Fórum dos leitores

GOVERNO LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2015 | 02h55

Parabéns

A sra. Dilma Rousseff conseguiu mais uma façanha: depois de dobrar a meta da inflação, caímos no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). De fato, quando ela diz que o País não pode parar, nós percebemos que sob a batuta de seu criador e mestre estamos caminhando... para trás ou para o fundo do poço! Quanto tempo o Brasil levará para se recuperar no pós-PT, o Partido do Tsunami? Façam suas apostas!

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Culpa de FHC?

O IDH divulgado pela ONU mostra o Brasil em 75.º lugar, atrás do Sri Lanka. Tal colocação vergonhosa exige explicação do governo federal. Os sucessivos governos petistas sempre se vangloriaram de ter criado e dado prioridade aos atuais programas sociais, coisa “jamais antes vista na História deste país”. O governo atual até usa esse argumento para justificar as pedaladas fiscais que podem destituir a presidente. Por que continuamos tão atrasados? Por que fatores como escolaridade e expectativa de vida não avançaram? Será tudo culpa de FHC e da herança maldita?

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Fim da picada

O Brasil apenas uma posição atrás do Sri Lanka no ranking de IDH da ONU? Que vergonha para o Sri Lanka! Cabe perguntar à presidenta Dilma e ao “estadista” Lula: o que foi que fizeram com o nosso país?

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

IMPEACHMENT

Os números que importam

Não importa o número de pessoas que participaram nos atos pró-impeachment de Dilma, pois ninguém está satisfeito com os números que realmente afetam a nossa vida: inflação de 10,22%, queda de 7,8% na produção industrial, mais de 1,3 milhão de vagas de trabalho encerradas, taxa Selic em 14,15%, R$ 9.453 de impostos pagos por cada brasileiro, e por aí vai. Igualmente, 70% dos eleitores estão insatisfeitos com este governo incompetente e com o PT, que usam a corrupção como meio de continuar no poder. Querer o impeachment da presidente não é golpe, é salvar o barco enquanto há tempo!

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

O fato de a participação popular nas manifestações deste domingo ter sido menor que nas vezes anteriores não altera a evidência de que menos de 10% da população brasileira apoia o governo e mais de 70% são favoráveis ao impeachment da presidente.

CELSO NEVES DACCA

celsodacca@gmail.com

São Paulo

Impaciência

Milhões de pessoas já foram às ruas e outros milhões que não foram continuam pedindo o impeachment de Dilma Rousseff. A diminuição do movimento nas ruas não reflete o desejo, cada vez maior, do Brasil de se livrar deste que é considerado o pior e o mais venal governo da História republicana mundial. Mais de 160 milhões de pessoas querem o afastamento da atual presidente. Mas o que mais deixa indignado o povo brasileiro é a omissão e o descaso do nosso Congresso, que já teve prova mais do que suficiente do anseio nacional em relação ao tema. Será que precisa desenhar, srs. congressistas? Haja paciência! Não se iludam com o número de pessoas nas ruas. O desejo do impeachment não diminuiu.

EVALDO SOARES

eskaf@hotmail.com

São Paulo

A voz rouca das ruas

As ruas falaram. Basta! Há um clamor popular inconfundível: Dilma, Lula e o PT não têm mais condições morais de governar e têm de ser afastados do poder sem mais delongas. O prejuízo econômico diário do País e de seus cidadãos, no atual estado de coisas, é gigantesco. A partir de agora é bom que os que se opõem ao impeachment, ou ajudam a retardá-lo, tenham motivos muito fortes para isso. O Brasil mudou e saberá localizar e punir os que trabalham contra os interesses nacionais.

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

‘Eles’ e ‘nóis’

O grupo do “eles” usa verde e amarelo, bandeiras do Brasil e se manifesta aos domingos. O grupo do “nóis” usa vermelho, bandeiras da CUT e recebe para sair às ruas em dia de trabalho, tumultuando tudo e todos. Não participo de manifestações, gosto de verde, amarelo, vermelho, azul, preto, branco, não tenho simpatia por Aécio Neves nem por essa oposição frouxa, mas quero ver essa caricatura de estadista e seus comparsas banidos da política para sempre!

CESAR ARAUJO

cesar0304araujo@gmail.com

São Paulo

Convescote dos ‘teteiros’

Está programada para amanhã manifestação dos chamados “movimentos sociais” em defesa da presidente Dilma. A data do protesto, tendo como palco a Avenida Paulista, cai num dia útil de trabalho, mas os participantes estão um tanto distantes da crise de desemprego. São aqueles personagens de sempre: sindicalistas pelegos, profissionais dos sem-terra, dos sem-teto e gente do PT, PSOL, PCdoB, entre outros “teteiros” que sobrevivem com holerite oficial. É um convescote realizado à custa do dinheiro do contribuinte.

