Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2015 | 02h46

No telhado

Faz um tempinho que Joaquim Levy subiu no telhado. Agora, subiram no telhado também Lula da Silva e Henrique Meirelles – só que para empurrar Levy para o chão. É sabido que Dilma Rousseff não tolera Meirelles, mas terá de aceitar nomeá-lo para o lugar de Levy porque é o desejo do presidente de fato do Brasil.

ROBERTO BRUZADIN

bobbruza@terra.com.br

São Paulo

Fôlego

A presidente Dilma deve estar se sentindo mais segura após seu mentor assumir a regência e voltar a atuar na área econômica, que julga dominar, desqualificando mais uma vez o projeto de ajuste fiscal, que tem seu aval, levado à frente pelo ministro da Fazenda. Ao reabrir pedidos de financiamento do BNDES, o objetivo real é atender a seletos apoiadores. Já a população, exasperada e exausta de tanta nulidade administrativa e tantos dados de corrupção, radicaliza e se manifesta em atos de protesto, os últimos contra políticos do PT. Qual a profundidade deste poço é a pergunta recorrente.

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Amor próprio

Levy fracassou no comando do Ministério da Fazenda. Não conseguiu estabelecer diversas medidas que julgava necessárias, no famigerado ajuste fiscal, e deu com os burros n’água na sua principal missão, que era a de segurar o Brasil no grupo de países com selo de bom pagador das agências de classificação de risco. Atualmente, encontra-se em processo de fritura dentro do governo (sendo seguidamente desautorizado publicamente) e na iminência de ser substituído por Henrique Meirelles, conforme os desígnios do presidente de facto. Uma pergunta ao (por enquanto) ministro Joaquim Levy: o senhor não se incomoda em ser humilhado e desmoralizado diante do País inteiro? Ou: o senhor não tem amor próprio?

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

Calo dolorido

Lula aconselhou os petistas a apoiarem o ministro Levy. Mas como este se recusou a representar o papel de marionete, guiado pelas mãos de Lula, já caiu em desgraça novamente. O olho de peixe no calcanhar de Lula é o vazamento de dados sobre movimentações financeiras feitas por ele próprio, Antônio Palocci, Erenice Guerra e Fernando Pimentel, somado ao fato de a Receita Federal ter recomendado ao Ministério Público que peça a quebra do sigilo da empresa de Luiz Cláudio Lula da Silva. Que desplante! Lula não admite... Mas quem é Lula? Um ex-presidente. Um ex? Então, faça o favor de parar de chiar!

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Sem noção

A julgar pelas declarações e pelas diretrizes que Lula impõe à presidente Dilma, é de concluir que ele perdeu a noção, se é que algum dia teve, do certo e do errado. Bradar claramente que um ministro da Justiça deveria controlar as investigações da Polícia Federal significa ingerência e manipulação no resultado das apurações, ao bel-prazer do ex que nunca deixou de ser. Isso é crime. Agora volta a advogar pela destituição do ministro da Fazenda, sob o argumento de vazamento de informações, ou seja, tudo o que o atinge deve ser deixado embaixo do tapete. O ex acredita ser intocável. Suas falas, abertas e sem nenhum pudor, se tornam uma agressão ao cidadão dotado de um mínimo de bom senso.

CARLOS FERNANDO BRAGA

cafebraga@yahoo.com.br

São Paulo

Promessas

O sr. Luiz Inácio “Stiglitz” da Silva chegou a prometer que, terminado seu mandato, iria dedicar-se a assar coelhinhos. Pelo jeito , o mandato de fato não acabou e ele está se dedicando a fritar ministro(s). Demonizar um ajuste que nem chegou a ser implementado rende aplausos em plateias de áulicos, mas pouco contribui para sairmos do atoleiro – produto de heterodoxias que ele sonha reintroduzir.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Proposta melhor

Em face dos novos ataques de Lula da Silva à política econômica do ministro Joaquim Levy, pergunta-se: que opções tem o Brasil para sair do sufoco provocado pelas decisões desastrosas da presidente Dilma Rousseff? O governo federal não tem recursos para animar a economia, investindo em infraestrutura; não pode conceder isenções tributárias para aumentar o consumo, mesmo porque o panorama econômico não anima a gastar; os investidores internos e externos não confiam no governo. Uma atitude sensata seria o Lula ou o PT apresentarem uma proposta detalhada para a volta ao crescimento, com metas claras e prazos definidos. Em sendo melhor que sua alternativa, o Levy deve seguir esse programa. Ou renunciar. Chega de demagogia!

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Alienados

Os petistas estão tão embotados que, para eles, não há inflação, desemprego e corrupção. É tudo invenção da mídia!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Troca vã

Não adianta trocar Levy por Meirelles. O problema é mais no alto e tem nome: Dilma. Se trocarmos Dilma por Michel Temer, a coisa vai fluir naturalmente, o mercado vai reagir e a economia voltará a crescer, com certeza.

