Cartas

Pizza no STFA votação no STF que inocentou Palocci da última ação que pesava sobre ele, das 20 que já foram arquivadas desde 2003 sem consequência alguma, cheira a jogo com cartas marcadas, né não?ANGELO TONELLIangelotonelli@yahoo.com.brSão PauloAlguém, em sã consciência, acreditava que o Palocci seria processado?JOÃO MENONjoaomenon@terra.com.brSão PauloDepois dessa decisão "histórica e inesperada" do STF, só nos resta uma recomendação: o último que sair não deixe de apagar a luz.HÉLIO JOSÉ CURYheliocury@datasesmt.com.brSão PauloBravo! Palocci livre de todas as acusações, como queria o presidente Lula! E agora? Quando vão condenar o caseiro Francenildo?REGINA HELENA DE PAIVA RAMOSreginahpaiva@uol.com.brSão PauloA culpa é do caseiro...No fim de tudo, a culpa é do caseiro. Quem é ele, um simples trabalhador, que ousa enfrentar essas raposas da República do PT? A foto principal da edição do Estadão de ontem é um contraste sintomático entre a empáfia de um advogado caríssimo e a simplicidade de um brasileiro comum. Contudo, para quem pensa, Francenildo é "o cara", um brasileiro comum, com a consciência tranquila do dever cumprido.IVACY FURTADO DE OLIVEIRAivacy.oliveira@cpb.com.brTatuíA foto da primeira página revela o pensamento de dois protagonistas do processo. Do advogado de defesa: ganhei a causa! Do honesto Francenildo: será que só eu tinha R$ 40 mil na poupança, para mobilizar tantos e tão famosos para salvar a cara do ex-ministro?JORGE DE MOURA ANDREWSjmandrews@uol.com.brFlorianópolisO que mais esperar?Ficou decidido no STF, em votação apertada, por apenas um voto, que a Justiça de fato não existe e o que deve prevalecer sempre é o nível econômico dos criminosos.NUNO COBRAnunocobra@nunocobra.com.brSão PauloAgora temos mais um pré-candidato ao governo de São Paulo ou à Presidência da República.OLYMPIO FÉLIX DE A. CINTRA NETTOofacnt@yahoo.com.brSão PauloPalocci se candidatar em São Paulo? Terá como vice o sr. Francenildo? Pode vir quente, que estamos fervendo. A vergonha que sentimos dos políticos de Brasília, que elegemos, será demonstrada.ANDRÉ C. FROHNKNECHTanchar.fro@hotmail.comSão PauloA nova CPMFÉ para chorar a notícia da recriação da famigerada CPMF, agora com nova roupagem. O governo, mais uma vez, escudado na hipocrisia e na mentira, o que lhe é muito peculiar, insiste em golpear o povo com mais uma extorsão. É mentirosa a desculpa de se criarem mais recursos para a saúde, uma vez que o esbanjamento, o aumento do Bolsa-Família (compra de votos) e o financiamento ao país da coca, sem aludir a outras benesses, é uma constante desse (des)governo. Haja vista a concessão faraônica de verbas aos parlamentares do PMDB, só para lhe garantir a falta à verdade de sua candidata à Presidência, a obstrução da CPI da Petrobrás e a flagrante ingerência na Receita Federal, sem contar o cala-a-boca contra a imprensa, principalmente o Estadão, que continua amordaçado.VICENTE MUNIZ BARRETOdabmunizbarreto@hotmail.comCruzeiroNossos políticos são mesmo desaforados: querem ressuscitar a CPMF e ao mesmo tempo está em pauta, com grande chance de aprovação em plenário, a PEC que aumenta o número de vereadores. Seria justo assistir a mais isso? ANÍZIO MENUCHIamenuchi@uol.com.brPraia GrandePara que agenda?Na tentativa de blindar a chefe da Casa Civil, a tropa de choque se apega ao fato de a ex-secretária da Receita não se lembrar da data em que esteve no Palácio do Planalto nem ter agendado a reunião pedida pela ministra. Fizeram um bafafá danado, mas na hora de mostrar as gravações do circuito interno do palácio os capachos de Lula alegaram que as imagens do tal "módulo de controle e acesso" foram destruídas. O que me deixa indignado é que esses leões de chácara do PT subestimam a inteligência dos outros para provocar. Que equipamento é esse, que custou os olhos da cara e só armazena imagens por 30 dias? Essa manutenção que não salva imagens gravadas em outro arquivo? Era para estarem gravados o dia, a hora, com quem ela chegou, a placa do carro e até a roupa que usava. Destruíram porque quiseram. Agora, dizer que não houve reunião só porque a ex-secretária se esqueceu da data é bobagem. Esquecemos o dia em que estivemos num motel, mas não com quem nem o que fomos lá fazer.FRANCISCO RIBEIRO MENDESfrmendes@correioweb.com.brBrasíliaFaltam provas porque o corpo de delito sumiu após 30 dias...!HELVIO ROSSIGNOLLIhrossignolli@gmail.comCaieirasRespostaO leitor sr. Ariovaldo Geraissate pergunta (28/8) o que nossos senadores sentiram sobre o pronunciamento de Gordon Brown a respeito de Ted Kennedy. Eu mesma posso responder: NADA! Porque lhes falta vergonha, decência, dignidade, honra, ética e moral.JANE M. A. DE OLIVEIRAjanemaria97@hotmail.comSão PauloDéficit de vagas nas prisõesConstruir presídios é necessário, mas mais importante é construir escolas, hospitais e zerar o desemprego. Porque sem cultura, saúde e perspectiva de futuro os nossos jovens serão os criminosos de amanhã. E assim nunca vamos parar de construir presídios.ARCANGELO SFORCIN FILHOarcangelosforcin@gmail.comSão PauloComunicaçãoComo membros da Comissão Organizadora Nacional da 1.ª Conferência Nacional de Comunicação, gostaríamos de fazer algumas observações sobre o conteúdo do editorial sobre o tema (24/8, A3). 1) Os empresários não aceitaram a delimitação de todos os princípios constitucionais como referência para a conferência. Nos princípios propostos por esse setor estavam apenas alguns dos princípios constitucionais e outros que não constam em nenhuma legislação brasileira do tema. Propusemos que todos os artigos relativos à comunicação social na Constituição federal fossem então tomados como referência, o que não foi aceito. 2) Em nossa opinião, o controle social deve seguir o que aponta a Constituição. Em seu artigo 220, § 3.º, por exemplo, está estabelecida a necessidade de lei federal "estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente". Hoje a população não tem como se defender de forma efetiva desse tipo de prática das emissoras. 3) Temos sido publicamente críticos de casos de aparelhamento das emissoras públicas e estatais, assim como do bastante frequente aparelhamento político para fins particulares das emissoras privadas, que tem na recente disputa entre Globo e Record apenas mais um exemplo. Quem tem demonstrado pouca disposição de respeitar o texto constitucional são determinados setores do empresariado que há 18 anos pressionam o Congresso para impedir a regulamentação do artigo 221, que trata da regionalização da produção.JOÃO BRANT, Intervozes - Coletivo Brasil de Comunicação Socialjoao@intervozes.org.brSão Paulo

, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.