Cartas

CAMPANHA ELEITORAL

, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2010 | 00h00

Que país é esse?

Enquanto o Rio de Janeiro contava suas vítimas da catastrófica chuva dos últimos dias, o presidente Lula e a candidata do PT, Dilma Rousseff, faziam festa, cantavam e dançavam no congresso do PC do B. Só um minuto de silêncio não basta, não. Precisamos de gente que não confunda trabalho sério com enganação.

CARLOS ALMEIDA CRUZ

almeidarj1959@hotmail.com

Rio de Janeiro

O PT em Minas

O PT não votou em Tancredo Neves para presidente. A CUT (PT) não quis dialogar com Tancredo. O PT pouco se lixou com a morte desse grande brasileiro. Mesmo assim, Dilma vai a São João del Rey e verte copiosas lágrimas de crocodilo no túmulo desse orgulho mineiro. Mineiro pode ter um monte de defeitos, mas não é bobo e tem boa memória.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Lobos e cordeiros

Será que a hipocrisia tem limites? Pelo visto, para a candidata Dilma, a resposta é não. Demagogicamente, visita o túmulo de Tancredo e diz que Lula realizou o sonho do ex-presidente. Esquece-se de que na eleição de 1985 não só o PT, seu partido, se absteve de votar no colégio eleitoral, como expulsou os deputados Airton Soares, José Eudes e Bete Mendes, que votaram em Tancredo. Espero que o governador Aécio, os mineiros e os brasileiros não se esqueçam desse fato histórico e entendam como Dilma se autodescreve ao falar em lobo em pele de cordeiro.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Não tem conserto

"E a Dilma vai chegar à Presidência com o orgulho de um país que é credor do Fundo Monetário Internacional." Alô, TSE! Como os meritíssimos podem observar, Lula não tem conserto.

M. CRISTINA DA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Bandidagem grata

A bandidagem nacional certamente ficou grata ao presidente Lula por ele ter afirmado, sobre as multas que recebeu da Justiça Eleitoral por campanha antecipada, que "não podemos ficar subordinados ao que um juiz diz que podemos ou não fazer". Essa absurda declaração tem o potencial de causar uma insurreição neste país, porque criminosos, com o solene respaldo do presidente da República, não se sentirão mais na obrigação de respeitar juízes e a lei que eles representam. Isso jamais poderia ter sido dito por aquele que tem de ser o primeiro a, de forma cabal, demonstrar respeito às determinações do Poder Judiciário.

TÚLLIO M. SOARES CARVALHO

Belo Horizonte

ENERGIA

Belo Monte de soberba

A desistência de Odebrecht e Camargo Corrêa de participar do leilão da Hidrelétrica de Belo Monte, por não concordarem com as regras estabelecidas, levou mais uma vez o presidente Lula a utilizar o que tem de melhor: a falta de humildade. Disse que, se necessário for, o governo toca a megaobra sozinho. E, como não tem dinheiro disponível, mira os fundos de pensão, que não pertencem ao governo federal, para que invistam no arriscado negócio com bilhões de reais dos trabalhadores. E que se dane o dinheiro alheio... O presidente do Brasil, quando contrariado, discorda até dele mesmo.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

A quem interessa?

A energia que a Usina de Belo Monte injetaria no sistema a partir de 2016 poderia ser suprida por usinas eólicas e usinas térmicas de biomassa. Neste caso, não seria preciso secar 100 km do Rio Xingu nem construir as linhas de transmissão de alta-tensão, que não estão consideradas no preço da energia, sobre o qual não há acordo. Então, qual é o interesse da sociedade nessa obra?

