Fórum dos leitores

DESGOVERNO LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2015 | 02h41

Rombo federal

Conforme anunciado pelo governo federal, o déficit primário para 2015 está estimado em R$ 51,8 bilhões; e se consideradas as pedaladas fiscais, o rombo nas contas públicas poderá passar dos R$ 100 bilhões. Enfim, se esse governo manobra as contas, é contabilidade criativa; porém, se isso for feito por pessoas comuns ou empresas, é fraude. Sempre é bom lembrar a afirmação do consultor econômico Raul Velloso: “Como restabelecer o otimismo num país onde 75% do Orçamento federal é para pagar salários e benefícios sociais?”.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Sem saída

Pronunciamento do ministro da Fazenda mostra que o governo federal está sem saída. O que fazer com o déficit de R$ 52 bilhões, que com as pedaladas, segundo economistas, chegará a R$ 100 bilhões? A irresponsabilidade da presidente Dilma Rousseff e seus assessores no primeiro mandato, amplamente advertida, chegou a um cruel desfecho para o Brasil. Não há outra saída a não ser aumentar impostos ou criar novos tributos. Se a presidente deixasse o governo, aumentaria a credibilidade do País e imediatamente haveria uma melhora. Mas, aparentemente, ela prefere, com seu tutor, o Lula, enterrar o País a defender a Nação. Ainda com parte da equipe de Guido Mantega na economia, tanto Dilma quanto seus auxiliares isolaram e não prestigiam o ministro Joaquim Levy, com grande prejuízo para a economia. Entretanto, para a presidente, para Lula e para o PT, o caos parece uma boa saída.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

CPMF x IOF

Se a CPMF voltar, acaba o IOF de 0,38% sobre empréstimos bancários, criado para repô-la?

CÁSSIO CAMARGOS

cassiocam@terra.com.br

São Paulo

Sonegadores da União

Não faz o menor sentido aprovar a CPMF sem antes cobrar pelo menos os dez maiores devedores, que somam R$ 122,6 bilhões, de um total de R$ 1,4 trilhão, inscritos hoje na dívida ativa.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Reservas

Alguém me pode explicar onde estão as reservas do País? Dizem que temos US$ 371 bilhões, mas todo mundo diz que o dinheiro acabou. Fico sem entender. Com tanto rato por aí, será que depois do mensalão e do petrolão vamos ter um reservão?

P. G. FREYTAG

pgfreytag@terra.com.br

São Paulo

Rebaixado por merreca

O Brasil, “o maior produtor de café mundial, com 40% do mercado”, perdeu o direito de voto na Organização Internacional do Café (Caderno do Agronegócio, 28/10, pág. 10) por não ter pago R$ 500 mil da sua cota anual de R$ 2,3 milhões (merrequíssima diante dos roubos na Petrobrás) e só poderá assistir às reuniões sem direito a participação nas decisões. O que se há de concluir? Governo incomPeTente, desleixado, que pouco se importa com o País e só trabalha para manter um poder que lhe propicia toda sorte de corrupção e assalto ao dinheiro do povo. Impeachment é pouco. Em comemoração dos 70 anos do chefão, Papuda deve ser a meta. Para todos, os de agora e os de antes. Se o povo lesado quiser, assim será. Apesar dos acertos entre os podres poderes.

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

Aniversário

Perguntar não ofende: quanto custou o deslocamento, de Brasília a São Paulo, da presidenta Dilma e comitiva para participarem do aniversário do Lula? E ainda querem impor a CPMF goela abaixo do povo brasileiro!

MARCOS A. PENNA TRINDADE

mtrindade62@terra.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Lula e as MPs

Nunca antes na História deste país existiu um presidente da República tão enredado em corrupção e roubalheira. A lista é grande: mensalão, petrolão, fundos de pensão, Eletrobrás, Nuclebrás, Correios, BNDES, Santo André (Celso Daniel), Campinas (Toninho do PT), etc. E agora mais uma suspeita: a edição de medidas provisórias (MPs) em troca de propina. O deus do PT está a caminho do inferno.

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

Sempre ele

Muitos acham que Lula é inteligente. Eu, não. Apenas o considero tão esperto que até parece inteligente. Prova de que ele não é inteligente é achar que alguém acredita nas mentiras que profere todos os dias. O cara confessou que, para ele, o PT é mais importante que o combate à corrupção. Bom saber que a Polícia Federal trabalha com provas concretas e de forma organizada. Questão de tempo.

VALTER PRIETO JR.

valter.prieto@gmail.com

São Paulo

‘Vagabundos’

O deputado Sibá Machado (PT-AC) xingou e ameaçou manifestantes que pedem a saída da presidente Dilma. Ele esquece que seu partido tem inúmeros parlamentares sendo investigados pela Polícia Federal por envolvimento em diversos crimes contra a União? Sibá deveria ficar quieto diante de tantos escândalos envolvendo o PT e deixar o povo se manifestar livremente contra esse governo. É inútil tentar defender o indefensável.

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Falcatruas

Os militantes do PT não querem aceitar, mas, independentemente do “cacique” Lula, o partido está irremediavelmente perdido. São inacreditáveis os desvios de dinheiro cometidos em todas as áreas do governo.

LUÍZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

DESARMAMENTO

Nova lei

Como perguntar não ofende, indago ao sr. sociólogo Túlio Kahn em que país ele vive, para dizer que os celerados não têm armas de grosso calibre, como HK-47 e fuzis de combate de alta potência. Por acaso o sr. sociólogo não lê jornais? Não vê os programas jornalísticos da televisão? Por favor, não seja arrogante, respeite a inteligência do cidadão comum. Decepcionante nas respostas às três perguntas que lhe foram dirigidas.

