Construção civil mais cética quanto ao futuro

Incertezas do mercado quanto à recuperação da economia afetam a expectativa do setor

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2018 | 04h00

O setor da construção civil, de importância vital para a retomada firme do crescimento, vinha se sentindo mais animado ao fim do primeiro semestre, mas hoje está cético com relação ao futuro. A Sondagem da Indústria da Construção, recém-divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que o Índice de Expectativa de Nível de Atividade ficou em 50,3 pontos em setembro, 1,3 ponto menos do que o registrado em agosto.

Isso é atribuído às incertezas do mercado em geral quanto à recuperação da economia, que se tornam mais agudas com a proximidade da realização das eleições. Como é notório, a atividade da construção é muito dependente de políticas públicas, relativas não apenas à conclusão de projetos hoje paralisados, como de diretrizes para a área habitacional. As empresas somente investem mais pesado depois que os programas governamentais são anunciados.

Com efeito, em relação a novos empreendimentos e serviços, o indicador recuou 1,2 ponto de agosto para setembro, para 50,4 pontos, estando acima de 50 pontos, o que, em princípio, indicaria expectativa de crescimento. Contudo, ficaram abaixo dessa linha divisória os índices de compras de insumos e matérias-primas (49,1 pontos) e de número de empregados (49,4 pontos).

De acordo com o mesmo padrão, o Índice de Confiança dos Empresários da Construção Civil (Icei-Construção) marcou 50,8 pontos, acusando uma queda de 1 ponto em relação a agosto, situando-se também abaixo da média histórica de 52,9 pontos.

Quanto ao desempenho do setor, o que se verifica é uma relativa estabilidade no segundo semestre. Em agosto, o nível de atividade registrou queda de 0,2 ponto em relação a julho, ficando em 47,8 pontos. Em relação ao número de empregados, o recuo também foi pequeno (0,1 ponto), acusando 46,1 pontos.

Observa-se uma ligeira melhora em relação a agosto do ano passado tanto no nível de atividade (avanço de 1,1 ponto) como com relação ao número de empregados (mais 0,3 ponto).

O melhor dado da Sondagem é uma alta sutil, como nota a CNI, na intenção dos empresários de investir em máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento e inovação de produtos e processos. O indicador específico teve aumento de 0,4 ponto, indo para 32,5 pontos em setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.