Fórum dos leitores

‘GOVERNO’ LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2015 | 02h55

De mal a pior

Segundo o boletim Focus, do Banco Central, o ano de 2015 deve fechar com inflação de 10,38% e contração do produto interno bruto (PIB) de 3,19%. São números assustadores, que nos dão a certeza de que não há espaço para impeachment de Dilma Rousseff – processo lento, que pode levar seis meses. O Brasil não vai aguentar a inércia desse governo por mais esse tempo. A renúncia da presidente da República é solução viável e imediata para sairmos da pasmaceira em que ela nos colocou. A única coisa que não pode acontecer é Dilma ficar na Presidência como mera voz a dar ordens erráticas e sem viabilidade. Ninguém acredita nem confia mais nela. Se tem um pingo de amor ao Brasil, renuncie, presidente!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Recessão x corrupção

Observação descabida: se não houvesse a Operação Lava Jato, a recessão brasileira seria bem menor, segundo Alessandra Ribeiro, economista da Consultoria Tendências. Então, a Lava Jato foi um erro? Ora! A informação deveria ser: rombo provocado pelo governo federal, por parlamentares e partidos, principalmente da base aliada (PT, PMDB e PP), ministros, “empresários e seus filhos”, banqueiro, etc., investigados na Lava Jato, deve proporcionar impacto negativo de 2,5 pontos porcentuais no PIB deste ano. E um complemento: caso não houvesse essa operação, o céu seria o limite!

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Desemprego

Da mesma forma que o termômetro não é culpado pela febre que revela num organismo, a Operação Lava Jato também não pode ser responsabilizada pelo desemprego provocado pela enorme corrupção que ela vem revelando em extensas áreas do governo federal, em especial na Petrobrás. O desemprego é em grande parte decorrência dessa corrupção desenfreada que saqueou a Petrobrás e outras estatais, a qual, somada à incrível incompetência da administração do governo petista, deixou essas empresas sem recursos para tocar seus projetos, causando paralisações em diversos empreendimentos. A Operação Lava Jato apenas cumpre seu papel constitucional de apurar crimes e propiciar a punição dos culpados pela Justiça, enquanto o governo petista procura disseminar o entendimento de que é ela a culpada pelo desemprego que seu governo patrocinou.

PAULO T. SAYÃO

psayaoconsultoria@gmail.com

Cotia

As últimas da Lava Jato

Agora vale a pena esperar mais um pouco para ver se passa a vergonha de ser brasileiro.

FABIO MORGANTI

tao2@terra.com.br

São Paulo

EDUCAÇÃO

Protesto e vandalismo

Reza um antigo ditado: a pior roda do carro é a que range. Nada mais apropriado para definir as manifestações de alunos e professores em São Paulo. Enquanto a imensa maioria deles quer estudar e trabalhar, uma minoria barulhenta de sindicalistas da Apeoesp e de vândalos fantasiados de alunos inferniza a vida dos paulistanos, interrompendo o tráfego e depredando o patrimônio público e privado.

LUIGI PETTI

pettirluigi@gmail.com

São Paulo

Massa de manobra

Sem motivo e desconhecendo a proposta do governador Geraldo Alckmin a respeito da reorganização escolar, os jovens estudantes que protestam nas ruas, perturbando o trânsito e mantendo fechadas algumas escolas, só têm a perder, pois estão servindo de massa de manobra para o PT, partido que prega o quanto pior, melhor.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Se o governo de São Paulo, do PSDB, oferecer ensino de qualidade, de graça, e ainda bolsa para todos, a Apeoesp, dominada pelo PT, iria fazer manifestação de protesto. A eles só interessa o conflito político.

LUÍZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Ensino por ciclos

Uma certa dose de obscurantismo parece contribuir para desviar a atenção das vantagens da unificação das escolas em ciclo único. Uma evidente contaminação político-sindical desvirtua o sentido dessa proposta de reorganização, resumindo-a a simples e equivocados objetivos que envolvem o fechamento de escolas e o desemprego de professores. Pais e alunos desinformados entram facilmente nessa onda, formando a massa de manobra tão útil aos líderes desses movimentos, que nem estudantes ou profissionais do ensino são. Tive o privilégio de ver meus filhos frequentando escolas públicas organizadas por ciclos, quando fazia pós-graduação nos EUA. Na época, final dos anos 80, impressionava-me a estrutura das escolas quanto ao preparo específico dos professores e às instalações, assim como os equipamentos, bibliotecas, refeitórios, cardápios, tudo focado em determinada faixa de idade. Claro que no nosso caso é um primeiro passo, mas está mais do que na hora de se pensar em sair da zona de conforto hoje existente e entender que para o futuro essa é uma medida que vai contribuir de forma significativa para a melhoria do ensino fundamental.

