Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2015 | 02h55

Dilma, a mais rejeitada

Com tanta notícia ruim e o País afundado em dívidas, pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria indica 69% de reprovação do governo Dilma, o maior índice de rejeição já visto desde 1986. Apenas 10% das pessoas aprovam seu governo. Consideradas todas as implicações que levaram o País à recessão, 10% é um índice muito alto para uma governante que está prestes a perder o mandato. Certamente esses 10% ou trabalham para ela ou dependem dela. É inacreditável que algum cidadão que compra sua comida e paga suas contas esteja satisfeito com esse governo, que a cada dia joga mais pessoas na fila do desemprego. A pesquisa revela apenas o que já era esperado. Não dá mais para tolerar tanta incompetência e ainda ter de pagar a conta, que não foi feita pelo cidadão trabalhador.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Impeachment

O desemprego em São Paulo sobe pela sétima vez e vai a 13,9% – 1,4 milhão de desempregados em agosto. Até quando vamos ter de aguentar a inoperância do Congresso, que, decorridos nove meses do segundo mandato da presidente, ainda não votou a aprovação do impeachment? A desaprovação da madame já chega a 69%, a recessão e a crise econômica avançam. O Congresso vai esperar faltarem recursos para pagar o salário do funcionalismo, do Legislativo e do Judiciário? Será o caos! Em quanto conseguimos reduzir os gastos? O cidadão brasileiro não suporta mais. Renuncie, dona Dilma, não prejudique ainda mais a Nação.

FERNANDO SILVA

lfd.dasilva@uol.com.br

São Paulo

Saída

Lula e Nelson Jobim se reúnem para discutir uma saída política. Eles deveriam discutir é uma saída do PT. Isso é sonhar um sonho impossível.

TANAY JIM BACELLAR

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

Valhacouto

Pelas barbas do profeta! O PT transformou o Brasil, de uma República promissora, com futuro garantido por um povo ordeiro, riquezas minerais e vegetais, num valhacouto gigante, com um balcão de negociatas de 8,5 milhões de km2, onde se banqueteiam governantes, políticos e empresários, todos ávidos em depressa construir riquezas fabulosas, em total desprezo pelo povo. Não tomaram o governo para dar continuidade à gestão progressista de Fernando Henrique Cardoso, mas para entrarem no seleto clube da revista Forbes. Esse governo já deu o que tinha a dar. Já disse a que veio. Tudo tem o seu tempo, hora de mandar e hora de obedecer.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

E o Brasil?

A reforma ministerial que Dilma está arquitetando é mesmo do balacobaco. Tira uns ministros aqui, acomoda outros ali e todo mundo continua dentro da pesada máquina estatal. Fica claríssimo que, como já ouvimos várias vezes, o programa de governo da presidente no momento é evitar o impeachment. Mas enquanto ela cuida de si mesma a grave fase que assola os brasileiros continua se complicando! Dando sete ministérios ao PMDB, o que o Brasil ganha em solução para os problemas da grave crise econômica, ética e social que vivemos hoje? Nada! O que ela tem feito para acalmar o mercado, além de política? Nada! O que Dilma cortou de gastos para ajustar o Orçamento? Nada! Ou seja, nada mais nada é igual a um país atolado em retrocesso, desemprego e desesperança. Porém Dilma só pensa em salvar o lado dela. Revigora a sua base aliada com os interesseiros gananciosos de plantão de sempre. E o Brasil onde fica nisso tudo?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

O professor aloprado

E a “pátria educadora” chega aos nove meses parindo uma aberração: o terceiro ministro da Educação no período será Aloizio Mercadante. Pelo histórico, o próprio Lula diria que é “o professor aloprado”.

LEO COUTINHO

leo.coutinho@uol.com.br

São Paulo

Cizânia na cozinha

Interessante o ministro da Fazenda exigir uma trégua nas reivindicações sobre o ajuste fiscal. No discurso dele, as pessoas não sabem e precisam saber como serão os impostos em um, dois, dez anos. Mas o problema é que o governo já gastou por conta, inventou e distribuiu tudo o que é bolsa gorjeta, e só agora vai fazer as contas para apresentar ao povo. Camarada, aqui em casa, primeiro vejo quanto tenho, depois listo o que está faltando na despensa, daí eu gasto. Chega de espuma, arrume a cozinha, pelo amor de Deus!

EWERTON WESLEY B. DA SILVA

ewbezerra@hotmail.com

São Paulo

Reedição da CPMF

A declaração absolutamente patética e dissimulada do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, no Estadão de ontem, de que a CPMF de 0,20% proposta pelo governo federal é “minimalista” (?!) – se comparada à anterior, de 0,38% – beira o acinte para com os contribuintes. Além da soberba desse senhor, isso mostra quão cínicos, desnorteados e sem rumo são os membros desse governo federal lulopetista-bolivariano.

