Fórum dos leitores

DINHEIRO DO POVO

O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2015 | 02h55

JBS compra Alpargatas

O governo Dilma Rousseff aumentou a dívida pública – e agora está pagando juros de 14,25% ao ano – para financiar, por intermédio do BNDES, a juros subsidiados, um dos “campeões nacionais”, a JBS, que usa os recursos gerados para comprar a Alpargatas, por R$ 2,6 bilhões. A JBS tem razão em definir esse investimento nessa bela empresa, mas aí está mais uma demonstração de que arroubos juvenis para consertar o mundo acabam levando a falhar em seus objetivos e deixar uma herança onerosa para a Nação.

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

A JBS comprando ativos da Camargo Corrêa soa até como “troca de chumbo”, jargão do mercado financeiro. Atenção, dr. Sergio Moro, será que aí tem?

ARIOVALDO MARQUES

arimarques.sp@gmail.com

São Paulo

Amigo de Lula

A recente prisão de José Carlos Bumlai, empresário rural e amigo de Lula, é mais um ponto perdido pelo lulopetismo por ação da Operação Lava Jato. Os empréstimos captados pelas empresas de Bumlai no BNDES ficam por volta de R$ 500 milhões – uma delas, quando inativa, também recebeu milhões de reais do banco estatal de fomento. É estranho que outros empresários de porte neste país nunca tenham recebido empréstimos do BNDES, talvez por não terem um bafejo político eficaz. É certeza que Lula não pediu nada para Bumlai? O curso das investigações poderá revelar dados importantes, inclusive benefícios para o PT. Na verdade, o lulopetismo transformou também o BNDES em banco dos amigos e das conveniências deles.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Só para saber

Onde o sr. Bumlai utilizou os R$ 560 milhões do BNDES? Gastou só em comprinhas e presentes ou foi para a petezada?

SINCLAIR ROCHA

sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

Espetaculoso

Sobre o comentário de Lula classificando a prisão do sr. Bumlai de “ato espetaculoso”: segundo o Aurélio, espetaculoso é “que chama muito a atenção, que dá muito na vista”. Exatamente como se define a atuação desse senhor no caso das propinas da Petrobrás e nos milhões de empréstimos a ele concedidos pelo BNDES. Com as bênçãos sabemos de quem.

MAURICIO GUERRA

guerrapacheco@gmail.com

São Paulo

Se a “zelite” atrasa uns dias o pagamento de um empréstimo, é “pau na certa”. Agora, se os amigos da corte pegam empréstimos no BNDES, ah, aí nem precisam pagar! Está vendo a diferença, Lulla?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Quem liberou?

O juiz Sergio Moro dignifica o cargo, ao contrário de alguns notórios colegas. Imagino que já estejam investigando quem, no BNDES, concedeu os altos empréstimos ao sr. Bumlai, mesmo com pedido de falência, o que contraria qualquer critério de crédito, ainda mais com dinheiro público. A quebra do sigilo telefônico dos dirigentes do banco, a meu ver, se impõe.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

caxumba888@gmail.com

São Paulo

Para os amigos, tudo

Qualquer pequeno empresário sabe das dificuldades quase intransponíveis para se obter um empréstimo do BNDES. Conosco não foi diferente. Mesmo com empresa aberta há quase 30 anos, saudável desde o início e não tendo pago (pasmem!) nenhum salário, fornecedor ou tributo com um dia sequer de atraso, o BNDES exigiu como garantia (imóveis pessoais, por exemplo) três vezes o valor emprestado. E quais eram os nossos planos? Construir um galpão industrial em pequena cidade do interior paulista, levando para esse local nossas atividades fabris, gerando receita e empregos para um município carente e maior produtividade e competitividade para o nosso negócio. Em nenhum momento nos passou pela cabeça solicitar empréstimo superestimado e aplicar o excedente no mercado financeiro, a maracutaia menos danosa, porém a mais comum, dentre outras muito mais cabeludas. Agora, com a prisão do sr. Bumlai, beneficiário de empréstimos astronômicos para empresas falidas, ficam as interrogações. Afinal, para que e para quem serve o BNDES? Quais os critérios (se é que os há) para a concessão de empréstimos? Será que das grandes empresas também são exigidas essas mesmas garantias? O que o sr. Bumlai deu de seu patrimônio pessoal para liberarem R$ 500 milhões para suas empresas falidas ou em recuperação judicial? Por que o pequeno empresário, que luta diuturnamente contra tudo e contra todos, nunca tem vez neste país?

