Dilma desperta e tenta reagir

Ao reagir ao posicionamento do PSDB, em sua convenção no domingo, sobre a possibilidade de seu afastamento da Presidência, Dilma parece ter finalmente descoberto que seu mandato corre risco. Em consequência, adotou uma decisão que pode ser, para ela mesma, uma armadilha fatal: convocou os partidos da base aliada para uma ação conjunta em defesa de sua permanência na chefia do governo. Não é, porém, a faixa presidencial no peito que confere a Dilma o poder de articular forças políticas ao seu redor. É a autoridade política de fato. E isso ela não tem nem mesmo para manter unido em sua defesa seu próprio partido, o PT. Que dizer das demais legendas, a começar pelo PMDB, que integram a desmilinguida “base aliada”, cada uma mais preocupada em salvar a própria pele e não afundar junto com o governo mais mal avaliado pelos brasileiros na história recente da República.

O Estado de S. Paulo

08 Julho 2015 | 03h00

Os tucanos, como partido de oposição, fizeram o que deles era esperado, declarando-se prontos a assumir o poder caso se consume o afastamento da presidente da República, por decisão do Legislativo ou do Judiciário. Os mesmos petistas que durante o governo tucano saíam às ruas berrando “fora FHC” agora acusam a oposição de estar armando um “golpe”. Mas as condições para que o desfecho da atual crise seja o afastamento da presidente são dadas pelo próprio governo, devido à incompetência e à falta de respeito à lei com que tem governado; e pelas forças políticas que teoricamente o apoiam, por causa da falta de pudor com que transformaram em prática usual e corriqueira a malversação de recursos públicos. Uma prática, aliás, à qual lamentavelmente não se têm revelado estranhos nem mesmo membros da oposição. A banalização da desonestidade e da intrujice – esse é o verdadeiro golpe, cometido contra o povo brasileiro pelo lulopetismo.

Se Dilma confia que o PT mergulhará de cabeça em sua defesa, unido e coeso, vai se decepcionar. Basta que atente para o fato de que na reação à convenção dos tucanos ouviu-se – pelo menos até o dia seguinte – o ruidoso silêncio de seu padrinho, que em circunstâncias normais estaria, desde o primeiro minuto, de borduna em punho, malhando os “inimigos”. Além disso, a habitual soberba petista levou o partido a que Dilma é filiada a olhar seus aliados de cima para baixo, com prepotência, desconfiança ou desinteresse. Não é preciso lembrar o que Dilma e a tigrada tentaram fazer com os peemedebistas Eduardo Cunha e Renan Calheiros para constatar que não há de ser por amor ao PT ou a uma chefe de governo que sempre desdenhou da chamada classe política que sairão agora em sua defesa os políticos “aliados”, muitos dos quais têm manifestado ruidosamente sua insatisfação com a demora da Casa Civil no atendimento de seus pleitos.

Para piorar a delicada posição em que se encontra aparentemente sem dela se dar conta, Dilma afeta um excesso de confiança absolutamente sem sentido. Em entrevista à Folha de S.Paulo, a fragilizada presidente tentou fazer jus à sua reputação de “durona”: “Eu não vou cair. Eu não vou, eu não vou. Isso é moleza, isso é luta política”. E minimizou, com uma ponta de ironia, tanto o papel do PMDB na criação de dificuldades para o governo – “O PMDB é ótimo” – como a importância das críticas que tem recebido de Lula: “Podem querer, mas não faço crítica ao Lula. Não preciso. Deixa ele falar. O presidente Lula tem direito de falar o que quiser”.

Condenada à sina dos desesperados, que em defesa própria lançam mão de qualquer argumento, mais uma vez Dilma apelou, na entrevista, para a imagem de heroína que tem de si mesma pelo fato de ter sido presa e torturada durante a ditadura militar. Desperdiçou mais uma oportunidade de dizer à Nação e garantir aos políticos que tem soluções viáveis para as crises (política, econômica e moral) em que meteu o Brasil. Ao contrário, fez um fútil exercício de vontade: não cai porque não quer cair. E todo mundo que se conforme com isso. Quanto à crise econômica em que seu governo mergulhou o País, Dilma não caiu no ridículo de negar sua existência, mas esbanjou otimismo: “É difícil prever (quando vai começar a recuperação). (...) A mais otimista é que nós já saímos (da crise) no fim do ano”. Resta saber se até lá ela não terá saído do Palácio do Planalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.