SÉRGIO LUIZ CORRÊA

seluco@uol.com.br

Santos

ONTEM E HOJE

O 13 de dezembro

Em dezembro de 1968 o Brasil vivia dias sombrios e violentos. A situação política era complicadíssima. Dr. Julio de Mesquita Filho pôs o dedo na ferida com seu editorial Instituições em frangalhos. Houve revides ao jornal. E em 13 de dezembro de 1968 foi aprovado o AI-5, um monstrengo jurídico que destruiu os restos de liberdade que havia no Brasil. Para bem ou para ou mal, ainda há signatários do AI-5 vivos. O PT e aliados, ao longo de seus 13 anos de permanência na Presidência da República, também rasgaram as instituições do Brasil. Felizmente, até agora não conseguiram acabar com a liberdade de expressão, mas tentam isso sempre que podem. A força atualmente não está nas armas militares, está na corrupção bilionária, nas mentiras e no deboche a quase todas as leis. Mas nos dias atuais temos a grande força do povo, demonstrando que não quer mais ser enganado. Vamos todos, dentro da lei, combater essa esculhambação geral do Brasil. Para quem viveu sob o tacão do AI-5 é muito triste ver o que foi feito com o nosso País.

CARLOS BARROS DE MOURA

carlos@barrosdemoura.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

OS PROTESTOS E AS INSTITUIÇÕES

 

Fácil de entender a baixa presença de manifestantes nos atos pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff no domingo. O povo, finalmente, passou a acreditar nas suas instituições, principalmente depois da prisão do corrupto líder do governo no Senado e, diga-se, com o importante aval de seus pares naquela Casa, apesar da reação do PT. A intimação ao ex-presidente Lula para depor na Polícia Federal nesta semana completou o quadro de demandas dos manifestantes de agosto. Se a Operação Lava Jato continuar avançando e o Supremo Tribunal Federal (STF) honrar a nascente confiança na sua independência, o protesto de março de 2016 será, com toda a certeza, menor que o do último domingo. É o povo acreditando numa nova era para o Brasil, sem o jeito do PT governar.

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

POÇO SEM FUNDO

 

As manifestações aconteceram mais enxutas que as anteriores, o que não dá para entender. O número de desempregados aumentou uma barbaridade e a inflação passou para dois dígitos. É verdade que os desempregados ainda estão recebendo o seguro-desemprego e os trabalhadores ganharam o 13.º este mês, portanto ainda existe gordura para queimar. Mas vai acabar! Por isso eles deveriam ser os mais pontuais nas manifestações de hoje, já que são os mais ameaçados. O que precisaria acontecer de mais grave na economia, na saúde (epidemias de dengue, chicungunha e zika/microcefalia), na segurança e na política (Lava Jato) que fosse capaz de arrastar multidões às ruas, se um dia bastaram R$ 0,20 para virar o Brasil do avesso? Não são tomados, agora, de indignação pelo caos geral? O Brasil está no fundo do poço, mas parece que este poço não tem fundo.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

MANIFESTAÇÃO APERITIVO

 

Definitivamente, o povo brasileiro não quer mais o PT e Dilma no poder. Uma manifestação com clima de esquenta ou aperitivo, que, convocada à última hora, consegue ser capaz de levar às ruas e avenidas deste país entre 300 mil a 400 mil pessoas é porque a nossa sociedade não aguenta mais as mentiras, os cambalachos contábeis, a corrupção, etc., que sob a liderança de Lula e do PT arruinou a imagem desta terra tupiniquim, além de quebrar a nossa economia e as nossas estatais. O povo, com muita dignidade, fez a sua parte, dando mais um duro recado a nossa classe política. Este quadro desolador que aí está não pode mais continuar. A renúncia ou o impeachment de Dilma são a solução.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

PATROCÍNIO

 

Eu participei de duas manifestações no dia 13/12: às 9 horas, em Araras (SP), e às 15 horas, em Americana (SP). Fiquei decepcionada com a baixa adesão, mas vi uma luz no fim do túnel quando ganhei um brinde que foi distribuído aos participantes da manifestação em Americana: um lenço amarelo patrocinado pelo Itaú. Pois é, o Itaú também foi para as ruas. Parece que Roberto Setúbal mudou sua opinião sobre o impeachment de Dilma.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

A CONTRAINTELIGÊNCIA PETISTA

 

Logo após as manifestações democráticas de domingo (13/12/2015), recebi uma mala direta de um tal Roberto Fiorini criticando os movimentos pró-impeachment. Acerca de tal e-mail, cujo remetente desconheço, tampouco autorizei que me enviasse quaisquer mensagens que tratassem das referidas manifestações. É de lamentar que ainda existam pessoas que se proponham a monitorar sites e redes sociais para realizar atividades de contrainteligência a serviço deste mal chamado lulopetismo. Digo isso pois a relação de destinatários da mala direta que eu recebi é a mesma que aparece no “Fórum dos Leitores” do “Estadão” online de 27/11/2015. Provavelmente, este tal Roberto Fiorini estava lendo as mensagens, copiou a relação de e-mails dos que tiveram suas mensagens postadas pelo “Estadão” naquele dia e resolveu mandar mala direta em defesa de um grupo partidário cujos métodos de governar e de se contrapor a opositores se assemelham aos métodos de uma organização criminosa e que custeiam um ciberexército de desocupados que agem de maneira inconsequente pela internet. Em síntese, é de lamentar que o PT e sua militância mortadela ainda não tenham aprendido que a verdadeira democracia pressupõe a coexistência pacífica e harmoniosa entre os seus concidadãos, e não a discórdia com os que não compartilham a mesma visão de mundo dos que estão no poder à custa de estelionato eleitoral, cooptações e perseguições.