PAULO RIBEIRO DE CARVALHO JR.

paulorcc@uol.com.br

São Paulo

As costas largas do ajuste

A Fundação Perseu Abramo publicou um conjunto de “soluções” para tirar o Brasil da crise. Começa com a pérola de que o motivador da crise é o ajuste fiscal em curso, e não a lambança que os governos petistas fizeram. O PT e seus “gênios” da economia levam uma grande vantagem sobre nós: agem em bloco. Diariamente vemos nos principais jornais – impressos, de rádio e TV – excelentes editoriais e artigos sobre as soluções para recolocar o Brasil nos trilhos, mas... ficamos só nas palavras. Não adianta nada a classe média se manifestar na Paulista se não houver um movimento coordenado de pessoas influentes, como empresários, economistas sérios, jornalistas de expressão e outros, que em uníssono mostrem a indignação com o estado das coisas e cobrem do governo seriedade nos ajustes necessários. Caso isso não seja feito, nosso caminho será parecido com o seguido pela Argentina e pela Venezuela. Dizem que nossas instituições são fortes, mas até quando serão fortes? A Operação Lava Jato está ameaçada por tecnicalidades. A Controladoria-Geral da União pode em breve perder os seus poderes. As forças do petismo e o populismo encontram solo fértil para prosperar em nosso pobre país.

MÁRIO C. DA FONSECA FILHO

mario@mariofonseca.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

ASSIM TERMINOU SETEMBRO

 

Notícias do último dia de setembro: Petrobrás aumenta gasolina em 6% e diesel em 4% nas refinarias, o primeiro aumento da gestão Aldemir Bendine; competitividade do Brasil cai 18 posições no ranking mundial; e o ministro do Planejamento diz que CPMF é Plano A, B, C, D. Enquanto dona Dilma Rousseff e sua “entourage” esbanjavam em Nova York e ela dizia na ONU que nossa economia é forte, os luminares do governo estavam a preparar mais um “assalto” ao bolso do povo brasileiro. E não é que, embora não tenhamos sido convidados para a festança (esbórnia) patrocinada pelo PT e seus aliados, seremos intimados – mais uma vez – a pagar a conta?

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

ENQUANTO ISSO, EM NOVA YORK

 

Muito bem colocada pela leitora sra. Tereza Sayeg (“Fórum dos Leitores”, 29/9) a questão do público e do privado no governo petista, ao mencionar a presença da filha da presidente Dilma no plenário da Assembleia-Geral da ONU. Aliás, na fotografia divulgada pelo “Estadão” (26/9, A19), chamou a atenção, no espaço designado à delegação brasileira, a moça ao lado de Dilma, enquanto duas ministras de Estado, Izabella Teixeira e Eleonora Menicucci, ficaram em segundo plano, na fila de trás. A mesma imagem mostra, ainda, o anacrônico Marco Aurélio Garcia, detentor do pomposo título de assessor especial para Assuntos Internacionais, ao lado do chanceler Mauro Vieira, este, sim, titular das Relações Exteriores. Garcia é “especial” em quê? Ao que se sabe, essa eminência parda é um notório simpatizante de ideologias falidas há décadas, e entusiasta de governos tão prósperos que, em alguns casos, não dão conta nem de prover material básico de higiene pessoal à sua população. Dilma e o PT dizem que vão cortar na carne. Aqui fica uma sugestão!

 

Cláudia Sampaio Roni claroni@uol.com.br

São Paulo

 

*

ORGULHO

 

Mais um aumento no preço dos combustíveis! Parabéns aos eleitores do PT, vocês conseguiram!

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

 

*

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

 

A lógica deste desgoverno é, como sempre, inversa. Aproveita o desemprego para aumentar os impostos, a baixa no preço do petróleo e a alta da inflação para aumentar o preço dos combustíveis. Afinal, é justo que ressarcirmos a Petrobrás pelos prejuízos resultantes da compra da refinaria de Pasadena e do roubo bilionário descoberto na Operação Lava Jato.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

BURRAS E ‘BURROS’

 

Enquanto o preço do petróleo despenca no mundo, a Petrobrás aumenta os seus preços! Os políticos enchem as burras e os “burros” pagam as contas! Acorda, Brasil!

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

 

*

GASOLINA, MINISTÉRIOS E IMPEACHMENT.

 

A gasolina sobe 6% e o diesel, 4%, nas refinarias. Os ministérios para contentar o PMDB já somam sete. O descontentamento dos brasileiros com o aumento do preço do combustível e de outras utilidades e necessidades empurra o clamor público para o alto. Certamente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, vai esperar até o preenchimento dos ministérios pelo seu partido. Logo depois, aí sim, poderá encaminhar o pedido (o mais lógico de todos) de impeachment apresentado pelo jurista Hélio Bicudo e aditado por Miguel Reale Jr., considerando, então, aberto o processamento de perda de mandato contra dona Dilma. Mas a sua agonia poderá ser abreviada se renunciasse. Os brasileiros agradeceriam muitíssimo.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

ROMPIDO COM O PT

 

Eu gostaria muito de saber a opinião do ex-presidente Lula sobre tudo aquilo que o dr. Helio Bicudo disse no programa “Roda Viva”, na TV Cultura, na segunda-feira (28/9).