JORGE LUIZ DE ANDRADE

seugonca252@gmail.com

Jandira

Produção rural

Enquanto amigos de Lula e chegados ao PT conseguem dinheiro fácil e barato no BNDES, nós, produtores rurais de todo o Brasil, padecemos com quase 70% de aumento nas taxas de juros de custeio, Moderfrota, PSI e agora, na boca da safra, somos surpreendidos com o corte da verba do Seguro Rural pelo governo federal (leia-se Joaquim Levy, na verdade, um “funcionário” da Febraban a serviço do rentismo adotando políticas econômicas favoráveis a bancos e desfavoráveis a quem produz). Espero que a Frente Parlamentar da Agropecuária tome as medidas cabíveis, pois, ao que me recordo, somos o único setor que não deixou o País padecer.

FREDERICO D’AVILA

fredericobdavila@hotmail.com

Buri

MEGA-SENA

Sorte?

No Brasil coisas muito estranhas acontecem. A cidade de Brasília, com uma população reduzida de apostadores em relação ao restante do Brasil, acertou, só este ano, quatro vezes a Mega-Sena acumulada. Parece até coisa de urna eletrônica.

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

ESCOLAS FECHADAS

Férias sem praia

Os alunos de São Paulo que “fecharam” escolas vão passar um gostoso verão em sala de aula. É preciso repor os dias perdidos. Pensaram nisso? Existe um calendário escolar! O MTST vai para a praia...

M. CRISTINA R. AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

MALANDROS DO SENADO

 

Duas notícias tristes e que nos causam revolta e perplexidade: na quinta-feira, o plenário do Senado Federal estava quase todo vazio, presente ali apenas meia dúzia de parlamentares; e a declaração do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) à Polícia Federal de que, no caso Nestor Cerveró, suas ações fora motivadas por uma “questão humanitária”. A desculpa pela falta de quórum no Senado foi de que os senadores estavam tristes, perplexos e constrangidos depois da prisão do senador Delcídio, e que, portanto, não tinham condições de comparecer às sessões. Bando de malandros, que arranjam qualquer motivo para se safarem de seus deveres e esticarem o fim de semana em sua terra natal. E, quanto à alegada “questão humanitária” do polido senador, trata-se de novo subterfúgio para tentar justificar a proteção de ladrões do dinheiro público.

 

Gerson da Silva Monteiro gersufn@uol.com.br

Sorocaba

 

*

O PT MOSTRA AS GARRAS

 

Em depoimento à Polícia Federal, o senador e ex-líder do governo, Delcídio do Amaral (PT-MS), fez sua lição de casa ao tentar imputar às declarações gravadas por Bernardo Cerveró, filho de Nestor, um tom de “consolo”, nada para ser levado a sério. Dessa forma, a acusação de tentativa de obstrução das investigações estaria nulificada (justamente o que o enquadra em crime permanente e justifica a prisão de um senador no exercício do mandato). Pois bem, o ex-presidente Lula não teve a mesma astúcia ao criticar o companheiro pela “burrada” feita. Lula está perplexo com o fato de Delcídio ter-se deixado gravar, justo ele, um político experiente. Mais perplexo do que Lula estamos nós, brasileiros, com a conta ética em que “Brahma” leva a política. Enfim, o PT mostra as garras: junta seus cacos para se defender da “imprensa golpista”, das declarações “mal ditas” e da “perseguição” do Judiciário. O que nos interessava mesmo passou batido: o partido da ética não defende mais sua idoneidade moral, pois consideram seus membros que há diferença entre roubar para si ou para o partido – como se ambos os casos não fossem igualmente crimes. Já era hora, contra fatos não há argumentos.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

DELCÍDIO E A BONDADE HUMANA

 

Delcídio disse em seu depoimento que quis ajudar Cerveró por questões humanitárias. Risível. Estes políticos realmente têm certeza de que o povo é burro, de que somos todos manipuláveis e de que não temos discernimento. Talvez uma parte do povo, aquela que os elegeu.

