Cartas - 25/11/2010

DE HERANÇAS

, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2010 | 00h00

BC do bem

Alexandre Tombini, o futuro presidente do Banco Central (BC), fez parte da equipe do governo de Fernando Henrique Cardoso e foi um dos formuladores da política de metas de inflação (um dos pilares da recuperação da economia do Brasil). Mais um remanescente dos tempos da "herança maldita" que tentará manter a integridade do BC, pois, ao que parece, a futura presidente, Dilma Rousseff, não pretende deixar Guido Mantega deitar e rolar na economia. Vamos ver o que acontece, pois a "herança bendita" deixada por Lula não vai ser fácil de enfrentar. Para tanto são necessários seriedade, pulso forte e competência, o que, convenhamos, não é para aloprados.

ALBERTO B. C. DE CARVALHO

albcc@ig.com.br

São Paulo

____________________________

LÁGRIMAS

Depois que os "três porquinhos" revelarem à rainha o montante da herança deixada pelo reizinho, ella chorará copiosamente!

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

____________________________

O BRASIL MOSTRA A CARA

Após as eleições começou a aparecer um Brasil real bem diferente do proclamado pelo marketing político do presidente Lula, com problemas sérios na saúde, hospitais sem os equipamentos necessários, filas enormes de pacientes mal atendidos, falta de remédios, como os que combatem a malária, que não chegam ao Amazonas, matando crianças; o problema das drogas, que entram pela fronteira, vindas principalmente da Bolívia, e produzem cada vez mais cracolândias por este país afora; problemas na educação, como o que vimos desacreditando o Enem; aeroportos sucateados e estradas federais em péssimo estado; metade do País sem rede de esgoto e água tratada; a volta dos casos Celso Daniel e Toninho de Campinas, envolvendo o PT; e problemas de segurança, principalmente no Rio, que lembram uma guerra civil. Dilma Rousseff poderá falar, com propriedade, em herança maldita.

ENI MARIA MARTIN DE CARVALHO

enimartin@uol.com.br

Botucatu

____________________________

TERROR NO RIO

Cidade olímpica sitiada

Seriam mesmo as últimas investidas dos traficantes no Rio de Janeiro - arrastões, assaltos e destruição de carros e ônibus - meros sintomas do desespero desses criminosos pelo avanço das UPPs nos morros cariocas, como alega o governador lulista Sérgio Cabral? Não é o que parece. Na verdade, rudimentos de lógica me levam a pensar exatamente o contrário: o sucesso de uma determinada política de segurança pública deveria refletir-se em queda permanente dos atos de violência promovidos pelas gangues. Mas o governo Lula e seus aliados desafiam constantemente a lógica. Insistem em enaltecer as UPPs e a Força Nacional de Segurança como exemplos de sucesso na luta contra o crime. Pura lorota. Basta checar o noticiário e os relatos dos cidadãos vítimas para concluir o óbvio: a cidade olímpica continua sitiada.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

____________________________

BANDIDAGEM

Ainda que mal pergunte, os que tiveram seus carros incendiados vão ser indenizados pelas autoridades do Rio de Janeiro?

JAMES F. SUNDERLAND COOK

sunderland2008@gmail.com

São Paulo

____________________________

"SUCESSO"

"Emburrada" não terá sido a administração pública, que não conseguiu dar segurança à cidade? E pensar que durante a campanha a presidente eleita repetiu à exaustão que vai expandir a experiência "de sucesso" do Rio de Janeiro. Que os céus nos protejam.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

____________________________

ESCLARECIMENTOS

Sindifisco Nacional

A respeito do editorial As confusões da Receita (22/11, A3), o Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional) esclarece que o sindicato é historicamente uma entidade apartidária e, portanto, não sofre ingerência de nenhum partido político. Além disso, o Sindifisco Nacional é independente, logo, não avaliza os nomes indicados para ocupar o cargo de secretário-geral da Receita Federal do Brasil nem os demais cargos da administração. Portanto, o sindicato não tem nenhuma interferência na escolha do secretário da casa. Por fim, o Sindifisco ratifica que defende a proteção do sigilo fiscal de todos os contribuintes. Mas é preciso deixar claro que o trabalho de fiscalização não pode ser prejudicado. Faz parte das tarefas do auditor-fiscal acessar dados de contribuintes para adequadamente combater a sonegação e a corrupção.

CLOVIS HORTA FILHO

chfilho@llorenteycuenca.com

Rio de Janeiro

____________________________

MENSALÃO MINEIRO

Mais uma vez o sr. José Nêumanne me acusou, sem provas, de algo que não fiz e não sou, ao me chamar de "pai do mensalão" (E a barganha original venceu a ilusão virtual, 10/11, A2). Mensalão, como ficou denominado, teria sido o pagamento a parlamentares federais para votarem a favor do governo, o que nunca ocorreu em Minas Gerais. Portanto, nunca houve mensalão mineiro. O STF, ao aceitar abrir um processo, por escassa maioria 5 a 3, não me condenou, apenas iniciou uma ação dentro da vigência da Justiça. Como todos os que acompanham a política no País sabem, as questões financeiras de uma campanha para governador são delegadas. E todos os que vivenciaram a campanha de 1998 sabem que não era eu o responsável por essa área. Quanto à prestação de contas, matéria publicada pelo jornal Estado de Minas em dezembro de 1998 mostra com clareza que a prestação de contas de minha coligação foi a mais alta. Mais até que a do então candidato Lula, que naquele ano prestou contas de cerca de R$ 3 milhões para uma campanha a presidente da República, quando a de minha coligação para governador foi três vezes maior. Muitos dos que nunca foram acusados, questionados ou sequer mencionados pelo sr. Nêumanne prestaram contas ridículas, bastando compará-las com as do último pleito. Fui mais uma vez eleito pelo povo mineiro, que testemunhou a favor de minha vida pública e pessoal correta e dedicada. Na análise política, com a experiência que tenho de mais de 20 anos de julgamento popular, não são mais admissíveis a precipitação e a hipocrisia.