 

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com  

São Paulo

 

*

A FORTUNA DE LULA

 

No programa “Roda Viva” de segunda-feira, o sr. Hélio Bicudo questionou a origem da fortuna do sr. Lula e de seus filhos. Ele se mostrou estupefato pelo fato de ninguém questioná-la. Classificou o sr. Lula como sendo um dos homens mais ricos do Brasil. Também disse conhecer Lula do tempo em que ele vivia numa casa de 40 metros quadrados. Acho que agora é a hora de o Ministério Publico, a Receita Federal e os partidos da oposição se mexerem.

 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

 

*

O HOMEM E A PÁTRIA

 

A posição assumida pelo dr. Hélio Bicudo, tanto pelo ato em si de assinar o pedido de impeachment da presidente quanto pelas declarações contundentes feitas publicamente, demonstra um exemplo de amor à Pátria, genuíno e desprendido de quaisquer interesses. Parabéns, dr. Hélio Bicudo, o seu nome nunca será esquecido entre os brasileiros de bem.

 

João Magro Ventura Joaomv@terra.com.br

São Paulo

 

*

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DILMA

 

A desaprovação do governo da presidente Dilma Rousseff, segundo pesquisa do Ibope, chegou a 69%. Pelo andar da carruagem, para chegar a 100% é só uma questão de tempo.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

LAMENTÁVEL

 

Difícil de entender o porquê da avaliação do governo Dilma ter permanecido no mesmo patamar das pesquisas anteriores, apesar da crescente deterioração da situação econômica, política e social do País, com notícias desanimadoras a cada novo dia. Lamentável, porém, é descobrir que cerca de 10% dos brasileiros ainda aprovam o seu desastroso governo.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

CPMF, PLANO A, B, C, D

 

As declarações do ministro Nelson Barbosa não deixam dúvidas de que o governo brasileiro está contando com o bolso da população para sair da enrascada econômica em que meteram o Brasil ao longo dos últimos anos. “A CPMF é plano A, B, C e D”. Ao mesmo tempo, o ministro Joaquim Levy pede o apoio da sociedade brasileira para o “plano de governo vitorioso” que está implementando. Essas declarações seriam de nos fazer gargalhar, se não fossem extremamente trágicas e graves para todos nós, brasileiros do bem. Simbioticamente, empresários inescrupulosos, políticos desonestos e todas as futuras gerações de suas famílias continuarão a desfrutar dos bilhões de dólares roubados dos Joões, Josés, Antônios e Marias trabalhadores do Brasil. Não devemos estranhar que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) tenha elogiado o ajuste fiscal proposto pelo sr. Barbosa e o sr. Levy, pois os lucros da roda financeira dos bancos continuarão acumulando resultados estratosféricos e alucinantes. Enquanto isso, o impacto amargo do desemprego, do aumento de impostos, dos juros altos e da inflação escorchante ficará para o cidadão comum digerir e assimilar. Profundamente lamentável.

 

Vlademir Marangoni Filho promarangoni@gmail.com

São Paulo

 

*

‘AS COSTAS LARGAS DO AJUSTE FISCAL’

 

Excelente, oportuno e preocupante o editorial “As costas largas do ajuste fiscal” (29/9, A3). O PT e seus “gênios” da economia levam uma grande vantagem sobre nós: agem em bloco. Diariamente, vemos nos principais jornais, escritos e falados, excelentes editoriais e artigos sobre as soluções para recolocar o Brasil nos trilhos, mas ficamos só nas palavras. Não adianta nada a classe média se manifestar na Avenida Paulista, se não houver um movimento coordenado de pessoas influentes como empresários, economistas sérios, jornalistas de expressão e outros que, em uníssono, mostrem a indignação com o estado das coisas e cobrem do governo seriedade nos ajustes necessários. Caso isso não ocorra, nosso caminho é um caminho parecido com o seguido pela Argentina e pela Venezuela. Dizem que nossas instituições são fortes, mas até quando serão fortes? A Operação Lava Jato está ameaçada por tecnicalidades. A Controladoria-Geral da União (CGU) pode perder em breve seus poderes. As forças do petismo e o populismo encontram solo fértil para prosperar em nosso pobre país.

