Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2015 | 02h55

Regressão

Estamos regredindo a passos largos, infelizmente! É simplesmente lamentável o momento que vivemos. Vejamos alguns fatos. O mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya (o três em um) está causando muitos casos de microcefalia. Senador em exercício é preso por crime inafiançável. Presidenta com 7% de aprovação tem a capacidade de afirmar em Paris que a seca no Nordeste é culpa das mudanças climáticas mundiais. O pibinho está cada vez menor e, portanto, gerando uma arrecadação cada vez mais escassa para manter a cumpanheirada... Por outro lado, os juros – nenhum banco deve estar reclamando –, o desemprego e a inflação estão cada vez mais altos, passando dos dois dígitos! Um mar de lama, literalmente, arrasou uma cidade mineira e pelo Rio Doce, doce ilusão, já chegou ao oceano, podendo ser visto do espaço. Paro por aqui ou continuo? O inventor do poste e o próprio sabem o que significa governar? Sabem que deveriam ter um projeto de governo, e não de manutenção do poder a qualquer preço? Enfim, como apontado num dos editoriais do Estadão de ontem, o ano de 2015 está acabando e temos motivos para pensar: puxa, que bom que acabou... Porém 2016 ainda nem começou e estamos com o mesmo sentimento, ou seja, não temos a menor esperança de 365 dias melhores. Será que vamos ter a perspectiva de um 2017 um pouco menos ruim? O que mais me assusta são aqueles que estão contra o impeachment da louvadora da mandioca e do ET de Varginha. Os fatos acima indicam que podemos piorar, basta querer. Inclusive mantendo a petralhada no poder. Choque de gestão, já!

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Queda do PIB

Novo recorde: com o PIB caindo 3,1% o Brasil sofrerá a maior queda dentre as 12 maiores economias do mundo. Além de querer arrecadar mais impostos para cobrir as suas pedaladas fiscais, a sra. presidente tem algum plano para reverter este desastre, que certamente continuará em 2016 e provavelmente depois?

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Dilma destruiu o Brasil

Penso que é tempo de cessar a busca retroativa das culpas e admitir claramente que Dilma Rousseff – claro que com o patrocínio de seu guru Lula – é a responsável final pela destruição da economia brasileira e pela deterioração definitiva da política no País. Essa senhora está no poder supremo há cinco anos! Antes disso mandou e desmandou na Petrobrás, na Eletrobrás e na geração de energia nuclear. Não vá dizer, como seu padrinho, que não sabia de nada. É sobre ela que deve recair a culpa pelo desastre que o Brasil atravessa: inflação superior a 10%, 9 milhões de desempregados, aos quais se juntarão mais 3 milhões nos próximos meses, rebaixamento da nota de crédito pelas agências internacionais, ausência no tratado de livre-comércio mais importante do século, conivência com o assassino Nicolás Maduro, etc. “Fora, Dilma!” é a palavra de ordem para salvar o Brasil!

EDUARDO SPINOLA E CASTRO

3491esc@gmail.com

São Paulo

Ressalva

Agora a presidente Dilma diz que “não sabia de tudo” sobre a refinaria de Pasadena. Não deveria saber, como presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, onde se decidiria a compra? Ou ela era “rainha da Inglaterra”? Se era, parece que gostou, pois continua.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

O restante

Se Dilma “não sabia de tudo”, seria interessante ela falar ao menos sobre a parte conhecida.

ULYSSES F. NUNES JR.

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

Corte de despesas

É fato notório que quase toda a arrecadação federal é consumida pela gigantesca folha de pagamento dos funcionários públicos – ativos, aposentados, pensionistas e comissionados. Como esses salários são bem superiores aos dos que labutam nas empresas privadas, respeitando os ditos direitos adquiridos e antes que seja tarde demais sugiro uma forma de reter parte dessas verbas, como, por exemplo, um empréstimo compulsório ou algo parecido. Com salários em geral polpudos, com certeza essas pessoas, que têm emprego vitalício (nunca ficam desempregadas!), não passarão por dificuldades financeiras e poderão ter o prazer de colaborar com as contas públicas e ajudar o País a superar a crise. Afinal, trata-se de uma classe privilegiada, sendo o restante da população, que paga as contas, composto de cidadãos de segunda classe.

AIRTON MOREIRA SANCHES

moreira.sanches@uol.com.br

São Paulo

Pagamento de contas

Fico imaginando o ferro que levaria se eu dissesse em bom e alto som que em dezembro não vou pagar água, luz e telefone. Como é bom ser governo.