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

SUPERSAFRA DE SOJA

Até a próxima

Dia 31 de março terminamos uma longa e farta colheita de soja. A imprensa mostrou filas de caminhões, armazéns e silos lotados de soja. Tudo por culpa dos agricultores que produziram demais. O que não foi dito é que o Porto de Paranaguá ficou 15 dias sem embarcar uma saca sequer de soja, por causa da chuva intermitente durante o mês de fevereiro, em plena colheita de soja em Mato Grosso e em grande parte do Paraná. Não temos um porto adequado para embarque em dias de chuva. Não fazem dragagem no canal de entrada do porto para possibilitar a entrada de navios de grande calado. O Porto de Paranaguá não tem recebido verba para a devida adequação às necessidades atuais. O governo do Paraná não se tem empenhado para realizar as obras. Dinheiro para isso o BNDES tem, pois tem tanto que financia a construção do porto no Haiti. Também não se comentou na imprensa que, por incompetência de governos, os silos e armazéns estão lotados com milho e trigo das safras 2008-2009. O governo federal deveria impedir a importação do trigo subsidiado pelo governo americano, preferido do cartel dos moinhos nacionais, até que fosse consumido o nacional, nas mesmas condições de qualidade e preço do importado. Eu mesmo tenho trigo da safra 2008 estocado e sem comprador. Meu trigo não vale nada. Consequência dos descalabros de maus governos: só durante o mês de fevereiro a saca de soja perdeu mais de 10% do valor. Não é só a superprodução que faz baixar o preço. Os compradores da nossa soja sabem dos nossos problemas e se aproveitam disso. A cooperativa de que faço parte não conseguiu separar toda a soja convencional da transgênica, por falta de espaço nos armazéns. Com certeza não poderá cumprir parte dos contratos de entrega de soja convencional para a Europa. Mais prejuízo para os agricultores. Apesar de tudo, viva o Brasil que produziu uma supersafra, para a alegria e orgulho de nossos governantes. Por força de lei somos obrigados a continuar plantando, ou estamos sujeitos a perder nossa propriedade. Sempre pensei que vivêssemos num país democrático e capitalista regido pelas leis de mercado e regulamentado por um governo mais ou menos competente. Até a próxima safra.

EUCLIDES SORDI

euclidessordi@hotmail.com

Maringá (PR)

_______________________

Cartas enviadas ao Fórum dos Leitores, selecionadas para o Estadão.com.br

UM MESTRE

'' Os espíritos autoritários não odeiam apenas os veículos do conhecimento. Odeiam o próprio conhecimento. E não é por acaso."

'' A dúvida,cada vez mais,é senhora. E essa ausência de certezas é o pressuposto da liberdade . '' (Ruy Mesquita, diretor de Opinião do Grupo Estado). Simplesmente: Palavras de um mestre !

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Praia Grande

CLAREZA

O discurso do jornalista Ruy Mesquita pulicado em 09/04/2010 na página A10 nos trouxe reflexões de um observador do mundo que enlaça o passado e o devir no plano do presente com fina acuidade. Nesse discurso transparece que mais vai se alevantando o pensamento quanto mais vai se alteando a idade. E temos a grata satisfação de constatar que o Brasil ainda tem figuras capazes de raciocínio independente, lúcido e claro.

Carlos Soulié F. do Amaral souliedoamaral@ig.com.br

São Paulo

RUY MESQUITA

O discurso do dr.Ruy Mesquita (diretor de opinião do Grupo Estado),lido por seu filho Fernão Lara Mesquita (9/4,A10),por ocasião do recebimento do Prêmio Abap - Ícones da Comunicação,merece aplausos em pé.Um primor de elegância e contundência na escolha das palavras e um recado direto contra o pensamento totalitário.Um ode à Liberdade (categoria em que foi justamente premiado).Livre pensar,agir,falar,escrever,ser.Bravo!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

FIM DA GREVE DOS PROFESSORES

Quando um professor for agredido por aluno ou pais de alunos, o que tem sido moda ultimamente, vai ser difícil fazer a defesa dos mesmos. Alguns vão até falar que aprenderam com eles. No início de cada ano letivo vou fazer um levantamento dos professores que irão dar aula para minha filha durante o ano. Se for filiado ao sindicato, transfiro a menina de escola.

Manoel de Brito voni.brito@itelefonica.com.br

Bertioga

LOBO MAU

A presidenta da Apeoesp decidiu tentar vestir a pele de cordeiro no momento de encerrar a greve dos professores em São Paulo. Isso é por causa do farei tudo que minha mestra, a ex-ministra Dilma, mandar ou porque enfim entendeu que os profissionais da área da educação do estado terão aumento de 25% em maio?

