Cartas

Festa sem brilho

, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2009 | 00h00

O festeiro governo Lula comemora o 1,9% de crescimento do PIB no segundo trimestre, mas no quesito investimento a queda de 15,6% entre janeiro e junho de 2009 é o pior resultado desde 1996. Dados do IBGE, a elite e a imprensa nada têm que ver com isso! Já China, EUA e outros atingidos pela crise estão investindo pesado em infraestrutura. E nossos portos, estradas, saneamento básico, à míngua. Esta é a relapsa gestão petista, especialista em gastos improdutivos. Para o futuro vamos ficar apenas contando com a orgia do passado...

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Institutos de pesquisa, previnam-se e preparem-se. O preclaro ministro Mantega predeterminou o crescimento da economia de 2% a 3% no próximo trimestre e de 5% a 6% em 2010.

LEONARDO GIANNINI

leogann930@terra.com.br

São Paulo

Mantega está mais para mordomo de castelo que para ministro.

EDWARD BRUNIERI

ebsolucao@uol.com.br

São Paulo

O tamanho da onda

Dos males, o menor. Quem torceu por um tsunami tem de se contentar com a marollinha!

PAULO ROBERTO CESTARI

paulo.cest@ig.com.br

Santo André

Papai-sabe-tudo

O presidente Lula, no papel que acha que lhe cai muito bem de papai-sabe-tudo, declara em alto e bom som que ele é que vai decidir sobre a compra dos aviõezinhos. Pois é exatamente aí que mora o perigo. Faltam-lhe os bancos escolares para assumir tal responsabilidade. Um despretensioso conselho ao presidente: pegar essa bolada toda e dar uma imperiosa e mais do que justa melhorada nas aposentadorias daria mais votos, pode crer.

J. TREFFIS

jotatreffis@hotmail.com

Rio de Janeiro

Bela foto do almoço com degustação de vinho por conta do pré-sal (11/9, B3). Para os aposentados, nem sobra do almoço.

SERGIO LOPES PEREIRA DE MELLO

slpmello@ig.com.br

São Paulo

Brilhantismo

Lula, com brilhantismo, resolveu as suas diferenças em relação a Fernando Henrique Cardoso. É bem verdade que ele ainda não leciona na Sorbonne, mas já domina o idioma de Honoré de Balzac à perfeição. Com dedicação e trabalho árduo, não diz mais "menas laranjas", mas "en passant". Coisa de gênio!

CELINA KAWALL KORNGOLD

ckawkorn@terra.com.br

São Paulo

Forças Armadas

Lula e Jobim mandam a Aeronáutica calar a boca. Submarinos? A Marinha fica a ver navios. E o Exército, falido, sem rancho para os recrutas. Lula é o presidente.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Plural majestático

O voluntarismo do presidente Lula no caso dos aviões de caça - "eu decido quando eu quiser" - deve alarmar a Nação. É a exteriorização do seu ego hipertrofiado. Sabe-se lá o que mais podeRá ser decidido, segundo tão augusta vontade... Pobre Adler, que não viveu para presenciar os danos causados por um "complexo de inferioridade" mal resolvido. Até os monarcas, reinando absolutos, usavam dizer o "nós"...

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

Temos um déspota. Infelizmente, não é esclarecido!

ARTHUR SOARES

arthur09br@yahoo.com

Belo Horizonte

O plano bolivariano

Na Venezuela, perseguição a jornalistas, bombas e fechamento de dezenas de jornais, rádios e TVs. Na Bolívia, na Nicarágua e no Equador, países seguidores do déspota venezuelano, o mesmo. No Brasil, terra do samba e futebol, a imprensa sofre censura judicial. E a Argentina, como membro do clube bolivariano e devedora da Venezuela, já começa a fazer a sua lição de casa, ordenando megablitz contra o jornal Clarín, não aliado dos Kirchners. Seriam sintomas de uma mesma doença que hoje afeta a América Latina?

AMÂNCIO LOBO

amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

Doença chamada ditadura

Como uma doença que se propaga em organismos debilitados, a ação truculenta do sociopata venezuelano contra a liberdade de imprensa de seu país tem contagiado alguns líderes latinos, despertando neles uma vocação autoritária até então latente sob o manto sagrado da democracia. E o que mais preocupa é que essa é uma doença que não escolhe pessoas, pode afetar desde o presidente e juízes até as desinformadas massas de manobra.

LUCCA BRASI

luccabrasi@uol.com.br

São Paulo

Irrelevância

O jornal O Estado de S. Paulo, em sua tradição mais que centenária, é hoje, foi ontem e sempre será a vanguarda dos princípios mais éticos e elevados do verdadeiro e mais leal espírito da República, o que certos tipos menores, em geral adoradores da ilha-prisão cubana, de ditadores como Fidel e de suas ideologias assassinas e fracassadas, jamais poderão entender... De mais a mais, qualquer crítica vinda de um qualquer cuja cidadania é, em verdade, a de um "meio cidadão", por ter tido seus direitos plenos cas-sados por conta de associação criminosa contra o Estado de Direito, é mais do que irrelevante.

PAULO BOCCATO

pofboccato@yahoo.com.br

São Paulo

O despeitado petista José Dirceu disse que o Estadão é a vanguarda do atraso. Não seria ele um atraso da pseudovanguarda?

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS

zambonelias@estadao.com.br

Marília

Precedentes

A censura prévia ora imposta ao Estadão tem um precedente que está sendo esquecido. Em junho de 2008, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) pleiteou e obteve liminar de juiz substituto da 10.ª Vara Federal Cível de São Paulo, proibindo o Jornal da Tarde e Estado de publicarem reportagem sobre presumíveis irregularidades naquele órgão, então investigado pelo Tribunal de Contas da União. Recordando os fatos, o magistrado intimou o Grupo Estado a prestar esclarecimentos em três dias. Reportou o Estadão à época que o então presidente do Cremesp, Henrique Carlos Gonçalves, sinalizou sua intenção de processar o veículo que publicasse o que entendia ser "difamação". Declaração dispensável de um direito óbvio, post factum, contudo. Se não me engano, o autor acabou por desistir da ação, que, se tivesse prosseguido, ninguém teria tido o condão de avaliar por quanto tempo os dois jornais teriam permanecido sob o jugo da censura judiciária, a mesma que ora se repete. Se o presidente Do Supremo é sincero ao manifestar estranhamento ante a demora na "alforria" do Estadão, tocar-lhe-ia pôr em pauta, urgente, a edição de uma súmula vinculante inibitória da reiterada inobservância da norma constitucional que garante à imprensa o direito de informar, uma platitude para tantos quantos têm alguma noção dos direitos e garantias fundamentais expressos na Carta Magna.

LUIZ M. LEITÃO DA CUNHA

luizleitao@ebb.com.br

São Paulo

Fim da prisão especial

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o projeto de lei do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) que acaba com a prisão especial para juízes e membros do Ministério Público. Faltou o senador incluir os políticos, pois de acordo com a Constituição, "todos são iguais perante a lei".

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.