Fórum dos leitores

LAVA JATO

O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 02h54

Bernardo Cerveró

Jamais alguém poderia supor que o filho de Nestor Cerveró, um rapaz de 34 anos, ator de teatro, pudesse fazer desabar o castelo de cartas que é o PT. Talvez orientado pelo pai, resolveu dar um basta à canalhice dos que desejavam calar-lhe a boca e deixá-lo à mercê da perseguição da Justiça, como fizeram com Henrique Pizzolato. Com sagacidade, decidiu entregar ao Ministério Público uma gravação feita com smartphone escondido, que escapou à vigilância do grupo mafioso, que exigiu que Bernardo deixasse fora da sala seu celular e sua mochila. Com essa iniciativa astuta, provocou um abalo sísmico na República dos petralhas, construída de corrupção sobre corrupção, no lugar de tijolo sobre tijolo – se fosse um grupo partidário honesto e voltado para o desenvolvimento do País. De forma crescente eles foram se sentindo onipotentes, jamais imaginando que poderiam ser punidos como qualquer cidadão comum que transgrida as leis, ao fazer as coisas às avessas. Talvez sem imaginar o alcance de sua decisão, o jovem Bernardo preservou o País de mais um golpe, levando o Supremo Tribunal Federal (STF) e a Procuradoria-Geral da República a cumprirem seu papel à risca. Como disse Dora Kramer no Estadão de ontem, “é a democracia entrando em sua fase adulta”. A defesa do pai por esse filho acabou por prestar grande serviço à Nação!

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Parabéns a Bernardo Cerveró. Compensou bem o dano causado pelo pai e ajuda a diluir a culpa dele entre os maiores responsáveis. Resgatará o sobrenome se ajudar que o pai faça a delação temida por muitos.

HAROLDO NADER

nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

Eles não contavam com a astúcia de Bernardinho! De uma só tacada o filho de Cerveró mandou pro xilindró um senador do PT, um assessor do Senado, um banqueiro famoso e um advogado “traíra”. Jamais o braço dessa verdadeira máfia seria descoberto por vias normais. Quem desconfiaria de um líder do governo, como Delcídio do Amaral, com aquele jeitinho de bom moço, sério, amável e competente? Mais uma vez se cumpre a máxima de Abraham Lincoln: você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas pessoas por algum tempo; mas não consegue enganar todas por todo o tempo. O PT que se cuide, pois quase todos os brasileiros já descobriram que foram enganados.

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Aparências ilusórias

As gravações que incriminam Delcídio do Amaral surpreenderam a todos. Da milenar proverbial sabedoria lusitana: “Deus nos livre das águas mansas, pois das tormentosas cuidamos nós”. Aliás, pelo andar da carruagem vão faltar vagas na carceragem.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

Proposta indecente

Perguntas que não querem calar: teria sido a proposta do senador tupiniquim um ato de vontade própria ou teria ele agido como emissário de alguém? E em ambas as hipóteses, o que sonhava ele ganhar com isso? Até a Velhinha de Taubaté está ansiosa para saber.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Cabeça de bacalhau

Há coisas que a gente sabe que existem, mas nunca viu. Eu gostaria de conhecer algum dirigente do PT em quem se possa confiar. Falo de honestidade, sinceridade e brasilidade.

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

Delação subliminar

Na gravação da reunião do líder do governo no Senado com o advogado e o filho de Cerveró, uma fala de Delcídio requer melhor observação, visto que tem o peso de uma delação. Diz ele: “O Michel (Temer) conversou com o Gilmar (Mendes, ministro do STF) também, porque o Michel tá muito preocupado com o (Jorge) Zelada (outro delator da Lava Jato) e eu vou conversar com o Gilmar”. Pergunta pertinente: o que Zelada sabe – e ainda não contou – que tira o sono do vice-presidente da República?

CLAUDIO JUCHEM

csjeduca@gmail.com

São Paulo

MEGA-SENA

Cidade sortuda

Pela segunda vez consecutiva a Mega-Sena sai para Brasília. Um desafio ao cálculo de probabilidades. Será que as loterias da Caixa resistem a uma “lava jato”?

SONIA MARIA BENFATTI RESSTEL

sbresstel@gmail.com

São Paulo

Apenas um ganhador na Mega-Sena, e de Brasília. Por um instante me lembrei da máfia dos anões do Orçamento (aqueles que lavavam dinheiro sujo na loteria esportiva).

