Fórum dos leitores

CARGA ESMAGADORA

O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2015 | 03h00

De novo?

A competenta presidenta continua a ruminar a ideia fixa de que só a CPMF pode salvar a economia esfrangalhada por sua falta de critério com os gastos públicos. Sem contar a corrupção que se alastrou por seu governo e do antecessor, por que não se fala mais em corte de ministérios e anexos, dos milhares de cargos distribuídos a companheiros? O problema da economia não é a falta de dinheiro, e sim o excesso dele a assanhar a cupidez dos que nunca foram afeitos ao trabalho. Por que seremos nós, os comuns mortais, a ter de pagar uma conta que não é nossa?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

A salvação?

Segundo declaração da presidente Dilma Rousseff, a volta da CPMF é o único plano para estabilizar as finanças públicas. Acontece que qualquer gestor sabe que a única maneira de equacionar as finanças é não gastar mais do que se arrecada, simples assim. A fala de Dilma demonstra o pensamento arcaico e precário que permeia a administração pública nos três níveis de governo. É comum que em tempos de crise governadores e prefeitos também optem por aumento ou criação de tributos, o que prejudica ainda mais a retomada do crescimento e o desenvolvimento do País. A CPMF não é a salvação, é apenas uma medida provisória para tapar o buraco resultante da má administração.

WILLIAN MARTINS

martins.willian@globo.com

Guararema

A CPMF é a única aposta de Dilma? Claro que ela pegar o boné e se mandar, nem pensar.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Sem plano B

Dilma diz que a CPMF é a única saída para equilibrar as contas. Então, é tal a incompetência que não há um plano B para o caso de não ser aprovada a CPMF? Isso pode ser reflexo da falta de hábitos democráticos, que não admite opiniões diferentes, da falta de imaginação ou, quem sabe, o conhecimento vai apenas até a letra A. Quem nos salvará desses protozoários? E o presidente do STF diz para esperarmos três anos! Qualquer dona de casa acharia um atalho. Economizar significa gastar melhor!

M. MENDES DE BRITO

voni.brito@gmail.com

Bertioga

CPMF aprovada é tudo o que Dilma quer. O cofre do governo engorda, ela vai poder gastar à vontade, o dinheiro roubado é esquecido e quem leva um pé no traseiro é o povo brasileiro.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

CPMF é desnecessária

Se pararem de desviar recursos públicos, acabarem com os pixulecos, com as concorrências fraudadas, com as compras superfaturadas, com os subsídios aos governos ideologicamente alinhados e com a roubalheira em geral, sobrará dinheiro para tapar os buracos que o PT abriu em apenas 13 anos de governo. Não precisa sangrar mais a população, que já está atolada num endividamento excessivo, incentivado pelo governo, pelo aumento do desemprego (+10%) e por uma inflação que já está em dois dígitos – e segue subindo. Chega de mais impostos, vamos trabalhar pelo lado das despesas, cortar cargos comissionados, mordomias e outros penduricalhos, porque o equilíbrio fiscal se obtém tanto pelo aumento de receita como pelo corte de despesas.

Criando mais impostos a receita não aumentará na mesma proporção, visto que para pagar o imposto outros gastos serão cortados, o que afetará a economia, o emprego e, por consequência, a própria arrecadação dos demais impostos.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Dívida pouca é bobagem

Somente para exemplificar, a saúde financeira de algumas empresas estatais brasileiras está péssima: a dívida líquida da Cemig é de R$ 11 bilhões, da Eletrobras é de R$ 16 bilhões e da Petrobrás, US$ 100 bilhões. A dívida pública do Brasil é de R$ 2,7 trilhões e a dívida externa, US$ 351 bilhões. A solução é administrar bem, diminuir os custos e gastar dentro das possibilidades reais. Nesses 324 dias de 2015, o contribuinte brasileiro já pagou R$ 1,79 trilhão de tributos. Está claro que a volta da CPMF não vai resolver problema algum. O dinheiro escorre pelo ralo sem que ninguém consiga rastreá-lo. Não há transparência no gasto do dinheiro arrecadado. Só sabemos do resultado final catastrófico, que é o empobrecimento crescente do povo brasileiro.

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Aécio, cadê você?

