madrugadas recolho o Estadão para os moradores. Habituei-me a ler as "headline news" até com certo cuidado para não desorganizar o jornal, sempre admirando como usa o bom português, é bem redigido e de lógica invejável! Entretanto, surpreendeu-me a notícia de uma liminar que calaria a voz do Estadão no caso Sarney. Preocupei-me, é claro, porque acompanho o caso com grande interesse, nas horas matutinas. Fiquei indignado com posições tão contraditórias no cenário político, a começar com a do presidente Lula, combatente dos partidos tradicionais, como o PMDB, que sempre mamaram nessa vaca holandesa que se chama Estado brasileiro. Lula é o fim de um sonho. Depois de vermos desfilar fascistas, falsos moralistas, corruptos e acadêmicos, finalmente o povo chegava ao poder. Oh, mero engano! A maior contribuição de Lula para este país seria ao menos aprender a falar nossa língua, já que de política seu comportamento não diz muita coisa (querendo manter Zé Sarney no cargo contra a vontade de todos os brasileiros). Lula é a luz que se apagou no fim do túnel. Vejam a saúde no Brasil, a educação, as estradas privatizadas. Somos obrigados a pagar pelos serviços públicos e privados. E o PAC? Em 2008 viajei de carro para o Nordeste, mais de 3 mil km. Chegando à Bahia, interessei-me pelas placas das obras do PAC e sempre que parava indagava na comunidade local sobre elas. E o povo respondia: "Por enquanto, só a placa!" E assim foi em vários Estados. O coronel Sarney é responsável por diversos desmandos na política brasileira, sua trajetória fala por si só, um homem cuja única ideologia é mudar de partido para se abrigar nas asas do poder. Lula e Sarney me envergonham de ser nordestino e brasileiro. Até Collor de repente se transformou num exemplo da moral e da ética... O voto no Nordeste, hoje, é institucionalmente comprado via Bolsa-Família, embora nas campanhas ainda se distribua muito dinheiro, sandália Havaiana, cimento, bola de futebol e tudo o que se possa imaginar. Na mais alta Corte de Justiça só se escuta a voz do ministro Joaquim Barbosa e, no Senado, Cristovam Buarque, Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos, que ecoam para os surdos, cegos e mudos no plenário e nas comissões. Fiquem espertos, srs. jornalistas, vocês são a bola da vez ("não se deve cutucar a onça com vara curta", diz a máxima). Eles legislam para sua conveniência. E eu que pensava que podíamos ter um país de total liberdade. O que se vê é um salve-se quem puder e nós, o povão, enquanto não aprendermos a votar e sermos votados, ficamos à mercê da chibata dos coronéis.ALAMO NEVES alamoneves@yahoo.com.brSão Paulo''Está na hora, sim, de ter uma mulher como presidente do Brasil: Marina Silva!"Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.brSão PauloEsclarecimentoTítulo da matéria sobre a visita do governador paulista à Bahia afirma que Serra diz que Lula interferiu no Conselho de Ética (11/8, A4). O próprio texto se encarrega de desmenti-lo quando informa que o governador não citou Lula nem o Conselho de Ética. A transcrição da entrevista à rádio que foi fonte da reportagem revela ainda que o jornal colocou declarações que o governador não deu entre aspas. O que Serra disse sobre a crise do Senado, que se arrasta há meses, e sua relação com o Executivo foi uma obviedade: "Se produziu uma crise grande, realmente o Executivo se envolveu." Mais: Serra não "avisou" que pretende visitar todos os Estados brasileiros "nos próximos meses". Surpreendentemente, o Estadão não cobriu um dos dois principais eventos da visita do governador à Bahia: um protocolo assinado com o prefeito João Henrique, referente à formação de recursos humanos para a operação do metrô de Salvador, que será feita por São Paulo. Foi no discurso da solenidade que Serra falou da maior segurança do metrô em relação aos ônibus; suas declarações a esse respeito, registradas na matéria, também estão fora do contexto.JUNIA NOGUEIRA DE SÁ, Secretaria de Comunicação do Governo de São PauloSão PauloFÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:(11) 3856 2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

12 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.