Fórum dos leitores

IMPEACHMENT

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2015 | 02h55

Mais uma ‘delle’

O Lulla pediu uma trégua para Eduardo Cunha a fim de evitar a votação do impeachment da Dilma. E teve a desfaçatez de dizer que “ninguém ganhará nada com a queda de Cunha”. Tivesse um mínimo de moral, ética e vergonha na cara, saberia que não se trata de ganhar o que quer que seja, mas de agir com honradez e fazer justiça. Isso, sim, é que é “moralismo sem moral”. Chegamos ao fundo do poço!

ANNA CAROLINA MEIRELLES

annacmeirelles@gmail.com

São Paulo

Nefasta interferência

Até quando nossas autoridades constituídas vão permitir que esse ex-presidente envolvido num sem-fim de negócios/palestras até hoje mal explicadas, e que se fosse em outro país certamente já estaria em Curitiba, interfira negativamente nas decisões do País? Pior ainda, agora negociando com o sr. Eduardo Cunha para salvar a presidente. Que moral tem esse indivíduo para se julgar acima do bem e do mal?

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Jogo sujo

O presidente interino faz o meio de campo no jogo sujo da política “toma lá dá cá” que impera em nosso país. Propõe acertos entre os dois times para ganhar o jogo, desde que o resultado seja favorável a ele. Mas se esquece de combinar com os russos (como lembrou Garrincha), que são o povo brasileiro, que trabalha e paga impostos. Se os juízes não lhe derem cartão vermelho, nós lho daremos em 2018.

ALOISIO A. DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Cem anos de perdão

Dilma e Lula vão ajudar o deputado Eduardo Cunha a se livrar da cassação do seu mandato e, em troca, eles querem apenas os famosos cem anos de perdão...

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Safadezas

Embora revoltante, não surpreende esse conchavo entre o governo Dilma e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no estilo “cale sua boca contra mim e eu calo a minha contra você, para nós dois continuarmos em pé”. Em outras palavras, cada um sabe das safadezas do outro e nenhum faz nada. O interesse do País fica na gaveta. Dá para respeitar essa corja?

LUCIANO NOGUEIRA MARMONTEL

automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

Vergonhoso

Então, fica combinado: você não encaminha o meu impeachment e eu não encaminho a sua cassação. É uma vergonha!

SILVIO LEIS

silvioleis@hotmail.com

São Paulo

Não querem largar o osso

É impressionante, o osso já nem tem carne, mas nem Dilma nem Cunha querem largá-lo, de jeito nenhum! Vale qualquer coisa para continuar roendo esse osso até não sobrar mais nada, a não ser o aumento dos impostos para cobrir o rombo.

ANGELA MARIA DE SOUZA BICHI

angela_bichi@hotmail.com

Santo André

Abraço de afogados

Dilma fez o diabo para se eleger e jogou o País num verdadeiro inferno. Agora, ela e Cunha, outro que faz o diabo para manter-se no cargo, dão um abraço de afogados e Lula enlaça ambos com todo o amor e carinho. Eis aí o retrato fiel da tal “moral ilibada” da presidenta, num autoelogio de dar engulhos até em estômago de urubu.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Desfecho inevitável

A luta de Cunha e Dilma para manterem seus cargos a todo custo, levando a eventual acordo espúrio, vergonhoso, asqueroso, não será suficiente para salvá-los, só lhes dará sobrevida. Enquanto isso, ambos estão dando o abraço de afogado em nosso país. Precisamos abreviar o desfecho inevitável dos dois.

OSCAR MULLER

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

Revolução Francesa

Uma proposta de acordo para evitar tanto o impeachment da presidente da República como a cassação do presidente da Câmara dos Deputados é como imaginar um acordo entre Luís XVI e Robespierre para evitar a guilhotina de ambos durante a Revolução Francesa.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Como Sansão

No atual quadro político e jurídico, somente resta ao deputado Eduardo Cunha imitar Sansão, a personagem bíblica que, diante da sua morte certa, derrubou o templo, proferindo a famosa frase: “Morra Sansão com todos os filisteus”.