 

Pedro Papastawridis ppapastawridis@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

DIA 13

 

Se o governo petista acha que o pior  já passou, em razão da menor adesão da oposição no último domingo, de duas uma: ou não entende nada mesmo de mobilização ou está de má-fé mesmo. Os brasileiros  já se cansaram de mandar recados a quem não quer ouvi-los. Ao contrário do que afirmam, os brasileiros não querem um golpe, não querem destituir a presidente, os brasileiros querem, sim, ordem, legalidade e justiça. Ninguém foi ou deixou de ir porque é contra ou a favor da presidente. A presença significou apoio à continuidade do processo de impeachment já instalado. A ausência significou que aguardamos o desfecho do processo já instalado, que o direito de defesa seja exercido e que a justiça se faça.

 

Luiz H. Freire Cesar Pestana luizhenriquefcpestana@gmail.com

São Paulo

 

*

O MAR CONTINUA REVOLTO

 

A cúpula do governo de Dilma Rousseff está feliz em virtude de os protestos pelo impeachment no dia 13 de dezembro terem levado menos gente às ruas. O não comparecimento de grande parte da população ao ato antigoverno não significa que o mar revolto vem se acalmando. O grande desejo da maioria da população brasileira continua sendo ver este governo pelas costas. Milhares de brasileiros não foram gritar “fora Dilma” e “fora PT”   porque a vida está tão difícil que tem  gente lambendo o prato e o talher após a refeição  para economizar água e sabão. O governo pode estar certo de que faltou o dinheiro da passagem para aqueles que desejavam estar no evento gritando para que o Brasil seja liberto das garras dos falcões. As manifestação pró-Dilma terão mais gente. Dinheiro para passagens e lanches não vai faltar.  Desanimar, nunca!  

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

 

*

EXPECTATIVAS

 

Talvez a esta hora dona Dilma esteja comemorando a baixa adesão nas passeatas programadas para o domingo (13/12). Para uma análise do acontecido, devemos levar em consideração: 1) os 68% dos brasileiros que querem seu afastamento da Presidência já tomaram posição, e não tem volta. 2) Existe uma expectativa quanto ao parecer do Supremo Tribunal Federal (STF), mais por conta de a relatoria do sistema de votação na Câmara dos Deputados estar nas mãos de um eleitor declarado da presidente, ministro Edson Fachin. 3) Outra expectativa é a posição dócil do presidente do Senado, Renan Calheiros, o mesmo que está sendo investigado pela Procuradoria-Geral da República. Portanto, dona Dilma, seu destino já esta selado, e feliz retorno à sua casa em Porto Alegre, com passagem só de ida.

 

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com 

São Paulo

 

*

14/12, ANIVERSÁRIO DE DILMA ROUSSEFF

 

Desejamos à sra. presidente “aquele aniversário”. Seja bastante feliz, com seus 68 anos, e dê um presente a todos os brasileiros: sua renúncia.

 

Ricardo Guilherme ricardoguilherme88@gmail.com

Monte Alegre do Sul

 

*

‘ROUSELFIE’

 

O nome da presidente a define com perfeição: Dilma “Rouselfie”. Só enxerga o próprio umbigo!

 

Luis Poblacion namura@vitaebrasil.com.br

São José dos Campos

 

*

ESTUPIDEZ

 

A presidente tem feito tantas coisas erradas ao ponto de ser difícil de entender como foi possível fazer tanta besteira. Por isso seria justo que ela própria revisasse os fatos para entender como pode ter sido tão estúpida. Creio, entretanto que não saberia responder, porque “seria preciso ser muito inteligente para conseguir explicar tanta estupidez” (as palavras entre aspas são de José Saramago).

 

Francesco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

 

*

O IMPEACHMENT NO STF

 

Vi sábado na primeira página do “Estadão” a presidente Dilma “por enquanto” andando ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, como dois bons amigos de partido, o que deixa a todos com uma ponta de dúvida, afinal ele declarou numa aula inicial para alunos aqui, em São Paulo, que o processo de impeachment era golpe, ao ponto de o ministro Marco Aurélio Mello ter dito na ocasião que as declarações de Lewandowski eram apenas arroubo de retórica. Fica a pergunta: Dilma estava andando na foto com um companheiro militante de partido ou estava ali o presidente do Supremo, pessoa em que nós, brasileiros, deveríamos confiar pela idoneidade que o cargo exige?