ARY BRAGA PACHECO FILHO

ary.pacheco.filho@gmail.com

Brasília

Uma solução é preciso

Os boatos acerca da saída de Levy do Ministério da Fazenda são o resultado de uma situação que nem ele nem o sr. Meirelles conseguirão resolver, considerando que a sociedade não quer o aumento dos impostos, os políticos não aceitam os cortes nas despesas, com a consequente dificuldade de continuar a tradicional malversação. Nossa presidente não quer abdicar de suas prerrogativas, o presidente da Câmara dos Deputados usa a possibilidade de abrir o processo de impeachment para chantagear a presidente e se safar no Conselho de Ética. A oposição cuida principalmente de fofocas. Eliminando da estrutura do governo os inúteis, os desonestos e os incompetentes, sobram muito poucos para consertar o País. Mesmo sem pensar em golpes, é necessário achar uma solução, talvez a dissolução do que está aí e novas eleições, esperando que a sociedade consiga corrigir os erros que ela própria cometeu.

FRANCESCO MAGRINI

framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

A PUNIÇÃO AOS CAMINHONEIROS

 

Dona Dilma Rousseff nunca para de mostrar quem é e para qual causa realmente presta serviço. Pois é, a serviçal de Luiz Inácio Lula da Silva, dono do Partido dos Trabalhadores (PT), criou a Medida Provisória (MP) 699 alterando o Código de Trânsito Brasileiro, especificamente para dar condições de punir os caminhoneiros que deflagraram uma greve sem a autorização da Central Única dos Trabalhadores (CUT), reivindicando, entres outras coisas, o impeachment da presidente. Dá para acreditar que a quadrilha, para atender a seus interesses corporativos e/ou ideológicos, altera, na maior cara de pau, a legislação vigente? Onde estão os deputados e senadores que se dizem oposicionistas? Acovardados na toca ou num galho bem alto? Venderam-se? Por que o PSDB não honra os 51 milhões de votos recebidos na última eleição presidencial? Deveriam exigir da “serviçal”, em nome da sociedade, que ela crie uma MP com fins específicos para punir os responsáveis pelo banditismo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e que os altos prejuízos causados com as invasões e depredação de propriedades privadas sejam ressarcidos. Aliás, ela já deveria começar esse trabalho de imediato, criando uma MP para punir os responsáveis pela greve quase que generalizada trazendo enormes prejuízos à quase falida Petrobrás, que, agora, sofre, além de queda, coice.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

UM GOVERNO MORTO

 

Quando um chefe precisa usar a força para continuar mandando, é mau sinal, mostra que sua moral já foi para o brejo. Puro desespero. A presidente Dilma disse que os caminhoneiros não podem parar o Brasil. Que piada! O Brasil já está parado há muito tempo, vítima dos assaltos que tem sofrido pelo seu governo. Com certeza, a greve terminará, mas sem dúvida é mais um sinal de que este governo, mesmo com os bolsos cheios, já morreu.

 

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

 

*

GREVE

 

Para os caminhoneiros que bloqueiam as estradas, multas altas; para os taxistas que bloqueiam ruas, nada.

 

Theodoro Guimaraes theodoroguimaraes@bol.com.br

Curitiba

 

*

RESPALDO

 

Punindo o “crime” dos caminhoneiros, usou-se o Código Nacional de Trânsito, ao invés do Código Penal. Se taxistas fizerem greve, com certeza serão enquadrados até na Lei do Inquilinato...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

SEMANA DE GREVE?

 

Divulga-se na rede social que “uma greve geral de uma semana no Brasil derrubaria Dilma Rousseff”. Difícil de acontecer, mesmo porque o cidadão brasileiro está vivendo momento difícil e grande parte da população está endividada. Somos ordeiros e, ao contrário dos dirigentes políticos brasileiros, somos também responsáveis. Cada dia não trabalhado resulta em menor recurso no caixa, e o buraco só aumenta. Tem de haver outro meio de derrubá-la, bem como demais sanguessugas tais como Renan Calheiros, Eduardo Cunha e tantos outros que causaram e/ou causam tanto dano ao País. Temos o fim de semana para fazer isso.

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

 

*

‘GRANDE’ IDEIA

 

Pois é, agora o criativo Lula tem uma ideia original depois do fracasso da bolivariana “nova matriz econômica”. Chama-se “nova economia”, para substituir a implementada há 11 meses pelo governo Dilma. Seria bom se ele soubesse que, se original, ela não é boa e, se boa, não é original, começando com mais gastos a supostamente estimular o consumo, trazendo junto o desenvolvimento. Se mais gastos resolvessem, nenhum país teria problemas fiscais. Mas, em se tratando de quem se trata, e que sempre alega não saber de nada, a grande ideia é perdoável, por piedade.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

LEVY NA MARCA DO PÊNALTI

 

É lamentável que o próprio Planalto seja o maior adversário do ajuste fiscal em curso no País. Enquanto o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tenta devolver um mínimo de dignidade à administração pública federal, reduzindo despesas improdutivas e minimizando os efeitos do gigantesco déficit fiscal, a presidente Dilma manda o BNDES reabrir crédito subsidiado para o setor automotivo num total de R$ 3 bilhões.  Desta forma, a presidente desmoraliza o ministro Levy, já que no mês passado havia anunciado um corte de R$ 30,5 bilhões, para o limite do Programa de Sustentação de Investimentos (PSI), sob a responsabilidade do BNDES. Ou seja, não bastasse Lula e seus corneteiros buzinarem pela saída do ministro, agora Dilma dá seu tiro de misericórdia, desprestigia e coloca na marca do pênalti Joaquim Levy, que tenta corrigir os graves equívocos produzidos pelo Planalto na área econômica.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

