Entre o ajuste e o risco Trump

Será preciso avançar de um déficit primário de 1,2% do PIB para um superávit pouco superior a 2%

O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2018 | 03h00

O jogo bruto do presidente Donald Trump, modelo cultuado pela família Bolsonaro, é uma das principais ameaças ao crescimento da economia mundial – e do Brasil, portanto – nos próximos anos, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). As tensões no comércio, centradas na disputa entre Estados Unidos e China, já tiraram do produto global, em 2018, uma lasca estimada entre 0,1 e 0,2 ponto de porcentagem. As perdas podem crescer. Se o governo americano elevar para 25% as tarifas sobre todos os bens de origem chinesa, em 2020 o crescimento global poderá cair dos 3,5% agora projetados para 3%. A queda de braço entre os governos americano e chinês começou com um surto protecionista na Casa Branca.

As primeiras medidas, barreiras contra importações de aço e alumínio, atingiram exportadores brasileiros e de vários outros países. A política de Washington, claramente oposta à ordem multilateral, é voltada principalmente contra a concorrência chinesa, mas afeta em grande escala as trocas internacionais e já é tema de disputa na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Barreiras comerciais e insegurança quanto à evolução do intercâmbio prejudicam muito mais que as trocas de mercadorias, afetando as decisões de investimento, o sistema produtivo e a geração de empregos, como indicam os cálculos publicados pela OCDE. A avaliação dos danos potenciais das barreiras tarifárias ocupa boa parte da nova edição das Perspectivas Econômicas divulgadas nesta semana pela entidade.

A economia global deve crescer 3,7% neste ano, 3,5% em 2019 e 3,5% em 2020, segundo os técnicos da OCDE. A projeção anterior, publicada em maio, apontava expansão de 3,7% no próximo ano. As estimativas para todas as grandes economias foram reduzidas. Se o cenário básico se confirmar, haverá um pouso suave nos próximos dois anos.

A perspectiva de menor crescimento está associada em boa parte à perda de impulso do comércio, ao aperto das condições financeiras (iniciado com a alta dos juros americanos) e às dificuldades e limitações de alguns emergentes, como Turquia, Argentina e Brasil. O pouso será acidentado, no entanto, se as condições do comércio continuarem a piorar, como desdobramento dos conflitos iniciados com o protecionismo do presidente Trump.

Para o Brasil, a OCDE estima crescimento de 1,2% neste ano (pouco abaixo do 1,3% projetados internamente), 2,1% em 2019 e 2,4% em 2020. As últimas projeções das instituições financeiras e consultorias, captadas pelo Banco Central (BC), mantêm expansão de 2,5% nos próximos três anos.

De toda forma, o relatório da OCDE indica maior dinamismo no Brasil, a partir do começo do novo governo, com melhoras no emprego e no consumo. A confiança no governo recém-eleito deverá facilitar a expansão do crédito e do investimento. Mas essa confiança será condicionada, segundo o relatório, à expectativa de ajustes e reformas. Se a incerteza novamente crescer, a recuperação poderá descarrilar, de acordo com o relatório.

A melhora das finanças públicas permanece como prioridade, segundo a OCDE: a dívida pública superou 77% do Produto Interno Bruto (PIB) e o saldo primário, isto é, sem a conta de juros, continua longe do necessário para conter o endividamento. Será preciso avançar de um déficit primário de 1,2% do PIB para um superávit pouco superior a 2%. Um pulo tão amplo dependerá de um severo controle da despesa governamental e para isso será indispensável a reforma da Previdência. Em prazo mais longo, o principal motor do crescimento será o ganho de produtividade. Para isso será preciso abrir a economia e integrá-la nas cadeias globais de produção.

Quanto a esses pontos, a análise da OCDE coincide com a de muitos economistas nacionais. A agenda é conhecida, mas o quadro político fragmentado poderá, segundo o relatório, dificultar a aprovação das mudanças mais importantes. Se o governo tomar o rumo certo, ainda terá de produzir um complicado arranjo político.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.