EDUARDO AZEREDO, senador (PSDB-MG)

Brasília

____________________________

"Lula diz que é contra qualquer tipo de agressão. Mas apedrejamento pode!"

EDGARD MARQUES FILHO / BARUERI, SOBRE AS COREIAS

ed.marques@terra.com.br

"Nada mais sintomático neste final de governo do que as obras mal executadas no Palácio do Planalto: água e dinheiro público escoando pelos ralos. Vergonha!"

VIVIANO FERRANTINI / SÃO PAULO, SOBRE A INUNDAÇÃO

engferrantini@ig.com.br

"Elle vai ser da "zelite"?"

AIMORÉ W. SANTOS / SÃO PAULO, SOBRE A FUNDAÇÃO QUE LULA PRETENDE INSTALAR NO

BAIRRO NOBRE DO IBIRAPUERA

____________________________

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 2.796

TEMA DO DIA

Onda de ataques deixa PM de prontidão no Rio

Desde domingo, 21 pessoas foram mortas e mais de 150, presas ou detidas; PMs não podem folgar

"O povo do Rio não merece tal tragédia. Parabéns à PM pelo trabalho. Que sirva para valorizar a polícia com bons salários,"

EDIJAIR TOSTA

"Os PMs entram em confronto com traficantes fortemente armados, sem capacetes e coletes à prova de bala. Parece que o governo os manda para a morte."

ALOIS BECHTOLD FILHO

"Feito o Enem, para o governo, as UPPs foram um sucesso!"

JOSÉ CARLOS SALIBA

____________________________

Cartas enviadas ao fórum dos leitores, selecionadas para o estadão.com.br

EQUIPE ECONÔMICA

Li ontem na primeira página do Estadão que o presidente do Banco Central será o

economista Alexandre Tombini, diretor de Normas da Instituição. E o mais importante

é que o mesmo segue a mesma linha do atual presidente, Henrique Meirelles. Menos

mal, porque a inflação já chegou ao País e é sabido que a inflação é um câncer com me-

tástases. Todos os índices econômicos já subiram e o próximo governo vai precisar

diminuir os gastos e aumentar os juros, subindo a taxa Selic. Do contrário, a inflação vai

corroer o salário das classes menos favorecidas.

Olympio F.A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

____________________________

PREVISÃO DO TEMPO: CHUVA E TROVOADAS

Já alaga o Brasil, abaixo a gastança do Mante(i)da. Agora com um controle faz de conta, logo teremos inflacionárias trovoadas de um Tombi-lhão.

Elza Maria Naclério Homem Baider elzabaider@ig.com.br

Vinhedo

____________________________

QUIRELAS PARA DILMA

Com a confirmação de Mantega, Tombini e Miriam Belchior (ex-exposa de Celso Daniel) no tripé econômico, Fazenda, BC e Planejamento, e provavelmente Palocci na Secretaria-Geral e Paulo Bernardo na Casa Civil, nomes esses ligadíssimos, ou melhor, indicados por Lula, à decisão da futura presidente restarão Ministérios periféricos, ou a raspa do tacho...

O atual presidente blinda, assim, qualquer ousadia política possível de Dilma Rousseff e protege sua autoridade, até para interferir sem limites no próximo governo petista. Será que vai ser petista ou lulista...?!

Se não tomar cuidado, Dilma terá uma administração saci-pererê, ou seja, de uma perna só! Ou, ainda, sufocada, porque José Dirceu também vai buscar seu espaço, já que o Lula, muito endividado com o homem forte do mensalão, prometeu ajudá-lo a se livrar de condenação no Supremo.

E se estas previsões se confirmarem, Dilma será, infelizmente, uma garçonete da cúpula petista...

Espero estar errado.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

____________________________

JOSÉ DIRCEU

Dilma, ao preencher cargos-chave, esqueceu-se da figura mais importante do PT. Lembre-se dona Dilma que Lula, espontaneamente, prometeu que vai "desfazer a farsa do mensalão" para recuperar a imagem de Zé Dirceu. Que tal auxiliar o seu padrinho político e nomear o Zé para o Banco Central? Lula louvará o seu gesto.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

____________________________

DESTINOS...

Palocci vai para o primeiro escalão. E o caseiro Francenildo vai para onde? Se este fosse um país sério, o Palocci teria ido para a cadeia, ou, no mínimo, seus direitos políticos seriam cassados por alguns anos. Ou se aqui fosse o Japão e ele tivesse vergonha... Bem, aí seria querer demais.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

____________________________

JUSTIÇA NO BRASIL

Antônio Palocci (PT-SP) conseguiu mais uma façanha no STJ, que rejeitou recurso do Ministério Público do Estado de São Paulo, alegando não haver provas suficientes para sua condenação. Agora pergunto: onde estão as provas iniciais que originaram tal processo ? Como é bom ter costas quentes, não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

____________________________

INFANTILIDADE

Depois dos três porquinhos, parece que vamos ter os três patetas.

