Cartas

Tragédia em Heliópolis

, O Estadao de S.Paulo

03 de setembro de 2009 | 00h00

A tragédia que resultou na morte da jovem Ana Cristina Macedo - vítima de uma bala perdida em meio à troca de tiros entre guardas civis de São Caetano do Sul e dois assaltantes - e na transformação das redondezas da Favela Heliópolis em praça de guerra, com o protesto dos moradores, remete à questão do ominoso desrespeito à Constituição ao se permitir que guardas civis atuem como policiais, que não são. A família da vítima deve processar não só o Estado por danos morais, mas, criminalmente, autoridades que permitem, quem sabe até incentivem, a guardas civis - de outro município! - perseguir veículos, usurpando função pública policial, quando o máximo que poderiam fazer seria acionar a Polícia Militar ou a Civil. Num Brasil em que a Constituição não raro é solenemente pisoteada, tolerar esse precedente é atitude arriscada.

LUIZ M. LEITÃO DA CUNHA

luizleitao@ebb.com.br

São Paulo

Enquanto as pessoas das comunidades carentes não se mobilizarem para expulsar bandidos e traficantes que vivem como seus vizinhos, tragédias com balas perdidas continuarão a matar inocentes. Se elas conseguem organizar-se para queimar ônibus, o que falta para limpar o pedaço, sem medo, por denúncia anônima? Esse trabalho é de todos, governo, polícia e comunidade.

PRISCILA SCATENA

priscilascatena@terra.com.br

São Paulo

Cuidado, Kassab e Serra, fiquem atentos, segurança é mais importante para a população do que fazer obras para ganhar eleições e os senhores se esqueceram dessa missão.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

Jogo político

O governo de São Paulo precisa começar a ficar mais esperto. O PT joga sujo, baixo, rasteiro. Ninguém do PT quer deixar o poder, pois todos se dão bem em pouco tempo. Podem crer que de agora em diante, até as eleições de 2010, qualquer coisa será motivo de greves, baderna, protestos com violência, incêndio de ônibus, etc., para desacreditar e fragilizar o governo paulista perante o País. Claro que por trás de todo o esquema estão "companheiros", oferecendo até cesta de alimentos a quem participar. O que preocupa mesmo é que canais importantes da mídia eletrônica fazem parte desse aparelho/esquema já em operação no País em prol da candidatura da ministra Dilma.

VITOR DE JESUS

vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

Acadêmico

Fernando Collor membro da Academia Alagoana de Letras? É "ilário", como escreveu certa vez o hoje imortal...

FLÁVIA DE CASTRO LIMA

lgcastrolima@uol.com.br

São João da Boa Vista

Produtividade rural

Se o novo índice de produtividade rural tiver como base as abobrinhas que produz o presidente Lulla e as maracutaias do seu governo, adeus, agronegócios!

ALBERT HENRY HORNETT

hornettalbert@hotmail.com

São Paulo

A Igreja Católica devia se preocupar em pagar os impostos devidos e as leis trabalhistas. É muito fácil palpitar na vida dos outros, mas cumprir as nossas responsabilidades é bem diferente.

SERGIO PEDREIRA DE FREITAS

serpedreira@terra.com.br

Arceburgo (MG)

Pré-sal

Notícia ótima é que as reservas são fantásticas. Notícia boa é que pertencem ao Brasil. Notícia não tão boa é que o poder lullista quer tirar proveito. Notícia ruim é saber que ao povo restará o sal. Notícia péssima é ter a certeza de que não vai haver sal para todos.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

História antiga

Essa história do pré-sal me lembra uma outra, mais antiga: por muitos e muitos anos, os políticos prometiam água para o desenvolvimento do Nordeste e muitos deles, com essa retórica demagógico-eleitoreira, conseguiram seus intentos e até hoje permanecem no cenário político nacional.

DANIEL LACERRA

daniel@grupoesco.com.br

São Paulo

Sal demais, sal de menos

Missão ingrata a desse petróleo. Quietinho lá nas profundas, tem de romper uma camada de 2 mil metros de sal para alavancar uma candidatura completamente sem sal. E sem açúcar.

JOAQUIM QUINTINO FILHO

jqf@terra.com.br

Pirassununga

Lei Eleitoral

Mesmo tendo conhecimento de que infringe a Lei Eleitoral, Lula utiliza o pré-sal, da mesma maneira que faz com o PAC, para fazer publicidade e palanque eleitoral em torno do nome de Dilma Rousseff, tentando alavancar a sua candidatura e, consequentemente, elegê-la. Certamente Sua Excelência não tem o menor receio ou temor de punição pela Justiça Eleitoral, pois, da mesma forma que controla totalmente o Legislativo, talvez julgue que também tem em suas mãos e sob o seu controle o Judiciário. Será?

DAVID NETO

drdavidneto@uol.com.br

São Paulo

Subserviência

O executivo (minúscula mesmo) tem a chave do cofre. Por isso o legislativo (idem) e o judiciário (idem, idem) se arrastam aos seus pés e dizem: "fazeremos" tudo o que o rei mandar...

DELPINO VERÍSSIMO DA COSTA

dcverissimo@gmail.com

São Paulo

Nunca antes neste país a mentira foi tão desvalorizada quanto neste governo petista. São tantas que num mesmo assunto se ouve uma notícia de fonte do governo e, mais tarde, algo totalmente diverso do que foi divulgado antes, só que por outra fonte do mesmo governo. Estão-nos fazendo de idiotas sem a menor cerimônia; e isso se torna compreensível porque todas as instituições capazes de mobilizar a sociedade se encontram compradas pelo governo. Aí pergunto: qual o futuro dos meus filhos neste país desacreditado?

GILMAR HENRIQUE DOS PASSOS

gil_passos@terra.com.br

São Paulo

Cesare Battisti

Finalmente, dia 9, às 9 horas, 9 ministros do STF vão julgar o pedido de extradição de Cesare Battisti. Será que vai haver interferência externa no resultado final? Provavelmente o "score" será 5 a 4 pró-réu (preso, por sinal). Nessas circunstâncias, há a necessidade de arrumar um "empreguinho" para ele, pois, ficando no Brasil, deverá ter endereço e emprego conhecido! Que tal uma diretoriazinha em algumas das bocas do pré-sal - ou será sem-sal? Afinal de contas, o pré-sal é de todos os brasileiros... Mas nem isso tem importância, pois é só ser providenciada a cidadania brasileira para o tal de Battisti e ele estará apto a tirar uma lasquinha do nosso novo petróleo salgado.

ANTONIO M. G. SOTELLO

tomsotello@uol.com.br

São José do Rio Preto

A ética de cada um

Meu avô já me ensinara: cada um deve viver de acordo com sua ética pessoal, não fazendo nada que tenha vergonha de contar. O presidente, não contente com sua ética pessoal, que impôs de forma absoluta a seu partido, está também sendo eficiente em corromper a ética dos representantes legislativos do País, para que o apoiem em suas aventuras e intenções. Estaria atuando também sobre o Poder Judiciário? A censura ao Estado sugere que a resposta a essa questão pode ser sim.

WILSON SCARPELLI

wiscar@estadao.com

Cotia

Estadão, 34.º dia de censura. A cada dia que passa, mais um tijolo é colocado no "muro da vergonha" que separa a democracia da ditadura.

LUCCA BRASI

luccabrasi@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.