FLAVIO CARLOS GERALDO

madflavio@uol.com.br

São Paulo

Só resta chorar

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), embandeirado durante a campanha presidencial da candidata do PT, posteriormente reeleita, como uma das mais importantes realizações do seu primeiro mandato no campo do ensino profissional, portador, portanto, de esperança para milhares de jovens que ansiavam por uma alternativa de emprego qualificado, está com orçamento reduzido, resultando em corte dramático de vagas, gerando um clima de frustração entre os que nele acreditaram e criando também uma situação de extrema dificuldade para os gestores das escolas que se engajaram no sistema, sem receber recursos há alguns meses, configurando até a ameaça de fechamento de várias unidades. Mais uma faceta de um dos maiores estelionatos eleitorais de que se tem notícia na História da República, exatamente num setor fundamental para o crescimento do País. Sem falar que o discurso de posse da presidente anunciava o surgimento da “pátria educadora”, slogan do governo que então se iniciava e a cujos estertores estamos assistindo. As bolsas de estudo estão atrasadas; os hospitais universitários, quase fechando; e as unidade de ensino dos vários níveis, com funcionamento precário. Só resta chorar.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

FALÊNCIA OFICIALIZADA

 

Se o Congresso Nacional não aprovar o projeto que altera a meta fiscal deste ano, prevendo um déficit primário de quase R$ 120 bilhões, o governo pode atrasar o pagamento de contas de água, luz e telefone, afirmou o secretário executivo do Ministério do Planejamento, Dyogo Oliveira (“Estado”, 1/12). Só faltava essa. São tantas as vergonhosas barganhas que o Brasil deveria ser conhecido como a República Federativa das Chantagens! Mas, voltando à choradeira, que maravilha se isso acontecesse, assim o governo sentiria na pele o que milhões de brasileiros estão sofrendo, com o aumento absurdo das tarifas, provocado pelas medidas eleitoreiras, populistas e irresponsáveis adotadas em 2014 pelo governo, com o firme propósito de reeleger a presidente Dilma Rousseff. É claro que as concessionárias de luz, água e telefone não agirão contra a “galinha dos ovos de ouro” e, mesmo se o fizessem, o governo daria um jeitinho com ligações clandestinas para suprir suas necessidades, pois “gato”, com perdão do bichano,  é  o que não falta na administração pública.   

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

O FUNDO DO POÇO

 

Como eu já neste espaço previra, chegamos ao fundo do poço. Não haverá como comprar o jantar, pois não sobraram nem restos do almoço.

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

DECADÊNCIA TOTAL

 

A partir de segunda-feira, o governo federal, desmoralizado e inadimplente, porque já não paga as empreiteiras que tocam obras públicas, agora também não vai pagar a conta do cafezinho, da luz, de água, telefone, passagens aéreas, etc. Gastou mal e o que não tinha, e agora, desesperado, vai ter de cortar do orçamento R$ 10,7 bilhões para não ser criminalizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Não resta outra alternativa para o Planalto que não seja a reza brava a todos os santos para que o Congresso Nacional aprove a nova meta fiscal negativa e inédita de R$ 120 bilhões.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

QUANDO ACABA O BOLO

 

O PT assumiu o Executivo federal e, em pouco tempo (mensalão), demonstrou a que veio. Disseminou na máquina governamental asseclas em agências, estatais, relações internacionais, etc., e, como tantos articulistas já apontaram, a herança maldita seria a falta de ética, o roubo contínuo do dinheiro público, a incompetência nas coisas sérias. Distribuíram o “bolo” do momento para assegurar votos futuros, contando que do forno sairiam “bolos” permanentes, sem a mínima cautela. Deu no que deu: tragédias, crise econômica, volta ao estado de pobreza para tantos, desemprego, etc. E a incompetente e irresponsável não quer sair, faltam-lhe realismo e patriotismo. Na nossa empresa, já teria sido demitida há muito tempo.

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

 

*

CASSINO BRASIL

 

Com o País imerso numa crise ética sem precedentes, surpreendido a cada dia com novos escândalos de corrupção tramados nos gabinetes de Brasília, que desonram o governo e o Congresso e lhes subtraem qualquer resquício de dignidade e credibilidade, o “Estado” nos informa sobre um projeto em curso no Senado, com amplo apoio dos parlamentares, para reabrir os jogos de azar – bingos, cassinos, caça níqueis e jogo do bicho! A experiência do propinoduto de 2004, a máfia das máquinas contrabandeadas, os efeitos do vício e as recentes suspeitas de fraude até nos sorteios de loteria não bastam. Os interesses “em jogo” falam mais alto, a começar pelo fato de que os políticos poderão ser – eles próprios ou seus laranjas – beneficiários dessas novas concessões. Com essa intenção, os senadores mostram-se não apenas indiferentes à crise moral que se abate sobre o Brasil, como também não se constrangem de contribuir para fomentá-la. Mais escolas e menos cassinos!

 

Celso L. P. Mendes cpmconsult@uol.com.br

São Paulo

 

*

A LEGALIZAÇÃO DOS JOGOS DE AZAR

 

Bingo!

