Cartas - 26/05/2010

ELEIÇÕES 2010

, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2010 | 00h00

Tática perigosa

Aécio Neves leva à exacerbação o caráter ególatra de sua personalidade, espicaçando o PSDB por não ter sido escolhido candidato à Presidência da República. Mostra, assim, que sua vontade pessoal está acima dos interesses do País, mesmo sabendo que sua participação seria vital neste momento. Por birra, prefere ser mais um no Senado a pôr seu nome a serviço de um projeto maior para o Brasil e para a própria biografia. Enquanto isso, os tucanos mantêm a cansativa rotina de cuidadosos rapapés, como se estivessem oferecendo ao neto de Tancredo não a honrosa vaga de vice na chapa, mas um mero prêmio de consolação. Aécio exagera na técnica do morde-e-assopra, uma hora dessas poderá perceber clara impaciência até mesmo no seio do seu cativo eleitorado mineiro. Aí...

DOCA RAMOS MELLO ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

_________________

Torcida

Que expressão terá Aécio no Senado? Nenhuma, será apenas um senador qualquer, mas a publicidade que terá como vice, sem dúvida, será maior. Tancredo Neves deve estar torcendo por isso. Aécio, caia na real!

HELCIO SILVEIRA helsilveira@globo.com

São Paulo

_________________

De bandeja

Acho que o PSDB está entregando de bandeja a eleição a Dilma. O PT já tem seu vice e está trabalhando fora da lei há vários meses. Parece evidente que os ministros do TSE estão favorecendo Lula com essas multinhas, cujos valores são uma merreca para quem tem bilhões para gastar nesta campanha eleitoral. Também acho que Aécio quer se candidatar a senador porque tem medo da derrota. Está faltando garra, coragem, para enfrentar Lula. Se a opção para vice de Serra for o senador francisco dornelles (minúsculo mesmo), melhor ir pescar do que votar.

HERMES BONIFÁCIO BORGES hermesbonifacio@hotmail.com

Piedade

_________________

Salamaleques

Acompanhando com atenção as notícias que chegam pela imprensa e os eloquentes elogios de parte a parte, chego a ficar em dúvida sobre quem é o real candidato: dona Dilma ou o sr. Lula?

GILVAN GUEDES PEREIRA gilguepe@uol.com.br

São Paulo

_________________

Pra frente, Brasil!

Será "a mãe do PAC" a madrinha da seleção? A conferir na escala da delegação durante o beija-mão no Planalto.

GUTO PACHECO daniguto@uol.com.br

São Paulo

_________________

CARGA TRIBUTÁRIA

Herança maldita

No início da era FHC a carga tributária já atingia 25% do PIB e, ao final, chegou a 33%. Com a inflação e as contas externas sob controle, se houvesse sobriedade nas despesas públicas, bem que essa "herança maldita" poderia, paulatinamente, voltar aos 25%. No entanto, o governo Lula primou em inchar a máquina pública, dar esmolas para ampliar a sua base eleitoral, deixar a corrupção impune, desleixar as obrigações básicas (saúde, educação, segurança, rodovias, saneamento básico, etc.), além de promover desastrado relacionamento internacional objetivando unicamente a sua promoção pessoal, sem falar nos constantes passeios a expensas da viúva, em autêntica campanha eleitoral. Qualquer que seja o seu sucessor, receberá de Lula uma carga tributária de 39% do PIB, uma dívida interna impagável e, dadas as despesas fixas, terá remotas condições de investimento.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES hs-soares@uol.com.br

Vila Velha

_________________

Impostos + impostos

Enquanto a nova marolinha não chega ao Brasil, nossas autoridades só sabem manipular a taxa de juros. Enxugar a máquina administrativa, nem pensar. Acorda, Brasil, 148 dias trabalhados por ano só para pagar impostos!

ANGELO ANTONIO MAGLIO Angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

_________________

CPMF

Os contribuintes brasileiros trabalham cerca de 150 dias por ano só para pagar impostos ao governo e a contraprestação é quase zero. Por sua vez, a candidata Dilma declarou que desde o fim da CPMF o governo federal perdeu mais de R$ 37 bilhões anuais em arrecadação e, caso ganhe as eleições, será obrigada a criar outro imposto ou aumentar os que já estão aí. Então, pronto, quem vai dançar o tal Rebolation, mais uma vez, será o contribuinte, enquanto a classe política, com as exceções de sempre, ficará "só no sapatinho"...

