Cartas

ELEIÇÕES

, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2010 | 00h00

Ciro rifado

O deputado Ciro Gomes pode ter lá os seus defeitos, mas não se pode menosprezar sua biografia política nem o seu sempre reiterado compromisso com a decência. Assim, é melancólico vê-lo ser rifado de maneira torpe pelo presidente Lula, com a cumplicidade da direção do PSB. E em nome do quê? Da continuidade de um projeto político que tem como característica principal o consumo predatório e pouco ético, para não dizer corrupto, de uma herança que o próprio deputado ajudou a construir lá atrás, na época do Plano Real. E mais triste ainda é ver à frente desse projeto uma figura que não tem um décimo do preparo e do carisma do deputado.

JOSÉ B. NAPOLEONE SILVEIRA

nenosilveira@aim.com

Campinas

___________________________________________

Cegueira

Ciro Gomes estará satisfeito se a decisão do seu partido de não homologar sua candidatura à Presidência da República for tomada pelos diretórios regionais e não, como todos sabemos, por interferência de Luiz Inácio Lula da Silva. Será que o "paulista" ainda não percebeu quem manda nele e também no seu partido?

HUMBERTO DE L. FREIRE FILHO

hlffilho@gmail.com

São Paulo

___________________________________________

"Pedra no calcanhar"

O presidente Lula declarou em entrevista que será "uma pedra no calcanhar do PT" para que o partido "coloque a reforma política como prioridade". Se o presidente julga a reforma política tão importante, por que não a patrocinou ao longo do seu governo? Do alto do seu elevado nível de popularidade, ele teve o cacife político para fazê-lo. Declarou várias vezes o seu compromisso com essa reforma, principalmente depois que veio a público o escândalo do mensalão. Temo que esse presidente continuará sendo uma "pedra no sapato", e não no calcanhar, de muitos brasileiros que sonham com uma improvável revolução ética nos nossos costumes políticos.

ISRAEL ARON ZYLBERMAN

Carapicuíba

___________________________________________

FATOS POLÍTICOS

O melhor remédio

Há certos fatos na política brasileira que, em vez de nos causar indignação, convenhamos, nos fazem rir, tamanho é o despropósito. Primeiro, a sra. Marisa Letícia recebe a Grã-Cruz, o mais elevado grau de condecoração da Ordem de Rio Branco. Segundo, o aliado de Arruda Rogério Rosso (PMDB) é eleito governador do Distrito Federal (DF). E, terceiro, o sr. Orestes Quércia (PMDB-SP) lança sua candidatura ao Senado. Só rindo mesmo...

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

___________________________________________

Ares de Brasília

Rogério Rosso, do PMDB, foi eleito com 13 votos dos deputados da Câmara Legislativa do Distrito Federal (DF). Desses 13 deputados, 8 estão citados no inquérito que apura a roubalheira que a quadrilha do ex-governador José Roberto Arruda realizou nos cofres públicos do DF. Quase todos foram filmados recebendo propinas. Arruda nada mais foi, e é, do que um discípulo moderno e audacioso de Joaquim Roriz. Sem dúvida, alguma coisa existe nos ares do Distrito Federal, além dos aviões de carreira.

WILSON GORDON PARKER

wgparker@oi.com.br

Nova Friburgo (RJ)

___________________________________________

Escandaloso silêncio

Os jovens que ocuparam a Câmara Legislativa do DF em protesto contra os desmandos em Brasília mostram que os estudantes não estão à margem do que se passa no País, ao contrário do que pareceu ocorrer em todos os momentos em que o governo de plantão promoveu e encobriu situações não menos grotescas. Os garotos foram mesmo comprados, como mostra o projeto enviado pelo Planalto ao Congresso que prevê o pagamento de mais de R$ 15 milhões em indenização por um incêndio que destruiu a sede da União Nacional dos Estudantes (UNE) durante a ditadura militar. Para compensar o escandaloso silêncio da UNE no governo do PT, a entidade deve receber do Estado uma sede novinha desenhada por Oscar Niemeyer.

