Fórum dos leitores

ENFIM, TERMINA 2015

O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2015 | 03h00

Pronunciamento

Presidente Dilma Rousseff: eu e todos os brasileiros estamos ansiosos e com muita saudades da senhora! Por favor, não se esqueça do seu tradicional pronunciamento de fim de ano na TV, para nos explicar como vai nosso lindo Brasil, que navega tranquilamente de vento forte em popa. Estamos esperando para saber como anda nosso país neste fim de ano, se já eliminou o perigo de cair no precipício e está projetando um novo ano com um lindo horizonte reluzente para os brasileiros... Assim sendo, esperamos a senhora de braços abertos e com as panelas nas mãos para saudar o novo ano com mais um lindo panelaço. Não se esqueça de divulgar o horário para que possamos comemorar ruidosamente a passagem de ano.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benonepaiva@gmail.com

São Paulo

Agradecimento

Neste último dia de 2015 gostaria de agradecer ao lulopetismo e seu governo de coalizão tudo de espetacular que nos proporcionou: 13 anos de governo corrupto, mentiroso, incompetente, prepotente; Cunha presidente da Câmara; Renan presidente do Senado; Lewandowski presidente do STF; 31 ministros escolhidos por seu notório saber; Dirceu, Vaccari, Delúbio, Delcídio e outros guerreiros do povo brasileiro; Cerveró, Costa, Duque, Zelada, Barusco e outros ladrões da Petrobrás a serviço do governo de coalizão; Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, UTC, Camargo Corrêa e outras idôneas empreiteiras, sócias do idôneo governo de coalizão; educação, saúde, segurança ao deus-dará; índices de inflação e desemprego disputando o primeiro lugar; massiva publicidade mentirosa nos meios de comunicação enganando o povo e pondo venda nos olhos e mordaça na boca da mídia; angústia de ter pela frente mais três anos disso tudo que está aí. Feliz fim de 2015! 

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Adeus, ano velho...

Como podemos terminar o ano de 2015 felizes, diante de tantos escândalos de corrupção em nosso país? Como podemos desejar um feliz ano-novo aos nossos parentes e amigos, sabendo que 2016 será um ano com enormes desafios a serem vencidos, por causa da péssima gestão dos governantes brasileiros na última década? Como anda a esperança do povo brasileiro, sabendo que vamos iniciar um novo ano com os mesmos velhos políticos que assolam a economia do nosso país e avacalham a administração federal, estadual e municipal? Como vamos despedir-nos de 2015, sabendo que os piores trombadinhas estão levando bilhões de reais todo ano, pois têm o poder da caneta e assaltam os cofres públicos diariamente? 

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Votos

Neste fim de 2015, desejar “feliz ano-novo” a brasileiro soa algo hipócrita!

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Prece de ano-novo

O apagar das luzes deste ano de 2015 deixa o Brasil numa escuridão como “nunca antes visto na História deste país”. Com o atual status quo fica impossível vislumbrar qualquer caminho que ponha o Brasil na trilha de um ano-novo feliz. Somente a Providência Divina, acolitada por políticos honestos (se é que ainda existem), conseguirá extirpar do comando do nosso país a avassaladora maioria de governantes corruptos, substituindo-os por pessoas honestas e competentes, capazes de iluminar o caminho promissor que tanto almejamos. Rezemos: Senhor, escutai as nossas preces.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Esperança de dias melhores

Em meio aos obstáculos e tropeços neste ano que finda, fica nossa esperança de que em 2016, mesmo sabendo que será um ano desafiador e atípico, sejamos capazes de enfrentá-lo com muito trabalho (mais ainda) e fé em dias melhores. E que decisões político-administrativas não conturbem ainda mais a vida dos brasileiros - do empresário ao operário de chão de fábrica, do capitalista ao desempregado. Um feliz ano-novo, na paz e na prosperidade possível.

ALOISIO DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Sonhos para 2016

Creio que estes sejam alguns dos sonhos de todo brasileiro, para se concretizarem a partir de 2016. Que o Brasil sofra na sua estrutura política e moral algumas alterações, como, por exemplo, um(a) presidente, de qualquer partido, que não precise dar pedaladas para atingir seus objetivos; um vice que tenha atitude firme desde o início do governo; que os presidentes da Câmara e do Senado sejam políticos com passado ilibado; que o líder da maioria da Câmara não precise de dinheiro na cueca; que ex-presidentes da República se comportem como tal, sem interferir, apoiando ou sabotando quem lhes sucedeu; que as estatais não sirvam de trampolim para alguns alcançarem seus mandatos; que o Judiciário aja de forma realmente isenta e independente e seus membros não sofram, nas suas decisões, influência de quem os indicou; que a corrupção comece a ser extirpada dos meios político e empresarial; que surjam verdadeiros líderes, nacionalistas autênticos, que conduzam o País à posição de destaque que ocupava no passado. Sonhar, pelo menos até agora, é grátis.

