Fórum dos leitores

O BRASIL EM DEBATE

O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2015 | 03h00

Que país é este, afinal?

Lendo o memorável artigo do sr. Bolívar Lamounier (Que raio de país é este, afinal?, 19/11, A2) vou tentar responder a uma outra indagação: que raio de país não é este, afinal? Um país que teve um presidente como Lula e tem uma presidenta como Dilma Rousseff, um presidente da Câmara dos Deputados como Eduardo Cunha, um presidente do Senado como Renan Calheiros e um presidente do Supremo Tribunal Federal como Ricardo Lewandowski, afinal, que país não é este? Resposta: este não é um país sério.

MARCELO L. Z. BERNABE

zbernabe@hotmail.com

São Paulo

Que país é este? Ora, a esta altura essa não é mais a pergunta a ser feita. Depois de tudo o que estes últimos quase 13 anos (número adequado, não?) de desgoverno fizeram, a pergunta a ser feita é: este ainda é um país?

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Que raio de país é este? Realmente essa pergunta permanece no ar porque não há um dia em que não nos surpreendamos negativamente com um assombroso fato originado dos que deveriam dar o exemplo de honradez no trato da coisa pública. No Estadão de sábado, por exemplo, o editorial Tolerância com a corrupção e os artigos da página A2, Irresponsabilidade e fascismo ‘byke’, de Roberto Romano, e Brasil 2016, de Almir Pazzianotto, guardam um denominador comum com os comentários dos leitores srs. Izabel Avalone, Sérgio Holl Lara e James Rosas, estes listando fatos que respondem à pergunta lançada e comentada, dias atrás, no artigo do sociólogo Bolívar Lamounier. O conjunto dá a sensação da desestruturação total da nossa sociedade, desde a deseducação dos jovens que nada e ninguém respeitam, fazem e desfazem com suas hoje perigosas bykes, até a desfaçatez, a sem-vergonhice, o descaramento daqueles que deveriam dar, na vida pública, demonstrações de retidão de caráter.

ANTONIO C. GOMES DA SILVA

acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

Lulopetismo

Quero cumprimentar o jornal pelos excelentes artigos de Roberto Romano e Almir Pazzianotto Pinto, pelos editoriais Tolerância com a corrupção, O preço do atraso e Mais uma forma de ‘pedalada’ e, por fim, pela carta do leitor sr. Luiz Henrique Penchiari. Todos os textos demonstram como foi afetado o comportamento da sociedade em consequência do lulopetismo, a que ela foi submetida.

LUIZ SERGIO DOS SANTOS VALLE

luizsergiovalle@gmail.com

São Paulo

Política atual

Onde estão os “notáveis” do nosso país, que não reagem ao descalabro moral que avassala há muito o Congresso da República? Que assistem passivamente a tudo o que tem acontecido, sem nenhum protesto, nenhuma reação, deixando estupefata a sociedade civil que trabalha no dia a dia? Está na hora de delinquentes como esse famigerado Cunha e quadrilha sentirem que há pessoas com moral suficiente para ofuscar seu comportamento baseado na mentira, no descaramento, na desfaçatez. Que regras são essas que permitem que pessoas desse tipo alcancem status de impunidade tal só por serem políticos, exercendo um mandato quase imperial? Onde os José Bonifácio de Andrada e Silva, Joaquim Nabuco, Rui Barbosa (que escreveu que “a nossa classe política é uma das mais vagabundas do mundo”, já na sua época), Afonso Arinos de Melo Franco, Ulysses Guimarães, dentre muito outros? A sociedade exige um basta nesse melodrama e mudanças nas benesses jurídicas concedidas à nossa classe política, que parece não ter mudado muito desde o notável Rui. Certamente piorou.

GERALDO NORBERTO C. SGARBI

gncsgarbi@gmail.com

Belo Horizonte

INCONSCIÊNCIA

O demagogo

Li no Estadão (21/11) que Lula, na Bahia, se autoelogiava em evento da Consciência Negra, dizendo que antes dele, neste país, os negros não tinham chances de ser mais que escravos, pedreiros... Pois, então, a bem da verdade, informo ao “ex” que negros tinham, sim, muito antes de ele nascer, lugar na nossa sociedade. Como, por exemplo, Aleijadinho; Juliano Moreira, médico brilhante; Lima Barreto, jornalista, escritor; Ernesto Carneiro Ribeiro, médico e literato; Luiz Gonzaga Pinto da Gama, rábula brilhante, libertou dezenas de escravos; Pixinguinha, músico ilustre, arranjador e regente de orquestra; Machado de Assis, cronista e poeta; Cartola, poeta e músico popular; Manuel Querino, jornalista, abolicionista, educador; José do Patrocínio, farmacêutico, orador, considerado por seus biógrafos o maior jornalista da Abolição; André Rebouças, engenheiro, abolicionista, inventor. Essa é uma pequena lista de negros que muito orgulham a todos nós, brasileiros. Há muitos mais que deixaram edificantes exemplos de dignidade e superação dos tempos difíceis em que viveram, como os aqui citados.