MARCELO PRADO

marcelopprado@yahoo.com

São Paulo

___________________________________________

ARMÊNIOS

Dolorosa recordação

Armênios de todo o mundo têm uma triste missão no dia 24 de abril: relembrar o 95.º aniversário do primeiro genocídio da história da humanidade (24 de abril de 1915). Mais de 1 milhão de armênios foram mortos pelos otomanos, na Turquia, durante a 1.ª Guerra Mundial. No ano passado, o presidente Barack Obama elogiou o caráter democrático da Turquia, reafirmou o apoio americano à entrada do país na União Europeia (UE), mas instou o governo turco a encarar a realidade das matanças de armênios em 1915. Com inúmeros relatos históricos e provas documentais, é difícil entender por que a Turquia não reconhece o genocídio, assim como fizeram a França - forte opositora à entrada da Turquia na UE - e o escritor turco Orhan Pamuk, Prêmio Nobel de Literatura (2006). Demonstraria, dessa maneira, grande maturidade.

KRIKOR BOYACIYAN

krikor@cremesp.org.br

São Paulo

___________________________________________

Homenagem

Há 95 anos o governo turco nega o genocídio de 1,5 milhão de armênios em 24 de abril de 1915, e há 95 anos o povo armênio rende homenagem a essas vítimas, lembrando dos versos do escritor armênio Khachatur Abovian, que serve de exemplo para todas as etnias minoritárias: "Mesmo que acorrentem meus pés, amarrem minhas mãos, tapem minha boca, meu coração gritará por liberdade."

MARDIROS M. BURUNSIZIAN

mardiros@oabsp.org.br

São Paulo

___________________________________________

RUY MESQUITA

Agradecimentos

Dr. Ruy Mesquita recebeu e agradece os cumprimentos pelo prêmio recebido (Abap/Ícones da Comunicação - categoria Liberdade) e os votos de feliz aniversário de: Antonio Salim Curiati (deputado estadual); João Carlos da Silva (leitor); Luiz Gonzaga Bertelli e Ruy Martins Altenfelder Silva (Centro de Integração Empresa-Escola - Ciee); Mario Cesarino e Pedro Cesarino (Publicidade Archote); Paulo Nathanael Pereira de Souza (Escola Brasileira de Ensino a Distância/UniSciesp); e Paulo Nogueira Neto (Universidade de São Paulo).

___________________________________________

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 3.451

TEMA DO DIA

Feito o leilão de Belo Monte, nada resolvido

Um consórcio venceu, mas muitas dúvidas persistem; governo prevê início das obras até setembro

"Não adianta achar que numa obra como essa vai haver consenso. O governo já cedeu muito."

ALEXANDRE PORTO

"É uma irresponsabilidade com a sociedade brasileira achar que o País deve prescindir dessa usina."

ODA NOBUNAGA

"Não se trata da carência energética da região, mas de grandes empresas exportadoras. Elas que achem como supri-la."

CARLOS GOULART

___________________________________________

Cartas enviadas ao Fórum dos Leitores, selecionadas para o Estadão.com.br

MAU USO DOS IMPOSTOS

Os altos impostos federais que pagamos não sobram para obras e serviços em benefício dos cidadãos, porque são (mal) distribuídos, visando as conveniências políticas e eleitorais do PT e do Cara, em nomeações de dezenas de milhares companheiros para cargos muito bem remunerados, partidos e políticos, ONGS, sindicatos e, até, à UNE e MST. O pouquíssimo que é destinado a obras eleitoreiras - algumas criticadas por experts, como trem bala e Belo Monte - "planejadas" para serem executadas daqui a X anos, pelos próximos governos. Isso é querer vangloriar-se de obras alheias.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

___________________________________________

REAJUSTE DOS APOSENTADOS

Ao insistir nos 6,14% de reajuste para aposentados, Lula deve estar pretendendo aperfeiçoar a reforma da Língua Portuguesa, introduzindo, em curso de pós graduação (obrigatória para quem já se aposentou), a matéria ''Como se tornar um faquir e viver comendo pouquíssimo''.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

___________________________________________

COMÉRCIO EXTERIOR

O governo federal, por sua altiva diplomacia, empenhou-se muito para perder o mercado americano, enquanto dava excessiva atenção a mercados sem expressão. E teve sucesso. Em 2002 (governos anteriores...) 25,4% de nossas exportações se destinavam aos EUA. Em 2009, não passamos de 10,2%. Perda de quase 60%.