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

 

*

A VANTAGEM DO DINHEIRO

 

O chefe de gabinete de Delcídio Amaral (PT-MS) está preso. Mas seu pai é assessor de Humberto Costa (PT-PE), sua mãe trabalha na Advocacia do Senado e o irmão é empregado de Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE). Como se vê, estão todos arranjados e certamente ralaram para passar num concurso público. Marcelo Odebrecht desfruta de regalias no Complexo Médico-Penal em Pinhais e o banqueiro André Esteves preferiu o bacalhau do Antiquarius à quentinha de moela com purê, comida servida aos detentos. Essas notícias estão publicadas, portanto são de conhecimento público. Causa indignação saber que, mesmo tendo cometido tantos ilícitos, esta gente vai para a cadeia para veranear. Gostaria de saber o que pensam os juristas que decretam a prisão deles. Têm dinheiro e, por isso, têm privilégios? Deve ser para isso que serve o dinheiro que eles tanto se arriscam para ter. Como disse Lula, ele não quer um advogado que lhe diga o que fazer, mas um que o defenda quando ele fizer. Simples assim. Desoladoras as notícias e um acinte a desfaçatez com que agem estes ladroes do dinheiro público, nas barbas da Justiça. Enquanto o povo deixar, os roubos vão continuar.

 

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

ABANDONADO

 

Os que visitaram o senador Delcídio Amaral na Polícia Federal ouviram queixas de abandono pelo PT e pelo ex-presidente Lula. Classificou o comportamento do partido de “covardia atroz”. Senador, se o sr., ao se filiar ao PT, não sabia o que era (ou é) o partido, foi muito inocente. Este partido só dá valor a terroristas, José Dirceu, José Genoino e outros. Acho que a cigana te enganou, senador.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ARQUIVO VIVO

 

Delcídio Amaral é um arquivo vivo, e o PT já declarou que o abandonou. Que ele faça um acordo de delação premiada urgente e evite o risco de ser “apagado” sem dó nem piedade, como fizeram com Celso Daniel e com Toninho de Campinas. Pelo bem do Brasil e pelo bem de sua família, ajude a limpar o País, caro senador, e salve o que resta de sua biografia.   

 

Ana Maria Carmelini anacarmelini@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O INSTITUTO DA DELAÇÃO PREMIADA

 

Na verdade, a Operação Lava Jato demonstrou definitivamente a importância que o instituto da delação premiada traz para as apurações judiciárias. Não fossem várias delas, contribuições de suma importância para a Justiça e o País saberem como operavam os assaltantes da coisa pública, ninguém ficaria a par dos delitos cometidos por políticos e empresários, todos encastelados nas suas trincheiras e blindados contra tudo e todos, inclusive a imprensa, sempre evitada e despistada. Foi, então, com a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal que a colaboração premiada assumiu a atual importância, desenterrando malfeitos e desbaratando quadrilhas e bandos. Na atualidade, trata-se de um instituto louvável e elogiável.

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

 

*

TRAÍDO PELA BAZÓFIA

 

Se o senador Delcídio Amaral não tivesse citado nomes de três ministros do STF, será que seria preso em estado de flagrância? Duvido.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

VERDADEIRA GANGUE

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, quando recebeu os primeiros processos da Operação Lava Jato, disse que, se “puxam uma pena, vem uma galinha”. Pelo andar da carruagem, tem vindo um galinheiro inteiro, ou uma granja, ou vários abatedouros. Realmente, trata-se de um esquema muito bem arquitetado, com vários camaradas ligados pelo dinheiro de corrupção. E, quando se pega um polo, atrás dele vem uma fileira de bandidaços. Gente que posava de honesta e livre de qualquer suspeita. Aos poucos, vamos conhecendo a turma que forma uma verdadeira gangue implantada no coração do governo.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

PERPLEXIDADE, MENTIRAS E DESCASO

 

Perdida e esquecida, fisicamente falando, em terras parisienses, Dilma Rousseff perdeu-se pela palavra ao abordar, finalmente, aspectos superlativos da vida nacional para os jornalistas que acompanhavam a comitiva brasileira. Declarou-se “perplexa” com o ocorrido com o senador Delcídio Amaral, sem mencionar nem uma vez que ele era o líder do governo dela no Senado. Perplexidade é uma situação de indecisão, o que, aliás, acontece desde o primeiro dia do seu segundo mandato, que ainda não começou. A seguir, mentiu ao desdizer o que é do conhecimento geral, qual seja: as indicações de Nestor Cerveró para dois cargos ligados à Petrobrás. Finalmente, após passar um fim de semana em Paris, num excelente e caríssimo hotel, sem agenda conhecida, embarcou para o Brasil sem ao menos cumprir o ritual que quase todos os chefes de nações presentes à reunião fizeram: prestar uma homenagem aos mortos da recente tragédia, colocando flores em frente ao conhecido Bataclan. Mas o que esperar de alguém que foi presa, julgada e condenada por ter ajudado a explodir um jovem soldado?

 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

CASO DELCÍDIO

 

Perplexos ficamos nós, com a perplexidade da sra. Presidente Dilma.

