Cartas

CAMPANHA ELEITORAL

, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2010 | 00h00

Já começou?

Devo estar totalmente desligado deste mundo, porque acreditava que a campanha só começaria após o lançamento oficial dos candidatos aos cargos eletivos, sendo a Presidência da República o mais importante. E mais: campanha na TV, só em agosto. Pois na noite de quinta-feira assisti ao primeiro programa do horário gratuito. Ou só eu consegui ver no horário reservado aos partidos políticos uma propaganda descarada, para não dizer outra coisa, da candidata Dilma? Depois, é só pagar uma multinha, porque a propaganda já foi feita, não é mesmo? É este o Brasil que dona Dilma pretende construir? Um Brasil onde vale procurar brechas na legislação, buscar vantagens e, principalmente, usar e abusar do poder e do status para fazer o que bem entender?

YUKIO MORITA

ymorita@uol.com.br

Vinhedo

Reincidência

O que foi aquilo a que assistimos na quinta-feira? Programa do PT ou deslavada propaganda da candidata Dilma? A campanha já começou? Como é que não fomos avisados? E o TSE, foi desarticulado, está em greve ou dominado mesmo? Não posso crer que num país-continente como o nosso não haja leis para esses transgressores. E, não por acaso, a incidência maior é sempre do mesmo partido! Aguardemos.

LÍGIA BITTENCOURT

ligialbc@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Venda e cotonete

Não é possível continuar assistindo na televisão à propaganda do sr. Lula e da dona Dilma. Será que o TSE continua com venda nos olhos e cotonete nos ouvidos? Está dando nojo. Que falta de imaginação de um presidente que faz pouco-caso dos ministros. Quem ele pensa que é?

MARIA JOSÉ DA FONSECA

fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

Só rindo...

Só pode ser piada, vai parar no Salão de Humor. No horário gratuito a cara de pau é muito grande e o desrespeito às leis é maior ainda, só não percebem os conveniados com a "quadrilha" do poder, analfabetos de visão tolhida e oportunistas de favores públicos.

LUIZ ANTONIO LOPES FAGUNDES, presidente do 37º Salão de Humor de Piracicaba

luiz.fagundes@hotmail.com

Piracicaba

TUMA JÚNIOR

E a raposa leva a fama

Francamente, botaram a raposa tomando conta do galinheiro. Só mesmo no Brasil.

CELIA H. G. RODRIGUES

celitar@hotmail.com

Avaré

O Brasil não é a China...

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, tomou algumas medidas econômicas para se resguardar dos reflexos que a crise europeia possa causar ao Brasil e para evitar o recrudescimento da inflação. Contingenciou R$ 10 bilhões do Orçamento, deixando no ar que o Brasil não é a China. Tem certeza? Pergunte ao Romeu Tuma Júnior...

PANAYOTIS POULIS

ppoulis@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

Desvio de foco

Interessante ler sobre a descoberta de mais um poço de petróleo, que, segundo a ANP, pode conter mais de 4,5 bilhões de barris. Observem que sempre que há crise no (des)governo Lula - desta vez é Romeu Tuma Júnior - descobrem um poço de petróleo. Será que é para desviar o foco?

LAIR B. DE CASTRO BIAGINI

lairbiagini@terra.com.br

São Paulo

Ato falho

O caso Tuma Júnior deve estar preocupando bastante o nosso presidente. Lula, num ato falho, chamou o Dunga, técnico da seleção brasileira de futebol, de Tuma, na solenidade de lançamento da Autoridade Pública Olímpica e da estatal Brasil-2016. Ou é medo de perder o apoio do PTB paulista, do senador Romeu Tuma, ou pavor de ver o Tuminha despejar excrescências no ventilador, iniciando mais uma crise em seu governo.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

SELEÇÃO E CERVEJA

Propaganda enganosa

Excelente o artigo do sr. Aloísio de Toledo César (13/5, A2) sobre a propaganda enganosa da seleção brasileira de futebol para determinada empresa fabricante de cerveja no País, induzindo, principalmente, a juventude brasileira a bebê-la. Deveria haver uma legislação proibindo a propaganda de bebidas de qualquer teor alcoólico, assim como foi feito com os cigarros. Bebida alcoólica também mata e é uma das grandes causas de desespero das famílias brasileiras. Quem tem um alcoólico em casa sabe do que estou falando. Acorda, Brasil!

CELSO NASCIMENTO

celso@directasa.com.br

São Paulo

Cigarro e álcool

Finalmente alguém do quilate do velho ATC trouxe à baila um tema que eu mesmo, como leitor, já havia levantado. Cigarro, não. Mas bebida, sim?! Qual o charme do álcool? Pois até de manhã, no rádio, ouço a publicidade de um traguinho à base da "santa" alcachofra! Mas cigarro, não! A seleção vende cerveja, mas cigarro, não! Acho que deveria ser proibida qualquer veiculação publicitária de bebidas alcoólicas, tal como ocorre com o cigarro. Afinal, a imprensa noticia, diariamente, mortes acidentais, incidentais e intencionais porque o agente tomou "umas cervejinhas a mais". Mas não há notícias de mortes que tais porque o agente fumou "uns cigarrinhos a mais"... Não ao cigarro e não à bebida alcoólica! A nossa mocidade agradece.

BENEDITO DANTAS CHIARADIA

bdantas@uol.com.br

São Paulo

Abaixo-assinado

O excelente artigo do desembargador expressa a indignação da maioria da população brasileira pela usurpação dos símbolos nacionais pela indústria da cerveja. Há cerca de um ano foi entregue um abaixo-assinado ao presidente da Câmara dos Deputados, com 500 mil assinaturas, pedindo o fim da propaganda de cerveja na televisão. Infelizmente, o assunto foi esquecido pelo Congresso e pelo governo.

RONALDO LARANJEIRA, professor titular de psiquiatria da Unifesp

laranjeira@uniad.org.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.