Claro e escuro nas projeções

Há sinais de melhora – ainda tênues, mas importantes para o governo – nas expectativas do mercado financeiro em relação à alta de preços. Para o consumidor ainda haverá muita notícia ruim nos supermercados, nas lojas e nas contas de luz e de outros serviços básicos, nos próximos dois anos, mas o horizonte poderá ficar menos sombrio, pouco a pouco, segundo as bolas de cristal dos especialistas. A inflação só encostará na meta de 4,5% em 2017, um ano depois do prazo prometido pelo Banco Central (BC), de acordo com o mercado. Ainda assim, as projeções coletadas na última sexta-feira, na pesquisa Focus, a consulta semanal do BC a cerca de cem instituições, indicaram uma ligeira, mas positiva, mudança de humor.

O Estado de S. Paulo

18 Agosto 2015 | 03h00

Para este ano, a mediana das projeções ficou em 9,32%, o mesmo número da semana anterior. É uma taxa muito elevada, mas pelo menos a escalada se interrompeu. Para o próximo ano, a estimativa ficou praticamente estável, com a ligeira variação de 5,43% para 5,44%. A expectativa para 2017 bateu em 4,55%, atingindo a meta quase com precisão.

Na maior parte dos casos, seria possível prever dois conjuntos de benefícios para as famílias, mas o quadro brasileiro é particularmente ruim. Com inflação menor, o risco de corrosão da renda será menor, mas isso dependerá das condições de emprego. Com inflação menor, há espaço para um aperto monetário menos violento, e isso está nas previsões. Em princípio, um aperto menor, com juros menores e crédito mais fácil, pode favorecer os negócios e a criação de empregos. Mas as projeções do nível de atividade continuam muito ruins, mesmo com a possibilidade de juros menores.

O alívio monetário, com redução dos juros básicos, deverá começar em abril do próximo ano, segundo os economistas do mercado financeiro. A expectativa de mudança nessa época já havia aparecido em consultas anteriores. Mas a nova projeção indica uma queda mais veloz. A redução estimada para abril passou de 0,25 para 0,50 ponto porcentual. Isso deverá levar a taxa básica, a Selic, de 14,25% para 13,75%. A queda deverá continuar. Para novembro de 2016, a mediana das projeções indica 11,88%, pouco abaixo do nível estimado anteriormente (12%).

Apesar das estimativas mais favoráveis de inflação e de juros, a economia deverá continuar muito fraca, segundo as avaliações coletadas na pesquisa. Pela mediana das projeções, o Produto Interno Bruto (PIB) diminuirá 2,10% neste ano. A redução calculada era de 1,97% na sondagem anterior. Para 2016, a estimativa passou de crescimento nulo para uma contração de 0,15%.

As condições dos negócios continuarão desfavoráveis, portanto, à abertura de vagas e à expansão da massa de salários. Faltam detalhes sobre as condições de produção na pesquisa Focus. Mas o investimento produtivo continua muito baixo, a demanda de máquinas e equipamentos deve permanecer muito reduzida, a execução do orçamento ainda será apertada e o potencial de crescimento, por esses e por outros fatores, deve ser extremamente limitado ainda por longo tempo. As projeções do mercado provavelmente refletem a percepção desses problemas.

Mas falta levar em conta os possíveis efeitos inflacionários de fatores incontroláveis pelo governo. Ainda se espera, para este ano, um aumento de 15,20% para os preços administrados, como os da eletricidade e dos combustíveis. A projeção para 2016 passou de 5,90% para 5,92%. Já esteve em 5,96% e, de toda forma, continua muito alta. Mas a alta efetiva dependerá de fatores como as condições de geração de eletricidade e a evolução dos preços internacionais do petróleo. Também é preciso levar em conta as consequências do esperado aumento dos juros americanos e seus reflexos na política nacional de juros.

Enfim, os fatos serão determinados também pelas decisões das agências de classificação de risco. Se o crédito brasileiro for rebaixado ao grau especulativo, tudo poderá ficar mais difícil. Esse jogo dependerá, em boa parte, da cooperação entre os Três Poderes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.