CARLOS B. PEREIRA DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O ANIVERSÁRIO DE LUIZ INÁCIO

 

Na primeira página do “Estadão” de ontem havia uma foto da presidente Dilma Rousseff no aniversário do “verdadeiro” presidente, na sede do Instituto Lula. Mas, na agenda da Presidência, não havia nenhuma menção à viagem de Dilma a São Paulo! Não deu tempo de colocar na agenda? Ou não deu tempo de atualizar a mudança? Mandei mensagem à Presidência questionando o fato e perguntando se ela teria algum compromisso oficial – até porque, se ela veio só para a festinha, quem arcou com os custos (avião, transporte, hotel, alimentação, segurança) fomos todos nós! Sei não, mas duvido de que receberei resposta. Afinal, a falsa doutora que se transformou em péssima presidente não é lá muito chegada em falar a verdade.

 

José Alfredo de T. Andrade tolosajaa@uol.com.br

Santos

 

*

DILMA NA FESTA DE LULA

 

Sobre a presença de Dilma Rousseff na festa de aniversário de seu amigo, Lula, uma perguntinha: quem pagou as despesas de viagem de Brasília a São Paulo? A própria presidente ou nós, os mais de 200 milhões de contribuintes? Desculpem-me pela minha chatice, mas acho que participar de uma festa não é exatamente algo que deva ser pago com dinheiro público.

 

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

 

*

CUMPRIMENTOS

 

Pela mídia fico sabendo que Tite e Chico Buarque cumprimentaram Lula pelos seus 70 anos, além de certamente muitos outros. Nada contra, visto serem livres de gestos assim, mas gostaria que os dois respondessem a uma pergunta: não acreditam que  Lula tenha responsabilidade na corrupção, de tamanho nunca visto no País, oriunda de mensalão, petrolão, zelotes e outros esquemas?

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

BRINDE

 

Lula completou 70 anos, 35 dos quais sem trabalhar. O que ele não contava, depois de ter construído seu patrimônio bilionário em apenas 12 anos, é com ter de trabalhar dia e noite para se livrar do ministro da Justiça, enquanto foge da Polícia Federal. Tim, tim! É pique, é pique PF, PF, PF!

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

COMEMORAÇÃO

 

O PT listou 70 motivos para comemorar o aniversário de Lula. Preciso conferir, pois não me lembro de um deles.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

VIDA LONGA

 

Parabéns, presidente Lula, pelo seu aniversário de 70 anos de vida. Que o senhor tenha bastante saúde e que Deus lhe dê muitos anos de vida para pagar a nós, brasileiros, todos os males proporcionados pelo seu governo e pelo de sua criatura. Hoje, estamos trabalhando mais e ganhando menos, muitos perderam o emprego, outros não conseguem pagar o que devem. O povo trabalhador pede ao senhor que não se canse em discursos e palestras, para não piorar a qualidade da voz e, consequentemente, não causar danos às cordas vocais já abaladas. Durma bem, presidente Lula, não se estresse, aguente firme, pois queremos vê-lo respondendo por todas as trapalhadas que fez quando esteve à frente da Nação e que resultou no que estamos vivendo hoje. Não entre em conflito, presidente Lula, não precisa colocar o “exército” nas ruas, como disse recentemente, isso poderá prejudicá-lo e, de repente, algo de ruim acontecer – Deus nos livre disso, presidente Lula! Queremos que o senhor acerte as contas com o País de forma amigável, sem brigas, sem rancores, apenas que acerte. Estamos esperançosos de que o senhor e a sua invenção devolvam a nós, brasileiros, a dignidade de viver num país serio e menos corrupto. Queremos que o senhor nos conte o que sabe sobre toda esta bandalheira divulgada pela imprensa. Vida longa ao senhor, presidente Lula!

 

Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Dourado

 

*

SALVO

 

Lula está salvo, ou quase. Diz o Código Penal: para maiores de 70 anos, a prescrição da pena cai pela metade.

 

Arcângelo Sforcin filho arcangelosforcin1@gmail.com

São Paulo

 

*

PERSONALIDADE DÚBIA

 

A nossa presidente tem mesmo uma personalidade dúbia. Lula manifestou-se contra ela dizendo a amigos que ela é culpada pelo fato de a Polícia Federal, com mandado judicial, ter vasculhado o escritório de seu filho Luiz Claudio Lula da Silva – durante a 4.ª fase da Operação Zelotes. O ex-presidente faz aniversário e qual a atitude de Dilma? Apressa-se em cumprimentá-lo com todo afago e ainda posta um vídeo dizendo ser ele um companheiro de todas as horas. Dilma Rousseff absolutamente não se importa com o desgaste de sua imagem, não só pelas gafes que comete quando faz pronunciamentos, mas também por atitudes estranhas e de ampla submissão ao seu tutor.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

O FILHO DO BRASIL

 

Os recém-completados 70 anos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva levantaram a seguinte questão: qual a sua real contribuição prestada para o País? Ora, é sabido que definitivamente não está no campo cultural. O ex-presidente abandonou a situação a que a maioria dos brasileiros está submetida – salários baixos e elevada contribuição por intermédio do pagamento de impostos – e, de simples operário do ABC, surgiu como líder, por meio do ideal da greve como meio e fim. Agora, findada a hegemonia política do lulopetismo, aflorou o perfil de “político profissional” daquele que se conclamava a quem quisesse ouvir como um “diferente” no ninho – muitas vezes num tom até messiânico. Deveras Lula foi diferente. Jamais um chefe de Estado na história da humanidade protagonizou tamanho descalabro e corrupção. Felizmente, para ele, o longa-metragem quase que bíblico não contou essa parte da história. Amargando a rejeição de mais de 50% da população e na iminência de indícios de enriquecimento ilícito contra ele e sua família, o molusco teve de apagar estas velas sozinho. Salvo as ligações de parabenização de sua criatura desastrada e de amigos da Papuda, não houve muito com o que se alegrar.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

NO CINEMA

 

Se fizermos um filme “Os filhos de Lula”, daria um policial bem agitado e emocionante.