LUIZ HENRIQUE PESTANA cpestanadv@aasp.org.br

São Paulo

_________________

POLÍTICA EXTERNA

Marcos Azambuja

Com uma análise lúcida e de bom senso do que envolve o acordo Brasil-Irã-Turquia, Marcos Azambuja mostra que as insinuações e desconfianças permeiam realmente as relações políticas e traz nova luz ao entrevero (Uma moldura pesada demais, 22/5, J4). Bravo, embaixador, a esperança é continuar a trilhar o "caminho da sanidade crescente".

NORAH M. CASTRO norahamc@uol.com.br

Belo Horizonte

_________________

URBANISMO

Congonhas

O governo alemão fechou, em 2008, em Berlim, o aeroporto "urbano" de Tempelhof. Dava três Congonhas, o maior prédio contínuo da Europa. No próximo ano fecha outro aeroporto "urbano", o Tegel (pistas de 3.023 e 2.428 m), também maior do que Congonhas. Em 2012 inaugura o novo aeroporto BBI, longe da cidade. Berlim é vanguarda no urbanismo. O governo busca qualidade de vida para os seus 3 milhões de habitantes: 16 m2 de área verde por pessoa (São Paulo tem 6), centenas de parques, praças e áreas públicas (sol, ar puro, silêncio), prioridade ao transporte coletivo e por bicicleta, 400 empresas, 80 institutos e 4 repartições cuidando do ambiente. Nós temos tempo para ampliar Cumbica e Viracopos para a Copa, mas, por incapacidade, parece, preferimos remendar e fazer gambiarras no acanhado, supersaturado, superpoluidor, central e superinseguro Aeroporto de Congonhas. E os habitantes que se danem.

WALTER G. MAFFRA walmaffra@uol.com.br

São Paulo

_________________

"Será que Serra e o PSDB vão conseguir a façanha de perder a eleição para Dilma? Estão se esforçando"

ULYSSES F. NUNES JUNIOR / SÃO PAULO, SOBRE ELEIÇÃO

ulyssesfn@terra.com.br

"De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver crescer as nulidades, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus... Rui Barbosa, além de sábio, era vidente"

ELAINE NAVARRO / SÃO PAULO, SOBRE FICHA LIMPA

elainenavarro.pa@hotmail.com

"Quem deve teme. Candidato que quer adiar a Ficha Limpa é porque deve"

ANDRÉ FAVORETTI / SÃO CARLOS, IDEM

andre@artpoint.com.br

_________________

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 2.250

TEMA DO DIA

Coreia do Norte rompe com Coreia do Sul

Anúncio é represália à acusação de que os norte-coreanos teriam afundado navio do país vizinho

"No momento, é difícil haver um confronto na península coreana, pois os prejuízos seriam enormes para ambos os lados."

JEFFERSON DIOGO

"Elas podem fazer um acordo e promoverem a unificação, ou podem guerrear e o país perdedor ser ocupado."

SILVIO ITAMAR DE SOUZA

"Parte da culpa é dos intermediários que querem assegurar posições estratégicas no tabuleiro da venda de armamentos."

CESAR SANTOS

Cartas enviadas ao Fórum dos Leitores, selecionadas para o Estadão.com.br

FINALMENTE CAIU A FICHA

Ontem, ao ver na TV as filas de carros esperando para botar gasolina sem imposto, minha ficha caiu: somos todos palhaços manipulados por este e todos os governos anteriores, que se esbaldam e se esbaldaram com o dinheiro dos nossos impostos.

Chega de pagar os maiores impostos do mundo!

Cecilia Miklos Dale ceciliamdale@hotmail.com

São Paulo

__________________

CARGA IMPOSTORA

Postos de combustíveis, em sinal de protesto, fazem promoções com desconto dos impostos, que chegam a 53%, vendendo-os por menos de metade do preço habitual. É a carga impostora - o Fisco arrecada muito, mas torra tudo na emperrada máquina pública e em desvios e investe pouquíssimo, menos de 2% do que arrecada. Nem a cesta básica escapa. Por que as empresas não mostram nas embalagens, se possível indicando x% de impostos federais, y% de estaduais e z% de municipais? Que tal se essa informação figurasse na composição dos comprovantes dos supermercados, farmácias, etc.?

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

__________________

DIA SEM IMPOSTOS

Para comemorar o Dia sem Impostos, também um posto de Porto Alegre vendeu gasolina a R$ 1,25 por litro, para mostrar um exemplo do peso dos impostos para todas as classes sociais. A carga tributária no Brasil é absurda e desumana e se transformou numa das maiores do mundo. Neste ano eleitoral, os políticos deveriam apresentar planos de ação para uma redução drástica de impostos, que certamente iria beneficiar o povo e permitir maior desenvolvimento da nossa economia.

