Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2016 | 02h55

Que país é esse?!

Mensagens indicam atuação de Wagner por empreiteiro, Executivo fez lobby com Cunha para Haddad, Procuradoria vê indício contra Bendine no BB, tudo isso estampado ontem na primeira página do jornal mais importante do País. Já vislumbro o dia em que Estadão inaugure o caderno “Cadeia Neles”, pois é lá que tais notícias deveriam estar. Antes existia aquele dito de que torcendo jornal saía sangue; hoje, se torcer, sai um congressista com o bolso cheio de dólares. Que país é esse?

MARCO DULGHEROFF NOVAIS

marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

Mais um

Chegaram ao playboy do Nordeste, ex-governador da Bahia. Bronzeado, esguio, falante, engomado e agora ministro da Casa Civil. Segura aí, Jaques, a chapa está quente, vai te queimar.

J. PERIN GARCIA

jperin@um.com.br

São Paulo

Ledo engano

Quem pensou que Jaques Wagner, ministro-chefe da Casa Civil, era diferente de outros integrantes do lulopetismo viu que ele só falava diferentemente para completar a fala dos cumpanheiros. Outrossim, quem pensou que era diferente no comportamento também errou, porque quando governador da Bahia ajudou Léo Pinheiro, executivo da OAS condenado na Lava Jato. Assim, vê-se que durante 13 anos o lulopetismo, em nome do poder, explorou, e bem, todos os lados da bola chamada corrupção, seja por dentro, seja por fora. E eles sempre jogaram essa bola com maestria, marcando tento em favor do poderio governamental que tanto amam e prezam.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

MALDDADES

O golpe das subprefeituras

Quero protestar contra esse golpe que o sr. Fernando Haddad quer aplicar na próxima eleição para prefeito de São Paulo. Certo de que não terá chances de ser reeleito no pleito que se aproxima, o nosso prefeito encaminhou à Câmara Municipal projeto de lei que institui eleições diretas para a escolha dos 32 subprefeitos. Ora, se passar esse “projeto”, o que não acredito, o novo prefeito eleito pelos paulistanos vai fazer o quê?! Ele ficará completamente engessado e desidratado de sua principal tarefa, que é administrar o Município de São Paulo. O projeto petista lembra muito as comunas populares da China, que eram comunidades independentes, criadas pela Revolução Chinesa, com liberdade e independência para cuidar de seus próprios interesses, como uma pequena cidade. O prefeito devia estar “viajando” ao propor medida tão esdrúxula como essa. Com 32 subprefeitos de partidos opostos, o que será dessas regionais? O povo, que já sofre e é maltratado, hoje, com os subprefeitos nomeados pelo prefeito eleito, imagine com subprefeitos eleitos de partidos adversários do prefeito. Vai ser um verdadeiro Samba do Crioulo Doido! Isso sem falar na desidratação e perda de autonomia e autoridade dos nossos vereadores. Rogo a Deus e aos bons representantes do povo paulistano que essa proposta de doido não passe em nossa Câmara Municipal.

JOSÉ EDUARDO MEDRADO

jevmedrado@terra.com.br

São Paulo

Paulista degradada

O Estadão reproduz com fidelidade a triste situação da avenida-símbolo de São Paulo (A degradação da Paulista, 6/1, A3). Tive a oportunidade de ser o primeiro a presidir a Gerência da Avenida Paulista, comissão criada por portaria editada pelo então secretário de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, em 2008. O objetivo dessa Gerência era coordenar todas as ações para manutenção da avenida, que acabara de ser totalmente reformada, tornando-se plenamente acessível. Durante um ano de trabalho diuturno conseguimos deixar a avenida impecável, elogiada por moradores, trabalhadores, pedestres, visitantes da cidade... Recuperamos trechos públicos utilizados indevidamente por particulares, sinalizamos toda a via, conservamos todo o mobiliário urbano instalado, autuamos concessionárias que danificaram o passeio, zelamos pela acessibilidade, encaminhamos moradores em situação de rua aos centros de acolhida, intensificamos a limpeza de toda extensão da via, fiscalizamos estabelecimentos irregulares e os que utilizavam irregularmente o espaço público. À época como comandante do policiamento na região central da cidade, o hoje deputado estadual coronel Camilo muito nos auxiliou na questão da segurança pública. Reunimos, preliminarmente, cerca de 300 policiais militares que atuavam na região para alinharmos ações voltadas para a prevenção de crimes e orientação aos usuários da avenida, agora com mais idosos e pessoas com mobilidade reduzida. Tudo funcionou perfeitamente e os índices de ocorrências registradas diminuíram drasticamente. Com a Secretaria Municipal de Segurança Urbana, à época comandada por Edson Ortega, conseguimos criar com a Guarda Civil Metropolitana (GCM) uma dinâmica de monitoramento da avenida, evitando vandalismo e o comércio ambulante irregular, que tomava o passeio em detrimento dos pedestres. Com as operações caminhando bem, conquistamos a criação da Inspetoria da Avenida Paulista, coroando o trabalho desenvolvido pela Gerência e pela GCM. O controle das manifestações, a manutenção do asfalto, a conservação prioritária do passeio público e do mobiliário urbano, a reestruturação da iluminação pública, o evento cultural com artistas anônimos em parceria com o Jornal da Tarde, enfim, tudo era feito 24 horas por dia pela Paulista, um cartão-postal da cidade. Vale ressaltar o importante apoio dos moradores, comerciantes e frequentadores da avenida. Uma pena que tudo tenha sido deixado de lado e esse modelo de gerência não se tenha perpetuado. Embora nos cause frustração, desolação, tristeza passar por essa tão importante via paulistana, cremos que novos tempos virão e melhor sorte terá nossa avenida-símbolo.