 

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

 

*

CORRUPÇÃO E O PROJETO DO PT

 

Luiz Inácio Lula da Silva é realmente um indivíduo sem caráter. A operação de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal (PF) em nova fase da Operação Zelotes na empresa LFT Marketing Esportivo, pertencente a Luiz Cláudio Lula da Silva, seu filho, fez com que ele patenteasse sua falta de moral e vergonha ao afirmar que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo – que provavelmente não interferiu na ação da polícia –, está querendo apenas “aparecer” e que o ministro não entende que, em nome do combate à corrupção, pode destruir o projeto político do Partido dos Trabalhadores (PT). Pois é, gente, acabando com a corrupção, acaba também o projeto político do PT? Uma confissão do ex-presidente ou apenas um ato falho? O PT depende da corrupção para manter seu projeto político de permanência no poder?  

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

VALE TUDO

 

A única voz sensata do PT não aceita acompanhar o PT no novo tempo, à moda Venezuela. Mesmo eu não sendo eleitor do PT, cumprimento o ministro José Eduardo Cardozo, que não é adepto do vale tudo.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO ZELOTES

 

O ex-presidente Lula é conhecido por não ter escrúpulos para entregar quem quer que seja para sair livre. Será que ele vai entregar o próprio filho?

 

Edson Funabashi edson@acteon.com.br

São Paulo

 

*

ÓDIO

 

O que dirá a senhora Marilena Chauí, aquela que odeia a classe média e as elites, sobre a localização do escritório fantasma do filhinho prodígio do ex-presidente, cravado no metro quadrado mais caro dos Jardins? Realmente, a classe operária vai ao paraíso, como tão bem retratou o filme.

 

M. H. Borges Martins m.helena.martins@uol.com.br

São Paulo

 

*

ALINHAMENTO CÓSMICO

 

Como o “Estadão” pega no pé da família do ex-presidente Lula! Só porque em 2003 houve a coincidência de um alinhamento planetário/estrelar que agiu positivamente sobre o mapa astral de todos os membros da família Lula Silva, as pessoas ficam tentando achar que eles se aproveitaram do seu pai/tio/cunhado/sogro/padrinho, que era presidente da República, para se beneficiarem financeiramente. Quanta maldade! Perguntem às estrelas!

 

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

*

FÁCIL

 

A coisa estava tão fácil (ou será que ainda está?) que passou-se a distribuir dividendos para esposas, filhos, filhas, noras... “la grande famiglia”. Tudo com o nosso dinheiro.

 

José Wilson Gambier Costa jwilsonlencois@hotmail.com

Lençóis Paulista

 

*

PEIXES E PEIXINHOS

 

Pela Biologia, herança genética é o processo pelo qual um organismo ou célula adquire, ou torna-se predisposto a adquirir, características semelhantes à do organismo ou célula que o gerou. Em outras palavras: filho de peixe peixinho é. Dito isso, não é necessário dizer mais nada sobre o que está ocorrendo com a prole de Lula e, agora, com a de Gilberto Carvalho, o famoso ex-chefe de Gabinete. Haja código genético, peixes e peixinhos neste mar de lama!

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com   

São Paulo

 

*

EXAGERO?

 

Senador José Serra, quer dizer que é “exagero” a Polícia Federal cumprir mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça no escritório do filhinho de Lula, ex-presidente? Por quê? Será que ele está acima da lei? Na minha opinião, exagero é o volume de dinheiro surrupiado dos cofres públicos, através de propinas, pixulecos, obras superfaturadas, pagamento suspeito de palestras, etc. Exagero é o que o povo brasileiro está sofrendo, sem direito à educação, saúde e segurança, mesmo contribuindo com uma taxa elevadíssima de impostos. Exagero é ainda o governo querer mais impostos, para cobrir o déficit público por causa dos seus erros e de sua corrupção. Sr. Serra, quem não deve não teme. Tenho certeza de que a Polícia Federal não virá à minha casa ou ao meu local de trabalho para cumprir mandados de busca e apreensão.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

É BOM SABER

 

Agentes da Polícia Federal apontam Gilberto Carvalho, ex-chefe de gabinete do presidente Lula, como partícipe de “conluio” com lobistas. A polícia também fez buscas nas firmas de Luís Cláudio Lula da Silva. Lula você não vai socorrê-lo? Ele é seu filho; está em apuros. É? Eu não sabia de nada disso.

