Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2015 | 02h55

Repatriação de recursos

Entra em pauta, para votação na Câmara dos Deputados, o projeto de lei que permite a repatriação de dinheiro de brasileiros mantido no exterior e não declarado à Receita Federal, anistiando-os de processos administrativos de evasão de divisas e sonegação fiscal e impondo-lhes tão só o recolhimento de imposto e multa, muito aquém do que realmente seria devido. Vislumbro aí a possibilidade de uma votação que simbolize legislação em causa própria. Certamente, todos os brasileiros que cumprem suas obrigações fiscais gostariam de saber quais são os “beneméritos” que contribuirão para que sua “querida Nação brasileira” se desvencilhe, em parte, da atual e incomensurável crise econômica. Tomara que me equivoque e o projeto não seja aprovado. Há outros meios (transparentes) de enfrentar a crise.

PAULO GUIDA

paulo.guida@yahoo.com.br

São Paulo

Contas de 2014

O ministro Jaques Wagner diz que não é nada anormal o Congresso aprovar as contas da Dilma de 2014 com as confessadas pedaladas. Evidentemente que não é anormal, considerando os atuais procedimentos dos parlamentares é só mais um negócio. Vai pagar como? Com ministérios, cargos públicos de primeiro, segundo e terceiro escalões, pixulecos no cartão corporativo?

VAGNER RICCIARDI

vb.ricciardi@gmail.com

São Vicente

Gênero

Declaração do ministro Joaquim Levy sobre o Orçamento para 2016: “Não queremos fazer cortes indiscriminados. A presidente tem sinalizado para a importância de ter cada vez mais eficiência nos gastos”. Muito bem. Só recomendo ao ministro evitar de chamar Dilma Rousseff de presidente, porque, no mínimo, vai levar um puxão de orelhas!

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

Só no Brasil....

A Receita Federal quebrou a cara com a implantação do Simples Doméstico. É mais fácil chamar os especialistas que desenvolveram a urna eletrônica. Quantos milhões de reais os contribuintes brasileiros gastaram para pagar à empresa que desenvolveu o desastroso sistema do Simples Doméstico? Quantos milhões a mais serão gastos para consertar essa porcaria? Só no Brasil se vê esse tipo de coisa desastrada.

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

... dos ‘çábios’ do PT!

É preciso ter grande experiência do Brasil sob o PT para conceber o sistema do Simples Doméstico: não é simples, não funciona e, o fecho de ouro, punirá com multa quem descumprir o prazo estipulado pelo governo! Esse é somente um pequeno exemplo da genialidade desse governo de çábios que pune o cidadão pela sua própria incompetência.

RENATO GENTILE ROCHA

rerocha65@gmail.com

São Paulo

Burocracia incompetente

No nosso querido Brasil de hoje o que não falta é incompetência e burocracia. Tudo o que parte das administrações federal, estaduais, municipais carece de ajustes e erratas, tanto em leis, decretos, portarias, instruções normativas como em sistemas operacionais, etc. Agora estamos sendo brindados com a dificuldade para emitir uma simples guia de recolhimento de Previdência Social para empregadas domésticas. Tantos meses para implantar um sistema de emissão da tal guia (obrigatoriamente eletrônico) e eis que os contribuintes gastam horas no computador tentando obter o formulário, sem sucesso. Pior é a recomendação da Receita Federal e do INSS: continue tentando – como se o contribuinte pudesse gastar todas as horas do dia para tentar a emissão da guia (sem a qual não é possível pagar a contribuição). E pensar que se propaga termos os sistemas eletrônicos mais avançados do mundo de atendimento de serviços governamentais! Pena que os criadores e operadores dos sistemas públicos não se enquadrem nessa qualificação. Será que eles são os comissionados escolhidos para atender os políticos?

ADIB HANNA

adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

Assim não dá

Estou com 93 anos e fico revoltado com a irracionalidade do “eSocial”. Tomei a iniciativa de fazer meu cadastramento como empregador de trabalhadora doméstica. Inicialmente é apresentada uma tela com os campos para preenchimento: CPF, data de nascimento, identificação de caracteres. A tela seguinte apresenta os campos CPF, data de nascimento e mais os campos para preencher com os números dos recibos do Imposto de Renda (IR) de 2015 e 2014, o que julgo absurdo. Já declarei meu CPF e pergunto: o que tem que ver cadastramento para recolhimento de FGTS com recibos de IR? Mas tem mais: os campos para eles só aceitam dez dígitos e eu tenho os recibos oficiais do meu Impostos de Renda, emitidos pela Recita Federal, com 17 dígitos! São seis pares de números separados por pontos. Desisti. Não consegui fazer o cadastramento.

EDGARDO P. MENDES JUNIOR

epdegas@gmail.com

São Paulo

Complicado e inútil

A Receita Federal poderia simplificar se adotasse a simples ideia de colocar no carnê de recolhimento dos empregados domésticos apenas dois itens: além do NIT/PIS do empregado, que já consta, acrescentar o CPF do empregador e o valor do FGTS. Por quê? A Receita já tem todos os dados do CPF de qualquer pessoa, neste caso tem os do empregador, e o INSS-Previdência tem todos os dados do empregado por meio do NIT/PIS. Então, ficaria assim: no carnê, NIT/PIS do empregado, CPF do empregador, mês de recolhimento, valor do INSS e valor do FGTS. Quando do pagamento no banco, o caixa registra o número do NIT/PIS do empregado e credita o valor do INSS; no caso do FGTS, registra o número do NIT/PIS do empregado e o CPF do empregador e credita o valor. Enfim, o banco recebe o total (INSS+FGTS) e quita a guia. Da próxima vez seria conveniente a Receita consultar um contador. Não precisa dessa parafernália e todo a perda de tempo.

JOSE PEDRO VILARDI

vilardijp@ig.com.br

São Paulo

PREFEITURA PAULISTANA

Nuvens negras

Com Marco Feliciano, Andrea Matarazzo, Celso Russomanno, Fernando Haddad, Marta Suplicy, Datena ou Dória Jr. pré-candidatos a disputar a governança da nossa capital, os paulistanos não terão mesmo administração pior do que a atual, no próximo mandato municipal. Isso apenas se Haddad vier a ser reeleito. Benza Deus!

