Fórum dos Leitores

Dois homens e um destino

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2016 | 03h00

O ano terminou com um novo ministro da Fazenda. Por falta de opção no mercado ou porque ninguém foi louco em assumir tamanha responsabilidade, a presidente nomeou Nelson Barbosa para o cargo. Perdido por perdido, truco! O grau e investimento já tinha ido para a "cucuia" mesmo, a economia descendo ladeira abaixo, na banguela, o que vier é lucro.  Não deu tempo para nada ao novo ministro, a não ser pronunciar as palavras odiadas pela direção do PT, sindicatos e pelo ex-presidente Lula: ajuste fiscal. Caiu em desgraça.  Em nota o PT condenou seu discurso e por tabela mandou um recadinho ao presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini: nem pense em aumentar os juros básicos!  A inflação é apenas um detalhe. Conclusão: o PT vai continuar a afundar o Brasil e dois homens na linha de tiro. Ou obedecem, ou terão o mesmo destino de Levy, resta saber quem será decapitado primeiro. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Sem saída

Dillma, sem saída, troca seis por meia dúzia na Fazenda. Leva puxão de orelha do seu criador e do PT, mas, não tem nada mais a oferecer ao país senão mentiras e mais do mesmo. Ou seja: nada.   

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Óleo quente

Quando Lula, Rui Falcão  e PT pressionam  Dilma, exigindo  uma "resposta  rápida" à crise  econômica ,  fica  tudo  muito claro para mim, parece até que vejo o óleo no tacho , igual àqueles de fritar pastel nas feiras , no fogo máximo , somente aguardando o momento certo e oportuno para empurrar a presidente. Ou será que sem fritá-la o Lula terá alguma esperança  em 2018?

Arnaldo de Almeida  Dotoli arnaldodotolu@hotmail.com

São Paulo

Sindicatos

Os sindicatos brasileiros servem para que? Para proporcionar aos seus presidentes candidaturas políticas e interesses pessoas e descontar da folha dos trabalhadores um dinheiro se fazendo de representantes destes e agora é contra ao único acerto deste governo, se podemos chamar assim, que é o ajuste fiscal.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

Se...

Alguns economistas apontam maneiras de superar a crise que sufoca o País e leva o povo trabalhador ao desespero.  Poderia até funcionar se, e somente 'se', criador e criatura mais a 'cumpanherada' deixassem o ranço ideológico via mentiras populistas.  Se, e somente 'se', o governo  cortasse efetivamente gastos com ministérios e cargos inúteis.  Se, e somente 'se', deixasse de comprar apoio, via emendas parlamentares.  Se, e somente 'se', abdicasse dos gastos com cartões corporativos, misteriosamente ocultos por 'segredo de estado'. Se, e somente 'se', fosse sério e comprometido com a nação.  Enfim, se, e somente 'se', respeitasse a constituição e trabalhasse!  

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

Pessimismo dos analistas

Bem preocupado, assim como toda sociedade brasileira com o desenrolar da nossa economia ano de 2015, e também como que o então novo ministro da fazenda, Joaquim Levy, apesar de competente, um estranho no ninho apodrecido do PT, poderia conduzir o improrrogável ajuste fiscal, fiz questão de guardar o caderno de economia do Estadão, edição de 21/12/14, enriquecido com as perspectivas dos mais renomados especialistas em macroeconomia.  E confrontando com o publicado pelo mesmo jornal em 3/01/16, contendo também perspectivas de vários especialistas para este ano, podemos perceber que o inicio de 2015, era bem menos traumático com relação ao que se vislumbra, e os especialistas confirmam para 2016.  Inclusive boa parte das criticas dos analistas recaiam sobre o pífio superávit primário de 1,2% que almejava Levy. Mas, depois das descobertas criminosas das pedaladas fiscais, e queda de arrecadação terminamos o ano com um déficit inédito de R$ 120 bilhões.  Também da queda não prevista do PIB de 4%. Déficit público dos mais altos do mundo! Juros idem!  Governo que não governa! Sem credibilidade! Sem grau de investimento! E sem a dignidade que pelo menos Joaquim Levy, queria implementar nas contas públicas, e recuperar a economia.   Mas, para 2016, a projeção é de mais um PIB negativo de 3%, e desemprego de 12%, ou corte neste ano de 2,2 milhões de empregos.  Maior fuga dos investidores.   E crise política, recheada com um provável impeachment da presidente, e de dezenas de políticos ameaçados de prisão por envolvimento no petrolão, este quadro desolador, certamente promoverá mais incertezas e quebradeira de empresas em massa.  E um sonhado governo de coalizão muito mais distante...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

