Cartas

SINAIS TROCADOSNo depoimento da dra. Lina Vieira tomei conhecimento, entre outras coisas, de que o Estado de São Paulo é responsável por mais de 40% da arrecadação de impostos do País. Se praticamente carregamos o Brasil nas costas, está na hora de nós, paulistas, exigirmos enfaticamente mais respeito do governo federal em matéria de ética e valores morais, a começar por cobrar transparência da ministra Dilma Rousseff, já que é pré-candidata à Presidência da República. Se a ministra diz a verdade, por que não prova, enviando os vídeos da entrada ou não da ex-secretária Lina no Palácio do Planalto? Está nas mãos da ministra a prova de sua inocência, e não o contrário. Parece que nessa história toda os sinais estão trocados. Eliana França Leme efleme@terra.com.brSão PauloNão nos podemos esquecer de que todo guerrilheiro é treinado para não confessar.M. Helena Borges Martins m.helena.martins@uol.com.brSão PauloLINA X DILMAEu acredito que não tenha havido o encontro reservado e indevido entre Dilma e Lina para tratar de assuntos da família do senador Sarney, aliado estratégico do governo federal. Eu também acredito em duendes, gnomos, elfos, coelho da Páscoa, Papai Noel, saci-pererê e mula sem cabeça.Túllio Marco Soares CarvalhoBelo HorizonteTeste de avaliação de credibilidade e confiabilidade: em 1.º, Lina Vieira; em 2.º, Lina Vieira; em 3.º, empatados, Dilma e Lula.Marcus de Campos Pieri marcuspieri@gmail.comAvaréGROSSERIA O ridículo Aloizio Mercadante agiu como criança ingênua e mal-educada. Ingênua porque parece não saber que em qualquer repartição pública sempre há ouvidos dispostos a ouvir e línguas dispostas a falar; mal educada porque se dirigiu à dra. Lina, funcionária pública com maiores méritos que ele, de forma grosseira, tratamento que ninguém merece! É mais uma representação lamentável para o Estado de São Paulo.Régis D. C. Fusaro rxfusaro@hotmail.comSão PauloSe o País carece de um Senado sério, diante do "desempenho" do sr. Mercadante no depoimento da ex-secretária da Receita, mais que provado está que nós, paulistas, carecemos imensamente de senadores à altura deste Estado! Pobre Brasil, pobre São Paulo...Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.brSão CarlosO senador Mercadante escarneceu da Lei Maria da Penha ao contestar a dra. Lina Vieira.Leila E. LeitãoItanhaémSEM NOÇÃOO presidente da República, conforme o artigo 84, inciso II, da Constituição, tem como competência "exercer, com o auxílio dos ministros de Estado, a direção superior da administração federal". Claro está, então, que na condição de supremo gestor da administração é ele que decide em última instância sobre os atos administrativos do governo. Assim, não está no papel do presidente ficar opinando sobre divergências entre seus subordinados. É da sua competência, sim, tomar decisão, baseado em fatos, convicções e nos superiores interesses de Estado. Absolutamente inadequado, portanto, que na divergência entre a ministra da Casa Civil e a ex-secretária da Receita Federal fique emitindo opinião. Deveria reservarse e preservar sua autoridade, ao menos até que o assunto seja cabalmente esclarecido. Mais grave ainda que o faça na presença de chefe de Estado estrangeiro. Lamentável! Faltam-lhe postura e noção de seu papel. Continua no sindicato!Paulo V. Da Rocha pvr50@hotmail.comSão PauloCara de pau do Lulla querer que um ato ilícito estivesse agendado.Roberto Antonio Tassi bobtassi@terra.com.brSão PauloMINGAU RECHEADOPela preocupação dos cumpanheros na blindagem da ministra Dilma, há evidência de muita farofa debaixo desse mingau. E não é em prejuízo de dona Lina, que nunca foi flagrada com inserções falsas em currículo.Flávia de Castro Lima lgcastrolima@uol.com.brSão João da Boa VistaPOLÍTICA EM BRASÍLIAO filósofo grego Diógenes, cognominado O Cínico, foi visto certa feita, em plena luz do dia, passeando pelas ruas de Atenas com uma lanterna acesa nas mãos. A quem lhe perguntava a razão de tal excentricidade, o filósofo respondia: "Ando à procura de um Homem!" Parafraseando Diógenes, seria oportuna a presença em Brasília de um transeunte, em plena luz do dia, portando uma lanterna acesa à procura de um político honesto. Há honrosas exceções, como em todas as regras, e com uma lanterna acesa não seria difícil identificá-las. Seria melhor ainda que se instalasse uma ratoeira em determinado lugar... Lembremos o personagem Justo Veríssimo, de Chico Anysio, proferindo com ênfase: "Corrupção, sim! Mas com a máxima honestidade!"Oswaldo de Castro gilmara@plasticastro.med.brSão Paulo''Lulla disse que na Câmara havia mais de 300 picaretas. Por que não diz quantas retroescavadeiras há no Senado?"Miguel Politi miguel.politi@uol.com.brSão PauloJOAQUIM NABUCOComemoram-se hoje os 160 anos do nascimento do pernambucano Joaquim Nabuco. Político, historiador, escritor, diplomata e, acima de tudo, patriota e abolicionista, Nabuco foi um grande brasileiro, que não apenas se bateu firmemente pela abolição da escravidão, como também apresentou um ousado e ainda atual plano de reformas sociais para o Brasil, que, entre outros pontos, previa uma reforma agrária. Para ele, não bastava eliminar formalmente a escravidão, era preciso ainda destruir os seus efeitos nefastos na sociedade - uma obra que, segundo ele, deveria ser levada a cabo por sucessivas gerações de brasileiros. Acredito que, diante da situação brasileira atual - marcada ainda pelo patrimonialismo na vida política e pela forte concentração de renda -, essa obra está para ser concluída e, por isso mesmo, devemos ter em mente, mais do que nunca, o pensamento e o ideal de Joaquim Nabuco.Inoã Pierre Carvalho Urbinati inoacarvalho@yahoo.comRio de JaneiroNAZISMOÔ, dr. Sarney, nazista...? É a tropa de choque!Jorge Zaven Kurkdjian zavida@uol.com.brSão PauloCLÃ SARNEY, DÚVIDATeria a empreiteira comprado e emprestado os apartamentos nos Jardins ao clã Sarney, ou teria o empreiteiro emprestado o seu nome ao clã Sarney, que teria a empreiteira? Ou tudo não passa de uma estranha coincidência... Que, pela seriedade que sugere, merece investigação.Marcelo Hartmann marcelo@hartmannefelberg.com.brSão PauloAté onde vão as mentiras de Sarney?Robert Haller robelisa@click21.com.brSão PauloSERRA EM ALAGOASReportagem do Estado sobre a visita do governador de São Paulo a Maceió (sábado, 15/8) errou desde o título, Serra usa até helicóptero para conseguir cumprir agenda. O governador chegou à capital alagoana na sexta-feira por volta das 15 horas. Foi a três atos administrativos: a assinatura do contrato entre a Sabesp e a Casal, a premiação da Nota Fiscal Alagoana e a assinatura do protocolo entre as imprensas oficiais dos dois Estados. O jornal disse que José Serra percorreu o interior de Alagoas para inaugurações. Mas nos horários descritos o governador despachava em São Paulo.Junia Nogueira de Sá, Secretaria de Comunicação do governo do Estado São Paulo

, O Estadao de S.Paulo

19 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.