Dando a volta da CPMF como certa, Dilma já inclui na Lei Orçamentária a receita de R$ 24 bilhões e encaminha ao Congresso a devida alteração. É o que eu chamo de cara de pau! Depois de saquear o País, permitindo e fazendo vista grossa para todo tipo de roubo e desvio, ainda nos faz engolir goela abaixo a volta do imposto do cheque?! Ei, Aécio Neves, chefe da oposição, cadê você? Por que se cala? Onde está o rubor do seu rosto, que tanto insistiu em dizer que havia herdado do seu avô, nosso querido e saudoso Tancredo?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Maquiavel

O maquiavélico plano de Dilma Rousseff e de Eduardo Cunha de evitar tanto o impeachment da presidente da República como a cassação do mandato do presidente da Câmara dos Deputados e, além disso, pôr em votação a CPMF no primeiro semestre de 2016 vai transformar o País num inferno irrespirável, tal a podridão da política.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

TERRORISMO ISLÂMICO

Religião não é isso

Lendo a história de Brian De Mulder (de origem brasileira), do Estado Islâmico, veio-me uma dúvida: sua irmã e sua mãe seriam consideradas infiéis e apóstatas e mereceriam a morte ou se tornariam escravas sexuais?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Quando ouvirei o repúdio oficial dos oráculos da Grande Mesquita, em Meca, o lugar mais sagrado do islamismo, guardiões da “Pedra Negra”, sobre os atentados na França? No Vaticano, o papa já disse, corajosamente, que aquilo não foi humano. E eles, o que têm a dizer aos seus fiéis do mundo inteiro?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

:ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

SÓ EM 2016

 

Asseverou o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que a análise dos pedidos de impeachment de Dilma Rousseff ficará para 2016. Assim, o referido cidadão processado e com contas propinadas na Suíça lança o veredito para a Nação, pondo as classes produtivas do País na expectativa do desenrolar da situação política, determinada ao bel prazer do político que anda de mãos dadas com o lulopetismo. É inacreditável que os autores de um dos pedidos de impeachment, os juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior, nada possam fazer.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

REMÉDIO

O Brasil não necessita de remédio amargo para sair da estagnação. O remédio doce seria o afastamento de Dilma Rousseff da Presidência da República. Sem contra-indicação.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ELES NOS SUBESTIMAM

Até o presente momento, continua tudo na mesma baderna, como sempre foi e será neste governo corrupto e desonesto. Ocorreu exatamente o que se esperava: o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou não ver chances de abrir neste ano o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. E ele alega um absurdo imensurável: que o impedimento perdeu apoio popular. Incrível como nos subestimam, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

TRADUZINDO

Nas entrelinhas, Eduardo Cunha mandou o recado para Dilma e sua base de apoio dizendo que não vê chances de abrir o processo de impeachment neste ano. Isso só ocorreria caso os membros do Conselho de Ética, seus aliados, viessem a impedir a todo custo que ele perdesse a presidência da Câmara e mesmo o seu mandato. Se isso acontecesse, então ele detonaria o impeachment e seria um abraço de afogados. Ele já disse: "Se eu cair, ela cai também".                                                                                  

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo

*

ATÉ QUANDO?

Até quando teremos de acompanhar este verdadeiro circo que se formou em Brasília? E estes políticos com atitudes tão esdrúxulas, com um único objetivo de se manterem no poder, doa a quem doer?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

A QUALQUER PREÇO

 

Se você, cidadão comum, eventualmente se omitir de declarar ao Fisco algum rendimento, ou deixar anexar em sua declaração de Imposto de Renda um documento que seja, a Receita Federal de imediato poderá lhe aplicar multas ou enviá-lo para prestar contas na malha fina. Nada contra essa eficiência do órgão federal. Como cidadãos honestos e trabalhadores, devemos cumprir nosso dever com o Fisco. O que nos intriga é o presidente da Câmara federal, Eduardo Cunha (PMDB/RJ). Está mais que provado que ele tem muito dinheiro não declarado fora do País, e, aproveitando-se da posição que ocupa, faz tantas manobras para continuar no cargo. Parece rir de todo mundo, certo de que não será punido, por estar ancorado por grupo significativo de aliados parlamentares. Deixa claro que suas atitudes e seu semblante são sintomas de que "daqui não saio, daqui ninguém me tira". A maioria dos políticos não tem mãos a medir quando o assunto é permanecer no poder, a qualquer custo.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO LHE DIZ RESPEITO!