SAIA-JUSTA

 

Em entrevista no Encontro Nacional da Indústria, Henrique Meirelles, favorito do ex-presidente Lula para assumir o Ministério da Fazenda, disse que não recebeu “convite concreto” para assumir o cargo. Ora, teria sido mais simpático e sincero se tivesse respondido: “Não recebi nenhum convite concreto”. Da maneira como fez a negativa, está claro que não recebeu um, mais vários convites para ocupar o posto do quase decapitado Joaquim Levy. Até quando o titular da Fazenda vai resistir à humilhação que lhe é imposta pelo caçador de cabeças, Lula, que já mandou para a guilhotina, entre outros, Guido Mantega e Aloizio Mercadante e pôs a caminho do cadafalso o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo? Será que, segundo se comenta, o ódio que a presidente Dilma nutre em relação a Meirelles vai ser suficiente para a manutenção de Levy? Não. Para uma líder de governo que até agora aceitou de cabeça baixa todas as ordens de um sapo de fora, essa imposição também será atendida, mas, para a Nação, de queixo erguido, com a empáfia que lhe é peculiar, tenta mostrar a autoridade e a credibilidade de um governo que há tempos perdeu a identidade em local incerto e não sabido.     

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

A LARANJA E O ABACAXI

 

Joaquim Levy, antes um economista de respeito, foi colocado como “laranja” do PT, como responsável por tudo de ruim que ocorre na economia no País. Eles não assumem nada, sempre encontram um bode expiatório em quem colocar a culpa. Que belo abacaxi, ministro Levy. Depois dessa, nunca mais será o mesmo.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

DESGOVERNO

 

A coisa tá preta? Chama a Henriqueta! É rima. Será solução?

                                                                                                         José C. Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br

São Paulo

 

*

LULA E LEVY

 

Lula está irritado com Joaquim Levy. Lula, “por que no te callas?”.

 

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

 

*

AINDA A CPMF

 

O ministro Joaquim Levy (Fazenda) sugeriu que as discussões sobre a volta da CPMF saiam do Congresso e ganhem as ruas. Será que entendi direito? O ministro ainda está insistindo na recriação da CPMF e, não satisfeito, quer que a sociedade responda se concorda com sua recriação? Senhor Levy, a CPMF é um péssimo imposto, cobra em cascata sobre toda a cadeia produtiva e o consumo! Vai ser mais uma soma gigantesca de dinheiro para o desgoverno desperdiçar. O que precisa ser feito é uma limpeza nos cargos de “confiança”, demitindo todos os que estão aparelhando e parasitando o País. E que tal implementar um bom sistema de organização, planejamento e controle, que são a base para toda e qualquer administração bem-sucedida? Pergunte à sociedade o que ela acha disso, ministro.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

O ÓBVIO

 

O ministro Levy defende a CPMF e sugeriu à imprensa uma enquete: “Por que você não gosta da CPMF?”. Então, ele já sabe que o povo brasileiro não gosta. Como bom economista, deveria ser o primeiro a saber por que a CPMF é um péssimo imposto. Aliás, cabe aqui uma pergunta: já não atingimos o nível em que aumentos de impostos causam diminuição de arrecadação?

 

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

 

*

NÃO SEI POR QUÊ

 

Ministro Joaquim Levy, sabe por que o povo não gosta da CPMF? É porque o povo é “sábio” e sabe que esse é um imposto “burro” que onera os mais pobres, incide em cascata e não existe em lugar nenhum do mundo civilizado. O senhor não deveria fingir que não sabe disso. Defender essa jabuticaba é passar atestado de burrice!

 

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

 

*

A SALVAÇÃO DA PÁTRIA

 

“A CPMF é parte – única a nosso ver – da solução dos problemas enfrentados pela economia brasileira.” Assim se manifestou o ministro Joaquim Levy! Inacreditável! Pelo andar da carruagem, somente os contribuintes serão obrigados a salvar a Pátria, quebrada, vilipendiada pela inconPeTência e ganância de quem se acha dono dos cofres do País.  Falar dos milhares de cargos comissionados e funcionários acrescidos à folha de pagamentos da União, nem pensar. E sobre os estratosféricos valores desviados, silêncio sepulcral. Por que, então, temos de arcar com mais um imposto “pequenininho” e não contribuição (opcional) para cobrir o rombo que ninguém sabe a quantas anda?

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Paulo

 

*

BASTA DE IMPOSTOS

 

Senhor ministro Levy, Que tal acrescentar esta pergunta à sua enquete: “Você está cansado de pagar tanto imposto e vê-lo usado de forma tão incompetente, e enojado com o seu uso escuso?”.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

FINALIDADE

 

A nova CPMF, se vingar, apenas alimentará a roubalheira que aí está.