 

José Sergio Trabbold jsergiotrabbold@hotmail.com

São  Paulo

 

*

O QUE ME RESTA

 

Nojo é o que sinto dos políticos do meu país. Perplexo, com a certeza de que nada mudará enquanto esta corja de incompetentes estiver no poder. Ânsia, com tudo o que é divulgado a seu respeito. Só me resta uma coisa: vomitar, para que eu possa me sentir um pouco mais confortável.

 

Antonio Boer toboer@uol.com.br

Americana

                        

*

CHANTAGEM

 

O presidente da câmara dos deputados (minúscula mesmo!), Eduardo Cunha (PMDB), rosnou (me perdoem os cães!) com o governo que, se os petralhas que integram o Conselho de Ética votassem contra ele pela abertura de processo por quebra de decoro parlamentar, ele daria andamento aos pedidos de impedimento contra a sra. Rousseff. É assim mesmo? Chantagem descarada, sem pejo e sem cerimônia? Tenho uma sugestão: melhor gradear o entorno dos palácios, residências dos incomuns, enfim, o Parlamento, para evitar mais despesas com transferências de malfeitores de Brasília para Curitiba. Afinal, os pagantes da esbórnia (nós, os contribuintes) não aguentamos mais ver nosso suado dinheiro rolar para o sumidouro da corrupção!

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

JOGO DE EMPURRA

 

Cunha pressionou Dilma para que não deixasse o PT votar a favor de sua saída da presidência da Câmara, sob pena de dar prosseguimento ao pedido de impeachment da “presidenta”. O presidente do PT liberou seus “cumpanheros” para votarem contra a permanência de Cunha no poder. Será que existe alguém que tenha “vergonha na cara” e coloque os dois no olho na rua?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

NÃO ADIANTA CHORAR

 

Se Eduardo Cunha conhece o adágio popular “ganha na foice e perde no machado”, já deveria ter renunciado. Se os petralhas, como são chamados pela imprensa, o absolverem no Conselho de Ética, ele deve refletir sobre a frase da ministra Cármen Lúcia de que os malfeitos “não passarão”.

 

Mário Ghellere Filho marinhoghellere@gmail.com

Mococa

 

*

EM BAIXA

 

As manobras regimentais nos Parlamentos em questões em que está em jogo o interesse de algum parlamentar diminuem o conceito de toda a classe política. Mas, pelo visto, isso não está sendo levado em consideração por aqueles que têm o nome a zelar. É o que se constata no processo relativo ao deputado Eduardo Cunha, no processo discutido no Conselho de Ética da Câmara. É um fato lamentável. Afinal, ele deve ou não ser cassado pelo seu comportamento irregular?

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

CRIME

 

Instaurar o processo de impeachment da presidente é uma questão que não pode estar na simples vontade de um senhor acusado de diversas falcatruas. O que tem de ser respondido é onde se enquadra o crime de chantagem explícita. Alguém tem de dar um basta!

 

João Israel Neiva jneiva@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

CONSELHO DE ÉTICA (?)

 

Assisti, estupefato, à discussão no Conselho de Ética (?) da Câmara dos Deputados sobre quem chegou antes para marcar presença! Parecia um bate-boca de crianças da 1.ª série do ensino fundamental, em que Juquinha e Chiquinho se esguelavam para mostrar à “fessora” qual deles fora mais pontual. Enquanto isso, de Eduardo Cunha não se falava (“et pour cause”). Que vergonha!

 

Eduardo Spinola e Castro  3491esc@gmail.com

São Paulo

 

*

ESCAMBO

 

Inaceitável o que Dilma e Cunha estão fazendo. Um péssimo exemplo para todos, coisa mais do que vergonhosa, digna desta corja que está no desgoverno e no Legislativo. Mais um horror que estamos, infelizmente, presenciando.

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

 

*

O MESMO

 

Por que será que o cidadão Cunha continua irado e ameaçando tudo e todos? Será que a água começou a bater no seu “assento”. Quanta arrogância. Será que ele pensa que viverá eternamente, como um do seu convívio? Está na hora de enquadrar este cidadão de uma vez por todas.

 

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

VERGONHA NA CARA!

 

Até quando este senhor Cunha abusará de nossa paciência, de nossa inteligência e de nosso brio de brasileiros honestos, fazendo chantagem para manter-se no cargo? Agora, diz que, se derem prosseguimento à ação de cassação de seu mandato, imediatamente põe em votação o impeachment da presidente Dilma. Ora, isso é um acinte às instituições deste país, o que este senhor pensa que é?! E ninguém vai fazer nada?! Enquanto isso, o Brasil se afunda mais na recessão e no desemprego! Faça-me o favor, srs. congressistas, está mais do que na hora de criarem vergonha na cara, não está?

