Desperdício do fator humano

A mão de obra desempregada, subempregada ou mantida à margem do mercado de trabalho é raramente analisada como um fator de produção ocioso

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2018 | 03h00

O maior desperdício cometido no Brasil é também o mais cruel. É a subutilização de 27,64 milhões de pessoas, ou 24,60% da força de trabalho, um enorme recurso produtivo em parte paralisado e em parte utilizado muito abaixo de seu potencial. A noção de capacidade ociosa é quase sempre associada, quando se analisam as condições da economia, a máquinas e equipamentos parados nas fábricas, nas fazendas e em outras unidades de produção. A mão de obra desempregada, subempregada ou mantida à margem do mercado de trabalho é raramente analisada como um fator de produção ocioso e, sob esse aspecto, comparável, portanto, ao capital físico paralisado.

Em junho, a mão de obra subutilizada incluía 12,96 milhões de desempregados, 6,51 milhões de indivíduos ocupados em jornadas insuficientes e 5,39 milhões de integrantes da força de trabalho potencial. Esta última parcela corresponde a pessoas fora do mercado apesar de terem idade e condições para produzir.

A porcentagem de mão de obra subutilizada ficou estável entre o primeiro e o segundo trimestres deste ano. No período de abril a junho foi maior, no entanto, que em igual período de 2017, quando esse contingente correspondia a 23,80% da força de trabalho total, formada pela soma das pessoas no mercado e daquelas potencialmente empregáveis. Neste grupo se encontram algumas das experiências mais dramáticas. A mão de obra potencial é formada por indivíduos dispostos a ingressar na população ativa e pelos desalentados. Estes desistiram, pelo menos por algum tempo, de participar do mercado por causa de condições muito adversas.

O aumento dos desalentados - de 4 milhões para 4,8 milhões entre o segundo trimestre de 2017 e o segundo deste ano - é um dos indicadores mais claros do emperramento do mercado de emprego apesar da recuperação, mesmo lenta, da atividade econômica.

Esse emperramento é um dos sinais mais fortes e mais preocupantes da insegurança dos empresários. Mesmo quando revelam algum otimismo quanto à evolução dos negócios, eles mostram pouca disposição para contratar pessoal e para investir em máquinas, equipamentos e instalações. Essa cautela tem sido mostrada seguidamente em levantamentos da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A fabricação de bens de capital, isto é, de máquinas e equipamentos, tem sido uma das atividades industriais com maior crescimento desde o ano passado, mas isso se explica basicamente como recuperação depois de uma longa fase de retração. Boa parte das compras, é razoável supor, deve ser destinada à reposição e à substituição de bens depreciados ou desatualizados.

De modo geral, a indústria ainda tem de colocar em operação um grande número de máquinas e equipamentos antes de cuidar de novos investimentos. Em junho, a indústria operou com 76,7% da capacidade instalada, nível pouco inferior ao de um ano antes (77,2%), segundo a CNI. Mais investimentos poderiam movimentar um número importante de fábricas fornecedoras de bens de capital e de insumos básicos, mas para investir mais os dirigentes de empresas precisariam de maior confiança e de visão mais clara do futuro, algo muito difícil diante da enorme incerteza política.

Mais contratações também teriam múltiplas consequências positivas. A mais evidente seria a melhora das condições de vida de milhões de pessoas e de famílias assoladas pelo desemprego e pela subutilização da mão de obra. Mais contratações permitiriam maior consumo e maior impulso à produção de bens e serviços. Isso produziria um ciclo virtuoso.

Mas também as contratações dependem da confiança empresarial. Hoje as incertezas são ligadas basicamente às eleições. Para bem avaliar o quadro convém lembrar mais um ponto: desemprego prolongado pode afetar a qualificação. Os desempregados por mais de dois anos eram 3,16 milhões no segundo trimestre. Como se enfrenta uma entrevista de emprego depois de tanto tempo fora da atividade?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.