 

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

 

*

A DEMORA DE JANOT

 

O artigo do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, “Construindo o futuro”, publicado em 13/12/2015 no “Estadão”, expressa os anseios do cidadão de bem. No entanto, a demora e a seletividade dos indiciamentos e os passos de tartaruga do STF inquietam profundamente e deixam o País refém de gente inescrupulosa e sabidamente mal feitora. O instrumento do foro privilegiado tem garantido a impunidade e, portanto, precisa ser repensado.

 

Dalton Luiz de Luca Rothen dalton@deckrep.com.br

São Paulo

 

*

ENTREVISTA DECEPCIONANTE

 

Decepcionante a entrevista (12/12, A13) do cientista político, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Rio de Janeiro e professor aposentado da Universidade do Rio de Janeiro, Wanderley Guilherme dos Santos, ao sustentar que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff carece de base jurídica. Sr. Wanderley, só o fato de a presidente desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) constitui infração grave, cabendo o seu impedimento para continuar governando o Brasil.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

TESE CONFUSA

 

Em entrevista ao “Estadão”, o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, ao responder à pergunta se “o fato de o Tribunal de Contas da União (TCU) ter rejeitado as contas do governo fortalece o pró-impeachment”, disse que o tribunal não rejeitou as contas, apenas não recomendou sua aprovação pelo Congresso. Vamos tentar entender: se o TCU não recomendou a aprovação pelo Congresso, significa em bom português que também não aprovou. Vejamos, é como a diferença entre mandar matar ou matar.

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

 

*

NOSTRA MAXIMA CULPA

 

Como convidado na conferência internacional do Partido Social-Democrata da Alemanha, em Berlim, Lula não podia deixar de lado suas clássicas bizarrices. “Vou falar do Brasil, porque não posso vir aqui e fingir que nada está acontecendo no meu pais”, disse ele, acrescentando com largos gestos o mantra dos guardiões palacianos: “Nós vamos pra rua para defender o mandato legitimamente eleito da nossa presidente”. Em seguida, Lula afirmou que a atual crise só está acontecendo porque o governo criou instrumentos de transparência e autonomia para as investigações. E, como um autêntico mestre, complementou: “Só tem um jeito de você não ser investigado no Brasil: é não fazer nada errado”. Que o digam seus amigos e parentes mais próximos.

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO ZELOTES

 

Lula diz que a medida provisória (MP) investigada pela Polícia Federal foi editada no governo Dilma. Ora, era de esperar que ele, mais uma vez, “não soubesse de nada”, mas a MP foi editada por ele próprio em 2009 e por cinco anos. Lembrou agora, Lula?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

LULA

 

Ele continua o mesmo, não foi ele, não é com ele, não sabe de nada. É com ela.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

UM ‘LUXO’ DE PRESIDENTE?

 

Lula não tem jeito mesmo. Com todas as evidências do exato oposto, Lula teve a cara de pau de dizer ao jornal “El Pais” que “é um luxo ter uma presidente com a qualidade de Dilma”. É um falastrão despudorado bom de bico, pós-graduado na escola da malandragem, do trambique e do santinho do pau-oco, guru internacional da picaretagem, que só nos envergonha e que só ainda não está preso pelo risco de comprar os guardas da prisão... Que imagem podem fazer os leitores do jornal sobre os brasileiros, quando querem remover do governo “um luxo” de presidente? Alguém tem de proibir o cara, tão admirado por Obama em sua santa ingenuidade, de dar entrevistas ou “palestras” que citem o Brasil, seus valores e seus costumes, sob crime de difamação nacional. Ou, então, obrigá-lo a portar um cartaz bem visível com a expressão latina conhecida internacionalmente “Caveat Emptor”, que significa, em tradução adaptada, “acredite, se quiser...”. Pobres dos espanhóis, que, como o povão brasileiro, acreditarem nele.

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

CONVOCADO PARA DEPOR

 

Polícia Federal convoca Lula. Mais uma verdade poderá tornar a manifestar-se: quanto maior for a altura, maior haverá de ser o tombo.

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

O DE SEMPRE

 

A única coisa que Lula pode dizer aos delegados da PF, aliás, como sempre o faz, é: “Companhero, eu não sei de nada”. Isso se comparecer para depor, porque seus amigos do STF, sobretudo aquele originário de SBC, pode dar um “jeitinho” e tudo ficar como dantes no quartel de abrantes. Não temos mais com o que nos indignar.

 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

A RECEITA E A LAMBANÇA

 

Como perguntar não ofende, gostaria que me explicassem como, com toda esta “lambança” de bilhões de reais circulando entre a Petrobrás e os envolvidos neste escândalo, além dos R$ 2,4 milhões recebidos por Luis Cláudio Lula da Silva, entre outras movimentações estranhas, a Receita Federal, com todo o seu poder em informática, técnicos, auditores, etc., nunca percebeu nada de estranho. No entanto, se o cidadão comum, trabalhador, pagador de impostos deixar de declarar qualquer detalhe ou errar um lançamento em sua declaração, irá parar na malha-fina, de onde só sairá após exaustivas explicações e, provavelmente, pagamento de multas. Será que não há nada de podre neste reino também?