PAULO BUSKO

paulobusko@terra.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CADASTRO ÚNICO DO EMPREGADO DOMÉSTICO

 

A Receita Federal afirma que não irá, em hipótese alguma, prorrogar o vencimento do cadastro único dos Empregados Domésticos. O empregador continua sem conseguir acessar a Receita Federal para imprimir a guia de pagamento. Até parece que está sendo proposital. Será que as contas públicas estão tão no negativo que, para o governo, não resolve apenas arrecadar, mas arrecadar com multa? Se amanhã (6/11, data do vencimento) o "acesso estiver solucionado", deixará escancarada a tramoia!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

 

*

CIDADÃO ESPEZINHADO

 

O lamentável governo Dilma Rousseff mais uma vez maltrata o cidadão com suas trapalhadas: desde o dia 1.º de novembro (escrevo na tarde do dia 4/11), tento emitir a guia de recolhimento do malfadado e-Social, passando períodos de uma, uma hora e meia ou duas horas em frente ao computador, de manhã e à tarde - e registro: tenho internet de alta velocidade, pela qual pago -, sem nenhum resultado. Tenho diversas fotografias da tela com as negativas de acesso. O Fisco, do alto de sua imperial arrogância, informa ao cidadão espezinhado que não prorrogará o prazo de pagamento do tributo, embora reconheça que o contribuinte não consegue fazer o cadastro e emitir a guia. Kafka é brinquedo perto disso. E quanto custará a cada um de nós a defesa contra a sanha arrecadatória do credor fiscal, que não cumpre, ele, suas obrigações, a mais elementar das quais é viabilizar o pagamento?

 

Eduardo Spinola e Castro  3491esc@gmail.com

São Paulo

 

*

O 'SIMPLES' COMPLICADÍSSIMO

 

Não bastasse o aumento da carga tributária, que sobrecarrega - em muito - o empregador doméstico, essa classe ainda tem de suportar a inconsistência de um programa (e-Social) disponibilizado ao público a título de "facilitar" os procedimentos que a nova lei impõe. Ocorre que esse "simples mortal" que vos fala vem, desde o dia 1.º de novembro, tentando imprimir a guia de recolhimento dos encargos trabalhistas que lhe são cabíveis, até o presente, sem obter sucesso. Tal programa, segundo a imprensa, custou aos cofres públicos a cifra de R$ 8 milhões e, a meu modesto entender, foi enfiado goela abaixo dos seus destinatários sem nenhum tipo de planejamento, testes ou conferência com relação ao programa de cadastro e emissão da guia. Como se tudo estivesse correndo às mil maravilhas, a própria Receita Federal estipula um prazo - improrrogável - para a quitação dos débitos até o dia 6 deste mês. Questionada sobre uma eventual prorrogação, a Receita demonstrou impossibilidade pelo fato de essas verbas se tratarem de direito do trabalhador. Daí a pergunta: se a preocupação do órgão com os diretos trabalhistas é tanta, por que não se atentou para a confecção de um programa de computador com o mínimo de eficácia? Diante desse acontecimento e de tantos outros que a Nação tem de enfrentar, constato que o serviço público deste país ainda se qualifica como décadas atrás, quando o servidor neófito o assumia como "emprego", e não como "trabalho".

 

Emmanoel Agostinho de Oliveira eaoliveira2011@gmail.com 

São Paulo

 

*

BIZARRICE

 

É até compreensível que o Simples doméstico apresente problemas de ordem digital na fase de implementação. O que é estapafúrdio, incompreensível e desrespeitoso é a Receita comunicar de antemão que não haverá prorrogação no prazo do vencimento! Bizarrices são marca registrada deste governo medíocre. 

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

 

*

MENTIRA

 

Completei três horas aguardando a emissão da guia para recolhimento do e-Social. Acabei desistindo, pois tenho de trabalhar. Como contabilista - e acredito que a maioria pensa assim -, não queremos prorrogação, queremos um sistema eficiente que funcione e permita a emissão do boleto. A Receita Federal deve ter aprendido a mentir como este governo que aí está, porque a todo instante vê-se nos jornais que a Receita "não encontrou falhas no sistema". Vai mentir assim lá longe! Digo, em Brasília.

 

Donizete A. Beraldi Neves africaneves@hotmail.com 

Araçatuba

 

*

IMPRESSIONANTE!

 

O incompetente governo petista não consegue sequer fazer com que o contribuinte gere uma guia para pagar o Simples doméstico. Tudo aquilo em que eles colocam a mão dá errado. Impressionante!

 

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br 

São Paulo

 

*

INCOMPETÊNCIA

 

Um governo que precisa arrecadar não consegue fazer rodar um simples programa... Chamem a molecada de 15 anos e tudo se resolve. Ou contratem um hacker. Eu gostaria de elogiar alguma iniciativa deste governo, mas só vou conseguir elogiar uma possível renúncia.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco 

 

*

SINTOMAS DE DESGOVERNO

 

Reveladora a situação que nos últimos dias mereceu intensa cobertura da mídia, relacionada ao sofrimento a que foram (e certamente ainda estão sendo) submetidos milhares de brasileiros que desejam, veja bem, regularizar sua situação fiscal perante as obrigações impostas pela nova legislação que cuida de garantir direitos elementares para a classe dos empregados domésticos. Enquanto patrões se descabelam no Brasil todo tentando se legalizar até o prazo derradeiro (6/11), o tal "sistema", que certamente não deve ter sido adquirido a custos irrisórios, apresenta falhas intransponíveis para a maioria dos mortais. Em meio a esta profusão de imagens e relatos de que a culpa não é do contribuinte, a Receita Federal, de forma arbitrária e insensível, não assume sua (ir)responsabilidade e ainda quem por ela responde se dá ao despautério de ignorar o clamor nacional para que o prazo de adesão seja prorrogado. Enquanto isso, nem uma só palavra da Presidência da República, nem da Casa Civil. Evidentemente que todos eles estão mais preocupados em salvar a própria pele do que cuidar daquilo para o que foram eleitos. E pensar que ainda corremos o risco de aturar isso por mais três longos e penosos anos.

