Dando chance para o azar

Com o desfecho da novela protagonizada por Mário Negromonte, do PP, entre os partidos que participam do condomínio do governo só falta agora o PSB - e não é por falta de candidato - ter um ministro demitido em consequência de denúncias de irregularidades. Na quarta-feira passada, depois de receber Negromonte por 15 minutos, a presidente Dilma Rousseff aceitou o seu "pedido de demissão". Ela já havia decidido que o ministro não ficaria, fazendo o comunicado de praxe à direção do PP e ao governador baiano Jacques Wagner, padrinho de Negromonte. Parece, no entanto, que Dilma está disposta a dar chance para o azar: sobre o substituto já nomeado, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), perfeito exemplar de uma oligarquia nordestina, pesam suspeitas de favorecimento político a familiares, por meio de programas do Ministério que está assumindo. No Palácio do Planalto, gato escaldado não tem medo de água fria.

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2012 | 03h06

Toda a encenação em torno da substituição de Negromonte - a mais enrolada dentre todas as que, em 13 meses, resultaram na demissão de sete ministros por denúncias de irregularidades - evidencia mais uma vez o dilema e a consequente hesitação de Dilma, sempre que precisa se livrar de colaboradores indesejados. A demissão de Negromonte era previsível desde o fim do ano passado, quando a pasta das Cidades foi objeto de denúncias de graves irregularidades relativas a obras para a Copa do Mundo, em Cuiabá, e de relações promíscuas com lobistas. Além disso, Dilma já vinha confidenciando, a muitos interlocutores, que considerava Negromonte um mau gestor. Depois disso, mandou demitir o chefe de gabinete e o chefe da Assessoria Parlamentar do ministro. Na segunda-feira passada, em Salvador, antes de viajar para o Caribe, a presidente deixou claro que a fritura do ministro teria o seu desfecho tão longo retornasse a Brasília.

Um processo tão tortuoso permite supor que, descartada a hipótese de que Dilma tenha prazer em prolongar a agonia dos condenados à guilhotina, o processo de tomada de decisões que envolvem interesses políticos de aliados não deixa à vontade uma chefe de governo tida e havida como enérgica e decidida. O que leva ao paradoxo de ela, na verdade, tornar-se refém, em vez de comandante, da tão enaltecida aliança hegemônica arquitetada pelo lulopetismo. É claro que qualquer aliança política se apoia numa complexa e delicada dinâmica de acordos em torno de interesses pontuais. Mas tudo leva a crer que, sem a incontrastável autoridade política de Lula, o Palácio do Planalto enfrenta sérias dificuldades para equilibrar esses acordos, inclusive para votar matérias do seu interesse no Congresso.

Esse enredo ajuda a compreender, por exemplo, a razão pela qual os ministros Fernando Bezerra, do PSB, e Fernando Pimentel, do PT, apesar de tão enrolados em denúncias e evidências de malfeitos quanto seus colegas que foram defenestrados, permanecem impávidos à frente de suas pastas. Do ponto de vista do governo, o PSB de Bezerra, presidido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, é peça-chave no xadrez eleitoral que começa a ser jogado este ano para desaguar no pleito presidencial de 2014. O mesmo se poderia dizer a respeito do PMDB, que já teve dois ministros demitidos. Mas Michel Temer e seu enorme partido são "do ramo" e estão habituados a assimilar com tranquilidade golpes que a eles não fazem mossa, mas pegariam muito mal para a imagem do PSB, que pretende se apresentar como uma nova e imaculada opção para o eleitor.

No caso de Fernando Pimentel, importante líder petista mineiro, acusado de vacilos do mesmo gênero daqueles que custaram o cargo a Antonio Palocci, devem estar contando a favor de sua permanência à frente do Ministério do Desenvolvimento os interesses do PT em Minas Gerais, um Estado de enorme importância eleitoral.

De qualquer modo, da mesma forma que não houve a tal reforma ministerial, nada garante que a temporada de faxina - expressão que a presidente detesta - no primeiro escalão tenha terminado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.