 

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

 

*

À SUA IMAGEM

 

Não existe nada mais brasileiro que a “famiglia” Lula da Silva. O Brasil é Lula da Silva. À sua imagem e perfeição.

 

José C. Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO VIDAS SECAS

 

Onde a quadrilha do PT põe as patas, cria um império para roubar os cofres públicos. Na semana passada foi deflagrada no Nordeste pela Polícia Federal (PF) a Operação Vidas Secas, uma alusão ao romance do escritor Graciliano Ramos. Essa operação vai apurar a “integralização” de R$ 200 milhões pelo bando entocado no Ministério da Integração Nacional. O valor foi desviado das obras de transposição do Rio São Francisco, com a finalidade de formar uma nova quadrilha. Empresários corruptos – aliás, os mesmos da Operação Lava Jato –, junto de funcionários públicos ladrões e políticos sem caráter, formam a mais nova máfia descoberta pela PF. Decididamente, estamos cercados de ladrões. Alguém tem dúvidas? É o Partido dos Trabalhadores (PT) fazendo história.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

OBRA NO RIO SÃO FRANCISCO

 

Se confirmado, a “transposição” resumiu-se a dinheiro e só “molhou” a mão dos mesmos...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

CONFUSÃO

 

Já entendi, o governo do PT, confuso como sempre, confundiu a “transposição do Rio São Francisco” com a “transposição do dinheiro para o sr. Francisco”. Faz sentido...

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

DESDE GRACILIANO, NADA MUDOU

 

O ditado que diz que “a cada enxadada, uma minhoca” pode se aplicar ao Brasil da era Lula do PT. Onde há uma obra ou há qualquer “brás”, pode enfiar a enxada que sai uma fortuna desviada para a corrupção. A mais recente é a tramoia revelada pela Operação Vidas Secas, uma referência à obra de Graciliano Ramos, que tão bem retratou a vida do sofrido sertanejo, hoje ainda mais desrespeitado por promessas não cumpridas e pelos estragos sofridos no Velho Chico.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

FOLHETIM DECADENTE

 

A política brasileira virou uma novela, com todos os ingredientes de um folhetim decadente: traições, cartas não muito secretas, desmentidos, ameaças, mentiras, intrigas e sopapos ao pé do ouvido. Se tem algum amor, deve ser falso e dissimulado. Ou interesseiro. Espero que seu desfecho seja todos os culpados atrás das grades.

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

LOTERIA

 

Em tempos de crise econômica, descobertas de desvios de dinheiro e falcatruas em qualquer coisa pública que se investigue, a Polícia Federal bem que poderia investigar os sorteios da Caixa Econômica Federal (CEF), especificamente a Mega Sena e a Quina, uma vez que nunca antes na história deste país se viu estes prêmios se acumularem seguidamente, apesar do alto volume de apostas feitas, além de apurar quem está ganhando com a aplicação financeira deste dinheiro acumulado, cujo rendimento deveria ser revertido para as premiações.

 

Celso Neves Dacca celsodacca@gmail.com

São Paulo

 

*

MANIPULAÇÃO

 

Todos os anos a historia se repete! A Mega Sena, nesta época, começa a acumular. Temos certeza de que há manipulação. Como defender o nosso povo, que enfrenta filas enormes para fazer seu jogo e gastar um dinheiro que muitas vezes não pode?

 

Cleo Aidar ritinhadores@hotmail.com

São Paulo

 

*

O TSE E A URNA ELETRÔNICA

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) garante que as eleições de 2016 serão realizadas com urnas eletrônicas. Tal afirmação está atrelada à liberação de verba do governo, que é de cerca de R$ 267 milhões. Eu estaria sossegado, se a notícia tivesse sido: “TSE garante que os aplicativos e softwares utilizados nas urnas eletrônicas estarão auditados por empresas estrangeiras idôneas, que garantem que não haja invasão nos equipamentos”. Mas, como isso está fora de questão... vamos que vamos.

 

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

O CORTE DA JUSTIÇA ELEITORAL

 

A notícia de que as urnas eletrônicas não iriam ser usadas nas eleições de 2016 chocou muita gente. Eu, pessoalmente, não achei tão horrível assim. A falta de confiança das urnas eletrônicas brasileiras foi motivo de muito alarde nas últimas eleições presidenciais e mantém essa má fama não só entre os brasileiros. E, diante da atual crise econômica que o Brasil está passando, esse corte seria apenas mais um entre tantos que estão acontecendo. A política de “mais impostos e mais cortes” para nós, meros mortais consumidores, é péssima. É aumento na gasolina, aumento nas contas de luz... E dos preços no supermercado nem se fala! Mas, infelizmente, essas medidas são necessárias. Então o TSE afirma que sim, serão usadas as amadas urnas eletrônicas nas próximas eleições. Como? Simples... O corte da Justiça Eleitoral foi diminuído. O corte inicial, de R$ 426 milhões, foi reduzido para R$ 161 milhões. Nossa, ainda bem, né? Quase R$ 300 milhões que seriam muito bem-vindos para ajudar o País a sair deste buraco, que cada vez fica mais fundo, vão ser usados para as eleições. Haja sarcasmo e bom humor para engolir essas coisas. Não sei o que dizer... Só sentir! Este é o cenário político e econômico brasileiro... E tenhamos um bom dia!