Mario Helvio Miotto mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

___________________________________________

SUPREMA IRONIA

Após quatro século (sic), não deixa de ser irônico ver o longo governo da redenção - e das metáforas - terminar num amontoado de não realizações. Ter seu termo nesse... belo monte!

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

___________________________________________

CASO EMBLEMÁTICO

O processo de licitação da usina de belo monte oferece-nos o mais acabado exemplo de como o modelo '' democrático '' PT-lulista atua : num estado totalmente aparelhado, o desejo desenfreado de manutenção do poder a qualquer custo , e em todas as instâncias, mostra uma volúpia jamais vista em qualquer país minimamente desenvolvido; instituições, órgãos reguladores, poder judiciário, tudo é atropelado pelo dono do país , que busca situar-se acima de toda e qualquer lei.

Técnicos, economistas, Ong´s, e a sociedade em geral, se convenceram de que tal projeto só se leva adiante pelo capricho de um governante que não está preocupado com o projeto de um país que quer caminhar para um futuro ordenado, livre das maracutaias maquiavélicas de toda ordem.

Para colmo, não havendo empresas (sérias) propensas a embarcar nesta '' canoa furada '' o nosso grande guru não se abala: convoca o BNDES para bancar/subsidiar/etc. Esta febril medida e - o que é ainda mais grave neste país onde nem o que é privado é respeitado - impõe aos fundos de pensão (privados, pertencentes aos funcionários de Banco do Brasil, Petrobrás, Caixa Econômica Federal) a participar/bancar/etc. esta tresloucada empreitada.

Curioso é que os participantes destes fundos de pensão nem sequer ameaçam qualquer reação ao assalto à suas poupanças. o motivo é obvio, logicamente, os dirigentes destas instituições vierem de onde?

Pedro Paulo Santos santospedrop@hotmail.com

Sorocaba

___________________________________________

BELO MONTE

Os brasileiros com razoável nível de informação, já sabem, que ''Belo Monte de Grana'' vai

rolar, nesse Mega Projeto, mas o que assusta mais ainda, é que também ninguém acredita,

que tenha sido efetuado estudos apurados do impacto ambiental, que aliás, seria

impossível. Uma obra de tal vulto mexendo com a natureza, que levou milhares de anos,

para constituir a biodiversidade ainda desconhecida pelo homem. Comparo o crime, como

da pesca das Baleias, estão sendo covardemente dizimadas, pelo homem, que não conhece

sequer, a linguagem desse extraordinário mamífero, que não tem como se manifestar. Nas

florestas, da mesma forma, o que será perdido, é inimaginável. .., plantas, animais, aves,

insetos, rios, lagos, igarapés, etc ... que ainda não estudamos, serão exterminados, sem

poderem protestar, senão, através da própria natureza, que será quem falará por todos

mais tarde, como uma bomba relógio programada para o futuro, por conta das alterações

climáticas, que afetará todo planeta e nossas gerações. Porém, estamos num País onde o Bolsa Família, se propaga para empresários, políticos, estudantes (une), e tantos outros, o que há de se fazer! O que mais assusta, lembrando Martim Luther King, não é o medo dos corruptos e desonestos que bradam, e sim o silêncio dos Honestos.

Waldir Cassapula waldir.cassapula@uol.com.br]

São Paulo

___________________________________________

INTERESSE DESCOMUNAL

O interesse do governo federal na Usina de Belo Monte, no Pará, é descomunal, fora do senso diário normal de uma gestora dos recursos públicos. Dá para imaginar que o desejo seria que dali, com 80% da obra financiada pelo BNDES, seria um "mar de rosas", para os políticos da época. Danem-se, meio ambiente, rios e florestas, os índios, o estado do Amapá, todos em volta. Mas se Deus ajudar, isto não irá para frente.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

BELO MONTE VIROU UMA ESTATAL

Por que o leilão de Belo Monte? Por que a recuperação dos viadutos da Erundina? Por que os túneis alagáveis da Marta? Ora, porque estamos em campanha e 5% de 20 bilhões dá 1 bilhão, 10% de 20 bilhões dá 2 bilhões e por aí afora. Seria melhor para todos nós pagar só a comissão e deixar o principal de fora.

