Cartas

República de MacunaímaRealmente não houve a quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa. O que houve foi somente a publicação de seu extrato bancário. O presidente da Caixa Econômica Federal, ele próprio, no uso das suas atribuições e numa demonstração de zelo pelo patrimônio dos seus clientes, fazia sistematicamente uma varredura nos milhões de contas da instituição. Em determinado dia, percebeu uma irregularidade na conta do cidadão Francenildo, que, por ser caseiro, jamais poderia ter semelhante valor depositado em seu nome, salvo por lavagem de dinheiro ou propina. Assunto esse de extrema gravidade e que só poderia ser resolvido em instância superior, ou seja, com o próprio ministro da Fazenda. Este, ao receber a documentação-denúncia, em dia bastante atarefado, esqueceu-a sobre a mesa. Como estava sem o carimbo de confidencial, um assessor deu-lhe encaminhamento indevido, pensando tratar-se de matéria para a imprensa. A divulgação dos fatos causou, na época, verdadeiro tumulto na Ilha da Fantasia e deu início a uma demanda judicial. Após dois anos, a Justiça brasileira, por intermédio do Supremo Tribunal Federal, concluiu que houve crime, sim, mas a culpa é do mordomo. E que a partir de agora, com a trama esclarecida, reinarão a paz e a justiça na Republiqueta de Macunaíma. HUMBERTO DE LUNA FREIRE FILHOhlffilho@gmail.comSão PauloPra matar de inveja!Parabéns, STF! Mas, principalmente, parabéns, São Paulo! Agora, sepultadas as falsas acusações que tinham por objetivo atingir cidadãos honestos, que a mídia golpista vinha tratando como se fossem pessoas comuns, o Estado mais rico do País poderá ter, finalmente, uma administração à sua altura: com a integridade de Palocci no governo do Estado, a lucidez de Suplicy e a firmeza de Mercadante no Senado e a coragem de José Genoino na Câmara, seremos também premiados, provavelmente, com os bem contabilizados recursos intelectuais de Delúbio Soares na Secretaria da Fazenda, o excelente trânsito interempresarial de Silvinho Pereira nos Transportes, a segurança e a discrição de Jorge Mattoso na presidência da Nossa Caixa e, claro, a incalculável experiência do ex-presidente Lula na Secretaria de Educação. Claro que os invejosos e ressentidos tentarão sabotar essa obra maravilhosa. Mas então nomearemos (sim, eu também sou paulista) Cláudio Lembo para a Secretaria de Administração Penitenciária e ele saberá manter no seu devido lugar esses representantes da elite branca e perversa... Que inveja para o resto do Brasil e - por que não? - para o mundo!ODILON TOLEDOodilonto@terra.com.brBelo HorizonteNão passaO STF pode ter aberto caminho para Palocci disputar o governo de São Paulo, mas os paulistas conhecem o remédio caseiro para fechar esse caminho. O povo paulista sabe muito bem quem "rechaça e glosa" nas eleições.FLAVIO MARCUS JULIANOopegapulhas@terra.com.brSão PauloA ?zelite? e o caseiroEstou aguardando as manifestações dos companheiros do PT e aliados contra a decisão do STF a favor do ex-ministro Palocci, pois mais uma vez o excluído continuou excluído e o poderoso se saiu bem. Mas até agora só os "elitistas" foram a favor do menos favorecido.FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRAfco.paco@uol.com.brSão PauloMafiososEstou sabendo: a Máfia italiana virá ao Brasil fazer mestrado e doutorado. Sabem onde? Em Brasília! Mestrado na Câmara, doutorado no Senado, para eles aprenderem como fazer todo tipo de falcatruas e, além de não serem presos, ocuparem altos cargos no governo e rirem na cara do povo e da Justiça.AMILTON FERREIRA GOULARTDouradoComédiaA exemplo de Paulo Duque para Sarney e Lula para Dilma, o que cinco ministros do STF decidiram é que nem sequer deve haver investigação sobre Palocci. Qual é o caminho a trilhar quando as principais instituições nacionais se converteram em "faz-me rir"?JORGE JOÃO BURUNZUZIANburunlegal@hotmail.comSão PauloConstelaçãoNosso Supremo é constituído por estrelas cuja luz própria é o saber jurídico. Algumas são de primeira grandeza (uma está licenciada), outras são estrelas cadentes.CARLOS AUGUSTO DE A. MARANHÃOSão PauloA mão do gatoA absolvição do ex-ministro e atual deputado Antônio Palocci não foi surpresa nem espanta. A corda sempre rebenta do lado mais fraco, no caso, o humilde caseiro Francenildo dos Santos Costa, que teve a suprema coragem, hombridade e dignidade de contar o que via na mansão em Brasília, conhecida como República de Ribeirão, apesar de, por todos os meios, tentarem intimidá-lo e desqualificá-lo. No império da impunidade em que se transformou o Brasil, os cidadãos de bem, os "comuns", sentem-se alijados de seus direitos, especialmente à justiça, pois todos os Poderes - sabe-se lá por quê - são subservientes aos caudilhos, oligarcas, homens (e também mulheres) considerados "incomuns" e, portanto, acima do bem e do mal. Basta ter muito dinheiro (extorquido do erário, no mais das vezes) para comprar defesas e também consciências. Todas as evidências de crimes - chamados de erros por alguns - são simplesmente ignoradas: sempre existe a mão do gato a conferir dúvidas sobre as ocorrências: no caso da divulgação do extrato bancário do caseiro, o relator aventou a possibilidade de o documento haver ficado na memória da máquina e qualquer pessoa poderia ter tido acesso a ele. Dá para acreditar que tamanho descuido possa acontecer?! Tristes dias estes, como nunca antes neste país, em que a Justiça é mais justa para os "incomuns" do que para os comuns cidadãos, trabalhadores e pagadores de impostos, para serem usados na prevaricação dos homens públicos!APARECIDA DILEIDE GAZIOLLArubishara@uol.com.brSão Bernardo do CampoCláusulas pétreasA decisão do STF sobre a não-aceitação do pedido de acusação de Palocci se chama violação dos direitos e garantias fundamentais, que o tão honrado presidente do supremo (minúsculo mesmo) apregoa por aí.SÉRGIO ROBERTO DA COSTAsergiorobertocosta@ig.com.brSão PauloSTF sem isençãoVivemos em tempo de ditadura, pois o presidente Lulla comprovadamente controla o Senado, intervém na Receita Federal e naquilo que haveria de ser independente e isento, o STF. Alguém tinha alguma dúvida do veredicto sobre o caso Palocci? Mais uma vergonhosa ingerência do chefe do Executivo em outro Poder. Uma pena eu não ter meios nem opções para sumir desta terra e poder morrer em lugar mais decente!PAULO AUGUSTO NUNES FERREIRAsweetpappa@uol.com.brSão PauloÉticaJader, Jucá, Delúbio, Dirceu, Lula, Renan, Collor, Sarney e agora Palocci. Como ensinar aos nossos filhos os valores morais? Quando nossas crianças veem na TV todas essas bandalheiras e ninguém ser punido, o que dizer a elas? Filhos, antes de cometer um ato imoral, ilegal, se não quiserem sofrer as consequências, por favor, tornem-se políticos?!VERA LUCIA ALVES OGUMAvera.oguma@uol.com.brSão PauloPEC dos vereadoresMais 7.343 picaretas para sustentar!GUSTAVO GUIMARÃES DA VEIGAgjgveiga@hotmail.comSão Paulo

, O Estadao de S.Paulo

31 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.