 

Fernando Cesar Gasparini phernando.g@bol.com.br 

Mogi Mirim 

 

*

ESTADO INIMIGO

 

Já se criticou o Estado meramente gendarme, o Estado opressor, o Estado absenteísta. Por outro lado, alguns teóricos de nomeada já começaram a falar do Estado ou governo inimigo. É precisamente este aquele que penaliza boa parte da classe média a ficar tentando gerar guias de recolhimento de taxas pelo emprego doméstico, durante todo um feriado prolongado, num sistema despreparado e trombótico, bicho feio mostrando suas garras denominadas multas, acréscimos, etc. 

  

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

 

*

TERRORISMO TRIBUTÁRIO

 

Pela leitura diária, percebe-se que o Simples Doméstico não é tão simples assim. Muitas e muitas pessoas, no e-Social, não conseguem obter a guia para pagamento dos encargos do trabalho doméstico. Ou seja, querem cumprir suas obrigações, mas não conseguem o documento necessário para tanto. E a "culpa" não é dos contribuintes, que isso fique bem claro. Apesar das patentes dificuldades, a informação que se tem é de que a Receita não irá prorrogar o prazo para cadastramento e pagamento e que quem o fizer depois da data fixada irá pagar também os encargos da mora. Em suma, os que pagam os tributos estão sendo vítimas de um verdadeiro terrorismo tributário governamental. É... mais isto: o governo federal está gerando ações de indenização por danos morais.

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

SUPLÍCIO ELETRÔNICO

 

O e-Social está pondo a população em polvorosa. As dificuldades são quase intransponíveis para regularizar a nossa auxiliar de quase todos os dias. É complicado cadastrar e muito mais complicado imprimir o boleto para efetuar o pagamento. O vencimento está próximo e, após muitas horas de tentativas frustradas, as dificuldades são muitas e poucos foram o que conseguiram seu intento. O programa disponibilizado pelo Serpro carece de urgentes melhorias. É um suplício eletrônico pagar o FGTS da empregada doméstica.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

 

*

O PROBLEMA NA CONTRATAÇÃO

 

Quando tive o primeiro contato com a Lei de Licitações (Lei n.º 8.666/93), já enxerguei algumas anomalias que, embora no contexto histórico em que a lei fora instituída tenham sido úteis, tornariam o Estado muito mais preguiçoso e leniente (como parece ser a nossa natureza desde as origens imperiais). Um dos pontos mais sensíveis dos anacronismos contidos nesta lei está da dispensa de licitação na contratação para a impressão dos diários oficiais, de formulários padronizados de uso da administração e de edições técnicas oficiais, bem como para prestação de serviços de informática a pessoa jurídica de direito público interno, por órgãos ou entidades que integrem a administração pública, criados para esse fim específico (trata-se do incido XVI, do art. 24, incluído pela Lei n.º 8.883, de 1994). O que nos toca especificamente neste momento é a contratação de serviços de informática, posto que o governo federal mantém duas grandes empresas nesse segmento: Serpro e Dataprev, que são contratadas sem licitação para, principalmente, a concepção e manutenção de sistemas informatizados nas áreas tributária e previdenciária, respectivamente. Essa preferência, que se converte em exclusividade com o Decreto Presidencial n.º 8.135, de 4 de novembro de 2013 (editado após a suspeita de vazamento de dados das comunicações da Presidência da República com indícios de autoria da agência nacional de segurança norte-americana), conduz a uma situação extremamente confortável às empresas públicas que prestam tais serviços, posto que a competição desapareceu. Assim, não há nenhuma necessidade de que tais empresas prestem o serviço da melhor qualidade, com a maior eficiência ou sob a melhor equação custo-benefício. Basta que pratiquem preços de mercado e tenham sido instituídas para finalidade específica prevista na Lei de Licitações. Nesse contexto, as medições, controles de eficiência, eficácia, atualizações e disponibilização dos serviços ficam relegados ao governo, cuja expertise no segmento não se mostra suficiente, principalmente em decorrência da distribuição de cargos por indicação política, em detrimento da competência técnica ou conhecimento da área pelos indicados. A par de todas as deficiências existentes nos sistemas e aplicativos disponibilizados pelo governo para os contribuintes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, temos o último episódio trágico deste sistema que premia a ineficiência: o e-Social, que está atormentando os empregadores domésticos com o cadastro e a emissão de guia unificada para pagamento dos encargos (INSS, adicional de riscos por acidente de trabalho, FGTS e adicional para o caso de demissão sem justa causa e imposto sobre a renda). Penso que já passou da hora de conceber-se uma solução que devolva a competitividade a esse segmento, valorizando as tão propaladas cláusulas de confidencialidade e estabelecendo penalidades que sejam efetivamente aplicadas aos prestadores de serviço que se aventurarem a ingressar no negócio. Para isso é necessária uma mudança legislativa e de mentalidade, propiciando serviços de melhor qualidade ao tão espoliado contribuinte brasileiro. A quebra desse monopólio dos serviços de tecnologia da informação prestados ao governo seria um bom começo rumo à busca da eficiência do Estado, tanto nos processos internos quanto naqueles postos à disposição do cidadão.

 

Carlos Alberto Lemes de Moraes, procurador da Fazenda Nacional calmoraes1@gmail.com 

Campinas

 

*

'O IMPACTO SOCIAL DA CRISE'

 

No editorial de terça-feira (3/11), pudemos sentir que hoje a situação está ruim, mas amanhã estará pior. Com as demissões em massa, os funcionários demitidos estão hoje com dinheiro, pois receberam o salário, o 13.º proporcional, o FGTS e alguma gratificação. Esse valor impressiona quem vive com o salário do mês. Se não tiverem juízo, irão gastar no Natal. Chegará janeiro, e não entrará nada, em fevereiro nada, e então vai crescer a inadimplência e os problemas sérios dos sem dinheiro. Então se começa a fazer dinheiro de "outras" maneiras. Isso, com certeza, vai acontecer pelo Brasil, onde houve demissões. Até solucionar este estado de coisas, vai levar tempo...