 

Karine Kobarg Damázio kakobarg@gmail.com

Florianópolis

 

*

VOTO IMPRESSO

 

A desculpa da falta de recursos para a implantação do voto impresso a partir da eleição de 2016 não colou! O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que as próximas eleições estão garantidas em urnas eletrônicas com a impressão do voto. Será o fim do “voto programado”? Esperamos que, com o voto impresso, fiquem afastadas as possibilidades ou dúvidas de “fraudes”, como ocorreram nas eleições anteriores. Esperamos estar dando um passo à frente para a moralidade.

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

 

*

A GESTÃO NALINI NO TJSP

 

O atual presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), dr. José Renato Nalini, acaba de anunciar a efetivação do projeto “100 % digital”. A automação da Justiça vem, desta forma, beneficiar um número enorme de pessoas, antes afligidas com a lentidão e a excessiva burocratização dos processos. Também presenteou-nos, no ano passado, com uma iniciativa inédita do TJSP:  a de convocar audiência pública para analisar, junto das autoridades e da sociedade em geral, a questão da carência de vagas em creches, demonstrando, assim, uma louvável preocupação com tão importante causa social. Parabéns, dr. Nalini, por sua brilhante gestão!

 

Maria Cecilia Parasmo mcparasmo@uol.com.br

São Paulo

 

*

O BRASIL NA COP-21

 

Tive o privilégio de ler na manhã de ontem a brilhante entrevista com o presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Gustavo Junqueira, sobre os resultados da Conferência do Clima da ONU (COP-21) (“‘Izabella Teixeira fez a diferença. Pude sentir orgulho do Brasil’”, 14/12, C2). Cumprimento-o e faço votos de que sirva de estímulo a que outros jovens que, como ele, estarão em breve dirigindo os destinos desta grande nação.

 

Carlos A. Felizola Freire cafreire@unisys.com.br

São Paulo

 

*

FORÇA DO HÁBITO

 

Ministros de vários países aprovaram o Acordo de Paris, que limita o aquecimento global a 1,5ºC (“Metrópole”, 13/12). A ministra do Meio Ambiente brasileira, Izabella Teixeira, disse que o Brasil está satisfeito e “roubou a cena”. Só faltava o Brasil roubar a cena!

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

 

*

CENA ROUBADA

 

No governo Dilma, nem a cena escapa. Foi roubada, segundo a própria ministra do Meio Ambiente, em Paris. O fato novo é que agora o governo já admite a gatunagem.

 

Angelo Raposo angelo.raposo@uol.com.br

São Paulo

 

*

ACORDO DO CLIMA EM PARIS

 

Com os países ricos doando US$ 110 bilhões/ano, em poucas décadas o mundo estaria estruturado para tratar água extraída dos mares e fornecer água potável distribuída por rede de dutos, assim como do gás/petróleo, além de incrementar a lavoura e pecuária para povos que desconhecem o que é comida. Comemoram o plano de 100 anos como vitória, quanta ironia. Lamento que não estarão aqui para receberem a cobrança. Mais do mesmo neste mundo hipócrita.

 

Adilson Mencarini adilsonmencarini@uol.com.br 

Guarulhos

 

*

O CRIME DOS DIRIGENTES DA SAMARCO

 

Decorrido mais de um mês do crime perpetrado pelos dirigentes da Samarco, que destruiu todo o ecossistema da bacia do Rio Doce no Estado de Minas Gerais e do Espírito Santo, muito pouco ainda foi realizado em termos de punir os seus autores. O desastre causou a morte de 17 pessoas e 3 ainda estão desaparecidas, além de destruir as propriedades e os meios de subsistência de um número ainda desconhecido de pessoas nos dois Estados. O desastre em si já demonstra a ganância e o completo desprezo pela vida de milhares de pessoas, vítimas potenciais desse crime. E os seus dirigentes, além de continuarem em liberdade, dão-se ao desplante de fazerem declarações à imprensa que insultam a nossa inteligência e envergonham a engenharia nacional, como a entrevista que o seu presidente deu à jornalista Sonia Racy, publicada no “Estadão”. Se o Brasil não fosse um país onde impera a impunidade, esses dirigentes não teriam cometido esse crime tão monstruoso. A exemplo de outros crimes, como os dos motoristas embriagados, justamente enquadrados em crime doloso, quando atropelam e matam alguém por terem assumido o risco de matar, os dirigentes da Samarco deveriam receber tratamento mais rigoroso ainda, por assumirem risco de matar em proporções homéricas, além da destruição de todo um vasto ecossistema. O “Jornal Nacional”, da TV Globo, divulgou notícia de que a barragem que se rompeu em Minas Gerais é do tipo a montante, o mais perigoso, porém o mais barato. O tipo mais seguro é a barragem a jusante, mas muito mais cara. Ou seja, o maior desastre ecológico do Brasil em toda a sua história foi causado por uma decisão criminosa dos dirigentes daquela empresa de priorizar os seus custos, em detrimento de toda uma população de várias cidades de dois Estados do Brasil. Foi um crime hediondo cujas consequências e dimensões ainda é difícil de aquilatar, e deveria existir em nossa legislação lei que punisse severamente e de imediato seus autores, inclusive com prisão preventiva. Nos dias atuais, nossa atenção está voltada para o circo montado na Câmara dos Deputados pelo seu presidente, e o empenho da presidente em se livrar de um impeachment bem provável e merecido, mas não podemos deixar de lado a tragédia de Mariana e exigir das nossas autoridades que punam os criminosos.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

