Condições são propícias para a flutuação da taxa de câmbio

Os exportadores vinham se queixando da volatilidade do câmbio, que prejudica o planejamento das empresas, mas isso não se verifica agora

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2017 | 03h00

O último resultado do índice Big Mac – baseado no preço do sanduíche ao redor do mundo, calculado semestralmente pela revista The Economist para aferir, de modo prático, a equivalência das moedas de 48 países – mostrou o real, cotado a R$ 3,22 por dólar para efeito da pesquisa, com pequena sobrevalorização de 1,1%. Há seis meses, a moeda brasileira registrava subvalorização de 5,1%, com o dólar cotado a R$ 3,40 no mercado comercial. Segundo a revista britânica, a cotação do dólar, com base no preço do sanduíche, deveria ser de R$ 3,26 neste momento.

Divulgado na semana em que Donald Trump assumiu a presidência dos EUA, o índice Big Mac revela que 43 das moedas tomadas para o levantamento registraram desvalorização, às vezes acentuada. Na América Latina destaca-se o peso mexicano, que sofreu desvalorização de 55,9%, em razão da política que Trump anunciou para o México. Por ora, o governo Trump não parece causar perturbações no mercado de câmbio brasileiro. O bom nível de ingresso de recursos externos nas primeiras semanas de 2017 tem mantido o dólar relativamente estável, o que fortalece a expectativa de contenção da inflação, ao tornar mais baratos os produtos importados.

O câmbio sobrevalorizado afeta as exportações, especialmente de produtos manufaturados e semimanufaturados. Mas a situação, sob esse ponto de vista, é bem melhor do que a de janeiro de 2015, quando a sobrevalorização do real, medida pelo índice Big Mac, atingiu 8,7%. Além disso, deve-se considerar que as vendas externas também dependem de vários outros fatores, entre os quais a disponibilidade de crédito a taxas mais acessíveis, o que pode ocorrer com a continuidade da queda da inflação e da redução dos juros. Os exportadores vinham se queixando da volatilidade do câmbio, que prejudica o planejamento das empresas, mas isso não se verifica agora.

O quadro indica que há condições para manter o câmbio flutuante, um dos pilares do tripé em que se apoia a política econômica. Assim, o Banco Central só interviria no mercado de câmbio se houvesse overshooting, ou alta súbita das cotações do dólar, desencadeada por circunstâncias internas ou externas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.