 

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PAÍS VAI BEM

 

Um governo gastador, que faz o que quer com o dinheiro público, vem agora pedir à população a volta da CPMF, com o intuito de melhorar a economia. Enquanto isso, no dia 6 de dezembro haverá eleições para o Parlamento venezuelano. Diante da grave crise de desabastecimento de gêneros alimentícios naquele país, o Brasil resolve mandar de presente 250 mil toneladas deles para camuflar e enganar o povo, que vive sob o regime do déspota Nicolás Maduro. Diante desse quadro, tenho a convicção de que o Brasil está muito bem financeiramente e não necessita de auxílio.

 

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

PRIMEIRA E SEGUNDA CPMF

 

Joaquim Levy: “Brasil tem de pensar em grande estilo para impulsionar a economia”. O obreiro povo brasileiro desconfiava do verdadeiro destino da primeira CPMF. Contudo, em relação à segunda CPMF, desconfia muito mais e em grande estilo do seu verdadeiro destino.

 

Jorge Mema Bernaba jorgebernaba@gmail.com

São Paulo

 

*

IPVA, 100% DE MULTA

 

O IPVA que venceu em março deste ano está sendo cobrado com a incrível multa de 100% sobre o valor original. Um imposto que por si só não se justifica, e mais parece um castigo, oriundo da antiga TRU, que, de tão inconstitucional, foi extinta – e esse também deveria ser o caminho do IPVA, um imposto que entra no caixa de municípios e dos Estados sem uma destinação específica e acaba beneficiando também quem não tem automóvel ou veículos automotores.

 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

 

*

DEMOROU, MAS FOI

 

A presidente Dilma Rousseff foi visitar, ontem, a área onde aconteceu a tragédia em Mariana (MG), mas só depois de a lama secar. Afinal, precisava atender ao Lula...

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

LAMENTÁVEL

 

O governo do Partido dos Trabalhadores (PT) é tão incompetente que, entre outras mazelas, sabemos que o Ministério de Minas e Energia, que controla o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), usou apenas 13% da verba de prevenção para desastres no País. O governo de Minas Gerais, também do PT, deve ter usado o restante do dinheiro para eleger o sr. Fernando Pimentel... E agora, quem vai responder pelas mortes e pelo prejuízo com a catástrofe em Mariana (MG)? O que é lamentável também é saber que a Usiminas demitirá 4 mil funcionários da Siderúrgica de Cubatão, tudo porque hoje o governo do PT se gaba em vender milhões de toneladas de minério de ferro para a China e, como o consumo de chapa caiu no mundo todo e também na China, eles estão inundando o mercado internacional do produto a preços baixos com que, por causa do custo Brasil e da alta carga tributária, fabricantes nacionais não conseguem concorrer, obrigando com isso o fechamento das nossas siderúrgicas – e milhares perderão seus empregos. Como brasileiro, quero saber onde está o sr. Vagner Freitas, presidente da CUT, que há pouco tempo falou em discurso – e foi aplaudido pela sra. “presidenta” Dilma Rousseff – que pegaria em armas para defendê-la. Se ele é mesmo brasileiro, que coloque o exército da CUT e do MST para guerrear com a China.

 

Urias Borrasca urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

 

*

PODERIA TER SIDO PIOR

 

A catástrofe só não foi maior em perdas de vida por ter acontecido durante o dia; caso tivesse acontecido durante a noite, estávamos o País inteiro estarrecido e a chorar a tragédia de um país subdesenvolvido onde os gestores usam os gabinetes para fazerem conluios e montarem quadrilhas, em vez de desenvolverem políticas públicas inclusive preventivas.

 

Nelson Pereira Bizerra Nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

 

*

ACIDENTE EM MARIANA

 

Sei que certos técnicos recebem muito mal palpites de leigos, mas, como tenho alguma vivência no ramo, aqui vai o meu pitaco. A mineração e a concentração exclusiva de ferro natural não exigem o uso de contaminantes químicos e de tantos cuidados, como, por exemplo, com os cianetos na recuperação de ouro – um veneno conhecido e poderoso, capaz de matar até 50 anos depois de descartado. As filmagens e fotos dos locais em Mariana (MG) mostram a contenção de altos volumes de água, muito mais do que aplicável nestes tipos de barragens, tecnicamente compactadas, “secas” e rudimentares. Parece que, em seu pragmático processo, a mineradora usa o volume útil dessas barragens também para decantar, reciclar e conter águas de reuso, para seu processo. Se o conteúdo de líquido naqueles rejeitos fosse menor, ou mais responsável, jamais teria sido formado aquele tipo fluído de lama, tão plástica e tão selvagem.

 

Murilo Luciano Filho muarilou@uol.com.br

São Paulo

 

*

UM DESASTRE

 

Nada é tão representativo deste nosso atual governo quanto o desastre que ocorreu em Mariana (MG). A incompetência, a corrupção, as pedaladas, o cinismo do ex-presidente Lula, o aparelhamento do Estado, a arrogância petista, a economia do País, tudo isso está representado no mar de lama que destruiu bairros, cidades, o meio ambiente, a fauna, propriedades, vidas. “Mar de lama”, que era antes apenas uma metáfora, passou a ser a realidade.