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa de todos os artifícios ardilosos que detém para se manter no cargo, ferindo diretamente uma questão que não lhe diz respeito (somente). Na iminência da abertura do processo de cassação pelo Conselho de Ética, Cunha situou-se em cima do muro para ganhar os benefícios da dúvida. Não aprovou nem reprovou a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff a fim de realizar mera barganha, tanto com a oposição quanto com a situação. A primeira já deu fortes sinais de abandoná-lo, descrente na imparcialidade do deputado carioca na condução de um assunto de tamanha relevância nacional. Neste ano de 2015, a sociedade civil se reuniu em três ocasiões para pedir o afastamento da presidente, no entanto, Eduardo Cunha se sente no direito de usufruir da magnitude do caso para não pagar pelas faltas cometidas. Mentiu quanto à existência de contas em seu nome no exterior e se afundou num poço de incoerências. E, ao que tudo indica, parece-me improvável que venha a provar a origem lícita de sua fortuna acumulada e resguardada na Suíça. O afastamento do presidente da Câmara é questão de tempo e impedir o curso natural das instituições é enorme desrespeito com o povo brasileiro. Nem tudo está submetido aos interesses personalistas de Cunha.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

*

PREVARICAÇÃO

O Brasil, "de joelhos", aguarda soluções sobre o impeachment da presidente Dilma e a destituição do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Ambos só pensam em seus interesses pessoais, deixando para trás os interesses da Nação. No mínimo, cometem o crime de prevaricação.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                            

*

IMPEACHMENT

Há duas classes de pessoas que não desejam o impeachment de Dilma Rousseff: as masoquistas e as que mamam ou já mamaram nas tetas do governo.

 

Luiz Bianchi luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

*

QUAL É A LÓGICA?

Se a ministra Maria Teresa, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já foi voto vencido em plenário quando relatou e decidiu (tentar) arquivar o processo que aponta irregularidades da presidente da República e de seu vice na campanha do ano passado e agora, por que recebeu de volta o mesmo processo, para relatá-lo novamente? Qual a lógica disso? Com a palavra, o doutor Dias Toffoli.

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

*

RENÚNCIA

Dona Dilma, dê-nos um presente de Natal e vá curtir seu netinho! Entre para a História de cabeça erguida. Diga: "Se for para o bem de todos e felicidade geral da Nação, digam ao povo que saio". Renuncie, presidente. Sairemos às ruas, aliviados, para aplaudi-la.

Norma Lins de Araujo noralinsa@gmail.com

Socorro

*

O JUIZ E O GOVERNO

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, declarou o que já sabíamos deste os tempos do mensalão: é petista de carteirinha e defende com unhas e dentes o mandato da presidente Dilma Rousseff. Defende com a finesse que oculta suas unhas atrás de sua indubitável cultura. Chega a ser ridícula sua maneira de falar dissimuladamente pedindo paciência aos brasileiros nos próximos três anos para não embarcarmos num "golpe institucional". Como quem diz "vamos poupar a presidente Dilma do impeachment". Simples assim! É um absurdo o primeiro homem do Poder Judiciário declarar publicamente que a imparcialidade não faz parte de seu caráter.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TRÊS ANOS

 

Parece-me que há dois tipos de homens: os que podem e os que não podem esperar. Três anos não é nada para quem vive sem cruéis desafios diuturnos. É a espécie Lewandowski. O desassossego espiritual é apenas o do rico que, por ser rico, não tem mais a única esperança: de tornar-se rico, segundo a fina percepção de Pessoa. E a dos miseráveis de Victor Hugo. Para estes, a carne dói, os olhos ardem, os pés claudicam, a fome caustica diuturnamente as tripas, o frio penetrante pelas frestas do telhado imperfeito revolta. Três anos é muito, ministro. A presidente Dilma Rousseff deveria deixar florescer sua antiga consciência política do homem duplo. A imensidão humana é da segunda espécie.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ESPERA

Então ficamos assim: fechados para balanço, voltamos em 2018.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