 

Marcos Pougy marcoslaly@gmail.com 

São Paulo

 

*

SAÍDA LENTA DA CRISE

 

De acordo com pesquisa do "Estadão", com manifestações de entendidos na temática, a saída desta crise deverá ser lenta, mesmo porque os especialistas acham que é a pior crise após 1930. No ponto fundamental da recessão atual está a falta de confiança dos investidores e dos consumidores, o que traz o PIB para baixo, provocando uma maior insatisfação. Entretanto, não será fácil o governo atual angariar a confiança dos empresários e dos consumidores, porquanto o Planalto não possui, na verdade, um norte convincente para a nossa economia, fixando-se só em aumento e criação de tributos, enquanto a política fiscal de redução de gastos fica patinando.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 

Rio Claro

 

*

CPMF: QUANTO ANTES MELHOR, PARA ELES

 

A opinião pública e demais órgãos deverão estar atentos às manobras do governo para aprovar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) ainda neste ano. Diga-se de passagem que não deveriam aprová-la nunca, mas, como estamos no Brasil e é um tal de salve-se quem puder, tudo pode acontecer. Não me admira que, na calada da noite, se reúnam em sessão extraordinária e aprovem tal maldade para a população em geral. E deve ter já uma data para isso: o final do Campeonato Brasileiro de futebol, quando todos os torcedores estarão comemorando eufóricos a vitória do seu time. Já dizia um deputado que, quanto mais cedo essa medida for aprovada, maior a possibilidade de o eleitor se esquecer da tal maldade nas próximas eleições. Que cara de pau! Isso significa dizer "não estamos nem aí para suas preocupações. O que vale é o partido, as lideranças e minha permanência no cargo". Aliás, com a proporcionalidade de votos, cada vez que se elege um Tiririca da vida, entram todos os que interessam aos partidos.

 

Fabio Orbite inforbite@yahoo.com.br  

São Paulo

 

*

OS JUROS E OS AGIOTAS

 

Está muito mais vantajoso pedir dinheiro emprestado a um agiota do que procurar pelo empréstimo de um banco. Como o agiota não paga nenhum imposto, ele empresta a juros bem mais em conta que um empréstimo consignado. Você só tem de assinar uma nota promissória. No caso de inadimplência, os juros sobem para 10% ao mês. Trata-se de um caixa dois. O único porem é que os prazos concedidos são mais curtos do que os dos bancos. No máximo, um ano. Eu nunca usei um agiota, soube por terceiros.

 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

PEDALADAS NA CAIXA?

 

Tem algo de estranho acontecendo na Caixa Econômica Federal (CEF). Sou aposentado e sigo trabalhando... Por isso, recebo o depósito do meu FGTS diretamente na minha conta corrente. Tenho cadastro no sistema de aviso via SMS, que me avisa sempre que os depósitos são realizados e também quando os valores estão disponíveis para saque. Recebi o primeiro aviso entre os dias 14/10 e 16/10. No dia 31/10, os valores ainda não estavam disponíveis para saque. Ou seja, a Caixa se apropriou do meu dinheiro por mais de 15 dias. Imagino que isso esteja ocorrendo pelo país afora. Aprenderam com o PT, provavelmente. A quem reclamar?

 

Elcio de Angelis elcio_angelis@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

RASPADINHA DA CEF

 

Donos de lotéricas dizem que não recebem as raspadinhas desde janeiro de 2015. Segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), as loterias passam por mudanças e não há previsão de quando retornará. A Caixa informou que o produto passa por reformulações normativas e que não há previsão de quando voltará a ser comercializado. Na realidade, eu creio que a falta de credibilidade na sua distribuição afeta a crença dos interessados mais esclarecidos em tentar a sorte. Da mesma forma, os sorteios eletrônicos deixam muito a desejar e afetam a crença dos apostadores. Eu sou um que não acredita nestes sorteios eletrônicos, podendo facilmente ser programado um resultado desejado e não há quem possa provar o contrário. Por que a Caixa não usa um sistema idêntico ao usado pela Tele Sena de Silvio Santos? Com este sistema nunca houve reclamação nem suspeita na sua realização.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com 

São Paulo

 

*

SISTEMA S

 

O Sistema S está fazendo cortesia com chapéu alheio. Os dirigentes deste sistema declaram que vão ajudar o governo com R$ 5 bilhões. Este sistema deveria andar com suas próprias pernas, com contribuições obrigatórias e deveria prestar contas aos contribuintes, pois é uma verdadeira caixa preta. Estão se desviando de sua finalidade, por exemplo, patrocinando o time milionário de vôlei do Sesi.

 

Odomires Mendes de Paula odomires@abrampe.com.br

Uberlândia (MG)

 

*

NO CONSELHO DE ÉTICA

 

Candidatos à relatoria do processo no Conselho de Ética descobriram a pólvora quando disseram que viram evidências contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados. Ora, ora, ora, senhores candidatos à relatoria, qualquer brasileiro minimamente esclarecido já está cansado de saber que o deputado Cunha é mais sujo que pau de galinheiro. Sua fortuna depositada em bancos suíços é antiga, como antiga também é a prática de desviar recursos públicos e receber propinas. Ele pertence ao grupo dos famosos "raposas velhas".

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

CUNHA VAI ESCPAR

 

Em qualquer país sério, Eduardo Cunha já teria sido afastado de seu cargo por causa das avassaladoras evidências de corrupção apresentadas pela Justiça da Suíça. Para sorte dele, o Brasil não é um país sério. Quem tem memória sabe que não só será possível a Eduardo Cunha escapar, mas também não é difícil de imaginar que ele terá uma longa carreira política pela frente, quem sabe até chegando à Presidência da República. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é a prova viva de que os corruptos no Brasil têm vida longa e próspera. Muito antes do mensalão e do petrolão, Renan já pagava a mesada da amante com dinheiro das empreiteiras. Quem sabe um dia Renan e Cunha até disputem a Presidência da República. Outro exemplo menos glamoroso que dá esperanças a Cunha é o caso de seu antecessor, o ex-deputado Severino Cavalcante: depois se ser pego com a mão na massa extorquindo o dono do restaurante da Câmara, Severino foi esperto, renunciou ao mandato, escapou de qualquer punição e logo se elegeu prefeito em sua cidadezinha natal. Eduardo Cunha tem muita chance de escapar, quem não tem chance nenhuma é o Brasil. 