LUIGI PETTI

luigirpetti@gmail.com

São Paulo

Três em uma

Falo sobre três assuntos. Primeiro: o desafio lançado sobre a honestidade de todos os brasileiros. Descobri quem pode aceitar o desafio: são aqueles que roubaram o cofre do Ademar de Barros, segundo consta, com US$ 1 milhão, e até hoje não prestaram contas de onde foi parar o dinheiro. São todos os mais honestos e íntegros. Portanto, aptos a aceitar o desafio. Segundo: o secretário-geral da Unasul ameaçando suspender o Brasil em caso de afastamento da presidente. Para nós, brasileiros, o estrago já está feito. Portanto, o afastamento teria um efeito secundário na recuperação. No entanto, a notícia de que viria acompanhada da suspensão do Unasul e, por consequência, do Mercosul é auspiciosa e nos livraria desses dois entulhos ideológicos e econômicos que impedem nosso comércio em nível mundial. Terceiro: o Estadão noticia que a Itália quer ouvir, por carta rogatória, o ex-presidente Lula sobre a participação para destravar negócios madeireiros na Amazônia que eram realizados por um colaborador direto de Silvio Berlusconi. Posteriormente essa empresa foi transferida para chineses. Era só o que faltava: um presidente da República colaborando para o desmatamento da Amazônia! Se confirmadas as informações vindas com aquela rogatória, estaremos diante de um fato que merece melhor esclarecimento aqui, no Brasil.

JOSÉ ROBERTO CICOLIM

jrobcicolim@uol.com.br

Cordeirópolis

Recompensa

A desnorteada Unasul promete grande recompensa para o impeachment: soltar o Brasil de seus tentáculos.

HAROLDO NADER

nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

JOGO NOJENTO

 

A presidente Dilma Rousseff teve as contas de 2014 rechaçadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), 15 itens estavam fora das normas legais, com claros sinais de malfeitos contra o Tesouro Nacional. No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é investigada a campanha da reeleição de 2014 com fortes suspeitas de que os recursos foram obtidos de maneira fraudulenta. Sobre Eduardo Cunha, no mínimo cinco delatores citaram seu nome como beneficiário de recursos oriundos de corrupção na Petrobrás. A propina, segundo noticiários, alcança R$ 30 milhões em contas na Suíça, valor confirmado pela Procuradoria-Geral da República como produto de crime. Num país sério, por muito menos, com certeza, ambos já estariam na rua da amargura. Mas aqui, na “terra abençoada pelos deuses e do petróleo a jorrar”, é coisa pouca e negociatas comandadas por um “sapo de fora”, na Justiça e no Congresso Nacional, podem livrar da punição verdadeiros assaltantes dilapidadores do erário. A bandalheira pode até vencer no sujo mundo da política, mas perante a opinião pública já foi derrotada por 80 a zero. Essa podridão exala mau cheiro por todo o território nacional. Fora Dilma, fora Eduardo Cunha e todos os asseclas que lhes dão guarida e são coniventes com a bandidagem.

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

SEM DISFARCE

 

O “Poderoso Chefão” deblatera: “Se eu for bem tratado, pode ser que tenha boa vontade com o governo, mas, se não for, posso tomar minha decisão mais rápido”. Esta figura é nada menos do que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que, indisfarçadamente, assume em público a sua condição de representante dos próprios interesses, sem a menor preocupação de sequer se disfarçar de representante do povo que o elegeu. Impõe-se, mais uma vez, o triste bordão: que país é este?

 

Jan Krotoszynski jankroto@gmail.com

Carapicuíba

 

*

CONTAS SECRETAS

 

A defesa do deputado Eduardo Cunha diz que a divulgação das existência de suas contas na Suíça viola a dignidade do deputado e de sua família. É? E a dignidade do País?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com  

Rio de Janeiro

 

*

ESPÍRITO DE CORPO

 

Em nível de Câmara dos Deputados, não bastam suspeitas, rastros, impressões digitais, provas, evidências, testemunhas nem o corpo de delito. Só condenam depois que o espírito de corpo for penosamente exorcizado.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

  

*

‘IMPIZZAMENT’

 

O “toma lá, dá cá” acordado entre o governo Dilma e Eduardo Cunha vai acabar em “impizzament”. Vergonha!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

REPUTAÇÃO ILIBADA

 

Dilma alardeia por todos os cantos que “nunca antes neste país” participou de negociações que envolvam “malfeitos” e, no mesmo instante, desafia a todos que indiquem qualquer mácula em sua conduta de “reputação ilibada”. Todavia, ato contínuo, se propõe a salvar o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca do arquivamento do impeachment no Congresso. Quanta hipocrisia, cinismo e falta de vergonha na cara. Quem viver verá.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