Cláudio Froes Peña cpena@plugin.com.br

Porto Alegre

__________________

CAMPANHA ELEITORAL

O ponto fraco da administração Lula, que vem sendo pouco explorado pela oposição, é a escandalosa e alarmante carga tributária, beirando os 40% do PIB. Mas como os eleitores, em geral, não estão nem aí para esse tipo de informação técnica, são necessárias outras, mais pontuais, sobre impostos embutidos nos preços de mercadorias e serviços, quantificando assim o sistemático assalto aos bolsos dos consumidores no dia a dia. Por isso é que campanhas de vendas diretas ao consumidor, por exemplo, de combustíveis, a preço sem a incidência de impostos, atraem tanta atenção. O que dói no bolso incomoda até simpatizantes do PT.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

__________________

NOSSO BRASIL

''As dívidas públicas devem ser reduzidas, a arrogância das autoridades deve ser moderada e controlada.''

''As pessoas devem novamente aprender a trabalhar, em vez de viver por conta

pública.''

Marcus Cícero - Roma, 55 a. C.

As afirmações ainda valem depois de 2.065 anos....

Victor Vargas vargas.sv@gmail.com

São Paulo

__________________

IMPOSTOS

Que Serra e Marina critiquem a absurda carga de impostos no Brasil é mais do que natural, mas Dilma também criticar, e prometer que fará uma reforma tributária, só pode ser conversa de candidata para enganar eleitor.

Não foi ela que declarou que tudo o que aconteceu nesses oito anos de governo Lula teve a mão dela? Quem vai acreditar que ela irá fazer essa reforma, se nada foi feito nesse sentido nesses anos em que ela disse que fez e aconteceu?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

__________________

FALÁCIAS DA DILMA

Dilma Rousseff, sem se ruborizar, prometeu no evento da CNI, em Brasília, que em vencendo a eleição assume o compromisso (só não jurou pra Deus) de fazer a reforma tributária.

Se, como sempre diz, em tudo do governo Lula tem sua mão (o mensalão também?), então por que com os 80% de aprovação do Lula, e com maioria esmagadora no Congresso, a candidata não teve condições em oito anos de tocar a tal reforma?!

Esta é mais uma retórica petista, não para boi dormir, mas de chamar o povo de idiota!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

__________________

PARECE, MAS NÃO É!

Parece brincadeira, mas não é, é coisa séria: o Ministério da Agricultura multará a partir de fevereiro de 2011 quem continuar a vender café com alto teor de impurezas, como palha e milho.

Florisvaldo Cardozo Bomfim floriscbomfim@bol.com.br

Igarapava

__________________

ACIONISTA MINORITÁRIO

A Petrobrás, uma das maiores empresas do mundo, totalmente largada na mão de profissionais incompetentes, cujas ações não demora muito nada mais valerão no mercado. Precisamos de atitudes rápidas e eficazes, e não ficar esperando o Congresso decidir o que fazer.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

__________________

VETO AO AUMENTO DOS APOSENTADOS

Os ministros estão pedindo que Lula vete a ''bondade'' de 7,72% concedida

pelo Congresso Nacional aos aposentados que ganham acima de um

salário mínimo. É compreensivel a preocupação dos distintos senhores com

a queda do superávit no caixa do governo. Vai faltar dinheiro para

sustentar a farra de comissões e notas fiscais superfaturadas, que

ocorre em todas as despesas do Estado. Conforme dizia o falecido ACM,

''40% da receita federal é destinada à corrupção''. É lógico que o Lula

vai vetar, e ainda vai dizer que não aprova leis com fundo eleitoral. É

de encher a paciência do cidadão.

Wilson Gordon Parker wgparker@oi.com.br

Nova Friburgo (RJ)

__________________

TEREMOS DE DEVOLVER?!

O ministro do Planejamento declarou que recomendou ao presidente Lula vetar o aumento de 7,72% aos aposentados que ganham mais de um salário mínimo, sob o argumento que isso vai quebrar a Previdência. Disse mais, que ao vetar o projeto do Congresso o Lula vai garantir aos aposentados o valor da inflação, ou seja 3,5%. Isso significa que ainda teremos de devolver o que recebemos a mais desde janeiro! Depois dessa notícia, não custa nada perguntar ao sr. Bernardo: para aumentar em até 516% os servidores públicos tem dinheiro? E o que eles não querem dar para os aposentados é para sobrar para atender aos desejos do Fidel, do Evo e do Lugo?