CELSO NEVES DACCA

celso dacca@gmail.com

São Paulo

CIÊNCIA DO DIREITO

Modernidade

Li com interesse o editorial Uma nova arquitetura jurídica (20/11, A3), que cita o ministro do STF Teori Zavascki afirmando que o sistema jurídico brasileiro está caminhando a passos largos para a “common law”. O editorial termina observando que a filosofia da “common law”, seus institutos e mecanismos jurídicos parecem mais próximos do mundo atual que os oriundos do direito romano, e dá razão ao ministro. Todavia me parece que o editorialista, ao citar o ilustre ministro e jurista num contexto de direito constitucional e processual brasileiro, se equivoca ao concluir que o sistema de direito comum seja mais “ágil” ou mais próximo ao mundo “atual” que o moderno sistema de direito civil, produto histórico do direito romano, canônico e dos direitos das nações da Idade Média num constante processo de transformação até os dias de hoje. De fato, esses dois grandes sistemas trouxeram notáveis contribuições à moderna ciência do direito, a constituição de uma sociedade mais justa e compatível com a dignidade humana, não devendo desmerecer o método clássico de aplicação do direito dos juristas romanos, voltado para a práxis, nem o “rule of law”, tão querido dos ingleses. O direito tem seu olhar voltado para o futuro e, no exemplo do insigne juiz norte-americano John Marshall, o juiz não é apenas um intérprete de materiais jurídicos, um descobridor, mas também um criador de direito. Entendo que esse era o verdadeiro sentido das palavras do ministro Teori, que, afinal, sempre estava fundamentado no pensamento do direito brasileiro, seja desde os primórdios das Ordenações Filipinas, seja na mencionada Emenda Constitucional 45/04.

JOHN FERENÇZ MCNAUGHTON

john@mcnaughton.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

UMA SEMANA HISTÓRICA

 

Houve um tempo em que servidores públicos não eram presos, gestores públicos se achavam intocáveis, empresas estatais se consideravam maiores e melhores que os mercados em que atuavam e políticos estavam acima da lei e da ordem. Felizmente, esse tempo parece estar acabando, e a prisão, esta semana, do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) serve para reforçar essa constatação. Com a prisão de Delcídio, no contexto da Operação Lava Jato, acende-se uma chama de esperança que consiste em que todos os que deram causa ao maior escândalo de corrupção deste século sejam devidamente responsabilizados, julgados e condenados. Afinal de contas, e como nunca antes na história deste país, vemos tantos agentes públicos submetendo-se às mesmas leis a que todo cidadão comum está sujeito. Agora, cabe à força-tarefa da Lava Jato avançar nos trabalhos de investigação, com vistas a evidenciar, denunciar, julgar e condenar os que deram causa a perdas bilionárias na Petrobrás, não importando se quem empregado da empresa, terceirizado, dirigente, sindicalista, político ou companheiro do PT, PMDB, PSDB, ABC ou XPTO. À luz do exposto, ficam as congratulações às seguintes instituições, que enquadraram Delcídio do Amaral e mostraram a este senador que, num Estado Democrático de Direito, como o Brasil, todos estão sujeitos à lei: o Poder Judiciário, o Ministério Público, a Polícia Federal e o Senado Federal, que, enfim, mostrou que representa e reflete o povo brasileiro. Ademais, permanece o desejo de cada brasileiro de bem de que, muito em breve, chegue o dia em que a administração pública represente efetivamente interesses de Estado, e não de governos, partidos e políticos. Para que isso se concretize, há que se acabar com: o fisiologismo entre governo e aliados; com o corporativismo que contribui para que agentes políticos e econômicos loteiem e distorçam o papel e a atuação de órgãos e entidades públicos, criando feudos e guarda-chuvas para acomodar e proteger apaniguados; e capacitar, engajar e conduzir agentes públicos no sentido de identificar, servir e satisfazer a necessidades da sociedade, uma vez que a satisfação das necessidades desta também resulta em bem-estar para aqueles.

 

Pedro Papastawridis ppapastawridis@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

ONDE VAMOS PARAR?

 

Enquanto as atenções se voltavam para o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que teria mentido aos pares, e Dilma Rousseff mentiu para a Nação e Lula faz o mesmo a quem se dispuser a ouvi-lo, o líder do quase-ético governo do PT no Senado, Delcídio do Amaral, foi em cana, entre outras, propondo que o condenado Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás, fugisse do País em direção à Espanha via Paraguai. Para tanto, Cerveró receberia R$ 50 mil mensais a título de mesada silenciadora, pela não assinatura do acordo de delação premiada. O plano foi gravado, e na gravação há, inclusive, menção a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que seriam favoráveis ao fugitivo e lhe concederiam um “habeas corpus”. Onde vamos parar? O que nos falta para demonstrar o provado mal que o Partido dos Trabalhadores produziu no País, e não só na economia? E eles ainda insistem em suas “verdades”, enquanto a sociedade, que se mostrou tão antenada e disposta nos idos de março, acabou num voo de galinha.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

 

*

DUAS CERTEZAS

 