 

Elisabeth Migliavacca betymiglia@hotmail.com

São Paulo

 

*

QUESTÃO HUMANITÁRIA

 

Com tantos refugiados do Oriente Médio procurando lugares seguros para escapar dos conflitos armados e os países europeus colocando dificuldades para recebê-los, por que não aproveitar o “know-how” do senador Delcídio  para ajudá-los?

 

Odilon Otavio dos Santos

Marília

 

*

HUMANIDADE

 

Delcídio do Amaral, senador pego em flagrante de adultério completamente nu sobre o leito, solenemente declara: “Não é bem isso que vocês estão pensando, estou aqui praticando um ato de humanidade”.

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

A CARIDADE E AS PULGAS

 

Durante esta minha já longa vida, poucas vezes soube de alguém que exercesse, com semelhante afinco, os preceitos da caridade como o senador Delcídio do Amaral: dando conforto aos aflitos, providenciando transporte aéreo para bem longe da zona do sofrimento, bem como o dinheiro necessário para as despesas do dia a dia. A leitura da manchete de ontem do “Estadão” ia provocando em mim gostoso frouxo de riso, imediatamente sufocado por imensa náusea... Quanto ao banqueiro André Esteves, homem que eu supunha culto e hábil, alguém lhe deveria ter ensinado uma lição simples: quem dorme com cães normalmente acorda com pulgas. Que pena.

 

Regina Maria Peña reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

 

*

FUGA SEM ESCALAS

 

A Embraer precisa atualizar seus jatinhos. Não é possível que, quando um corrupto precise fugir do País, tenha de usar um avião da concorrência. Os jatinhos da Embraer deveriam ir do Paraguai para a Europa sem escalas. O mercado está exigindo essa mudança! 

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CORAÇÃO MOLE

 

Tanto a excrementícia nota emitida pelo presidente do PT, Rui Falcão (“não lhe devemos solidariedade”), quanto os adjetivos desqualificativos verbalizados por Lula sobre o comportamento do senador petista Delcídio do Amaral (“grande burrada”) demonstram uma imensurável falta de nobreza. Não levaram em conta que o pobre coitado possui um coração de papel. Um coração típico de mãe. A Vossa Excelência, afinal, pretendia ajudar o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró a sair da prisão por uma questão humanitária. Daí o detalhamento do plano de viagem para a Espanha, via Paraguai, além da mesada de R$ 50 mil para a desesperada família do preso. Tão somente isso, seus companheiros ingratos!

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

MESADA

 

Para quem recebeu milhões, oferecer R$ 50 mil, mesmo que seja mensal, é até ofensa. Né não?

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘GRANDE BURRADA’

 

O que o ex-presidente Lula quis dizer com “grande burrada”, referindo-se a Delcídio do Amaral? Será que ele deveria agir usando outros métodos, que nós sabemos que existem, mas só não sabemos quais são?

 

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com

São Paulo

 

*

GRAVADOR ESCONDIDO

 

A corja petralha precisa ser desmantelada rapidamente, porque, com seus erros, eles vão aprendendo: daqui para a frente, nas conversas dos gatunos, todo mundo pelado!

