Coelho estrangeiro

Coelho, definitivamente, não é animal ovíparo. Mesmo assim, a Páscoa apela ao macio bichinho para atrair seu comércio de ovos de chocolate. O simpático engodo mistura história, gula e fé. Semana Santa.A origem da Páscoa remonta aos hebreus, quando significava um ritual de passagem. Na cultura judaica, nela se comemoravam a libertação e a fuga do povo oprimido. Entre os cristãos, desde sempre, a data celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Tudo bem.O que o coelho tem que ver com isso? Por ser muito prolífero, o orelhudo animal há muito representa a fertilidade. Na Antiguidade, época de elevada mortalidade humana, o nascimento e a esperança da vida nova se reverenciavam. E o ovo, entra onde?Contam-se várias histórias. No início eram decorativos, não para ser comidos. Coloridos, valiam presentes para comemorar a estação do ano, a vida brotando da casca após o gelado inverno. Ostera, a deusa da primavera, aparecia na Europa medieval como uma mulher segurando um ovo na mão, observando um coelho saltitante ao seus pés. Fertilidade e renascimento.Um dia, no século 18, os franceses inventaram fabricar ovos de chocolate. A iguaria precisou, séculos antes, da descoberta do cacau na recém descoberta América. Foi Cristóvão Colombo quem levou, em 1502, as primeiras sementes de cacau para a Europa, entregando-as ao rei Fernando II. Um sucesso.Utilizado nas civilizações maia e asteca, o "tchocolath" era bebida sagrada e medicinal, servindo aos rituais religiosos. Até as sementes de cacau tinham valor para os maias, servindo como moeda. Um zontli era formado por 400 sementes, enquanto o portador de oito mil sementes tinha na verdade um xiquipilli. Cada coisa!De origem amazônica, o cacaueiro cresce à sombra, em meio à densa vegetação, formando uma árvore de médio porte. Os frutos, grandes e escuros, penduram-se de seus galhos. Cada fruto contém em média 50 sementes, cobertas por uma polpa branca. Secas, moídas e torradas, as amêndoas fornecem o delicioso chocolate.A domesticação do cacaueiro ocorreu apenas em 1746. Até então, seus frutos se coletavam nas árvores nativas da selva ou em plantios incipientes verificados nas várzeas. No Brasil, a Bahia se tornou o principal polo produtor de cacau já na época da Independência (1822). Nascido na floresta amazônica, o cacaueiro adotou a mata atlântica como lar.Na capitania de Ilhéus o cultivo do cacau embasou, durante mais de um século, um ciclo econômico de vulto, cujo apogeu ocorre no início dos anos 1900. O poder dos coronéis, a sociedade - primeiro escravocrata, depois liberta -, a boemia e o suor da jornada, o contraste da opulência com a miséria, os sonhos e as desilusões dessa rica e desigual sociedade emprestaram o cenário dos magníficos romances de Jorge Amado, especialmente Cacau (1933), São Jorge dos Ilhéus (1944) e Gabriela, Cravo e Canela (1958).Os importadores de cacau, porém, reagiram contra o domínio brasileiro. Do solo baiano, a cacauicultura encontrou boa moradia nos trópicos da África e da Ásia. Líder inconteste durante décadas, o Brasil ocupa hoje apenas a quinta posição no ranking cacaueiro. O maior produtor mundial é a Costa do Marfim, seguido por Gana e Indonésia. Quem diria.A concorrência externa complica a economia da região cacaueira em meados do século passado. O aumento da oferta mundial faz cair os preços, ameaçando a rentabilidade da lavoura. Em 1957 o governo brasileiro cria a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), órgão encarregado da pesquisa e do apoio à produção nacional. A ordem era modernizar o sistema de produção.O sucesso da intervenção estatal, porém, se mostrou relativo. Nunca é fácil alterar usos e costumes, muito menos na agricultura. A oligarquia cacaueira ainda vivia iludida pela glória do passado. A cultura produtiva tradicional repele as mudanças e freia o progresso. O poder político sobrevive alimentado pelos subsídios públicos.Assim, amparado pelo Estado, a economia local, mesmo debilitada, vai-se mantendo até chegar a globalização e se abrirem as fronteiras da economia mundial. O País começa, pasmem, a importar chocolate. No começo, exporta matéria-prima e compra chocolate pronto. Depois passa a trazer de fora, inclusive, pasta bruta de chocolate.Foi em 1989 que aconteceu o pior. A doença conhecida como "vassoura de bruxa" entra criminosamente no Brasil. O terrível fungo ataca as plantações, expande-se nos galhos e seca os ponteiros das árvores. Dizima as lavouras. Os prejuízos foram terríveis.A produção de amêndoas decresce de 460 mil toneladas, em 1986, para 170 mil toneladas, em 2003. Estima-se que 200 mil empregos tenham sido perdidos, com perdas de US$ 1,4 bilhão. Aumenta o empobrecimento regional. A doença vegetal causa uma tragédia econômica.Há uma década os agrônomos da Embrapa, junto com a Ceplac, desenvolvem novas técnicas de plantio, baseadas em clones vegetais resistentes à vassoura de bruxa. As novas mudas são enxertadas na copa das plantações adultas, que se revigoram. Mas o declínio da produção está patente.Resultado: um terço do chocolate consumido no País agora vem do estrangeiro. Pois é. Boa parte dos ovos de Páscoa dessa Semana Santa traz, infelizmente, a marca enrustida do fracasso. Uma ironia da história.Resta uma boa notícia. Plantado à meia sombra, por debaixo da floresta, o abandono das lavouras de cacau se compensa na regeneração da mata atlântica baiana. Ilhéus e principalmente Itacaré tornam-se polos importantes de recuperação ambiental, favorecendo o ecoturismo.Os coelhos, que adoram um mato, aprovam. Jorge Amado certamente se impressionaria. Xico Graziano, agrônomo, é secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. E-mail: xico@xicograziano.com.br Site: www.xicograziano.com.br

Xico Graziano, O Estadao de S.Paulo

07 de abril de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.