 

Lígia Maria Venturelli Fioravante lmfiora@uol.com.br 

São Paulo

 

*

DESENROLANDO OS FIOS

 

Arautos do PT anunciam que o processo e busca no escritório do filho de Lula é por razões políticas. Querem dizer que é tudo perseguição, como se não tivéssemos Polícia Federal e Ministério Público isentos e profissionais. Como se estivéssemos num governo de outro partido que estivesse perseguindo petistas. Assombram a inteligência dos brasileiros, que acompanham, atônitos, o que se passa no País. Afirmam que é só uma operação política, desprezando o trabalho de tantos profissionais categorizados. A roubalheira que descobriram se torna uma mentira na cabeça deles. As evidentes falcatruas que chegam a R$ 19 bilhões de fraude na Receita Federal são só uma miragem. E alguns dos enrolados nesta operação (Zelotes) são velhos conhecidos de outras falcatruas em outras investigações. Incrível como sempre aparecem as mesmas pessoas, todas entrelaçadas em várias roubalheiras, sempre os mesmos bandidos, que nunca ficam presos, senão não estavam se enrolando outra vez. Que o digam Erenice Guerra, Gilberto Carvalho, o tal APS e outros muitos. Lula é muito esperto, mas nunca imaginou que sua aura fosse afetada. Até que enfim estão desenrolando os fios desta fraude que é o ex-presidente.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

RECORDE

 

O número de notícias ruins em 2015 está batendo novo recorde. As montadoras de automóveis negociaram medidas provisórias para beneficiar o setor automotivo. Miguel Jorge, Guido Mantega, Sérgio Machado Rezende, Dilma Rousseff, Erenice Guerra, Dyogo Henrique de Oliveira, Gilberto Carvalho, Nelson Machado, Lytha Spíndola e Helder Chaves foram citados no relatório da Polícia Federal. Ex-ministros e ex-secretários dos governos de Lula e Dilma estão sendo investigados, pois mantinham contatos com lobistas que defendiam os interesses das montadoras. Portanto, as irregularidades não se restringem ao setor de óleo e gás, mas estão espalhadas por outros importantes segmentos da economia brasileira. A que ponto chegamos no Brasil!

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

ANO PERDIDO

 

Estamos já no final do mês de outubro e o ano de 2015, tanto do ponto de vista político como do econômico, foi perdido! Se Dilma Rousseff saísse do poder, teríamos uma chance de ganhar a credibilidade do mercado externo e começarmos a virar o jogo. Mas a politicagem imperou e o governo soube manipular muito bem seus aliados para jogar o impeachment de Dilma para 2016. Até quando o País aguentará o peso da máquina petista jogando só a seu favor, e o Brasil que se lixe nas ostras? Oposição, cadê você?

 

Mara Montezuma Assaf  montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

O CAMINHO PARA A RETOMADA

 

Para destravar os investimentos privados na infraestrutura, objeto dos Fóruns Estadão Brasil Competitivo, um bom caminho é buscar a experiência de países bem-sucedidos na conquista da confiança dos empresários e investidores. Os americanos, por exemplo, distinguem-se por colocar as instituições acima dos governos. Desde a sua independência, no século 18, quando optou pelo federalismo e a plena descentralização dos poderes, aquele povo cultua a segurança jurídica como forma de proteção dos direitos à liberdade e, em particular, ao de empreender e realizar negócios com garantias avalizadas pelo Estado, e não pelos governos. Desaparelhar o Estado, em particular as agências reguladoras, e garantir – através de lei – blindagens que as tornem profissionais deve ser o ponto de partida para qualquer movimento que objetive eliminar as incertezas de investir no Brasil. Empresários sérios não depositam seus recursos confiando apenas nas suas boas relações com governantes.

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

DEMAGOGIA

 

Agora o descaramento foi total. O relator do Orçamento, que é da base aliada do governo federal, anunciou que vai propor corte no programa Bolsa Família para, logo a seguir, a presidente Dilma se mostrar indignada e se postar como defensora incontinente da justiça social, gastando o que gasta de forma nababesca para manter a si e a toda a sua equipe, que existe tão somente para servi-la.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

REPATRIAÇÃO

 

O governo petista, que afundou o País numa crise sem precedentes, mandou para o Congresso um polêmico projeto, fruto do desespero, de repatriação de dinheiro não declarado por brasileiros no exterior. O montante que será arrecadado com o imposto recolhido e a multa não compensam mais uma cicatriz na nossa já deformada imagem internacional e, o que é pior, colabora na sensação induzida ao cidadão, que ganha seu dinheiro legalmente e paga impostos aviltantes, de que ele é um otário, já que o crime no Brasil muitas vezes compensa.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                     

Rio de Janeiro

 

*

LAVANDERIA

 

Se aprovarem o projeto de repatriação de dinheiro para o Brasil, essa operação será a “lavagem de dinheiro do século”. Tudo o que nos roubaram e enviaram para o exterior agora retornaria, sem problemas, mediante pagamento de módica taxa.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

DESESPERADOS

 

Se perguntar não ofende, embora o governo petista assim não  entenda, na proposta de repatriação de valores ocultos no exterior teria como diferenciar aqueles originados de atividade lícita ou ilícita? Em sã consciência, os primeiros estarão mais seguros com seus valores em moedas fortes, mais lá do que aqui, enquanto estes últimos, supostamente autores de crimes na obtenção dos recursos, a troco de que iriam expor a si próprios pelos atos cometidos? E, em ambos os casos, ainda ter de pagar impostos! Trata-se de coisa de desesperados na procura de recursos, típica, entre outras, de país sem solvência.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

NOVO ESTELIONATO 

 