 

Elcio Espindola elcio.espindola2013@gmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

PERGUNTA INTRIGANTE

 

Por que, para Lula e para todos os petralhas, Delcídio é um idiota e imbecil, enquanto José Dirceu até hoje é homenageado e reverenciado como “guerreiro do povo brasileiro”? Será por gratidão a razão de Dirceu continuar calado? Então, que continuem chamando Delcídio de idiota e imbecil. Quem sabe, assim, ele resolve contar o que sabe e o porquê de ter oferecido vantagens absurdas para calar Nestor Cerveró. Se fizer isso, seremos eternamente gratos a ele e até capazes de chamá-lo de guerreiro do povo brasileiro.

 

Maria Eloiza Saez m.eloiza@gmail.com

Curitiba

 

*

DELCÍDIO NA FOGUEIRA

 

Com a prisão de Delcídio do Amaral, aquele que fez o papel de Judas para livrar a República de envolvimentos no petrolão, o Planalto diz temer “mentiras” ditas pelo fiel escudeiro, dando um jeito de jogá-lo sozinho na fogueira, dizendo até que ele é peessedebista, não petista. Só que, desta vez, o bagre é maior e mais poderoso. Falamos do representante do governo no Senado federal. Que já trabalhou na Petrobrás. Que ajudou na compra de Pasadena, quando a presidente Dilma Rousseff era presidente do Conselho de Administração da Petrobrás. Que vivia pressionando Nestor Cerveró (conforme delação) para que o processo da compra saísse rápido.  Vai ficar difícil de isolar esse prisioneiro de sua participação no governo do PT. Podem fazer o diabo, que agora não dá.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

VESPEIRO

 

Só faltava esta, a opinião do chefão sobre Delcídio do Amaral é correta. Tocou num vespeiro e saiu todo picado.

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

 

*

MUDANÇA DE SEDE

 

Do jeito que está indo, o PT vai mudar sua sede para Curitiba, “a Jato”, ou melhor, a Lava Jato.

 

Sérgio Aranha da Silva Filho aranhafilho@aasp.org.br

Garça

 

*

LADRÕES E CANALHAS

 

Cumprimento o “Estadão”, que estampou na edição de ontem o plenário do Senado com somente um senador falando para outro senador lá, no fundo do mesmo plenário. Quem presidia não aparece na foto. Certamente, Renan Calheiros é que iria aparecer numa caricatura desse jaez. Cumprimento o jornal, também, pelo editorial da página A3 de ontem, que coroou minhas palavras acima, com o título “República de bandidos”. Não poderia ser melhor para mostrar o desnudamento das “excelências” ausentes. Ladrões e canalhas mentirosos que haverão de receber na próxima eleição o cartão vermelho dos eleitores que têm vergonha na cara, por estarem representados no Congresso Nacional por bandidos da pior espécie.

 

Nicanor Amaro da Silva Neto nicanoramaro@yahoo.com.br

Bauru

 

*

‘REPÚBLICA DE BANDIDOS’

 

Creio que a maior causa dos acontecimentos recentes sobre corrupção, criminalidade, desvios morais e éticos, crimes em todas as áreas e circunstâncias é a impunidade. Esta é quase inexistente, demorada e muitas vezes seletiva: todos são iguais perante a lei, só que tem alguns mais iguais que os outros. Por isso a prisão de um senador causa surpresa e espanto, mas, para mim, causou uma sensação de cumprimento de justiça, que no fundo todos almejamos. Sabe-se lá por quanto tempo, porque nas entrelinhas da justiça sempre são descobertas “possibilidades” para que ela não seja aplicada. Valem as palavras da “Bíblia” em “Eclesiastes” 8:11: “Visto como se não executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal”.

 

Edair Ghirello Corrêa edaircorrea@hotmail.com

Barueri

 

*

SOBRE O NÚMERO 13

 

Na votação do Senado para confirmar a prisão do senador Delcídio, 13 senadores votaram contra. Novamente o 13 mantém o estigma, desde o governo do Messias do ABC, significa incompetência, corrupção, roubos, descaramento, arrogância, mentiras e todas as mazelas que estamos vivendo.

 

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

 

*

AZARADO

 

13 realmente é um número azarado.