DIVINA COMÉDIA

 

Ilibada, sim, Dilma é proba, mais que Lula. Porém, tem de explicar a compra de Pasadena superfaturada (em três vezes), pois neste inferno ninguém pode ser santo! Agora, Dilma e Lula dizem que tudo é golpe! Nós não somos desinformados, muito menos apolíticos, e não podemos concordar, porque golpe é o que foi dado em todos nós, brasileiros contribuintes. E, com mais de 90% de desaprovação, fica difícil de achar que somos completos idiotas, pois golpe, sim, é a compra de Pasadena, é o desemprego, é o despreparo quando dizia que o segundo mandato seria melhor, são os desvios, as pedaladas fiscais para bancar rombos da campanha, é a carestia, a falta de saúde e de educação, tanto quanto a falta de esperança dos brasileiros por dias melhores. De nada adianta tentar desviar o momento com mais mentiras, como os programas sociais, quando tem um bando de desempregados e excluídos. O Brasil só evoluiu politicamente, eles que não perceberam. E, se Dante Alighieri estivesse vivo, seu cabelo estaria em pé!

 

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

 

*

NO SUBMUNDO DE BRASÍLIA

 

Um dos principais jornais do País, o “Estadão”, trouxe esta semana, em primeira página, uma manchete que, além de envergonhar a sociedade esclarecida, desmoraliza o País: “Por Dilma, Lula articula para salvar mandato de Cunha”. Eu entendi assim a referida notícia: bandido salvando bandidos. Dá para imaginar o impacto que causa no exterior tamanha imoralidade? Depois desta e de outras, o Brasil poderá ser considerado um país sério? Até quando vamos ter de engolir esta falta de caráter da elite dirigente, esta podridão patrocinada por eles? Após o indigesto prato, sobrou a sobremesa: “Planalto adia corte de 3 mil comissionados para obter apoio”. Vale salientar que o corte desses funcionários foi anunciado pela dona Dilma como parte da reforma administrativa e será “adiado” para que não haja insatisfação no Congresso, enquanto ocorre nos porões do Palácio do Planalto o loteamento do segundo e do terceiro escalões. Onde está a nossa “oposição”? Já aderiu ao lupanar planaltino ou ainda está negociando o “michê” com Lula?

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

NAUSEANTE

 

É de dar engulhos a manchete “Por Dilma, Lula articula para salvar mandato de Cunha”. Para quem vociferava contra os “picaretas” de outrora, é simplesmente nauseante o que “o inominável” faz para manter sua criatura no poder, de forma a garantir sua volta em 2018. Os amigos foram privilegiados com emendas, parentes enriqueceram, enquanto a economia se deteriorou, de forma a assistirmos, impotentes, ao desemprego crescente, a comércios e pequenas e médias empresas falindo e fechando portas, sem falar na falência da educação, da saúde e da segurança. Das mudanças anunciadas com alarde para pôr ordem nas finanças e restaurar a credibilidade perdida, tanto interna quanto externamente, o que se viu foi um pálido enxugamento no número de ministérios e dos cortes de cargos comissionados, no balcão de negócios, apenas conversa para boi dormir. Líquida e certa, mesmo, é a exumação da CPMF, afinal de contas quem paga a conta da esbórnia é o povo todo! E essa gente (ou gentalha?) ainda tem a coragem de se arvorar como tendo força moral, “reputação ilibada” e biografia limpa? Onde estão os movimentos que fizeram o País se vestir de verde e amarelo?

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

NOJO DO BRASIL

 

Que nojo do Brasil. Dilma e quadrilha tentando a todo custo se manter no poder. Cunha, aquele pulha, mostrando que, se pagar bem e livrar o rabo dele das acusações irrefutáveis, vira amiguinho de infância dos petralhas e esquece o impeachment. Geraldo Alckmin tentando esconder as inúmeras besteiras na gestão da água e da segurança. Um tribunal de justiça totalmente comprado e corrupto. Uma oposição de m.... Um povinho amestrado e idiota, que não sabe se rebelar contra tudo isto que está aí. Qual a saída? Revolução ou o aeroporto? Parem o mundo, que eu quero descer!