AQUI EMBAIXO

Quando se ouve do ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) que a crise que o País está vivendo é "artificial", dá-nos a impressão de que ele preside a Suprema Corte, mas mora em outro país. Convido-o para dar uma andada pelas fábricas, pelos hospitais públicos, a pegar um ônibus ou metrô em horário de pico ou, quem sabe, dar uma passadinha no supermercado para comprar umas coisinhas básicas - ou picanha para um churrasquinho no fim de semana. Descer, de vez em quando, do topo da pirâmide pode fazer bem, caro ministro.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

GUARDIÃO DA CONSTITUIÇÃO

A insensibilidade do ministro Ricardo Lewandowski para problemas do cidadão brasileiro, que a Constituição federal deve proteger, é maior do que o Distrito Federal. Dois milhões de desempregados, inflação na casa dos 10%, total falta de governabilidade, e ele, agradecido pelo seu cargo, se encontra com a presidente Dilma em Portugal (em agosto), havia pedido 78% de aumento no salário do Poder Judiciário (hoje com veto mantido) e faz declarações públicas falando em golpismo. Se pedirem o impeachment, ele deve ver se é ou não legal e fundamentado. Só. Ele deve e deveria ser o defensor da Constituição.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

LIQUIDAÇÃO

Senhor Lewandowski, mais três anos de desgoverno, sendo representados por esta quadrilha que o prezado ministro teima em não reconhecer, talvez por nada sentir, dado o seu felpudo salário, é o mesmo que leiloar o Brasil, permitir que investidores estrangeiros e famintos o adquiram por uma bagatela, reforçando as palavras do empresário Abílio Diniz quando disse, em Nova York, que o Brasil está em liquidação.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

NOTÁVEL SABER JURÍDICO

Se a possibilidade de pedido de impeachment da presidente Dilma está prevista na Constituição, por que o ministro do STF Ricardo Lewandowski fala em "golpe institucional"? É desconhecido das leis ou militância petista?

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

NA LEI

Ministro Lewandowski, de acordo com a Constituição, o impeachment é possível. Seria de bom alvitre que nas suas palestras deixasse de lado opiniões políticas e esclarecesse aos seus ouvintes que há duas formas de "derrubar" o presidente da República: pelo voto ou pelo impeachment, previsto no artigo 85 da Constituição e pela Lei 1.079/50. Implica julgar o chefe de governo por ato ilícito ou crime de responsabilidade. E estão mais que caracterizadas essas infrações cometidas pela presidente Dilma Rousseff.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

DISFARCE

A fala do ministro Lewandowski sobre um "golpe institucional" que estaria sendo tramado é ridícula, diretamente importada da cartilha petista. Sua Excelência poderia tentar disfarçar um pouco a filiação partidária.

Sonia Knopf sonia@knopf.com.br

São Paulo

*

APENAS UM ARROUBO

Tem razão o ministro Lewandowski. Existe uma crise de desconfiança gerada, insuflada e gestada por parte da mídia, que faz papel de partido radical de oposição e que pauta a maioria dos partidos oposicionistas. Confunde o papel do Congresso Nacional de fiscalizar os atos do Executivo com investigar, que, ao fazê-lo com o fígado, através de CPIs, normalmente pouco acrescentam às investigações e elas terminam desmoralizadas. Teve uma CPI da Petrobrás que o presidente do PSDB, Sergio Guerra, recebeu R$ 10 milhões para enterrá-la, mas desta poucos se lembram e a mídia pouco divulga, pois macula os tucanos. Esta do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) está buscando indícios para incriminar o filho de Lula, escondendo que grandes grupos de mídia são devedores de muitos milhões em multas. É a velha tática do cascudo, sujar a água para não ser visto e pescado, fazem de tudo para não perceber o tamanho da hipocrisia e desfaçatez dos maiores devedores. Na frase "para não deixar dúvida sobre quais suas afinidades políticas o presidente do STF faz coro a desconfiança dos atuais donos do poder em relação a imprensa", o "Estadão" rotula o presidente do STF de governista e petista. Nunca vi uma palavra neste jornal mostrando o quão tucano é o ministro Gilmar Mendes, que fez denúncia vazia de que havia grampo em seu telefone e tinha como testemunha o corrupto ex-senador Demóstenes Torres; nem que as opiniões do ministro Marco Aurélio de Mello têm vinculação com Collor; ou que Celso de Mello age a mando de Sarney. Esquecem até que o primeiro negro que presidiu o STF foi nomeado por Lula e pode agir com isenção até demais perseguindo os governistas com o mensalão que foi criado, inventado e gestado pelos tucanos em Minas, nas eleições de 1998 (e por isso ainda ninguém foi condenado), quando Eduardo Azeredo perdeu a reeleição e FHC foi reeleito. O golpismo oposicionista está disseminado na mídia, tanto que à calúnia dos tucanos de que o resultado das eleições de 2014 era duvidoso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) respondeu que o resultado está correto e os tucanos reconheceram o erro, mas ainda não retiraram a ação que questiona o financiamento da campanha de Dilma, que usou as mesmas fontes de financiamento que todos os outros candidatos - se o TSE vier a condenar a chapa de Dilma e Temer, não poderá empossar nenhuma outra, pois todas têm o mesmo vício. Ocorrerá, então, um vácuo de poder. O pior é que tem quem acredite nestes pobres argumentos e os repercuta, fazendo papel de bobo, como se tivessem descoberto a pílula da verdade. Quanta manipulação, alienação e ignorância.

