Fórum dos leitores

PARCERIA TRANSPACÍFICO

O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2015 | 02h55

O maior pacto da História

O Estadão noticia o maior pacto comercial da História, fechado por 12 países, entre os quais Chile e Peru. Nosso governo não teve interesse em se dedicar à inclusão do Brasil nesse acordo, que seria um passo imenso para retornar ao crescimento e ao bem-estar da população, porque passou o tempo todo praticando uma política baixa e mesquinha com o intuito de se manter no poder, esquartejando o País para entregar os nacos em troca de mais algumas horas de sobrevivência. É terrível ver como decaímos nestes anos todos nas mãos do PT e seus aliados de ocasião!

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

Brasil assombra o mundo

O Brasil vai responder à criação da Parceria Transpacífico (TPP) com a criação de um pacto com o que restou do finado bloco comunista: Coreia do Norte, Venezuela, Cuba, Irã e as ditaduras africanas. A China declinará do convite, claro. Uma vez formado o bloco, os países-membros poderão trocar cestas básicas, armamentos obsoletos e camisetas do Che Guevara.

MÁRIO BARILÁ FILHO

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

CPMF é o que interessa

Ao afirmar que para nós a aprovação da CPMF é muito mais importante que o acordo entre os EUA e mais 11 países, Joaquim Levy (ministro da Fazenda) confirma que só faz o jogo que interessa ao governo para poder se manter no cargo a que foi alavancado como mero cartão de visitas. Com essa declaração, tenta esconder o total desinteresse e a incompetência do governo do PT em integrar o Brasil ao comércio internacional, em favor de um incipiente comércio entre os pobres países integrantes do Mercosul bolivariano.

FREDERICO FONTOURA LEINZ

fredy1943@gmail.com

São Paulo

No mundo de Poliana

Enquanto o País contabiliza o prejuízo bilionário do petrolão, vê figurões da República às voltas com a Justiça, debate as pedaladas fiscais de Dilma, perde o grau de investimento, aumenta impostos, fecha indústrias e postos de trabalho, despenca no ranking de produtividade, exuma a detestável CPMF, convive com inflação de 10%, assiste à dívida pública explodir, discute (ainda!) a idade mínima para aposentadoria, não contém o Orçamento dentro do PIB (cadente!) e vê o real perder valor ante o dólar, olhamos pela janela e... surpresa! Lá estão, EUA, Japão e mais dez países – alguns vizinhos nossos, todos em situação muito melhor que o Brasil – olhando para a frente e formando a Parceria Transpacífico (TPP), um mega-acordo comercial envolvendo 40% do PIB mundial. Mais um bom negócio do qual ficamos de fora, já que para o Brasil petista negócio bom é o feito com Cuba, Palestina, Egito, Venezuela, Argentina... Enquanto os países responsáveis pensam grande, trabalham por acordos multilaterais, derrubam barreiras alfandegárias e não tarifárias, ampliam as cadeias de valor, melhoram a logística de transporte, etc., estamos nós, aqui, aferrados ao finado Mercosul e discutindo a quadratura do círculo. Ainda assim, e por incrível que pareça, o que não falta é Poliana achando que com esse tipo de mentalidade temos boas chances de dar certo. De ilusão também se vive.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

PEDALADAS NO TAPETÃO

Quem não deve não teme

Perguntar não ofende: se as pedaladas fiscais da presidente Dilma são legais (mesmo sendo imorais), por que pagou essa alta “propina” ao PMDB e qual é o objetivo dessa frenética tentativa de adiar o julgamento de suas contas? Com tanta energia consumida nessas “manobras radicais”, ela tem algum plano para tirar o Brasil do atual precipício?

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Ofensa descabida

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), segundo se noticia, ofendeu o ministro Augusto Nardes, do TCU, chamando-o de golpista. A nosso ver, a senadora carece de autoridade moral para julgar quem quer que seja, uma vez que sacou R$ 1 milhão em espécie no caixa de um banco para financiar sua campanha eleitoral. A origem desse dinheiro até hoje não foi explicada.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Baixaria habitual

Desconstruir o opositor com mentiras é a tática petista de sempre. No mensalão nem o STF escapou da ofensa, “tribunal de exceção”, lembram? Dessa forma, a nobre senadora Gleisi foi escalada para desqualificar o ministro Nardes. Trata-se da baixaria costumeira, orquestrada com o discurso dos ministros Cardozo e Adams. Não há nenhuma novidade nesse comportamento. Na verdade, a questão é outra e bastante simples. A Lei de Responsabilidade Fiscal considera crime o empréstimo de bancos oficiais ao governo federal. Dilma cometeu esse crime e deve ser julgada por ele, já que todos são iguais perante a lei. O resto é contrainformação.

CLODER RIVAS MARTOS

closir@ig.com.br

São Paulo

Rodriguiana

Ao ler no Estadão o escatológico pronunciamento da senadora petista Gleisi Hoffman sobre o affaire Planalto x TCU, juro que ouvi Nelson Rodrigues sussurrar no meu ouvido esquerdo: “Bonitinha, mas...”

