Fórum dos leitores

NATAL 2015

O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2015 | 02h55

O Brasil resignado

Como é triste este nosso Natal. Eis o presente que o governo Dilma Rousseff nos entrega: o Brasil paralisado, com desemprego e inflação em alta, corrupção e a esbórnia dos políticos, restando para a sociedade a resignação e o assombro com o que esperar em 2016. Mudanças? Quais, quando se muda para ficar tudo igual? O pânico generalizado não tem significado para a presidente da República, uma vez que ela prefere a ideologia da gastança pública sem ter como pagar a conta, levando o povo a economizar nas lembranças natalinas, por falta de dinheiro no bolso. O petismo bolivariano conseguiu o feito de fazer os brasileiros passarem até o santificado dia de Natal apenas com a ilusão da alegria.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Que comam brioches!

Em entrevista recente ao jornal espanhol El País, o ex-presidente Lula afirmou, sobre a crise econômica brasileira, que, em vez de comer carne todos os dias, os pobres brasileiros vão comer arroz. Com a inflação e o desemprego na casa dos dois dígitos e a nomeação de Nelson Barbosa – um dos responsáveis pela caos econômico em que o País se encontra atualmente – como ministro da Fazenda, é possível que brevemente não haja nem mais arroz no prato dos pobres. E aí, vão comer o quê, presidente? Brioches?

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Papai Noel

“Fiquem tranquilos que, com o tempo, vamos resolver todos os problemas”, disse Nelson Barbosa. Seria um presente maravilhoso, se eu acreditasse em Papai Noel.

SUELY SABBAG

ssbbag@hotmail.com

São Paulo

Tempo

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que os problemas do Brasil serão resolvidos com o tempo. Quanto tempo? Três anos? Três séculos?

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustofefi@ig.com.br

São Paulo

O ministro pede calma

“Fiquem tranquilos que, com mais 12 anos de governo dos petralhas, vamos resolver todos os problemas.”

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jgsilvestrini@gmail.com

Pirasssununga

A corrida parada

Apertem o “sinto”, o piloto sumiu. Os especialistas em rali automobilístico ensinam que um dos segredos para a vitória é a perfeita sintonia entre o piloto e o navegador. Na verdade, vão mais longe: uma sintonia mínima é crucial para evitar acidentes. A equipe do rali Brasil Economia mudou. Mudou pelo absoluto desencontro entre o piloto Joaquim Levy e o navegador Nelson Barbosa. Depois de várias derrapagens e saídas bruscas para o mato, aproveitaram o pneu furado para mudar a equipe. O piloto estava desconfortável ao volante. O navegador indicava caminho à esquerda, mas ele insistia em manter o plano original à direita. Difícil estrada, acidente iminente. Chegado o recesso nos trópicos, o navegador foi promovido a piloto. E, pelo indisfarçável sorriso, aceitou o posto como um aguardado presente de Noel. E agora, o piloto mudou, a corrida recomeça? A torcida está apreensiva; patrocinadores, desconfiados. Haverá combustível para chegar ao fim? O Supremo Tribunal Federal (STF) entrou no meio da competição, mudando as regras desenhadas pelos cartolas. Depois de a chuva parar e de o sambódromo calar, voltamos à estrada. E até lá? Comer panetone caseiro, tomar espumante de segunda, encher pela metade a piscina de borracha. Ah, antes que alguém aponte, é “sinto” com S mesmo. Sinto que a inflação voltou, o salário encurtou, o dinheiro acabou, o médico faltou...

LEOPOLDO FIEWSKI

lffj.1965@gmail.com

Maringá (PR)

Preparemo-nos

Vamos todos dar as mãos e caminhar unidos para o suicídio da Nação. Tudo de acordo com as leis e com a Constituição. O Brasil vai para o fundo do poço de uma vez? Não faz mal, estaremos em pleno Estado de Direito. Mas não vivemos numa democracia? Vivemos, sim, mas temos de seguir as regras do presidencialismo. Mas a crise não vai se aprofundar em 2016, não haverá mais desemprego, mais desvalorização da moeda, mais inflação? Vai, sim, mas Dilma Rousseff foi eleita pelo voto popular e teremos de aguentar o tranco estoicamente. Preparem todos seus corações e mentes. E seus bolsos também. Até 2018!