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo 

 

*

ELE MENTIU

 

Cunha disse "eu não faltei com a verdade", referindo-se a ter dito na CPI da Petrobrás que não tinha dinheiro depositado em contas no exterior. É o mesmo que diria Paulo Maluf. Caras de pau, só mesmo com óleo de peroba, ou deixar dar cupim.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

POLITICAGEM IMUNDA

 

Antes de solicitar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para levá-lo para casa, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, deveria se lembrar de que faltam equipamentos de hemodiálise nos hospitais públicos brasileiros. Ao negar que os milhões de dólares que estão depositados em bancos suíços lhe pertencem, Cunha deveria se lembrar de que faltam profissionais especializados nos hospitais públicos brasileiros. Um homem de bem não se fingiria de morto diante de inúmeros problemas na área da saúde em nosso país. O presidente da Câmara não pode ficar congelado diante de tantos problemas sérios que afligem a população brasileira. Cunha causou e continua causando prejuízos imensuráveis ao Brasil, pois não para de engavetar questões importantes e continua praticando a mais imunda política, usando e abusando do seu poder. 

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte 

 

*

SERÁ QUE CHEGAMOS LÁ?

 

Não adianta, meu irmão. Para mudar a política brasileira, tem de trocar tudo, desde os votados, mas principalmente os votantes, sem voto obrigatório. Pagamos as maiores taxas e os maiores impostos. Alguém que se candidatasse deveria fazê-lo com altruísmo, com o único objetivo do puro patriotismo. Mas isso não se dá na sociedade brasileira. Seria justo atendimento digno para todos em qualquer lugar do País, um policial em cada esquina, transporte com cumprimento de horário e a preço razoável, hospitais com vagas e atendimento dia e noite, escolas para toda a população, agilidade nas decisões urgentes e prioritárias. Se todo mundo concorda que é assim que tem de ser, por que não acontece? Difícil? É só empregar bem o dinheiro extorquido e achacado praticado por quem todo brasileiro conhece, nomes e sobrenomes. A propósito: será que o crucifixo surrupiado da sala da Presidência será finalmente resgatado?

 

José Horácio de Almeida Cancherini josehoraciocafe@gmail.com

Itu

 

*

PONTE PARA O FUTURO

 

Excelente esta "Ponte para o futuro" do PMDB. Mesmo que, para implementá-la, tenha de contar com pessoas como Renan, Cunha, Jader Barbalho, Edson Lobão, etc., é uma evolução. Pelo menos, diferentemente do PT, o PMDB sabe o que é bom para o País. Outro ponto positivo é que, com o juiz Sérgio Moro na cola, vai ser difícil a participação de empreiteiros desonestos nessa construção. Os tempos são outros e este pessoal do PMDB sabe se adaptar. Apesar dos pesares, vamos torcer, pois é bom para o Brasil.

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

O LADO PERVERSO DA CORRUPÇÃO

 

Lamentavelmente, o Brasil está mergulhado na corrupção. A Petrobrás foi tungada, como se pode ver pelas investigações da Operação Lava Jato. Mas a gatunagem não para por aí. A Operação Zelotes revelou o esquema de corrupção para favorecer empresas do setor automotivo. Lula sabe bem o que vem por aí, não adianta posar de santinho, de vítima e coitadinho. Nada disso Lula é. Ele é o grande responsável por este esquema de corrupção envolvendo seu governo, o de Dilma, as empreiteiras, seus filhos e amigos mais próximos. Assim como foi possível chegar às denúncias envolvendo Eduardo Cunha, também se a Justiça quiser chegará a Lula e a sua família. É vergonhoso e constrangedor ver pessoas tentando salvar Lula deste imbróglio. Apoiar um político significa dizer amém às suas falcatruas? A sociedade vai conhecendo quem são os crápulas que a representam, este o lado perverso da corrupção.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

 

*

ENTREVISTA EQUIVOCADA

 

O sociólogo Luiz Werneck, ao ser entrevistado pelo "Estadão" (3/11, A6), deveria manifestar-se como tal, e não com o viés petista que demonstrou possuir. Na dicotômica entrevista, num trecho condena o patrimonialismo (falta de discernimento entre o público e privado) e, em outro, sugere que a situação infracional de Lula (e seu célere crescimento patrimonial) deva ser tratada politicamente, e não de acordo com as leis brasileiras, em especial o Código Penal. Outras "pérolas" da entrevista: ao exigir a saída do ministro da Justiça, entende que Lula está personalizando suas próprias vicissitudes; que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, "está com gosto de sangue na boca" (sic). Ora, tal entrevista está longe de ser uma análise sociopolítica da atualidade, mais parecendo uma ode ao lulopetismo. Será que até nossos acadêmicos estão perdendo a esperada sintonia analítica para embarcarem na enrascada em que o PT se encontra, graças aos atos impróprios de seus principais líderes?