 

Mário Fonseca mario@mariofonseca.com.br

São Paulo

 

*

AS RAPOSAS E A CGU

 

Depois do “fatiamento” da Lava Jato, o esquartejamento da Controladoria-Geral da União (CGU)! Deveras, este pessoal do desgoverno não brinca em serviço! De administração pública são nota zero, mas, em matéria de malandragem, não perdem para ninguém. A virtual transferência de parte das competências da CGU para os Ministérios da Justiça e da Casa Civil – pastas da casa, controladas pelo PT – é mais uma prova de que a anunciada “intransigência” do governo Dilma com os malfeitos e a corrupção ficou apenas no plano das boas intenções. Desgoverno, sim, descontrole, jamais – esse deveria ser o dístico dessa administração (o “Pátria Educadora” caiu no ridículo). Até cego vê que esta reforma visa a desprestigiar a Lei Anticorrupção e a ampliar o controle das raposas sobre o galinheiro.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

NOVO BRASIL

 

Parabéns ao comércio, à indústria, às montadoras, às construtoras, aos trabalhadores, aos operários e aos metalúrgicos, que, mesmo com dificuldades, ainda têm resistência e mantêm acesa uma luz no fim do túnel, mesmo sabendo que não temos um governo, e, sim, um covil de incompetentes. PT, PMDB e partidos coligados, numa hora destas, se sentam à mesa para decidir quem fica com mais ministérios e quantas taxas e impostos mais podem ser cobrados da sociedade, em nome da Nação, da união e do civismo (em que, por sinal, ninguém mais acredita). Por isso, convoquem Lula, Dilma, Temer, Cunha e toda a cambada para esclarecer, por exemplo, a compra da refinaria de Pasadena, a construção do Porto de Mariel, em Cuba, o mensalão, o petrolão, etc. Nós, brasileiros, merecemos saber a verdade de toda esta panaceia. Afinal, será que somos nós que devemos pagar por isso? Acho que não. Que o juiz Sérgio Moro não esmoreça, pois estamos atentos e firmes ao seu lado.

 

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

 

*

CUIDADO, DILMA PENSANDO

 

Já houve tempo em que os jornalistas políticos – ainda havia espaço para o humor e nossos profissionais eram espirituosos – diziam que, enquanto nossos governantes (aí incluo o Executivo, o Legislativo e o Judiciário) dormiam, o País se organizava e desenvolvia. Agora, entre as pérolas proferidas pela presidente petista na abertura da Assembleia-Geral da ONU, em Nova York, a de maior repercussão foi “estou extremamente preocupada com a alta do dólar”. Não foi por acaso que o mercado logo reagiu e o dólar, que havia retraído nos dois pregões anteriores, voltou a subir como nunca na história deste país. Então tenham muito cuidado com a nossa presidente, principalmente quando ela está pensando – são momentos raros, mas acontecem. Lembram-se da queda dos juros, da redução da tarifa da energia e, agora, da entrega do Ministério da Saúde ao PMDB? Todos, sem exceção, fatos danosos para a população brasileira.

 

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

 

*

CINISMO BARATO

 

Dilma como sempre esperta – eu disse esperta, e não inteligente –, para desviar o foco das atenções e pressões políticas, afirmou, nos EUA: “Estou estritamente preocupada” com a alta do dólar. Quanto cinismo barato, né não?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

 

*

O SINTOMA E A DOENÇA

 

A nossa presidente se diz muito preocupada com a alta do dólar. Em medicina, falamos que temos de tratar a doença além dos sintomas. A alta do dólar é apenas um sintoma de uma doença gravíssima. Para a nossa presidente descobrir a doença é muito fácil! Basta, ao acordar, olhar no espelho.

 

Pedro P. de Mendonça Antonaccio pepantonaccio@gmail.com 

Santana de Parnaíba

 

*

DILMA PREOCUPADA

 

Dilma deveria é se preocupar com a alta negativa de nosso real. A presidente falou isso no G-4?

 

Ricardo Guilherme ricardoeeunice@ig.com.br   

Monte Alegre do Sul

 

*

PREOCUPAÇÃO

 

Dona Dilma diz que está muito preocupada com o dólar. A verdade é que o dólar é que está muito preocupado com ela.

 

Ary Nisenbaum arynsb@gmail.com 

São Paulo

 

*

DILMA E A CRISE

 

Para driblar a crise política, Dilma Rousseff está comprando o apoio do PMDB com alguns ministérios e, assim, o tempo vai passando sem que a tal da reforma administrativa e o corte de ministérios saiam do papel. Se depender do Congresso Nacional e, principalmente, da oposição (leia-se PSDB), Dilma continuará no poder até 2018. Mas será que ela vai conseguir driblar a crise econômica? Ou a inflação, o desemprego e a alta do dólar a derrubarão? Estou apostando na alta do dólar.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

 

*

TROCA DE MINISTROS

 

Se Aloizio Mercadante for designado para o Ministério da Educação, após ter sido demitido da pasta da Casa Civil, a única coisa que não pode acontecer é que o professor Renato Janine Ribeiro não seja demitido com um telefonema. Aí será total falta de educação.

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  

Avanhandava

 

*

AGORA, SIM

 

Entra Jaques Wagner, sai Mercadante. Agora, sim, o dólar cai.

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

POR TELEFONE

 

Nenhuma surpresa no fato ou na forma com que Dilma Rousseff demitiu Arthur Chioro do Ministério da Saúde. A sua demissão foi informada pelos jornais anteriormente, só ele não sabia. Daí o “picolé de chuchu” resolveu informar o Brasil do estado em que se encontra a saúde no País. Até então, isso não era importante. A forma será a mesma que ele utilizará se houver um pedido de impeachment com chance de ser aprovado. Nesta comunidade, vale a lei do velho-oeste.