REGINA ULHÔA CINTRA

reginaulhoa13@outlook.com

São Paulo

Difícil é fazer

Crítica de um renomado economista às falas otimistas do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, para tirar o Brasil da crise: falar é fácil, difícil é fazer.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

O mínimo

Na contramão dos países desenvolvidos, que praticam o Estado mínimo, o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, se apresenta como defensor da estatização. Não obstante lamentar essa infeliz escolha, que, ao menos nas áreas de sua atuação, ele demonstre sua vontade de moralizar e profissionalizar a gestão das empresas sob o seu comando. O País não suporta mais, de forma orquestrada, ver pessoas desqualificadas e mal-intencionadas no comando dessas empresas. Nas atuais circunstâncias, é o mínimo que se pede.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Ademir Fernandes, Antonio Carlos Gomes da Silva, Carla Emilia Brunet Lopes, César Moreira, Chumbo Gordo – Carlos Brickmann, Berta Brickmann e Marli Gonçalves, Edivelton Tadeu Mendes, Emmanuel Publio Dias, Everardo Maciel, Fernando Gabeira, Hayai Assessoria, Hugo Cagno Filho – Usina Vertente Ltda., Imre Deutsch Junior, Instituto Innovare, Jefferson Severino, Jorge Muzy, José Goldemberg, J.S. Decol – Decol, J.S. Marketing & Copyright Worldwide, Lucia Faria Comunicação Corporativa e Equipe, Maria do Carmo de Oliveira, Martins Fontes, Movimento Todos Pela Educação, Pedro S. Malan, Porminas, PR Newswire, Robert Haller, Sindicato da Indústria da Construção Pesada de São Paulo (Sinicesp), Sociedade de Consultores (Soccon), Tarzio Tomei, Topema Cozinhas Profissionais, Ulisses Nutti Moreira, União de Defesa da Propriedade Rural (UDPR), Vera Moreira Comunicação e Wanderley Rebello Filho.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PRECE DE NATAL

 

Especialmente hoje, desejo que todo o brilho do Natal vá para Mariana, e só saia de lá quando rio, plantas, pássaros e luar estiverem no seu devido lugar. Façamos silêncio, agora, para a tristeza abandonar aqueles que ainda não pararam de chorar... Amém!

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

FIM DE ANO

 

Quando chega o fim de um ano, para-se para pensar: o que eu ganhei? O que eu perdi? No que eu evolui? O que eu aprendi? Isso é pessoal, cada um responde por si. Agora, em termos de nação, ganhamos consciência, perdemos a vergonha de nos manifestar, evoluímos no poder de denunciar, e aprendemos que nos meandros da política os conchavos, os conluios, os acertos e a demagogia ainda estão acima do bem-estar e dos direitos do nosso povo sofrido. Desejo que continuemos assim: indignados, combativos e ativos no próximo e em todos os anos da nossa vida. Feliz Natal e um ano realmente novo!

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

QUEM ROUBOU O MEU NATAL?

 

Coisa é muito digna de se notar, que em um dia tão alegre como o do Natal, a Avenida Paulista perdeu o brilho de outros Natais, São Paulo entristeceu, ficou sisuda e feia como, no mais, o próprio semblante dos brasileiros. Já que nesta época fala-se em presentes, eis, entre tantos outros mais um presente dos PeTralhas para o Brasil, a pobreza e o desânimo. Parabéns Lula, que pegou o País pulsando forte para o progresso; a moeda estabilizada, e o ânimo dos brasileiros alicerçados em fatos positivos. Que fez o PT, destruir tudo o que de bom fora feito, encher o governo de corruptos, roubar bilhões do erário, devolver a miséria aos pobres, entristecer o povo, e encher-lhe o ânimo de desconfiança, no que se refere ao que nos vem pela frente. E o que vemos, dona Dilma encanzinada a agarrar o osso do “governo”; e o trem desgovernado envereda-se para o precipício do desprestígio e do descrédito. Os lindos sons do hino “Noite Feliz” e ceias fartas ficam para outros povos, pois que, os PeTrabalhas roubaram tudo, até o Natal dos brasileiros.

 

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

 

*

ESTAMOS CANSADOS

 

Estamos cansados... de filas nos hospitais moribundos, de escolas que são fechadas, de barragens que se rompem, de impostos escorchantes levados pela corrupção, de livrarias e editoras que sucumbem, do medo que nos assalta a cada esquina, das boates sem alvarás que queimam consumindo nossos jovens, dos museus sem alvarás que ardem carregando em suas chamas a nossa história, a nossa memória, o nosso grito calado do Ipiranga poluído, a nossa língua portuguesa tão vilipendiada por presidentas e presidentos. Estamos cansados de esperar pelo Brasil do futuro que jamais chegará. Ficamos tristes e cansados antes de nos tornarmos o Brasil que os brasileiros merecemos.

