Cartas

LINA X DILMAO "cara" desafiou a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira a provar o encontro com a ministra Dilma Rousseff. De que adiantaria? Em passado recente tivemos uma discussão do mesmo tipo, sobre um suposto dossiê, que, por mais provado que tenha ficado, restou "claro" nunca ter exis-tido, que a ministra nunca pensou em tal ato, que foi praticado por uma funcionária afoita, a qual foi promovida, talvez por ter sido o seu relatório (nada de dossiê) um excelente trabalho.MANOEL MENDES DE BRITObrito.voni@terra.com.brBertiogaSó faltava mesmo o presidente Lula defender os impropérios de sua ministra-candidata. Com o meio de campo embolado para a campanha de 2010, começou a pipocar a lambança dos petistas e dos aloprados do presidente Lula. Marina Silva que se cuide, pois já divide com José Serra o ódio destilado pela turma que quer ficar 20 anos no poder. Acorda, Brasil!HELLI DOS SANTOS OLIVEIRAhelliso@hotmail.comSão PauloMAIS UM BLEFEQuer dizer, então, que a sra. Lina Vieira está mentindo? Parem com isso, que desse jeito a ministra Dilma vai perder mais um pouco de votos. Já blefou nos cursos e agora é no encontro.JOSÉ PIACSEK NETObubapiacsek@yahoo.com.brAvanhandavaDESCULPA ESFARRAPADAA Casa Civil é um órgão público e, como tal, ninguém que o frequente precisa ter a sua identidade preservada. Foi uma desculpa sem fundamento da ministra Dilma Rousseff para não entregar agenda em que poderia constar o nome de Lina Maria Vieira.ENI MARIA MARTIN DE CARVALHOenimartin@uol.com.brBotucatuEM QUEM ACREDITAR?Após as mentiras do seu currículo, a ministra e candidata Dilma Rousseff nega ter tido uma entrevista - e também intercedido pela família Sarney - com a então secretária da Receita, Lina Vieira, quase que imediatamente dispensada do cargo. Qual a ilação? Dilma nega a entrevista e o pedido. Lina confirma ambos. Lembram-se do Palocci? Sempre pode aparecer alguém para tumultuar... Agora apareceu a sra. Iraneth, funcionária de carreira da Receita, que confirma a tal entrevista. Em quem acreditar? Você tem dúvidas?ANTONIO CARLOS PEREIRAacpereira1939@com4.com.brBatataisDIÓGENES DO TONEL"Não me tires o que não me podes dar", palavras de Diógenes para César (que lhe tirava o sol) e que bem caberiam na boca de Lina Vieira, respondendo a Dilma Rousseff (que lhe nega lisura).CARLOS AUGUSTO DE A. MARANHÃOSão PauloHISTÓRICO DE POLÊMICASSe não bastasse Heloísa Helena, temos Marina Silva. Ambas com boas ideias a serem debatidas e amadurecidas, porém essas duas "xiitas", de radicalismo fundamentalista, são do "é já e agora". Um sério risco para a democracia! SÉRGIO PAULO TEIXEIRA POMBOsp.pombo@estadao.com.brCampinasComo corolário de tantos escândalos, agora muitos veem a esperança voltar com a possível candidatura de Marina Silva ao Palácio do Planalto. O que me preocupa, contudo, é aquilo de sempre: fora do PT, se eleita, com que quadros do PV contará para compor Ministérios e as centenas de cargos em escalões inferiores? Não os tendo em número necessário, fatalmente não fugirá das infalíveis e perigosas composições, que sempre despertam e despertarão a cobiça de vencedores e vencidos, com estes se bandeando para a situação - os chamados oportunistas de plantão, sempre de olho nas boquinhas e benesses do poder, tudo em nome da manjada governabilidade... Já vimos esse filme, continuaremos a vê-lo, para desgraça geral. Quem salvará o Brasil? Está difícil! NEWTON BENEDITO DE CARVALHOnabuco@skynew.com.brCatanduvaO CIRCO CONTINUAAssistir à TV Senado tornou-se tarefa árdua! Pelo pronunciamento do senador José Sarney, o Estado (sob censura) mente sobre seus bens adquiridos em São Paulo (e a empreiteira ligada ao filho?!). E indaga se terá de prestar contas de todos os bens que adquirir, bem como os demais senadores. Ora, o senador Sarney, acredita em mentiras que ele mesmo plantou e está levando outros com ele - os que temem, os que não agiram corretamente, como ele. A resposta ao seu pronunciamento é uma só: queremos investigação de tudo e sem mais! Quando é que as "sessões circenses" do Senado serão encerradas?LÍGIA BITTENCOURTligialbc@uol.com.brSão Bernardo do CampoTodos sabem que Sarney exerce influência no setor elétrico, tanto que indicou o atual ministro. Nada, então, justifica o uso de dois apartamentos por membros de sua família, em São Paulo, especialmente porque a empreiteira proprietária atua no setor elétrico. Trata-se de mais uma denúncia e de mais uma vitória da democracia, apesar das violações à liberdade de imprensa, catalogadas em nossa Carta Magna, e que, certamente, serão recompostas pelas Cortes mais altas deste país. JOSÉ CARLOS DE CARVALHO CARNEIROcarneiro@claretianas.com.brRio ClaroLEI DAS PROBABILIDADESA probabilidade de ser coincidência o fato de a "famiglia" Sarney possuir apartamentos no mesmo prédio de uma construtora amiga é igual à probabilidade de um indivíduo ser atingido por um meteorito na cabeça, enquanto um terremoto ruge sob os seus pés.CLOVES SOARES DE OLIVEIRAclovessoliveira@superig.com.brValinhosENCOSTOO senador Sarney é igual ao macaco da piada: cego, surdo e mudo. Nem liga se rasgou e encheu de marimbondos a sua biografia. O povo do Maranhão e do Amapá precisa de muita ajuda espiritual para se livrar desse encosto. MACMILLER JOSÉ RIBEIROmacmilleribeiro@gmail.comSão PauloQUINTO PODEREmocionei-me com o editorial Exibe-se o quinto poder (16/8, A3). Os que querem burlar lei e a Constituição, a História do Brasil, a luta contra ditadura e a favor da democracia e estabelecer um poder maligno no Brasil fiquem sabendo que o Estado está certo! Na minha opinião, os dois pilares que ninguém vai destruir são o da democracia, conquistado com luta digna do povo brasileiro, e o da liberdade de imprensa. Isso acabará prevalecendo no Brasil e em toda a América Latina - e quero fazer meu neto aprender e seguir, para um futuro melhor do País.MIKIO MODAmikiomoda@ig.com.brSão PauloFORO ATÍPICOO Estado está sendo vítima do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, irmão xifópago do Senado, cujo "pai" se chama José Sarney.JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇAjosefranciscof@uol.com.brEspírito Santo do PinhalSOLIDARIEDADEA Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) vem prestar solidariedade ao Estado em razão da censura prévia que lhe foi imposta pelo Judiciário, impedindo o exercício constitucional de informar e ser informado, e repudiando, veementemente, qualquer ato de limitação à liberdade de imprensa e de expressão política, ideológica e artística, princípios que alicerçam o Estado Democrático de Direito e dão à sociedade os meios adequados para o verdadeiro exercício da cidadania. Na certeza de que tal arbitrariedade será revertida e que os princípios democráticos conquistados serão restabelecidos, a Aner coloca-se ao lado do jornal para auxiliar no que for necessário nesse sentido.ROBERTO MUYLAERT, presidente São Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.