RICARDO PEREIRA DE MIRANDA

ricarmiran@terra.com.br

Salvador

Para que venha realmente um feliz 2016 é preciso exorcizar do Brasil os corsários travestidos de vermelho, cuja regra do jogo é destruir para dominar. O cidadão, eleitor ou não, que não reagir para ajudar a libertar o Brasil dos efeitos e da contaminação provocados pelos rejeitos da radioatividade dessa bomba suja formada pelos que saquearam o País será cúmplice do crime político ou síndico da massa falida chamada Brasil.

LEON DINIZ

leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e feliz e próspero ano-novo de José Piacsek Neto, José Roberto e Mariza Helena, José Rubens Macedo Soares, Julieta Nogueira, Katia Maria, Luiz Eugenio e Janaina Clemente, Maria Alice e Cláudio Paschoal, Maria Tereza Murray, Marta Suplicy e Marcio Toledo, Mineiro Delivery, Modesto Carvalhosa, Mundiware - Media Innovation, Nelly Candeias, Pado - Selmo Rodrigues, Paulo Natale Penatti, Paulo R. Kherlakian, Pedro Galuchi, Hotel Península, Reset Notebook e Ricardo Patah - presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

2016 ­- Resistamos

Encerro o ano de 2015 em melhores condições que a maioria dos brasileiros, no Il Campanário, em Florianópolis -- lazer fruto de quarenta e cinco anos de militância advocatícia, porém com inaceitáveis episódios estressantes que resultaram de leviandades administrativas consistentes em descumprimentos de obrigações assumidas por esse hotel, considerado um dos mais "glamourosos" de nosso sofrido Brasil. A administração da coisa pública brasileira neste 2015 coroa o desenvolvimento no sentido do não-ser coletivo. Negativas, mentiras, falta de caráter generalizadas. Nefasto é o espraimento dessa negatividade para o âmbito de entidades privadas, que naturalmente têm como exemplo a gerência pública. Seguiremos até o pleno desfibramento da sociedade brasileira? Esperamos que 2016 se inicie com a resistência consciente dos brasileiros que não se conformam em ser atropelados pela História.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

2016 sem arrogância

Segundo Eliane Cantanhêde, "a presidente Dilma Rousseff terminou o ano de 2015 como começou, arrogante, errática e metida numa crise monumental, agora tentando escapar do impeachment". Será que Dilma conseguirá terminar o próximo ano como "presidenta" da República? Tomara que não, para o bem do nosso país. Pois, contrariando a brilhante colunista Eliane Cantanhêde, a mente e o coração de Dilma nunca balançaram e jamais balançarão para "botar a casa em ordem". Seu único desejo é manter o PT no poder, e de forma astuta, no início de seu segundo mandato, para nos enganar e tentar nos fazer acreditar em um ajuste fiscal e uma política econômica séria, colocou o Joaquim Levy à frente do Ministério da Fazenda, mas apenas como um figurante para acalmar  o mercado financeiro. Mas, pensando bem, Joaquim Levy não era tão competente nem estava preparado para o cargo, pois se realmente fosse competente teria percebido logo no início que estava apenas sendo usado e teria saído bem antes desse desgoverno. A sua permanência no cargo por um ano apenas contribuiu para Dilma e sua turma continuarem fazendo suas malvadezas e destruindo o nosso país. Espero que em 2016 todas as pessoas de bem se unam em defesa do Brasil, para que possamos dar um basta a esse desgoverno o mais rápido possível e assim também começar a colocar o País nos trilhos. Ou então vamos ser atropelados por uma "Argentina sob nova direção".