Aliana Cândida Silva alianacandida@yahoo.com.br

São Paulo

LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ

Examinando o texto do projeto de lei de número 265, de autoria do deputado Paulo Maluf, que modifica a redação de dispositivo das Leis que regulam a ação popular, a ação civil pública e a de improbidade administrativa, verifica-se que seu objetivo limita-se a aprimorar o regime jurídico da figura da litigância de má-fé, relativamente ao âmbito dessas ações coletivas, melhor explicitando o que se deve entender por má-fé processual, passando o Legislador a tipificar algumas condutas que devem ser caracterizadas como litigância de má-fé, como, por exemplo, quando o autor promove qualquer dessas ações com o fim de promover perseguição política ao réu, ou ainda quando age com a intenção de promoção pessoal. Esse nove regime jurídico, que se pretende adotar para as ações coletivas, assemelha-se àquele estabelecido pelo Código de Processo Civil em vigor, que por seu artigo 17 também enumera algumas condutas caracterizadoras da litigância de má-fé no processo. E como se trata de conceitos abertos ou subjetivos (o conceito de má-fé é um deles), tanto melhor que o Legislador preveja algumas condutas, tipificando-as, deixando à jurisprudÊncia a tarefa de, em face de situações que vão surgindo, amplie-nas, punindo eficazmente a conduta daquele que se utiliza do processo judicial com má-fé, responsabilizando-o pelos danos que tiver causado no e pelo processo que tiver ajuizado temerariamente, inclusive o MINISTÉRIO PÚBLICO que, como qualquer parte em processo judicial, não pode atuar com má-fé. Lembre-se, outrossim, que a responsabilidade por dano processual dependerá de condenação em processo judicial, em que devam ser observados o contraditório e a ampla defesa. De resto, como ensina a doutrina, uma vez em vigor a Lei, a intenção do Legislador (''mens legislatoris'') é de pouca ou mesmo nenhuma importância ao juiz, de modo que ainda que a intenção do autor do projeto não seja das melhores, deverá prevalecer a finalidade da Lei. Por tudo isso, não se revela consistente o receio dos promotores e procuradores em face da alteração legislativa que se propõe.

VALENTINO APARECIDO DE ANDRADE valentinoandrade@uol.com.br

BRASIL MOSTRA A SUA CARA

A realidade da miséria da grande maioria brasileira se espelha nos recorrentes desastres que sofrem os estados de Santa Catarina, São Paulo e o Rio Olímpico . Com a flagrante ausência do suposto líder do vírus da paz, sem lagrima qualquer do governador que chorou por perder renda, a imagem mundial do Brasil revela o descaso que governantes e políticos em geral dedicam à população enquanto se locupletam afrontosamente dilapidando o erário. A tragédia anunciada permanece latente por sobre as cabeças de todos os residentes, migrantes, desesperados e mesmo dos malandros e criminosos, embora não se tenha noticia de estes também tivessem sido atingidos pelas chuvas , deslizamentos e alagamentos que já estão se incorporando ao dia-a-dia brasileiro. O desvio de verba por interesses pessoais e partidários, ainda mais em período pré-eleitoral, deixa claro que os partidos estão com caixa 2 cheio, políticos estão cada dia mais milionários e o país não tem infra estrutura adequada, nem saneamento, nem saúde, nem educação, nem transporte, nem nada . O governo petista encabeça , com merecimento, o momento mundial de se expor a cara de tantos enganadores profissionais. A ver , a postura da policia, da justiça e dos votos, diante desta queda vertical da responsabilidade publica neste país .

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

TRAGÉDIAS ANUNCIADAS

Ocorre mais uma e de grandes proporções, devido ao índice pluviométrico anormal que assolou a capital do Rio de Janeiro. Tragédias que nem precisa ser vidente para prever, porque o terreno que se construiu as casas não era sólido, mas um monte de lixo mal compactado que muitos por falta de opção ali viviam, local que jamais se poderia levantar um tijolo! Infelizmente locais similares têm muitos nesse país afora e ainda poderão acontecer outras catástrofes, enquanto famílias não tiverem direito de morar em local digno, ai entra a grande responsabilidade dos governantes. Investir maciçamente em programas de habitação, como até faz o operoso presidente Lula, mas que demandará ainda décadas para que todos sejam contemplados, isso claro, se não aparecer alguém que desvie os recursos do programa.