ALEXANDRE DE M. MARQUES

ammarques@uol.com.br

São Paulo

Monomania

Impeachment? Golpismo! Rejeição de contas da Presidência? Golpismo! Imprensa livre e independente? Golpismo! Prisão e condenação de dois companheiros tesoureiros? Golpismo! Panelaço? Golpismo! Rebaixamento no rating de agências avaliadoras de crédito? Golpismo! Denúncias de corrupção no governo? Golpismo! Manifestação de milhões de brasileiros contra os desmandos na área federal? Golpismo! Petista antes de dormir procura golpistas embaixo da cama e atrás da cortina.

LUCIANO AMARAL JR.

lucianoamaral@lucianoamaral.combr

São Paulo

PRÊMIO NOBEL

Parasitas

Quando vi a manchete nos jornais mencionando que um honroso trio de cientistas descobriu uma forma de combater parasitas, fiquei feliz e pensei: agora, sim, temos uma real perspectiva de resolver nossos problemas em Brasília. Mas trata-se do combate à “cegueira dos rios” e elefantíase. Bom, já é alguma coisa.

FLAVIO CARLOS GERALDO

madflavio@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

GOVERNO DILMA X TCU

 

Depois de ter adiado a análise das contas do governo de 2014 e de dar 30 dias para dona Dilma Rousseff explicar as “pedaladas fiscais”, o Tribunal de Contas da União (TCU) é surpreendido com o pedido para destituir o ministro Augusto Nardes da relatoria do processo de análise dessas contas. A ofensiva trapalhona dos ministros da Advocacia-Geral da União, da Justiça e do Planejamento faz crer a todos que o governo não conseguiu reunir nenhuma prova da inocência da “incompetenta presidenta”.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

A ÚLTIMA CARTADA DE DILMA

 

Golpe à vista! Depois de dois adiamentos solicitados pela defesa de Dilma, e aceitos pelo TCU, o Planalto agora tenta mais uma cartada, antes da fatal. O objetivo é suspender o julgamento do crime das pedaladas fiscais pelo Tribunal de Contas da União, marcado para hoje. Com isso, querem empurrar com a barriga esse julgamento, como se os ministros do tribunal fossem serviçais do petismo. E o motivo que alegam é que o relator deste processo, Augusto Nardes, proferiu e tornou público por várias vezes o seu voto e, no caso, recomenda aos demais membros do TCU a condenação da presidente, que fez uso ilegal das “pedaladas fiscais”. Dilma, no lugar de buscar subterfúgios na tentativa de se manter no poder, deveria pedir desculpas à Nação e renunciar imediatamente, porque pedalou a alta da inflação, do desemprego e ainda arruinou a nossa economia. Ou seja, ela já está condenada.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

BRASIL BOLIVARIANO

 

Contestar tudo e todos, inclusive nos tribunais técnicos e no Judiciário. Enxergar golpe em toda cobrança de malfeito. Este é o nosso (des)governo. Estamos cada vez mais próximos da Venezuela, e não estou falando em distância.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

ESCLARECIMENTO

 

Três ministros foram escalados para justificar o pedido de afastamento do relator do processo das “pedaladas ficais” no TCU. O advogado-geral da União foi austero: “Nós estamos falando de magistrado que se submete a regras estritas de comportamento que devem ser observadas, e... (hesitação) deve ser feito porque é a forma de garantir a imparcialidade do tribunal”. Cabe esclarecer ao senhor Luís Inácio Adams que, se tivéssemos no governo quem abraçasse regras estritas de comportamento, as contas da presidente já teriam sido rejeitadas.

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

DESESPERO

 

A desesperada tentativa do governo de calar o TCU por meio do afastamento do relator do processo que deve reprovar as contas da presidente Dilma não deve prosperar. O argumento é pífio, o mundo inteiro já sabe que as contas deste governo não fecham – tanto é que o País até perdeu o grau de investimento. A ofensiva de Dilma conta com os ministros da Justiça e o do Planejamento, além da Advocacia-Geral da União, todos escancaradamente a favor do governo e contra o Brasil. Se Dilma tivesse se lembrado de colocar o incansável Mercadante para comandar o TCU, ela estaria tranquila e suas contas seriam aprovadas com louvor.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

GLEISI HOFFMANN E O GOLPISMO

 

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) chamou o juiz Augusto Nardes de “golpista”. Senadora, golpista é a senhora, que amealhou alguns milhões de reais, de maneira obscura, para sua campanha eleitoral. Golpista é quem engendrou no Supremo Tribunal Federal (STF) a retirada das ações contra a senhora que estavam no âmbito de ação do juiz federal Sérgio Moro. Golpista é sua chefe, a “gerentona”, ao encontrar às escondidas o presidente do STF em Portugal sabe-se lá com que propósito. Golpista é “elle”, o Napoleão de Garanhuns, que retoma o poder ao verificar que a Operação Lava Jato está se aproximando perigosamente dele. O eleitor não é o idiota que a senhora e sua trupe pensam que seja. Golpistas são aqueles que estão fazendo de tudo para se manter no “pudê”, senhora quase ex-senadora.