 

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com  

Bertioga

 

*

NÃO SE ADMITEM CRÍTICAS

 

Dilma demite ministro da Saúde por telefone. Bastou ter criticado o governo que foi para o olho da rua!

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

 

*

A DANÇA DAS NULIDADES

 

O Brasil enfrenta a maior crise de sua história, e tudo o que a presidente Dilma Rousseff é capaz de fazer é promover a dança das nulidades. Tira Aloizio Mercadante daqui e põe ali, muda Aldo Rebello de um ministério para o outro e pronto! Tudo resolvido.  A reforma ministerial que a presidente está fazendo vai dar tanto resultado quanto mudar os móveis de lugar num barraco de favela: não vai resolver nada.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CASA CIVIL

 

Senhores, o criador petista, creio eu, não atentou para o fato de seu indicado para o Ministério da Casa Civil, em lugar do sr. Mercadante, ter os olhos azuis. Liberou geral?

 

Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

MINISTÉRIOS PARA O PMDB

 

Notícia da terça-feira (29/9): Dilma é aconselhada a oferecer 7.º ministério ao PMDB, para obter apoio integral ao governo na aprovação do pacote fiscal e para evitar a abertura do processo de impeachment da presidente. Como tem gente de má índole neste PMDB! E ainda tem gente que vota neste partido de aluguel. Dá nojo dessa agremiação, que parece mais uma facção.

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

 

*

GANHANDO TEMPO

 

A presidente Dilma tenta desesperadamente manter-se no poder “vendendo” ministérios ao PMDB. O PMDB, por sua vez, aceita estes cargos achando que está fazendo um ótimo negócio político, enquanto decide o que fazer. E o Brasil? Ora, o Brasil...

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

POUPA TEMPO

 

Sugiro que a presidente Dilma aproveite a reforma ministerial para criar o Ministério da Corrupção. O objetivo é o de centralizar as operações, reduzir o número de operadores dos partidos, dar mais agilidade aos esquemas e evitar a humilhação de diretores e presidentes de estatais. Haveria postos de atendimento das estatais com maiores orçamentos. O ministro e os secretários seriam os tesoureiros dos partidos políticos. Seria uma espécie de Poupa Tempo.

 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

 

*

ARRASTÃO NAS ESTATAIS

 

Quem roubou roubou, quem não roubou não rouba mais! O modelo de roubar “dentro da lei” se esgotou, poderia ter completado a presidente Dilma, na ONU. “Não seria o arrastão (também nas estatais) um alerta para uma desfaçatez que está nos liquidando?”. Tais palavras são do brilhante Roberto DaMatta no seu “Arrastão” (30/9, C8). Enquanto as eleições não chegam, que trabalhe em paz o honrado juiz Sérgio Moro.

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

O NÚMERO SETE

 

Não é por mero acaso que a distinta presidente tenciona destinar 7 ministério para engambelar o fisiologista PMDB. A nossa “mulher sapiens” (argh!) andou vasculhando alguns alfarrábios e descobriu o significado intrínseco do número 7. Em primeiro lugar, acredita-se que ele é conta de mentiroso (o dito popular encaixa-se nela?). Depois, Pitágoras o tinha como o número da perfeição (longe dela, claríssimo). Para os antigos chineses, significa travessia; para a Cabala, dificuldades para se exprimir e tomar decisões. Não bastasse isso, o 7 é sempre “a bola da vez”. Sempre prontinha para cair na caçapa.

 

Luís Lago lago.luis2010@gmail

São Paulo

 

*

REFORMA POLÍTICA

 

A razão da existência de qualquer estrutura de governo democrático é administrar o País em favor do povo, que elege seus representantes com poder de agir conforme essa atribuição. Ingenuidade à parte, pois é próprio da natureza humana visar sobretudo aos interesses pessoais, proponho, como medida preventiva para sanear o País, sem ferir a democracia, que os congressistas promovam a verdadeira reforma política, reformando nossa Constituição com introdução de “filtros”, cláusulas que impeçam a chegada ao poder de pessoas não qualificadas a prestar serviços desejados e que só possam ascender a cargos de maior hierarquia na medida em que tenham trilhado a carreira política sem saltos. Mais ainda, impediria que brasileiros sem qualificação e méritos ocupem cargos na administração pública, em todas as esferas e poderes.  Essa exigência nada mais é do que buscar uma eficiente e eficaz administração. Não permitir que mal intencionados, incompetentes e improváveis supostos salvadores da Pátria (enganadores) ocupem cargos públicos não afronta a democracia, mas a aprimora. Estaria, assim, vedada a eleição de “Tiriricas” e, por tabela, a nomeação de ministros e suas equipes sem nenhuma capacitação na área em que devem atuar. Isso é o que ocorre, normalmente, no mundo real das organizações e empresas. O País passa por uma grave crise, que é reflexo da falta de dispositivos de proteção contra não qualificados, desonestos e corruptos que todos conhecem. Além disso, a prática do estelionato eleitoral mediante contratação de ousados e antiéticos marqueteiros estaria contida.