A notícia da prisão preventiva do senador Delcídio do Amaral, do PT (sempre o PT), por decisão unânime da 2.ª Turma do STF, nos deixa duas certezas. A primeira é de que ainda podemos ter esperança de que os poderosos, como o senador corruptor e outros que certamente virão, vão ter lugar por muitos anos na Papuda e que a Justiça (STF), por mais que nos deixe algumas dúvidas por atitudes de alguns (poucos) de seus representantes, pode continuar a ter a confiança das pessoas de bem. A segunda é que, por mais que seus dirigentes neguem a participação dos membros do PT, inclusive da presidente da República ou do ex-presidente Lula, em qualquer ato que envolva corrupção, e por mais que Lula afirme que há uma perseguição orquestrada pela imprensa contra o PT, a verdade é que o PT está, sim, envolvido no maior escândalo de corrupção que se conheceu na história de nosso país e que suas principais lideranças tudo fazem para evitar o desenvolvimento das investigações da Operação Lava Jato, usando de todos os meios ilícitos para tal fim, como os que motivaram a prisão do senador. O que esperamos é que as investigações continuem sem poupar ninguém e que cheguem rapidamente àqueles que planejaram e construíram todo este plano espúrio de assalto aos cofres da Nação.

 

Roberto Luiz Pinto e Silva robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

 

*

PRÁTICA LONGEVA

 

O episódio da prisão do senador Delcídio do Amaral só surpreende pelo desfecho: prisão do senador e de quem mais atuava para obstar uma investigação criminal. Havia uma gravação, contendo o planejamento de crimes que, se não tivesse vindo a público pelo próprio sistema de Justiça, seria a desmoralização da Justiça. Considerando que os fatos objeto da Operação Lava Jato nada mais são do que mais do mesmo mensalão, não podendo ser esquecido que o STF, por vários dos mesmos ministros que votaram pela prisão do senador petista, reformou parte do julgamento da Ação Penal 470 para excluir o crime de formação de quadrilha, não seria de surpreender que o senador Delcídio acreditasse que poderia cometer crimes e sair impune. Muito embora uma ou outra autoridade declare que nada há contra Lula, o fato é que a aplicação da teoria do domínio do fato só a José Dirceu deve ter fomentado a ideia de que sempre é possível contar com o cochilo de alguma autoridade, ou algo parecido. Não acredito que o senador Delcídio estaria a inaugurar a estratégia de procurar julgadores em prol de algum réu. Se o fez e/ou o faria, jamais saberemos. O fato é que o episódio está a provocar reflexões e temores em todos aqueles que sempre se acreditaram acima da lei, pois passaram anos a fio vendo isso acontecer sem o menor traço de constrangimento. Aos operadores do Direito, não dá mais para fazer ar de Pollyana: a promiscuidade entre agentes públicos e o poder econômico é uma mazela que está depauperando a Nação. A gravação apenas tornou pública uma prática longeva neste país. Está mais do que na hora de a Procuradoria-Geral da República (PGR) e do STF abrirem os olhos para o que está pululando diante de seus olhos. Mãos à obra!

 

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

 

*

VANGUARDA PETISTA

 

Delcídio do Amaral, o primeiro senador da República a ser preso em pleno exercício do mandato. O PT sempre à frente do nosso tempo, lançando moda. Um partido de visão... mafiosa.

 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

 

*

‘NUNCA ANTES’    

 

Nasci no início do governo Dutra. Jamais em minha vida vi um senador ser preso. Ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, digo que acho que ainda há chances para o Brasil, e por isso peço encarecidamente que continue seu excelente trabalho.

 

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

 

*

SUPERLATIVOS

 

Pelo jeito, teremos um Natal quente! Não só em termos de temperatura, mas também com relação aos desdobramentos dos episódios recentes na capital da corrupção, digo, do País. Parece que a água, para não falar outra coisa, está chegando ao chefe-mor da quadrilha. Se até um senador em exercício foi preso, acho que podemos esperar e finalmente vê-lo atrás das grades, também. Nunca antes na história deste país vivemos um momento tão deprimente e desanimador. Por culpa “deles”, a inflação está em 10% ao ano, o desemprego, em 10%, por enquanto, no sentido oposto do PIBinho, que, além de decrescer este ano, também decrescerá em 2016. Aquele ex-ministro lácteo deveria estar na cadeia também. Aliás, quando começarem o BNDESão, ficaremos mais estarrecidos com o nível de sordidez reinante no País nos últimos 13 anos... Os tais “heróis” nacionais são uns verdadeiros canalhas, na acepção da palavra.