TULLIO FORMICOLA

tulney@gmail.com

São Paulo

Preconceito desencalacrado

Em mais uma de suas incansáveis bravatas, Lula, travestindo-se de redentor, saiu-se com essa palermice de que “nunca na História desse país o negro teve oportunidade de ser médico, engenheiro, e não só ajudante de pedreiro nas grandes capitais ou empregadas domésticas”. O afoito e preconceituoso grande líder necessita urgentemente medicar-se e corrigir seu déficit cognitivo. Além disso, estudar um pouco de História do Brasil.

LUÍS LAGO

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

A voz do povo

O povo brasileiro já começa a tomar consciência de que muita coisa errada aconteceu no País nos últimos 13 anos em termos de administração pública, em especial na esfera federal. Lula, em evento do Dia Nacional da Consciência Negra, foi vaiado em Salvador por um grupo de manifestantes. Esse é mais um sintoma claro de que o povo brasileiro reconhece o quanto está sendo prejudicado por administrações petistas, as quais levaram o País ao caos em que se encontra.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Não há mal que nunca acabe: demorou, mas chegou o dia de Lula ser vaiado. E na Bahia. Mais cedo, em Brasília, disse em congresso do PT que a Dilma Rousseff está “encalacrada”. Conscientemente falando, não seria o “cara” quem a encalacrou, por tê-la deixado presidir, mandar no País? Dessa forma, além de Lula encalacrar a Dilma e o País, mandou a população pro brejo.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

FIM DO ANO

O Natal de 2015 será um dos mais tristes e caros para os brasileiros. Com milhares de pessoas desempregadas, a inflação na casa de dois dígitos e todos tendo de apertar os cintos para os impostos que vencem em janeiro. Como ter bom humor e esperança, se o ano está terminando e não vimos a luz no fim do túnel? O que esperar mais? Como será que Dilma Rousseff vai desejar feliz Natal aos brasileiros com uma taxa de desemprego de 10%? Vai pôr a culpa no Papai Noel? O PT, que se elegeu com o discurso de que foram eles que arrumaram o Brasil, como explicará este tombo na economia, com as consequências desastrosas que estamos vivendo?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DILMA DEFENDE VOLTA DA CPMF

Cara “presidenta gerenta incompetenta” Dilma Rousseff, para que o povo se disponha a pagar mais impostos, como afirmou no encontro do G-20 na semana passada, precisa haver sinais mais evidentes de que o governo está empenhado em fazer economia, a começar da própria presidente, que mostra evidentes sinais de que tudo anda às mil maravilhas. Enquanto presidentes mais precavidos de países desenvolvidos se hospedam em suas embaixadas, por exemplo, para fazer economia, Dilma se hospeda, junto com seu séquito, nas maiores e mais caras suítes do mundo. Encomenda caixas e caixas de champanhe, que com certeza faltarão na mesa dos brasileiros neste Natal. Para convencer a população a aceitar a nova CPMF, antes de tudo, a dona da esbórnia e do descontrole nas contas precisa dar o exemplo de que também faz economia.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS BESTEIROL

Este esforço do reequilíbrio fiscal agora vai requerer de “vocês”, “apesar” de todas as medidas de redução de despesas que “não” tivemos, vai requerer de “vocês”, para poder fechar as contas e fazermos superávit, vai requerer dos “deputados e senadores” a consciência e a responsabilidade para aprovar a CPMF.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PÉ NO TRASEIRO

CPMF aprovada é tudo o que Dilma quer: o cofre do governo engorda, ela vai poder gastar à vontade, o dinheiro roubado é esquecido e quem leva um pé no traseiro é o povo brasileiro.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

LULA QUER CRÉDITO FARTO

Se o governo estimular mais o crédito, o povão vai pegar empréstimo para pagar empréstimo. Essa história todos nós conhecemos. É o caos total.