 

Paulo Eduardo Grimaldi pgrimaldi@uol.com.br

Cotia

 

*

DEMOCRACIA E DESENCANTO

 

Eu ousaria unir os dois editoriais da edição de segunda-feira (28/9), “Democracia de resultados” e “Desencanto generalizado”. Durante o regime “de exceção”, expressão do dr. Ives Gandra da Silva Martins, também se votava, e alegam que não havia democracia plena. Hoje votamos de dois em dois anos. E daí? Temos democracia plena? A má educação política dos latino-americanos em geral e dos brasileiros, em particular, causa a espera do eterno salvador da Pátria que lhes melhore a vida. Qualquer populista se serve disso. Por isso a prioridade número 1 do País deve ser um forte investimento em educação. Aí, sim, daríamos um gigantesco salto na democracia brasileira.

 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

HERANÇA MALDITA

 

O morador de rua se instalou na porta da obra de construção de um edifício. A construção precisava terminar o trabalho de muro e calçada e foi conversar com o morador de rua, que pediu R$ 5 mil para sair dali. Chamaram o Serviço Social, que foi até lá e, depois de muita conversa, não chegou a um acordo para mudar de lugar o morador de rua, mas levou os seus pertences para um depósito. Dois dias depois, o engenheiro ficou até mais tarde na obra e, quando estava saindo, deu com o porteiro roubando os tubos de cobre e entregando ao morador de rua. O engenheiro chamou a segurança da construtora e o porteiro foi demitido. No dia seguinte à demissão do porteiro, apareceram o sindicato e o sindicalista chefe, falando português quase incompreensível, dizendo que ou se resolvia a situação e se ajeitavam umas coisas no sindicato ou parava a obra. O engenheiro considerou aquela uma situação até que tranquila, já que há obras grandes onde engenheiros só conseguem trabalhar acompanhados por seguranças. Não posso dizer que nunca antes neste país de todos nós ouvi histórias como essa, mas posso afirmar que não me lembro de ter recebido uma herança tão maldita.

 

Arturo Condomi Alcorta arturoalcorta@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PT NA PRESIDÊNCIA

 

10 de fevereiro 1980. Fundava-se o PT, Partido dos Trabalhadores, sob liderança de Lula. Objetivo principal: alcançar o poder maior. 23 anos depois, Lula é eleito presidente do Brasil. Seu primeiro mandato (2003/2006) transcorreu sem registro de decisões importantes, salvo as de interesse do partido. Reeleito para o segundo mandato (2007/2010), teve sua pretensa qualificação de “partido ficha limpa” maculada pelo crime do mensalão engendrado por José Dirceu e José Genoino, cuja condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) resultou na prisão temporária da dupla. A atual presidente, Dilma, designada por Lula, cumpre o 12.º ano de poder do PT, que pode se prolongar por novo mandato de Lula em 2018. As próximas eleições de outubro de 2016 representam um patético desafio ao eleitor: subordinação centralizada ou mudança radical para um governo democrático.

 

Alcides Benjamin Porcaro porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

 

*

MONÓLOGO DE INVERDADES

 

Em solenidade da ONU, em Nova York, a presidente Dilma se ateve a tagarelar sobre questões internas para um público que não lhe dava a menor atenção. Diante de assuntos sérios, como o impasse entre Barack Obama e Vladmir Putin quanto ao ditador sírio Bashar al-Assad, nossa governanta protagonizou um monólogo de inverdades. A começar pela afirmação de que o atual governo brasileiro jamais tolerou a corrupção, uma lorota de conhecimento mundial. Dados os valores e a complexidade do esquema de desvios, é sabido que o que se instaurou nos últimos anos no Brasil foi um projeto criminoso de poder. Em seguida, cantou as glórias da imparcialidade do julgamento dos casos de corrupção. É mesmo, presidente? Então como explicar o fato de o grande adversário do governo receber uma bomba sempre que o Planalto balança? Coincidência? Depois, prezou pela liberdade de imprensa. Jura? E quanto ao projeto de “regulamentação da mídia” proposto pelo seu partido? E sua tara ideológica pelos governos totalitaristas de esquerda? E, para fechar com chave de ouro, Dilma apontou o cenário externo como principal fator do desequilíbrio das contas públicas e da já nascente crise cambial no Brasil. Tudo isso, é claro, entrava por um ouvido e saía pelo outro dos governantes presentes.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

PUTIN, O DESAGREGADOR

 

Vladimir Putin é um homem diabólico. Obscuro como a maioria dos órfãos da URSS, procura desagregar ao invés de ajudar. Tudo em busca de holofotes, de poder e de uma tentativa de revanche contra os EUA, por os americanos terem “sobrevivido” à guerra fria, enquanto sua antiga nação bolchevique pereceu. Bashar al-Assad é um tirano, como disse Obama. Isso é inquestionável. Defender o ditador sírio é beirar a loucura ou solidarizar-se com a baioneta. Há dois males na Síria: Assad e o Estado Islâmico (EI). E ambos devem ser erradicados. Apoiar Assad – como quer Putin – para derrotar o EI é apenas limpar um mal para manter outro. Putin deveria ter ficado lá, em seu país. Trazer a discórdia para o Ocidente e tentar se impor como “chefe da situação” – a fim de perpetuar seus próprios interesses maléficos – é algo deplorável!