A crise político-econômica que o País atravessa se revela de várias formas. E todas elas, de uma forma ou de outra, acabam afetando negativamente a vida das pessoas. O dragão da inflação dá as caras em muitos momentos e, diariamente, amplia seu rastro de devastação no bolso do trabalhador. Política e economia são irmãs siamesas, andam de mãos dadas. A instabilidade provocada por uma sempre acaba se refletindo na outra. Não existe exceção. A proposta de criação da nova Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), apoiada pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), como medida para subfinanciamento da Saúde, é mais um engodo, um estelionato que será aplicado no bolso do povo, pois o valor arrecadado vai ser diluído nas despesas para cobrir a irresponsabilidade deste governo e o déficit da Previdência. Ora, em respeito aos princípios da publicidade e da transparência na administração pública, se é provisória, como dizem, o projeto deveria vir acompanhado do cronograma de redução de despesas pelo período da vigência, assim no último ano o valor seria “superávit” – mesmo informal –, justificando, assim, sua extinção para o próximo exercício. Ou será mais fácil lá na frente trocar de provisória para permanente? Após ser reeleita com a promessa de que não mexeria nas conquistas sociais da população mais pobre “nem que a vaca tussa”, a presidente Dilma Rousseff (PT) frustra aquele que pode ser considerado o maior sonho do brasileiro, o de morar em residência própria. Pois é, está aí a resposta do desastroso e incompetente serviço de administração pública do governo petista. Não é a oposição quem diz, são os resultados visíveis na economia do País. Não deu mais! Aflorou aos olhos do mundo. Agora, quer corrigir o erro à custa dos que não têm culpa, aumentando a tributação fiscal, com a possível implantação novamente da impopular e famigerada CPMF: os brasileiros não aguentam mais tanta tributação. A bola da vez, mais uma vez, para justificar sua irresponsabilidade e incompetência na gestão pública, é a CPMF, ou a CSS (Contribuição Social para a Saúde), tudo para tapar o rombo nas contas do governo, que será de R$ 51,8 bilhões ou mais. Se quiser resolver esse problema sem onerar os brasileiros, Dilma que vá buscar todo o dinheiro enviado irresponsavelmente para Cuba, Equador, Bolívia, Venezuela e até para os terroristas do Hamas. Todo este desfalque no BNDES será suficiente para solucionar o déficit orçamentário e ainda sobrará muito dinheiro para a saúde e para chefes de Executivos municipais de todo o País custearem suas contas. Nós é que não vamos bancar mais essa conta.   

                                                           

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

*

CPMF

 

Prefeitos anunciam acordo para aumentar a alíquota da nova Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) para 0,38%. Ha, ha, ha, veremos se vai ter novo imposto!

 

José Eduardo Victor victorjoseeduardo@gmail.com

Jaú

 

*

A SOBREVIVÊNCIA DOS MUNICÍPIOS

 

Com o Tesouro completamente comprometido, avulta no cenário mais um item preocupante. Pelo menos 70% dos municípios brasileiros dependem do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para sobreviver. A Constituição de 1988 considerou os municípios entes federativos e liberou geral a criação deles. Ocorreu que a grande maioria o foi por meros interesses políticos e eleitorais do cacique local. Quando a farra estancou, já era tarde. Acho que está na hora de rediscutir o assunto e promover a fusão ou a reincorporação de antigos distritos aos municípios de origem, como forma de reduzir custos e torná-los economicamente viáveis.

 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO

 

A greve é um direito sagrado do trabalhador. Mas não trabalhar e receber salário é um roubo ao povo brasileiro que paga impostos. Infelizmente, não interessa ao governo regulamentar a greve no serviço público, pois ela é a única justificativa dos sindicatos, que ainda sustentam e defendem este governo incompetente e corrupto. O Congresso se cala. Resta ao povo pagar impostos, ter péssimos serviços e regularmente pagar os dias de greve. No Judiciário e nas universidades públicas a greve já chega a quatro meses. Cortaram o ponto? É justo fazer greve e receber por esses dias? Para mim, é coisa de bandido, canalha e que não respeita o suor do povo que trabalha 11 meses, oito horas por dia e seis dias por semana. O Ministério Público também se omite. A quem recorrer, então? O imposto sindical obrigatório e a falta de fiscalização dos recursos dos sindicatos e centrais sindicais são outra afronta à população, pois sabemos que esses recursos, que deveriam beneficiar os trabalhadores, são direcionados a campanhas políticas e interesses partidários. Brasil, o país da injustiça! Definitivamente, não é justo pagar mais impostos e bancar esse desrespeito.

 

Maria de Fatima S. Castro mariacastro1@bol.com.br

Brasília

 

*

PEC DA BENGALA

 

Dentro de pouco mais de um mês completarei sete anos da bengalada que recebi quando desembargador do nosso Tribunal de Justiça (TJ). Continuo trabalhando através da nossa associação, Apamagis, e em parceria com o próprio tribunal, em diversas atividades que não sejam os julgamentos. Criamos nesse órgão de classe o “GAJ – Grupo de Apoio à Justiça”. São dezenas de ex-juízes de desembargadores que se reúnem periodicamente e comparecem a diversos foros e comarcas para ajudar os colegas da ativa, principalmente realizando audiências de conciliação. Continuamos ministrando palestras e aulas e participando de cursos, tanto na área do Direito como em outras atividades. Lamento pensar que, embora nosso TJ esteja com mais de 300 desembargadores, o volume de processos por julgar continua aumentando, mesmo com o sistema eletrônico. É verdade que muito se deve ao nosso sistema processual burocrata, cartorário, cultura processualista e demantista bem exemplificada em “Memórias de um sargento de milícia”. O que se deve lamentar para corrigir é que centenas de juízes, experientes e amadurecidos no dia a dia dos fóruns, sejam obrigados a se aposentar aos 70 anos, quando mais e melhor podem contribuir, justificando o recebimento de salário igual ao da ativa. Durante uns dois anos, antes da jubilação, fui com frequência a Brasília visitar as Casas do Congresso, levantando o problema com nossos representantes. Era um grupo de profissionais de todas as áreas do Estado, professores, médicos, engenheiros, militares, delegados, advogados, promotores e juízes, entre outros. Destaco esse ponto para mostrar que o desejo de continuar trabalhando após os 70 anos não é “coisa de juiz”. Na época, nada se decidiu. Agora, depois de aprovado o aumento para 75 anos, mas restrito aos órgãos especificados, vem o veto coerente apenas com os demais desmandos do atual governo. Reitero o questionamento da professora Mayana Zatz, da Universidade de São Paulo, na edição de segunda-feira: por que os membros do Poder Judiciário devem se aposentar aos 70, enquanto os do Legislativo e os do Executivo podem continuar até morrer?