2016 chegou, nada mudará

Continuaremos convivendo com Lulla, Dilma, Cerveró, Temer, Cunha,  Calheiros e um monte de Sarneys espalhados pela Câmara e Senado Federal . Sergio Moro continuará a ser o personagem mais importante da República e nós continuaremos a pagar as contas da incompetência e desgoverno do PT. Não adianta Chicos Buarque e outros pseudointelectuais continuarem a apoiar a máfia, o Brasil está no buraco negro e se tudo der certo dentro de uns dez anos retornaremos ao caminho do desenvolvimento e progresso.  Feliz ano novo, Brasil! 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Dilma e o artigo

A presidente Dilma assinou um artigo na Folha de S. Paulo, em vez de se pronunciar à Nação, como sói acontecer. Desfiou sua desconexão com a realidade, como era de esperar, e não trouxe nenhum alento aos brasileiros, que podem se preparar para um ano duro, fruto dos desacertos de um governo desarticulado, confuso e eleitoreiro.  

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

Terceirizando a confissão

Repararam que Jaques Wagner foi escalado por Dilma Rousseff para confessar alguns dos erros crassos cometidos pessoalmente por ela durante todo o seu primeiro mandato? Ela, por si, teima em não reconhecê-los. Como é óbvio, esses erros destruíram o Brasil, causando desemprego elevado, inflação descontrolada, contas públicas em desordem, saúde pública caótica, educação precária, roubalheira generalizada e humilhação do País perante o Mundo, que foge daqui. Assim mesmo o ministro tenta, com uma marretada na cruz e outra na ferradura, achar alguma razão para a absoluta incompetência, inabilidade e irresponsabilidade de sua chefe, hoje características unânimes sentidas na pele pelos brasileiros.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo 

Mea culpa?!

O ministro petista Patrus Ananias pede ao partido que faça mea culpa e exame de consciência pelas sujeiras feitas desde 2003. Não adianta, é perda de tempo. Sugiro ao senhor ministro que, ao invés de fazer pedidos deste tipo, por que não sair do partido, já que seus pruridos éticos o estão incomodando?  Hélio Bicudo, Francisco Weffort, Marco Antonio Villa... já se mandaram. Tá esperando o quê, o Lula entrar para um convento dos beneditinos?

Joaquim Luiz Bessa Neto  jlbessaneto@gmail.com

São Paulo

O ex-presidente e as apurações

Será que das 12 apurações em curso Lula vai conseguir se safar de todas? 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Lula, o engodo

Lula está sendo dismitificado por tantos escândalos e até pelo envolvimento do filhinho, o Lulinha Gates, e do Bumlai, aquele que em nome do Lula tudo fazia e tinha carta branca para entrar nos palácios. Mas o Lula, como sempre, disse que ele não era íntimo dele. Sempre os mentirosos o repetem o Maluf method. De tanto falar mentiras, uma hora muita gente acredita nelas e viram verdades. Mas o que cabe agora perguntar é o seguinte: quando o PT, Lula, Falcão e Dilma vão pagar tudo o que foi afanado e depenado da carniça petista da outrora uma empresa de ponta, a Petrobrás? Isso e que o MP tem que ir atrás e cobrar repetidamente até eles pagarem. Se o PT vai cair ou vai afundar, aí é problema só deles. Afinal, entraram nessa canoa furada por ganância e por sem-vergonhice. 

Antonio Jose G. Marques

Rio de Janeiro

Impeachment nos outros é refresco

"Acredito que o impeachment será votado porque o Congresso Nacional sabe da responsabilidade que hoje recai sobre os ombros da instituição e sabe que se não votar o impeachment ficará desacreditado junto ' a opinião publica. Acho que o Congresso Nacional tem clareza de que nós vivemos uma crise profunda de governo e somente com a saída do governo é que nós iremos resolver  problemas da nação" - Luiz Inácio Lula da Silva, em 1992, manifestando-se a favor do golpe contra Fernando Collor de Mello, então presidente democraticamente eleito.