 

Cesar Araujo cesar0304araujo@gmail.com 

São Paulo

 

*

NO TAPETÃO

 

O governo federal, vendo que as contas da presidente Dilma Rousseff têm tudo para serem reprovadas, convocou a tropa de choque do Palácio, incluindo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), para, numa manobra, tentar tirar a relatoria do ministro Augusto Nardes, que sugeriu a desaprovação das contas de 2014. Isso se chama “tapetão”. Aquela história de que fariam “o diabo” continua...

 

Pedro Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Ribeirão Bonito

 

*

DE GOLPES

 

A Advocacia-Geral da União, que defende Dilma e o PT, quer ganhar no tapetão contra a votação das pedaladas de 2014. Isso, sim, é dar o golpe!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

O POVO MERECE SABER

 

Já que outros governos também usaram do artifício político econômico das “pedalas fiscais” para encobrir erros (rombos) contábeis das contas públicas, que todas as planilhas das pedaladas dos governos anteriores (Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff) sejam demonstradas publicamente (R$ 1 milhão é diferente de R$ 40 bilhões, contudo, são atos criminosos igualmente, em se tratando de pedaladas fiscais). Que a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES informem os subsídios repassados ao governo federal: quanto, quando e onde. O povo merece saber das contas públicas (compra de votos deve ter outro nome nas planilhas, com certeza).

 

José Penteado Neto jsopnx@gmail.com

Araraquara

 

*

IRRESPONSABILIDADE FISCAL

 

É vergonhosa a ação movida pela Advocacia-Geral da União contra o relator da análise de contas do governo federal do ano de 2014, ministro Augusto Nardes, sob a tutela do Ministério do Planejamento, do Ministério da Justiça e, em última instância, da Presidência da República, sob responsabilidade da Exa. Sra. Dilma Vana Rousseff. É importante recordarmos que o desacordo com as contas públicas tornou-se evidente desde os primeiros apontamentos relativos à queda de confiança dos investidores brasileiros nos anos de 2013 e 2014, culminando, na contramão do que foi abarcado pela candidata do Partido Trabalhadores (PT) em sua campanha eleitoral no ano passado, em medidas de ajuste fiscal que incluem aumento da taxa básica de juros, fim da desoneração de serviços estratégicos, propostas de aumentos de tributos, congelamentos de salários de servidores públicos e cortes em programas sociais do governo federal. Tal contexto explicita uma delicada situação econômica no Brasil, que redobra a atenção da opinião pública no trabalho das autoridades nacionais. Em 24 de novembro de 2014, na tentativa de adequar o orçamento federal à Lei de Diretrizes Orçamentárias, as bancadas de situação e do Partido Socialismo e Liberdade aceitaram o parecer da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional, de aprovar o PLN 36/2014, proposto pela Presidência da República, modificando o balanço de gastos do governo a partir de contabilidade criativa. Tal ato, embora não ilegal, por si só demonstra alto grau de irresponsabilidade contábil. Mais escandaloso, porém, foi o fato de a aprovação ter sido artificialmente atrelada ao recebimento de verbas pelos parlamentares a partir de liberação do Poder Executivo – fato amplamente denunciado pela imprensa, que ficou conhecido como Natalão, em alusão aos esquemas de corrupção dos governos brasileiros entre os anos de 2003 e a atualidade (mensalão, petrolão e eletrolão). Sob esse contexto estarrecedor, e da revolta popular causada por essas ações, entre elas uma grande passeata na Avenida Paulista, no município de São Paulo, em 6 de dezembro de 2014 (embrião para os protestos nacionais de 15 de março, 12 de abril e 16 de agosto desse ano), chegamos às questões dos empréstimos concedidos pelos bancos públicos à União no ano passado, em contradição clara à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De forma não corriqueira, o Tribunal de Contas da União (TCU) apresentou pedidos de resposta durante três ocasiões nesse ano. Além da tentativa do governo de constranger o tribunal e o Congresso Nacional com denúncias vazadas na imprensa contra os julgadores das contas, agora, sob o comando dos ministros de Estado Luís Inácio Adams, José Eduardo Cardozo e Nelson Barbosa, apresenta-se queixa contra o relator da ação na tentativa de retardar o processo de julgamento de contas, já suficientemente atrasado. É com grande repúdio que a sociedade organizada recebe esse frontal ataque ao Estado de Direito. Apresento, aqui, minha solidariedade ao ministro Augusto Nardes e espero, em primeira análise, a rejeição da ação movida pela União por parte do ministro-corregedor e, em segunda análise, o cuidado com o julgamento das contas pelo presidente do TCU e pelas lideranças competentes do Congresso Nacional e seus respectivos colegiados, da qual esperamos sua reprovação. Não haverá sanidade nas contas públicas enquanto tais práticas não forem coibidas! O Brasil precisa de sua atenção!