 

Silvio Marques Neto marquesnetosilvio@gmail.com

São José dos Campos

 

*

TUMULTO NO ENSINO

 

Diz o secretário estadual da Educação de São Paulo, Herman Voorward, que não está preocupado com economia. E complementa que sua “leitura é pedagógica”, razão pela qual a “segmentação (das escolas) é o caminho”. É uma filosofia de vida baseada numa leitura, é claro. Mas o que não está claro é a qual economia se refere e de quem. Ao ter em conta que muitos alunos terão de mudar de escola, que escolas serão fechadas e os prédios de algumas serão destinados a atividades outras ainda não conhecidas, percebe-se que o que o secretário visa é a uma economia da pedagogia, e os prejudicados econômica e pedagogicamente serão os estudantes e seus pais. Aliás, considerada a quantidade de estudantes, é difícil de entender que a tal “segmentação” que vai implicar uma redução da quantidade de escolas vá melhorar, e ampliar, a oferta de ensino público: o que vai acontecer é sobrecarregar o sobrecarregado município por causa da política de municipalização do ensino básico. É isto, enfim: uma medida tumultuante para vir a aparecer na mídia, como de fato vem acontecendo. Nada mais do que isso.

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

EDUCAÇÃO EM JOGO

 

Governador Geraldo Alckmin (PSDB), não nos decepcione fazendo o que o petelulismo tem feito até hoje, causando caos na educação, fechando 94 escolas e transferindo 311 mil alunos.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

SERÁ APENAS PROMESSA?

 

O ensino no Brasil, em qualquer nível, está deplorável, quer na sua infraestrutura, quer nos currículos e nos planos de aula, que pecam pelo conteúdo e, na maioria, não se completam no fim do ano letivo e não são cobrados pelos diretores escolares. Acresce o fato de que os professores, na sua maioria, não têm formação didática adequada.  Maria Márcia Malavasi, professora da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, argumenta que essa medida impactante do governo de São Paulo não objetiva a melhorar a qualidade, mas é uma forma de economizar recursos. Soa de forma estranha fechar tantas escolas quando se sabe que as existentes estão superlotadas. O governador deve ter um projeto muito bem traçado. Não se fecham 94 escolas num país chamado Brasil e fica-se impune; 74 mil professores serão incomodados e 311 mil alunos  mudarão seu itinerário. Se as condições de trabalho e a valorização do professor não vierem a reboque, o Estado promoverá apenas uma mudança de paisagem. O objetivo do governo é fazer com que 40% dos 5.147 colégios tenham estudantes no mesmo ciclo escolar. O governo diz que o ensino vai melhorar. Promessa de político.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

AGUARDEMOS OS RESULTADOS

 

A quem interessa toda esta confusão a respeito da reestruturação das escolas estaduais? O governador disse várias vezes que as instalações serão realocadas para a Prefeitura abrir creches, serão instaladas escolas técnicas, etc. Realmente, ninguém gosta de sair do conforto, experimentar o novo. Aguardem os resultados para depois opinarem e ajudar nas correções necessárias.

 

Vitor de Jesus vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

 

*

A OPOSIÇÃO DOS SONHOS

 

Fechamento de escolas, crise hídrica no Estado de São Paulo, crise na segurança pública, paralisação total das obras da Linha Amarela do Metrô e rejeição de 52% dos brasileiros ao nome Geraldo Alckmin para presidente do Brasil. E o PSDB ainda considera o nome dele para candidato à Presidência. Essa é a oposição com que o PT sempre sonhou.

 

Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

 

*

O SILÊNCIO DE DILMA SOBRE A VENEZUELA

 

Forças ocultas muito além da ideologia poderão explicar o silêncio da presidente Dilma Rousseff com relação à usurpação dos direitos humanos cometidos pelo governo Nicolás Maduro, na Venezuela, contra opositores e, principalmente, com relação ao julgamento do jovem opositor Leopoldo López, em que, segundo confessa o promotor Franklin Nieves, houve fraude. Somente o rastreamento do dinheiro do petrolão e delações premiadas para elucidar o que vimos especulando. Teria a Venezuela se transformado no paraíso fiscal do petrolão? Porque a presidente Dilma já foi presa, condenada e torturada, quando lutava por liberdade e democracia durante a ditadura militar no Brasil. Amar apenas o bolivarianismo não justifica tal silêncio, sendo que o que López vem passando ela já sentiu na própria carne. Ou seu choro quando se lembra deste período também era mentira?

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

 

A matéria “Quebra de empreiteiras trará risco sistêmico” (26/10, A6), de autoria de Walfrido Jorge, tem um tom bastante apocalíptico. Afinal, a quebra das empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato não deve ser tão traumática, pois os engenheiros não envolvidos nas falcatruas continuam com seus acervos técnicos no Conselho de Engenharia (Crea) sem mácula e prontos para assumir as mesmas responsabilidades técnicas em outras empresas de engenharia, que podem perfeitamente substituí-las. O que importa nestes casos é a capacitação do corpo técnico, e essa é garantida pelo acervo técnico individual de cada profissional no Crea.

