Cartas

ACORDO DE PAZQuando a tropa de choque de José Sarney (PMDB-AP) ameaçou Arthur Virgílio (PSDB-AM) com representação no Conselho de Ética, em represália à sua insistência em apresentar denúncias contra o presidente da Casa, o tucano declarou que não se acovardaria e iria até o fim nesse processo, terminando por acusar Renan Calheiros de chantagear o PSDB. Ontem li que a oposição, mais especificamente o PSDB, na pessoa de seu presidente nacional, senador Sérgio Guerra, fechou acordo com os líderes governistas para livrar Sarney e Virgílio das acusações no plenário da Casa. Como disse o senador Cristovam Buarque: "O que me preocupa é que, diante da brutalidade, a paz é sinônimo de covardia." Sérgio Guerra, por sua vez, declarou: "Tenho a certeza de que o povo não vota mais em nenhum de nós." Se pensou nos eleitores tucanos, está absolutamente certo.FLÁVIO JOSÉ RODRIGUES DE AGUIARrsd100936@terra.com.br Resende (RJ)Eleitora de Mário Covas, FHC e José Serra, estou aguardando a Marina Silva.DIVA R. NICOLETTO LAURIANOdivalauriano@hotmail.comSão PauloPara livrar o senador Arthur Virgílio a oposição aceita livrar também José Sarney? Pobre Brasil! São todos iguais mesmo.YUSSEI HIGAyhiga@uol.com.brSorocabaO acordo é mais que vergonhoso, é aviltante. Serve para nos mostrar que não se trata apenas de um ou outro político sem compromisso com a integridade. Todos são farinha do mesmo saco, salvo mínimas exceções.LUCIA HELENA FLAQUERlucia.flaquer@gmail.comSão PauloSó o que aumenta é o peso da farinha...DOCA RAMOS MELLOddramosmello@uol.com.brSão SebastiãoPedido de desculpasAo ver a rendição do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), na segunda-feira, na tribuna do Senado, constatei que esses senhores são feitos da mesma matéria-prima (podre). Reuniram-se antes para assinar a rendição - sabendo dos dossiês que estariam no forno, prontos para ser divulgados -, com muito medo de não conseguirem se reeleger nas próximas eleições. Num ato indecente, compuseram. Tudo será arquivado e o senador Ribamar, vulgo Sarney, mesmo sem moral, continuará ocupando a cadeira da presidência da Casa. Nesse jogo de cena, a população brasileira chegou a pensar que limparia a horda que se instalou no Senado, que um dia abrigou homens de reputação ilibada. Às excelências, meus pêsames! E à população brasileira, que não os reeleja.AGNES ECKERMANNagneseck@yahoo.com.brSão Bernardo do CampoPresidência do Senado?Como pode alguém que precisa de uma "tropa de choque" e da censura à imprensa para se manter num cargo achar que se encontra no pleno exercício dele? A situação é surreal, virtual e imoral. Está faltando vergonha na cara e sanidade mental aos envolvidos.GLADYS CASTANHOglad-is@ig.com.brSão PauloDa blindagem de Sarney participam o Executivo (Lula e Dilma x Lina), o Judiciário (liminar ainda não cassada) e o Legislativo (acordo entre posição e oposição). Foi decretado o AS-1 (Ato Sarney n.º 1) com censura à imprensa, validação de atos secretos e liberação do descaramento. Não é réplica medíocre e vergonhosa do AI-5?MIRIAM SÃO THIAGOmest@terra.com.brSão PauloHoje, a política no Brasil se assemelha àqueles velhos filmes de faroeste: um bando de malfeitores bigodudos, de cenho carregado, imorais e cínicos, invadem uma cidade, instalam-se no poder, corrompem tudo. E ai de quem se lhes oponha, pois, surpreendentemente, o xerife está do lado deles.SUELY BORGESsjungborges@yahoo.com.brSão Paulo?Estado? sob censuraPalavrão no Senado pode; gravação