Wilson Ronaldo de Oliveira wilsoncidadaocuritibano@gmail.com

Curitiba

*

TRISTE RETRATO DO BRASIL

É desalentador ver o Brasil de hoje. Para onde está caminhando? A falta de ética, de moral, de caráter dos políticos, dos governantes, incluindo-se ai os integrantes do próprio poder Judiciário, que deveria ser uma reserva moral para dar exemplo e segurança jurídica à sociedade, mas que agora também passou a ser mais um antro de corrupção e juntou-se aos outros dois podres na vala comum. Uma das principais revistas semanais do país traz um reportagem intitulada "Ecos de um casamento", na qual ilustra com foto de página inteira o ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) se confraternizando, em uma festa de casamento no Ceará, com advogados, políticos e lobistas com interesses diretos em suas decisões no processo. Como convidado é convidado, a essa altura resta saber se a conta total foi paga pelos advogados ou pelos políticos, pelos lobistas ou mesmo por nós contribuintes. Outro fato que mostra a desmoralização e a promiscuidade reinante na justiça brasileira é o caso do juiz federal Flávio Roberto de Souza, responsável pela ação criminal contra o corrupto empresário Eike Batista. Esse juiz foi flagrado se apropriando de veículos de luxo, relógios e até um piano de cauda do empresário. Mas a sorte desse corrupto é que vive em uma país abarrotado de muitos outros corruptos; se fosse em um país de primeiro mundo, um país sério, ele iria apodrecer na cadeia, mas, no reino das fantasias, ele foi aposentado compulsoriamente e com salário vitalício, ou seja, um presente dado pelo Órgão Especial do Tribunal Regional Federal da 2ª Região do Rio de Janeiro, um penduricalho de nome bonito, mas que toma decisões imorais. Decididamente, bandido no Brasil não é punido, é premiado, e pior, por quem na verdade deveria dar o bom exemplo - a Justiça.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

DENÚNCIAS NA GAVETA

Os petistas vociferam terem muitas provas contra Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin e contra tantos outros do PSDB. Fazem um estardalhaço sobre o famigerado livro "A Privataria Tucana", exaustivamente citado, que contém provas cabais da maior corrupção envolvendo membros do PSDB. Porém, algo é misterioso. Como explicar o fato de os petistas estarem no poder há mais de 12 anos, com a faca e o queijo nas mãos, e não apresentarem estas provas ao ministro da Justiça? Ministro de um governo do PT, que deveria ter o maior interesse em levar avante essas denúncias, uma vez que tem plena autoridade para ordenar à Polícia Federal investigar o PSDB, FHC, Serra, Alckmin e tantos outros que os petistas vivem acusando? Porventura o ministro depende da mídia, do STF ou do Ministério Público Federal? Por que os petistas não fazem essas denúncias ao ministro da Justiça? Por que o ministro da Justiça não ordena a Polícia Federal investigar? Será que algum petista poderá explicar?  