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

__________________

O VETO OU O VOTO?

Os ministros da Fazenda e do Planejamento pedem que o ''cara'' VETE o aumento dos aposentados e o fim do fator previdenciário, para não comprometer ainda mais as contas futuras da Previdência Social. Será que esqueceram que o atual (des)governo, em quase oito anos, só fez política, durante todo esse tempo, beneficiando e favorecendo apenas os que estão no ''esquema''? Por que os aposentados é que devem pagar essa conta? O aumento de 7,72% é muito pouco do que foi usurpado dos aposentados durante tantos anos. O que vai preferir, o VETO ou o VOTO?

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

__________________

TUDO UM CIRCO

A mais nova manobra do governo é a seguinte: os ministros da área econômica "recomendam" ao presidente o veto ao reajuste de 7,72% nas aposentadorias com valor acima de 1 SM, e já dão como certo igual veto ao fator previdenciário, preparando o espírito do eleitorado. Para o governo, a diferença entre 6,14% e 7,72%, embora implique um gasto extra, não é o que conta. Assusta, sim, é o fim do fator previdenciário, criado por FHC e criticado, à época, pelo PT. Lulla tem a oportunidade de ouro de manter sua "coerência" da época em que criticava FHC e sancionar o fim do fator previdenciário. Mas não irá fazê-lo. Se este não for vetado, vai representar um rombo ainda maior nos cofres da Previdência, valor muitas vezes superior ao do mero reajuste das aposentadorias, e Lulla, agora com a responsabilidade do cargo, sabe muito bem disso. Posso queimar minha língua (ou meus dedos: estou digitando), mas digo que o teatrinho já está montado: os ministros são instruídos a pedir o veto a tudo e Lulla - o magnânimo - veta "apenas" o fim do fator previdenciário. Lulla posa (novamente) de bonzinho - um presidente com "consciência social" - e, no fundo, dá uma canetada "neoliberal" mantendo o outrora criticado fator previdenciário. Ninguém do povão vai perceber a manobra e Lulla sairá, como sempre, bonito na foto. Quem viver verá.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

__________________

GROTESCO

Após pagarmos durante a maior parte de nossa vida altos tributos, além do porcentual imposto pelo INSS para termos direito a uma velhice ao menos suave, nós, os aposentados, dependemos dessa miséria de aposentadoria que mal dá para sobreviver. E a cada ano ''Lula e seu Esquadrão'' vêm achatando os reajustes de uma maneira tão grotesca que em pouco tempo não teremos mais como pagar o essencial: luz, água, telefone, alimentação e um plano de saúde básico, quando é possível. Porque, a depender do atendimento do SUS, com certeza morreremos antes, pelo péssimo serviço que presta à população. Agora pergunto: como pode um ministro se antecipar e cantar o veto do Lula ao aumento, sem este ter sequer se manifestado? Afinal, quem é o dirigente?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

__________________

FATOR PREVIDENCIÁRIO

A Lei 9.876/99, que criou o fator previdenciário, é absurda. A lei passa por cima da Constituição e do direito de igualdade de todos os brasileiros. O fator não obedece ao princípio da reciprocidade das contribuições, ou seja, a relação entre o que se paga e o que se recebe; ofende o princípio da irredutibilidade das contribuições; descumpre totalmente o artigo 201, § 1.º, da Constituição Federal, além de não prever a idade como critério a ser levado em conta. Como dois brasileiros de idades diferentes que recolhem o mesmo valor para o INSS (35 anos) passam a receber aposentadorias diferenciadas?! Enfim, uma lei infraconstitucional que cria critérios diferenciados para os aposentados nas mesmas condições. Presidente Lula, seja coerente com a sua história. Seja sensato e mande para o Congresso uma MP com idade mínima para início das aposentadorias. Fim ao fator previdenciário! Respeito a nossa Constituição! Vida digna para os nossos velhinhos.

Joaquim Gonçalves de Farias Neto, escritor, economista, aviador e aposentado do INSS jfneto@uva.br

Rio de Janeiro

__________________

MIGALHAS

Sr. Lulla, por que não nos igualar a todos, conforme diz a Constituição, em termos de aposentadoria?

Políticos têm aposentadorias por pouco tempo de ''serviço'', e de valores altos; servidores públicos se aposentam com salário integral; muitos acumulam aposentadorias; membros do governo, quando cometem ilícitos, ao invés de punidos, são aposentados; o senhor, por exemplo, tem aposentadoria de ''perseguido''.