Miguel Politi miguel.Politi@uol.com.br

São Paulo

____________________________

GOVERNO DILMA

Nem começou e já fez besteira. Miriam Belchior era secretária do Planejamento da prefeitura de Santo André, onde houve desvio de dinheiro para o PT. Agora se torna ministra.

Quantas mais Erenices tem como amiga a futura "presidenta"?

tiago homem de m de c e silva tihmcs@ig.com.br

Campinas

____________________________

PRECISA COMENTAR?

Dilma convidou Miriam Belchior para o Ministério do Planejamento. Para quem não se lembra, essa senhora era a mulher de Celso Daniel, prefeito de Santo André assassinado. Segundo o que se falou na época, foi dona Miriam que apagou as mensagens da secretária eletrônica da casa do prefeito, antes que a polícia pudesse chegar a elas, e também teve uma conversa telefônica gravada na qual se gabava para Gilberto de Carvalho de seus, digamos, ''dotes teatrais'' numa participação no programa de Hebe Camargo, logo após o crime. Precisa comentar?

M. Cristina da Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

____________________________

DEPENDÊNCIA

Que Dilma e sua ''novíssima turma'' de ministros não interpretem pobreza como Lula o fez, levando todos a ficarem viciados na ajuda do governo por acharem mais fácil, sem a perspectiva de sair da dependência. Seria muito interessante que fizessem uma leitura da entrevista dada pelo cantor nordestino Dominguinhos à Folha de S.Paulo, que entre outras coisa falou sobre sua vivência junto aos bolsistas: "O nordestino é muito trabalhador se não tiver moleza. Se achar uma moleza, não trabalha mais. Hoje em dia nem roupa usa. A moçada bota um short, uma camiseta, fica de sandália. Só quer aquela mixaria ali (Bolsa-Família) para sobreviver." Lembrando que ele é nordestino e da mesma cidade de Lula.

Leila E. Leitão

São Paulo

____________________________

CANDIDATA À REELEIÇÃO

Para que o governo de Dilma seja igual ao do Lula, basta que ela, desde já, trabalhe para sua reeleição em 2014. E haja Bolsa-Família!

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

____________________________

CLÁUSULA SOCIAL X CUMPLICIDADE NA BARBÁRIE

Vantagens competitivas "artificiais" significativas, como o baixo custo da mão de obra, atropelando os direitos dos trabalhadores e o fortalecimento de organizações sindicais, conquistas de democracias inspiradas em valores universais, só sobrevivem graças ao princípio espúrio de conveniência e tolerância que os que classificam como meros "hábitos" não ocidentais que não devem ser impostos para não gerar "intolerâncias". A China vale-se disso para atrair investidores e chantageá-los em seguida.

Sergio S. de oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas - MG

____________________________

APOCALIPSE

As profecias de Nostradamus, com suas intrigantes Centúrias, ainda não foram deduzidas a respeito ao final dos tempos - o Apocalipse. Estamos no terceiro milênio, representado pelo número 3, somando aos 3 presentes anti-Cristos representados pelo Irã, China comunista e Correia do Norte, encontraremos novamente o número 3. Assim, teremos por unidade o resultado cabalístico de 666, representando a Besta do Apocalipse. Muitos esperavam o fim dos tempos para o final dos anos 2000. Mas o que são dez anos em relação a equações matemáticas envolvendo milhares de séculos? Nada! Existem tantos mistérios entre o céu e a Terra que um simples mortal é incapaz de resolver.

Roberto Stavale bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

____________________________

"CÚMPLICES DA BARBÁRIE"

Por que estranhar que o governo Lulla não condene o Irã por "violações recorrentes de direitos humanos"? Afinal, não é o ódio disseminado entre irmãos que leva a hábitos, como quer nosso ministro da Defesa, de condenações bárbaras, não típicas no, mas contra o ocidente, através de ataques terroristas? E não é da mesma natureza o sentimento que se incitou transmitir entre cidadãos brasileiros, ao dividi-los em classes, nos últimos quatro anos de seu governo, como recém-amargamos, devido a insultos incabíveis contra nordestinos por uma infeliz e desmiolada sulista? O que se passa no Irã não pode ser aceito como traço cultural do islamismo, pois seria um grande desrespeito ao seu povo, à sua cultura e à sua crença espiritual, mas como herança maldita de uma minoria autocrática que se pensa dona de verdade, assim como outros pensam e ousam conquistar, cá, por estas bandas ocidentais, ao transmudá-la em bendita.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

São Paulo

____________________________

TOMÉ DEFENDENDO BEBÉ

Direitos humanos, para Nelson Jobim, atual ministro da Defesa e ex-presidente do STF, ''é uma questão ocidental'', disse recentemente, ao tentar justificar a abstenção do voto brasileiro a uma resolução da Assembleia da ONU que condena as práticas abusivas do regime ditatorial iraniano. Antes ele tivesse permanecido calado. Eu sabia da universalidade dos direitos humanos. ''Todos os seres humanos nasceram livres e iguais em dignidade e em direitos.'' Ainda não tinha tomado conhecimento de que o Itamaraty dividiu os direitos humanos em direitos humanos ocidentais e direitos humanos orientais. Agora estou começando a entender. É preciso divulgar mais. Ministro, já chega o grande Celso Amorim para nos envergonhar. Confesso que nos últimos oito anos tenho visto muitas idiotices envolvendo nossa política externa, mas a sua, especificamente, tem dimensão astrofísica.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

____________________________

SE FOSSE NO IRÃ...