 

João M. Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

 

*

GUERRA DE QUADRILHAS

 

O Brasil esta assistindo a uma verdadeira guerra de quadrilhas criminosas. O PMDB de Eduardo Cunha, pego em flagrante com dinheiro sujo em contas não declaradas, ameaça o PT da presidente Dilma, que se encolhe de medo, pois tem culpa em todos os escândalos de corrupção da história. Nessa briga não tem mocinho, só bandidos, ninguém presta. O Brasil seria um país melhor se PT e PMDB se aniquilassem e continuassem a briga em algum presídio de segurança máxima.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DEGENERAÇÃO

 

Dois fatos recentes ilustram o alto grau de degeneração de nossos políticos. Em Paris, a presidente Dilma Rousseff declarou que “não sabia de tudo” sobre a compra da Refinaria de Pasadena. Grande avanço, pois até agora ela sempre “sabia de nada”. E, na Câmara dos Deputados, o presidente da Casa continua com seu joguinho criminoso de chantagear o Planalto e o PT. Será que esses dejetos políticos ainda não perceberam que o Brasil não suporta mais tanta bandidagem?

 

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

 

*

A REFINARIA DE PASADENA

 

Em Paris, dona Dilma Rousseff declarou que não sabia de tudo sobre a refinaria. Então, alguma coisa ela sabia, e, mesmo assim, autorizou a compra!

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

 

*

A GRANA DA CORRUPÇÃO

 

Devagarzinho, sem que ninguém perceba, boa parte da grana roubada da Petrobrás, do BNDES, da Eletrobrás, dos Correios, etc. está indo para as contas bancárias dos advogados que defendem os ladrões.

 

Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br

São Paulo

 

*

A HOSPEDAGEM DE DILMA

 

É de dar nojo ver, nestes dias, a nossa desprezível “presidenta” se hospedar na suíte presidencial do Hotel Le Bristol, lá em Paris, cuja diária está em volta de R$ 70 mil, isso sem contar com a sua numerosa comitiva de desocupados, mordomias nababescas, carrões de luxo e motoristas à disposição, etc. Enquanto isso, aqui, no Brasil, milhões de desempregados passam fome. É o fim da picada.

 

Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com

São Paulo

 

*

VOTO NO PAPEL

 

Há males que vêm para o bem. O contingenciamento orçamentário imposto pelo governo pode levar a Justiça Eleitoral a fazer as eleições municipais de 2016 sem urna eletrônica, retomando os votos em cédulas de papel, o que é muito bom, já que as urnas são vulneráveis a qualquer hacker que pode invadi-las e alterar resultados. Se fossem seguras e eficientes, como dizem, não seriam proibidas em países como Holanda, Bélgica, Alemanha, França, Argentina e em dezenas de Estados norte-americanos. Além do mais, vão possibilitar a economia de mais de R$ 200 milhões e uma eleição mais segura.

 

Fernando Bandeira assindical@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ELEIÇÕES IMPRESSAS

 

Muitos podem achar que usar o modo em papel para eleições é um retrocesso, mas, se observar nos processos eletivos políticos de grandes países de Primeiro Mundo, ricos em potência, inclusive em tecnologia, prevalece ainda a votação impressa, escrita nas cédulas pelos eleitores. A votação eletrônica é algo ainda descartado nos Estados Unidos, por exemplo.

 

Célio Borba borba.celio@bol.com.br

Curitiba

 

*

NOVA ‘ARMAÇÃO’ DO PT

 

As próximas eleições poderão ser manuais. A desculpa é falta de dinheiro: depois que limparam os cofres do Tesouro, é provável que não tenha mesmo dinheiro. Mas o povo brasileiro tem duas soluções “extremas” para que as eleições ainda não sejam manuais, a saber: em 2016, ano de eleição, os salários anuais de todos os congressistas, deputados federais e senadores, deputados estaduais e vereadores, ministros, secretários e cargos de confiança, etc. seriam reduzidos em 50% e esse valor custearia as eleições eletrônicas com emissão de comprovante impresso. Caso não aceitem, e para reduzir o custo, cada cidadão levaria  um pedaço de papel em branco, pode ser um recorte ou pedaço de papel higiênico, de qualquer marca, com o nome e número do candidato e o número do título eleitor, mais nada, e depositaria o voto na urna lacrada no local de votação, que será aberta quando da apuração, que pode demorar até dez dias. Com a palavra, o Judiciário, para determinar como serão as próximas eleições. O PT destruiu o Brasil... Sem o voto impresso, nem pensar!