 

Leonardo Sartori Menegatto leonardomenegatto@gmail.com

Americana

 

*

PEDALADAS LEGAIS

 

A Advocacia-Geral da União  está pedindo o afastamento do juiz Nardes do julgamento que pode levar ao pedido de impeachment da presidente. Isso por ele ter dado sua opinião sobre o caso. Quer dizer que opinião virou algo mais grave do que os erros da denunciada? Only in Brazil…

 

Mario Alves Dente dente28@gmail.com

São Paulo

 

*

A BATALHA FINAL

 

O Partido dos Trabalhadores (PT) tem o processo de defenestração de Dilma Rousseff como o xeque-mate num governo que, antes de ganhar a primeira eleição presidencial, já tinha desenhado o projeto do grande saque nacional. Quando o governo se apavora com o julgamento das suas contas de 2014 pelo Tribunal de Contas da União (TCU), é como uma confissão de culpa que abrirá caminho para uma repetição do processo de Fernando Collor. Que saiam, e ao som de “foi um rio que passou na minha vida”, de Paulinho da Viola.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

ATAQUE À DEMOCRACIA

 

Foi repugnante a atitude tomada pelo governo Dilma de pressionar o julgamento das suas contas de 2014 pelo Tribunal de Contas da união (TCU). Sob o pretexto de violação da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), o Planalto tentou adiar o julgamento do caso e, em última instância, taxar como golpista um suposto complô entre oposição e TCU. Vendo que nem o mais miraculoso argumento de defesa criado pela Advocacia-Geral da União (AGU) surtiria efeito, Dilma deu aval aos seus ministros, como ela mesma gosta de dizer, para fazerem “o diabo”. Agora, o ministro e relator Augusto Nardes entra no seleto grupo de magistrados (ao qual pertencem Sérgio Moro e Joaquim Barbosa) que, no exercício de suas funções, “bateram de frente” com o projeto criminoso de poder. Nardes afirmou em entrevista à Rádio Estadão na quinta-feira (1/10) que temia pela possibilidade de o Brasil se tornar uma Grécia. Eu discordo, ministro. Meu medo é vê-lo transformar-se numa Venezuela chavista.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

AS ARMAS DO PT

 

O PT não conseguiu negar o óbvio. Em vez de se defender de suas graves pedaladas fiscais, que enganaram a Nação e prejudicaram o País e a todos os brasileiros, partem para o ataque com o propósito de desmoralizar, intimidar e questionar as verdades e aqueles que as buscam. Lançam mão de suas armas. A dissimulação, as mentiras, sofismas e outras mais que já tiraram muitos outros de cena. Agora foi a vez do ministro Nardes, do TCU. Questionam o seu comportamento. Se não está defendendo o PT, não serve. Este é o DNA autoritário do PT, que teve origem nos treinamento de guerrilha em Cuba e nos porões dos sindicatos selvagens do ABC, onde valia tudo, até sabotar carros para conseguir os seus intentos. Em vez de contra-argumentar, eliminam o seu acusador.

 

Manoel Sebastião de Araújo Pedrosa link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

 

*

PEDALADAS FISCAIS

 

O governo assume: é ilegal, mas o TCU errou. Quanto à imoralidade, não se discute, se pratica, como nunca antes neste país.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

SIMPLES ASSIM

 

A conclusão neste “affair” TCU x governo quanto às pedaladas fiscais é que quem não deve não teme. Simples assim!

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

O GOVERNO DEVE

 

Agora o PT quer cancelar o julgamento pelo TCU das contas fajutadas de Dilma em 2014. Isso por conta da manifestação do ministro Augusto Nardes de maneira prévia. Governo fajuto tem medo da verdade, pois, se nada devesse, não faria todas estas manobras ilícitas com o intuito de livrar a cara de Dilma e seus asseclas corruptos, incluindo Luis Inácio Adams, da AGU. Governo corrupto e fajuto que quer continuar enganando a tudo e a todos age dessa maneira para se manter no poder e, assim, continuar roubando todo um povo espoliado. E ainda vem o novo ministro da Saúde, Marcelo Castro, querer a CPMF “ad aeternum” e cobrada em dobro, mostrando sua estirpe de assaltante, como já era de esperar de tal “nobre” e “inteligentíssima” figura.

 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

 

*

UMA DOSE DE VERGONHA

 

Senhora presidente Dilma e Advocacia-Geral da União, uma, a personificação da desfaçatez; outra, a serviço dessa desfaçatez. Pequena dose de vergonha talvez extirpasse esse mal que aflige a Nação.

 

Lígia Maria Venturelli Fioravante lmfiora@uol.com.br

São Paulo

*

DECRETO

 

Governo edita decreto para evitar novas pedaladas fiscais. Não li o decreto, mas, pelo que eu entendi, deve ser algo mais ou menos assim: é proibido desrespeitar a lei.

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

 

*

A DESTRUIÇÃO DO REAL

 

A entrevista com Monica Baumgarten de Bolle (“Estado”, “A gente pode ir rápido para inflação de 20%”, 4/10, B4) foi reveladora, para não dizer assustadora. A situação da economia é tão grave que ela sugere que abandonemos a meta de inflação, com o consequente afrouxamento da política monetária, diga-se juros e, em decorrência, o estouro da inflação. A âncora passaria a ser feita através de uma banda cambial administrada. O risco é que teríamos uma corrida ao dólar com a consequente queima de reservas. Considerando a incompetência de Dilma e a falta de patriotismo reinante no Congresso, onde continua imperando o “toma lá dá cá”, caminharemos para um corralito ou para a destruição do real, em que R$ 100,00 passariam a valer NR$ 50,00 ou menos. Não era isso que o PT queria mesmo desde 1994? Destruir o real?