 

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O SENADO DISSE SIM

 

Espero que, mesmo antes de descobrirem quem é o chefe da organização criminosa chamada PT, aqueles que os defendem renunciem a tempo, para não se confundirem com os criminosos, como fez o Senado Federal na noite de quarta-feira, votando pela manutenção da prisão do senador Delcídio –mesmo que alguns senadores o tenham feito a contragosto. A saída para o Brasil será a negação a este partido criminoso, que deve ser extinto para que se evite no futuro que outros apareçam e se aventurem pelo caminho da corrupção. Até o momento, como disse a ministra Cármen Lúcia, do STF, “o cinismo havia vencido a esperança”, e hoje, com o crime de Delcidio, “o escárnio venceu o cinismo”. Com a decisão do Senado de manter a prisão de Delcídio, por ampla maioria, a esperança volta a ser uma possibilidade.

 

Manoel Sebastião de Araújo Pedrosa link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

 

*

VOTO NÃO

 

13 (?) senadores votaram pela liberação de Delcídio do Amaral. Entre eles, Fernando Collor de Mello, “o breve”. A eles, uma certeza: os similares se atraem.

  

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

 

*

DESTINO

 

Dos 13 senadores que ousaram votar contra a manutenção de Delcídio na prisão, 9 são do PT e todos acusados de envolvimento na Lava Jato. Se eu fosse algum deles, me apresentaria espontaneamente na Polícia Federal para ser preso e firmar acordo de delação premiada. Afinal, o destino será esse mesmo...

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

TEATRO NA TV

 

Pela atuação da maioria dos senadores na longuíssima sessão do caso Delcídio, veiculada pela TV, fica comprovada a má avaliação do Poder Legislativo. As argumentações da maioria são coisa de analfabetos. Pelas declarações, não merecem os altos salários e adendos nem mereciam haver sido eleitos.

 

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

 

*

VOTAÇÃO ABERTA

 

Fernando Collor não abriu o bico durante a sessão do Senado para votar pelo voto secreto ou aberto, pois sabe que também está na corda bamba e logo também cairá nas mãos da Polícia Federal.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

NO CÍRCULO POLÍTICO

 

Nas rodinhas dos políticos se comenta muito que o senador do Mato Grosso do Sul Delcídio do Amaral é o mais tucano entre todos os fanáticos petralhas e que também o Fernando Henrique Cardoso é o maior petralha entre todos os tucanos.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

 

*

‘O ESCÁRNIO VENCEU O CINISMO’

 

Ninguém aguenta mais esta “organização mafiosa”, também no entender de ministros do STF, que assalta as nossas estatais, emporcalha a imagem das nossas instituições e indigna sem cessar a nossa sociedade. Esta organização criminosa, que cresceu sob a conivência de Lula, e sem limites para agir, sofre um duro golpe quando o Supremo Tribunal Federal, em decisão inédita e unânime, manda prender o líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS). Não se sabe a mando quem (será da cúpula do PT?), Delcídio tentou comprar o silêncio do encarcerado delator Nestor Cerveró, oferecendo-lhe a garantia de fuga do País e mais uma gorda mesada mensal para família, de R$ 50 mil. Recursos certamente roubados das nossas estatais... Ousado, Delcídio, ainda para tranquilizar Cerveró, teve a petulância de afirmar que tinha muita influência sobre os ministros do Supremo e que tudo daria certo... Como toda esta perversa trama felizmente foi gravada por Bernardo Cerveró, filho de Nestor, perplexos ficaram os ministros do STF, quando tomaram conhecimento do conteúdo da gravação. E, indignada, a ministra Cármem Lúcia afirmou que “o escárnio venceu o cinismo”. Mas Delcídio não ficou só nesta ordem de prisão, já que para trás das grades foram o seu assessor parlamentar Diogo Ferreira e também o banqueiro André Esteves, este por oferecer R$ 4 milhões ao advogado de Cerveró, como honorário, caso esta farsa de tentar impedir o bom andamento das investigações da Lava Jato surtisse o efeito desejado.  Em meio a todo este lamaçal petista, não será este o momento certo para o impeachment de Dilma Rousseff e, pela teoria do “domínio do fato”, para a cassação dos direitos políticos de Lula, como o grande mentor desta corrupção? Isso, além da interdição definitiva  do PT como partido?

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

BERNARDO CERVERÓ

 

A gravação feita por Bernardo Cerveró é um exemplo a seguir, meus jovens. Não fazendo de corruptos heróis nacionais.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

 

*

ANTIGOS E NOVOS CONCEITOS

 

Antigamente, dizia-se que cadeia só era para “putas, pretos e pobres”. Hoje tudo mudou: cadeia é para políticos, PT e patrões.

 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

O MOTORISTA

 

O erro do senador Delcídio do Amaral foi não ter levado para ouvir a patética trama o motorista dele, aquele que bateu no deputado depois de insultado. 

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

GRAVAÇÕES

 

O senador Delcídio cita nominalmente ministros do STF, inclusive Dias Toffoli, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na controversa eleição de 2014. Se os ministros do STF nada devem, por que, então, não oferecem a quebra do próprio sigilo telefônico e bancário?