 

Ricardo Lorenzi rlorenzi@toyosetal.com

São Paulo

 

*

NÃO FAZ TANTA FALTA

 

Se o sr. Delcídio do Amaral (PT-MS) vai continuar recebendo seu salário, mesmo sem trabalhar, é sinal claríssimo de que eles, “senadores”, não fazem tanta falta. Para a economia do País, é preciso diminuir o número de senadores, deputados e vereadores. Isso trará enorme benefício ao País.

 

João Ricardo Silveira Jauks joaosilver45@gmail.com

São José dos Campos

 

*

LIDERANÇA

 

O senador Delcídio do Amaral, líder do governo no Senado, assumirá automaticamente a liderança da bancada do PT na carceragem da Polícia Federal em Curitiba?

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

O VOTO DA MINISTRA CÁRMEN LÚCIA

 

O texto da ministra Cármen Lúcia, do STF, proferido em razão dos graves acontecimentos políticos no Brasil – e, como bem mencionado pelo “Estadão” (27/11, A3), na “República de bandidos” –, por certo merecerá ser editado, para que sempre seja lembrado em nossos futuros livros de história contemporânea do Brasil. As nossas crianças, nossos jovens, que farão nosso futuro, precisam aprender com o referido texto, que menciono para que percebamos o grandioso embasamento ético e social de que tanto precisamos: “Na história recente da nossa pátria, houve um momento em que a maioria de nós acreditou no mote segundo o qual a esperança tinha vencido o medo. Depois, nos deparamos com a Ação Penal 470 e descobrimos que o cinismo tinha vencido a esperança. Agora, constata-se que o escárnio venceu o cinismo”. E prossegue: “O crime não vencerá a Justiça” e “navegantes destas águas turvas de corrupção e das iniquidades não passarão”, “a navalha da desfaçatez e da confusão entre imunidade, impunidade e corrupção”. Sinto-me, a exemplo de tantos outros irmãos brasileiros, mais confiante em nossa Justiça, berço da democracia, e por perceber que talvez a ministra, como eu, acreditou inicialmente no mote mencionado.

 

Claudio A. S. Baptista clabap45@gmail.com

São Paulo

 

*

A HISTÓRIA...

 

A fala da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi muito lúcida sobre o PT. Fez-me voltar a 2002, ano da eleição para presidente, quando Regina Duarte declarava, no horário político: “Eu estou com medo” do PT. Foi execrada pela “esquerda fantoche”, por artistas e intelectuais chapa-branca ou covardes. Foi profética? Outro que também falou sobre o PT foi o político Jorge K. Bornhausen. Disse, depois do mensalão de Lula-PT em 2005: “(...) Vamos nos ver livres dessa raça por pelo menos 30 anos”. Mas errou, pois houve ainda uma reeleição e duas eleições com vitórias do PT, dando-lhes oportunidades de continuarem dilapidando o Brasil. Pois é, “aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo” (George Santayana). Que os brasileiros não sejam desmemoriados!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

SITUAÇÃO INACEITÁVEL

 

A prisão do senador que é líder do atual governo mostra uma situação inaceitável. Que ele prove efetivamente que não é culpado. Mas há outro aspecto que precisa ser ressaltado, ou seja, banqueiros, empreiteiros e outras pessoas que ocupam ou ocuparam espaços importantes também estão atrás das grades. Esses fatos merecem destaque, pois demonstram que finalmente abre-se a perspectiva de um combate efetivo aos corruptos que desde tempos imemoriais sempre ditaram regras em relação ao uso inadequado de verbas públicas. Que o Judiciário agora cumpra sua parte, sem deixar que os processos fiquem nas gavetas.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

LENIÊNCIA

 

Após Delcídio confessar “pressão” sobre o STF, o Supremo, ofendido, com certeza deixará de ser leniente nos processos da Lava Jato e Nestor Cerveró, por sua vez, deverá confirmar e fornecer mais “nomes” que malbarataram o País na compra de Pasadena.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

DELAÇÃO

                                                                                               Companheiros presos no curso da Operação Lava Jato, delatem o mais rápido possível. Enquanto vocês estão presos, “eles” se esquecem de que os ajudaram na própria riqueza. Portanto, delatem, para acabar com a blindagem “daqueles” que os corromperam e que agora se esquecem até da amizade.