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto

 

*

OS GÊNIOS DO PT

 

Diante das últimas notícias divulgadas pela imprensa que tem coragem, fiquei pensando em como só o PT consegue ter em seus quadros pessoas tão geniais na arte de fazer dinheiro, enriquecer. Penso que nem em Wall Street, lugar tão mal falado pelos socialistas petistas, alguém conseguiria tão pródigos rendimentos, lucros e contas bancárias. Afinal, basta ter um a aproximação com quem ajuda e pronto: lá está sua conta chegando aos píncaros, dinheiro para ninguém reclamar. Eis que temos o genial Antonio Palocci! Por duas vezes este senhor caiu em desgraça. A cada queda, voltava mais milionário. Afastado do cargo de ministro da Casa Civil do governo Dilma, fatura sem mais nem menos mais de R$ 200 milhões. E a sra. Erenice Guerra, aquela amiga do peito de Dilma Rousseff especialista em fazer dossiês? Esta fatura mais de R$ 50 milhões como quem vai à esquina! E o amigão da "presidenta", o governador de Minas Gerais? Com certeza, um gênio também, isso sem falar de toda a família Lula da Silva. Estes é que sabem ganhar dinheiro! Fica, então, sabido que não é trabalhando honestamente, levantando cedo, estudando, fazendo teses de mestrado e o diabo a quatro que se fica rico. É preciso ser mordido pelas moscas que só voam dentro das salas do partido governista. Então você se torna um gênio financeiro e não há Wall Street ou City de Londres que venha a lhe dar aulas. Você pode muito mais.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

O COMANDO DO GOVERNO

 

Fiquei indignada com o editorial "Lula assume o comando geral" (1/11, A3). Onde já se viu? Quem ele pensa que é? Nós, o povo brasileiro, não podemos admitir isso. Lula se comporta como se fosse o imperador da Assíria tupiniquim. Esse tempo já passou há muitíssimos e longuíssimos anos. Outra coisa que pergunto é sobre Dilma: que papel agora ela representa, ou virou mera auxiliar de Lula? Justo ela, de nariz tão empinado?! Quero dizer ao sr. Luiz Inácio Lula da Silva que existe o Estado de Direito, com normas a serem devida e expressamente cumpridas e que, portanto, ele não pode passar por cima delas. Ou seja, quem foi eleito foi Dilma, e não ele. Se ele insistir em destituir Dilma - mesmo sendo ela uma incapaz -, será regiamente punido. Sou da opinião de que o melhor num caso destes é fazer novas eleições, como já foi proposto não só pelo senador Aécio Neves, como por todos os brasileiros que amam verdadeiramente o Brasil.

 

Maria Alexandrina Pereira e Neves nevesreis@terra.com.br 

São Paulo

 

*

NÃO DÊ O PEIXE, ENSINE A PESCAR

 

Lula e o PT alardeiam ter diminuído a pobreza no Brasil. Poderiam acabar com ela. Para isso, bastaria ensinar a todos como ganhar milhões dando consultoria, haja vista Dirceu, Palocci e o próprio Lula. 

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

FATOS QUE ENVERGONHAM O PAÍS

 

No início da última semana, um comunista travestido de ministro da Defesa e que acredita em ideologia distorcida, defensor da Coreia do Norte e de Cuba, ordenou ao comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, que demitisse o general Antônio Hamilton Martins Mourão do Comando Militar do Sul, depois de um pronunciamento do oficial, que simplesmente falou aquela verdade que a sociedade quer ouvir e ver. Esperamos que os militares entendam o mais breve possível que a exagerada obediência constitucional torna-se uma subserviência, que é vil, nociva e causa deformação de caráter. Esperamos também que o senhor ministro da Defesa não indique como substituto para o cargo o "general" Stédile por imposição de Lula. Outro fato que causa vergonha foi protagonizado pelo capacho da pasta da Justiça. Vejam só: o senhor José Eduardo Martins Cardozo intimou a Polícia Federal (PF) a explicar o motivo de ter acordado o filhinho do seu patrão, Lula, às 23 horas para a entrega de uma intimação. E, para encerrar a semana com chave de ouro, os jornais mostram já há 24 horas uma enojante foto de Luiz Inácio Lula da Silva saindo dos porões e transitando com seus asseclas pelos corredores do Palácio da Alvorada, após um jantar com a governanta. Quem é esse indivíduo para ter esse tipo de liberdade? É funcionário público? Tem algum cargo no governo? Pagou pelo jantar? Ou eu vou pagar? Ao que me consta, ele não passa de um indivíduo desrespeitador das leis do Estado de Direito, um "above the law", um chefe de quadrilha prestes a ir para a cadeia.

 

Humberto de Luna freire Filho hlffilho@gmail.com 

São Paulo

 

*

A DEMISSÃO DO GENERAL MOURÃO

 

Li a reportagem do dia 30/10/2015 da página A8, que contou que o general do Exército brasileiro Antonio Hamilton Mourão foi transferido do Comando Militar do Sul para serviços internos porque fez duras críticas à classe política e ao governo. Quando assistimos na TV a senadores e deputados discutindo e quase indo às vias de fato, usando um linguajar com erros de português que doem em nossos ouvidos; quando um ex declara que prometeram uma coisa e entregaram outra; e quando ouvimos a presidente falar em "estocar o vento"; pergunto: quantos destes políticos que nos roubam sabem o quanto um militar estuda para chegar a general? A maioria não tem capacidade intelectual para manter uma conversa de alto nível com um general. Quem tiver a curiosidade para ter conhecimento dos estudos para chegar ao posto de general, é só pesquisar.

 

Antonio Eden Bastos eden.bastos@gmail.com

São Paulo

 

*

NA FRONTEIRA DO INSUSTENTÁVEL

 

Irretocável a entrevista do comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, para o "Estadão" de 2/11 ("'Há uma crise ética, mas instituições cumprem seu papel'"). Agora, militar precisando falar é um claro indicador de que a situação político-institucional se aproxima da fronteira do insustentável. Está na hora de o pessoal com juízo agir.

 

Isabel Krause dos Santos Rocha Souto souto49@yahoo.com 

Brasília

 

*

E AGORA, GENERAL?

 

Na entrevista do general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, veiculada na edição de segunda-feira, houve, nas palavras dele, moderada, senão acomodada, posição em relação à situação ético-política-social vivida no Brasil. Agora mesmo, temos um inca venusiano que se intitula presidente do PCB, chamado Mauro Iasi, numa palestra no Rio de Janeiro, incentivando a convulsão social de forma clara e objetiva. Ao responder sobre eventual convulsão social decorrente do necessário impeachment da presidente Dilma Rousseff, o general disse: "O Exército deve estar preparado para qualquer emprego previsto na Constituição". Agora a pergunta: não seria o caso de enquadrar esta senhora na Lei de Segurança Nacional em vigor, Lei n.º 7.170/83, artigo 23, incisos I e III?