HARRY RENTEL

harry@citratus.com.br

Vinhedo

EDUCAÇÃO

A reforma de Alckmin

Com a experiência de professor e diretor, não me parece que o governo de São Paulo esteja empenhado em fazer uma reforma para estragar a educação nas escolas públicas do Estado. Separar as escolas por ciclos de ensino correspondentes aos antigos primário, ginasial e colegial, se não melhorar, também não apresenta evidência alguma de que poderá piorar o nosso ensino. A oposição que se vê, até mesmo com a ocupação de escolas por grupos de garotos e garotas estudantes, não tem por motivo os fundamentos da reforma pretendida. Os técnicos da Secretária da Educação podem até não saber muito, mas certamente sabem muito mais do que essa garotada mobilizada por Apeoesp, MTST, PT, PCdoB, etc., etc. Os motivos reais de toda a movimentação contrária à reforma estão em dois pontos: o desconforto real ou imaginário dos jovens que temem ter de mudar da escola em que estudam hoje e a oportunidade que grupos simpatizantes do lamentável governo federal encontraram para procurar desgastar um governador que mostrou nas últimas eleições ser um perigo para o PT e sua gente.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

LOTERIAS DA CAIXA

Mega-Sena e urna

E aí, vai dar Brasília outra vez na próxima Mega-Sena acumulada? Vai pegar mal uma quinta vez no ano... Está até parecendo urna eletrônica “inviolável”, em que ninguém acredita mais.

KLAUS REIDER

vemakla@hotmail.com

Guarujá

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

QUE PAIS É ESSE?

 

Onde meia dúzia de gatos-pingados para avenidas importantes, atrapalhando milhares de pessoas que realmente trabalham e produzem ou que precisam ir ao médico, grávidas à beira do parto, etc.? Alunos que deveriam estar em aula tentando aprender para ser alguém na vida estão atrapalhando o já caótico trânsito, vandalizando e depredando escolas, veja-se a de Osasco. Governador, deixe de ser mole, libere nossas vias. Se o MTST é movimento de “trabalhadores”, por que não estão trabalhando, e sim ajudando a atrapalhar o trânsito? Se esses alunos são o futuro, que belo futuro teremos... E nossos políticos, com a maior cara de pau, se fazendo de Madre Tereza de Calcutá. E nossa presidente, com o País paralisado, com mais de 25 mil cargos de “confiança” e gastando muito mais do que arrecada, ainda vai a uma conferência com a maior comitiva (que bando!), ficando no mais caro hotel de Paris! E a Comissão da Verdade? Seus protegidos da ditadura deitando e rolando no nosso dinheiro sofrido. Que país é esse?

 

Roberto Tavares robertocps45@hotmail.com

São Paulo

 

*

FACTOIDE OU VERDADE?

 

O futuro de cada país depende do que é investido na formação dos jovens, os futuros governantes. Sem entrar no mérito da justeza ou não de suas reivindicações, espero que as manifestações antidemocráticas promovidas pelos estudantes, se é que são estudantes, com atos de vandalismo que tanto perturbaram a vida da cidade de São Paulo, seja a exceção, e não a regra de comportamento desses jovens. Basta de politicagem na educação.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

PROTESTOS NAS ESCOLAS

 

O governador Geraldo Alckmin faz bem em dar sequência à reorganização das escolas de São Paulo. Tenho informações de centenas de pais e alunos de que as melhorias vão compensar o pequeno incômodo inicial e que esses protestos, como sempre, vêm de engajamento político petista, que tem o poder de ser chato e contrário a tudo, principalmente uma organização que será boa e vai dar resultados positivos. Ou seja, sempre avesso à vontade da maioria, eterno perturbador da paz. Parabéns ao governo do Estado de São Paulo.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

APEOESP PROVOCA E ALCKMIN RESPONDE!

 

Acho que poucos se dispõem a ignorar que os alunos e seus pais que adotaram a "invasão" das escolas como estratégia para o governo estadual abandonar a reformulação do ensino estadual estão servindo de massa de manobra para a direção da Apeoesp – entidade dominada pelo petismo mais extremado – no confronto político/partidário/ideológico com a administração estadual. Aliás, esta não é primeira vez e por certo não será a última que o corporativismo da associação dos professores adota o confronto – pouco se importando com o direito de seus alunos e o resultado do seu trabalho – com o governo estadual para fazer valer algum direito ou simplesmente protestar por qualquer medida administrativa/pedagógica adotada ou em via de ser implementada pela Secretaria da Educação. Como as "ocupações" tendem a se prolongar e o petismo – não só o enraizado na Apeoesp – interfere no momento através de seus altos próceres que passaram a comparecer sorrateiramente às escolas ocupados para incentivar os estudantes e implementar novas táticas ao movimento, o governador Geraldo Alckmin, por sua vez, também resolveu sinalizar que pode radicalizar. Primeiro, mudou sua posição em relação ao movimento "pró-impeachment" da Presidente da República, manifestando que existem, sim, motivos para seu afastamento – antes dizia ainda não vislumbrar motivação para a medida extrema – e depois assinou o decreto impondo as mudanças que determinam a redistribuição dos alunos de acordo com sua faixa etária e ciclo escolar, adrede anunciadas. Infelizmente, o ano se finda e os prejudicados serão exclusivamente os alunos, que deixarão de receber as aulas e matérias indispensáveis à sua evolução escolar. Ainda que o protesto possa ser válido, sua motivação e sua extensão têm se revelado essencialmente políticas – apenas as pessoas de boa-fé e os incautos não percebem!