Alberto Linhares ibrasil21@gmail.com

São Paulo

*

AFUNDADOS E NAVEGANDO

E o “PTitanic” Brasil “continua navegando”... Salve-se quem puder! S.O.S.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

SOMOS LOUCOS

Realmente, somos loucos. De internar. O trânsito caótico enlouquece. A violência e a insegurança, também. Loucos incuráveis, sórdidos e covardes são terroristas. Ficamos mais loucos com a alta dos preços. De tudo, dos aluguéis aos alimentos. Somos todos loucos por continuar lutando. Mais loucos ainda são os funcionários públicos, que apanham da polícia. Juiz de futebol é do tipo louco sádico. Irrecuperáveis são os loucos ministros, deputados, senadores e governadores, ansiosos e felizes para taxar inativos e aposentados. Procuro classificação para loucos que correm risco de vida nas esburacadas rodovias. Os juros altos colaboram para a loucura coletiva. Pelo diagnóstico médico da insanável loucura do governo, constata-se que loucos varridos são aqueles que votam errado, em administradores incapazes, arrogantes e prepotentes. Delator não é louco. Apenas patife. Corrupto não é louco. Faz-se de louco.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

PREJUÍZOS E MAIS PREJUÍZOS

Na última campanha eleitoral, Dilma Rousseff pediu e obteve os votos da maioria dos brasileiros, “para o País ‘continuar’ crescendo”. Então, por que será que as estatais Petrobrás, Eletrobrás e Correios estão apresentando balanços com enormes prejuízos? Dilma mentiu, e grande parte dos brasileiros foi enganada. E aí, você, que votou em Dilma, como está se sentindo sabendo que foi um trouxa? Vai continuar fingindo-se de idiota e fazendo cara de paisagem, enquanto o País continua afundando?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PÁTRIA DEVEDORA

Depois de todo dinheiro saqueado pelos petralhas (mais de trilhões em 13 anos); depois de jogarem a culpa pela falta de alguns bilhões na economia nos velhinhos aposentados e nos usuários dos planos sociais; agora aparecem novos culpados, os credores dos livros didáticos da “Pátria Educadora”, que não estão recebendo suas faturas. Ou seja, de educadora, agora, passou à Pátria devedora, literalmente. Devedora de vergonha na cara, de ética, de respeito, de moral, de saneamento, de saúde, de educação, de segurança. É verdadeiramente o governo do crime. E tem gente que apoia ainda estes criminosos.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

VETOS

Enquanto a roubalheira anda solta no País, o governo lulodilmista incompetente joga o País na recessão, os políticos corruptos enriquecem, os banqueiros cobram juros de agiotas, desculpem, senhores agiotas, o desemprego aumenta, os aposentados (INSS, é claro) irão continuar na luta honesta pela sobrevivência, com o veto dos nobres parlamentares, que lhes cortou um mísero reajuste. Lembrem-se destes lixos na hora de votar! Lava Jato neles!

César Araujo cesar0304araujo@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO EM SP

Trípoli, José Aníbal e Bruno Covas, três tucanos paulistas, se uniram contra Andrea Matarazzo e Dória Junior, adiantando o lançamento da candidatura de Bruno Covas à Prefeitura de São Paulo. Seu suposto trunfo é ter emplacado uma emenda no projeto que oficializa a repatriação do dinheiro mantido no exterior irregularmente. Este projeto era considerado uma lavanderia oficial de dinheiro sujo... mas, com a sumidade de Bruno Covas e sua emenda, vai se conseguir impedir, (pasmem!) que políticos com mandato ou mesmo ex-políticos e funcionários públicos em cargos de direção sejam beneficiados pela lei, se for sancionada. Santa Maria... será que Bruno já entrou num laranjal, já chupou laranja no pé? Será que entende o que quero dizer? Aliás, o santista Bruno Covas, que nunca ocupou um cargo executivo, tempos atrás deu sua opinião sobre o que pensava da cidade de São Paulo com respeito ao lazer.  Afirmou que a capital era tão pobre neste setor que só isso explicava as filas intermináveis na Via Anchieta e na Imigrantes todo fim de semana. Não temos praia, é certo, mas isso não explica o comentário desabonador sobre a minha cidade, a maior metrópole da América do Sul. Portanto, pobre é a cabeça de Bruno Covas. E ser peixinho de político não é atributo que aumente sua estatura política. Quanto a Andrea Matarazzo, já foi subprefeito, secretário de Serviços, de Subprefeituras, secretário de Estado de Energia, da Cultura, ministro de Comunicação e embaixador do Brasil na Itália. Atualmente é vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara. Preciso dizer mais?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