 

Roberto de Castro Neves castroneves.roberto@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

A CARTILHA DO PT

 

O Partido dos Trabalhadores (PT) lançou uma cartilha risível, com o título “Em defesa do PT, da verdade e da democracia”, bem à sua moda: atirando diretamente, e dando nomes aos bois, contra os seus acusadores, delatores ou julgadores – não contra os fatos de que é acusado, delatado ou julgado. O velho “eles” contra “nós”, “eles” “disseminando o ódio”, “eles” mentindo deslavadamente, “eles” querendo “eliminar o partido da vida política brasileira”. Convenhamos, santo e imaculado PT. Sua cartilha ridícula é a materialização da pregação do ódio que o partido sempre praticou, desde a sua fundação, e hipocritamente atribui a “eles”. As “mentiras” que “eles” contam sobre hipotéticos malfeitos que o partido vem praticando nos últimos 12 anos são, na realidade, verdades documentadas e que estão sendo investigadas, avaliadas e julgadas por órgãos constitucionais independentes e imparciais. Seus altos membros estão presos, alguns já condenados, por corrupção. Quanto à “democracia”, poupem-nos, o partido nunca gostou dela: ela só é boa para servir aos seus propósitos, enquanto ele conseguir, ou tentar utilizá-la para se perpetuar no poder. Em suma, a defesa dissimulada do PT, em matéria de extravagância, não deve nada à do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) sobre as contas dele na Suíça. Mas esteja o PT certo: “eles” não são idiotas.

 

Luiz França Guimarães Ferreira luizfgf.adv@gmail.com

São Paulo

 

*

CARA DE PAU

 

Os dirigentes do PT, sobretudo seu presidente Rui Falcão, são de uma desfaçatez descomunal. A declaração de Falcão no lançamento da cartilha que pretende lavar a cara dos petistas é um escárnio aos brasileiros. “Querem acabar com o PT”, disse o homem. Mas quem está preso? São os homens que ajudaram a erigir o partido que cometeu o maior estelionato eleitoral “como nunca se viu antes neste país”. Para ficar vermelho, só com o reflexo da bandeira do partido. É muita cara de pau.

 

Éden A. Santos edensantos@uol.com.br

São Paulo

 

*

CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS

 

Somente os petistas são probos; os demais brasileiros são mentirosos. Essa é a cartilha do PT. Ainda bem que contra fatos não há argumentos. O mensalão, a Operação Lava Jato, as loterias, os Correios, todos estes e mais alguns são histórias da carochinha... Acredite quem quiser.

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

 

*

A LAVA JATO E O PT

 

Entende o lulopetismo que a Operação Lava Jato deseja acabar com o PT, atuando contra seu maior líder e demais membros da agremiação partidária. É uma conclusão absurda, desesperada e que tem como finalidade desviar atenções dos malfeitos realizados pelos petistas no mensalão, petrolão e eletrolão, além de em outras estatais e ministérios. Quem não deve não pode nem deve temer, porque a Lava Jato apurou fatos inegáveis e que fazem parte já do cenário criminal da Nação. A Lava Jato foi o estímulo que os brasileiros queriam e de que precisavam para poder acreditar em algo. Ressalte-se que o raciocínio ilógico do lulopetismo assim funciona: eu matei João, mas José também matou Maria. Então não há crime. É sempre a correlação que fazem os petistas com o PSDB.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

NAS PRÓPRIAS CORDAS

 

Se a Lava Jato tivesse a intenção de acabar com o PT, o caminho estaria incorreto, mas o objetivo seria bom para o País, dado o estrago que o partido governista fez no País. Mas não foi o juiz Sérgio Moro quem colocou o PT em todos os cruzamentos do “propinoduto”. Trata-se, portanto, de enforcamento pelas próprias cordas. Isso jamais foi visto em governos anteriores, desde o Império.

 

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

 

*

EU NÃO RECEBI NENHUM MILHÃO...

 

As declarações do ex-presidente Lula sobre ser acusado de enriquecer ilicitamente, juntamente com sua família: primeiro, culpa a imprensa que só fala “m....”; depois, dá uma explicação sobre a sua fortuna: “Essa p... desse dinheiro é culpa da mão invisível do mercado. A economia do País tava indo bem, então não é absurdo que do nada apareçam alguns milhões na sua conta. Eu não sou o único brasileiro a passar por essa situação. Vejam aí o Cunha, que também tem milhões na conta e nem sabia”. Lula nos toma por tolos, mas suas afirmações desagradaram até aos mais radicais do PT, que o acusaram de usar um papo de liberal, e é inadmissível que o quadro mais importante do partido flerte com essa corrente de pensamento direitista. Gostaria de dizer que, nesta situação de país que “tava indo bem”, nenhum centavo apareceu na minha conta bancaria que eu não soubesse. Simples assim.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

AMIGOS & INIMIGOS

 

Preferível Marcola, Fernandinho Beira-Mar, que são inimigos declarados da sociedade brasileira e, portanto, temos como nos precaver deles, a Lula, que é um falso amigo, que apunhala a Nação a cada dia...