TEMPO DE NOTÍCIAS RUINS

 

Desde os tempos de criança nos foi dito que dezembro é um mês de festa e de esperança. Com o passar dos anos, a afirmação, que se calcava no cristianismo, foi ganhando cunho comercial, mas, mesmo assim, ainda era um “tempo feliz”. Vivemos hoje o mês mágico de outrora, atropelados por um formidável mote de notícias ruins. O governo ameaça cair, o Congresso Nacional sobre o fio da navalha, os indicadores econômicos são negativos, a inflação sobe, por pouco o Brasil não tem de dar um salto para o passado e voltar a fazer eleição em papel e urna de lona. O modelo que os “democratizadores” das últimas décadas legaram ao Brasil está visivelmente esgotado. A economia e a sociedade, que funcionam fora da esfera política, estão hoje impactadas pelas ações equivocadas que o populismo lhes impôs e, principalmente, pelo regime de barganha que transformaram o poder político-governamental num balcão de negócios. O Brasil de hoje necessita da mais urgente solução para a crise de governo de onde saia um chefe de Estado fortalecido e em condições de governar e recuperar a confiança dos investidores e o respeito do povo.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

                                                                                                     

*

47 ANOS DO AI-5

 

Em 13/12/1968, a funesta ditadura militar que assolou o Brasil por 21 anos (1964-1985) baixou o Ato Institucional n.º 5, acabando de vez com as liberdades e garantias individuais que ainda havia no País após o golpe militar de 1964. Tortura, assassinato, exílio, censura, cassações, repressão e todo tipo de perseguições foram aplicados pelos militares. É uma data que deve ser lembrada, para que tal ignomínia nunca mais se repita. No mesmo dia e ano, por coincidência, foi fundado o famoso bar Bip-Bip, em Copacabana, reduto de rodas de samba, de bambas e da boemia carioca. Felizmente, 47 anos depois, o sombrio AI-5 faz parte do passado, enquanto o Bip-Bip segue vivíssimo, firme e forte em suas sempre animadas rodas de samba.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br    

São Paulo

 

*

O PROTESTO DOS ESTUDANTES

 

As manifestações (arruaças) ocorridas no centro de São Paulo na quarta-feira são uma prova inconteste de que os petistas e assemelhados desejam espezinhar as autoridades do Estado, adversários dos seus capatazes em Brasília. A cada baderna que provocam, perturbam o ir e vir da população, que corre risco de vida diante da violência dos militantes que se dizem preocupados com a educação que principalmente eles não têm. Massas de manobra de sindicatos, mesmo o governador Geraldo Alckmin tendo interrompido o processo para posteriores negociações, a baderna continuou e continuou também a quebradeira dos bens públicos e privados. O objetivo é desestabilizar politicamente o governador, que, diga-se de passagem, foi mal assessorado na elaboração deste projeto de reestruturação escolar, que não teria pior momento para ser lançado, com o governo central e o petismo de 100 anos ferido de morte. Essas manifestações nos dão uma visão indesejada do que esta militância, mais o “exército do Stédile”, o MTST, a CUT e outras hordas podem tumultuar a sociedade após o impeachment de Dilma Rousseff. Chamem o General Custer.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

A INVASÃO DAS ESCOLAS

 

Não sem surpresa e profundo escândalo que vemos os estudantes baderneiros invasores de escolas públicas destruindo e devastando o já tão mirrado espaço para a educação. Se não respeitam nem sequer as autoridades policiais que lhe estouram bombas nos calcanhares, imagina-se o que não fazem ou farão com os professores, com os pais, que, certamente, lhes reprovam tal comportamento desvairado. Isso certamente tem uma causa, ou um veio político por detrás que lhes insufla a guerrilha. A nossa mocidade termina de entrar por um desvio perigosíssimo, da droga, do sexo, da repulsa completa à educação, à moral, ao trabalho. A mocidade, tal qual nossos parlamentares, apodreceu. E pouco, ou nada se pode esperar de um país cuja mocidade e parlamentares perderam a moral, e isso é altamente preocupante. Além do superficial, até ao momento, não existem propostas do governo, propostas concretas e sérias para recuperação da “educação” do jovem brasileiro, que se enveredou para o rumo pérfido do crime, ou seja, da autodestruição e do aniquilamento de quem lhe está ao redor. Preocupante, porque o estudante de hoje será o parlamentar de amanhã.