LAZER NA CAPITAL PAULISTA

Estive em São Paulo no fim de semana retrasado e hospedei-me na região da Avenida Paulista. Curiosa, fui até a avenida no domingo, quando ela está sendo fechada “para lazer”. Senti muita pena dos paulistanos! Os cidadãos merecem áreas de lazer de verdade, com muito verde, sombra, lugar para crianças brincarem, bancos para sentar. Em lugar disso, receberam um trecho de asfalto quente, onde poucos transitam a pé, preferindo as calçadas, e deixando o asfalto para ciclistas. Nenhum lugar para crianças, nenhuma sombra gostosa para se sentar, nada agradável e bonito para ver. Senti-me triste ao ver que um povo tão batalhador, que luta contra o trânsito e o estresse durante toda a semana, e “carrega o País nas costas”, merece, na opinião do prefeito Fernando Haddad, uma solução de “lazer” como aquela, sem qualidade nenhuma, em vez dos parques que toda cidade moderna do mundo oferece aos montes. O paulistano não pode aceitar ser tratado na base do “para quem é, isso aí está muito bom”. Ele merece mais, muito mais! Fernando Haddad deveria ter vergonha, em vez de orgulho, de sua “obra”.

Maria Cristina R. Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

GESTÃO HADDAD

Não se trata de um tema atual, tais como tragédia em Mariana (MG) ou os atentados em Paris, todos lamentáveis, mas apenas um cidadão indignado com a administração municipal, levada a cabo por este arremedo de prefeito. Diariamente vejo a cidade abandonada, suja, com ruas esburacadas e asfalto lastimável, patrimônio público pichado, sem dizes outros absurdos. Mais especificamente na semana passada, quando fui a Autódromo de Interlagos, pela ciclovia do Rio Pinheiros, não pude evitar a revolta. Por causa da obra do monotrilho, é preciso fazer malabarismo pela ponte da Cidade Jardim, por escadas. No alto da ponte, havia quatro guardas civis metropolitanos com a pistola-radar flagrando motoristas com o ridículo limite de 50 km/h. No fim da escada e começo da ciclovia, há um alerta no chão, escrito por alguma vítima: “Ciclistas – risco de assalto com os favelados”. Ou seja, será que não seria mais útil policiar a ciclovia, que em alguns locais é bastante erma? Logo em seguida, pude ver a Ponte Estaiada toda pichada. A Guarda Civil não tem a obrigação de zelar pelo patrimônio público? Parece que estão em desvio de função, mais preocupados em multar e arrecadar. Mas não adianta reclamar com eles, porque estão apenas cumprindo ordens deste pior prefeito que a nossa cidade já teve. Gastou quase R$ 1 bilhão para contratar as empresas que instalam os radares, que já devem ter passado de mil. Brinca com o dinheiro público, ao bancar o subsídio dos ônibus, inclusive com a gratuidade para desempregados. Enquanto isso, ruas com o asfalto podre. Ruas que nunca vi serem recapeadas em meus 54 anos de vida. E não consigo entender como ainda tem 15% de munícipes que acham seu governo bom. E Haddad já começou a mudança de estratégia, ao não comparecer ao pódio de Interlagos. Claro. A Fórmula 1 é esporte de rico e, agora, ele que ser aproximar dos pobres. Lamentável.

 

Ricardo Rayes rirayes@uol.com.br

São Paulo

*

DOIS EXEMPLOS

O prefeito Haddad (ou “Malddad”) diz que, agora, vai atacar a periferia, para melhorar seu índice de aprovação junto da população carente, visando à sua reeleição, que, espero, não a consiga. Podemos pegar dois exemplos da inoperância administrativa deste sujeito petista: a cracolândia, onde não se fez nada de efetivo, a não ser dar renda aos hotéis do entorno; e a demora de mais de 840 dias para as mães conseguirem uma vaga na creche na cidade, o que atinge bastante a periferia. Será que este senhor tem objetivos, prioridades e também esquece o que prometeu na campanha? Afinal, campanhas, para o PT, são só para confundir, não para esclarecer nada nem ninguém. Mas as ciclovias não estavam na campanha, então por que a mudança? Trauma de infância ou dinheiro sobrando para enganar quem? Acorde, prefeito, seu tempo já acabou.