E sempre, nós, trabalhadores da iniciativa privada, é que pagamos todas essas despesas, através dos impostos que nos são descontados. E quando nos aposentamos, ficamos só com as migalhas. Isso é profundamente injusto, somos menos iguais do que outros.

Alvaro Salvi alvarosalvi@yahoo.com

Santo André

__________________

OS JÁ FAMOSOS 7,7%

O presidente Lula deve refletir bem antes de vetar o reajuste de 7,7% para os aposentados. O Movimento Branco dos Aposentados está-se avolumando, amparado por filhos e netos, que são eleitores ativos. Não somos um grupo tão desprezível quanto gostariam que fôssemos, trocamos por e-mail ''fichas'' e informações valiosas.

Talita A. M. Ribeiro escrevapratalita@terra.com.br

São Paulo

__________________

QUE FORTUNA!

Segundo os ministros da Fazenda e Planejamento, o Brasil não consegue dar um aumento decente aos aposentados. Vejam bem: quem ganha R$1.000 teve R$ 61,40 de aumento. A esperança, se não houver veto do presidente, é que esse aumento chegue a R$ 77,20. Que fortuna! Além disso, já se dá como definitivo que o fator previdenciário vai continuar coibindo as aposentadorias daqueles que já contribuíram pelo tempo previsto na lei (Isso se não perderem o emprego aos 50 anos e, desempregados, tiverem de aceitar o que vier). Dá mesmo para acreditar que o País vai bem? Vai bem para quem?

Sueli Caramello Uliano scaramellu@terra.com.br

São Paulo

__________________

RELATÓRIO UBIRATAN AGUIAR

Os ministros Mantega, Paulo Bernardo e Carlos Gabas sugeriram ao presidente vetar o reajuste de 7,7% para os 3 milhões de aposentados e pensionistas que ganham mais de um salário mínimo.Isso acarretaria uma despesa adicional de R$ 1,350 bilhão ao ano sobre o desembolso previsto se o realinhamento fosse de 6,14%.

Quando falam em déficit do INSS, deveriam ler o levantamento publicado em 2009 pelo Tribunal de Contas da União, com base em relatório do ministro Ubiratam Aguiar, apontando que as dívidas de empresas e governos estaduais e municipais para com a Previdência atingiram R$ 142,3 bilhões. Por que o INSS se omite e surpreendentemente não cobra essas dívidas?

Francisco Pedro do Coutto pedrocoutto7@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

__________________

APOSENTADOS FICARÃO A VER NAVIOS

Ministros recomendam veto a reajuste de 7,7 % para os aposentados. Lamento que não haja ministros que controlem os gastos com campanhas políticas, que, aliás, são justamente o que consome grande parte do dinheiro da União.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Praia Grande

__________________

E QUANTO GANHAM OS MINISTROS?

Os nefastos ministros Guido Mantega (Fazenda) e Paulo Bernardes (Planejamento) pedem ao presidente Lula, o maior esbanjador do erário, que vete o reajuste de 7,7% para os aposentados. Esse complemento no reajuste não representa nem R$ 100 no bolso de cada aposentado, o qual trabalhou durante anos para sustentar hoje a quadrilha que tomou de assalto a Nação, em nome da democracia. Seria de bom alvitre que o Estadão publicasse em reportagens a quantia ganha por cada ministro entre salários e benefícios. Garanto que recebem no mês o que os aposentados não ganham em dez anos.

Roberto Stavale bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

__________________

PASSARAM DOS LIMITES

Os aposentados gostariam de saber se os ministros Guido Mantega, Paulo Bernardo e os lideres do governo, senador Romero Jucá e deputado Cândido Vaccarezza, depois de toda a covardia que estão tramando contra nós, aposentados, quando chegam em casa à noite e encontram seus filhos, netos e esposa dormindo, têm a coragem de abrir a porta de seus dormitórios e olhar no rosto de cada um deles. Para nós, aposentados, esses senhores já passaram dos limites. Não estamos aguentando mais essa guerra de nervos.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

__________________

VOZ FRACA

Uma pessoa que durante toda a sua vida funcional contribuiu pelo teto máximo da Previdência, depois de dez anos de aposentadoria, vê seus rendimentos diminuidos em quase 15%. Assiste ao dinheiro público sendo gasto até para socorrer países necessitados e, agora, lê a fala do ministro da Fazenda dizendo que um reajuste de 7,72% afetaria as finanças públicas. Pobre aposentado, que nem sequer consegue pleitear um aumento digno porque parece ter uma voz tão fraca que ninguém consegue ouvir.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

__________________

PONTOS PARA A DILMA

Maravilhosa a manchete do Estadão: "Ministros pedem que Lula vete reajuste de 7,7% a aposentados".