Esperemos que Sakineh não seja apedrejada antes da posse de Dilma, graças à omissão de Lula.

Aliás, se a então guerrilheira Dilma tivesse vivido sua atribulada vida amorosa lá no Irã, já teria sido apedrejada há muito tempo.

Luiz Henrique Penchiari Jr. luiz.penchiari@hotmail.com

Vinhedo

____________________________

NÃO HÁ JUSTIFICATIVA!

Lembro ao ministro da Defesa: o Brasil é signatário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela ONU em 1948, que não se divide em direitos ocidentais e orientais. Lembro também o artigo II: "Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania."

Lembro também o artigo V: "Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes."

E finalizo com o artigo XXX: "Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos."

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

____________________________

AMORIM

O nosso chanceler, Celso Amorim, de testa e ideias curtas, mais uma vez fez questão de demonstrar diplomacia, que confunde com desfaçatez! E com ele todos nós, brasileiros! Ora, se não somos contra o apedrejamento, somos a favor! Espero que S. Exa. seja julgado por suas próprias palavras!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

____________________________

Desafinado

''Essa questão de direitos humanos é ocidental''. Para

um ex-ministro da Justiça, esse Jobim tá fora do tom.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

____________________________

JÁ VAI TARDE

No limite do ridículo, se é que isso se aplica no caso, o pato manco inaugura pingo de solda . Nada mais psicoteurapeticamente comprometedor e revelador do que esta triste notícia. No limiar da insanidade, é comum que fracos neurônios conduzam uma figura ao ridículo, se isso já não for sua rotina. Neste caso, esgotados os enjoos e as revoltas saudáveis, só resta registrar o avanço da enfermidade. Ao insano, o recolhimento, de preferência sem visitas, sem microfones e sem cobertura da mídia. Adeus.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

____________________________

PINGO DE SOLDA

Será que ele se lembra de como se faz isso? Afinal, os anos de metalurgia foram vividos de afastamento para ''agitar'' em sindicatos e por ter perdido um dedo no torno. Conheço pessoas que têm apenas um dedo na mão e trabalham até hoje, pois precisam ganhar o pão de cada dia, nada lhes cai do céu, como um cargo de presidente da República. Ainda bem que faltam apenas 36 dias para nunca mais se ouvir falar nesse homem.

Alexandre C S Fuzer alefuzer1968@hotmail.com

Dois Córregos

____________________________

VIVER BEM É SABEDORIA

Cercado de socialites em evento, Lula, exultante proclama: "Tá vendo como é bom ser presidente?" Em seus oito anos de mandato, a Presidência da República, para ele, não foi boa, foi ótima. Viajou pelo mundo inteiro em avião de luxo, discursou à vontade quando permaneceu no Brasil e não prescindiu um só momento de fazer o que mais gosta: subir em palanques. E para completar, não houve necessidade de se preocupar em demasia com os rumos do País, pois os bons ventos no cenário internacional foram extremamente favoráveis, beneficiando em muito o nosso Brasil. E nossa primeira-dama, sempre preocupada com as causas sociais, de quebra, ainda ganhou, entre outras inúmeras mordomias, um gabinete exclusivo no Palácio do Planalto. Isso é que é viver como se aprova, como diz o refrão da música do Juca Chaves.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

____________________________

"PUDÊ"

O Estadão publicou duas fotos do presidente Lula com o seguinte subtítulo: ''Os últimos dias de um presidente... que não quer sair de cena''. Vale salientar que houve um ato falho, pois o título deveria ser complementado assim: ''Porém continuará mandando no País a todo vapor.'' Sem dúvida, ele foi contaminado pelo ''vírus do pudê''.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

____________________________

O NOVO BERLUSCONI

O sr. Lula já pode ser comparado ao sr. Berlusconi, primeiro-ministro Italiano. Na foto da primeira página do Estadão, lá está o ''galã das multidões'' rodeado de socialites, em evento na Hípica Paulista, dizendo: ''Tá vendo como é bom ser presidente?'' E só agora confessou, depois de oito anos? E para o pobre cidadão brasileiro, Bolsa-Família!

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

____________________________

IT''S GOOD TO BE A KING!

Nada como se abraçar, todo sorrisos, com a "zelite" branca de olhos azuis, tão duramente criticada e premiada com o bolsa-esfola.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

____________________________

"MULHERES, CHEGUEI!"

Na época da chanchada no cinema pátrio havia um comediante engraçadissimo chamado Zé Trindade.

Baixinho, algo rotundo, um bigodinho tipo ''cafageste década de 50'', sua fácies e seus bordões eram irresistíveis nos bons e velhos tempos, mais amenos e ingênuos.