 

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

 

*

QUANDO O CRIME COMPENSA

 

Poderia o sr. Walfrido Jorge escrever outro livro propondo um novo projeto para recuperação dos operários desempregados, aposentados vitimados pela corrosão inflacionária, pequenos empresários quebrados, que não vão comprar mais, reduzindo a economia de forma geral, caindo os impostos (pobre governo), o consumo de combustível (pobre Petrobrás) e novas licitações para estas empreiteiras que, juntamente com o governo, quebraram a Petrobrás. E, claro, nestes projetos todos irão colaborar e agir corretamente, como sempre fizeram. Bem, assim o crime compensa.

 

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

 

*

CRUZAMENTO PERIGOSO

 

“Não adianta esconder bens fora do Brasil.” Recado dado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao ser questionado sobre as investigações relativas ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Justificou: porque a cooperação internacional intensa permite identificar e a repatriar valores. Ah, está explicado! E no Brasil, como é que funciona essa engrenagem? Só funciona para nós, simples mortais contribuintes, para quem uma vírgula fora do lugar ou um “carrinho mil novecentos e nada” não declarado são motivos para cair na malha fina da Receita Federal; o cruzamento de dados é rigoroso. E para políticos latifundiários e assemelhados, cada dia mais ricos, essa intersecção não vale? “Seria muito difícil investigar e identificar laranjas, ‘construtoras caridosas’ ou parentes envolvidos em transações suspeitas?” É claro que não! Para tudo tem de haver uma contrapartida, se não a conta não bate, não é mesmo? Mas, ao contrário de países sérios que identificam predadores e repatriam fortunas, por aqui, na terra descoberta por Cabral, a cooperação e a fiscalização deixam a desejar, não são tão intensas e têm permitido esta monumental evasão de recursos ilícitos para o exterior.

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

AINDA A CPI

 

O assunto é requentado, mas o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás não indiciar nem o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, que compareceu espontaneamente à CPI e declarou que não tinha contas no exterior, é o cúmulo. Quando a Suíça mandou as provas das contas abertas em nome dele em bancos suíços, ficou claramente configurado que ele mentiu. E não o indiciou? Acabem com as CPIs. Viraram picadeiro. CPI e Conselho de Ética têm de ser formados por membros da sociedade civil. Se não for assim, é melhor não tê-los.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘FARINHA DO MESMO SACO’

 

Eduardo Cunha e Dilma Rousseff são farinha do mesmo saco, sim, como foi dito no editorial do “Estadão” de sábado (24/10). Praticam desvios éticos de natureza diferente, mas o valor moral que norteia suas ações é exatamente o mesmo. Numa escala de 1 a 10, o de ambos é zero. Pelo bem do povo brasileiro, precisam ser afastados, pois carecem ambos do respeito, da credibilidade e do espírito público que fariam do ocupante destes cargos os estadistas que não são. Que os meritíssimos do Supremo Tribunal Federal (STF) e as excelências do Congresso se deem conta disso, pois seus descendentes não estarão protegidos das consequências desta nefasta ambiência e herdarão o mesmo país do mais humilde dos cidadãos brasileiros. E que atentem para o seguinte fato: país de privilégios e roubalheira só dá voos de galinha, porém jamais chega ao definitivo desenvolvimento econômico e social. Não é este o caso do Brasil, por acaso? E é por este motivo que, enquanto a ética não for um valor importante a ser cultuado por todos os brasileiros, e ser honesto se torne uma questão de honra, o Brasil vai continuar naufragando em mares mansos, pois mesmo com tudo a favor estará sempre entrando em graves crises que tanto nos maltratam e atormentam. Isso precisa mudar, e logo, pois agora qualquer um é capaz de sentir claramente aonde acaba nos levando toda essa bandalheria, ou seja, para buracos negros sugadores de toda a nossa força e esperança, onde ninguém ganha e todos perdem.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

FROUXIDÃO ELEITORAL

 

Meu conterrâneo sr. André Coutinho apontou, no sábado (“Fórum dos Leitores”), a situação ruim do País, governado por um lixo político. Espero que a cura da grave doença maligna que acomete o País tenha início mediante atuação inflexível das instituições democráticas, Polícia Federal e Ministério Público, desde que libertos de ingerências indevidas de agentes coniventes com a pouca-vergonha. Mas, a meu ver, o tratamento preventivo da doença terá de passar por uma reforma da Constituição, que carece de “filtros” (cláusulas de barreira) que impeçam a chegada ao poder de pessoas não qualificadas para exercer cargos em que devem atuar precípua e exclusivamente em favor do povo. Mais ainda: quanto mais elevado o cargo, maior a seria a qualificação exigida, passando, antes, necessariamente, por níveis inferiores da administração pública, como ocorre no mundo real. O “poste” Dilma Rousseff e o deputado Tiririca são emblemáticos dessa frouxidão eleitoral. Barrar improváveis salvadores da Pátria, enganadores e mal intencionados não fere a democracia, mas a aprimora. Já encaminhei essa proposta a dois destacados senadores que estão habilitados a tratar do tema no Congresso, confiando em que a levem adiante.

 

Paulo Eduardo Grimaldi pgrimaldi@uol.com.br

Cotia

 

*

PARTIDO NOVO

 

Tão grande é a desilusão do povo brasileiro com os políticos e seus respectivos partidos que a entrevista com João Dionísio Amoedo, fundador e presidente do Partido Novo, publicada na segunda-feira, dia 26/10 (“Precisamos de um Estado menor, que pare de atrapalhar as pessoas”), traz, na minha opinião, uma nova  esperança ao povo brasileiro, uma vez que o novo partido não vai admitir políticos. Cabem elogios ao “Estadão” por publicar referida matéria e à colunista Sonia Racy, que conduziu brilhantemente a entrevista.