 

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

 

*

CAOS EM SÃO PAULO

 

Segunda-feira não consegui chegar ao trabalho de ônibus, pois a região do Butantã estava com o tráfego totalmente parado devido a uma manifestação de estudantes na esquina das Avenidas Faria Lima e Rebouças. Também foi impossível chegar à estação Butantã da linha amarela do Metrô. O tráfego só foi normalizado à tarde. Isso porque o governador Alckmin resolveu guerrear com os estudantes que são contra a reforma que ele pretende fazer na educação. Até agora não está muito claro o que o governador quer com isso. O que está claro é que a segurança pública está um caos, a saúde nem se fala, as obras do Metrô linha amarela paralisadas e sem previsão de conclusão, monotrilho só Deus sabe, a Sabesp uma vergonha e o sr. Alckmin ainda acha tempo para piorar mais um pouco a situação da cidade, já deixada devidamente caótica pelo sr. Fernando Haddad.

 

Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

 

*

UM POÇO SEM FUNDO

 

Quando os escândalos que ocorrem diuturnamente nos fazem pensar que chegamos ao fundo do poço e que a moralidade começa a atormentar a classe política, lemos no “Estadão” de 30/11 que o senador Blairo Maggi, cotado para assumir a liderança do governo no lugar de Delcídio Amaral (PT-MS), apoia que políticos em exercício possam explorar bingos e cassinos. O senador, que é, inclusive, o relator da proposta de legalização dos jogos de azar no País, quando interpelado sobre não excluir políticos em exercício da proposta, foi contundente: “Será que o político é um bicho tão esquisito que não pode exercer algumas atividades econômicas?”. Senador Maggi, neste momento em que a credibilidade generalizada sobre a classe política atinge seu grau mais degradante, ela afunda mais ainda com este seu comentário, que demonstra total desprezo à inteligência do povo brasileiro e reforça a certeza de que os políticos podem fazer o que querem e ficar impunes. E, por favor, deixe os bichos de fora, eles não merecem essa comparação. A Operação Lava Jato tem de chegar rapidamente aos políticos, pois eles ainda não acreditam que a casa vai cair.

 

Elcio Espindola elcio.espindola2013@gmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

JÁ NÃO BASTA?

 

Num País com tantos habitantes na miséria e no desemprego, vem esta notícia de que está em tramitação no Congresso projeto de lei para liberar os “jogos de azar” (bingos, jogo do bicho, cassinos, etc.) no País. Já não basta tanta picaretagem, como a da semana passada, quando os meios televisivos anunciaram uma “suposta fraude” no resultado do milionário prêmio da Mega Sena? Nós precisamos de mais investimentos, produção e emprego, e não “jogos de azar” para ludibriar a população, já tão esfolada pela corrupção e pela alta carga de impostos que assola este país.

 

César R. Alves Moreira caesar.joi@terra.com.br

Joinville (SC)

 

*

JOGOS DE AZAR

 

O Projeto de Lei 186/2014, visando à legalização de jogos de azar, deveria passar por ampla discussão com a sociedade. Abrir cassinos, creio eu, deveria ser permitido somente em cidades com ênfase em turismo, aonde se presume que vão os turistas de maior poder econômico; bingos, que já infelicitaram tantos, somente nas mesmas condições; e o jogo do bicho, já tão disseminado e tradicional, não vejo maneira de restringir. Legalizar seria aconselhável em todos aspectos.

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

 

*

BICHOS ESQUISITOS

 

Como se já não bastassem as conhecidas formas de corrupção e lavagem de dinheiro pelas quais respondem, como suspeitos, acusados ou réus,  dezenas de empresários e políticos brasileiros, o que não faltam no Congresso são propostas para legalizar jogos de azar – bingos, cassinos, caça-níqueis e jogo do bicho –, uma delas já com parecer favorável que não prevê qualquer tipo de restrição a que políticos explorem tais atividades. A esse respeito, o senador Otto Alencar, presidente da comissão onde tramita o Projeto de Lei n.º 186/2014, que prevê a liberalização do jogo, disse que, mais à frente, tratará de incluir um parágrafo ao texto que proíba políticos com mandatos eletivos de controlarem casas de jogos de azar, iniciativa que já conta, todavia, com a antecipada oposição do senador Blairo Maggi, relator da matéria, que, singelamente, questionou: “Será que o político é um bicho tão esquisito que não pode exercer algumas atividades econômicas?”. É claro que o povo brasileiro tem a resposta a essa questão na ponta da língua, mas, a rigor, tal restrição – caso prevaleça – pouca valia terá. Os políticos também estão proibidos, pela própria Constituição do País, de controlarem empresas de rádio e TV, o que não impede dezenas deles de explorarem tais atividades como se proibição alguma houvesse. Se há uma coisa que qualquer nativo de Terra Brasilis sabe desde criancinha, é que os tais “bichos esquisitos” que aqui habitam são onívoros e não são de dispensar laranjas em sua dieta cotidiana.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

NOS JORNAIS

 

Fica difícil de separar os cadernos políticos dos cadernos policiais atuais. Nunca se sabe qual caderno você está lendo.