A foto publicada na primeira página do Estadão em que o quase sósia do Zé Trindade, o Lula, aparece rodeado de algumas damas louras fake, esbanjando charme e glória padrão dancing Avenida, fez-me lembrar um dos melhores bordões do Zé Trindade: ''Mulheres, cheguei!"

Quanto ao encantamento demonstrado pelas louras... bem, deixa pra lá.

Era a colônia lusa celebrando o poderoso do momento.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

____________________________

O QUE É DEMAIS NÃO PREJUDICA

Há um ditado latino - "quod abundat non nocet", ou "o que é demais não prejudica" - que deve ser obdecido dentro de um certo critério, para que essa abundância não ultrapasse a possibilidade da execução de determinados fatos a que ela se refere. É o caso do famigerado Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que envolve uma infinidade de obras que jamais poderão ser executadas pelo atual governo federal, no final da sua gestão. Depois de esgotadas as possibilidades temporais do lançamento da pedra fundamental e início delas, o governo está hoje, num verdadeiro atropelo político, inaugurando oficialmante ate ''pingo de solda'' em futura tubulação de escoamento de álcool para determinadas cidades do interior. Mas, para Lula, isso tudo é tão natural que o Estadão (24/11) em sua primeira página publica um foto avantajada e colorida do presidente, todo feliz e rodeado por socialites, exclamando e agradecendo aos céus: ''Tá vendo como é bom ser presidente?" Não faltou neste final de governo e nesta inauguração mais um PINGO de...?!

Antonio Brandileone franbrandi@uol.com.br

Assis

____________________________

OLEODUTO RIBEIRÃO PRETO

No noticiário relativo à visita do presidente Lula a Ribeirão Preto, para lançamento do complexo logístico dedicado ao transporte de etanol, falou-se muito do duto e nada sobre o transporte fluvial do mesmo álcool. O noticiário sobre o duto é muito importante, pelo que significa de redução de caminhões nas estradas, com todas as suas conseqüências, em favor de um modo muito mais seguro e econômico.

Mas não fica atrás em importância a notícia não veiculada de que, no mesmo ato, a Transpetro firmou contrato para a construção de 20 comboios (20 empurradores mais 80 chatas), para o transporte fluvial do etanol, com capacidade inicial de 6 milhões de toneladas por ano, que ela própria operará, apoiada em quatro grandes terminais de captação e de distribuição. Essa notícia põe o transporte fluvial, em que o Estado de São Paulo investe há mais de 60 anos, no mapa dos mais importantes, econômicos e ecológicos meios de transporte. Só essa iniciativa da Transpetro duplicará o volume de transporte fluvial hoje feito na Hidrovia Tietê-Paraná. Depois virá o transporte de açúcar, que segue os mesmos rumos do etanol, e a abertura de novos caminhos, nos Rios Paranapanema, Grande, Ribeira do Iguape, etc.

O encontro de Ribeirão Preto pode ser considerado histórico para o Estado de São Paulo.

Adriano M. Branco, Eminente Engenheiro do Ano de 2008, ex-secretário de Estado dos Transportes (governo Montoro), ex-diretor de Tróleibus da CMTC (governo Setubal), vice-presidente do Instituto Mauá de Tecnologia www.adrianobranco.eng.br

____________________________

UNICAMP

O vestibular realizado no domingo pela Universidade de Campinas (Unicamp) confere à nós, estudantes, maior credibilidade para ingressarmos no ensino superior de qualidade. Infelizmente, somente uma pequena parcela da população consegue ter acesso ao ensino superior e o exame que propunha uma isonomia para os estudantes menos favorecidos conseguirem tal fato (Enem) foi um desastre - assim como o ano passado-, representando o valor dado à educação por nosso iletrado presidente. Tradicionais vestibulares mostram a todos que ainda resta esperança de a educação ocupar um grande espaço na vida das pessoas.

Nelson Gomes Affonseca Netto, vestibulando de Medicina netto993@hotmail.com

Cordeirópolis

____________________________

OBJETIVIDADE

A responsabilidade tem de ser objetiva. Quem arcará com o custo da nova prova do Enem? Nós ou quem fez a cagada?

José Carlos Saliba fogueira2@gmail.com

São Paulo

____________________________

MINISTRO DA EDUCAÇÃO (?)

Da coluna de Ancelmo Gois ( O Globo): "Calma, excelência!

O ministro da Educação, Fernando Haddad, estava na área vip do show de Paul McCartney, ontem, no Morumbi, quando uns jovens começaram a gritar:

- Cadê o Enem?!?!

Haddad, acredite, fez aquele gesto obsceno com o dedo médio. Depois, tentou consertar fazendo o sinal de paz e amor."