Fernando Arábia poeta_arabia@hotmail.com

Gravatá

O PODER PÚBLICO E AS ÁREAS DE RISCO

Venho falando há anos da irresponsabilidade, para dizer o mínimo, do poder público, no que diz respeito à ocupação de áreas de risco em nossas cidades. Tenho denunciado repetidas vezes o descaso de nossas "autoridades", que autorizam a construção de moradias em lugares que jamais poderiam comportar benfeitorias.

Com mais uma grande tragédia, a do Rio de Janeiro, que tem suas encostas despencando com chuvas torrenciais, causando a morte de centenas de pessoas que moram naqueles locais de alto risco, o assunto veio à tona também aqui em Santa Catarina. Mais pessoas, a nível nacional, tem denunciado a má adminstração pública das áreas de risco, como geólogos, por exemplo.

Repórteres da televisão foram verificar como está a situação nos locais onde já aconteceram tragédias nos últimos anos em nosso Estado, e o que foi constatado é que não só não se fez nada, como as construções em áreas perigosas continuam.

A verdade é que é crime o que vem acontecendo, pois o poder público de nossas cidades não faz nada para coibir a ocupação de áreas que não devem ser usadas para construir residência. As pessoas estão morrendo, vítimas de deslizamentos de encostas, estão sendo feridas e perdendo tudo porque não foram impedidas de ocupar lugares proibidos.

E não me venham dizer que não é isso, pois nesses lugares há luz, água, há urbanização e não é de duvidar que as pessoas ali estabelecidas estão pagando IPTU.

Então os administradores que permitiram as ocupações ilegais deveriam ser responsabilizados.

Esperemos que, pelo menos daqui para a frente, isso seja corrigido. E que a médio prazo, aqueles que já estão nas áreas de risco sejam realocados. Para que não aconteçam mais tragédias como as do Rio e como as que aconteceram em Ilhota, Blumenau e em outras cidades.

E, cá para nós, que os políticos não queiram colocar a culpa também na natureza. O que está acontecendo é apenas resultado do pouco caso e desrespeito do ser humano para com o seu meio ambiente e da incompetência em administrar.

Luiz Carlos Amorim lc.amorim@ig.com.br

Florianópolis

RESPONSABILIDADES

Em meio a consternação nacional que a hecatombe dos desmoronamentos das favelas no Rio, tenta-se culpabilizar governantes de hoje e do passado recente como responsáveis por tais tragédias.Há entretanto uma causa profunda da favelização de nossas grandes cidades, que poucos se dão conta.Falo da ausência de uma reforma agrária capitalista que, se tivesse ocorrido no início do século passado, teria mantido no campo e nas pequenas cidades, as multidões que migraram para as megalóples, evitando o inchaço de nossas periferias que hoje ''desmoronam-se'' pelas chuvas que não podem ser evitadas.Urge agora uma reforma urbana que regularize o ocupação do solo em nossas cidades, para que tais tragédias não se amiúdem incontolavelmente.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

LIÇÕES DA TRAGÉDIA

O Rio está revelando ao mundo, aos brasileiros e aos próprios cariocas, o que eles enxergavam de longe e já não se tocavam mais... Favelas deveriam ser motivo de mobilização nacional provocando os responsáveis por encontrar soluções para o drama de 1/3 na população brasileira. Falo da classe política em todos os seus níveis. Ninguém vive em favelas por opção, mas por falta dela. E sendo assim, o assunto sai do campo privado, particular e passa para o plano coletivo. Esperar que o povo sozinho resolva a situação é ingenuidade e beira a negligência. A existência de favelas e cortiços é motivo primeiro de vergonha nacional, depois um atestado de incompetência de governos. Não só os de hoje, mas os que fecharam os olhos para este vexame ao longo do tempo.