 

Ana Lucia Tubero anatubero@afasia.com.br

São Paulo

 

*

PEDIDO BRASILEIRO

 

É Natal. Além de pedirmos paz, saúde, sucesso pessoal e financeiro, talvez seja a hora de olharmos para os olhos do Papai Noel e pedirmos com toda força e coragem que dê aos brasileiros políticos decentes (ou menos imorais), mais preocupados com as coisas da Nação do que com suas mediocridades partidárias. Que Papai Noel possa conscientizar nossos juristas e próceres da Justiça de que precisamos de segurança, e para isso precisamos de leis mais rígidas, menos benevolência com criminosos e mais rapidez processual. E, se depois de carregar estes dois fardos imensos, ainda sobrar tempo, entregue a Dilma Rousseff uma cartinha de renúncia, quem sabe o Senhor ela ouve. Obrigado, Papai Noel!      

 

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

 

*

FELIZ NATAL!

 

Feliz Natal, ministros Edson Fachin, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, que votaram com 93% da população e não recorreram aos alfarrábios jurídicos nacionais e internacionais para proclamarem seus votos sobre rito do impeachment da presidente Dilma Rousseff, miraram o nefasto presente causado pela excelentíssima mandatária.  Pêsames aos oito outros, que votaram com a presidente e massacraram o desejo de milhões de brasileiros de acabar com esse governo incompetente e corrupto. Com é possível o mais alto poder de justiça da Nação, o Supremo Tribunal Federal (STF), ou melhor, oito de seus integrantes votarem a favor do continuísmo da arrogância, da empáfia e das negociatas com o Congresso Nacional, em detrimento da quase totalidade da população? Creio que realmente a Justiça é cega, não vê um palmo diante do nariz!  Portanto excelências, talvez tenham um feliz Natal, se as suas consciências o permitir, mesas fartas com as melhores guloseimas e bebidas, o polpudo salário permite, ao contrário de outros lares que já penaram este ano com a ata da inflação e, muitos, talvez, não terão nem o que por à mesa. Que as cansativas “vênias” tão usuais no tribunal sejam, no próximo ano, dirigidas ao povo brasileiro.

 

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

  

*

PINDORAMA SURREAL

 

Em verdade, em verdade vos digo que mal ou bem Lula conseguiu administrar sob o signo do PT, mas é claro, a partir da sua saída e a partir da entronização de um poste, a partir de 2011, o País puxou o freio de mão e a governabilidade se voltou para a consolidação do “ad aeternum” do poder. Estavam tão convictos de sua onipotência que incrementaram nos cavernosos laboratórios do petismo uma poção chamada corrupção em que políticos e empresários, governistas e oposicionistas, depois de serem punidos no mensalão voltaram suas garras e presas para a Petrobrás, este sim, um botim que daria para satisfazer a todos, tamoios e nuaruaques. A Polícia Federal, encimada pelo juiz Sérgio Moro está fazendo uma verdadeira revolução na ética e nos costumes quando coloca na cadeia empresários e executivos das mais poderosas empreiteiras da América Latina e até senador em pleno exercício de mandato. O cardápio de caviar e champanhe mudou para quentinha, banho frio e privada a ser usada de cócoras. Estamos vivendo numa Pindorama surreal. A economia e a política fazem por merecer um solene réquiem. A presidente pode perder o cargo em plena “cinzas”: seu sucessor, Temer, está sendo investigado: na ordem sucessória vem o presidente da Câmara que está com um pé fora dos direitos políticos. A fila anda e seria a vez do presidente do Senado, que também está sendo investigado, sobrando nessa parafernália de maus brasileiros o presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski. Parem a Terra, que eu quero descer.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

LULA NA PF

 

Sr. Luiz Inácio Lula da Silva (ex-presidente do Brasil), da próxima vez que a Polícia Federal lhe perguntar qual é o nome das suas noras, ao invés de passar vergonha e responder que não se lembra de seus nomes, sugiro que o sr. pergunte o nome delas a seus filhos, e vá preparado. Só assim não ficará constrangido.

 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

 

*

MAIS DO QUE NECESSÁRIO

 

Enquanto não se torna um caso de delação premiada, seria bom que o ex-presidente Lula fosse submetido a um detector de mentiras em seus depoimentos. O que estão esperando as autoridades?

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

DE LULA PARA DIRCEU

 

Depois do depoimento do ex-presidente à PF, é melhor redobrar os cuidados com José Dirceu, pois poderá amanhecer durinho na cela onde está preso. Não podemos nos esquecer de que o lema do PT é “os fins justificam os meios”.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

EM TEMPO

 

Zé, você prometeu colocar os pingos nos “is”. Esta aí uma enorme oportunidade de fazê-lo. O cavalo está selado, trotando. Aproveite!