Conclusão: a educação está pior que o Enem.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

____________________________

VERDADEIROS ESTUDANTES

Tenho 77 anos e raramente deixo de ler o Estadão todos os dias. Posso dizer que, nesta última década, tenho sofrido muito com quase tudo o que pensa e fala a classe estudantil brasileira. Como todas as regras têm exceções, deixo essas exceções por conta dos alunos Haila Passos, João Pedro Bastos, Julia Bevilaqua, Maria Eduarda Rocha, Pedro Rychter, Pedro Zaú e Ranilson Santos, estudantes de ensino médio do Colégio Santo Inácio, no Rio de Janeiro, autores do maravilhoso o artigo "Enem - descaso e escárnio", publicado num jornal do País. Vale a pena relembrar o que disseram esses meninos e meninas em trechos repletos de incontestáveis verdades: "Não existe maior prioridade para um país do que a educação. Valor fundamental para a construção de uma democracia sólida.... O futuro de um país se escreve diariamente em cada sala de aula... Infelizmente, o que vemos cada vez mais em nosso país é um total desprezo à melhoria educacional... As falhas do Enem demonstram que o MEC vem sendo exitoso em uma tarefa diametralmente oposta - a de descredibilizar, e, ao mesmo tempo, desmerecer os milhões de estudantes... Dizer que o "Enem foi um sucesso estrondoso" não é apenas desrespeito é uma ironia masoquista, uma demonstração cruel de total descaso, menosprezo e escarnio... Quantos mais artigos como este serão necessários para que se leve a educação a sério no país?. Se realmente quisermos ser gigantes pela própria natureza, já é hora de parar de pensar em medidas imediatistas e populistas, para focar em questões substanciais, em reformas profundas.... que garantam enfim o tão almejado desenvolvimento pleno do Brasil." Certamente, agora só lhes resta agrupar um número maior de estudantes para, num grito uníssono, pedir a volta da educação e cultura de qualidade para todos os brasileiros. A União Nacional dos Estudantes pode ter morrido, eu não. Acreditem, estaremos juntos nessa luta.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda RJ

____________________________

ALVO PRIMORIDAL

Embora, bem escondidinha, vale a pena ler: ''Caso a oposição na Assembleia Legislativa de São Paulo consiga quórum, uma das primeiras CPIs a serem instaladas na próxima

legislatura será a das licitações do Metrô''. Será, finalmente, a libertação política de uma cidade capturada.

Vital Ferreira dulceevital@superig.com.br

Santos

____________________________

CADÊ O CAPITÃO NASCIMENTO?

O governador Sérgio Cabral, diante do cenário de caos que enfrenta a bela cidade do Rio de Janeiro, com demonstrações de força por parte dos traficantes, fez uma declaração à jornalista Lúcia Hipólito, na rádio CBN, de deixar qualquer cara de pau dos mais experientes com muita vergonha: ''A ação de desespero dos bandidos deve-se à política de segurança do governo do Rio.'' E sem se importar com a vida dos cariocas, declarou em seguida:''Não se desesperem, mantenham a rotina, é a melhor resposta aos bandidos.''

Quanto cinismo!!! Cabral faz essas manifestações pois tem segurança o tempo todo, diferentemente da população carioca, que está à mercê das balas perdidas e de todo o terrorismo que está vivendo estes últimos quatro dias, sem nenhuma segurança, pois o capitão Nascimento é apenas um personagem de filme, já que a policia do Rio está acéfala.

Quem manda de fato na cidade do Rio de Janeiro são os traficantes, que estão enfrentando e encurralando o desgoverno de Cabral, que nestes quatro anos só fabricou factoides e fez marketing com as tais UPPs, para ajudar seu chefão Lulla a eleger Dilma Rousseff.

Pura maquiagem, bastou terminarem as eleições e os traficantes mostram aos cariocas, e ao País, quem de fato governa a antiga Cidade Maravilhosa.

E Lulla onde anda? Pelo que se sabe, ele é ainda presidente desta republiqueta sindicalista, mas no momento sua preocupação é garantir o emprego da "cumpanherada". Fala mais que os cotovelos, e sobre qualquer assunto, e agora se omite? Covardemente, quando a coisa fica preta ele age do mesmo modo: não sabe de nada e não viu, E o que ele queria do povo carioca já conseguiu, agora os cariocas que se danem, o problema é do seu mui amigo Cabral.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

____________________________

DESORDEM NO RIO

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, diz que desespero de marginais é que provocou os ataques... Pobre população, até quando terá de assistir e esses filmes de terror?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Praia Grande

____________________________

CIDADE HORRORIZADA

É como mãe e cidadã que eu escrevo ao Estadão para demonstrar todo o meu horror à violência que a cidade do Rio de Janeiro vive. Sou paulistana, mas moro em Guaratinguetá, desde agosto minha filha estuda na UFRJ. Um sonho tão desejado e por fim realizado, ironia, esse sonho tornou-se um pesadelo. Eu, que tanto torci para o ingresso dela na federal, hoje torço para que ela volte e faça uma faculdade particular. Pelo menos eu vou conseguir dormir, sabendo que minha filha vai estar aqui em casa comigo, e não correndo o risco de ser vítima de um arrastão! A que ponto nós chegamos!!! Esse é um problema que envolve todos nós, brasileiros, reféns de criminosos! Chega, basta! Queremos atitude!

Liliane Paulillo Nepomuceno anepomuceno@hotmail.com

Guaratinguetá

____________________________

O ESTADO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Como um criminoso que está preso, totalmente segregado da sociedade, pode ter qualquer

tipo de influência numa estrutura criminosa externa? De nada adianta a sociedade cobrar

segurança de um sistema que por si só se mostra falido. Diariamente confortamos nossa insegurança

e medo com a sorte e a esperança.