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

Economia fazendo água

O bilionário mexicano  Ricardo Salinas veio em 2008, com seu banco Azteca e sua rede de lojas Elektra, de olho no consumo do Nordeste, e instalou-se em Pernambuco. Após sete anos quer ir embora, pois fechou sua rede de lojas devido à crise econômica. A população de baixa renda era seu foco, mas como tudo na vida um dia acaba, ocorreu que essa população viu seu poder de compra se desmanchar. Esse é mais um empresário que apostou no Brasil e se deu mal. É mais um oportunista que acreditou nas promessas de Lula, do seu governo corrupto e desacreditado. Em 2016 virão mais, basta aguardar. É a economia de Dilma e seu PT fazendo água.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

Embraer bate asas para os EUA

Notícia da época de festas: o reputado boletim de notícias Relatório Reservado nº 5.266, de 10-12-2015, informa a transferência da fabricação de todos os aviões executivos do Brasil para a Flórida (EUA). Ou seja, as divisas não serão geradas para o País e os postos de trabalho dos brasileiros irão para os cubanos da Flórida.

Roldão Simas Filho

rsimasfilho@gmail.com

Brasília

*

The Economist

Parabéns pela nova conquista dos petralhas. Nunca antes na História deste país fomos celebrados dessa forma, com a honra de ter a primeira capa da revista de economia e política internacional mais famosa do planeta, "The Economist" . Sentiremos, sim, saudades de 2015, pois se nos esforçamos para lograr a maior recessão da história, com a volta a dois dígitos do leão inflacionário, volta a "junk" - leia-se "lixo"!!! - da economia, o fechamento de facto da Câmara dos Deputados por essa vexatória decisão da Suprema corte... Aguardem: 2016 será o ano em que finalmente a facção criminosa no poder nos apresentará o "gostinho" do que é a Venezuela. Nunca antes...

Sergio Vivacqua de Medeiros

sergiovivacqua@ig.com.br

Rio de Janeiro

*

Por que me envergonho

Ao deparar com a incontestável capa da revista The Economist, Afonso Celso, se vivo fosse nestes tempos de governo de Dilma Rousseff, teria mudado o título do seu livro para “Porque Me Envergonho Do Meu País”.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

Noves fora

Enfim, chegamos ao fim de um ano que nem começou e 2015 não deixará nenhuma saudade. Um verdadeiro caos político e econômico tomou conta do  País. Negociatas inescrupulosas entre o governo federal e o congresso nacional (tudo em minúsculas, por favor) enojaram a Nação, onde imperou o comércio indecente de cargos em troca de vantagens políticas. Os três Poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, cuidaram para que essa desgraça acontecesse.  A corrupção, protagonista principal, não saiu das manchetes, a economia empacada e as mutretas contábeis fizeram com que passássemos, aos olhos do mundo, de bons pagadores a potenciais caloteiros - nossos títulos, jogados às traças, valem menos do que lixo ou de aparas para reciclagem. E o que esperar de 2016? Numerólogos de plantão já fizeram as previsões. A soma dos algarismos resulta em nove, portanto, noves fora, NADA! Assim, a presidente Dilma vai ser tetra em recessão, pois vai finalmente dobrar as metas que tanto prometeu. Dobrará a inflação, o desemprego e a taxa SELIC, o câmbio continuará nas nuvens e o PIB, cada vez mais enterrado na negatividade. Mas a empáfia...

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

O Supremo no Brasil

Ao apagar das luzes de 2015, nosso órgão máximo do Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, mostra as caras à sociedade brasileira, e diz ao que veio para o futuro da nação. Nós, brasileiros, humildes em nossa ignorância jurídica, mais uma vez vemos que nossas instituições, notadamente o Judiciário, com raras exceções que são aplaudidas pela sociedade, estão necessitando uma reciclagem de conhecimento e ética.

Feliz 2016.

Gilberto de Lima Garófalo

gilgarofalo@uol.com.br

São Paulo

*

STF

Aquele  que  foi  nomeado para  ser ministro do STF, se acha que está  devendo favor a  quem o nomeou,  é  porque é incapaz  para o cargo. 

Não  falta  vergonha apenas,  mas  sim  brio,  que  é  próprio do homem.

Dionysio  Vecchiatti

dio.vecchiatti@terra.com.br

Valinhos

*

Retrospectiva

Em seu artigo "Retrospectiva 2015", Marcelo Rubens Paiva demonstra que passa a maior parte do seu tempo assistindo ao Netflix. Talvez seja por isso que esteja tão por fora do Brasil real, das ruas, do desemprego, da crise, do pessimismo quase generalizado... E ao fazer piada sem graça sobre o "filho de Lula", o Lulinha (ou "Ronaldinho dos negócios"), atestou a sua desonestidade intelectual e a sua parcialidade em favor de um “ladrãozinho” filhinho de papai. O escritor Marcelo Rubens Paiva é fraco na forma e no conteúdo. Só sobrevive graças ao sobrenome do seu pai. Este, sim, merecedor de respeito pela luta - e morte - contra a ditadura.