 

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

 

*

FALTA DE EDUCAÇÃO

 

São de assustar a audácia, o atrevimento e o desrespeito desta atual infeliz classe estudantil do ensino público. Massa de manobra para procurar desestabilizar o governo. Observa-se que grupos beligerantes, amantes de confusões, agitadores contumazes, se infiltraram entre a estudantada com o propósito de perturbar a ordem pública constituída de pessoas sérias e honestas. Estas, sim, teriam o dever e o direito de pugnar, sem os excessos praticados por facínoras. Ora, onde já se viu tamanho desacato, tamanha desordem, em nome de reivindicações nem sempre corretas, mas democraticamente permitidas? O senhor governador precisa dar um basta nisso tudo, com urgência! Descer a lenha, separar os agitadores paus-mandados daqueles que lutam com dignidade pelo que entendem ser justo. E pensar que os estudantes de hoje possam ser os exemplos, os governantes do nosso povo amanhã... Lembro que há bem pouco tempo os lares educavam seus filhos com o respeito da obediência às autoridades, respeito aos mais velhos, enfim, havia educação. Sr. governador, pau neles! Separar o joio do trigo! Usar a linguagem deles! Eles só entendem a linguagem da paulada. Deveriam ter respeito pela coisa pública, pelo semelhante e pela autoridade! Pau nos agitadores, que se sabe quem os manipula e quer, com a confusão, impor a desordem!

 

Henrique Gândara  clineurohenrique@uol.com.br

Ribeirão Preto

                                                    

*

ESTRAGO

 

Será que a (petista descarada) presidente da Apeoesp irá se responsabilizar (pagar) os estragos que os “alunos” fizeram ao invadir escolas em protesto contra a reestruturação do ensino do Estado?

 

Maria Regina Alves Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

DESRESPEITO

 

Enquanto assistimos a este descalabro na educação, o governo federal faz intensa e descarada propaganda de seu mais novo slogan: “Brasil, Pátria Educadora”. É muita enganação e um enorme desrespeito para com o País.

 

Fausto Rodrigues Chaves faustochaves@uol.com.br

São Paulo

 

*

UFC 194

 

O brasileiro José Aldo, campeão da categoria do peso pena do UFC, perdeu o reinado de dez anos. Na madrugada do dia 13 de dezembro, Aldo enfrentou o irlandês Conor McGregor, um loirinho de barba, cheio de tatuagens, que fala muito e provoca os adversários. McGregor sabe fazer marketing e atrair a atenção da mídia, despertando amor e ódio nos fãs do esporte. Na luta tão esperada e comentada deste ano José Aldo foi nocauteado aos 13 segundos do primeiro round. Enfim, aos supersticiosos, Aldo perdeu no dia 13 e cai aos 13 segundos. O poder no Brasil é do 13 há 13 anos. Reflexão: 13, sorte de uns e azar de muitos.

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

 

*

DESPEDIDA DO M1TO

 

Só mesmo Rogério Ceni para juntar o time campeão mundial de 2005 e Raí & cia. em campo. Parabéns ao São Paulo, pela belíssima e justa homenagem ao M1to! Se há 30 anos alguém contasse a história de um goleiro com mais de 130 gols e 1.237 partidas por um único clube, campeão da Libertadores e do Mundial, com três Brasileirões consecutivos no currículo; enfim, se alguém se arriscasse a contar a trajetória de Ceni, seria tachado como lunático. Pois é... passaram-se 25 anos e o paranaense de Pato Branco revolucionou o mundo do futebol vestindo sempre a mesma camisa, um apego à instituição que tornou-se raro no movimentado ($$$) mercado da bola. Com gol até de Zetti (!), o camisa 01 teve uma despedida à altura. Parabéns, Rogério! O gol do Morumbi ficará eternamente órfão a partir de agora.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

O CENTENÁRIO DE FRANK SINATRA

 

Talvez um dos maiores artistas de todos os tempos do mundo, Frank Sinatra, o maior cantor de todos os tempos, um artista completo. Sua primeira biografia, realmente do peso do seu nome, é “Frank – A Voz”, de James Kaplan, e terá agora o lançamento de sua segunda parte, que esperamos em breve no Brasil.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

POLÍTICA BRASILEIRA, SEU JEITO DE HOJE

 

“(...) E o que é um homem, senão o que ele tem / Senão ele mesmo, então ele não tem nada / Para dizer as coisas que ele sente de verdade / E não as palavras de alguém que se ajoelha (...).” Frank Sinatra, 100 anos, “My way”.

 

Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.