Contas abertas

Todo cidadão poderá saber, em tempo real, acessando a internet, o que foi feito com o dinheiro público ? nos Três Poderes e nos governos federal, estaduais e municipais ? e qual sua origem, e, especialmente, como o administrador público o está aplicando. Saberá quando e quanto foi utilizado, para que finalidade, qual o documento que comprova a despesa, quem recebeu o dinheiro e como foi feita a escolha do beneficiário do pagamento. Se detectar irregularidade, poderá denunciá-la ao Tribunal de Contas ou ao Ministério Público para averiguações e eventual punição do responsável pelo ato irregular.Falta pouco para a concretização desse importante passo para o aumento da transparência da gestão das finanças públicas e do controle da sociedade sobre os gastos dos três níveis de governo, o que resultará na redução substancial do espaço para a corrupção e para a lesão aos cofres públicos. Bastará a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao projeto de lei complementar que a Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira passada, pelo inquestionável resultado de 389 votos a favor e 1 abstenção. A base governista, vê-se, votou em peso a favor do projeto.Foi longa, porém, a tramitação do projeto no Congresso. Ele foi apresentado em 2004, pelo então senador João Capiberibe (PSB-AP). O Senado aprovou-o com presteza, enviando-o para a Câmara em novembro do mesmo ano. Um ano depois, o texto já tinha parecer favorável aprovado pelas comissões técnicas da Câmara que o examinaram, mas, desde 2005, aguardava a decisão do plenário. Deputados governistas não queriam votar o texto aprovado pelo Senado.Por artifício jurídico que permitiu driblar o trancamento da pauta pela não votação de medidas provisórias, porém, a Mesa da Câmara colocou a proposta na ordem do dia da sessão de terça-feira, e os deputados o aprovaram, sem mudar o texto original. Agora, vai direto para a sanção presidencial.O texto aprovado acrescenta dispositivos à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em vigor desde maio de 2000, especialmente no que se refere à transparência da gestão fiscal. A LRF estabeleceu que deverá ser dada "ampla divulgação, inclusive em meios eletrônicos de acesso público" aos planos e orçamentos, às prestações de contas, aos pareceres sobre a gestão dos recursos públicos e aos relatórios resumidos da execução orçamentária. Previu também incentivos à participação popular no processo de elaboração e discussão de planos e orçamentos.O projeto aprovado pelo Congresso mantém essas disposições e acrescenta a elas a liberação, "em tempo real", em meios eletrônicos "de acesso público", de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira e a adoção de um sistema integrado de administração financeira e controle por todos os órgãos públicos, dos Três Poderes, nas três instâncias de governo.O governo federal dispõe de um sistema eletrônico de demonstração da execução orçamentária e financeira, o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), mas seu acesso é limitado a quem possui senha e sua atualização não é "em tempo real". O projeto de lei complementar aprovado pela Câmara abre o acesso a esse tipo de informação a todo cidadão, sem necessidade de senha, e impõe a obrigatoriedade de atualização diária dos dados. Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato poderá denunciar ao Ministério Público ou ao Tribunal de Contas o descumprimento das prescrições legais.Os órgãos públicos terão prazos para cumprir as novas exigências. A União, os Estados e os municípios com mais de 100 mil habitantes deverão colocar no ar o sistema de informação em tempo real no prazo de um ano. Os municípios de médio porte (de 50 mil a 100 mil habitantes) terão prazo de dois anos e os menores, de quatro anos.Agora, só falta a sanção presidencial para que se instale um sistema que permitirá ao cidadão saber como e em que o seu dinheiro é gasto. Trata-se de um importante instrumento de controle das ações governamentais, que o presidente Lula deverá aprovar.

, O Estadao de S.Paulo

08 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.