 

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

ANTIADERENTE

 

Pelo jeito o homem aumentou o nome para Luiz Inácio Lula Teflon da Silva. Esse tacho vai precisar ser lavado com ácido ou com a boa e velha palha de aço. Eita sô, é um tal de não fui eu, não sei, nunca vi e não é comigo que dá azia em antiácido. Até o Vaccari não é chegado do tacho antiaderente.

 

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

 

*

DELAÇÃO NÃO

 

Se Lula for pego pelas malhas da lei, tem dois sérios problemas: não tem ninguém acima dele e não pode solicitar “delação premiada”, porque não sabe absolutamente de nada.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

DOIS PODERES EM CHOQUE

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) autoriza a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente do Senado, Renan Calheiros. Até que enfim! Agora vai ter com quem barganhar a sua inocência. Pode? Enquanto i$$o, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chama o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, de delinquente. E quem mais? Como estamos mal servidos no Congresso brasileiro. Dois Poderes em choque direto. Como se não basta$$e a incompetência da presidente Dilma Rousseff, tentando provar o improvável para poder continuar no “bem-bom” e nos enganando. Enquanto os brasileiros são submissos a uma vergonha mundial... E vamos ter de suportar e$$a troca de “gentilezas” entre o Judiciário e Legislativo? Que arbitrariedade. Fora presidentes do Congresso e presidente do Brasil. Fora PT/PMDB, não aguentamos mais!

 

Fernando Silva lfd.dasilva@uol.com.br

São Paulo

 

*

VAI TER GOLPE

 

Dia 18 de dezembro de 2015, sexta-feira, Renan Calheiros e o PT (Partido da Tramoia) oficializaram o "golpe" em nós, 204 milhões de brasileiros (maior parte de eleitores). É preciso esclarecer que tanto um quanto o outro construíram suas trajetórias políticas na base da corrupção, enganações, mentiras, violências. Venderam a nós a presidente Dilma com a imagem de gerente eficientíssima, de grande competência administrativa, a mãe do PAC. É bom lembrar que nestes últimos 12 anos "elles" têm à sua volta seus "aliados" (o que há de pior na política), os já conhecidos José Sarney, sua filha Roseana, Fernando Collor de Mello e muitos outros, até Paulo Maluf recebeu visita e abraços em sua casa. Sempre à margem da lei, zelando somente por seus próprios "interesses", com a polícia no encalço. Para sacramentar essa "união", na quinta-feira (dia 17), oito ministros do Supremo Tribunal Federal, avançando sobre área de competência exclusiva dos eleitos pelo povo (Câmara dos Deputados), delinearam o rito para o processo de impeachment da presidente, promovendo o "fechamento" da Câmara Baixa. Todos eles estão prestes a protagonizar o maior "golpe" (calote) político de todos os tempos.

 

João Batista Tavares da Silva perestavares@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O ESTADISTA RENAN CALHEIROS

 

Entra governo, sai governo, lá está Renan Calheiros aliado da situação. No épico debate presidencial entre Lula e Collor, em 1988, quando o petista acusou o "caçador de marajás" de chegar em dez jatinhos, Collor rebateu dizendo que viera num único, acompanhado de sua mulher e, adivinhem, por mais quem? Renan Calheiros (!). Depois, renasceu das cinzas como ministro da Justiça do governo Fernando Henrique. Não tardou muito para aflorar a amizade com Lula, e da mesma maneira com Dilma. No início do ano, Renan até arriscou algumas discussões com o governo, mas, coincidentemente, assim que seu nome apareceu na Lava Jato, o hoje presidente do Senado (PMDB-AL) se tornou homem forte de Dilma. Feito aquele acordão (do qual não podemos nos esquecer) entre Dilma, Janot e Renan, uma espécie de colete à prova de balas foi dado a este. Citado diversas vezes em delações premiadas, tal qual Cunha, o processo contra Renan Calheiros anda a tempos bíblicos. Diante da troca de líderes na Câmara – o governista Leonardo Picciani pelo oposicionista Leonardo Quintão – e da reação da executiva nacional do PMDB de barrar filiações do Planalto, Renan declarou que o dr. Ulysses Guimarães deve estar se remexendo no caixão. Tal afirmativa é tão válida quanto a inocência de Renan: o corpo do saudoso Ulysses jamais foi achado.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

SIGILOS

 

Renan Calheiros vai ter os sigilos bancário e telefônico abertos, ou, digo, escancarados, e aí a coisa vai ficar feia para o lado dele.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

