Cartas

Guerra à vista?

, O Estadao de S.Paulo

09 de setembro de 2009 | 00h00

O governo acaba de comprar bilionários armamentos franceses, não faltando recursos para tal. Entretanto, para o sucateado sistema de saúde é imperativo novo imposto. Estará o Brasil na iminência de entrar em guerra?

LUIGI VERCESI

luver44@terra.com.br

Botucatu

Lula disse que os caças e os submarinos a serem fornecidos pela França serão destinados à proteção do pré-sal. Não sei por que tamanha preocupação. Na América do Sul, o único país que nos enfrentou e foi "bravamente" vencido, o Paraguai, além de não ter mar, tem seu presidente, Fernando Lugo, mais preocupado com o crescimento de sua prole.

NESTOR RODRIGUES PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

E neste 7 de Setembro ficou comprovado: o Brasil não é mais dependente de Portugal, e sim da França!

NEY JOSÉ PEREIRA

neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

Apesar das críticas pelas compras bilionárias de equipamentos militares pelo governo do Brasil, a verdade é que nossas Forças Armadas ainda estão bem distantes de cumprir satisfatoriamente seus preceitos constitucionais.

ALEXANDRE FUNCK

afunck1@gmail.com

Bragança Paulista

Caças franceses e pré-sal

O presidente anuncia com entusiasmo a compra de 36 caças franceses que servirão para a defesa da riqueza do pré-sal. Esqueceu, porém, que na época da extração do petróleo, daqui a duas décadas, esses aviões estarão mais que obsoletos e, no caso de a inovação tecnológica em busca de alternativas energéticas ter sucesso, quem sabe também o petróleo fique obsoleto.

FRANCO MAGRINI

framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

Estratégia nociva

Para o presidente Lula, diferentemente do que pensava Vinicius de Moraes, o destino dos homens não é a liberdade, mas a subserviência. Por isso a agressividade com que se dirige a quem discorda de sua política do Bolsa-Família e outras: uns "ignorantes", diz. Coloco-me nessa classificação, apesar de todos os títulos acadêmicos, e com muito orgulho, porque não me oriento pela "cartilha lulista" de anuência à corrupção desenfreada e a outros males. Assim, vi como um terrível alerta a perspicaz leitura de Leo Martins, em Sinais Particulares (7/9/A2), da posição de Lula em relação ao Planalto para 2010: "Permanência ou morte!" Alguém duvida?

NEIVA PITTA KADOTA

São Paulo

Como fica a democracia?

Estamos vivendo, como nunca antes se viu neste país, o desditoso tempo de enfraquecimento da democracia, pela qual tanto lutamos. Ela tem sido atacada, diariamente, na medida em que o Executivo subjuga o Legislativo, que se encontra de joelhos, e verga o Judiciário, quando interfere em julgamentos importantes para a defesa dos mais basilares princípios constitucionais, fazendo da mais alta Corte um apêndice, para fazer valer suas incansáveis e torpes manobras. O gene ditatorial e o gosto pelo poder, doa a quem doer (lembram-se?), está presente no DNA do mandatário supremo, só não vê quem não quer. E ai de quem o contrarie! Não é à toa que tece loas a ditadores históricos e está sempre alinhado com eles. É só acompanhar os noticiários. A tão necessária independência entre os três Poderes aonde foi parar? Quem encontrar, favor informar.

ANA LUISA GODINHO ARIOLLI

analuariolli@hotmail.com

São Paulo

Esperança

Cerca de uma centena e meia de estudantes da UnB deu um grande exemplo à Nação ao protestar no desfile de 7 de Setembro, em Brasília. Espera-se que a UNE e outras entidades da sociedade que participaram do movimento dos caras-pintadas para resgate da ética na política que resultou na saída de Collor se apresentem para colaborar no saneamento de nossa representação política.

EDISON ROBERTO MORAIS

ermorais@uol.com.br

São Paulo

Orgulho e otimismo

Neste 7 de Setembro senti muito orgulho de ser brasileiro. Hoje, a situação em que se encontra o Brasil, com todos os problemas que ainda possamos ter para resolver, deveria ser motivo de orgulho para qualquer cidadão deste país. Porém existem aqueles que só olham para o que está ruim. Só sabem criticar e destilar seu pessimismo. Recusam-se a enaltecer o momento do País e se orgulhar dele. Viram a cara para todos os fatos positivos extraordinários que o País alcançou nos últimos anos. São os mesmos que um ano atrás diziam que a crise nos levaria ao fundo do poço. Ainda bem que são a minoria. O Brasil precisa é de gente otimista, e não de eternos incrédulos rabugentos.

WALTER DECKER

arq.walter@ibest.com.br

Santos

Fim da Linha

O Programa Fim da Linha é uma boa, o Brasil já tem bandidos demais e não suporta mais marginais. Mas esse tal programa deveria ser mais abrangente. Devemos dar também um "fim da linha" para a bandidagem que reina neste país, precisamos colocar na cadeia por vários e vários anos os bandidos que dominam as ruas e os morros.

ALTAIR GOMES

ruimdebola@ruimdebola.com.br

São Paulo

Cesare Battisti também está incluído no Programa Fim da Linha?

GIOVANI ANICETO

São Paulo

Muito importante a iniciativa de acabar com a fama de paraíso dos foragidos internacionais. Porém muito mais importante é extinguir os criminosos aqui de dentro, em quantidade infinitamente superior. Sobretudo os assaltantes do suado dinheiro público. Deve ser o medo da concorrência.

MÁRIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

O que é pior, ladrões de bancos estrangeiros que gastam o dinheiro aqui ou corruptos brasileiros que roubam do povo e o gastam fora? Sinceramente, preferia que não houvesse impunidade para a corrupção local, antes de tudo.

BEATRIZ CARDOSO

BCardoso@lahinternational.com

São Paulo

Impunidade

Já é tempo de a impunidade ser banida do lugar-comum. Ela não pode ser aceita com naturalidade. Não pode fazer parte do cotidiano. É preciso avançar no Direito e trabalhar para que as instituições tenham credibilidade. Banida a impunidade e combatida a corrupção, ganha força a democracia. Quero parabenizar o Estado por tratar desses assuntos nos editoriais e no recente artigo do advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira (7/9, A2).

RUI CELSO REALI FRAGOSO, advogado

adv@ruifragosoadvogados.com.br

São Paulo

Remédios falsificados

Muito importante e oportuna a reportagem sobre falsificação de medicamentos publicada ontem no Estado. Esse tema tem preocupado muito o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco), que vem trabalhando durante os últimos anos pela implantação do sistema de rastreamento de medicamentos. Em 14 de janeiro deste ano foi sancionada a Lei 11.903, que prevê a entrada em vigor do sistema em janeiro de 2010. Com o intuito de auxiliar a Anvisa na implantação do sistema, o Etco assinou um acordo de cooperação técnica para a realização de teste piloto desse sistema, envolvendo laboratórios associados, distribuidores e farmácias. O teste foi um grande sucesso, mostrando que eventuais mudanças necessárias nas práticas de produção do setor serão mais do que compensadas pelos grandes benefícios que redundarão para a produção e comercialização de medicamentos e para a saúde pública no Brasil.

ANDRÉ FRANCO MONTORO FILHO, presidente executivo do Etco

andremontoro@etco.org.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.