Evelin Baruqui Laranja VLhafer e-laranja-vlhafer@bol.com.br

São Paulo

*

DESLEIXO COM O TRANSPORTE PÚBLICO

Absurdo como os órgãos competentes de algumas cidades permitem que o transporte público ponha em risco os cidadãos que utilizam esse serviço. As empresas de ônibus têm eliminado a função do cobrador, sobrecarregando o motorista, que, no caso, tem de passar troco e dirigir. O fato é que ambas as funções demandam atenção e percebe-se que estão sendo executadas com displicência. A gana por lucro tem degradado o transporte. Não vejo, nesse sentido, diferença entre falar no celular e dirigir, ou seja, perigo iminente.

Ricardo Alexandre da Silva Corrêa rascorrea@hotmail.com

Suzano

*

A ÚLTIMA DO PREFEITO

Assim que o Mar Vermelho se abriu, Haddad mandou construir ali uma ciclofaixa.

Hamilton Penalva hpenalva@globo.com

São Paulo

*

DENGUE

Tendo em vista a provável explosão do número de casos de dengue no próximo verão (estimam-se 250 mil casos na cidade de São Paulo), sugiro ao alcaide que, em vez de reduzir cada vez mais a velocidade nas ruas da cidade com a única finalidade de arrecadar, deveria instituir multa para imóveis com foco do mosquito, dobrando o valor da multa em caso de reincidência. Pelo menos ajudaria no combate da doença, que pode até matar em alguns casos, além de economizar na saúde pública.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo

*

ANÚNCIO ASSUSTADOR

Agora o nosso alcaide, em campanha eleitoral para 2016, usa a Olimpíada 2016 para sua nova candidatura. Vejam a manchete: “Haddad afirma que em 2015 vamos ter 250 mil casos de dengue em São Paulo”. O pessoal do exterior que vinha para a Olimpíada e ia dar uma esticada até São Paulo para ver o maravilhoso trânsito (842 km de congestionamento) ou as tintas superfaturadas das ciclovias, agora, alardeados pela segura informação, não vem mais. Parabéns sr. prefeito. Continua com os malfeitos.

Flávio Prada flavioprada39@gmail.com

São Paulo

*

ZIKA

Ministro da Saúde vê possibilidade de a zika se alastrar. E eu pensando que só havia uma Dilma...

Roberto Castiglioni rocastiglioni@hotmail.com

Santo André

*

VIDA X MORTE

Enquanto Dilma Rousseff dá um sinal de vida, mantendo Joaquim Levy no cargo de ministro da Fazenda, contrariando seu criador, Lula, o Brasil morre um pouquinho a cada dia que passa, com estes abutres no poder.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

ACIDENTE EM MARIANA (MG)

A constatação de que a avalanche de lama em Mariana (MG) foi o maior acidente da história causado por rejeitos de mineração é assustadoramente emblemática. Sabendo que em Minas Gerais existem 750 barragens semelhantes à que se rompeu, urge que nossas autoridades ponham em execução um urgente plano de prevenção contra tal tragédia, sob pena de termos uma hecatombe ambiental sem precedentes no planeta. 

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

DESASTRE ECOLÓGICO

O Brasil deveria ser capaz de responder a algumas perguntas sobre o desastre ecológico em Minas Gerais. Qual era o plano das mineradoras em Mariana? Acumular casa vez mais lixo tóxico em represas até o dia do Juízo Final? Essas represas de lixo tóxico, por acaso, não poluem as águas dos lençóis freáticos? Agora, que o lixo tóxico está na moda, seria bom o Brasil se interessar em saber o que é feito do lixo radioativo das usinas nucleares de Angra dos Reis. Será que esse material altamente perigoso está sendo armazenado de forma adequada? O que aconteceria se houvesse um acidente nas usinas nucleares de Angra dos Reis? Será que Angra dos Reis corre o risco de se transformar numa Chernobyl ou Fukushima? O governo brasileiro e a ministra de Minas e Energia deveriam ter respostas para essas perguntas.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUANTO VALE?