 

Geraldo Macias Martins maciasfilho@hotmail.com

Catanduva

 

*

MIDAS E O SUCESSO EMPRESARIAL

 

Estou seriamente empenhado em contratar alguém da família Lula da Silva para dar uma alavancada nos meus negócios. Será que eles teriam interesse? Afinal, eles “entendem de tudo”: games, telefonia, futebol americano, bois, ONGs, fazendas, palestras empresariais, etc. Tudo aquilo em que colocam a mão vira ouro. Eu diria que Midas deve estar sentindo uma ponta de inveja por tudo o que essa gente tem realizado em tão pouco tempo e pensaria: “Perto dessas ‘feras’, é como se eu nunca tivesse existido...”. Pobre e podre Brasil!

 

Durval Arrebola durval.arrebola@gmail.com

Guarulhos

 

*

RETROCESSO

 

O ex-presidente Lula disse sentir “um cheiro de retrocesso na América do Sul”. Também, pudera, com tanta incompetência, tantos gastos perdulários e tanta corrupção, não podia dar outra coisa: uma podridão geral vinda principalmente de Brasília, Caracas e Buenos Aires. Os governos populistas e demagógicos como o do PT já causaram a gangrena em seus países e precisam ser “amputados” o quanto antes. No caso do Brasil, os sacrificados trabalhadores não aguentarão mais três anos.

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

A IMPRENSA

 

Lula participou na Colômbia de um congresso de Ciências Sociais e soltou uma que só mesmo ele é capaz: sugeriu que as pessoas não acreditem “nas bobagens da imprensa, que é a oposição em todo o continente”. Pois esta anta se esqueceu de que, não fosse a imprensa protegê-lo e lhe dar destaque nos tempos da ditadura, ele jamais teria chegado à Presidência da República.

 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

 

*

BUEIRO ABERTO

 

Numa conferência na Colômbia, Luiz Inácio revelou que “sente cheiro de retrocesso na América do Sul”, mas ele, melhor do que ninguém, sabe que a catinga que está no ar vem dos bueiros da corrupção. O porta-voz do atraso, inspirado, ainda acrescentou um conselho aos jovens da plateia: não acreditem “nas bobagens da imprensa”.

 

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

LULA

 

Na Colômbia, Lula diz que sente cheiro de retrocesso na América do Sul. O retrocesso é ele.

 

Tereza Sayeg tereza.sayeg@gmail.com

São Paulo

 

*

PARA ONDE VAI O FUNDO PARTIDÁRIO

 

O PROS (Partido Republicano da Ordem Social) acabou de adquirir um moderno helicóptero, no valor de R$ 2,4 milhões, com dinheiro (público) do Fundo Partidário (FP). Essa aeronave, juntamente com o bimotor adquirido em 1914, por R$ 400 mil, com dinheiro do mesmo fundo, constituirá o serviço de transporte aéreo do partido. Pelo andar da carruagem, em 2016, com a triplicação do valor do FP (de R$ 311 milhões ao ano para R$ 911 milhões), provavelmente o PROS providenciará a aquisição de um jatinho. Enquanto partidos maiores e mais importantes como o PT, PMDB e PSDB não dispõem de nenhuma aeronave, o partido nanico (12 deputados e nenhum senador), em breve, disporá de uma companhia aérea própria para o transporte de seus representantes. O motivo: a Lei n.º 9.096/95, dos Partidos Políticos, não inclui, nas regras previstas em sete itens do artigo 44, a aquisição de bens móveis. Logo, a dedução lógica é de que não é permitida a utilização desses recursos para a compra de aeronaves. E por que a Justiça Eleitoral não adota uma atitude contra o partido? E, ainda a propósito de emprego ilegal desse fundo (não é previsto pagamento de advogados para defesa de seus representantes), em 2014, o PR, segundo Reinaldo Azevedo, utilizou esses recursos para pagamento de advogados para defender políticos do partido enrolados na Justiça. E há desconfianças de que o PT também se utilizou do mesmo estratagema para pagamento de advogados dos políticos envolvidos no “mensalão” e “no petrolão”. Mais uma vez, com a palavra, a Justiça Eleitoral.

 

Gerson S. Monteiro gersufn@uol.com.br

Sorocaba

 

*

A DESESPERADA DEFESA DE CUNHA

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desesperado para provar que não mentiu quando disse numa comissão de inquérito daquela Casa que não tinha conta no exterior e que a fortuna, mais tarde comprovada e documentada que possuía depositada em banco na Suíça, era proveniente da venda de carne enlatada para vários países da África e de outros produtos, como açúcar, arroz e feijão (verdadeiro mascate), quando ocupou o cargo de diretor da Câmara de Negócios Brasil-Zaire. Para comprovar isso, como defesa, apresentou a colegas peemedebistas dois passaportes carimbados que atestam a quantidade de viagens que fez nas décadas de 1980/1990 a países da África para atender a sua atividade comercial. Na sexta-feira passada, Cunha se recusou a informar ao “Estado” quais mercadorias que comercializava, inclusive as acima relacionadas. Isso tudo revela que Cunha acha que todos os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e que todos nós somos imbecis, idiotas em acreditar na sua desavergonhada defesa. Ele é que não passa de autêntico trapaceiro, que quer nos convencer de que, no caso dele, seus carimbados passaportes são verdadeiros talões de notas fiscais de vendas que comprovam a origem dos seus crimes praticados contra o Fisco da nossa pátria.

 

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

 

*

CUNHA NA BERLINDA

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, com sua postura dúbia, visa a salvar a própria pele, mesmo que para isso tenha de tirar a pele de uma nação inteira.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?