 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

BANDIDOS DE MÁRMORE

 

As panelas de pressão explodem, os fios entram em curto-circuito, os vulcões entram em erupção, as camadas geológicas, em terremotos, as tempestades de neves nos mares escurecem-nos, aterrorizavam os navegantes e as embarcações soçobravam, todos os homens morrem e por aí segue a transitoriedade. No Brasil, nada se altera. A linguagem da imprensa é inócua em relação aos políticos. O “Estado”, em seu limite, fala em “República de bandidos” (27/11, A3). Difícil de imaginar contundência maior nos limites de nossa linguagem. No Planalto e no Parlamento, ninguém sente, ou fingem não sentir, o impacto da objurgatória lançada pelo mais lido e reconhecido jornal do País. As sanções judiciárias parecem não incomodar os bandidos. Se um é pego, os demais o largam ensaguentado. E continuam impávidos, algo jamais visto antes na história deste país. E assim ingressamos nas festas de fim de ano deste triste 2015.

 

Amadeu Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

A LINGUAGEM DA POLÍTICA

 

Depois de ter assistido à longa sessão do Senado, semana passada, dedicada ao colega Delcídio Amaral (PT-MS), tendo como finalidade decidir seu futuro político e aprovar ou não a decisão da Justiça de prendê-lo e mantê-lo na cadeia, fiquei impressionado com a enormidade de palavras usadas para expressar uma simples opinião e justificá-la. Tratava-se de concordar com a legalidade da prisão, causada por claras infrações ao Código Penal, ou tentar justificar de alguma maneira procedimentos injustificáveis. Parecia uma tarefa a resolver com poucas palavras, mas os ilustres senadores utilizaram milhares de palavras. Palavras que, no ato da exposição, pareciam ter alguma coerência, mas logo se revelaram aquilo que eram: palavras mascaradas e inúteis, usadas para esconder a falta de sentido moral e de lógica. Este fato não é de estranhar, pois as palavras inúteis são aquelas que encontramos em todos os lugares, em qualquer momento do dia ou da noite, palavras que escorregam alegras e atrevidas nos nossos ouvidos sem deixar nada atrás de si, palavras que não custam nada e, por isso, são tão usadas. À primeira vista, podem até parecer apreciáveis e bonitas, mas, ao final, acabam se revelando vazias e sem significado. A votação da qual estamos falando pode ser episódica, mas a linguagem dos políticos é normalmente obscura, ambígua, banal, cheia de lugares-comuns, quando não agressiva, prepotente dedicada ao enfrentamento verbal e com pouca capacidade de comunicar. Isso porque o político não está realmente falando com os verdadeiros destinatários, ou seja, conosco. Independendo de escolhas linguísticas e estratégias dos discursos, muitos políticos sabem muito pouco também de análise lógica e de sintaxe.

 

Francesco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

 

*

NUNCA ANTES

 

O presidente do Senado tentou, por todas as formas, que o voto na sessão que decidiria manter ou não Delcídio preso fosse secreto. Perdeu. Tentou livrar o senador Delcídio da prisão. Perdeu feio. A quarta-feira, 25/11, foi um dia daqueles “nunca vistos na história deste país”, e não será esquecido, como disse Renan Calheiros. Mas não pelos motivos que o levaram a dizer isso, em defesa descarada do livramento da prisão do senador. O Supremo Tribunal Federal (STF) foi incisivo por ter sido citado na prova do delito, a gravação feita secretamente por Bernardo Cerveró. Não ficaria bonito na fita não prender Delcídio, e levantaria a suspeição sobre todas as suas sentenças. Agora, o Supremo tomará mais cuidado nos pedidos dos acusados futuramente. Os políticos sabem que, depois desse fato, estarão mais vulneráveis e terão maior dificuldade em livrar-se de acusações. O governo voltou a ficar vulnerável depois de acreditar que conseguira reverter a impeachment. A compra da Refinaria de Pasadena voltou à pauta, fortalecida com a delação de Nestor Cerveró declarando que “Dilma sabia de tudo”. Tenta, agora, desvincular-se totalmente da presença forte do senador preso, assim como o PT. E a sociedade sentiu-se mais fortificada por saber que, por meio das redes sociais, conseguiu impedir que este episódio fosse transformado em pizza, que desmoralizaria definitivamente o Poder Legislativo. Terá de continuar incansavelmente lutando para que sua voz seja ouvida e respeitada e todos, sem exceção, sejam julgados e punidos.

 

Lucia Helena Flaquer lucia.flaquer@gmail.com

São Paulo

 

*

CONFISSÃO

 

O sr. Luiz Inácio Lula da Silva cometeu ato-falho ao comentar a prisão do senador Delcídio Amaral (PT-MS). Ao invés de criticar o crime cometido por este, chamou-o de “imbecil” por permitir a gravação da conversa tida com Bernardo Cerveró. Pelos princípios morais que norteiam Lula, o crime não é passivo de punição, e, sim, o fato de ser pego com a mão na cumbuca. E pensar que uma pessoa assim foi por duas vezes presidente da República e, de forma cínica, quer se candidatar novamente.

 

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

 

*

INTELIGÊNCIA

 

Diz a imprensa que Lula qualificou como “burrada” a atitude do senador Delcídio deixando-se gravar na prática de crime. Tem certa razão, pois nem todos têm a inteligência dele, Lula, que Deus e todo mundo o acha um dos grandes, senão o maior responsável pelo mensalão, bem como pelo petrolão, mas ninguém conseguiu provar até agora.