Quanto vale: sobrecarga de rejeitos? Quanto vale: ruptura de barragens? Quanto vale: tsunami de lama tóxica? Quanto vale: desespero? Quanto vale: terror? Quanto vale: vale de dores? Quanto vale: vale verde? Quanto vale: mal súbito? Quanto vale: centena de casas destruídas? Quanto vale: punhado de feridos?  Quanto vale: ser terrestre? Quanto vale: ser aquático? Quanto vale: centena de desabrigados? Quanto vale: número de desaparecidos? Quanto vale: enxurrada de lágrimas laboriosas? Quanto vale: cachoeira de lágrimas dolorosas? Quanto vale: penhasco? Quanto vale: árvore? Quanto vale: nascente? Quanto vale: flor? Quanto vale: fruto? Quanto vale: animal? Quanto vale: plantação? Quanto vale: atividade pesqueira? Quanto vale: água? Quanto vale: rio? Quanto vale: crise hídrica? Quanto vale: impacto socioambiental? Quanto vale: abalo sísmico? Quanto vale: abalo cínico? Quanto vale: desculpa esfarrapada? Quanto vale: desamor ao próximo? Quanto vale: mutirão solidário? Quanto vale: ação humanitária? Quanto vale: enxurrada noticiosa? Quanto vale: pânico? Quanto vale: união de mãos? Quanto vale: espírito de salvadores? Quanto vale: coragem da população? Quanto vale: povo unido? Quanto vale: tristeza compartilhada? Quanto vale: vale de deprimidos? Quanto vale: minério de ferro? Quanto vale: matéria tóxica? Quanto vale: matéria plástica? Quanto vale: metal pesado? Quanto vale: aviso sonoro de evacuação? Quanto vale: estratégia de salvamento? Quanto vale: população? Quanto vale: dependência? Quanto vale: negligência? Quanto vale: omissão? Quanto vale: troca de favores? Quanto vale: fazer vista grossa? Quanto vale: enlamear a paisagem? Quanto vale: fingir fiscalização? Quanto vale: novo imposto? Quanto vale: alimentar máquinas administradoras? Quanto vale: sangrar a terra? Quanto vale: tirar o couro dos trabalhadores? Quanto vale: suor alheio? Quanto vale: memória destruída? Quanto vale: patrimônio? Quanto vale: sumir do mapa? Quanto vale: mudar histórias? Quanto vale: licença vencida? Quanto vale: interesse por lucros? Quanto vale: prazo esgotado? Quanto vale: a Deus dará? Quanto vale: mudar de vida? Quanto vale: enganação? Quanto vale: submissão? Quanto vale: brecha na licença ambiental? Quanto vale: leniência na legislação? Quanto vale valer à pena? Quanto vale: comer dinheiro? Quanto vale, MINAS? Quanto vale isso tudo? R$ 250 milhões?

Andreia Aparecida Silva Donadon Leal deiadonadon@yahoo.com.br

Mariana (MG)

*

PIOR QUE O INFERNO

Lendo sobre o rompimento das duas barragens da mineradora Samarco, próximas a Mariana, em Minas Gerais, e vendo as fotos e relatos épicos de alguns moradores da vila atingida, percebe-se que aquilo foi pior que um inferno. Milagre que os mortos, cujo número ainda é indefinido, tenham sido relativamente poucos. Mas também é de concluir que essas grandes empresas, não se discute se bem ou mal administradas, não têm o direito de pôr a vida de populações inteiras em risco. Se há uma barragem desse tipo, que não haja ninguém morando abaixo de seu nível. Quem permite isso, se seus diretores, assume o risco de matar e deve responder perante a Justiça, civil e criminalmente.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo

*

NINGUÉM PUNIDO

Pelo visto, ninguém é responsável e sequer suspeito pelo inigualável e indescritível desastre ecológico, social e econômico produzido no vale do Rio Doce. Até agora, nenhum nome sequer foi citado, muito menos indiciado. A catástrofe anunciada em Mariana deve ter sido provocada por algum terremoto no Japão.

Frederico Fontoura Leinz fredy1943@gmail.com

São Paulo

*

TRAGÉDIAS BRASILEIRAS

O rio de lama em que foi transformado o Rio Doce veio se juntar ao mar de lama da corrupção brasileira noticiada diariamente.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com 

Botucatu

*

PARIS E MINAS GERAIS

Paris está com toda sua dor, em todas as mídias, mesmo que as armas usadas pelos terroristas sejam dos EUA e da própria França. Enquanto isso, a lama da Vale do Rio Doce, privatizada a preço de banana por FHC, do PSDB, que destruiu Minas Gerais, só sabemos inteiramente pelas honestas redes sociais – parte das chamadas grandes mídias escondem os podres de seus meios e improbidades. Quem lê a revista “Veja” não sabe, quem assiste à Ana Maria Braga ou ao “Jornal Nacional” não sabe, e depois querem discutir com achismos e mesmices issos e aquilos. Fora cérebro... A dor brasileirinha dói em mim. Somos todos brasileirinhos. Merci.