João Manuel FSC Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos 

Aula sobre o impeachment

Seria importante que todos os brasileiros tivessem a oportunidade de ler o excelente artigo "O povo bestificado", do advogado, ex-ministro da justiça do governo Fernando Henrique Cardoso, Miguel  Reale Júnior, fls A2, deste sábado. Nesse artigo ele consegue calar petistas, juristas palacianos e membros do governo que insistem em dizer, sem base alguma, que o impeachment é golpe. Deixa claro, também, que o Supremo Tribunal Federal, pelas suas manobras bolivarianas, criou uma insegurança jurídica acerca do impeachment, que entendeu que uma decisão da Câmara dos deputados, admitindo acusação contra a presidente por 2/3 dos seus membros pode ser anulada pelo Senado por maioria simples, favorecendo a presidente Dilma, que cometeu inúmeros crimes de responsabilidade, deixando o povo consciente bestificado.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Pedaladas

O pagamento de 4,8 bilhões para quitar pedaladas é feito de forma ilegal por Dilma e provoca a quebra do BNDES. MP 704 ilegal e inconstitucional pode gerar novo pedido de impeachment em fevereiro.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Condenados pedem perdão

A manchete (31/12) me levou a devaneios. Alguns humanos íntegros fazem um balanço honesto de suas atitudes, pensei que veria pedidos de perdão pelos desvios que faz tantos não poderem contar com saúde pública, com segurança, com escolas dignas. Perdão pelos roubos ao erário,  que afeta a vida dos mais pobres e indefesos. Perdão  a quem lhes confiou o voto e a nação.  Perdão por destruir o futuro de nossas crianças,  a confiança em líderes.  Infelizmente a leitura do texto mostra que o perdão que pedem é... da pena que cumprem. Querem perdão para desfrutar de sua parte no butim. E nada mais. Infelizmente as raposas seguem com apetite...

Marcos L Susskind  chegadedrogas@gmail.com

São Paulo 

Fala sério, Dora Kramer

Duvido que algum leitor tenha sentido alguma "esperança de que a presidente da República tenha se dado conta dos males causados por suas decisões e que vá finalmente rever atitudes colocando o dever de estadista acima de suas crenças". Sabemos muito bem que a Dilma ainda "está" presidente graças ao nosso dinheiro, que foi distribuído no final de 2015 aos parlamentares, através da liberação de verbas parlamentares e assim, o apoio deles já foi comprado e pago e também graças ao Lula e aos sindicalistas, que também são mantidos com o nosso dinheiro. Sabemos que a Dilma não é mulher de trair os "cumpanheiros" e jamais adotará alguma medida que possa dar um outro rumo ao nosso país e colocar em risco o fim das mordomias dos "cumpanheiros" Lula, sindicalistas, congressistas e ministros. Ou o povo acorda e vá para as ruas promovendo um verdadeiro arrastão contra a corrupção ou se contenta em comer pão com mortadela. Acreditar que a Dilma e o seu mais novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vão fazer alguma lição de casa para amenizar a atual crise econômica, é o mesmo que acreditar que o Papai Noel vai lhe dar aquele tão sonhado presente no próximo Natal. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Farra em Paris

Como de costume, tudo foi feito às escondidas, na Conferência do Clima em Paris. O luxuoso hotel 5 estrelas Le Britol hospedou 900 pessoas da comitiva presidencial no final de 2015, gastando aproximadamente R$ 3,5 milhões com diárias. Os presidentes dos outros países participantes da COP-21 levaram, em média, 10 assessores, cada um. Como a presidente petista não está disposta a cortar gastos da côrte brasileira, então faz-se necessário o aumento de tributos para bancar essas constantes mordomias palacianas. O ano que se inicia será repleto de propostas de implementação de novos impostos, pois os incompetentes brincalhões petistas não querem abrir mão das farras financiadas com o dinheiro dos contribuintes brasileiros. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Sinecuras a mancheias

A presidente Dilma, na sua saga de espalhar mentiras "à boca cheia" prometeu ainda no início da transformação do país "impávido colosso" num horrendo e disforme sineiro de Notre-Dame prometeu mentindo que uma das medidas que tomaria após a sua posse que uma das medidas que tomaria seria a extinção de minguados 3 mil cargos. Esses cargos de comissão são como praga de gafanhoto, incontáveis e vorazes. Se os órgãos públicos necessitam de profissionais não se entende por que não promovem concursos. Essa praga dos maus funcionários jamais será extinta porque esse ou aquele partido que alcance o poder, esse terá compromissos de campanha que não poderá fugir do aparelhamento doa militantes que, como num passe de mágica se multiplicam após a posse. O drama que contamina a administração pública, seja municipal, estadual ou federal e a ausência de meritocracia que todos os dias testemunhamos de maus atendimentos por incapacidade funcional, causando prejuízo aos contribuintes.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

E os médicos cubanos?