Deverá render mais 7,7% para a Dilma na próxima pesquisa, porque depois virá o "cara" e, bondosamente, dirá que o governo fará um sacrifício e manterá o reajuste "proposto" pelo Congresso. Está bem sem moral essa Casa, pois até o rei da lambança diz, descaradamente: "...não pode ser tudo isso que o Congresso está PROPONDO". Propuseram (?) ou aprovaram? Vai, com certeza, estourar as contas do governo. E os sindicatos como ficam?

Manoel Mendes de Brito voni.brito@itelefonica.com.br

Bertioga

__________________

TEATRINHO

Pura manipulação da opinião pública! O governo Lula apenas valoriza o peixinho dos 7,7% de aumento, fazendo-o parecer um peixão. Lula não vai vetar coisa nenhuma! Surgirá então como o grande justiceiro e salvador dos aposentados, aquele que contrariou toda a sua equipe para não prejudicá-los. A estratégia é velha conhecida. É factóide. É teatro da pior qualidade.

M. Cristina da Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

__________________

CANALHICE

Sempre reagi a essa história de dizer que "todos os políticos são iguais". Mas percebo que são os próprios políticos que alimentam isso a cada dia. Vejam a questão do fator previdenciário: os petistas acusam os hoje oposicionistas de "contradição", pois estes apoiavam o governo FHC, quando essa fórmula assassina foi aprovada, e agora votam pela sua extinção. No entanto, o PT foi contra o fator previdenciário e hoje quer mantê-lo, ainda que seja uma excrescência. Ou seja: todos os políticos são a mesma porcaria, segundo eles próprios, porque agem de uma forma quando são oposição e depois mudam o voto quando são governo. Por essa razão, todo brasileiro consciente deve votar nulo, enquanto essa canalhice continuar.

Gerson Menezes gmenezes@textoevideo.com.br

Brasília

__________________

LULA

O presidente não jurou respeitar a Constituição?

Ele está fazendo o que com seu juramento?

Ele pode tudo?

E se fizermos igual?

Que exemplo ele está dando?

Alberto Soares da Costa asc.medico@uol.com.br

São Caetano do Sul

__________________

TÁ DIFÍCIL...

O Lula tem rompeios de "Buda". mas está ficando mais complicado que "bula"....

Raul Maselli ara2@terra.com.br

São Paulo

__________________

PINGO NOS IS

Lula nasceu no Nordeste, mas sua carreira despontou, desenvolveu-se e definiu-se em São Paulo. É, portanto, um político paulista. Creio que não cultiva vínculo sentimental com sua terra natal, pois nunca o ouvi a glorificá-la em verso e prosa; apenas nasceu lá, foi um acontecimento fortuito.

Também não foi propriamente um retirante, alguém que, alcançada a idade de avaliar as possibilidades de sobreviver em sua terra, tenha concluído não lhe restar alternativa senão migrar. Mas não migrou de moto próprio, foi trazido. Percebem a diferença? É impostura caracterizá-lo como retirante coitadinho, o estereótipo do famélico de cabeça grande e barriga cheia de vermes. As intenções que inspiram esta pieguice estão, na verdade, repletas de preconceito e de má-fé cínica contra os nordestinos. Sua infância foi pobre? Não foi a única. Juscelino Kubitschek perdeu o pai aos 3 anos de idade e foi criado por sua mãe, modesta professora primária em Diamantina. Imaginem-se as dificuldades que a pobre senhora enfrentou naquela época, em 1905. Mas Juscelino não assumiu o papel de coitadinho, de vítima das elites. Formou-se médico, foi oficial da Polícia Militar, prefeito de Belo Horizonte e governador de Minas Gerais. Por favor, srs. adesistas despudorados e cortesãos de Lula: poupem-me de ouvir e de ler tolices!

Jaime Manuel da Costa Ferreira jaimemcferreira@hotmail.com

São Paulo

__________________

DILMA E O MST

Respondendo ao leitor Gilberto Lima Junqueira (25/5): Stédile ou Rainha, caso Dilma seja eleita, ganharão não um, mas dois Ministérios: o da Agricultura e o do Desenvolvimento Agrário. Principal meta: liquidar de vez com a agricultura ''imperialista''.