 

Silas Corrêa Leite poesilas@terra.com.br

Itararé

*

ANO VIOLENTO

O ano de 2015, quase no seu fim, será lembrado pela violência, pela crise dos refugiados e pela instabilidade total em várias regiões árabes, aviões que foram derrubados, atentados terroristas, mortes e mais mortes, o que demonstra que a paz está cada vez mais distante do planeta. E essa famigerada intransigência somente percorre o caminho do extermínio e do derramamento de sangue, o descontrole se deve aos países ricos, que, mediante a globalização, sugaram o sangue das nações emergentes e, ainda assim, lucram com a venda de pesado armamento. Que todas as vítimas e seus familiares recebam o consolo de um mundo em destruição.

 

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE HÍDRICA NO RIO

Apesar de serem divulgados os problemas da crise hídrica no Estado do Rio de Janeiro e a necessidade de utilização do volume morto das barragens, uma parte dos cidadãos continua a desperdiçar o precioso líquido para fins menos nobres. Um exemplo que chega a ser surreal é a lavagem da calçada em frente ao Bar Jobi, na Avenida Ataulfo de Paiva, 1.166, no Leblon. Aquele bar, além de utilizar o espaço público para aumentar seus lucros, desperdiça água diariamente, inclusive impedindo a passagem de pedestres na calçada encharcada. Onde está a fiscalização da prefeitura? Por que tudo se passa como se nada ocorresse? Os irresponsáveis continuam a desrespeitar o bem comum sem que nada os perturbe. Simples assim!

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A DITADURA DAS SEGURADORAS

Não bastam os preços absurdos praticados pelas montadoras de veículos, muito acima dos similares de outros países, o fato é que está cada vez mais inviável pagar pelo seguro de nossos veículos. De nada adianta o segurado “ganhar bônus” pela não utilização de seu seguro ao longo do ano. Também não adianta nada a desvalorização do ano do carro. O que as seguradoras querem, mesmo, é criar situações, cada vez mais absurdas, para arrancar a pele do segurado. A última “piada” aconteceu com uma segurada que ficou viúva aos 52 anos de idade. Seu seguro aumentou, pasmem, porque, na condição de viúva, ela iria utilizar mais o veículo e, portanto, aumentar o risco do sinistro. Seria cômico, se não fosse trágico. Para as seguradoras, o consumidor brasileiro tem apenas deveres e obrigações, ficando em segundo plano seus legítimos direitos, a cada dia mais raros. Carros caros, juros altos, taxas e impostos nas alturas, seguros inviáveis e um governo desmoralizado tornaram o Brasil um país de convivência muito difícil.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

‘IN DUBIO PRO REU’

Esse é um dos princípios que regem o Direito Penal brasileiro. Mas acho que o caso em discussão talvez exija a regra não escrita, costumeiramente empregada em nossos tribunais, onde o seu presidente, para demonstrar isenção no julgamento – no caso de empate entre os membros do colegiado –, define-se pela absolvição do acusado. Durante a Ação Penal 470, o mensalão, deparamo-nos com o ministro Carlos Ayres Britto, para nosso desconforto, aplicar esse entendimento com a maior tranquilidade. Por isso, demonstra parcialidade o comportamento do presidente da Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo, antecipando o seu voto – no caso de empate – em desfavor do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no sentido de levar o processo de cassação de seu mandato para votação no plenário da Casa. Seria incomum, mas não “sui generis”, talvez por não se tratar de condenação mas mero juízo de admissibilidade. Por mais repugnante que tenham sido os atos imputados ao presidente Eduardo Cunha, agindo assim, o deputado Araújo não poderá apresentar-se como magistrado – simplesmente pela falta de isenção ao antecipar o seu voto e não agir como tal ao decidir sobre o veredicto.

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

*

EDUARDO CUNHA

É fácil entender a atitude do deputado Eduardo Cunha: ele conhece os podres de todos os que compõem a Câmara dos Deputados, conhece os podres do Poder Executivo e, se todos negam o malfeito, por que ele também não vai negar? Isso faz parte da cultura política do nosso país, infelizmente. E nós, os trouxas, continuaremos a pagar a conta.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

 DEUS NOS ACUDA!