 

José Severiano Morel Filho morel@sunriseonline.com.br

Santos

 

*

DESESPERANÇA

 

Aqui, neste país, tudo pode, menos ser honesto. O desemprego violento afeta todas as classes sociais, freando a nossa economia e sufocando o nosso país. Somos uma nação humilhada pela corrupção, que deixa uma cicatriz enorme na historia do País. Mas ainda confio neste Brasil, que é maravilhoso e abençoado.

 

Walace Trajano Couto walace@supermad.com.br

São Paulo

 

*

A POSSE DOS MINISTROS

 

Na posse dos ministros reciclados e dos novos – raposas velhas –, Dilma Rousseff disse “temos um Brasil para governar até 2018”. Hein?! Não teria a “competentA” “governantA” se equivocado com o verbo?  Não seria desgovernar ou dilapidar?

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

ATÉ 2018?

 

A cada pronunciamento da “presidenta”, parece que estamos assistindo a um grande e verdadeiro Festival de Pastelão. É hilariante, com suas “abobrinhas”, já parecendo serem propositais, fazendo com que até estudantes de ensino médio passem a gozar daquela que deveria ser mais a bem preparada pessoa para nos representar. Será que é isso que queremos para o nosso Brasil?

 

Ricardo Guilherme ricardoguilherme88@gmail.com

Monte Alegre do Sul

 

*

O MINISTÉRIO ‘DE LULA’

 

O “nível” dos atuais ministros do governo Lula, digo, Dilma, com raras exceções, credencia com louvor Fernandinho Beira-Mar e Marcola para ocuparem um cargo de ministro. Ainda levam a vantagem de não serem procurados pelo FBI e pela Interpol quando viajarem ao exterior.

 

Oswaldo Baptista Pereira Filho oswaldocps@terra.com.br

Campinas

 

*

BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA

 

O mote escolhido pelo governo do segundo mandato da presidente Dilma foi “Brasil, Pátria Educadora”, para enfatizar a importância que a educação teria na administração federal. Slogans à parte, vejamos tudo o que aconteceu em matéria de educação nos primeiros nove meses do mandato da nossa “presidenta educadora”: 1)   já foram nomeados três ministros diferentes para o Ministério da Educação, sendo que dos três apenas o dr. Renato Janine Ribeiro, demitido por telefone, já atuava na área. Nem técnico de futebol tem mais volatilidade no emprego. 2)         O Ministério da Educação foi confiado ao senhor Aloizio Mercadante, como prêmio de consolação pelas trapalhadas que fez na Casa Civil e pela rejeição suprapartidária que conseguiu amealhar. 3) O Ministério da Ciência e Tecnologia, diretamente conectado ao planejamento da educação do futuro, foi entregue ao deputado Celso Pansera, ilustre bacharel em letras, cuja única ligação com a Ciência deve ter sido ter ganhado um kit de jovem cientista quando criança. Como todo brasileiro alfabetizado, manifesto total repúdio à leviandade com que dona Dilma trata a “Educação” e, consequentemente, o futuro do Brasil.

 

Luigi Petti luigirpetti@gmail.com 

São Paulo

 

*

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

 

Estou me sentindo um “João ninguém” depois de tomar conhecimento do nome do novo ministro escolhido a dedo pela presidente Dilma Rousseff para ocupar a pasta de Ciência e Tecnologia. Não acreditamos que a presidente Dilma não tenha tomado conhecimento da briga de foice que aconteceu na CPI da Petrobrás entre o deputado Celso Pansena e o doleiro Alberto Youssef. O Brasil todo viu quando Youssef, instigado por Pansena para dizer quem era o autor das intimidações que sofriam suas filhas, disse: “Olha, é Vossa Excelência”. Mais uma vez a presidente Dilma e seus seguidores jogam gasolina na fogueira. Acorda, Brasil!

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

 

*

MINISTÉRIO DA MICROEMPRESA

 

Foi lamentável acabar com o ministério da microempresa. Somos os maiores empregadores do País e o ministro Guilherme Afif Domingos estava fazendo um grande trabalho em prol do nosso segmento. Ficam, aqui, o repúdio e o descontentamento em nome de milhões de micro e pequenas empresas do País.

 

Odomires Mendes de Paula, presidente da Associação Brasileira das Micro e Pequenas Empresas odomires@abrampe.com.br

Uberlândia (MG)

 

*

O MINISTRO COMUNISTA

 

Humilhado, envergonhado e indignado ao extremo: eis como me sinto, brasileiro que sou. Nunca presenciei tantas barbaridades praticadas por este atual (des)governo. Mas minha indignação atingiu o ápice ao tomar conhecimento de que nomearam um comunista para chefiar o Ministério da Defesa. Não tanto pela nomeação, mas, sobretudo, pelo silêncio absoluto do oficialato. Como quem cala consente, o Brasil fica mais ainda desmoralizado e achincalhado graças a um silêncio inequívoco a demonstrar total subserviência à bandidagem dirigente desta pobre Nação. Falta pouco, após tal barbaridade, para substituírem o círculo de nossa Bandeira, trocando-o por outro, vermelho e com o dístico “República Bolivariana Soviética do Brasil”. Estamos perdidos – e não há suficientes salva-vidas para todos.