Sandro Ferreira

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa

*

Herói nacional

Nossa querida presidente Dilma Rousseff fechou com chave de ouro o desastrado ano de 2015.  Não tendo mais nada para fazer, pois nosso país anda às mil maravilhas, a presidente sancionou projeto que permite classificar Leonel Brizola como herói nacional. Agora não precisamos de mais nada. Trata-se de herói que se encaixa perfeitamente nesse pobre país desgovernado e perdido no meio da incompetência e da corrupção. Fica cada vez mais difícil pensar em recuperação da economia, da política, da ética, da educação e da saúde. Não sei onde vamos parar.

Celso Battesini Ramalho

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

Brizola e o sapo

Dilma vai incluir Brizola no Livro dos Heróis da Pátria. Brizola bem definiu Lula como "sapo barbudo". Os brasileiros não vão mais engolir esse sapo, estão engasgados e finalmente despertaram, e quem o fez foi o próprio sapo, que nunca foi príncipe.

Elisabeth Migliavacca

elisabeth448@gmail.com

Sao Paulo

*

A encerrar o ano dilmista, nada mais coerente que pôr o nome de Leonel Brizola entre o heróis nacionais. É o reconhecimento do rancor e o fracasso originário do alter ego político da nossa desastrada presidente. Brizola,  autointitulado nacionalista que tinha seu patrimônio e investimentos no Uruguai, sempre foi contra tudo e contra todos. Não tinha adversários, só inimigos. E tal qual Dilma foi péssimo administrador, deixando rastros de fracassos por onde governou, tanto no Rio de Janeiro como no Rio Grande do Sul, até hoje sofrendo consequências de seus desatinos morais e governamentais. Elevá-lo ao nível de Anita Garibaldi, D. Pedro I e outros poucos herói de uma pátria tão pobre de heróis é uma demonstração típica da esquerda odienta e rancorosa, desrespeitosa dos verdadeiros valores, substituídos pela ideologia do fracasso e da corrupção. Melhor fez o ditador sanguinário Fidel Castro em considerar Leonel Brizola no panteão dos gatunos sob o título de "el ratón" .

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

Ideias tortas

Não poderia haver melhor descrição de Dilma Rousseff do que a feita por Eliane Cantanhêde em sua coluna de ontem no Estadão (pág. A7). Pouco antes, na página A4, pudemos comprovar a admiração de Dilma por Brizola e suas ideias tortas, que chamo de "tara estatizante".  Não bastando já admirá-lo na prática, praticando sua política econômica burra,  perdulária e inflacionária, Dilma quer que todos os brasileiros engulam a figura de Leonel Brizola como herói nacional, cujos exemplos práticos mais próximos de sua doutrina - formada pelos quatro pilares elencados por Eliane - são a Argentina e a Venezuela. Se Dilma quer cultuar o Capeta, que o faça em casa.

Frederico d'Avila

fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

*                                       

Depois que Jango, Marighela, Guevara se tornaram heróis nacionais sob ordens dos governos do PT, nada a estranhar que Brizola se torne também. Se o PT permanecer, quem sabe, Lula e a senhora do Planalto, guerrilheira, assaltante de banco, sequestradora, um dia tenham seu nome no Panteão...

Henrique Gândara

clineurohenrique@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

Crise

Tudo o que a Nação precisava: mais um "herói" para comandar os bravos "guerreiros do povo brasileiro"...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

Casuísmos

Quando a lei não está de acordo com o que desejo, mudo a lei. Esse parece ser o lema dessa senhora que ainda preside o Brasil. Num último (espero) ataque de voluntarismo e atraso mental, sancionou lei que reduziu de 50 para 10 anos o prazo para inclusão de personalidades no panteão dos “heróis nacionais”. Conseguiu, assim, aí incluir seu ídolo Leonel Brizola. O jeito de ela governar(?) traz de volta os anos 40 do século passado, quando, em 1943, Assis Chateaubriand, inconformado com lei que regia a guarda de filhos de pais separados, fez com que Getúlio promulgasse a famosa Lei Teresoca, que permitiu a guarda paterna de sua filha Teresa Chateaubriand Alkmin. O pensamento retrógrado e corrupto não mudou nada em 72 anos.

Nelson Penteado de Castro

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.