 

Silvia Giurlani silviagiu@terra.com.br

São Paulo

 

*

O CONGRESSÃO

 

Lula declarou, certa vez, que a Câmara abrigava algumas centenas de picaretas. Estava certo, mesmo porque ele era um deles, talvez o mais esperto. Hoje em dia os mensalões, petrolões e tantos mais oriundos de ministérios, estatais, bancos oficiais e órgãos públicos desembocam sempre no Congresso, pela participação e ou cumplicidade de parlamentares, sempre blindados pelas leis que lhes dão foro especial no Supremo Tribunal Federal (STF), assoberbado quantitativamente pelo volume de processos e pressionado por fatores múltiplos, ora de caráter popular, ora de origens espúrias. Todos os escândalos de corrupção, sem exceção, os atuais, os antigos e certamente os vindouros, mostram os seus berços imundos na triste imoralidade de chamados representantes do povo, cínicos e impunes. Quando, então, teremos a abertura do maior e mais importante escândalo de corrupção, o Congressão? Quando poderemos ter Casas representativas dos interesses da Nação, e não balcões de negócios em que o Executivo, com desfaçatez espantosa, compra com ministérios de gordos orçamentos, cargos de escalões variados e emendas parlamentares retidas para estoque de barganhas todas as consciências, para garantir a governabilidade? Quem paga com recursos públicos para comprar votos e quem recebe igualmente os pixulecos, ambos são criminosos que comprometem a estrutura econômica do País e detonam a eficiência da administração, entregando funções primordiais a incompetentes interesseiros e corruptos.

 

Gustavo A. S. Murgel gustavomurgel@hotmail.com

Campinas

 

*

PALHAÇADA

 

O problema do Congresso não está no fato de ter um palhaço Tiririca, mas, sim, no fato de os outros deputados e senadores tratarem o povo como se fossem palhaços!

 

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

 

*

MAR DE LAMA

 

Para salvar sua afilhada, Lula manobra para salvar também o mandato de Cunha, como presidente da Câmara federal. A ética e a moralidade na política brasileira não existem mais. A administração pública se configura como um mar de lama, em que os interesses e o jogo político têm primazia sobre tudo.  Nunca houve na história do Brasil uma situação tão caótica como a atual.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUEM QUER SALVAR DILMA?

 

Lula?! O mesmo que disse, em 2003, que iria salvar o Brasil, e afundou a nossa economia com o seu poste Dilma – e junto esta terra tupiniquim num lamaçal da corrupção sem precedentes? Este Lula, que, investigado, desmoralizado, acaba de dar depoimento no Ministério Público Federal? Pois é, o ex-presidente, como informa a nossa imprensa, para salvar Dilma de um impeachment, articula também salvar o mandato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, atolado que está até o pescoço, assim como muitos petistas, no petrolão. Sendo Lula um bom comprador de apoios de congressistas, como fez com centenas de milhões de reais no mensalão e, depois, com R$ 20 bilhões (segundo a Polícia Federal) no petrolão, qual será o preço, agora, de Cunha? Somente o de salvar seu mandato? É muita ingenuidade...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

CORRUPTOS E CANALHAS

 

Vexado e humilhado, o povo assiste a um conluio entre corruptos (Lula) e canalhas (Cunha) para que todos fiquem impunes.

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

QUEM ACREDITA? 

 

Lula visa é salvar-se do fogo do inferno advindo da imensa corrupção em que colocou o País. Alguém ainda acredita que dará certo um país com a politicanalha que rouba o País de cabo a rabo? Bobagem. Só inocentes elevados ao cubo pensam assim, porque para consertar “isso aqui”, só mesmo os militares, que eu em minha juventude fui contra e hoje reconheço, estava errado. A maioria do brasileiro ainda crê em tipos como Sarney, Lula, Renan, Cunha, Dilma, Barbalho, Maluf e iguais...

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

E O POVO, COMO FICA?

 

Por Dilma, Lula articula para salvar mandato de Cunha. E o povo, onde entra nessa negociação? 