no Estadão, não!AGRIPINO ALBERTO DOMINGUEScentraltalentos@bol.com.brSão PauloPlano Bresser, Plano Collor, mensalão, dólares na cueca, CPIs de pizzas, nepotismo, corrupção, claques compradas, abuso de poder, censura, etc., etc. E nós? Eleitores ou "eleotários"?NELIO ESQUERDOnelioesquerdo@terra.com.brSão PauloArrepiei-me de satisfação ao ler a carta do leitor sr. Alamo Neves (Na mira da chibata, 12/8). Absolutamente precisa na definição do status quo da Nação brasileira e, ao mesmo tempo, legítima como protesto de um cidadão de bem. Que todos os filhos do Nordeste e do Brasil tenham não só a sorte de ser alfabetizados, mas também o acesso a jornais idôneos e expressivos, cuja finalidade seja, acima de tudo, a de defender a democracia dos povos, como é o Estadão. Portanto, sr. Alamo Neves, felicito-o com todas as minhas forças pelo exemplo de cidadania que demonstrou, letra a letra, palavra por palavra, em sua emocionante missiva.JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIASzambonelias@estadao.com.brMaríliaLei do silêncioPrimeiro calaram o Estadão. Agora querem calar a ex-secretária da Receita Lina Vieira. Quousque tandem abutere patientia nostra?RONALD MARTINS DA CUNHAronald.cunha@netsite.com.brMonte Santo de Minas (MG)A ministra Dilma Rousseff menospreza a inteligência do brasileiro. Refuta peremptoriamente ter tido qualquer encontro ou conversa com Lina Vieira. Ou seja, ela quer nos dizer que uma servidora de 30 anos de trabalho sério sofre de alucinações auditivas e visuais. Felizmente, creio que, mais dia, menos dia, as provas do encontro surgirão e a ministra haverá de reconhecer que disse à ex-secretária o que agora diz que não disse. Essa é a candidata que o Lula deseja que engulamos.DANIEL ROCHAdadaro@uol.com.brCaieirasLina Vieira faz uma acusação extremamente grave contra a ministra. Resta saber se a sra. Lina aguentará a pressão, terá força e coragem de sustentar a denúncia e, fundamentalmente, demonstrar provas inequívocas de que está falando a verdade. Caso contrário, não tenham dúvidas: será triturada pelos companheiros.DAVID NETOdrdavidneto@drdavidneto.com.brSão PauloLeva jeitoEm campanha dois anos antes da eleição e seguindo a cartilha do professor, a tendência é que Dilma obtenha sucesso em 2010. Leva jeito: nega qualquer pedido escuso que tenha feito para aliviar o clã Sarney e contesta deslize no currículo no arquivo da Petrobrás. A tendência é emplacar.HUMBERTO SCHUWARTZ SOARESumsoares@pop.com.brVila Velha (ES)Dilma tem razão: chegou a hora e a vez da mulher... Marina Silva vem aí, e vem com uma bagagem respeitável de experiência, dinamismo, garra e realizações. Bem-vinda, Marina-candidata.RUTH DE SOUZA LIMA E HELLMEISTERrutellme@terra.com.brSão PauloPatentes e ciênciaNa matéria sobre as dificuldades de desenvolvimento de patentes no Brasil pelos institutos de pesquisa e universidades (9/8, A30), faltou mencionar que os salários dos pesquisadores científicos de São Paulo são dos mais baixos no País. No entanto, nossa carreira exige progressão por mérito, tempo integral, dedicação exclusiva e serve de exemplo para outras carreiras do Estado, pois sua estrutura tem sido aperfeiçoada por mais de 30 anos. Em tempo: o piso é de R$ 2.700 e o teto, R$ 6.400, cerca de 30% menor que os das demais carreiras de nível superior.MARCELO DE FRANCO, pesquisador científico do Laboratório de Imunogenética do Instituto Butantanmdfranco@butantan.gov.brSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.