JOÃO MARADEI JR.

maradeijr@gmail.com

São Paulo

Cidade abandonada

A verdade é que a cidade toda esta degradada, abandonada pelo poder público, e parece que propositalmente, para destruí-la e ao que um líder irresponsável chama de “zelite”. Hoje o pedestre não tem vez nas calçadas. Não conseguimos andar na Paulista, na Gomes de Carvalho, na Augusta, nos bairros periféricos, nas calçadas em volta das estações de metrô. E pomos nossa vida em risco! E vendem de tudo; afinal, desde quando produtos piratas e/ou alimentos manipulados no meio da sujeira são artesanato? Nem levo mais minhas filhas ao Trianon nem a outros parques ou à região central, pois tudo é perigoso, a violência é alta e a segurança, baixa. Ah, e o risco de doenças é imenso! Esta é a nossa cidade sem prefeito, sem leis e em breve sem história!

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@ig.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

A GREVE QUE TORTURA O TRABALHADOR

 

Os médicos peritos do INSS estão em greve há quatro meses e, pelo menos até agora, não há a expectativa de término do movimento. Diferentemente da paralisação na iniciativa privada, que pode inviabilizar a empresa ou provocar a demissão dos empregados, quando ela ocorre no serviço público, não afeta o órgão empregador nem aos grevistas. Os grandes prejudicados são os destinatários dos serviços. Trabalhadores de diferentes níveis só estão conseguindo marcar perícias para quatro a cinco meses após o agendamento e, mesmo assim, não têm a garantia de que serão atendidos na data marcada. Neste intervalo, ficam sem renda. É uma verdadeira tortura, porque, com a desculpa da greve, o órgão previdenciário, criado para amparar o trabalhador em seus momentos difíceis, deixa de cumprir sua finalidade. Precisamos de ação urgente daqueles que possam resolver o problema – talvez a Justiça do Trabalho ou até os tribunais superiores – e, principalmente, criar mecanismos que proíbam terminantemente a greve no serviço público, em que quem leva a pior não são o empregador ou os empregados grevistas, mas a população.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

JAQUES WAGNER

 

Finalmente uma notícia sobre Jaques Wagner, o Ali Babá da Bahia, atual ministro da Casa Civil (“Mensagens de executivo condenado citam Wagner, Haddad e Bendine”, “Estadão”, 7/1, A4). Agora, há de vir à tona toda a imundície da corrupção que foi a sua administração à frente do governo estadual.

 

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

*

LAMBUZA

 

Pelo visto, o ministro da Casa Civil também se lambuzou.

 

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

CASA CIVIL OU CASA COVIL?

 