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

OPOSIÇÃO MAMBEMBE

Sempre o mais do mesmo quando se fala em situação e oposição. Como é que, mesmo em campanha, o senador Aécio Neves, já sabendo da situação econômica periclitante que o País vinha passando, faz projeto de lei que aumenta em 150 mil o número de funcionários públicos comissionados? Queriam o aumento da pelegada para que o País, já quebrado, afunde mais ainda? Dá para acreditar nessa oposição, que se diz tão competente, ainda mais agora, abrindo espaço para o PMDB, o partido mais promiscuo do País? Vamos mudar, e urgente!  Dar espaço para que surjam novas figuras no cenário político, mais competentes e comprometidas com o povo brasileiro. Chega dos mesmos!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ELITE-TEFLON

Em entrevista concedida ao programa "Conexão Roberto D'Avila", na GloboNews, Lula defendeu seu filho Luis Claudio, investigado pela Polícia Federal. Como se sabe, sua empresa, a LFT Marketing Esportivo, recebeu R$ 2,4 milhões da Consultoria Marcondes & Mautoni, suspeita de fazer lobby pela suposta venda de uma medida provisória. A certa altura da entrevista, Lula disse que seu filho está subordinado "à mesma Constituição que eu estou, às mesmas leis... É chato? É. Mas é bom".  Deveras interessante o ex considerar "chato" um filho submeter-se às "mesmas leis" que a ele se aplicam, já que, como todos sabem, lei alguma o atinge. Deveria dizer que Luis Claudio deveria submeter-se às mesmas leis a que todos os brasileiros - aqueles que não têm passaporte diplomático nem ganham fábulas prestando "consultorias" ou fazendo "palestras" - se submetem. Cognominado "teflon", em Lula nada "cola", por maiores e mais absurdas que se revelem as evidências de que enriqueceu à sombra do poder - e em função dele, conforme testemunho do próprio (e insuspeito) Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). "Chato" é a gente, aqui de fora, ver o ex e todos de sua família encherem os bolsos sem que instituição alguma os alcance, como faria com qualquer brasileiro fora do círculo do poder. É muito bom ser membro da elite-teflon!

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com   

São Paulo

*

O BOM DE LÁBIA

 

Quem assistiu à entrevista do ex-presidente Lula ao programa "Conexão Roberto D'Avila" pode chegar à conclusão de que o homem é bom de lábia, nada é com ele, o culpado são os outros ou "se os outros podem fazer, por que ele não pode?", etc., etc. Se o programa tivesse mais cinco minutos de duração, ele seria canonizado e para santo faltaria pouco, pois "milagres" (justificativas) ele apresentou aos montes. Agora só falta provar os milagres.

 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

*

CUSTE O QUE CUSTAR

Para se firmar como candidato às próximas eleições presidenciais, Lula joga seu filho Luís Cláudio à própria sorte.

Pedro Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Ribeirão Bonito

*

O DESASTRE EM MARIANA (MG)

Até agora, o governo federal não assumiu, nem a imprensa cobrou, a responsabilidade do Ministério de Minas e Energia pelo desastre em Mariana (MG). Mudos, porque tudo o que pode ser debitado do governo Dilma é "proibido falar". O ministério deveria fiscalizar, mas ninguém sabe disso, ninguém cobrou. Existem em Minas Gerais 750 barragens, e somente com mineradoras são 450. O Estado está, então, correndo um enorme risco, se não houver normas rígidas que sejam cumpridas e fiscalização sobre essas perigosas construções. O diretor encarregado do setor no ministério deixou o cargo alegando problema de saúde. Talvez ele tenha se preocupado tanto...

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

SÓ ISSO?

Duas semanas após a barragem em Mariana ter ruído, apareceram no local Dilma Rousseff e Fernando Pimentel, governador de Minas Gerais, e ali, imediatamente, anunciaram uma multa milionária à mineradora Samarco, pronto, as providências foram tomadas. Agora aparece a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, sumida do cenário até então, e anuncia outra multa milionária. É só isso?  Primeiro, o bem-estar da população afetada; depois questionar as causas que levaram à maior catástrofe ambiental de nossa história - prevenir para não acontecer novamente, ter fiscais confiáveis bem pagos e um governo que tenha tempo para cuidar de nosso país, tão extenso e recheado de problemas.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com  

Sete Lagoas (MG)