 

Arcângelo Sforcin arcangelosforcin1@gmail.com

São Paulo

 

*

SÓ QUEM É CEGO NÃO VÊ

 

Tanto a presidente Dilma quanto o presidente da Câmara federal, Eduardo Cunha, estão defecando e andando para o Brasil. Ambos buscam livrar sua pele: Dilma teme pelo impeachment e suas consequências; Cunha sonha com a substituição do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pelo vice-presidente, Michel Temer. No fundo, ele quer ter um aliado no comando da Polícia Federal. Ou seja, é medo da merecida cadeia.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

NAS MÃOS DE DESQUALIFICADOS

 

A política, quando mal executada, é uma das coisas mais nojentas que existem e é exatamente isso que acontece no Brasil. Qual a diferença entre Lula, Dilma, Cunha, etc.? Nenhuma, todos têm o rabo preso e é por isso que nada de bom e concreto acontece neste país. É um tal de empurra para cá, empurra para lá, mas ninguém se atreve a ameaçar algum “nobre colega”, temendo represálias. E é este tipo de “gentinha” que comanda os destinos do País e do povo brasileiro. Desde o descobrimento do Brasil, nós estamos, infelizmente, na mão destes desqualificados (políticos).

 

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

 

*

PATRIOTAS

 

A Nação pelo meu mandato. Até tu, Cunha?

 

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com  

São Paulo

 

*

ROGO

 

Deputado Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, está prestes a tomar decisões que deixarão seu nome para sempre registrado na história do Brasil, como vendilhão da Pátria ou como salvador da Nação. A escolha é dele. Rogamos que faça o correto e não deixe seus interesses pessoais suplantarem os interesses da Nação. Há tempo e condições para atos que o tornem para sempre merecedor da maior estima da grande maioria de nós. Seja firme, faça o que tem de ser feito, revele o que sabe, faça “delação premiada”, “bote a boca no trombone”, mas não deixe o País ir à matroca. Dependemos do senhor.

 

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

 

*

ESPANTO

 

Espantado, descobri que – pasmem, brasileiras e brasileiros – a Câmara dos Deputados dispõe de um Conselho de Ética. Sim, senhoras e senhores, de ética! Pode? 

 

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

 

*

BECO SEM SAÍDA

 

A chamada oposição está num beco sem saída. As acusações contra a presidente Dilma terão de seguir outra tramitação no Congresso, não dependendo apenas das decisões do atual presidente da Câmara.  Por que essa oposição, então, não apoia a ação no Conselho de Ética sobre o comportamento dele, acusado de contas não declaradas na Suíça? Por que a incoerência desses parlamentares?

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

RENÚNCIA COLETIVA

 

Muito equilibrada a proposta do ministro do STF Marco Aurélio Mello, de “renúncia coletiva” de Dilma Rousseff, Michel Temer e Eduardo Cunha (jornal “Folha de S.Paulo”). Entretanto, o ministro é muito otimista ao considerar essa possibilidade uma utopia. Absolutamente impossível seria mais realista para os atuais detentores do poder. Afinal, esta é a típica situação que nos faz lembrar a célebre frase de Lord Acton: o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

DE UTPOPIAS E REALIDADES

 

Marco Aurelio Mello, do STF, defende, em caráter utópico e pessoal, a renúncia coletiva da presidente Dilma Rousseff, de seu vice Michel Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Pergunto ao ministro (já que há entre o dizer e o defender um espaço vazio, uma certa incógnita) por que não está incluso na lista de renúncias o presidente do Senado, Renan Calheiros, que seria o sucessor de Dilma, caso sua utopia se tornasse realidade? Como ministro dessa Suprema Corte, deve saber o que a Constituição diz a respeito dessa situação, com a vacância simultânea dessas quatro figuras no poder, figuras atuais que, infelizmente, não têm, nenhuma delas, respeito popular (exceto o respeito “financeiro” daqueles que estão nos currais eleitorais e nos cargos comissionados dos pobres politiqueiros). Será que a volta às ruas pode fazer da utopia de Marco Aurélio uma realidade?

 

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

São Paulo

 

*

O IMPEACHMENT E A UNASUL

 

A União das Nações Sul-Americanas (Unasul) deu um recado ao Brasil: se a presidente Dilma sofrer o impeachment, o Brasil será desclassificado do grupo. Ora, quem sustenta a Unasul é o Brasil, fazemos questão de ser desclassificados, então. Será um prazer! 