Ronaldo José Neves de Carvalho rone@roneadm.com.br

São Paulo

___________________________________________

UM MONTÃO DE DÚVIDAS!

Se a maioria dos técnicos têm uma avaliação contrária à viabilidade e as vantagens para os brasileiros da Usina Hidrelétrica ''Belo Monte'',quais seriam as justificativas para a teimosia de um presidente que ignora as normas do bom senso? Será por pura teimosia ignóbil,ou será por pura arrogância, ou existem, como constantemente se apresenta, objetivos escusos ? Aí tem.! E os nossos netos e descendentes terão que pagar por mais essa leviandade.

Leila E. Leitão

São Paulo

___________________________________________

PARA A VENEZUELA

Lula defende e insiste na construção de Belo Monte, mas os centros consumidores mais carentes da região estão na Venezuela, com seus apagões. A usina poderá consumir um belo monte de dinheiro brasileiro, sem finalidade...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

___________________________________________

ALEGORIAS EM BRASÍLIA

Realmente faz sentido o desfile em Brasília com figuras como o Mickey alegoricamente representando os Ratos que infestam Brasilia, o Pateta representando nosso povo e quem sabe o Donald nosso Presidente.

Valdir Pricoli cambuci@yahoo.com

São Paulo

___________________________________________

CNJ

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) representa um avanço na consolidação do Estado Democrático de Direito, da Democracia e da melhoria da atuação do Poder Judiciário, no Brasil. Mas, muito ainda precisa ser feito : o Judiciário não pode continuar sendo uma ''caixa-preta'' e ficar encastelado numa torre de marfim. É preciso mais transparência e fiscalização de suas decisões e atividades, que devem estar comprometidas com o espírito público e republicano. Já passou da hora de se acabar com certos privilégios da Magistratura, como férias de 60 dias anuais e a aposentadoria compulsória, que é mais um prêmio do que uma punição aos juízes culpados. Seja como for, o CNJ está no caminho certo e é um importante instrumento para a melhoria da Justiça no Brasil.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

___________________________________________

O SUPREMO, O TÉCNICO E O POLÍTICO

O Ministro Cezar Peluso, que assume a Presidência do Supremo Tribunal Federal, expressa fielmente os atributos dos magistrados de carreira: discrição, autoridade, aplicação rigorosa do conhecimento técnico, é dizer, permite inferir que deverá agir na presidência da Suprema Corte nos exatos termos dos procedimentos habituais das autoridades judiciárias. Diz admirar a Corte Suprema norte-americana, mas, obviamente, conhece as profundas diferenças que as caracterizam, a partir do próprio direito a ser aplicado. O do norte fundamentado nos precedentes judiciais e numa Carta Política extremamente sintética; o nosso nas normas legisladas e numa Constituição analítica, detalhista e flexível a ponto de contar com quase uma centena de emendas. Consequentemente, o campo de atuação política dos Ministros norte-americanos é muito mais amplo, tendo sido vigorosos os conflitos entre o Presidente da República e o Presidente da Corte Suprema: Tomas Jefferson contra John Marshall, Abraham Lincoln contra Roger Taney e Franklin Roosevelt contra todo o colegiado. Não obstante isso, o novo Presidente do judiciário brasileiro não pode ser furtar das grandes questões políticas que agitam a nação, para limitar-se à aplicação de seus conhecimentos, notoriamente profundos, hauridos em suas especializações em direito privado - direito civil e direito processual civil - porquanto o Supremo Tribunal Federal é algo mais do que o juiz limitado, como dizem os franceses, a ser ''a boca da lei''.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

___________________________________________

VIRA-LATAS

O Presidente Lula tem razão ao levantar a questão da síndrome de ''vira-latas'', mas não se encaixa na atitude do ex- Ministro Celso Lafer ao tirar os sapatos em aeroporto dos EUA. Vira-latas não obedece a ordens, não tem disciplina, faz pouco caso das leis, como ele, o próprio Lula.

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

___________________________________________

COMPLEXO DE VIRA LATAS

Senhor Lulla : Se educação e respeito às leis é ''complexo de vira latas'' que nome seria dado a quem como o sr. que desrespeita as leis e ainda faz chacota do Judiciário?