 

Eduardo Mello eduphone1@gmail.com

São Paulo

 

*

IMPLICADOS

 

Pela maneira como foram citados, Toffoli, Teori e Temer saem bastante comprometidos depois desta conversinha.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br  

São Paulo

 

*

DILMA SABIA

 

O senador Delcídio do Amaral estava na reunião em Brasília como líder do governo Dilma. Como Cerveró já disse que a presidente “tinha total conhecimento” sobre a compra da Refinaria de Pasadena, estava tentando suborná-lo e combinando rota de fuga para não comprometê-la. Porém, não contava com a gravação feita pelo filho de Cerveró. Só não vê quem não quer. O cerco está se fechando.

 

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo

 

*

DELCÍDIO, O PROFETA

 

Delcídio do Amaral foi o autor da frase gaiata que dizia que o governo do PT deveria criar o “Ministério do Vai dar Merda”, para avisar à presidente Dilma das cascas de banana que o próprio PT e outros aliados lançavam no seu caminho. Acertou em cheio. Deu merda mesmo, só que para ele.

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

LÓGICA

 

E, se Dilma sabia, o “Pixuleco”, que de fato mexe os pauzinhos, não sabia?

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

CERCO APERTADO

 

Senhores, o cerco está apertando. Num dia foi o empresário José Carlos Bumlai,noutro dia, o senador Delcídio. Amanhã quem será? E depois? Se o editorial de quarta-feira (“Suando frio”) termina com um “nada contra Lula, mas será compreensível se ele passar as próximas noites em claro”, o “homi” hoje deve estar gaguejando.

 

Paulo Corrêa Leite paulocleite@bol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

QUADRILHA

 

Logo, logo, teremos conhecimento dos nomes dos 40 ladrões que compõem a quadrilha do nosso “Ali Balula”, que assaltou o povo brasileiro e está levando o País a um caos sem precedente. “Meus heróis morreram de overdose, meus inimigos estão no poder.”

 

Antonio Boer toboer@uol.com.br

Americana

 

*

O CHEFE

 

Bem, parte dos 40 está na cadeia ou sendo presa. Quero saber do Ali Babá. O cara é liso, hein?

 

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘NAQUELA MESA’

 

A maravilhosa música de Sérgio Bittencourt “Naquela mesa tá faltando ele”, composta para homenagear seu pai, Jacob do Bandolim, permite-me recordar as lições de caráter ministradas por meu saudoso pai à mesa dos nossos jantares do dia a dia. Felizmente,  também frutificou em muitos outros lares brasileiros. Os exemplos os temos com as atitudes de honrados e destemidos  homens públicos, dos quais destaco os juízes Sérgio More e Teori Zavascki, nos dias de hoje, e, no passado recente, Joaquim Barbosa. Espero que a depuração moral deste país possa ter sequência, encarcerando  todos os pilantras que nos envergonham por patrocinarem este imoral mar de lama que vem corroendo a nossa nacionalidade. Torna-se necessário, pois, que as duas últimas palavras do título dessa canção percam sentido: “Tá faltando ele”.

 

Antonio C. Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

 

*

PRESOS

 

Dos ligados àquele partido que é “perseguido pela mídia”, já foram presos esta semana José Carlos Bumlai, amigo do “maior republicano” deste país, e o senador Delcídio do Amaral. Este foi preso por propinas e promessas de fuga a Nestor Cerveró, mas já havia comprado por R$ 200 milhões o silêncio de Marcos Valério, para salvar Lula do mensalão em 2007. O democrata de São Bernardo vai negar tudo, mas o cerco está apertando.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

E AGORA, LULA?

 

“Dize-me com quem andas, que eu te direi quem és.” Será necessário?

 

Vitorio Pasqual soldano@uol.com.br

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

 

Tivemos a Black Wednesday do PT, e aproveitamos ao máximo. Aguardando para muito breve a Black Week e o The End!

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

SEGURA, PEÃO!

 

Depois da prisão do pecuarista Bumlai, amigo “Passe Livre” de Lula, a Polícia Federal encaçapou a bola da vez: o senador petista Delcídio do Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, sob acusação de obstruir as investigações da Operação Lava Jato.  A sombra se aproxima célere do falastrão ex-presidente e o laço cada vez mais ameaça alcançar-lhe o pescoço, como ocorre com o boi nas festas de peão boiadeiro. Neste rodeio dos horrores, pelo sim ou pelo não, mais do que nunca vale o grito de alerta: “Segura, peão!”. 

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

BRASA QUENTE

 

Depois de ler a declaração do sr. Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, dizendo que o sr. Bumlai não é assim tão amigo do ex-presidente, e conhecendo a postura deste último quando a coisa está ficando feia para seu lado, não duvido de que, daqui a pouco, Lula vai dizer que não conhece e nunca ouviu falar de tal pessoa! Depois de Bumlai fornecer tanta carne para os churrascos da Granja do Torto, acho que Lula nunca imaginou que a brasa fosse ficar tão quente, ameaçando queimá-lo junto de tantos companheiros petistas que já estão em Curitiba e cuja fila não para de crescer, vide o último (por enquanto), o líder do governo no Senado, sr. Delcídio do Amaral. Quem diria, hein?