 

Jarvis Viana Pinto jarvisvp@uol.com.br

Ribeirão Preto

 

*

A ‘BURRADA’ DE DELCÍDIO

 

O problema para Lula é o fato de Delcídio ter se deixado gravar, o que o ex-presidente considerou uma “burrada” do senador, e não os crimes que ele estava cometendo. Pois é, mesmo pensando assim, ele pode ser eleito em 2018, porque é a escumalha do eleitorado que vota nele – e a prova está aí, numa pesquisa recente que mostra que 39% dos eleitores o avaliam como melhor presidente, acima de FHC, com 16%, e de demais presidentes. Pois é, quem o acredita morto pode tirar o cavalo da chuva, porque ele só não se elege novamente se a Operação Lava Jato o enquadrar antes.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

REGINA E CÁRMEN

 

Após 22 anos de existência do partido e três tentativas, Lula chegou à Presidência da República em outubro de 2002. Entre essa data e 2015, o Partido dois Trabalhadores (PT) só fez desconstruir o Brasil, no assalto mais ousado de que se tem notícia desde que Cabral aportou por estas bandas. Da eleição de Lula em 2002 até 2015, com Dilma Rousseff já reeleita na Presidência, louve-se a atuação de duas mulheres: a atriz Regina Duarte, que em 2002 disse, em tom de profecia, que “a eleição de Lula dá medo na gente”; e, em 2015, a ministra do STF Cármen Lúcia Antunes, que, ao deliberar sobre a prisão do senador Delcídio Amaral, disse que “o escárnio venceu o cinismo, mas o crime não vencerá a Justiça”. Neste caso Delcídio, pode-se dizer que debaixo desse angu tem até caviar. Muita ilusão de ótica e miragem própria do Saara e do Gobi. Como uma figura política do brilho do senador, líder do governo no Senado, com trânsito na oposição, se mete numa fria como esta, desmoralizante? Seria muita ingenuidade querer tirar do Brasil o perigo Nestor Cerveró numa trama que sobressai a digital da presidente Dilma na compra de Pasadena. Diria Sherlock Holmes: “Elementar, meu caro Bernardo”.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

EM NOME DO PAI

 

A atuação do jovem ator Bernardo Cerveró deve ter sido digna da de Al Pacino em “The Godfather”, quando Michael Corleone finge negociar com os algozes de seu pai, enquanto se prepara, na verdade, para a bem-sucedida vingança.

 

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

 

*

DELAÇÃO PREMIADA

 

O ex-senador Delcídio Amaral (ex mesmo) tem uma grande oportunidade de ajudar o Brasil do futuro. É simples: conte tudo o que sabe sobre a podridão política e corrupta que se instalou no País. Seus netos e os meus agradecerão.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

ESTILO

 

Caro sr. Rui Falcão, presidente nacional do PT, por favor, para o bem de todos, mude o estilo. O PT tem regras espúrias, pois quem não comunga e se arrepende das falcatruas é “traidor”. Dê liberdade para o sr. Delcídio Amaral ter sua própria opinião, pô! Deixe de querer manipular o pensamento do seu bando! Seja gente pelo menos uma vez na vida. Seu partido está esfacelado. Assuma, seja homem, ora!

 

Henrique Gândara clineurohenrique@uol.com.br

Ribeirão Preto

 

*

CORRUPÇÃO

 

Nem precisava da pesquisa para se afirmar que a corrupção, em níveis nunca antes imaginados em qualquer outro país, é o maior câncer do Brasil, mais um grande mérito do desgoverno lulopetralha. Isso vem confirmar o que diz o velho ditado: “Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”. E agora, como se livrar de tanta sujeira?

 

Ariovaldo Marques arimarques.sp@gmail.com.br

São Paulo

 

*

LIMPA FOSSA

 

Quando a Lava Jato adentrar o Palácio, deverá mudar o nome para Limpa Fossa.

 

Luiz Ernesto George Barrichelo legbarri@gmail.com

Piracicaba

 

*

GAVETAS ABERTAS

 

Ainda que seletivas, as investigações sobre corrupção avançam no Brasil. Ainda que insuficientes, prisões e punições vão sendo executadas. Ainda que incompleta, há uma sensação de que agora a Polícia Federal pode agir. Os problemas não foram criados hoje, mas há que se estudar um dia por que no passado recente tudo era engavetado.

 

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Lorena

 

*

AS ENXADADAS DA PF

 

Com a eficiência da Polícia Federal (PF), surgiu um novo ditado popular: “A cada enxadada da Operação Lava Jato, uma cobra”. Tomara que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não consiga trocar os delegados da PF do grupo da Lava Jato em Curitiba por outros delegados comparsas do PT, senão voltaremos ao antigo dito popular: “A cada enxadada, uma minhoca”, e o País fatalmente irá para o brejo.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

GUERREIROS

 

O PT, desde que teve início a Operação Lava Jato, teve inúmeros integrantes de seus quadros presos, inclusive lideranças, que acabou achincalhando uma frase que, de tanto que teve de usá-la, ficou famosa. Vou usar esta frase para recuperar o seu sentido pleno, juiz Sérgio Moro, o verdadeiro guerreiro do povo brasileiro.