Ângelo de Agostini angedemari@gmail.com

Campinas

___________________________________________

CASTIGO E REVERÊNCIA

''Ministro meu que tirar o sapato deixará de ser ministro''. Lulla esqueceu que Evo, na Petrobrás e Lugo, em Itaipu, quase lhe tiraram as calças.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

___________________________________________

PICHADORES

Recentemente a estátua do Cristo Redentor, cartão postal do Rio de Janeiro foi pichado. Os vândalos ou os populares pichadores não têm limites. Tudo isto acontece porque a legislação nacional não tem leis especificas sobre estes atos criminosos. Nos últimos três anos eu pintei minha casa três vezes e, sempre os pichadores (bandidos do spray), estragaram as paredes da minha casa com seus códigos. Uma lata de tinta, pincel. Bandeja, rolo, etc. e mais a mão de obra tem o valor aproximado de R$ 180,00. Se eu não pagar pelos produtos terei indesejáveis cobranças e restrições de créditos. Se eu roubar um único pincel no valor de R$ 2,00 serei preso. Já os criminosos do spray usam e abusam da liberdade do império do mal! Ate quando eles vão prevalecer?

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

___________________________________________

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

Foi com profundo pesar que li a notícia ?Mercado tenta descongelar a Penha? no caderno Metrópole. É muito triste ver uma cidade como São Paulo ser destruída pela especulação imobiliária. Eu cresci nos bairros de Jardim Cordeiro e Vila Sônia, ambos na zona sul e vi

erguerem um paliteiro infinito de arranha-céus, construído sem critério algum, incompatível com a largura das ruelas e calçadas onde se localizavam. Hoje, nota-se a briga das construtoras para ver quem é que vai acabar com a última área verde do Morumbi. Até as freiras, do Colégio Nossa Senhora do Morumbi estão dando sua colaboração, ao vender para uma construtora o terreno com resquícios de mata nativa que haviam ganhado para ali se instalarem. Agora a fúria do mercado imobiliário volta seus olhos para a Penha e São Miguel.

Nossa cidade gasta muito dinheiro se reinventando, demolindo para reconstruir, quando poderia ser muito mais barata e bonita se empregasse energia na conservação do que já existe. Nas grandes metrópoles europeias como Paris e Londres as casas mais novas são

centenárias. Após uma década sem visitar Paris, o viajante, ao retornar, nota que a cidade evoluiu, mas continua sendo basicamente a mesma. Em São Paulo, se o cidadão ficar 10 anos sem visitar um local, ao retornar, parece que está ali pela primeira vez. Afinal, ao destruirmos os antigos bairros, destruímos também nossa história e, junto com esta, nossa identidade de paulistanos.

Ricardo Pelletti Ocaña pelletti@usp.br

São Paulo

___________________________________________

LOTEAMENTO DO CONPRESP

A quem interessa a verticalização da Penha e de São Miguel Paulista? Ao Secovi, certamente, e ao conluio escuso entre construtoras, incorporadoras e os vereadores de São Paulo. O destombamento de uma região abre precedentes perigosos para tudo aquilo que a especulação imobiliária ainda não destruiu. A questão é muito mais séria do que se imagina!! O papel do Conpresp é trabalhar para a preservação e não para um punhado de investidores que financia campanhas eleitorais da Câmara Legislativa. A cidade não vai definhar por causa da preservação de alguns bairros históricos: ela vai resguardar sua própria história, sua identidade.

Décio Hernandez Di Giorgi dgiorgi@uol.com.br

São Paulo

___________________________________________

INVERSÃO DE VALORES

O posicionamento dos órgãos fiscalizadores do trânsito em São Paulo a respeito do comportamento dos motociclistas e dos números estatísticos de acidentes e multas leva-nos a concluir que o próprio Estado se entrega à barbárie. Em vez de instituir ações que coíbam a violência no trânsito e o mal comportamento dos motociclistas como por exemplo proibir o trânsito de motocicletas entre os carros e a obrigatoriedade da identificação das motos nas costas do condutor, os órgãos fiscalizadores preferem adotar medidas paliativas que vão continuar permitindo aos motociclistas prosseguirem com seu comportamento mal-educado, perigoso e mortal.

Orson Mureb Jacob srassis@femanet.com.br

Assis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.