 

Floriano Sérgio Pacheco fpacheco3@gmail.com

Águas e Sta. Bárbara

 

*

REFORMA MINISTERIAL

 

O descaso e a falta de comprometimento do governo Dilma-Lula com a educação e a saúde dos brasileiros podem ser resumidos em duas frases: no governo Dilma-Lula, quando um ministro é rebaixado, vai para a Educação. E, num governo esquizofrênico, o ministro da Saúde só poderia ser um psiquiatra.

 

Jose Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto

 

*

LUTO NO ENSINO

 

Aloizio Mercadante, ministro da Educação da ex-Pátria Educadora. Se o PT não tiver um menos pior que ele, acabem com o partido. É o fim da picada.

 

Roberto Hungria angelinah13@bol.com.br

Itapetininga

 

*

‘OS BRASILEIROS NÃO MERECEM’

 

Como bem disse a professora Suely Caldas seu artigo no “Estadão”, “Os brasileiros não merecem” (4/10, B2). De fato, para salvar Dilma, seu governo foi reduzido a pó. Dilma não preside o País, e, sim, Lula. Dilma não governa, e, sim, Lula e o PMDB. Na reforma ministerial, o que se viu foi um ministério medíocre, formado por pessoas incompetentes e de nenhuma credibilidade. Paralelamente a isso, milhões de brasileiros estão ao relento e o desemprego e a inflação tiram o sono de todo trabalhador. Com que cara este governo, que se dizia governar para o povo, vai conquistar a confiança de quem vem sentindo na pele o preço da irresponsabilidade de se governar apenas tendo em vista a perpetuação no poder? A reforma ministerial de Dilma terá efeito Cinderela, quem viver verá.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA COMANDA

 

Brasil sob nova direção. O “volta Lula 2018” foi antecipado para 2015. O “PR” está no comando.

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

VAI, DILMA!

 

Dilma’s Delivery: o governo ela já entregou, agora só falta entregar o cargo.

 

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

 

*

E AGORA?

 

O.k., Lula, o senhor acertou a situação de Dilma, agora quem vai acertar a do País?

 

Paulo Celso Biasioli pcbiasioli@yahoo.com.br

Limeira

 

*

PMDB JUDAS

 

Bastou que o governo acenasse com “30 dinheiros” para que o PMDB voltasse as costas para o povo e, agora, passe a apoiar a criação da CPMF. Um ministério a mais e pronto. Compramos todo o PMDB. Outro político, na sexta-feira, declarou que a CPMF deve ser votada logo para evitar “desgaste político” dos deputados e senadores. Entenda-se: “eu voto a favor agora e, até as próximas eleições, o povo idiota já se esqueceu e incorporou o novo imposto, então poderei ser reeleito”. E ainda um ministro recém-empossado declarou que a CPMF deveria ser cobrada no crédito e no débito? Isso é o fim do mundo, já que o fim do Brasil já foi há muito tempo.

 

Fabio Orbite inforbite@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

REDE SUSTENTABILIDADE

 

Ao ler a matéria da página A12 do “Estadão” de domingo (4/10) e ver quem são os integrantes do partido de Marina Silva – a Rede Sustentabilidade –, comprovamos que a agremiação é um arranchado de ex-petistas e extremistas de esquerda que perceberam que não iriam a lugar nenhum com esse tipo de bandeira. Eles descobriram que, sem o vermelho-sangue com a tríade estrela/foice/martelo, despidos de camisetas de Che Guevara e com uma logomarca que mais parece uma linha de produtos orgânicos, a Rede tornou-se palatável para os comensais de jantares oferecidos pelas socialites dos Jardins em São Paulo e da zona sul no Rio de Janeiro, que começaram a se interessar por política nas eleições de 2014, enquanto nos anos anteriores suas famílias nadaram de braçadas nas administrações petistas e normalmente celebravam figurões da legenda. Espertos são os “redianos” (ou será “sustentabilidianos”), que descobriram esse nicho de bocós, que, enquanto estavam viajando pelo circuito “Elizabeth Arden” (Nova York- Londres-Paris), tomavam champanhe e comiam caviar, ninguém se interessou em questionar de onde vinham os recursos para pagar seus luxos.

 

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

*

SEMPRE OS MESMOS

 

Com tantos parlamentares, de origens as mais diversas, entrando no Rede, o partido de Marina perde qualquer oportunidade de representar uma inovação na vida política brasileira. Sempre os mesmos, em todos os lugares!

 

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo

 

*

VOTO IMPRESSO

 

A usurpação eleitoral ultrapassou os limites da sem-vergonhice. A “incoPeTenta” presidente Dilma vetou o projeto que poderia significar o início da decência eleitoral com o voto impresso anexado à urna eletrônica. Por esse veto, ela abre a brecha para a continuidade da roubalheira eleitoral, pois a urna eletrônica é totalmente vulnerável. Vamos protestar contra esse veto, uma vez que o Congresso, prostituído, liberou o estelionato o eleitoral e não tomou nenhuma atitude após esse veto.