Luigi Vercesi luver44@terra.com.br

Botucatu

__________________

TRATAMENTO VIP

Finalmente uma voz do Congresso se levanta para dizer umas verdades a respeito do MST, o braço rural do PT, como disse a senadora Kátia Abreu (DEM-TO). Por que os petistas iriam se opor ao grupo de baderneiros? E como justificar as doações do governo? Conforme questionou a senadora (24/5, A2), esse grupelho não tem identidade própria, o que facilita todo tipo de invasão e coloca sob os olhos da sociedade o culpado pelos malefícios do campo: o produtor rural. Não se sabe de nenhum integrante do MST que tenha ganho uma propriedade e a tenha tornado produtiva. Esse pessoal só se interessa em destruir o que encontra pela frente, sem se preocupar com as consequências, visto que o governo lhes dá o perdão. Para piorar, os destruidores da propriedade alheia, quando precisam comer, sabem que seu alimento vem do campo, dos braços dos trabalhadores que enfrentam sol a sol para plantá-los e colhê-los. Assim, os baderneiros continuam a burlar as leis, têm tratamento VIP e nada lhes acontece. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@yahoo.com.br

São Paulo

__________________

TRISTE REALIDADE A NOSSA

Quando nos damos conta de que os sindicalistas vivem às farras com dinheiro alheio, graças a benesses deste governo, que as estradas federais que escoam nossas riquezas estão intransitáveis, que a maioria das obras do PAC ficou só na inauguração, que a violência aumentou e o tráfico de drogas e armas tem livre acesso no País, que o crack está chegando às pequenas cidades, que a saúde não alcança as populações de baixa renda, entre outras tantas carências, principalmente na educação de base, que nossa política externa está à mercê de um grupo de ideólogos de esquerda, que o MST continua um movimento irregular de incentivo à luta no campo, que a autoridade máxima do nosso regime presidencialista dá as costas pras leis, que o dinheiro arrecadado continua sendo malversado, chegamos à conclusão de que a ameaça de continuidade de 8 anos de um governo lasso nos preocupa, principalmente depois que a pretensa candidata do Lula às próximas eleições presidenciais declara que participou de todos os ''projetos'' deste governo. O jeito é esperar que os pouco informados da população acordem para o engodo que esses falsos patriotas estão querendo implantar com mais um período de progresso às avessas. Será que continuaremos como um país de tolos?

Leila E. Leitão

São Paulo

__________________

COREIA X COREIA

Eis aí mais um assunto para o nosso Super-Lula: estabelecer um acordo de paz entre as duas Coreias.

Mas, atenção: sem espalhar nossos bilhões de reais, eis que o ministro Mantega já está a perder-se nas contas...

Silvestre Paiano Sobrinho spaiano@uol.com.br

Belo Horizonte

__________________

VAI SE METER LÁ TAMBÉM?

Coreia do Norte rompe relações com a Coreia do Sul e ameaça ação militar caso a Coreia do Sul viole suas águas territoriais.

Será que Lulla, Amorim e Garcia irão (epa!) se meter nesse enrosco e expor

nossa diplomacia a mais um vexame?

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

__________________

PRESTES II?

Luís Carlos Prestes disse que numa guerra entre Brasil e URSS apoiaria os soviéticos. No caso de nova guerra entre as Coreias, Lulla mandará tropas para a do Norte, mesmo sem o Chávez exigir?

Moacyr Castro jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

__________________

LULLA DEPOIS DA BOMBA

Respondendo às perguntas formuladas pela leitora sra. Renata Velludo Junqueira (Fórum, 24/5), a respeito do que estará fazendo Lulla quando a primeira bomba do Irã for detonada, podemos dizer que, assim como no "mensalão", Lulla estará tomando Activia com Johnnie Walker, provavelmente dirá que a bomba do Irã foi construída depois do seu governo, porá a culpa nos traidores do seu governo, evidentemente sem citar nomes, e o pior de tudo: 82% do povo brasileiro acreditará nele.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

__________________

ISRAEL - TNP

Israel assinará o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) no mesmo dia em que seus inimigos firmarem o Tratado de Não-Destruição do Estado judeu (25/5,A14). Simples assim.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