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

 

*

TRAGÉDIA NO RIO DOCE

 

Em depoimento na conferência do clima em Paris, a presidente Dilma Rousseff declarou que o rompimento da barragem de Mariana, em Minas Gerais, foi o maior desastre ambiental do Brasil. Ela prometeu punições severas aos responsáveis. Muito bem, porém, imputou a culpa às empresas e não mencionou nada sobre os órgãos dos governos: o Ibama, o DNPM e as secretarias de meio ambiente estaduais e municipais, que nada fizeram. Depois da porta arrombada, não há multa ou cadeia que dê jeito na tragédia ambiental do Vale do Rio Doce. Vidas foram perdidas; ecossistemas, destruídos; fauna e flora, dizimadas; a recuperação será caríssima e demorada. Estes são os resultados da negligência dos envolvidos. Lamento que a presidente sempre coloque a culpa pelos malfeitos em outros e não tenha a humildade de olhar para o seu próprio umbigo.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ACUSAÇÃO

 

A sra. presidente Dilma Rousseff, em cerimônia Paris, acusou, no caso do desastre ambiental de Mariana (MG), a “ação irresponsável de pessoa que vai ser severamente punido”. De outro lado, sobre as suas omissões, as de Gilberto Kassab (ministro das Cidades) e as de Isabella Teixeira (ministra do Meio Ambiente) em não utilizar verbas de prevenção de acidentes, ela, Dilma, não põe a carapuça.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

PRESIDENTE IRRESPONSÁVEL

 

Punição severa para a principal responsável pela tragédia de Mariana? O imediato impeachment de Dilma, que não vê nada, não fiscaliza nada e não sabe de nada.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

A ROTA DA LAMA

 

Já transformado em mar de lama, o Rio Doce enveredou pelo litoral capixaba. Só não avança até Brasília porque o Congresso Nacional não admite concorrência. Calheiros, feche a porta dos teus mares!

                                                 

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

 

*

HÁ MALES QUE VÊM PARA O BEM

 

A página de Sonia Racy no “Caderno 2” do “Estadão” de 30/11 foi publicada entrevista com o presidente da Samarco, sobre o maior desastre ambiental do País, com o rompimento de duas das suas barragens na cidade de Mariana. E o entendimento de algumas de suas respostas que deu na entrevista soou, para mim, como o velho adágio popular “há males que vêm para o bem”. O presidente, que é engenheiro metalúrgico e preside a empresa desde 2012, afirmou não saber ainda por que ocorreu a tragédia que causou destruição inédita no meio ambiente na bacia do Rio Doce e que as lições do acidente vão servir para o mundo inteiro. Pouco após a tragédia, o “Estadão” publicou reportagem narrando que já em 2013 técnicos da Universidade Federal de Minas Gerais inspecionaram aquelas barragens e alertaram sobre sua condição crítica, inclusive a matéria continha informações de que as barragens funcionavam com um índice de segurança abaixo do limite recomendado. Na entrevista, este assunto não foi abordado, o que, para mim, como engenheiro, teria sido um dos fatores mais importantes para o entrevistado esclarecer a ocorrência do dantesco desastre. Mesmo um citado abalo sísmico é um fator que deveria ter sido levado em consideração nos cálculos do projeto daquela estrutura, apoiando-se em levantamentos históricos da região. Tais indicativos não se coadunam com a convicta afirmação do entrevistado de que não houve omissão, pois “havia um plano de contingência, aprovado pelos órgãos competentes”, o que, a rigor, não explica nada. Tanto que, ao responder à pergunta se o plano funcionou, a resposta foi que “a discussão sobre o funcionamento dele, ou não, é outra discussão”. Mas é óbvio que não funcionou. E, por fim, cumpre ressaltar o fato de ser citado na entrevista que “as avaliações do desastre falam em seis ou oito meses para a recuperação ambiental” e a resposta foi que “não temos como precisar uma data. Contratamos a Golder Associates, empresa mundial em recuperação de desastres dessa natureza. É preciso que eles nos auxiliem no diagnóstico e no plano de ação, que é expertise deles”. Esse prazo de recuperação ambiental é simplesmente ridículo, pois o estrago causado vai levar décadas para uma eventual recuperação total. Eu, de minha parte, teria contratado uma empresa de competência reconhecida, antes, para realizar um projeto que assegurasse a máxima confiabilidade possível de segurança, para evitar que qualquer desastre não pudesse ocorrer. Inclusive com o aproveitamento de tal volume de rejeito, como agora o presidente informou que a empresa lidera muitos estudos, como fazer tijolos para casas, bloquinhos para a pavimentação, enumerando ainda outros. E essa, a meu juízo, deveria ser uma das primeiras providências da empresa, que foi fundada em 1977. Por um simples e único motivo de que punha em risco a vida de milhões de pessoas e todo o eco sistema do Rio Doce e seus afluentes, além do ambiente do Oceano Atlântico na região do estuário do daquele rio e que vem afetando seriamente o Projeto Tamar e a sobrevivência dos pescadores daquela região.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

A OCUPAÇÃO DAS ESCOLAS E A SEGURANÇA PÚBLICA

 