 

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br  

São Paulo

 

*

ELEIÇÕES NA VENEZUELA

 

Alguém tem dúvidas do por que Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, vetou a Organização dos Estados Americanos (OEA) para observar a votação legislativa em dezembro no país, aprovando a União das Nações Sul-Americanas (Unasul), em que o Brasil participará com toda sua técnica especial, para apurar os resultados finais?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br  

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

 

“Amigo” do ex-presidente Lula acertou propina? Só para amigos de Lula, para a nora de Lula, para os filhos de Lula, padrinhos de Lula, palestras de Lula, instituto de Lula... e nada para Lula? Quem acredita nisso? Só mesmo o Ministério Público, o Procuradoria-Geral da República, a Advocacia-Geral da União, o Tribunal de Contas da União (TCU), o Tribunal Superior Eleitoral, o Supremo Tribunal Federal, os 39 ministros, Dilma, Rose, o PT, Maduro, Morales, Castro e os eleitores de Lula. Ah, e o Corinthians. A Marisa? Sei lá... Eu, não!

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

DOENÇA CRÔNICA

 

“Lulisse” é uma doença que afeta o Brasil há muitos anos. Quase sempre dá sintomas de “que não sabe de nada”, “que não existiu” (mensalão) e, ultimamente, justificam após constatação pelo TCU das pedaladas que elas foram feitas para favorecer os beneficiários do Bolsa Família e do Minha Casa Minha Vida. Em todas as suas versões, são mantidas as desculpas esfarrapadas, que é a doença chamada “lulisse aguda”. Ele baixou o aplicativo caixa, conforme propaganda, e levou a caixa com ele e para Dilma – 6 bilhões – faz parte da doença.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

A HIDRA DA CORRUPÇÃO

 

No início do governo petista, havia 40 ladrões e eles roubaram milhões; veio o ministro Joaquim Barbosa e cortou-lhes a cabeça. Mas, ao invés de morrer, eles brotaram centenas de novas cabeças cada um. Agora, o juiz federal de Curitiba Sergio Moro está tentando achar os novos filhotes desse monstro. Tomara que ele consiga.

 

Renzo Orlando renzoorlando@uol.com.br  

São Paulo

 

*

PESCA GRAÚDA

 

Aos impacientes, é bom que saibam que a Operação Lava Jato de fato está apenas começando agora. Começa a ser definitivamente flagrante a participação de peixes extremamente graúdos, fisgados, porém difíceis de serem recolhidos na carretilha e colocados na embarcação.

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  

Avanhandava

 

*

PROTÓGENES QUEIROZ

 

Diante do mar de corrupção que afoga o País, causou surpresa a demissão do ex-deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB) do cargo de delegado da Polícia Federal, por “questões disciplinares”. É a Justiça a serviço do crime. Responsável pela operação Satiagraha, Protógenes era o nosso Eliot Ness, um homem de brio que não se deixou corromper pela máfia, enfrentando, com desassombro, banqueiros e políticos corruptos. Esperamos que seu nome seja perpetuado no bronze, na sede da Polícia Federal em São Paulo, como medida de Justiça.

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

 

*

RECADO?

 

A exoneração de Protógenes seria um recado do governo federal a Sérgio Moro?

 

lelem lelem@uol.com.br

São Paulo

 

*

ARGUMENTO FAJUTO

 

O ministro da Justiça realmente tem que ser substituído, pois não tem controle nenhum sobre a Polícia Federal sob seu comando, que “vaza a jato tudo que a mídia quer”, vaza mais que peneira, agora entrega numa bandeja a cabeça do honesto delegado Protógenes Queiroz, acusado de vazar para jornalistas a operação que prendeu o corrupto (falecido) Celso Pitta, de pijama, que virou santo! Este argumento fajuto é igual àquele do Fiat Elba, que derrubou Collor. O verdadeiro motivo é que ousou liderar uma operação que prendeu um poderoso empresário/banqueiro, libertado duas vezes pelo amigo do STF (nada como ter amigos poderosos). Mandava no governo FHC e parece que continua mandando neste e manda também na mídia, que vazou o nome do delegado! Será que a culpa é do delegado ou da mídia aliada dos poderosos, sedenta de argumentos para melar a investigação? Cadê o sigilo da fonte tão caro aos jornalistas, tão defendido pela grande mídia? Se hoje se demitissem pelo mesmo motivo, esvaziaria alguns órgãos, tempos bicudos!