 

Ricardo Guilherme ricardoguilherme88@gmail.com

Monte Alegre do Sul

 

*

VERSINHOS PARA O SENADOR PRESO

 

Foi mal, ó Amaral! / vê se agora abre o bico sem demora / que outras cobras, bem maiores, / estertoram, peçonhentas, nesse denso  lamaçal...

 

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br

Santos

 

*

PERGUNTAS

 

Aí vão algumas perguntas que um cidadão comum gostaria de saber: Será mera coincidência que uma das advogadas do sr. André Esteves (Camilla Dytz da Cunha) seja filha do senador Eduardo Cunha, conforme divulgado esta semana no “Estadão”? Quem será a “boa alma” que forneceu ao banqueiro cópia sigilosa da delação do sr. Cerveró? E quem são as pessoas que o advogado Edson Ribeiro ajudou a evadir-se via Paraguai? Fico imaginando o que virá à tona se a CPI do BNDES e dos fundos de pensão prosperarem.

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

CEGUEIRA OU BURRICE

 

Petroleiros do meu Brasil varonil, é para isto que o governo federal deseja estatizada a sua amada e idolatrada Petrobrás, para dela seguirem se locupletando financeiramente? E vocês, pobres mortais que investiram seu suado FGTS na compra de ações, contribuíram sobremaneira para o aporte de caixa da empresa, facilitando as roubalheiras, ouvindo promessas mirabolantes de enriquecimento e, hoje, amargam gordos prejuízos. Por que ainda defendem a continuidade da estatização da empresa? São cegos ou são burros? O petróleo é deles e dos próximos, dos próximos, dos próximos...

 

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão

 

*

SALVAMENTO DA ESTATAL

 

Depois que Lula, sua quadrilha e empreiteiros amigos “limparam a Petrobrás”, é preciso recuperar a empresa. Nossa petroleira está sem dinheiro e com uma dívida de R$ 506 bilhões em diversas moedas, o que a inviabiliza. Assim, o governo decidiu fazer um aumento de capital bastante elevado, montando uma operação financeira para esse fim. Enquanto isso os ladrões da estatal se divertem com o dinheiro roubado, alguns numa temporada na cadeia, outros livres ainda. Os parlamentares com foro privilegiado não serão molestados por nada, por até cerca de dez anos. A maioria não terá problemas, podendo ser reeleita. Alguns serão condenados, mas muitos poucos correm o risco de ir para a cadeia. Desde 1988 o Supremo julgou cerca de 500 com foro privilegiado, a maioria por apropriação de dinheiro público, 32 foram condenados e 8 cumpriram pena.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

FUNDOS DE PENSÃO

 

O drama que atingiu e atinge o fundo Postalis, dos Correios (22/11, A3), é o mesmo que atingiu e atinge os demais, principalmente Previ, Petros e Funcef, todos eles vítimas de má gestão nos últimos anos, em decorrência de interesses políticos e aparelhamento partidário (22/11, A5). Quanto aos Correios, é importante constatar que, apesar de todos os percalços que o atingiram e atingem, seu atendimento em qualquer agência é primoroso, sendo, também, a única empresa de atendimento público do País que cumpre rigorosamente a lei de preferência dos idosos e das demais pessoas de condições especiais. Uma vez que qualquer dessas pessoas preferenciais retira a senha de controle eletrônico, ela será atendida automaticamente em primeiro lugar quando vaga qualquer guichê, mesmo que a agência esteja repleta dos demais clientes que lá chegaram mais cedo. Parabéns aos Correios por essa exemplar lição de respeito à lei e de cidadania!

 

Fausto Rodrigues Chaves faustochaves@uol.com.br

São Paulo

 

*

FRAUDE NA MEGA SENA?