A ocupação das escolas públicas de São Paulo, por estudantes e atravessadores que tentam politizar o movimento de protesto, está caminhando para um terreno perigoso. Insuflados, os alunos saem às ruas e realizam bloqueios em pontos estratégicos. Alguns já foram removidos por força policial. Os jovens precisam ser orientados a não cometerem ilegalidades com o fito de apoiar o seu movimento. Alguém tem de dizer-lhes que não são o fechamento de vias públicas e a periclitação da vida da população que vão demover o governo de executar o seu plano. Também devem ser convencidos do princípio básico de que ordem judicial não deve ser discutida, mas cumprida e recorrida na instância adequada, em caso de discordância. O ideal é um movimento firme de negociação e convencimento dos jovens a lutarem apenas com suas bandeiras e evitarem infiltrações. Já ocorreram momentos de tolerância, mas, mesmo assim, ainda é interessante que se evite o emprego da força, pois isso seria prejudicial tanto aos estudantes quanto ao governo e só beneficiaria os atravessadores, fabricantes do caos.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

 

*

CULPA DO GOVERNO DE SP

 

Antes de as pessoas culparem os estudantes que ocuparam escolas por estarem “atrapalhando” a vida de outros que querem estudar ou pelos transtornos que as manifestações causam à cidade, elas devem saber que os únicos culpados são o governador do Estado e seu secretário da Educação. Em nenhum outro país do mundo fecham-se escolas. Pelo contrário, abrem-se escolas. Esta insanidade de reorganizar e fechar escolas, sim, prejudica estudantes, pais de alunos e responsáveis. O governo do Estado também deve ser responsabilizado por adolescentes que venham a ser feridos pela ação truculenta da polícia. Todo mundo sabe que tropa de choque joga gás de pimenta e bombas de gás em quem estiver pela frente, independentemente da idade.

 

Odair P. de Jesus odair.pj@gmail.com

São Paulo

 

*

EM BUSCA DE APOIO

 

Sempre fico intrigado quando me deparo com uma destas manifestações em vias públicas, tipo protestos de grevistas, sem-teto, etc. Fico pensando: qual o objetivo dessa gente? Obter apoio? Divulgar seu movimento? Sem contar os manifestantes, todas as outras pessoas que estão naquele momento no local estão ali por alguma razão – a caminho do trabalho, de casa, da escola, etc. Portanto, somente eles, os manifestantes, é que ouvirão os inflamados discursos e as tais “palavras de ordem”. As demais pessoas, longe de se interessarem, acharão tudo muito chato, para dizer o mínimo. As novas gerações, que deveriam fazer algo diferente, infelizmente, vão pelo mesmíssimo caminho de seus pais e professores: insistem agora em aporrinhar a paciência do resto da população, sem perceber que, assim, fazem o jogo dos seus adversários, sejam eles quem forem, além de se arriscarem nos conflitos com a polícia. Dou uma sugestão a estes jovens manifestantes: reúnam várias dessas escolas ocupadas e organizem um gigantesco evento num domingo, em plena Avenida Paulista. Aposto que, pelo ecletismo das pessoas que costumam frequentar o local aos domingos, obterão muito mais apoio. 

 

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

 

*

OS VERDADEIROS RESPONSÁVEIS

 

Escolas ocupadas, Etecs ocupadas? Tem é de mandar a Polícia Militar arrancar este pessoal da Apeoesp na marra, estes, sim, os verdadeiros responsáveis pelas ocupações das escolas e pela perda do ano letivo dos alunos que querem estudar. E tudo isso sem precisar bater em ninguém, só jogando lacrimogêneo dentro das escolas, que todo mundo sai em poucos minutos. Os alunos que aderiram às ocupações são míopes embriões das lideranças da Apeoesp, do MTST e do MST, que, com toda a sua tralha ideológica, estão fazendo lavagem cerebral nos jovens, utilizando-os como massa de manobra para atingir seus interesses pessoais.

 

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

*

VIÉS IDEOLÓGICO

 

É lamentável o que estes ditos professores da Apeoesp, por razões políticas e com viés ideológico, estão fazendo com estes jovens, que, por ainda serem imaturos politicamente, aderem às palavras de ordem deste sindicato, que não está voltado para o aprimoramento do ensino, mas, sim, para transformar os alunos da rede estadual em potenciais guerrilheiros, ou em milícias ao estilo bolivariano. O Brasil necessita aprimorar a educação, a começar pelos ensinos fundamental, médio e técnico, e não criar robôs teledirigidos por um sindicato que cultua ditadores. Cabe, portanto, aos pais mostrarem aos seus filhos que uma nação se faz com educação e democracia.

 

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

 

*

SOMBRIO

 

Trabalhei de 2007 até início de 2015 nas escolas municipais e estaduais de São Paulo, ficando entre três a seis dias em cada escola realizando serviços. Se eu for contar, aqui, das barbaridades que estes alunos fazem, vou precisar de um caderno todo do jornal. É a maior bagunça no pátio, corredores e salas de aula: os alunos fingem que estudam, mas é conversa, celular e baixarias; e o professor nada pode fazer, pois é ameaçado de morte – tem até alunos armados dentro das escolas, sexo e drogas também. E as refeições, que custam nosso precioso dinheiro de impostos, são jogadas fora em cerca de 80%: as frutas, por exemplo, servem para guerra no recreio. Alguns professores são bolivarianos e fazem a cabeça dos alunos. Querem uma prova? Passes em frente a alguma faculdade durante a aula e veja quantos estão no bar, bebendo ou fumando maconha, em vez de estarem na aula. E este o nosso futuro? Será sombrio, pior do que está. Governador Alckmin, deixe de ser mole, a Constituição nos dá o direito de ir e vir, então não deixe que 50 a 100 pessoas parem ruas e avenidas atrapalhando quem tem horário de trabalho, médico, etc. Estes desocupados estão ali a mando político.