 

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

 

*

HEROÍSMO

 

Muitos conterrâneos invejam os países do Velho Mundo, cheios de história e repletos de heróis. Felizmente, o nosso governo do PT está mudando tudo isto que está aí. Logo poderemos nos orgulhar, como nunca antes na história deste país, de ser o campeão em quantidade de heróis, a se manter a atual performance da Polícia Federal e do Ministério Público em descobrir toda semana um ou dois petistas “heróis do povo brasileiro”. Será que falta muito para descobrir o amplamente conhecido herói de todos os heróis?

 

Lazar Krym lkrym@terra.com.br 

São Paulo

 

*

VOZ NO DESERTO

 

O juiz Sérgio Moro não deve recuar. Nós, 200 milhões de brasileiros, vamos estar ao seu lado por um Brasil melhor, sem corruptos e desonestos nesta terra de Cabral. Hoje, com esta gente no poder, nosso povo – em especial no Nordeste – passa sede e fome e nossas escolas e hospitais são comparados aos piores do Terceiro Mundo.

 

J. Devitte j.devitte@devitteseguros.com.br

São Paulo

 

*

CONSIDERAÇÃO

 

Graças a Roberto Jefferson, Joaquim Barbosa, Sérgio Moro e Bernardo Cerveró, nomes que devem ser reverenciados pelos brasileiros, o partido mais corrupto de nossa história chegou ao fim, grande parte da sua liderança está detida, vários políticos investigados e outros, condenados, empresários e banqueiros estão presos, só faltando os elementos da cúpula do partido e seu principal líder prestarem esclarecimentos. Se tiverem culpa, que sejam punidos.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

BANDIDOS

 

Grandes empresários, que foram referência para muitos no passado recente, hoje são muito piores que os bandidos de rua. O pior é que contra estes não adianta carro blindado nem segurança reforçada em nossas casas. Espero que apareçam vários Bernados Cerveró por aí. Deve ter muito político com o sono atrasado ou uma insônia terrível.

 

Roberto Sigaud Rs@s2r.com.br

São Paulo

 

*

IMPRESSÃO DAS EXPRESSÕES

 

Adorei a expressão do Ministério Público sobre os negócios do ainda banqueiro André Esteves com os filhos do amigo de Lula, José Carlos Bumlai: altamente improváveis e escassamente explicáveis. Certamente, isso se aplica a muitos outros negócios e pessoas próximas que têm frequentado o noticiário ultimamente.

 

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo

 

*

O PÉ QUENTE DE BUMLAI

 

O amigão de Lula, José Carlos Bumlai, declarou ter recebido prêmio de capitalização do Bradesco no valor de R$ 2 milhões. O cara é realmente um sortudo. Além de ter recebido empréstimos milionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mesmo com a empresa em estado falimentar, consegue ganhar até o “Pé quente Bradesco”? A exemplo das denúncias que pairam sobre as Mega Senas, só falta, agora, investidores terem o mesmo tipo de suspeita sobre um dos maiores bancos brasileiros. É muita sorte para um cara só, para não ser minimamente suspeito!  Por muito menos, outros bancos sofreram ações por suspeita de lavagem de dinheiro.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

O FIM DO BNDES

 

Este famigerado Banco Nacional de “Desvios” e roubo do dinheiro da Nação, se podemos chamar de nação este lugar que abriga essas bestas sanguinárias do governo e da economia nacional, já passou da hora de deixar de existir. É necessário e urgente que fechem o BNDES. Este banco não tem nada de social, a não ser roubar a produção da sociedade brasileira. Quanto menos ralos tiver o País para que os políticos e empresários corruptos roubem, mais economia haverá e menos dívidas teremos nós, os trabalhadores, de pagar – dívidas feitas pelos psicopatas do poder, que sabem que milhares de brasileiros morrem diariamente por falta de recursos que poderiam ter, se as riquezas que produzimos e os impostos que pagamos servissem ao que realmente é necessário, aos objetivos para os quais  foram criados. Este banco de desvios tem de ser exterminado, fechado, e isso não deve demorar. Quanto mais rápido, mais economia para o povo brasileiro.

 

Nélio Alves Gomes raytomonelio@hotmail.com

Curitiba

 

*

O PT EM MAUS LENÇÓIS

 

De um lado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ameaça colocar na pauta requerimento favorável ao impeachment de Dilma Rousseff; de outro, tudo indica que a prisão do senador petista Delcídio Amaral (PT-MS) ainda trará muita dor de cabeça ao Palácio do Planalto. Delcídio seguramente está um oceano de mágoas, sente-se jogado às feras. A nota do PT largando mão do senador foi indecente, covarde e calamitosa. Agravando o abismo de Dilma com a opinião pública, nova pesquisa Datafolha diminui mais ainda as chances de Lula vencer as eleições presidenciais de 2018. Ou seja, não têm dado resultado político as diversas entrevistas de Lula tentando manter intacto seu patrimônio eleitoral. Foi-se o tempo em que Lula quebrava todos os galhos. Dele, do PT e de Dilma. Lula deveria repensar suas ações e estratégias políticas. Apesar de todo o tsunami político que se abateu, sem tréguas, no PT, tem boas chances de eleger-se senador.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

O TRAPALHÃO EDUARDO CUNHA

 