*

DILMA INCOERENTE

 

Ao MST e ao MTST, silêncio ou afagos. Aos caminhoneiros grevistas, multa de R$ 19 mil. E à Samarco, multa de R$ 250 milhões. É assim que Dilma funciona...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

A JUSTIÇA NÃO SOLICITA NEM REQUER

Como homem da lei e da justiça que sou, causou-me profunda estranheza os dizeres da nota "Justiça manda Samarco barrar lama em mar do ES", da edição de 19/11. A Samarco confirmou o recebimento das "solicitações" da Justiça Federal e informou que vai analisar cuidadosamente o que é "requerido". Ora, caros leitores, num momento em que toda a Nação brasileira se aflige diante de um fato considerado "o maior desastre ecológico já ocorrido no País", causa-me uma grande revolta o teor das declarações da empresa em questão, dando uma clara demonstração de que o acontecido foi apenas um fato corriqueiro e desinteressante. Além de tudo, a Justiça não "solicita", tampouco "requer" que algo seja feito a bem do interesse nacional. Ela simplesmente ORDENA que algo seja cumprido. Será que a posição da Samarco se deve ao fato de pertencer à Vale e - "a fortiori" - a sua ligação com a multinacional BHP a exime do dever de reparar minimamente o acontecido simplesmente por estar sediada num país com "complexo de vira-latas"? A julgar pelas consequências do desastre que, segundo experts em ecologia, levarão décadas para serem mitigadas, o acordo entre a empresa e o Ministério Público não corresponde ao mínimo dos prejuízos ambientais que advirão.

Emmanoel Agostinho de Oliveira eaoliveira2011@gmail.com

Vitória da Conquista (BA)

   

*

FICÇÃO CIENTÍFICA

Após o desastre em Mariana (MG), com o rompimento da barragem de lama resultante do processo de mineração, como leigo, fico pensando nas seguintes situações: temos centenas de barragens semelhantes, somente em Minas e tantas outras relativas a extração de minérios; na Amazônia, terras são invadidas, com devastação que em alguns casos, nem a madeira é aproveitada, e, sim, queimada, com finalidade do plantio de soja ou pastos para criação de gado, que acabam sendo legalizadas após alguns anos, daí vendidas e gerando um ciclo vicioso; o despejo de esgotos e produtos químicos nos rios e a falta de proteção das matas ciliares, alguns já estão mortos e noutros podemos atravessar a pé por conta do assoreamento; grandes represas são construídas, para geração de energia, com laudos questionáveis, baseados em decisões políticas escusas; quanto aos oceanos, com a pesca predatória de alta tecnologia, com lançamento de esgotos, com os desastres oriundos dos navios de grande porte e plataformas de exploração de petróleo. Fico imaginando que o triste prognóstico dos filmes de ficção científica que mostram a Terra num futuro não muito distante quase sem vida pode se tornar realidade em pouco tempo, desde que não façamos algo mais efetivo.         

Waldir Cassapula waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

*

AGNELLI SUPER-HOMEM?

Engraçado que sempre lembram do aumento do faturamento ocorrido ao longo da gestão de Roger Agneli na Vale e sempre se esquecem de que foi na gestão dele que houve aquela superencomenda daqueles supernavios que estão dando uma supertrabalheira para a companhia atualmente se desvencilhar. Enfim, a imprensa toda mal fala de uma superdecisão que parece ter sido superequivocada numa superempresa... Tratam o cara como um super-homem.

Fatima B. Wanderley lbueno73@hotmail.com

São Paulo

*

TERRORISMO E GUERRA MUNDIAL

EUA, Rússia e França discutirão estratégias de guerra contra o Estado Islâmico. A indústria bélica, que movimenta bilhões de dólares em todo o mundo, venera as guerras, onde quer que elas aconteçam. Os violentos atentados ocorridos no dia 13/11 em Paris foram funestos, mas os resultados dos bombardeios na Síria serão hediondos, diante de todo arsenal e poderio dos franceses e dos seus aliados. A lição não foi aprendida. Mesmo com todo o progresso atingido no último século, continuaremos testemunhando covardes massacres, semelhantes aqueles ocorridos nas duas grandes guerras mundiais.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