 

Roberto Tavares robertocps45@hotmail.com

São Paulo

 

*

CONFUSÃO E TRÂNSITO

 

Logo pela manhã, ao ligar a TV, o que vejo? Uma meia dúzia de moleques industriados por profissionais de sindicatos e do MST tomou conta da Ponte João Dias e complicou a vida de milhares de pessoas que por ali transitam para trabalhar. E eu me pergunto por que a PM não toma uma providência.  Por que a PM não pega cada moleque pela orelha, leva para a casa de seus pais e cobra deles a educação que deve começar em família? Se querem criar confusão, por que não vão fazer isso em frente ao palácio do governo, em vez de complicar a vida de quem vai trabalhar? Admite-se que seja uma boa ideia separar estudantes por ciclos, para evitar que numa mesma escola se juntam crianças de 6 anos de idade com marmanjos de 17, 18 anos. Essa ideia deve ser implantada, mas faltou planejar melhor e discutir com professores e alunos como fazer isso.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

ESCOLAS PAULISTAS

 

Ninguém pode se esquecer, inclusive os nobres professores para as próximas eleições na Apeopesp, de que atrás dessa político-partidária associação está a CUT, e atrás das duas está o PT, o partido que não veio para esclarecer, mas, sim, para confundir. E, na situação atual, quanto pior, melhor, afinal o PT e corrupção têm tudo a ver.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

PT OU PSDB?

 

O que está querendo demostrar com sua atitude arrogante e arbitrária com a educação, senhor Alckmin? Que o PSDB não é uma alternativa ao PT? Pode deixar, governador, isso nós já estamos cansados de saber.

 

Milan Trsic cra612@gmail.com

Ribeirão Preto

 

*

REESTRUTURAÇÃO ESCOLAR

 

O governo do Estado de São Paulo, via Secretaria de Educação, anunciou em setembro o fechamento de 92 escolas estaduais. O motivo é que a educação precisa passar por reestruturação. E, após o anúncio, os prós e contras surgiram e o entendimento parece complexo. Tanto é que muitas escolas foram ocupadas por “estudantes”. Assistindo ao programa “Fantástico” do último domingo, um dos alunos falou sobre a ocupação: “Eles vai faze contra nois, e nois vai faze contra eles, vamu faze um barulho que nois não vai sai”. Enfim, a educação precisa se reestruturar mesmo, e na base, como voltar a ensinar a falar e escrever corretamente, pois a tal progressão continuada é o certificado do caos, diplomando os inaptos. Lembrando que os pais em sua maioria esperam muito do Estado e dos educadores, quando pouco ou nada contribuem na vida escolar dos próprios filhos.

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com 

Sumaré

 

*

COSAC NAIFY

 

O fechamento da editora Cosac Naify é o retrato do desmantelamento do sistema educacional brasileiro, que vem se deteriorando há pelo menos 30 anos, e hoje é um dos piores do mundo, criando analfabetos, semianalfabetos, analfabetos funcionais e não leitores.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

SONHO ARISTOCRÁTICO

 

“Referência no mercado por livros de arte de luxo, Cosac Naify fecha as portas” (“Estadão”, 1/12, C1). Ainda era reminiscência de uma época em que livros eram hobbies da aristocracia vazia, ociosa, perdulária e oca. Hoje, a aristocracia é apenas endinheirada, a arte significa o valor pecuniário de algo, e um livro com capa de ouro ou de papelão, para esta nova aristocracia, é a mesma coisa, nem sequer o conteúdo pesa muito. Sonhadores aristocráticos, como este tal Naify, de fato não têm mais vez. É até uma pena, mas a arte também tem de ter utilidade, assim é na natureza, a flor bonita não é apenas para ser apreciada, mas é projeto de vida. Estes livros eram projeto de quê? De gastar dinheiro? Hoje se vende porcaria feita de porcaria mesmo, pelo menos é mais real e o pobre também pode comprar, mesmo que a prestação.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

MORTALIDADE

 

Pela pesquisa do IBGE, em 40 anos a mortalidade infantil caiu 87%, mas a de mortes violentas aumentou 59%. Quer dizer que as mães postergaram seu sofrimento pela perda dos filhos. Vieram a perdê-los mais tarde, na juventude, já que a maioria das mortes violentas no Brasil acontece entre jovens de 19 a 30 anos. Trocando em miúdos, o governo federal cuidou ao nascer e, depois, lavou as mãos, principalmente na ultima década, quando o narcotráfico tomou proporções alarmantes no País, um dos maiores motivos da morte dos jovens. Como consolar essas mães?

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.