 

Paulo Juvenal da Costa costa-paulo@ibest.com.br

São Paulo

 

*

A GRAFIA CORRETA

 

Gostaria de cumprimentar o “Estadão” pela excelente entrevista com o presidente do Novo, o engenheiro João Dionísio Amoedo. A única questão que ficou errada na matéria e que seria importante corrigir é quanto ao nome do partido, que não é PN. O partido, como estratégia, adotou a sigla Novo justamente para informar que vem para mudar tudo o que está acontecendo por aí, com nova postura, sem coligações, trazendo a prática da gestão profissional das empresas e do mundo corporativo para os partidos e para a política. Sou apoiador do Novo e como Novo ele é conhecido. Para que consolidemos a marca do Novo, é muito importante que seja denominado corretamente pela mídia. Valerá a pena acompanhar e repercutir as ideias do Novo: redução do tamanho da máquina pública, aumento das liberdades com responsabilidade do indivíduo e proteção aos direitos individuas, de propriedade, enfim, um novo recomeço para o Brasil.

 

Jonas A. Federighi jonas@remconstrutora.com.br

São Paulo

 

*

‘PÉSSIMO PARA A DEMOCRACIA’

 

A preocupação mostrada no editorial “Péssimo para a democracia” (27/10, A3) nos mostra que chegou a hora de o Brasil repensar duramente sua democracia. Como existe hoje, a democracia tem se mostrado péssima para o Brasil. Cada um dos tantos criminosos que estão destruindo o País foram eleitos e reeleitos democraticamente, e isso tem de mudar. A Lei da Ficha Limpa foi um importante avanço no sentido de impedir criminosos de ocupar cargos públicos, mas só essa lei não tem sido capaz de afugentar as tantas quadrilhas criminosas entrincheiradas no poder. O caso de Eduardo Cunha e suas contas criminosas na Suíça é exemplar da enorme dificuldade que existe hoje para afastar da vida pública os maus elementos. A volta triunfal do ex-presidente Collor às páginas policiais nos faz perguntar o que seria preciso para um cidadão ser banido definitivamente da vida pública. Os muito ignorantes que me perdoem, mas saber ler, escrever e fazer contas deveria ser obrigatório para os candidatos à Presidência da República. Enquanto a democracia for cega, surda e burra, veremos o triunfo de nulidades como Tiririca e de criminosos dispostos a fazer “o diabo” pelo poder de roubar à vontade e não ter de se preocupar com a polícia. Acabar com a imunidade parlamentar para crimes comuns, limitar a propaganda política ao horário gratuito, onde apenas o candidato abriria a boca em frente a um fundo branco, sem musiquinhas nem produções cinematográficas e criar mecanismos para acompanhar e cobrar o desempenho dos eleitos seriam medidas para começar a resgatar a dignidade na vida pública. A democracia brasileira estará madura quando for capaz de filtrar e afastar rapidamente os maus elementos. Um exemplo de democracia de verdade seria a presidente Dilma perder seu cargo por ter mentido deliberadamente na sua campanha. Simples assim.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

MANDATOS

 

Parabéns pelo seu editorial “No máximo, dois mandatos” (25/10, A3). Já tinha a convicção de que uma só reeleição consecutiva é o melhor esquema (as recentes tentativas de políticos em acabar de novo com a reeleição me parecem um casuísmo suspeito), mas não havia me dado conta da inconveniência de possibilitar uma nova eleição futura depois de um intervalo – e as atuais pretensões de Lula ilustram isso muito bem. Apenas um acréscimo: penso que a regra deveria ser estendida também ao Poder Legislativo. As atuais reeleições ilimitadas servem sobretudo para criar feudos excelentes para hospedar toda espécie de tramoias, além de inibir a ascensão de novas lideranças e ideias. Naturalmente, os ali encastelados não têm nenhum interesse em mudar isso. Que tal alguma pressão pública nesse sentido?

 

Rolando Körber roland@korber.com.br

São Paulo

 

*

PORTE DE ARMAS

 

Surpreende o substitutivo do deputado federal Laudivio Carvalho (PMDB-MG), que dá porte de armas a parlamentares. A lei atual é um modelo de Primeiro Mundo. Quais os motivos que levam a essa concessão? Qual a perícia, prática e habilidade que estas pessoas têm? Estão sendo ameaçados? Quando houve no Brasil um caso de ameaça, lesão corporal ou morte? Imagina uma discussão no plenário com tiroteio? Uma desavença resolvida nas armas? Na contramão da história, a nova lei vai dar porte de armas também às Polícias Legislativas e a agentes de trânsito. Vamos mudar os sinais e semáforos de trânsito à bala também? Quanto mais armar a população sem a destreza necessária, mais acidentes matarão pessoas. Cada vez mais, na situação atual, os políticos não devem possuir armas.

 

João Coelho Vítola jvitola1@gmail.com

Brasília

 

*

FOSFOETANOLAMINA

 

Em meio a tanta discussão sobre a fosfoetanolamina sintética, pergunta-se por que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou quem de direito não acompanha as centenas ou milhares de pessoas que já usaram ou usam essa substância? Certamente, isso contribuiria para o aumento do conhecimento sobre a fosfoetanolamina e na sua possível liberação como medicamento.

 

Rodolfo Godoy rgodoyxv@gmail.com

São Carlos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.