No meio desta crise que se abateu com maior gravidade sobre a saúde no Brasil, em especial nas periferias das grandes cidades, não vi, em momento algum, qualquer autoridade a nível federal, estadual ou municipal referir-se aos médicos cubanos, o grande carro chefe do programa de governo da presidente na área. Não podem tirar plantão nas emergências ou UPAs? Ou não têm competência para tal, pois dizem as más línguas que nem formados como médicos são? Ou foi tudo mesmo armado para ajudar as finanças da combalida ilha do Coma Andante Fidel? Concito os repórteres investigativos a aprofundarem o assunto!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

Pena de morte

No primeiro dia do ano de 2016 dois jovens de 19 anos de idade foram mortos a facadas dentro do próprio carro. O crime bárbaro ocorreu na iluminada Avenida Brasil, na Praça dos Trabalhadores, em Americana. O local fica a 200 metros da Delegacia de Polícia, a 300 metros do 19ª Batalhão da Polícia Militar e a 600 metros da Base da Guarda Municipal. E mesmo assim, com tanto prédios de segurança em todos os sentidos, os marginais, ladrões, bandidos, assassinos, etc., não se intimidam! Tudo é fruto da impunidade, de leis brandas, protecionismos, onde os criminosos possuem muitos direitos e nenhum dever. Enquanto os jovens assassinados cursavam engenharia e farmácia, tinham planos, sonhos, etc., iam contribuir para o desenvolvimento da nação. Enfim, a população fica chocada momentaneamente, já os familiares vão carregar esta incurável dor por toda vida! Reflexão: a pena de morte neste caso seria um erro?

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré 

Favelas

Durante algum tempo tenho passado pela região da Av.  Presidente Altino próximo à estação de trem da CPTM. No início, havia uma favela e uma cracolândia nos arredores. A prefeitura de Osasco iniciou algumas obras de melhorias na região, como uma nova via e a remoção da favela. A obra foi anunciada com uma grande placa que enfatizava as melhorias, incluindo a remoção da comunidade. Tempos depois, a favela foi de fato removida e a via foi feita. Todavia, pouco tempo depois, outra favela apareceu ao lado de uma linha de transmissão que leva à subestação, em uma área totalmente imprópria. Durante esse processo, eu pude ver cada casa de madeira sendo erguida, dia após dia, sem qualquer aparente ação do Estado. Enfim, a região continua degredada e abandonada pelas autoridades pública, como uma estação horrível, consumo de drogas, lixo e a favela. Trata-se de mais um monumento do abandono do Estado (governo federal, estadual e municipal). Esse é apenas mais um caso, diante dos muitos no nosso país. É fato e conhecido que onde o Estado está ausente, a criminalidade prospera. Também é sabido que as favelas não aparecem do nada e são símbolos vergonhosos internacionais da falta de competência das nossas administrações públicas. É preciso enfatizar que as favelas não fornecem condições dignas para os moradores, são péssimas para o país e que são polos para o aumento da criminalidade e do caos urbano. Não é possível que em pleno século XXI, as autoridades permitam que se inicie a construção de uma nova favela, pois já sofremos todos custos econômicos e sociais com as inúmeras presentes no nosso país. A remoção é sempre complexa, traumática e muito mais custosa. As minhas grandes perguntas diárias durante o meu trajeto são: aonde está o Estado? Há Estado?

João Baeza  joao.baeza@yahoo.com.br

São Paulo

Sobre a  São Silvestre

Desde 1996, corri 16 vezes a São Silvestre que é, sem dúvida, a mais simbólica de todas as corridas no pais. Acho que o horários, 9 horas da manhã, é adequado porque dá chances a milhares de corredores do interior e de outros estados voltarem às suas cidades e curtirem aí a passagem do ano. Apenas acho que os organizadores já deviam ter pensado na largada em ondas, como se faz em muitas provas das quais participei, fora do país. Vários locais, durante o percurso, não comportam no número de corredores, que tende a aumentar ainda mais. Os organizadores já deveriam ter  introduzir essa mudança há vários anos.

Darci Garçon  tag.dgarcon@uol.com.br

São Paulo

Hipocrisia humana

Interessante essa coluna dominical de Fabio Porchat sobre o sofrimento do elefante como meio de transporte.  De fato creio que, assim como os cavalos, independentemente da questão da domesticação gradual, eles sim sofrem e não se sentem confortáveis, quem se sentiria? Trata-se de mais um dos milhões de exemplos da cultura humana pretensiosa de achar os inteligentíssimos, sensíveis e por milhares de razões muito mais racionais animais como seres inferiores, bens, "coisas" e não seres providos de uma vida evoluída por milhões, às vezes centenas de milhões de anos, como os crocodilianos. Com tal pretensão, matando a cada 15 minutos um elefante, destruindo num ritmo mil vezes mais rápido que o normal a fauna e flora, desmatando, poluindo rios e mares, em suma pondo em risco de extinção milhares de espécies incluindo a própria, caminhamos para não apenas uma crise ética, mas para um verdadeiro colapso.

Thor Vivacqua de Medeiros sergiovivacqua@ig.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.