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

TRAIDORES

 

Estou esperando para ver quando Lulão vai dizer que só viu o Bumlai uma vez, numa festa, de longe, sem manter contato. Agora é a vez do Luiz Traíra da Silva. O Paulo Okamotto já deu o start.

 

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com

Presidente Epitácio

 

*

ÁGUA ACIMA DO PESCOÇO

 

Com as seguidas prisões de José Carlos Bumlai, Delcídio do Amaral e de André Esteves, a água já está batendo acima do pescoço do principal mentor de todas as falcatruas realizadas neste país desde 2003, ou seja, Lula da Silva e seus asseclas diretos. Não tem mais como este boquirroto escapar de ser investigado a fundo, bem como sua família inteira, seus “companheiros”, chegando até a Presidência da República. A Argentina, que nos deu uma lição de civilidade, já extirpou seu câncer no último fim de semana, a Venezuela pode ter um Congresso menos bolivariano, apesar das falcatruas de Nicolás Maduro, amicíssimo de Lula e seus asseclas, e, assim sendo, ou nossa “ilustre” presidente é impedida por suas improbidades administrativas, pedaladas fiscais e falcatruas nas últimas eleições ou ainda teremos de esperar mais três anos para nos livrarmos deste mal que nos está fazendo ter recordes de inflação, desemprego, PIB negativo, corrupção, desastres ecológicos sem punição dos culpados por estes, violência generalizada, discursos e colocações banais e descabidas, saudações à mandioca, ideia de armazenar o vento e por aí afora. Este quadro desolador tem de ter um fim rapidamente, pois, caso contrário, com este Legislativo que aí está, muitas vezes apoiado por nosso Judiciário, este cenário extremamente negativo e de pesadelos extremos pode se agravar ainda mais, levando o País a um nível de total ingovernabilidade e crise institucional, jamais visto em nossa história passada e recente.

 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

 

*

O BOM COMBATE

 

De fato, com a prisão de Bumlai, Delcídio do Amaral e do banqueiro André Esteves, nesta nova operação policial, constata-se definitivamente que o PT é uma organização criminosa, tal qual são o PCC ou o CV, só que o tráfico não é de drogas, mas de influência, todos terrivelmente danosos para o País. O Brasil e seu povo merecem que um dia nos livremos de ambos, pelo mal a que temos sido submetidos com tantos crimes, tanta violência e tanta roubalheira e, falaciosamente, em nome de uma causa, de uma ideologia. Tomara que pelo menos estes traficantes e malfeitores fiquem sob controle das leis, de tal forma que não mais consigam prosperar em suas ações malévolas e que nosso país possa prosseguir em paz, livre disso tudo e com perspectivas de ordem e progresso, sobretudo para as gerações que virão a seguir. Temos obrigação de deixar um Brasil melhor para os herdeiros do futuro.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

JUSTIÇA TARDIA

 

Felizmente, o Poder Judiciário resolveu processar e prender os mais importantes ladrões dos recursos públicos. Se hoje estamos vivendo essa calamidade, hospitais, escolas e universidades sem dinheiro para sua manutenção, é por conta de tanta roubalheira, tanta patifaria dos políticos corruptos que, infelizmente, estão no Congresso, nas Assembleias e Câmaras Municipais. Que todo este caos que enfrentamos sirva de lição aos eleitores: saibam escolher melhor seus candidatos, não acreditem em discursos bonitos e rejeitem os partidos políticos tão envolvidos em corrupção. Somente assim teremos nossos recursos públicos gerenciados com maior honestidade. Para o nosso dia cada vez nascer melhor, não devemos desanimar!

 

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

PRISÃO DE CARAS

 

Com tantos colarinhos brancos presos, fica aí a sugestão para a revista “Caras”: depois do Castelo de Caras e da Ilha de Caras, aí vem a Prisão de Caras, que nem sequer precisa do dinheiro do contribuinte, pois tem o alto patrocínio de Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Correa, além de algumas sólidas instituições financeiras. Eis um novo nicho e oportunidade de negócios!

 

Tereza Sayeg tereza.sayeg@gmail.com

São Paulo

 

*

GUERREIROS

 

Feliz país o nosso, temos mais um herói do povo brasileiro: Delcídio do Amaral entrou na galeria, ao lado de Zé Dirceu, Genoino, Delúbio, Vaccari e João Paulo Cunha. Parabéns, PT.