DELENDA TERRORISTAS

A relativização da barbárie não é criação do segundo milênio fero mas é justificada pela fermentação de um ódio que coloca no lixo todas as conquistas civilizatórias  a duras penas pela humanidade. Sempre que uma agressão à sociedade é cometida os relativistas procuram encontrar uma razão que se transforma em vingança que pode ter caráter político, social e econômico e, pasmem, até mesmo religioso. Na década de 1930 a Alemanha mal respirava pelo garrote vil imposto pelo Tratado de Versalhes, punição pela derrota na I Guerra Mundial. Arrastou consigo a Itália e o Japão causando um saldo de 60 milhões de mortes. O ocidente tem a sua responsabilidade no surgimento desse nazi-islamismo pelas intervenções no Oriente Médio,mais notadamente os Estados Unidos, O presidente da França, François Hollande propõe uma aliança aplicando os estatutos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no qual o ataque a um dos seus membros é uma agressão aos demais . A nudez do antiamericanismo infantil do PT foi exposta pela presidente Dilma na reunião do G-20 na Turquia colocando-se contra os ataques ao Estado Islâmico. Acordou em tempo e reviu a sua posição. O currículo dos atentados creditados aos fanáticos do Islã podem desembocar numa guerra religiosa sem precedentes que colocará as Cruzadas do Rei Ricardo e do Sultão Saladino simples embates estudantis na saída das aulas. "Satã está entre nós, não como besta, mas como beleza".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

NOSSOS CADÁVERES

É lamentável o ocorrido na França, 129 pessoas inocentes mortas por radicais religiosos. É um número assustador que fez com que todo o mundo chorasse. Governos comovidos caçarão os terroristas como animais que são e também serão mortos. Nesta guerra estúpida, muitos inocentes pagarão com a vida por crimes que não cometeram, mas apenas por serem muçulmanos. Aqui, na nação brasileira, temos por ano uma média de 154 pessoas mortas assassinadas por dia, segundo o "mapa da violência de 2014", com tendência de crescimento de 11,1%. Choremos sobre os cadáveres franceses, mas não deveríamos nos esquecer de regar com lágrimas os nossos. Todos nós deveríamos estar chorando mesmo, mas exigindo que nossas penas fossem tão regidas que não precisássemos compará-las a uma guerra. A ONU nunca se pronunciou sobre o que acontece por aqui, ninguém cantou o Hino Nacional do Brasil nas ruas das cidades e ninguém foi preso com penas que os assustassem de verdade.

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com

São Paulo

*

TERRORISTAS

Dilma Rousseff tem razão quando diz que o terrorismo internacional está longe. Aqui, no Brasil, temos outros tipos de terroristas, bem mais eficientes e abrangentes, que destroem muito mais. PT, PMDB, PP, DEM, PSDB, ministros, governantes, Poder Judiciário, MST, sindicatos, funcionários públicos corruptos, etc. Eles desviam dinheiro da merenda escolar, dos remédios, deixam assassinos nas ruas, quebram escolas, fazem greves intermináveis.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

'O TERRORISMO ESTÁ LONGE DAQUI'

Mais um adjetivo para Dilma: alienada!

 

Jose Wilson Gambier Costa jwilsonlencois@hotmail.com

Lençóis Paulista

*

INGENUIDADE

Dilma Rousseff, como anteriormente em outra ocasião, logo após a Conferência do G-20, em entrevista, acrescentou que as Nações Unidas deveriam, além daquelas resoluções, tentar uma terceira via, a via diplomática com o Estado Islâmico. É de pasmar! Por que não a enviar, sozinha, já que acredita na "pureza" deles, para tentar um acordo com aqueles decapitadores on-line?

Tadaiuki Yamamoto  tadai@ig.com.br

São Paulo

*

DECISÃO DA ONU

Os radicais islamitas, com a violência que praticam, chocam qualquer pessoa de bom senso. Mas, enquanto o elevado número de vidas perdidas nos atentados trazem comoção, não se notam pronunciamentos de especialistas sobre as razões pelas quais esta violência aumenta a cada dia. Que por certo não tem que ver apenas com o domínio da produção de petróleo. Cabe, então, o questionamento, ou seja, por que não se cumpre de uma vez por todas a decisão da ONU quando de sua criação, a formalização do Estado Palestino?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.