As autoridades de hoje deveriam ter um pouco mais de humildade, para admitir que falharam e depois parar de ficar apresentando desculpas esfarrapadas, como se as vítimas fossem as vilãs. A catástrofe revela também a falência do modelo político e nos dá a chance de repensar valores e reconstruí-los.

Com efeito, algumas perguntas precisam ser respondidas pelo conjunto da sociedade: O que deve ser prioridade no Brasil hoje para efeito de destinação de verbas federais? Para que servem a política, os partidos, os políticos, as universidades, as instituições que compõem o estado, e em especial as reservas internacionais? Vamos continuar permitindo a existência de favelas como obra divina e sem soluções, ou usamos nossas reservas com inteligência e tecnologia para acabar com esse disparate que condena seres humanos indefesos a viverem com animais no meio do lixo e da desorganização?

Essa é mais uma oportunidade de repensar valores e sobretudo quebrar paradigmas, devolvendo cidadania e dignidade mínima para milhões de indivíduos que sofrem sem ter para onde ir ou a quem recorrer... Falta espírito de cidadania do conjunto da sociedade, além de benevolência e solidariedade. Na mesma proporção sobra incompetência da classe política.

José Aparecido Ribeiro jaribeirobh@gmail.com

Belo Horizonte

CULPA DA SOCIDADE

Governador Sérgio Cabral diz: ''a culpa é de toda a sociedade''. Concordo plenamente, pois a sociedade é culpada sim de deixar no poder políticos incompetentes e corrputos gerindo os bens públicos. Começem aprovando a ''Ficha Limpa'', que nós sociedade, não seremos mais culpados.

Ataliba M. Moraes Filho - ataliba@hotmail.com

Marília

''PRAS CUCUIAS'' - EU JÁ SABIA!

Não sei o motivo de tanto espanto por parte dos brasileiros diante da negativa dos deputados federais em votar o tal Projeto Ficha Limpa? Afinal, espantoso seria se esse ''magote de sacripantas'', muitos dos quais com um passado mais ''sujo do que pau de galinheiro'', que tomaram de assalto à política brasileira, tivesse aprovado uma Lei proibindo que pessoas com a ficha suja, exatamente como a maioria deles tem, pudesse ser candidato a um cargo eletivo. Como o povo brasileiro é inocente! Afinal, querer que essa rafaméia que tem assento no Congresso Nacional votasse favoravelmente a um projeto está em frontal desacordo com seus mais sórdidos interesses, é algo tão ilusório quanto achar viável a estratégia de ''colocar raposas para tomar conta do galinheiro''. Não tem jeito! Esse tal Projeto Ficha Limpa, com um texto minimamente decente, só será aprovado no dia de São Nunca, quando a cobra ganhar asas ou quando a galinha criar dentes. Enquanto isso, a exemplo do que acontece hoje em dia, a atividade parlamentar continuará servindo de ''refúgio de marginais'', que ''investem'' fortunas para garantir um mandato, não só pelas potencialidades que o cargo carrega, no sentido de ''se dar bem na vida'', como também, e principalmente, pelo fato de que tão logo empossados passam usufruir de alguns benefícios legais agregados ao desempenho da função. Estes são tidos como ''uma mão na roda'' para quem costuma atuar ''com um pé na ilegalidade'', a exemplo do direito a imunidade parlamentar, ao foro privilegiado e ''otras cositas más''.

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

PREFERÊNCIA DO POVO

Depois de ajudar a engavetar o projeto ''Ficha Limpa'' fica provado que Temer é o melhor candidato para se juntar a chapa de D. Dilma Rousseff rumo ao Planalto. Eta, duplinha difícil do povo engolir! Faça - se uma pesquisa de opinião sobre o que o povo acha da ''ficha suja'' e ficará claro do que os cidadãos, por mais simples que sejam, preferem.

Leila E. leitão

São Paulo

VIDA MAIS DIGNA

As constantes tragédias e os inúmeros casos de corrupção nos dão conta de que alguma coisa precisa ser feita urgentemente.