 

Roberto A. Kirschner kir.robertoa@gmail.com

São Paulo

 

*

NÃO HÁ VAGAS

 

A nota petista, negando “solidariedade” ao senador Delcídio do Amaral, confirma a crise: o desemprego atingiu até a corrupção, e não há vagas nem para “guerreiro do povo brasileiro”. Delcídio que o diga...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

‘MOSTRANDO TUDO’

 

Triste ver um colunista que leva o sobrenome Veríssimo escrever sobre mulheres nuas, propina e suborno (“Mostrando tudo”, 26/11, C10), logo após um dia histórico e triste ao mesmo tempo. Ignora tudo o que se passa no Brasil. Só poderia vir de um petista envergonhado ou alienado, como este senhor. Saudades do grande Érico, pai do referido colunista.

 

Adalberto Abreu de Oliveira Pereira Junior aaopjr@me.com

São Paulo

 

*

MEGA SENA

 

Às 22 horas do dia 25 de novembro, o site da Caixa Econômica Federal (CEF) mostrava que o prêmio da Mega Sena havia acumulado mais uma vez. Ontem (26/11) pela manhã, li no “Estado” a notícia de que havia um ganhador em Brasília (!). Há algo de errado nisso tudo – e bem errado. Quem explica?

 

Valter Prieto Jr. valter.prieto@gmail.com

São Paulo

 

*

TUDO É POSSÍVEL

 

Será que o prêmio de R$ 200 milhões que saiu para Brasília não é para algum político que está com dificuldades de caixa? A Caixa poderia nos dizer o nome do infeliz. Com a palavra, a Caixa Econômica Federal. Depois de tudo o que está rolando no mundo político do País, tudo é possível. Com a palavra, a CEF.

 

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

AÍ TEM

 

Conversando na quarta-feira de manhã sobre fazer uma fezinha na Mega Sena acumulada, minha empregada disse: “Se sair para Brasília, aí tem coisa”. Saiu para Brasília. Concordo com a minha empregada.

 

Lenke Peres

Cotia

 

*

SORTE DUVIDOSA

 

Realmente, estamos no limiar do fim da credibilidade total neste país. Se não vejamos: já é o segundo prêmio da Mega Sena que tenho acompanhado que, depois de várias semanas acumulando, sai exatamente para Brasília (DF)! Novamente, depois de vários concursos sem ganhador, eis que (sorte incomensurável!) o prêmio de mais de R$ 200 milhões sai para um único ganhador em Brasília (DF). Mas que sorte tem essa cidade! Em pouco tempo, dois prêmios acumulados saíram para moradores dessa cidade da sorte. Muito suspeito, estatisticamente falando, pois o universo de apostadores em todo o Brasil é muito grande e, portanto, a probabilidade de dois prêmios acumulados há semanas saírem exatamente nessa cidade é quase um absurdo, em termos matemáticos. Nem no jogo o pobre brasileiro pode confiar mais. Duvido que haja seriedade nesses sorteios. O Ministério Público Federal (MPF) tem o dever de investigar esses concursos para verificar a seriedade deles. Até na loteria existe a desconfiança de roubo e manipulação de resultados. Pobres brasileiros, que nem com a sorte podem contar mais, para tentar sonhar com uma vida melhor.

 

Antonio F. Guimarães afergui@terra.com.br

São Paulo

 

*

FÊNOMENO

 

Quando o prestigioso “O Estado de S. Paulo” dará a devida atenção ao que ocorre com os resultados da Mega Sena? Em se tratando de valores acumulados vultosos, como ocorreu no dia 26 de novembro, o ganhador, quase invariavelmente (e um só), é de  Brasília. Não é muito estranho? Os apostadores nestes momentos enfrentam longas filas nas lotéricas para efetivar sua aposta, que, quase sempre, de nada vale. Estamos vivendo momentos de transformações, impõe-se, portanto, que a Caixa Econômica Federal explique esse fenômeno.

 

Ricardo Nacim Saad ricardo@rnsaad.com.br

São Paulo

 

*

$ENA

 

Alô, CEF, R$ 205 milhões da $ena saíram para um apostador de Brasília? Qual o político que ganhou? E os trouxas continuam apostando...