 

Muito estranho, um jornal de TV divulgou na quinta-feira, dia 26/11, que achava estranho que ninguém havia acertado as 6 dezenas da Mega Sena, que estava acumulada em mais de R$ 200 milhões. Depois, milagrosamente, apareceu um apostador com um cartão de R$ 3,50 que as acertou – e, mais ainda, sacou o dinheiro todo no dia 26. Estranho? Não acho. Já vem de algum tempo que se desconfia de que haja fraude na Mega Sena. Lembram-se do deputado chamado João Alves? Quantas vezes ele acertou sozinho? Lavagem de dinheiro? O senador Álvaro Dias divulgou nota no site Terra dizendo que irá tomar providências quanto à veracidade deste sorteio do dia 25/11. Um grandão já pegaram no Senado Federal, agora falta só prender o Ali Babá.

 

César R. Alves Moreira caesar.joi@terra.com.br

São Paulo

 

*

TÚNEL DO TEMPO

 

Há mais de 20 anos acontecia, para variar, um grande escândalo de corrupção, esquema mais conhecido como “Anões do Orçamento”. À época, um deputado baiano, João Alves, disse que ganhou tudo na loteria, só em 1993, 56 vezes. De lá para cá, passei a preferir o jogo de damas ou xadrez. Por sinal, se todos os brasileiros deixassem, por exemplo, de jogar na Mega Sena, bolsos inescrupulosos iriam uivar mais do que lobos na Sibéria...

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

LAVA JATO NA MEGA SENA

 

Seria interessante que a Polícia Federal fizesse uma investigação no sorteio da Mega Sena. Não é possível que, após dez acumulações do sorteio, a aposta saia só para um apostador e de Brasília. Uma emissora de TV anunciou que o prêmio havia acumulado e, cinco minutos depois, informou que havia um ganhador. Já tivemos os “Anões do Orçamento”, em que um elemento acertou a Mega Sena dez vezes seguidas. Pode acontecer que, após o sorteio sem acertador, apareça um volante com os números sorteados. Creio que vale a pena uma investigação. Fica a sugestão.

 

Antonio di Stasil adstasi@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DENÚNCIA AO TSE

 

Em 24 de novembro de 2014, meu filho foi ao posto do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no Shopping Center Iguatemi, em Florianópolis (SC). Ao fazer o recadastramento biométrico, recebeu a informação da funcionária do TRE de que aqueles eleitores que não se recadastrassem perderiam o CPF e teriam suas contas bancárias bloqueadas. Isso é um verdadeiro acinte! Primeiramente, não há nenhuma campanha massiva sobre este recadastramento. Muita gente desconhece a obrigatoriedade do recadastramento, bem como os prazos e locais aonde devem ir. Em segundo lugar, o bloqueio de contas bancárias e cassação do CPF não faz o menor sentido! São medidas extremamente autoritárias e intimidatórias, se não inconstitucionais. Não posso acreditar que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenha sido o autor de tamanho absurdo. Em todo caso, fica aqui o alerta aos eleitores, bem como o meu questionamento ao TSE sobre a veracidade destas informações.

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

O PITACO DE TOFFOLI

 

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro José Antonio Dias Toffoli, definiu como um “passo atrás na cultura política brasileira” a decisão do Congresso Nacional que introduziu a impressão de comprovante nas votações, feitas com uso de urna eletrônica. Toffoli assegura-nos que o sistema atual é 100% seguro porque “acabou com a intervenção humana”, o que tornaria desnecessária a impressão. Com o devido respeito, a argumentação do ministro não resiste a um sopro de criança.  Primeiro que o sistema, ao revés do que diz, potencializou dita intervenção, já que ele depende de programadores (humanos) que podem corrompê-lo. Segundo, a votação eletrônica (propriamente dita) não foi extinta, mas complementada com a criação de um controle que viabiliza eventual recontagem, dando maior legitimidade ao resultado. Não bastasse, acrescentaria que quem faz uso de urnas eletrônicas na América do Sul, além do Brasil, é a Venezuela chavista, onde a fraude eleitoral é notória, o que não impede Lula de ver o país vizinho com “excesso de democracia”. Em recente manifestação na bancada do “Jornal da Cultura”, o  renomado especialista Ethevaldo Siqueira foi categórico: 1) a urna eletrônica é, sim, vulnerável; e 2) especialistas do mundo desenvolvido simplesmente rejeitam esse modelo, tanto que o Brasil jamais o exportou para qualquer país avançado. Que me perdoe o ministro filopetista – aliás, indicado para o STF por Lula, sem o atributo do “notório saber jurídico” (seu currículo não o legitimava) –, mas, se pairavam dúvidas sobre as urnas, o pitaco de Toffoli só fez subir o grau de incerteza da sociedade brasileira sobre a lisura do sistema de votação eletrônica. Perdeu ótima oportunidade de ficar calado.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com     