 

Comparando o que disse o presidente da Câmara federal, Eduardo Cunha, e o que disse Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada, pode-se afirmar que tanto um quanto o outro são tremendos mentirosos, pois Cunha afirma, mesmo existindo prova contrária, que não tem contas na Suíça, ou seja, mente descaradamente. Já Lula admitiu, na semana passada, que foi preciso mentir sobre a situação do País durante a campanha de Dilma Rousseff para vencer as eleições. O que causa estranheza é a oposição parecer tapar os ouvidos com relação às mentiras do governo petista, pois mentir para o povo e esconder a real situação do País é mais que motivo para um processo de impeachment que nos livre de Dilma e de toda a sua corja. A oposição viu, ouviu e nada fez após a afirmação de Lula. Enquanto isso, Eduardo Cunha pode ser cassado por ter negado possuir contas no exterior. Se mentir sobre contas no exterior já é motivo para cassação, o que dizer, então, de mentir para uma nação inteira? Se mesmo depois de Lula ter dito que o PT precisou mentir para o povo para reeleger Dilma e a oposição aceitar isso com a maior naturalidade, significa que o Brasil nunca será uma nação respeitada como os Estados Unidos e o países da Europa. Parece que estamos caminhando para trás e indo ao encontro da Bolívia e da Venezuela. Se a oposição continuar sendo cega, surda e muda, em pouco tempo nada mais poderá ser feito. Acorda, Brasil.

 

Daniel de Jesus Gonçalves al_amachado@yahoo.com.br

Paranavaí (PR)

 

*

‘EDUARDO CUNHA E A IMPRENSA’

 

O artigo de Fernão Lara Mesquita “Eduardo Cunha e a imprensa” (“Estadão”, 11/11, A2) me fez evocar o livro “Dois Brasis”, de Jacques Lambert, escrito em 1957 e que retrata as diferenças socioeconômicas regionais brasileiras, notadamente o Nordeste (arcaico) e o Sudeste (progressista), quadro que seria alterado, segundo o autor, à medida que a industrialização se expandisse, fazendo diminuir as gritantes diferenças. Lambert não contava com o fato de que um indivíduo inculto e ganancioso, produzido no primeiro espaço, se dirigisse como retirante para o segundo e invertesse a lógica cartesiana de seu raciocínio: o retirante inverteu o processo e trouxe o seu atraso para as áreas progressistas e o espalhou por todo o Brasil, convertendo-o em um só – sob o aspecto socioeconômico –, o do atraso e da miséria generalizada, mas implantou outros dois Brasis sob o ponto de vista moral: o da esperteza inconsequente, da avidez desmesurada, da falta de escrúpulos e do desrespeito às instituições que preconizam a conduta numa terra civilizada; e o outro, o Brasil dos que mantêm sua dignidade, cujos cidadãos acordam diariamente estupefatos com a ousadia dos sem lei, mas sem ter a quem recorrer, já que tudo foi aparelhado. É mais ou menos o hiato criado no texto, entre os jornalistas da política em Brasília, que com os anos passam a “entender” aquele mundo e deixam de entender o nosso, dos simples mortais trabalhadores e pagadores de impostos. Mas eu pergunto: de que vale a imprensa rever suas prioridades num país completamente corrompido por um projeto de poder, se não há oposição, se a Justiça faliu, se a mídia é um apêndice governamental e se a população, anestesiada, passa a aceitar o vitupério como normal? Num país cada vez mais inculto, teria ela o poder de modificar o desastre que se avizinha?

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O JORNALISMO PRECISA MUDAR

 

O artigo do jornalista Fernão Lara Mesquita dá uma boa estocada no jornalismo brasileiro. E que é totalmente verdade: perde-se tempo de TV e de rádio, e páginas de jornais e revistas para discutir – repetir – à exaustão sempre as mesmas notícias. Requentadas dia a dia. Pergunta: onde está a investigação, onde estão as pesquisas, onde estão os jornalistas econômicos, que não produzem mais matérias com conteúdo? Alguém já se deu ao trabalho de comparar os investimentos do BNDES em obras no exterior, e que não geram NENHUM emprego no Brasil, mas apenas no país financiado, com os empregos que poderiam ser gerados caso este dinheiro fosse aplicado na indústria sediada no Brasil? As obras no exterior geram apenas lucros para as empreiteiras, “pixulecos” para o PT e muita corrupção nos países que recebem o dinheiro do povo brasileiro. Isso quando as obras são realizadas. E o pagamento? Será mesmo feito? Ou o desgoverno do PT vai perdoar, como perdoou inúmeras dívidas de países governados por ditadores? Há que se dar um novo enfoque ao jornalismo e, também, passar a falar a linguagem do povo. Aquela que 90% da população entende. E não apenas uma pequena parcela que consegue decifrar as elucubrações dos intelectuais de plantão.