 

Trustes, exportação de carne enlatada... Francamente, Eduardo Cunha, tenha santa paciência. Isso remete ao João Alves e aos seus 221 prêmios da loteria.

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

PEEMEDEBISTAS

Na foto de primeira página do “Estadão” de 18/11, em que Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha gargalham, faltaram Marcola e Beira-Mar. Evitaram comprometer sua imagem.

Carlos Alberto Roxo roxo_7@terra.com.br

São Paulo

*

OS ‘HERÓIS’ DO PMDB

Estão estufando o peito: “Fora o PT”, que ajudamos a fazer as m... que fez! Michel Temer, que tem como estadismo uma bela mulher, puxa a fila dos “heróis” do PMDB para tirar o País da m... que eles mesmos foram artífices de fazer.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ESPERE MAIS UM POUQUINHO

A foto que o “Estadão” nos apresentou em 18/11, do vice- presidente Michel Temer participando de congresso do PMDB, acenando com sua mão esquerda com um sorriso e, como diz o “Estadão”, sob elogios de manifestante a favor de sua ascensão ao poder, nos faz lembrar nossa canção popular: “Espere um pouquinho mais, é cedo ainda (...) Se gosta mesmo de mim. Espere um pouquinho mais. Não quero chegar ao fim de tantos sonhos iguais.”

 

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

TRABALHO ÁRDUO

Na semana passada, Michel Temer afirmou categoricamente que o PMDB terá presidenciável próprio nas próximas eleições. Ele nunca havia falado abertamente sobre o assunto. Desconversava, dizia que o tempo era aliado do partido para uma decisão dessa magnitude. Mas a decisão veio. O trabalho de campanha será árduo, especialmente na contenção das denúncias que acometeram as fundações da bancada federal. Cunha, tudo leva a crer, deve ser cassado. Renan Calheiros é Renan Calheiros. Resta saber se os problemas da atual gestão respingarão na vice-presidência. Em 2018, o PMDB fará mea culpa pelo atual momento do Brasil ou colocará todas as mazelas na conta de Dilma?

Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br

Porto Alegre

*

UM TEMER OTIMISTA DEMAIS

Michel Temer quer se separar de Dilma Rousseff, mas, ao mesmo tempo, não quer largar o filé dos altos cargos no governo federal para orgia política de seus membros do PMDB. Ou seja, esperto o vice-presidente Michel Temer, até como um bom jurista que é, sabe muito bem que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode cassar o mandato de Dilma Rousseff. Nesse tribunal tramita o pedido de impugnação feito pelo PSDB pelo crime de uso de recursos ilícitos desviados das nossas estatais para financiar a última campanha eleitoral em que a presidente (infelizmente) foi reeleita. Temer já prepara até a sua defesa para tentar convencer os ministros do TSE de que ele, mesmo sendo beneficiado como vice-presidente, não tem nada a ver com essa picaretagem. Só falta dizer também que o PMDB não tem nada a ver como “petrolão”... Mas essa tarefa de convencer os magistrados não será fácil, como afirma o ministro Gilmar Mendes, de que o TSE nunca separou o presidente e vice de uma ação! A não ser que Michel Temer saiba melhor do que ninguém o roteiro deste julgamento, porque está muito otimista para substituir definitivamente Dilma no Planalto...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OPORTUNISMO

O PMDB mostra uma situação que afeta o seu já desgastado conceito na opinião do eleitorado. Isso fica claro diante da posição oportunista de integrantes de um partido que ocupa a vice-presidência da República, vários ministérios e centenas de cargos de confiança no governo federal. Os membros do partido que fazem críticas ao governo com tanta ênfase deveriam propor a renúncia de Michel Temer e a entrega de todos os cargos que alguns de seus membros estão ocupando. E mais, que se manifestem também em relação à situação atual dos presidentes da Câmara e do Senado, acusados de procedimentos irregulares.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

CONLUIOS, ATÉ QUANDO?

O passado do sr. Renan Calheiros, em ambiente honesto e ético, jamais o recomendaria para a presidência de seja lá o que for. Deveria envergonhar seus pares. Já quanto a Eduardo Cunha, considerando que as denúncias comprovadas de “malfeitos” são recentes, desculpava os deputados, mas não agora. Não se poderia esperar desses maus elementos atitudes diferentes dos conchavos de acobertamento a pessoas de influência, que poderiam (só aqui), ajudá-los nos próprios problemas. Até que ponto a Justiça aceitará tais conluios?

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.