 

Edgard Salemi salemiarquitetura@uol.com.br

São Paulo

 

*

AS CONTAS SECRETAS DE EDUARDO CUNHA

 

O Ministério Público da Suíça confirmou que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) tinha quatro contas bancárias no país europeu. Além disso, garante que avisou o parlamentar sobre o congelamento de seus ativos. O banco suíço cumpriu a sua obrigação, mantendo Cunha informado sobre o que ocorre em suas contas e sua relação com a Justiça. Cunha utilizava empresas de fachada para esconder o seu nome nos registros bancários. O presidente da Câmara dos Deputados pode até conhecer gente influente aqui, no Brasil, mas para o governo suíço ele é apenas mais um corrupto tentando esconder o dinheiro recebido ilicitamente de empresas estatais brasileiras.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

QUANTO MAIS BATE...

 

Eduardo Cunha é aquela ferramenta que, quanto mais marretada recebe, mais abre brecha!

 

José Luiz Tedesco wpalha@terra.com.br 

Presidente Epitácio

 

*

CUNHA E O HULK

 

Quando o cientista dr. Robert Bruce Benner é provocado em demasia, logo se transforma no mostro verde Hulk e sai dando porrada e matando quem quer que seja à sua frente, amigo ou não. Com efeitos semelhantes agiu o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quando provocado, em março, na CPI da Petrobrás: logo se transformou num mostro enorme perante os olhos dos mais próximos, lacerando seu terno e gravata, rugindo em altos decibéis suas mágoas com muita sede de vingança. Passado um tempo, em que tomou algumas ações inusitadas com rompimentos e uniões importantes, trocando de lado ou deixando clara sua real posição, ainda em fase verdejante, parece estar agora voltando ao normal dr. Benner, sem tantas forças, menos hostil, agora olhando atordoado para trás, ao redor e perguntando: que “m...” eu fiz? Quando um amigo lhe diz: “Bem, vou tentar explicar começando por estas contas aqui na Suíça”.

 

Moacyr Ferrazzini Júnior moacyrferrazzinijr@uol.com.br

Guarulhos

 

*

QUE DINHEIRO É ESTE?

 

Eduardo Cunha devia fazer como Romário: ir até a Suíça buscar os US$ 5 milhões que estão dizendo que são dele, mas que ele nunca soube de onde apareceram.

 

Silvio Leis  silvioleis@hotmail.com 

São Paulo

 

*

PROCURA-SE

 

Procura-se o proprietário de US$ 5 milhões depositados em banco suíço. Quem o encontrar, favor comunicar aos brasileiros decentes e honestos.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

 

*

CONTAS SECRETAS

 

Maluf e Eduardo Cunha, quando abriram contas bancárias na Suíça, pensavam que fossem secretas. De pensar, morreram dois burros.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

DIREITO DE DEFESA

 

A situação do presidente da Câmara coloca seus aliados num beco sem saída. É que os interessados no afastamento da presidente Dilma se defrontam com as acusações que ele está sofrendo. E, por um mínimo de coerência, deveriam pleitear também que ele deixe  o cargo que ocupa. Mas o correto é que todo acusado tenha o direito de se defender. Esse é um procedimento adotado num país que prima pelo respeito ao direito do cidadão.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

 

*

‘DEFORMANDO A REALIDADE’

 

Excelente o editorial “Deformando a Realidade” (3/10, A3). Ciclovias vazias e faixas exclusivas de ônibus mal planejadas que aumentaram o número de atropelamentos são algumas das barbaridades implantadas pela Prefeitura paulistana. O rodízio de automóveis adotado em São Paulo seria aceitável, se fosse uma solução temporária. Administradores públicos assumiriam que cometeram erros e adotariam o rodízio como solução paliativa, que duraria pelo tempo necessário para corrigir esses erros, oferecendo transporte público de qualidade. Rodízio não é solução. Você conhece alguma cidade do mundo desenvolvido que adote rodízio de carros? Seria o caso de adotar rodízio de fornecimento de água de forma definitiva para “resolver” a crise hídrica? Rodízio como solução definitiva é atestado de incompetência passado em cartório. Da mesma forma, a redução excessiva de velocidade nas avenidas de São Paulo é uma demonstração da incompetência dos responsáveis pelo transporte de nossa cidade. Evidentemente, se diminuirmos para 10 km/h a velocidade máxima, os desastres e a gravidade destes serão reduzidos. Também caberão mais carros nas ruas porque o espaço de frenagem será bem menor. Um gênio propôs fechar de madrugada a via expressa das Marginais para evitar acidentes. Seria o equivalente a proibir viagens aéreas, pois uma certeza temos: nos próximos 12 meses algum desastre aéreo de maior ou menor dimensão infelizmente acontecerá. Creio que a redução de velocidade das vias expressas para 70 km/h não é tão dramática assim. Mas 50 km/h nas vias locais e em muitas avenidas é muito pouco. Isso sem falar em 40 km/h na Avenida Frederico Herman Junior. É ridículo. Ou ainda o caso do início da Avenida Brigadeiro Faria Lima, logo após a Pedroso de Morais, onde há um radar convenientemente escondido atrás de árvores, numa curva, com o limite de 40 km/h. A provável justificativa é de que existe uma escola próxima dali. Mas a justificativa é burra, pois a escola não fica neste lado da avenida, há grades protegendo uma ciclovia e que impedem pedestres de atravessarem a avenida e existe um farol para pedestres logo ali. Sempre fui contra a expressão “indústria de multas”, porque na realidade existe uma indústria de infrações, mas esse radar começa a mostrar que o “poste” que governa nossa cidade criou, sim, uma indústria de multas. Não está interessado em salvar vidas ou educar, mas em conseguir verbas de forma inclusive ilegal, pois as multas têm destinação própria. Não podemos nos esquecer de que velocidade máxima é o que o nome diz: máxima. Numa estrada com limite de 100 km/h muitas pessoas dirigem em velocidades menores. Dão uma margem de segurança. Agora, com 50 km/h ou 40 km/h, essa velocidade será a velocidade imposta. Isso obrigará motoristas a dirigirem olhando o velocímetro e procurando radares, tirando sua atenção do tráfego e das calçadas. Tenho três prováveis explicações para o que está sendo feito: 1) gestores públicos atuais não são lá muito inteligentes. E essa hipótese é corroborada pela sugestão de fechar a via expressa da Marginal de madrugada; 2) estão tentando tirar o foco das muitas metas não cumpridas pela Prefeitura; ou 3) estão tentando se vingar do antipetismo mostrado nas eleições em São Paulo. Escolha a sua...