 

Wilson Ronaldo de Oliveira wilsoncidadaocuritibano@gmail.com

Curitiba

 

*

A VOLTA DOS ‘BLACK BLOCS’

 

Na medida em que o País sangra em sua crise econômica e política e figuras importantes têm o seu prestígio naufragado na lama pelo denunciado envolvimento em ilícitos, a sociedade torna-se mais frágil e à mercê de baderneiros que, sabe-se lá por quais interesses e a soldo de quem, investem na degringola. Os “black blocs” estão de volta. No Dia do Professor, foram atacar o Palácio dos Bandeirantes. Espera-se que as polícias de São Paulo, que optaram por não prender e identificar os desordeiros na hora a ação, tenham elementos de investigação suficientes para identificá-los e responsabilizá-los pelo ocorrido. É preciso saber quem são os líderes, descobrir o que pretendem com essas atitudes desmedidas e, principalmente, processá-los. Tudo de forma rápida, pois se continuarem impunes, eles ressurgirão na próxima oportunidade e poderão fazer estragos maiores.

                                                                             

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

 

*

A PAULISTA FECHADA AOS DOMINGOS

 

Mesmo quem gosta do prefeito Fernando Haddad (ou “Malddade”) não deve estar entendendo nada do que ele faz. Fecha a Avenida Paulista para os veículos aos domingos sem autorização do Ministério Público, depois chama quase todo o efetivo da CET para cuidar disso, afinal pessoas moram na Paulista e hospitais importantes existem no entorno da avenida. Imaginem um doente grave numa ambulância indo do Jabaquara para as Clínicas? As ruas no entorno da Paulista vão ficar uma beleza, porque nem todo mundo irá de Metrô. Fora isso, imaginem a sujeira após o lazer. Sugiro ao nobre prefeito que libere a rua que ele mora para lazer todos os domingos e todos os dias apos as 22 horas, afinal pimenta e falta do que fazer no olho dos outros, dizem, sempre será colírio. Haddad, a cidade de São Paulo tem muitas outras prioridades. Acorde, porque a reeleição já era. E o custo disso o MP deve fiscalizar, afinal, “pedaladas” são o forte do PT.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

ANTIPROTESTO

 

O único objetivo para o prefeito Fernando Haddad fechar a Avenida Paulista aos domingos foi para acabar com as nossas manifestações. 

 

Candida L. Alves de Almeida almeida.candida@gmail.com

São Paulo

 

*

OS GRANDES DEVEDORES

 

É simplesmente decepcionante ver o “ranking” dos maiores contribuintes devedores, inscritos na dívida ativa da União (“Estadão”, 14/10, B1). Depreende-se que a penúria dos cofres da União não é só por causa da corrupção e da má gestão, mas também devido aos espertalhões que, embora todos tenham o direito a defesa e questionamentos, não se justifica o montante devido. Além da famosa estatal petrolífera (R$ 15,6 bilhões), há um grande banco privado com R$ 4,9 bilhões de dívida. Assim, não há país que resista.

 

João Magro Ventura joaomv@terra.com.br   

São Paulo

 

*

BOLSA PARA REFUGIADOS

 

Nada contra a vinda para o Brasil de imigrantes fugidos de guerras e perseguições – aliás, sou filho de um deles. Mas nesta crise que estamos passando, pagar Bolsa Família aos refugiados? Não temos necessitados suficientes?

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

 

IMIGRANTES DO PASSADO E DE HOJE

 

É muito diferente a situação dos imigrantes do passado em relação aos de hoje em dia, e isso no mundo todo (quando tomam também o título de “refugiados”). No passado, no Brasil, chegaram imigrantes de diversos países, como Japão, Itália, Portugal, etc. Ocorre que essas pessoas aqui chegavam sem nenhum assistencialismo e nem leis trabalhistas existiam. Vinham com o pouco que tinham, se estabeleciam por conta própria e trabalhavam arduamente. Já hoje em dia os ditos imigrantes (ou “refugiados”) querem entrar nos países e receber casa, comida e roupa lavada, num assistencialismo total – aqui, terão direito ao Bolsa Família e a um salário mínimo para idosos sem rendas. Ocorre que no Brasil há milhões necessitando de condições dignas – o que dizer de imigrantes pobres. Um exemplo é o constante caos no Hospital de Base de Brasília, que nem consegue atender os próprios brasileiros.

 

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruma (RJ)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.