É evidente que os politicos não representam os direitos e interesses do povo, e nem cumprem o que manda a Constituição, dai vemos com muita frequência eles declararem que o governo não tem verbas suficientes e que herdaram uma herança maldita, colocando todos os males e culpas nos governos passados. Muitos se esquecem que seus partidos estão no governo há mais de 30 anos. Nós, como sociedade civil, temos a obrigação moral de exigir que os partidos politicos e seus filiados tenham como premissa básica a Ética, o firme combate a corrupção e ao tráfigo de armas e drogas, a luta por uma justiça eficaz e rápida além de um planejamento a curto, médio e longo prazo para o desenvolvimento do país.

Nesse caso se faz necessário que todos os politicos tenham ficha limpa e que os partidos respondam na justiça por qualquer crime cometido por seus filiados contra o patrimônio público, com risco de extinção da legenda.

Esses direitos são fundamentais para que o povo tenha uma vida mais digna e possa sonhar com dias melhores.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

PRESSÃO

Após a vergonhosa decisão, a minha sugestão é que nós, signatários do projeto, obriguemos os partidos políticos a adotarem imediatamente as regras definidas no projeto de lei. O partido que não o fizesse, excluindo desde já as candidaturas de seus fichas sujas, perderia o voto de pelo menos 1,6 milhão de pessoas que assinaram o projeto. As quarenta entidades que apoiaram o movimento poderiam atestar quais os partidos que de fato se adaptaram ao texto pretendido pelo povo. Nós poderíamos começar pressionando o PSDB. Duvido que iriam aceitar a perda de tantos votos, a maior parte dirigida ao Serra. Assim separariamos o joio do trigo.

Ruy Nepomuceno Filho ruine@terra.com.br

São Paulo

FICHA LIMPA

Já que o Sr. Michel Temer não quis levar a votação o projeto ficha a limpa, cabe a nós leitores não votarem nos deputados e senadores que tem a ficha suja, o povo brasileiro, não é mais bobo e na hora do voto vai dar seu recado.

Antonio Marcos Fernandes amfadvogado@uol.com.br

São Paulo

A TOGA NA BERLINDA

A venda nos olhos da JUSTIÇA, simbolizando sua total cegueira para com as partes litigantes, afim de que ela (Justiça) seja aplicada com completa isenção de parcialidade, baseando-se seu julgador, somente nas provas carreadas para o processo,como doutrina o brocardo jurídico:''O juiz deve julgar segundo as coisas alegadas e provadas pelas parte (iudex secundum allegata et probata partium iudicare debet) e,portanto, livre de qualquer influência e de qualquer ambição no exercício do seu cargo,foi dita venda, desobedecida recentemente por dois tristes casos: o primeiro, por uma fraude apontada pelo Tribunal de Contas da União de R$65 milhões gastos por ano, para pagamento irregular de salários em todos os níveis do quadro do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, tanto para desembargadores, juízes e servidores e segundo: pela rejeição por decisão unânime do STF da inclusão de Lula ''como réu do mensalão, por falta de provas e de justificativa''. Ora, é fato público e notório que o maior beneficiário de todo o nefasto mensalão foi o Presidente Lula e os que ele chamou de aloprados, ou adoidados! Aprendi na Faculdade de Direito, da Velha e Sempre Nova Academia do Largo de São Francisco, que a Toga é a sublimação da honorabilidade do cargo de quem a veste, para defender e julgar o direito dos ofendidos e dos usurpados! Doutrina,ainda o direito romano:''O juiz não deve ser mais clemente que a lei'' (Iudex non debet lege esse clementior).''SALVEM A TOGA!!!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

PASSADO BRILHANTE

Num evento do PC do B, Lula disse: ''Vocês vão fazer campanha para uma mulher cuja história é motivo de orgulho...''. Isso quer dizer que a Dilma teve um passado brilhante? Só se for para a turma que aterrorizava o país, pregando uma ideologia ultrapassada e violenta. Sinceramente, Lula está se desconstruindo, e o povo tem que saber disso.

ANIBAL V. FILIPP aniverofil@uol.com.br

Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.