 

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com 

Rio Claro

 

*

O EXÉRCITO AINDA EXISTE

 

A entrevista com o comandante do Exército (2/11, A6) me deixou muito feliz e com a sensação de ser um brasileiro mais bem protegido, porque pude constatar que o Exército brasileiro existe e tem um comandante que fala. Muito bom!

 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

 

*

AS INSTITUIÇÕES E SEU PAPEL

 

O Exército, assim como boa parte da sociedade, tem consciência do caos em que se encontra a Nação e da deterioração moral e ética das instituições. Assim como os demais segmentos, quer mudanças, e, da mesma forma, acredita em que devam ser realizadas de forma democrática e republicana dentro das estruturas constitucionais. Mas o tempo passa e os problemas se aprofundam. Se o caos se aprofundar, chegará um tempo em que a solução terá de ser dada de outra forma, catalisada por uma liderança que ainda não amadureceu para liderar. Esperamos que não!

 

Jorge Alves jorgersalves@gmail.com  

Jaú

 

*

QUEM PARIU MATEUS QUE O EMBALE

 

O comandante do Exército tem razão (2/11, A6). O povo brasileiro, imbecil por opção ou imbecilizado por completa falta de noção, não merece que mais uma vez as Forças Armadas afrontem a Constituição em sua defesa. Na última vez que assim agiram, instadas por um frívolo "clamor popular", vieram a pagar sozinhas pela aventura, numa conta que rende dividendos até hoje. Essa incoerência nacional ambulante está demonstrada em pesquisas de opinião. O mesmo povo que elege as Forças Armadas como instituição de maior credibilidade do País, elege e reelege justamente aqueles que foram impedidos de tomar o poder em prol de um sistema autoritário, historicamente sangrento e corrupto, que em seguida pegaram em armas contra elas, até então redentoras. Apesar das inúmeras demonstrações das verdadeiras intenções bandoleiras dos que estão hoje no poder. Em outras palavras, o povo que pariu este novo Mateus, prostituído por promessas ilusórias, que o embale.

 

Edison Ribeiro Pereira edisonribeiro@hotmail.com 

São Paulo  

 

*

COISA DE FICÇÃO

 

Deveras preocupantes as palavras do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em entrevista a Tânia Monteiro ("Estadão", 2/11). No que tange à nossa defesa, disse o comandante, não podemos prescindir da implantação do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), que, todavia, pelo ritmo atual de implantação, não ficará pronto antes de 2065, quando já estará obsoleto. Em caso de necessidade - e é para isso que existem as Forças Armadas -, nossos soldados terão de se contentar com o manuseio do fuzil FAL, que é uma arma da década de 1960, obviamente anacrônica. A modernização impõe (minimamente) a substituição de 226 mil desses fuzis, mas as contingências orçamentárias do Exército brasileiro permitem a aquisição de apenas 1 mil peças/ano do novo fuzil IA2, produzido pela Imbel, para reposição. Nesse ritmo de tartaruga, em 226 anos o Brasil terá conseguido fazer a substituição de todos os fuzis no Exército (!) num tempo em que a pólvora igualmente será obsoleta e a guerra - se é que neste longínquo futuro ainda haverá guerra (ou planeta!) - estará se utilizando daqueles artefatos que vemos em filmes futuristas. O desgoverno do PT supera a ficção.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 

São Paulo

 

*

ENTREVISTA LAKHDAR BRAHIMI

 

Quero cumprimentar a publicação da entrevista "Potências falam de paz, mas enviam armas", com meu antigo colega Lakhdar Brahimi, enviado especial do secretário-geral da ONU para a Síria, no dia 1 de novembro, por Jamil Chade. Foi um importante feito, pois Brahimi raramente concede entrevistas e jamais o fizera com um jornal brasileiro. Além disso, a entrevista, com perguntas bastante informadas sobre a conjuntura atual na Síria, desvendou a ambiguidade dos países envolvidos com a guerra na Síria, notável contribuição para o debate público neste momento em que se caminha para uma nova negociação.

 

Paulo Sérgio Pinheiro, chair, UN independent international commission of inquiry on the Syrian Arab Republic, Geneva paulospinheiro3@gmail.com 

São Paulo

 

*

O DEVER DE OLHAR PARA O BRASIL

 

A presidente do Brasil, recentemente, afirmou que "a reforma no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) é necessária", em artigo publicado no site CNN, na sexta-feira (16/10). Ela disse ainda que "construir o mundo que queremos exigirá coragem e determinação de todos". Mais além, ela comenta que "a ONU completa 70 anos e que a ONU se confronta com desafios sem precedentes". Ela se esqueceu de que o Brasil completou 515 anos e que os desafios são, também, sem precedentes? Que tal ela se preocupar com os nossos problemas? Só para lembrá-la: corrupção, falsidade, negação descabida etc. O seu governo continua emperrado. Que tal ela começar a tomar coragem e determinação para extirpar os corruptos de seu governo? Ainda tem gente boa neste país que pode contribuir para o bem do povo e pela recuperação da riqueza do País.

 

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com 

São Caetano do Sul 

 

*

REFORMAS NECESSÁRIAS

 

Na entrevista à Rádio Gaúcha (31/10, A8), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que a melhor alternativa para a crise política atual seria a presidente Dilma Rousseff, com baixa popularidade e dificuldade de aprovar qualquer projeto no Congresso, propor um pacto pelo qual ela renunciaria ao mandato, mediante a aprovação pelo Congresso das reformas política e previdenciária. Eu concordo com FHC, pois a sociedade brasileira tem criticado, e com razão, a incompetência do atual governo Dilma, porém, acrescentaria também outras reformas, como a trabalhista, a tributária e a educacional, pois uma mera substituição da presidente Dilma sem essas mudanças estruturais não traria mudança significativa ao "status quo".  