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br 

Porto Feliz

 

*

RINDO A VALER

 

Intrigante a foto da capa do “Estadão” de terça-feira, com Obama segurando firmemente Dilma pelos braços e ambos rindo para valer na ONU. Imagino o seguinte diálogo, com Obama afirmando: “Bom trabalho, Dilma, conseguiu quebrar uma das maiores economias do mundo, agora vamos lá comprar tudo a preço de banana”. E Dilma responde: “Me deu mais trabalho que quebrar uma loja de R$ 1,99, mas eu consegui. Quem disse que eu sou incomPeTente?”.

 

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PT E A CRISE

 

O Partido dos Trabalhadores (PT) criou a crise que o Brasil vive hoje. A consequência quem sofre é o povo. Foi premiado com desemprego, alta da inflação, aumento dos combustíveis, da energia elétrica e dos juros. Está difícil de colocar três refeições à mesa, mas na Casa de Irene, a crise não tem importância alguma. A presidente está imbuída na tarefa de comprar apoio dos peemedebistas para se salvar do impeachment. Como todo homem tem seu preço, acertados os preços, os ideais são os mesmos. Triste o país que se deixa enganar por velhas raposas. Somos todos responsáveis por esta gama de políticos que estão no poder apenas pensando em seus bolsos. Isso explica certos parlamentares com de cinco a dez mandatos. Se são ruins e continuam lá, devem pensar, o povo gosta de sofrer e nós vamos aproveitar o mandato para “enricar”.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

SEM REMÉDIO

 

Esta era petista, como inicialmente prometida, deveria ser mais do que um remédio para todos os males da sociedade brasileira, mas é um perfeito conto de fadas. Com a reluzente chegada de ex-metalúrgico ao poder, o governo como jamais visto antes na história deste país, “ad aeternun”, iria garantir o bem-estar social ao povo brasileiro. Mas não deu certo. Que pena! Ocorre que a varinha mágica de Lula estava programada para abrir (como ocorreu) os cofres das nossas estatais, oferecendo a seus camaradas e aliados ilimitada condição de desvios de recursos públicos. E também para eleger e reeleger a “fada poste” Dilma Rousseff. E essa presidente, agora, que impiedosamente arruinou as nossas contas públicas, em 2016 vai acabar com os até 90% de desconto nos medicamentos do programa da Farmácia Popular. Dos R$ 578 milhões que serão gastos neste ano no citado programa, para 2016 o governo Dilma, no Orçamento da União, não contempla um centavo sequer para oferecer medicamentos com preços acessíveis contra renite, colesterol, mal de Parkinson, glaucoma, fraldas geriátricas, etc. E o doente que se vire e se dane...  Ora, por que não reduzir em R$ 600 milhões, do R$ 1 bilhão, o que o Planalto distribui a fundo perdido (e sem fiscalização) aos sindicatos dos trabalhadores do País, a fim de manter os benefícios aos pacientes que tanto necessitam dos citados medicamentos? Mesmo porque, esses sindicatos utilizam este R$ 1 bilhão, que é dos contribuintes, somente para promover e prejudicar o povo brasileiro com greves intermináveis e de meses de duração nas universidades federais, na Previdência Social, nos Correios, etc., etc. Mas Dilma não tem coragem para enfrentar esses sindicalistas amigos do Planalto, e perversamente seu governo reduz milhões de matrículas do Pronatec, do financiamento do Fies, acaba com o Ciência Sem Fronteiras, não constrói as creches prometidas em campanha, abandona obras de infraestrutura, gera desemprego, alta da inflação, etc. E, com a grave recessão econômica e a corrupção que ajudou a promover, humilha a nós, brasileiros, e denigre a imagem do País perante a comunidade internacional. Este governo não tem remédio.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

COMO NO SETOR PRIVADO

 

Há uma sociedade anônima de capital aberto que vem apresentando péssimos resultados: prejuízos, aumento dos juros pagos, queda do valor das ações nas Bolsas, subsidiárias com roubos denunciados por diretores, etc. Para se manter no cargo, a CEO cria planos inviáveis e há acusações de balanços falsificados. O que aconteceria? Haveria uma reunião dos membros da diretoria e ela seria afastada e substituída por outro diretor competente, interno ou externo. No Brasil acontece o mesmo: a CEO é Dilma e a diretoria é o Congresso Nacional, que pode afastá-la via impeachment e substituí-la por Michel Temer ou convocar novas eleições. Esperamos que essas medidas se concretizem.