 

Mário Corrêa da Fonseca Filho mario@mariofonseca.com.br

São Paulo

 

*

CORREDOR DE ÔNIBUS NA RAPOSO TAVARES

 

Desta vez o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que por ser “poste” de Lula tem ordem de incomodar ao máximo os paulistanos, terá de argumentar com gente bem menos vendida ao mal – e creio que gente mais antiga no poder, que respeita sua população, como os prefeitos de Cotia, Itapevi e São Roque, que não permitirão que sua população seja prejudicada por um prefeito debochado. A Rodovia Raposo Tavares não vai virar estacionamento de automóveis por capricho de um prefeito exótico que acha que mora na Suécia, onde os impostos voltam para servir à população, e não a um partido. Enfim, a reunião para decidir a faixa exclusiva de ônibus na Raposo Tavares não vai nem ser cogitada, porque graças a Deus temos prefeitos de verdade em Cotia, Itapevi e São Roque, e nada será feito ali sem consultar os usuários da via, pois, ao contrário de São Paulo, somos por aqui uma democracia.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

Cotia

 

*

O GPS E A SEGURANÇA DO USUÁRIO

 

Vêm se tornando habituais os acidentes em que pessoas morrem ou são agredidas e assaltadas por marginais ao adentrarem com seus veículos em “zonas proibidas”. Normalmente – ou pelo menos se noticia como motivo –, elas são levadas a esses pontos conflagrados por meio de informações equivocadas constantes nos aparelhos de GPS dos seus veículos. Existem nesse caso pelo menos dois problemas que exigem rapidíssima solução. É inadmissível a existência de áreas públicas – bairros, ruas e avenidas – onde qualquer um do povo não possa transitar. E os aparelhos, construídos para orientar seus usuários, sintetizarem informações incorretas que, em vez de auxiliá-los, acabam os conduzindo ao perigo e até à morte. É preciso garantir o direito de ir e vir de todo os cidadãos em todo o território nacional. E o consumidor vítima do estado incompetente em cumprir com o seu dever constitucional não pode também ser enganado com aparelhos que adquirem em busca de maior segurança e, por inconformidade, acaba levando-o ao sofrimento e à morte...

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

                                                                                                     

*

QUAL SERIA A REAÇÃO?

 

Consta no noticiário internacional que o presidente Barack Obama, diante dos recorrentes acontecimentos envolvendo atiradores psicopatas isolados que matam pessoas inocentes em locais públicos nos EUA, está furioso com a relutância do Congresso americano em aprovar medidas destinadas a restringir o comércio de armas aos cidadãos, lá liberados em muitos Estados. Seria curioso imaginar qual seria sua reação se fosse dirigente de um país com assustadores índices de homicídios, dos maiores do mundo, o Brasil, sujeito a severo controle de aquisição de armas pela população, ao tomar conhecimento do bárbaro assassinato de uma senhora em Niterói (RJ), após ter ingressado por engano, de carro, acompanhada pelo marido, com quem era casada há 50 anos, numa comunidade dominada por bandidos. Provavelmente, seria de indignação pela impotência do poder público de garantir o direito de ir e vir dos cidadãos, além de perplexidade pelas reações unilaterais dos paladinos dos direito humanos.

 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

NOBEL DA PAZ

 

Gostaria de saber qual o critério utilizado para a concessão, em 2009, do Nobel da Paz a Barack Obama, responsável pelo bombardeio sistemático do Afeganistão, culminando com a destruição do hospital administrado pela organização Médicos sem Fronteira, no domingo. Alfred Nobel protestaria, caso pudesse falar!

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@ig.com.br

São Paulo

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.