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 

Campinas 

 

*

LICITAÇÃO PARA ÔNIBUS EM SP

 

Não satisfeito, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), depois de criar quilômetros de ciclovias desertas e infernizar ainda mais o trânsito da cidade, agora faz uma licitação para empresas de transporte urbano das mais absurdas. Além de oferecer para o futuro vencedor um contrato longo, inédito e prejudicial de 40 anos (que não deveria passar de 5 anos), vai premiar as empresas vencedoras com um índice de produtividade a quem mais lotar de passageiros os seus ônibus. Pode?! Ora, se o transporte público da capital já vive lotado nos horários de pico, e sem veículos suficientes para atender a demanda no decorrer do dia, esta forma estúpida de premiar os ônibus mais lotados também vai se estender certamente para aqueles horários de menor demanda, porque o número de carros circulando para atender à população será reduzido, pela incompetência da fiscalização ou esperteza vil, tão comum, infelizmente, nas nossas instituições - e na Prefeitura de São Paulo não é diferente. O prefeito Haddad faria muito melhor para a cidade se trabalhasse para entregar as atrasadas, ou tampouco iniciadas, obras prometidas em campanha do que ficar aporrinhando os munícipes. E chega deste amadorismo petista. 

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

OS SONHOS DO ALCAIDE

 

O que mais estará faltando para que o prefeito amador de São Paulo nos surpreenda novamente com algo que ele achou interessante, sonhou, mas não verificou as possibilidades e consequências da execução? O inimaginável, agora, é a possibilidade de premiar com índice de produtividade a empresa que mais andar com seus ônibus "lotados", com um contrato de duração inimaginável também: 40 anos. Sabemos que o máximo seria de 5 anos. Se já está quase impossível utilizar os ônibus pelo fato de estarem sempre lotados, imaginem com esta possibilidade de prêmio.

 

Leila E. Leitão

São Paulo 

 

*

HADDAD E SUAS IDEIAS APAGADAS

 

Primeiro vieram as faixas exclusivas de ônibus sem nenhum planejamento. Depois, as ciclovias em ruas íngremes do Pacaembu (aliás, nunca vi um ciclista por elas). Agora, fechou o viaduto da 14 Bis. No primeiro dia dessa medida, com chuva, levei 20 minutos do meio do túnel até o sinal da Praça 14 Bis - e o viaduto às moscas. Prefeito Haddad, para parar a cidade, só falta desativar o Cebolão ou, quem sabe, fechar a Avenida Brasil. Pense nisso!

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com 

Campinas

 

*

REJEIÇÃO

 

Pesquisa do Datafolha revelou a enorme rejeição ao atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), considerado como ruim/péssimo por 49% dos paulistanos. Entre os mais pobres, só 12% aprovam sua gestão. A nota média do prefeito foi de ínfimos 4,1. Os paulistanos não são bobos e sofrem no seu dia a dia com o autoritarismo e o despreparo do prefeito. Haddad tentou aumentar o IPTU bem acima da inflação, entregou a CDHU a um malufista, botou Chalita na Educação, fomenta a indústria das multas da CET com radares e multas sem fim e limites de velocidade incompatíveis e inaceitáveis na maior e mais rica cidade do Hemisfério Sul. Haddad está colhendo o que plantou. Arrependo-me de ter votado nele e não votaria mais nele nem para síndico de prédio.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo 

 

*

RÉQUIEM

 

O Datafolha informou sobre o recorde de reprovação do prefeito "Raddard" justamente no dia dos mortos. Não poderia ser mais oportuno. "Raddard" está politicamente morto. E espero que todo o PT.

 

Ricardo Rayes rirayes@uol.com.br 

São Paulo

 

*

PELA PORTA DOS FUNDOS

 

Dilma Rousseff e Fernando Haddad, dois "postes" apoiados pela metamorfose ambulante de Garanhuns, tem rejeição entre 71% e 83%. Um deles, a um passo do impeachment, por razões óbvias; e o outro a um ano de sair pela porta dos fundos, pela ciclovia a menos de 50 km/h, para nunca mais voltar à política, se Deus quiser. E, com certeza, Ele quer. 

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

 

*

A OMS E AS CARNES PROCESSADAS

 

Mediante a informação devassadora divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda redução no consumo de alimentos como linguiças, presuntos, bacon, ou seja, alimentos processados de forma geral, que aumentam em 18% o risco de ocorrência de câncer nos intestinos, é provável que, de agora em diante, as embalagens dos referidos alimentos tragam impressas as figuras iguais às dos maços de cigarro.  

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

 

*

O CLUBE DO BACON

 

Quero oferecer ao advogado Eduardo Goldenberg o meu testemunho impávido de veracidade de suas afirmativas no seu artigo "Bacon, seu gostoso!", no caderno "Aliás", do "Estadão" de domingo passado (1/11/2015). O articulista, além de desmoralizar convenções esdrúxulas da Organização Mundial da Saúde (OMS), que, aliás, se contradizem a cada lustro, elevando vilões a mocinhos e mocinhos a criminosos esquizofrênicos, como ele próprio citou no artigo, referindo-se à gema do ovo, ao tomate e à laranja, incentivou-me a convocar meus confrades de boteco para que, aproveitando a onda da internet, inauguremos o Clube do Bacon. E desde já proponho Eduardo Goldenberg como nosso presidente emérito. Peço, ainda, que os novos adeptos de tão benemérita confraria a divulguem pelos links e sites para que nos tornemos saudáveis e atuais. Observação: não se aceitam na confraria elementos partícipes da política, pois estes quererão instalar CPI para levar nosso bacon somente às suas próprias pizzas.

 

Fabio Porchat fabioporchat@gmail.com 

São Paulo

 

*

NADA MAIS GOSTOSO

 

Quero cumprimentar o advogado Eduardo Goldenberg pelo artigo "Bacon, seu gostoso!", publicado no caderno "Aliás" de 1/11. Tenho 77 anos (ele tem 46) e faço tudo o que ele diz fazer em matéria de alimentação. Não há nada mais gostoso do que bacon frito com ovo. Um dos meus pratos prediletos é a carne de porco, principalmente as mais gordurosas, como rabo e costelinha. Gozo de plena saúde, embora na minha idade não dê para prever o futuro.

 

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com  

Bragança Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.