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é mesmo um trapalhão. Conseguiu ser multado pela Justiça suíça por tentar dificultar a investigação de suas contas naquele país. Não conseguimos entender os motivos pelos quais o presidente da Câmara dos Deputados não declarou essas contas para a Receita Federal brasileira nem tampouco a origem duvidosa dos depósitos nessas contas. Entendemos que ele era um exportador de carne para a África, e bem-sucedido, diga-se de passagem. O que não compreendemos é o fato de ele ter deixado esse negócio tão lucrativo para se dedicar às questões parlamentares do nosso Brasil. Com certeza, ele o fez por amor à Pátria, para se entregar de corpo e alma às sérias questões sociais do Brasil.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

PRIMEIRA VEZ

 

É altamente provável, pela primeira vez na história da República, que um presidente em exercício da Câmara dos Deputados seja preso a qualquer momento.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

DESARME

 

Eduardo Cunha fala em “armação”, ao referir-se no Twitter ao documento encontrado pela Polícia Federal que sugere que ele tenha recebido milhões para aprovar uma medida que beneficiou o Banco BTG. Armação é o que toda esta quadrilha fez com o Brasil e os brasileiros de bem. Desarma, Lava Jato!

 

Elisabeth Migliavacca betymiglia@hotmail.com

São Paulo

 

*

CUNHA E A ARMAÇÃO

 

Deve ser armação do trust dele.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

ESCURIDÃO NO FIM DO TÚNEL

 

Como pode um país das dimensões do Brasil ficar à mercê de políticos como Eduardo Cunha e Renan Calheiros? Alô, STF, cadê o processo contra Renan? Há quantos anos! A população precisa saber quem está travando o seu prosseguimento e se as razões são justas. Infelizmente, o STF passa à população a ideia de se amparar na Constituição para achar justificativas e protelar ações que, se fossem rápidas, ajudariam muito o País. Caso a Constituição amarre as ações, proponham alterações que agilizem os procedimentos. Ainda existem políticos sérios que podem encampar essa ideia. De outra forma, não vejo melhora para o Brasil. Infelizmente.

 

Mario Ghellere Filho marinhoghellere@gmail.com

Mococa

 

*

MEGA SENA

 

O senador Álvaro Dias (PSDB-SP) encaminhou à presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Miriam Belchior, do PT, um ofício em que questiona a instituição a respeito das suspeitas de que sorteios da Mega Sena são alvo de fraudes. O tucano faz referência ao mais recente resultado da loteria, mais uma vez concedido a um apostador de Brasília, quando foi atingida a maior premiação da história, R$ 205 milhões. Tão logo foi divulgado o prêmio, usuários de redes sociais de todo o País passaram a compartilhar vídeos, imagens e teses de que o sorteio fora manipulado. Nem na Caixa podemos mais confiar neste país? O que será dos honestos e não petistas que precisam trabalhar e não ganhar no mole e na propina? É o fim de tudo o que se dizia ético para o PT?

 

Evelin Baruqui Laranja VLhafer e-laranjalhafer@bol.com.br

São Paulo

 

*

MAIS UMA INVERDADE

 

Dilma Rousseff, na França, declarou que os responsáveis pelo desastre em Mariana (MG) foram punidos. Que eu saiba, os únicos punidos foram os moradores.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

DILMA NA COP-21

 

Enquanto seu universo paralelo desmorona, nossa futura ex-presidente curtia as delícias do hotel mais caro de Paris ao lado do “guerreiro do povo boliviano”, Evo Morales. E que os brasileiros comam brioches!

 

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

 

*

‘HORA DE DESARMAR A BOMBA’

 

Cumprimento o leitor sr. José Guilherme Levenstein, em carta publicada no “Estadão” de 30/11, “Hora de desarmar a bomba”, que, sem cobrar nada, traça um diagnóstico do Brasil e dá a solução para o enfrentamento da crise. As medidas propostas colocam em xeque a capacidade deste governo, que só pensa em aumentar impostos, saqueando cada vez mais o bolso dos trabalhadores, mas cortar na própria carne, nada. Como se vê, o Brasil tem solução, é preciso pessoas com vontade de arrumar a casa, pois, para destruí-la, este governo se incumbe. Se Joaquim Levy ler a carta deste cidadão, vai pedir o seu boné. 

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

ZIKA

 

Acreditando que este governo já deveria ter caído, ofereço a seguinte ideia genial para o próximo que vier: para combater a zika, tragédia na saúde sem precedentes nos últimos cem anos, devemos acabar com as favelas, começando pelo Rio de Janeiro e por São Paulo. Levar esgoto, água encanada, eletricidade subterrânea e o que mais se fizer necessário prioritariamente. Quem o fará? Escolas de samba do Rio e de São Paulo serão as responsáveis por todo o processo, incluindo cadastramento de todos, caso seja preciso retirar alguns moradores, até a conclusão das obras. Financiamento: BNDES, prefeituras, governos estaduais e federal, empresas de água, luz, telefone e TV. Considero a urbanização de favelas em todo o Brasil prioridade máxima, uma vez que o Aedes Aegypti, mosquito responsável pela  transmissão da zika, não será extinto se não houver esgoto, principalmente em favelas (chega de dizer comunidade). Culpar o vaso de planta de uma dona de casa, a caixa d’água destampada, a piscina mal cuidada por toda essa epidemia que já dura anos é acreditar que o responsável pela compra de Pasadena é quem servia o cafezinho nas reuniões da Petrobrás.