Carolina Souza caca_soza@hotmail.com

São Paulo

____________________________

INTERVENÇÃO FEDERAL

São inaceitáveis o caos e a guerrilha urbana que acontecem no Rio. Arrastões, roubos, carros queimados, tiroteios, mortos e feridos em mais uma onda de violência que ameaça a segurança e a vida da população. São evidentes a incompetência e o fracasso da política de segurança pública do governador Cabral (PMDB). O Rio é o cartão-postal do Brasil, será o palco da final da Copa de 2014, vai sediar a Olimpíada de 2016 e não pode continuar nesse estado de pânico e total insegurança, com os cariocas reféns de traficantes, da corrupção e do despreparo policiais. Diante do caos e da guerrilha urbana reinantes, até mesmo uma intervenção federal seria bem-vinda no Estado.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

____________________________

RIO E VIOLÊNCIA

A violência crônica do Rio de Janeiro (não que São Paulo não tenha), que periodicamente se exacerba, desafia os mais variados planos para controlá-la. O mais recente, chamado de Polícia Pacificadora, com o objetivo de levar o Estado e a segurança aos morros cariocas, trouxe um efeito colateral muito indesejável, que não foi considerado pelas autoridades: o crime e o vandalismo morro abaixo, seja como represália às ações do Estado, seja como modo de compensação de prejuízos do tráfico e das milícias. Enquanto não houver política não só de repressão, mas também de prevenção, com mais educação de base, esclarecimento aos jovens sobre consumo de drogas, combate à corrupção e moradia para a população em locais com acessibilidade ao Estado, nada se conseguirá neste Rio caótico, que vive uma guerra urbana sem fim, infelizmente, espelho da nossa realidade, que será televisionada para o mundo em três dimensões, ao vivo e em cores, nos grandes eventos que se aproximam. Contudo acreditamos na persistência e no trabalho dos nossos irmãos cariocas para vencer esse difícil desafio. Boa sorte, Rio...

José Eduardo Zambon Elias zambonelias@estadao.com.br

Marília

____________________________

ESTARRECEDOR

Fico estarrecido com o que está acontecendo no Rio de Janeiro. O que tomo conhecimento pela mídia é assustador. Na segunda-feira liguei para minha irmã às 7 da manhã e ela estava num ônibus parado em São Cristóvão, no meio de um arrastão com tiroteio, Bope, caveirão, etc. Terça-feira, em Santa Teresa, houve outro ataque e liguei para um primo que mora lá e ele me confirmou tudo. Todo dia acontecem inúmeros casos de tiroteios e balas perdidas, dentre outras ações criminosas.

As Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) são de extrema relevância em qualquer contexto, mas não se têm mostrado suficientes para conter este absurdo. Várias outras vertentes têm de ser exploradas, além da rígida e contínua repressão em toda a cidade. A área econômica tem de criar empregos, a escola tem de educar, a saúde tem de prevenir e curar, os serviços públicos têm de servir, e assim por diante.

Morei lá por 24 anos e não tive esse dissabor. Antigamente seria fácil sediar uma Olimpíada, uma Copa das Confederações, Copa do Mundo de Futebol, etc., enfim, viver. Era realmente uma Cidade Maravilhosa.

Agora o governo e todas as forças vivas da sociedade devem trabalhar diuturnamente e com total afinco para retornar o ar saudável de antigamente ao ambiente psíquico da população carioca.

João Coelho Vítola jvitola6@globo.com

Brasília

____________________________

ATAQUES EM SÉRIE

Os ataques sistemáticos orquestrados pelo crime organizado têm uma causa específica, a ocupação pela Polícia através das UPPs. Traficantes acuados, que antes faturavam milhões em seus morros e favelas, agora estão "no asfalto".

Apesar disso, o secretário-Eeecutivo do Pronasci, Ronaldo Teixeira, anunciou que 2.883 UPPs serão construídas em todo o Brasil.

O secretário afirmou já existir uma previsão de investimento de R$ 1,6 bilhão até 2014, para viabilizar as obras, e que o assunto já está sendo tratado pela equipe de transição do Ministério da Justiça, já que estas UPPs estão previstas nas obras do PAC-2.

Chamadas de Posto Policial Comunitário, as novas UPPs copiarão, em grande parte, o modelo implementado no Rio de Janeiro.

Esse modelo de policiamento, que foi amplamente divulgado nas eleições presidenciais e na estadual (RJ), tem o mérito, somente, de tirar os traficantes dos locais ocupados e levar a tranquilidade aos moradores de morros e favelas cariocas.

Isso não resolve o problema, os traficantes ''desalojados'' não abandonam o crime, somente transferem a ''mancha criminal'' (expressão utilizada pelas Polícias Civil e Militar para designar os locais onde acontecem os crimes) para outras localidades ainda não ocupadas pelas UPPs e, que muitas vezes, fazem parte da mesma facção criminosa.

Lugares que outrora eram tranquilos, como as Regiões Serrana, dos Lagos e da Costa Verde, começam a sofrer as consequências da ocupação pelas UPPs sem a consequente prisão dos criminosos.

UPP desacompanhada da captura dos bandidos da localidade ocupada faz parte da ''teoria do cobertor curto'', descobre um santo para cobrir outro.

A futura presidente Dilma precisa ser avisada desse equívoco.