 

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

 

*

PADRÃO FIFA

 

O padrão Fifa foi vendido ao mundo como um insuperável modelo de gestão. Parece que, inebriado pelo poder, seu condutor se perdeu e, agora, o padrão de excelência chafurda num mar de lama. Em Pindorama, o mar também não está para peixe: uma presidente que se agita sem sair do lugar; evidências diárias de recebimento de propina indicando participação de líder do Congresso e outros políticos mais, sem que estes deixem seus cargos e prerrogativas. São blindados por um sistema em que detentores de foro privilegiado serão julgados por juízes sabatinados e confirmados em suas indicações por congressistas que eventualmente terão de julgar. O modelo político mostra-se esgotado, tal qual o econômico. O padrão Fifa não tem mais credibilidade. O tupiniquim, menos ainda. A prioridade na mudança da condução econômica que afeta todos imediatamente não invalida a busca por uma mudança no sistema/modelo de se fazer política neste país.

 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

 

*

ENFIM OPOSIÇÃO

 

Esperança renovada agora, que surgiu de fato uma oposição ao atual governo – pelo menos manifestada claramente na propaganda eleitoral do PSDB. Ainda assim, faltam muita veemência nessas manifestações e, principalmente, ideias e propostas para solucionar os problemas criados nestes 13 anos de PT. Já chega dessa gente.

 

José Luiz Tedesco wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio

 

*

OPOSIÇÃO NECESSÁRIA

 

PSDB: finalmente um programa de oposição. Sem medo de mencionar os erros do PT.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

 

*

PROGRAMA DO PSDB

 

Vamos denunciar esta mentira! Este programa do PSDB, com FHC, Serra, Aécio e Alckmin, foi feito na medida para os desmemoriados e alienados. FHC por oito anos comeu na mão de ACM, do PFL, e deu dois ministérios ao PMDB de Temer, para enterrar a CPI da reeleição, comprada, denúncia da qual se tem provas, testemunhas e vídeos. No seu tempo havia dólar paralelo, apagão, fome, miséria e muito mais desemprego. O Fundo Monetário Internacional (FMI) mandava aqui, a dívida interna cresceu dez vezes e as estatais foram “vendidas” aos amigos com financiamento do BNDES. Quem já fez fará de novo. A corrupção rolou solta, e o custo disso passa de R$ 200 bilhões. A folha corrida desta gente, se fosse investigada à luz da teoria do “domínio do fato”, faltaria cadeia. Fora bicudos e achacadores, farsantes e imorais, atores mentirosos e inescrupulosos. Quem conheceu seu governo não pode aceitar tanta mentira e manipulação. Por que não se calam? Mas, como disse S. Pio X, “preocupante não é a audácia dos maus, mas o silêncio dos bons”.

 

Wilson Ronaldo de Oliveira wilsoncidadaocuritibano@gmail.com

Curitiba

 

*

EU E A NASA

 

A Nasa descobriu água salgada em Marte. Eu descobri água na torneira de casa. Água da Sabesp. Aproveitei e completei o tanque do limpador do visor principal do meu disco voador. Água em Marte qualquer um encontra...

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

ÁGUA EM MARTE

 

A descoberta de água em Marte abre uma alternativa para quem vive em São Paulo. Mas, quando a gente lembra que Marte é o Planeta Vermelho, aí não; vermelho, não. Chega!

 

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

 

*

VIOLÊNCIA NO RIO DE JANEIRO

 

Tão lamentáveis quanto os arrastões ocorridos nas praias do Rio de Janeiro recentemente são as atitudes discriminatórias e preconceituosas praticadas contra jovens negros e pobres. Por aí se vê o apartheid social que ainda temos no Brasil. As praias são espaço público por excelência. Democráticas e abertas, para desfrutá-las basta um calção de banho, biquíni ou maiô. Nelas, há o encontro de ricos e pobres, de todas as classes sociais, religiões, tendências políticas, livremente. Por isso os arrastões são uma aberração, uma violência inaceitável, que fere o direito de ir e vir das pessoas e a convivência pacífica e harmônica no espaço público, aberto, livre e democrático. Arrastão nada mais é do que roubo qualificado pelo concurso de agentes, ou seja, um crime grave e violento, que requer punição severa e imediata. Cabe ao Estado proteger a população, identificar e punir os criminosos, e não agir de forma preconceituosa e discriminatória, na base da criminalização da pobreza.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PREFEITO ESTÁ DESOCUPADO?

 

O prefeito da cidade do Rio de Janeiro é mesmo um brincalhão. Eduardo Paes acha que os problemas de segurança da cidade são divertidos, a falta de leitos hospitalares não passa de uma folia, as escolas em péssimo estado são um entretenimento para as crianças e o transporte urbano da capital fluminense é uma galhofa. Paes largou o gabinete de prefeito e foi se divertir dirigindo um táxi pela cidade. Este malsucedido prefeito não tem trabalho sério para fazer? Este inconveniente motorista custa muito caro para os contribuintes. Este político desastrado e despropositado não tem o menor senso de ridículo.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte (MG)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.