 

Regina M. Ferrari ferrari@tavola.com.br

Santana de Parnaíba

 

*

A MAQUIAGEM DE FERNANDO HADDAD

 

Lamentável que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), se preste, assim como sempre fez seu partido com o PAC, a trapacear números – e, neste caso, para inflar meta de moradia popular. A promessa de que até 2016, fim de seu mandato entregaria, 55 mil moradias jamais será materializada. Porém, em seu balanço apresentado pela Secretaria da Habitação, de 8,5 mil entregues até aqui, 42% destas, ou 3,6 mil moradias, foram financiadas e construídas pelo setor privado. Ou seja, sem nenhuma participação da administração deste incompetente Haddad. O prefeito que já deu um nó na cabeça dos paulistanos com suas desertas ciclovias e faixas exclusivas improdutivas de ônibus, com a credibilidade em baixa, só comparada com a de sua colega de partido Dilma Rousseff, agora, no desespero para tentar se reeleger em 2016, faz também até “o diabo” maquiando números, como se o seu eleitor fosse idiota. Este é modo de administrar do PT...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.coam

São Carlos

 

*

MAIS UM PARTIDO POLÍTICO

 

Meio estranho Marina Silva, ex-senadora, candidata a presidente da República, ter tido uma luta incansável para criar um novo partido e, agora, do além, surge o PMB, o Partido da Mulher Brasileira. Não há algo estranho?

 

Vital Romaneli Penha vrpenha@terra.com.br

Machado (MG)

 

*

NOVO GOVERNO ARGENTINO

 

Cristina Kirchner, presidente da Argentina, sai do poder mais rica, após 12 anos de kirchnerismo. Ora, e quem não sai mais rico no exercício da presidência? Raros são os que saem com o mesmo patrimônio. O ex-presidente Lula, por exemplo, antes de se eleger presidente em 2002 morava num quarto alugado. E como saiu, oito anos depois?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

BONS VENTOS

 

Cumprimento o político Mauricio Macri por sua difícil vitória no pleito argentino. Antevimos sua vitória tão logo vimos no palanque de seu adversário a presença do sr. Luiz Inácio, o xeretão, dando seus costumeiros pitacos. E não deu outra... Sua visita ao Brasil será bem-vinda. Falaremos sobre Messi, Gardel, churrasco, petróleo, etc. Inútil, porém, qualquer colóquio sobre política. A situação aqui está arraigada e empacada em 1917, e falar da situação da Venezuela, entre outras, provoca chiliques. O único progresso do grupo foi o tamanho das mãos e dos bolsos em que desavergonhadamente pilharam as burras do País. A tarefa de Macri também será muito difícil, vai enfrentar uma herança bastante maldita. Boa sorte e bons ventos a ele.

 

Edgard Bellotti edbellotti@gmail.com

São Paulo

 

*

OCIDENTE X ESTADO ISLÂMICO

 

Vejam só que situação complicada a dos franceses (para não falar do Ocidente): se não acolhem de braços abertos os refugiados da Síria em guerra, são tachados de desumanos; se os acolhem, são desumanos também, por, já tendo mais de 3 milhões e meio de desempregados em seu país, relegarem essas populações a guetos, tornando-as propensas à doutrina do terror. É, com os cristãos confusos desse jeito, o Estado Islâmico não terá com o que se preocupar...

 

Rinaldo Koester Santori koestersantori@yahoo.com.br

Limeira

 

*

‘LIBERTÉ, FRATERNITÉ, ÉGALITÉ’

 

Após os tristes acontecimentos de 13 de novembro, os franceses estão convencidos mais do que nunca de que a “liberte” precisa ser reconceituada de modo a abranger um perímetro maior de restrições, visando ao bem comum e à adaptação a esses novos tempos de islamização do país, lentamente permitida ao longo dos anos pelos seus políticos socialistas; que a “fraternité” está mais para um ambiente dostoiévskiano, onde estão inseridos atores parecidos com os irmãos Karamazov, do que para um ideal de convivência harmônica entre os povos, servindo as ações do mundo real de base para retóricas objetivando primordialmente a acomodar e preservar o poder dos governantes unidos por interesses comuns e turbinar as cínicas relações internacionais; e, finalmente, que é necessário exibir uma dose menor de ousadia quanto à “égalité”, uma bobagem que se sabia há muito de natureza utópica e pela qual os “enfants de la Patrie” lutaram e acreditaram, mas que, pouco tempo depois da revolução francesa, descobriram a ilusão.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘O CALIFADO AMIGO’

 

Finalmente, alguém põe o dedo na ferida sobre os inúmeros crimes cometidos na Arábia Saudita. A jornalista Adriana Carranca (29/11) definiu com perfeição a situação naquele país ao chamá-lo de “califado amigo”. As democracias ocidentais, quando se trata de petróleo, fingem que o desrespeito a direitos humanos pode ser justificado em nome de um pretenso tradicionalismo religioso. Estados teocráticos não poderiam fazer parte da ONU, afinal contra dogmas não há argumentos. Aconselho a todos a lerem o artigo, por si esclarecedor.

 

Luigi Petti pettirluigi@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.