PESADELO

 

Que país é este onde o presidente da Câmara tem suas casas vasculhadas, contas no exterior expostas, etc.? Que assessores do presidente do Senado são investigados e presos e, agora, o STF ordena a quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente do Senado, que é também presidente do Congresso, e nada acontece? Não dá para acreditar. Este país não existe. Devo estar sonhando.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

RENAN ATACA NOVAMENTE

 

Este incansável "senhor" das inúmeras cabeças de gado fantasmas resolveu retirar do comando de seu partido, o PMDB, o vice-presidente Michel Temer. É lógico que Renan deseja ele próprio de apoderar desta função para poder ainda mais se achegar a Dilma e impedir de maneira arbitrária o processo de impeachment desta que é a pior presidente de todos os tempos jamais vista em nosso país. Renan deseja tirar sua "casquinha" nesta situação toda, pois tanto seu sigilo bancário quanto o fiscal agora foram quebrados e muita sujeira daí irá sair e ele irá querer desviar o foco destas investigações que poderão levar à sua cassação a qual já deveria ter ocorrido em outros tempos por conta de outros escândalos ocorridos em sua vida política e particular. Renan, o todo implante capilar, que nos custou uma enormidade por ter se utilizado te aeronave da FAB para sua locomoção para realizar tal procedimento, está na berlinda mais uma vez e se for investigado a fundo, não terá muitas alternativas senão abdicar mais uma vez de seu posto de presidente do Senado e pedir aos deuses do Olimpo que não sofra qualquer processo de cassação por suas falcatruas recorrentes.

 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

 

*

LAVAGEM RÁPIDA

 

Já já Renan muda de lado! Será como se fosse uma lavagem rápida em qualquer coisa a ser lavada. Já já o "japonês da Lava Jato" vai estar em Brasília ou em Maceió (AL). Só não sabemos ainda se pela venda dos bois ao açougue-frigorífico da cidade de Murici nas Alagoas  ou se pela maior empresa brasileira, orgulho da nação a falida Petrobrás. Daí em diante Temer será um de seus melhores amigos. Vamos conferir!

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmailo.com

Avanhandava

 

*

IMPIZZAMENT

 

O Supremo Tribunal Federal deu ao Senado, presidido por Renan Calheiros, a decisão final sobre o rito de impeachment contra Dilma Rousseff. Vem aí o 'impizzament'. Pobre Brasil!

 

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

DESTRUIÇÃO MÚTUA

 

Cunha vai destruir Dilma, Dilma vai destruir Cunha. Renan vai destruir Temer, Temer vai destruir Renan. Quando essa guerra de quadrilhas acabar com todos abatidos, caberá ao deputado federal mais votado assumir a Presidência da República, no caso, o Palhaço Tiririca, contra quem nada consta.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

EDUARDO CUNHA

 

Ninguém pode com ele, não se metam nem de chegar perto, o homem é capaz de destruir tudo e todos, esperem, nem o STF vai acabar de pé, é muito mais provável que Dilma caia antes dele.

 

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORRUPÇÃO NA CORREGEDORIA

 

Graças à denúncia do “Estadão”, de que na Corregedoria da Polícia de São Paulo corria livre e solto um mensalão, que entre outras vigarices, policiais deste órgão recebiam até R$ 50 mil por mês, para proteger corruptos que deveriam ser investigados e presos, que o governo estadual demite a cúpula da Corregedoria. O lamentável é que somente depois que a imprensa denuncia as graves irregularidades que ocorrem corriqueiramente no seio das nossas instituições é que os governantes tomam providências para investigar, afastar ou prender seus corruptos. É uma pena!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

INDECÊNCIA

 

Sem a menor sombra de dúvidas, o País está simplesmente acabado, imaginem a que ponto chegamos: a polícia da polícia envolvida em corrupções. A Corregedoria subornada pela própria Polícia para lhes dar cobertura. Indecência, né não?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PESCADORES DO RIO DOCE

 

A natureza é sábia, desde que não agredida, sabe se recompor. O Rio Doce, por si só, vai se recuperar, mas isso leva um considerável tempo. Que tal, objetivando facilitar a recuperação proibir a pesca durante alguns anos e prover cursos profissionalizantes a todos os pescadores ribeirinhos cadastrados?  Que tal a Samarco manter uma ajuda de custo durante dois anos e, paralelamente, à livre escolha dos pescadores, submetê-los aos cursos profissionalizantes? Será tempo mais que suficiente para adequá-los a uma nova profissão. “Se a vida lhe der um limão faça uma limonada” – na prática é assim que se obtém sucesso.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.