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

O SEGREDO DE MARIANA (MG)

 

Debaixo da lama de Mariana (MG) tinha um segredo. Esse segredo saiu inundando 500 quilômetros do Rio Doce e, agora, desagua no mar, sujando-o de lama cheia de mercúrio, que não é usado na extração de ferro, e, sim, de OURO! Seria esse o motivo que fez com que a presidente Dilma Rousseff tenha visitado a área apenas uma semana depois do desastre? Pelo jeito, a República estava em polvorosa não pelo desastre, mas, sim, pelo que ele escondia. Quem surrupiou este ouro e quem tinha conhecimento de que ele existia? Debaixo desta lama existem muitos delitos que num país sério seriam mais do que investigados.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

O LEITE DERRAMADO

 

Monitorar a lama que está escorrendo de Mariana (MG) com destino às praias do Espírito Santo por 120 dias de nada adiantará. É típico das autoridades brasileiras “chorar pelo leite derramado”. As ações que precisam ser tomadas são de prevenção, para que nunca mais aconteçam acidentes semelhantes no nosso país. Prevenir significa fiscalizar os projetos, a execução das obras e as atividades de manutenção das instalações industriais brasileiras. O custo da prevenção é infinitamente menor que o da correção. Todos os profissionais que se omitiram durante as fases de projeto, construção e manutenção das barragens são responsáveis por esta tragédia, incluindo a fiscalização federal, estadual, municipal e também das mineradoras envolvidas.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

O ACIDENTE É GRAVE

 

Obediente à sua chefa, em vez de se descabelar, ameaçando os deuses, dona Isabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente, diagnostica, em tempo real, o maior desastre ambiental da nossa história como “muito expressivo”? Poupe-me, madame!

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

SINAL DIVINO?

 

O mar de lama de Mariana (MG) parece refletir fielmente o momento atual pelo qual a política e a economia brasileiras estão passando, desde que o PT assumiu o poder. A sujeira foi sendo criada e acumulada aos poucos, até que o rompimento das barragens foi inevitável. Até hoje, passados vários dias, a lama continua se esparramando por todos os cantos, causando muitos estragos e tragédias. Serão necessários anos para que possam ser recuperadas as áreas atingidas – o mesmo vale para a terra arrasada provocada pelo PT e, em especial, pela incompetência dos (des)governos da grande “chefa”. O lado realista é que o mal já aconteceu e está aí, escancarado, para todos verem. Cabe a nós, pobres brasileiros, particularmente aos contribuintes, o trabalho de limpeza e reconstrução. Infelizmente, hoje não há líderes que possam conduzir esta árdua tarefa de modo a punir exemplarmente os responsáveis, unir esforços, unificar diferentes tribos e otimizar o serviço a ser realizado. Faltam, também, lideranças que ajudarão a evitar a manutenção deste cancro que é a corrupção, que, aliada à incompetência, é o maior dos males.

 

Meier Strengerowski mauro@opeco.com.br

São Paulo

 

*

MICROCEFALIA

 

Li no “Estadão” que o governo prevê o vírus zika matando bebês em 14 Estados. Que escândalo, quando sabemos que mais de 500 bebês já nasceram com microcefalia. E o sem-vergonha prefeito Fernando Haddad disse ao jornal que espera 250 mil casos de dengue no ano que vem no Estado de São Paulo. Todos esses vírus, inclusivo o zika, são transmitidos pelo mosquito Aedes Aegypti, que pode ser tranquilamente eliminado com fumacê jogado do alto, nas lajes dos prédios e na mata, que é o berçário do mosquito. O governo é criminoso por não tomar providências corretas para a população não morrer.

 

Michelle Schott mschott@sti.com.br

Santana de Parnaíba

 

*

‘POLÍTICA E MILAGRE NA TV’

 

Interessante o artigo do professor Eugênio Bucci sobre a telenovela (a que não assisti) “Os Dez Mandamentos”, da Record (“Estadão”, 26/11, A2). Existem alguns pontos, no entanto, sobre os quais gostaria de colocar minha opinião, e este fórum é para isso: 1) o professor invoca a laicidade do Estado para uma novela? Por que essa laicidade nunca foi invocada antes, quando a Globo leva ao ar os tambores de Ogum, Oxóssi, as oferendas para yemanjá, etc.? 2) Se o Estado é “laico”, e não ateu, e é o responsável pelo conteúdo das TVs, por que ele pode apregoar chacinas, tiroteios, tráfico de mulheres, pedofilia e incesto num país de formação cristã? Se os “ofendidos” por conteúdos cristãos têm o direito de invocar a laicidade do Estado para interferir em programas televisivos, eu, como cristã, também tenho, certo? No tocante à formação política de Moisés, caso o professor nunca tenha lido a “Bíblia” ou nunca a tenha entendido, eu explico: alguém criado e formado para ser faraó um dia, caso necessário (uma morte precoce de Ramsés, por exemplo), seria, acaso, apolítico?

 

Tereza Cristina do Vale Bertolucci tereza.cvb@gmail.com

Guararapes

 

*

ESTADO LAICO

 

Primoroso o artigo do professor Eugênio Bucci (26/11, A2). Matou a pau. Parabéns. De modo infinitamente mais resumido e modesto, escrevi para um jornal local sobre o mesmo assunto, que um Estado laico não pode permitir que isso aconteça, mesmo porque ela fere a Constituição. Já passou da hora de dar um basta nesta bandalheira dita religiosa.

 

Nelson Mendes nelsonmendes@bol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.