São Paulo

 

*

VOTO IMPRESSO

 

Por que é um passo atrás?  Porque pode ser auditado?  Deve haver, sim, a possibilidade de uma auditoria quando se fizer necessária.

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

PROVA CABAL

 

O Brasil caminhava para ter um dos sistemas de votação eletrônica mais eficiente do mundo. Infelizmente, nosso Congresso Nacional jogou uma pá de cal nessa nossa aspiração ao exigir que o voto passe também a ser impresso. Prova cabal de que o nosso sistema eletrônico não é nada confiável.

 

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

 

*

SAFADEZA

 

Não, não, ministro, não queira passar atestado de burrice para os brasileiros (para não falar outra coisa). Se houver fraude, a urna eletrônica não deixa rastro. Na transmissão dos votos para a totalização no servidor central um hacker pode mudar de candidato A para B sem que isso possa ser auditado, se não tiver o documento impresso de contrapartida para recontar. Senão, os EUA, que estão 20 anos – no mínimo – à nossa frente em tecnologia, adotariam essas urnas em suas eleições. Tem safadeza confessada aí!

 

José Eduardo Victor victorjoseeduardo@gmail.com

Jaú

 

*

URNA ELETRÔNICA

 

Brilhante a afirmação do ministro Luiz Fux sobre a segurança da urna eletrônica (“é muito seguro”). Pelo visto, além de advogado, ele é especialista em Tecnologia da Informação (TI). Senão vejamos: você vota e isso fica armazenado numa memória, que é transferida ao processador central, que é onde os votos são contados. Nesse ponto, qualquer estudante do primeiro ano em TI sabe criar um algorítimo que acompanha a votação e transfere os votos para o candidato escolhido (vencedor). Simples assim. E olha que meu filho trabalha nessa área, e, como diz um grande amigo meu: “Me dê um computador e eu faço o que você quiser”. Dá para entender quando até Dias Tofoli também concorda com isso. Desse jeito, a oposição ou qualquer outro partido nunca ganhará uma eleição no Brasil. Só o PT. Imprimir o voto vai aumentar o custo da eleição, como se ela fosse baratinha aqui. Só rindo.

 

José Antonio Moreira rsbrasil@real-soft.de

São Paulo

 

*

FERNANDO SARNEY NA FIFA

 

A notícia de que Fernando Sarney, filho de José Sarney, ocupará o cargo de membro do Comitê Executivo da Fifa, em substituição a Marco Polo Del Nero, fez-me lembrar da censura imposta ao “Estadão”, que já chega a 2.250 dias e é motivada pela divulgação de notícias relativas à famigerada Operação Boi Barrica. Considerando a precedente imposição de censura prévia ainda em vigor no “Estadão”, não seria descartada a probabilidade de que notícias envolvendo tramoias e negociatas que soem acontecer na Fifa poderão também ser submetidas à censura prévia, assim como aconteceu com a citada operação, prova incontestável de que no Brasil não existe, de fato, a propalada liberdade de imprensa. Não está na hora de o STF julgar o mérito da censura ao Boi Barrica, antes que este boi senil morra de velhice?

 

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.