Fausto Alves faustobentoribeiro@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

____________________________

ENXUGANDO GELO

Como alertou o secretário fluminense Beltrame, não existem soluções mágicas. Insegurança pública, corrupção policial e política, impunidade, reformas inadiáveis, adiadas. Tudo isso e mais o individualismo do ''deixa a vida me levar'' só se resolvem com muito investimento em educação. Só então é que, progressivamente, os resultados virão. O resto é enxugar gelo, como urbanizar favelas e enquadrá-las como ''aceleração do crescimento''.

Roberto Castro roberto458@gmail.com

São Paulo

____________________________

A "GUERRA" DO RIO

Quando tenta retomar os territórios dominados pelas facções criminosas, milícias e outros delinquentes, o governo do Rio de Janeiro precisa do apoio dos Poderes constituídos e da sociedade e tem de encontrar meios eficientes de atender à população em suas necessidades básicas. Se não o fizer, o traficante, o sequestrador, o ladrão de automóveis e outros criminosos o farão e continuarão arrebanhando os moradores para seus exércitos criminosos.

A miséria, a falta de oportunidades e o desleixo com o povo constituem o oxigênio que, sem controle, poderá incendiar o pacto social brasileiro. Um alerta: em proporções diferentes, isso pode ocorrer em qualquer ponto do País...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves, dirigente da Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

____________________________

OPORTUNISTAS INCOMPETENTES

A tragédia não é da violência, mas da política e dos políticos do Rio, que sucumbe ao crime e o governo limita-se a dizer que a causa são as UPPs e que elas resolverão o problema da violência na cidade, que tem mais de 600 favelas. A miopia dos governantes é tão grande que a sensação que fica é a de que nenhum deles assiste TV, lê jornais, revistas e tampouco ouve rádio. Não conseguem ver que estão perdendo a guerra para os traficantes e para a criminalidade.

Este é o retrato da prosperidade que o presidente Lula e o governador Sérgio Cabral dizem existir. Qualquer pessoa minimamente informada sabe que nesse cenário de favelas, desorganização e sujeira não existe possibilidade de fazer segurança publica. As UPPs significam a perpetuação das favelas e servem apenas para empurrar a criminalidade para as periferias da cidade, que já sofre com a falta de infraestrutura e segurança. Quer acabar com violência? Então dê endereço e dignidade mínima ao povo. Faça o que o prefeito de Nova York Frank Mouses fez naquela cidade 90 anos atrás, quando transformou as favelas daquela cidade em bairros decentes.

Com efeito, a tragédia não é da violência, mas da política, que está nas mãos de oportunistas incompetentes que estão preocupados apenas com o próprio umbigo e com o interesse de seus grupos. Todos estão se lixando para o povo miserável que vota neles em troca de migalhas. O tema virou catástrofe e os verdadeiros bandidos estão travestidos de mocinhos, ocupando palácios e o poder público, no Rio, em Brasília e em várias cidades brasileiras, que padecem da falta de governantes comprometidos e vocacionados para a boa política.

José Aparecido Ribeiro, especialista em Assuntos Urbanos jaribeirobh@gmail.com

Belo Horizonte

____________________________

REVISÃO DE APOSENTADORIAS

Já recebi propostas de diversas empresas para intercederem por mim junto ao INSS, no sentido da obtenção de reajuste do benefício e recebimento de atrasados. Muitas delas prometem coisas irreais, todas cobram uma taxa de 30% do valor do montante atrasado, mediante assinatura de um contrato em que elas só têm direitos, nenhuma obrigação. Ou seja, se sair alguma coisa, cobram a taxa, se não sair, elas não perdem nada, pois nada fizeram. Seria interessante que o INSS se pronunciasse, através de órgãos da mídia, orientando-nos sobre como proceder para saber se temos ou não direito a algo, informando o correto procedimento na solicitação e acompanhamento de um processo.

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

____________________________

TORCIDA CONTRA DO PT

Referindo-se ao jogo São Paulo x Fluminense, o presidente Lula declarou nunca ter visto alguém torcer contra o seu próprio time. Pois vou citar um caso parecido. Quando da criação do Plano Real, em 1994, plano que viria libertar o País do fantasma da inflação, Lula e seu partido foram contra, apostando que o sucesso duraria apenas até as eleições daquele ano. Oito anos depois, ao ser eleito presidente, ainda se queixou da ''herança maldita'', da qual veio a se beneficiar durante oito anos, atribuindo o sucesso a si próprio.

Paulo Braun paulobraun01@gmail.com

São Paulo

____________________________

TIMÃO, A VACA FOI PRO BREJO?

O presidente corintiano admitiu que a ''vaca já foi para o brejo'', sem culpar fatores externos, e sim a própria equipe, ao perder pontos preciosos e inacreditáveis em casa, como a derrota de 3 x 0 para o Goianense. Mas só reconhecer isso não resolve sem tomar atitudes para mudar, senão em 2011 a novela será repetida. É necessária uma ''limpa'' geral no plantel atual, lotado de boleiros caros e sem uso para um time que sonha ser campeão, como também há necessidade de trazer novos, mas de qualidade comprovada. Também é preciso chamar às falas o Dentinho, porque vive tomando cartões amarelos de graça e repetindo suspensões, como essa última que o manteve fora na Bahia, e fez muita falta. Também o mesmo para o ''nervosinho'' Bruno César, de comportamento igual. A solução para ter mais responsabilidade é multar a cada cartão tomado gratuitamente.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.