 

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

 

*

ESCOLAS INVADIDAS

 

Cinco estabelecimentos de ensino públicos foram invadidos por elementos, que se diziam alunos, para protestar contra a reorganização de alunos promovida pelo governo do Estado de São Paulo. Entre eles, uma escola em Diadema, no centro da cidade, e outra escola em Pinheiros, centro expandido da capital. Na Escola Fernão Dias, em Pinheiros, constatou-se que, apesar de usarem uniformes, muitos não eram alunos da unidade. 1) Os alunos não sabem para onde irão, ainda não foi definido. Pode ser melhor. 2) Os pais dos alunos ainda não sabem o porquê nem para onde seus filhos irão. Só serão esclarecidos se buscarem informações nas unidades após dia 14/11. Pode ser que aceitem os argumentos que serão apresentados. 3) Longe de ser um exemplo a ser seguido, os manifestantes demonstram total falta de cidadania e total ignorância à democracia. Só para me inteirar: a que partido pertencem os respectivos prefeitos?

 

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

 

*

REORGANIZAÇÃO ESCOLAR EM SP

 

Professores, estudantes e profissionais baderneiros estão fazendo uma campanha contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, supostamente criticando a reorganização escolar em São Paulo. Por que a separação etária dos alunos provoca tanta celeuma? Só queria entender a quem interessa que uma escola receba alunos de 5 anos de idade até adolescentes de 17/18 anos, e que benefício esse convívio forçado de faixas etárias tão diferentes traz para os alunos. O prejuízo é evidente! O uso de drogas entre os alunos maiores é um pernicioso exemplo para os pequenos, isso para não falar dos casos de abuso sexual dentro dos banheiros. Uma escola mais preparada pedagogicamente para as demandas de cada etapa escolar e atenta à nova realidade de cada faixa etária será tão prejudicial assim como querem fazer crer os seus críticos? Isso está me parecendo mais um movimento político contra o governador de São Paulo.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

QUE PAIS SÃO ESTES?

 

Cá entre nós, quais os pais, realmente dignos, deixarão que seus filhos invadam e permaneçam acampados nas escolas estaduais para protestar contra as medidas adotadas pelo governador Alckmin, com intenção de separar crianças pequenas de adolescentes? Quem conhece a periferia sabe o trabalho que esses pais têm para que esses adolescentes que já engendraram para o crime não possam influenciar e usar crianças menores para distribuição de drogas. É uma realidade nua e crua.  Portanto, é de estranhar que pais dignos deixem seus filhos adolescentes servindo de invasores, quando em outras manifestações desse tipo espalhadas pelo País foram usados pelos sindicatos até traficantes.  Quem são esses invasores? A conferir...

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

CRÍTICAS INJUSTAS

 

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ao lançar o projeto de reorganização da rede escolar que visa a melhorar o ensino público, vem recebendo injustamente críticas, sem fundamentos, de uma minoria de professores e de pais de alunos inconformados de terem de alterar a sua rotina diária, pois, na realidade, estão pouco se importando com a educação de seus filhos. Hoje e amanhã será pior, o jovem com conhecimentos limitados terá muita dificuldade de entrar no mercado de trabalho. Há muito emprego sobrando, o que falta é mão de obra qualificada. Vamos diminuir a legião dos que recebem o Bolsa Família.

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

SALÁRIO DE GOVERNADOR

 

O governador Geraldo Alckmin tem um salário de pouco mais de R$ 21 mil mensais. Esse salário serve de balizamento, como teto, no Estado. Uma dúvida: o governador (não especificamente o dr. Alckmin) paga aluguel do palácio do governo, onde mora, paga transporte, luz, água, enfim, despesas normais que todos pagamos? Absurdo um governador de Estado como o de São Paulo receber um salário destes. Qualquer CEO de grandes corporações recebe muito, muito mais que esse valor. E quer empresa maior que o Estado de São Paulo?

 

Bruno Mancini brunoara@yahoo.com.br

Sorocaba

 

*

BRASIL NA COP 21

 

A ONU avaliou que o total das propostas de redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) apresentadas nas Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (INDCs) para a COP 21 são insuficientes para alcançar a meta de limitação do aquecimento da Terra a 2 graus centígrados. Este estado de coisas não era inesperado. Então as INDC devem ser revistas durante a conferência, pois um acordo sobre não realização dessa meta seria uma consagração da irresponsabilidade. Uma proposta responsável do Brasil deve compreender desflorestamento zero em três anos, grandes reflorestamentos imediatos, incentivo aos combustíveis orgânicos etanol e biodiesel, investimentos energéticos na geração eólica, solar e na cogeração com bagaço de cana, aumento de eficiência energética, ações na agricultura e na pecuária. Então o INDC responsável do Brasil poderá vir prever reduções de emissões de GEE em relação às de 2011/2012 de 1/3 até 2019/2020, 2/3 até 2025 e próximo a 3/3 até 2030. O Brasil se tornaria um sumidouro de GEE, sem grandes gastos públicos.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

NEYMAR JR. E PELÉ

 

No dia 8/11/2015, na Espanha, jogando pelo Barcelona F.C., Neymar Jr. fez o gol que Pelé gostaria de ter feito (fez um gol parecido, bem menos bonito, em 1958, na Suécia). Acredito que ninguém duvida de que Neymar Jr. superou Pelé. Será que este terá a humildade de reconhecer essa realidade?

 

Eraldo Bartolomeu Cidreira Rebouças real742@yahoo.com.br

Poços de Caldas (MG)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.