__________________

AGORA A CULPA É DO OBAMA

Num verdadeiro exercício de interpretação de texto, a Chancelaria brasileira concluiu que a carta de Obama para Lula foi uma autorização para este negociar com o Irã. Mas, na carta, Obama apenas considerou razoável a proposta da Turquia (onde o Brasil se meteu sem ser chamado) e disse acreditar numa porta para uma negociação na questão nuclear do Irã. A carta do presidente dos Estados Unidos ao colega brasileiro foi apenas uma mera formalidade diplomática, e não um aval para Lula apoiar o Irá. Lula fez um acordo com Ahmadinejad sabendo das sanções contra o programa nuclear do Irã, impostas pelos Estados Unidos e apoiadas por França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha. Não cabe, agora, culpar ninguém pela sua intromissão. Mas a preocupação de Lula não é tanto pelo remorso diante da besteira que fez ao se intrometer num assunto totalmente alheio aos interesses do Brasil. Sua preocupação, agora, é pelo temor do que possa acontecer com o seu castelo de fantasias que ele ergueu bem no meio dessa tempestade. Por isso, Lula corre desesperado atrás de um culpado. Entretanto, a culpa é de Lula, que agiu como chefe, e não como líder. A culpa é de um governante que só sabe dizer ''eu vou'', e nunca ''nós vamos''.

Francisco Ribeiro Mendes mendes.brasilia@gmail.com

Brasília

__________________

IPEA NA VENEZUELA

O governo Lula não se cansa de cometer asneiras e abusos, sobretudo em matéria de expansão das dimensões já hipertrofiadas do Estado brasileiro, como foi, por exemplo, a multiplicação de Ministérios e secretarias inteiramente inúteis para alojar os "cumpanhero" na tomada do poder. Exemplo maior foi a criação do esdrúxulo Ministério das Ações de Longo Prazo (ou que nome tenha, pouco importa, não serve para nada, a não ser para praticar masturbação intelectual) para acomodar por um breve período o "convertido" Mangabeira Unger e à testa do qual se encontra agora outro ativo massageador de idéias, que é o ex-secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães. Mas até nisso o governo consegue superar-se com esse plano de "internacionalização" do IPEA.

O desvirtuamento do Instituto, criado por Roberto Campos durante o regime militar como uma entidade apartidária e independente voltada para estudos, pesquisas e análises econômicas, começou com a nomeação de Márcio Pochman para seu presidente, que logo tratou de desmontar a excelente equipe técnica de economistas que já haviam enriquecido a literatura econômica do País com estudos de fôlego e de grande interesse nacional, e substituí-la por outra afinada com sua linha de pensamento, de viés claramente estatizante, para não dizer esquerdizante, o que se revela tanto na escolha dos temas de pesquisa quanto na orientação ideológica delas. Essa mudança na linha de atuação do IPEA já significou um prejuízo, mas pelo menos estava confinada ao Brasil.

Porém tomamos conhecimento agora de que sua atuação vai transbordar das fronteiras nacionais, com a abertura de escritório do órgão em Caracas e estando em curso negociações com Angola para o mesmo fim! A justificativa apresentada é absolutamente pífia e típica de acadêmicos com formação estritamente teórica, como o atual presidente do IPEA: "Capacitação de técnicos para atuar na formulação e avaliação de políticas públicas (!!!)". O que significa isso além de uma logomaquia sem sentido e enganadora? O que que técnicos brasileiros entendem da situação e das peculiaridades socioeconômicas da Venezuela e de Angola, para poderem formular e avaliar as políticas públicas mais adequadas para ambas as nações? Quem vai arcar com o custo dos técnicos brasileiros deslocados para trabalhar no exterior? Os países hospedeiros vão pagar pelo serviço prestado pelo IPEA?

A Embrapa, citada por Márcio Pochmann como exemplo do movimento de internacionalização da atuação de órgãos governamentais ou paragovernamentais brasileiros, não se aplica. Porque a Embrapa é uma empresa que tem um escopo eminentemente técnico-científico e que gera um produto passível de ser mensurado no seu custo e no benefício gerado e, por isso, de ser vendido. Nada semelhante tem o IPEA a oferecer e sua internacionalização constitui nada, mais nada menos do que um desvirtuamento das suas finalidades, explicável somente pelo desejo irrefreável e temerário deste governo de dar uma projeção internacional ao Brasil para a qual ele não está preparado nem tem os meios econômicos, políticos e militares necessários.

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br

São Paulo

__________________

COPA DO MUNDO

O conforto espiritual dos jogadores da seleção será garantido por um pastor evangélico.Ovelhas não faltarão, pois são sete entre os 23 convocados.

Poderiam ser mais ecumênicos, com a permissão para um rabino, um pai-de-santo...

Padre, não, pois a equipe tem muitos garotos.

Gilberto Martins Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.