Do interesse da China

Era de todo justificado o ar radiante do primeiro-ministro da China, Wen Jia Bao, ao final da inédita teleconferência de que participou - ao lado da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e com intervenções em tempo real dos presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e do Uruguai, José Mujica - para anunciar a "aliança estratégia global" entre os quatro países e que poderá, segundo seu desejo, levar ao estabelecimento de uma zona de livre comércio entre seu país e o Mercosul. A China, que já ganha muito no comércio com o bloco do Cone Sul, mais terá a ganhar com as facilidades a serem proporcionadas pela maior abertura para a entrada de seus produtos na região.

O Estado de S.Paulo

27 Junho 2012 | 03h07

Resta saber a que se deveram o olhar "extasiado" - como o descreveu o jornal argentino La Nación - com que a presidente Cristina Kirchner acompanhou o anúncio de Wen Jia Bao, feito em Buenos Aires, e o entusiasmo com que a presidente Dilma Rousseff se referiu à proposta, ao afirmar, que "é estratégico construir um relacionamento produtivo com a China". Resta saber qual o exato significado dessas palavras.

Não são visíveis as vantagens para o bloco sul-americano do eventual estabelecimento da zona de livre comércio com a China. Ao contrário, muito mais provável é que, caso isso ocorra, os produtos chineses ampliem muito mais rapidamente sua participação no mercado regional, sem a contrapartida da expansão das exportações do Mercosul para a China.

A ideia anunciada pelos quatro chefes de governo enfrenta, no nascedouro, um curioso problema político e institucional. Ela será discutida na reunião de cúpula do Mercosul marcada para quinta-feira (28/6) em Mendoza, na Argentina, e que não terá a representação de um dos quatro membros efetivos do bloco, o Paraguai. Os demais parceiros rejeitaram a participação do novo presidente paraguaio, Federico Franco, colocado no cargo depois de um processo de impeachment de seu antecessor, Fernando Lugo, considerado ilegítimo pelos governos do Brasil, Argentina e Uruguai.

Ainda que o Paraguai - que continua sendo membro efetivo do Mercosul - estivesse representado na reunião de cúpula, persistiria um problema diplomático para o início das negociações do acordo Mercosul-China. O Paraguai não reconhece o governo de Pequim como representante da China, "status" que atribui ao governo de Taiwan. Sem a concordância de um seus membros, o Mercosul não poderia negociar com a China.

Há, além disso, questões econômicas e comerciais concretas que tornam no mínimo duvidosos os ganhos do Mercosul com a abertura dos mercados que resultaria do estabelecimento da zona de livre comércio.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. No ano passado, as exportações brasileiras para a China somaram US$ 44,3 bilhões, enquanto as importações de produtos chineses pelo País alcançaram US$ 32,8 bilhões. Esses números apontam para um quadro ainda muito favorável ao Brasil, que obteve um superávit de US$ 9,5 bilhões.

Mas, apesar do saldo favorável ao Brasil, há um desequilíbrio nas trocas comerciais entre os dois países que, ao longo do tempo, levará à mudança dessa situação. O Brasil é um grande fornecedor de produtos básicos para a China e de lá importa cada vez mais produtos manufaturados.

É importante que o País preserve e amplie as fatias do mercado de produtos básicos que conquistou na China - o minério de ferro respondeu por praticamente 45% das exportações para a China em 2011; somadas as vendas de petróleo, soja, açúcar e pastas químicas de madeira, a participação vai a 86% do total. Mas o Brasil precisa ampliar as exportações de manufaturados, dos quais é grande importador da China. No ano passado, das importações brasileiras dos países asiáticos (especialmente da China e do Japão), 96% foram de produtos manufaturados.

O acordo com a China aumentaria esse desequilíbrio. Já o acordo do Mercosul com a União Europeia, cujas negociações se arrastam há dez anos, ampliaria o mercado para os manufaturados do Cone Sul. Desse acordo, porém, os governos da região pouco falam, talvez por razões "estratégicas" difíceis de explicar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.