Em 13 anos do governo lulopetista, o Brasil não tem do que se orgulhar. Basta recordar os cidadãos que ocuparam a Casa Civil: José Dirceu, o guerreiro do povo brasileiro, preso no mensalão e, agora, no petróleo; Antonio Palocci, médico especializado em operações ilegais; Dilma Rousseff, candidata ao impeachment, criação de Lula e refém de suas ordens; Erenice Guerra, conhecida por ser o braço direito de Dilma, acusada de  tráfico de influência, pediu demissão; Gleisi Hoffmann, a musa do petrolão, que seria beneficiaria de dinheiro sujo movimentado no escândalo do petróleo, de acordo com investigadores da força-tarefa da Operação Lava Jato; Aloízio Mercadante, o aloprado de Lula afastado do cargo a pedido do ex-presidente e um ministro da Educação de enfeite; e, por fim, Jaques Wagner, aquele que acusou o PT de ter-se “lambuzado”, mostra pelos diálogos obtidos na Lava Jato que o atual ministro-chefe da Casa Civil teria ajudado executivo condenado da OAS a negociar liberação de verba quando era governador. Questionado sobre o assunto, Wagner disse estar fazendo “política institucional”. Prezados eleitores, analisem a ficha dos inquilinos que ocupam a “Casa Covil”, onde as feras são escolhidas não pelo currículo, mas pelo prontuário. Está na hora de o País acordar. Essa gente foi longe demais. Hoje estão todos milionários e nós, pagando a conta.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

O MINISTRO E A LAVA JATO

 

Pegue uma foto de Jaques Wagner e observe-a atentamente. Você jura que ele não tem nada que ver com a Operação Lava Jato?

 

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

 

*

COELHOS E CARTOLAS

 

Um ministro, de alcunha JW, disse que o governo não irá tirar “coelho da cartola”. Sem dúvida, afinal este governo não usa cartola, e, sim, boné, e não cria coelhos, apenas ratos, gambás, hienas e outros bichos repugnantes. Então, o mais provável é que irá tirar um rato do boné.

 

Carlos Alberto Roxo roxo_7@terra.com.br

São Paulo

 

*

MÁGICA

 

O ministro Jaques Wagner (JW), conhecido na Bahia como Johnnie Walker, poderia aproveitar a série “Houdini” em quatro capítulos na TV Globo para extrair algumas ideias miraculosas ou conselhos providenciais para um “troca-troca” com a turma da Construtora OAS.

 

Sérgio Brasil Gadelha sbgadvocacia@gmail.com

São Paulo

 

*

COVIL DE LADRÕES

 

Trazendo para os nossos tempos, Eugênio Bucci lembrou com maestria o antológico “Sermão do Bom Ladrão”, do Padre Antônio Vieira (7/1, A2), de 1655. Antes disso, a “Bíblia” já nos ensinava, segundo Marcos 14:1-2, João 11:49-50 e Mateus 26:57, que Jesus expulsou comerciantes e cambistas instalados dentro do Templo, com a indignada expressão: “Vós transformastes minha casa num covil de ladrões!”. Nessa passagem, na verdade, Jesus se referia ao sempre oculto sumo-sacerdote Caifás, responsável e grande beneficiário do desvirtuamento daquele local sagrado. Se as acentuadas linhas de face da presidente Dilma, presumivelmente honesta, estampam o rastro de um castigo bíblico, que se liberte do sofrimento que corrói a sua alma e vá ao confessionário do juiz Sérgio Moro e conte tudo o que sabe.

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

QUEM CALA CONSENTE

 

Ao ler o artigo de Eugênio Bucci no “Estadão” de 7/1/2016, achei interessante a interpretação do que ele chama de expiação da presidente da República. Depois da digressão falando do “Sermão do Bom Ladrão”, do padre Vieira, 1655, Bucci menciona as feições – segundo ele – extremamente abatidas (?) de Dilma Rousseff, como justificativa para o calvário que ela estaria sofrendo por conviver (ela, honesta) em meio a ladrões de toda espécie. Essa convivência, assim tão perversa e torpe, causaria na presidente dores da alma evidentes em sua aparência de sofredora – vítima indefesa dessa companhia espúria. Contudo, esquece-se o articulista de dizer que não salva a presidente do seu infortúnio, nem de sua culpa, o fato de conviver com esses ladrões, maiores e menores, há pelo menos 13 anos, tempo suficiente para que ela se adonasse dos meandros e mistérios do poder. Não salva também a presidente o fato de ela, tão honesta, nunca ter admitido em público qualquer posição corajosa e verdadeira contra o seu entorno, do qual indiretamente ou diretamente ela é cúmplice, pelo menos por omissão. Portanto, o professor Bucci, que tão bem escreve, não consegue aliviar Dilma da responsabilidade que ela tem, sim, como mandatária num regime presidencialista de coalizão que ela conhece muito bem. Além do mais, a aparência frágil não pertence à presidente nem é vista dessa forma pela população, já que ela sempre se mostra soberana e arrogante. Tanto que, alheia à verdade dos fatos, ela dissimula, mente e sempre mentiu sobre a realidade do País que, infelizmente, está tão mal conduzido sob o seu comando. Assim, cabe a pergunta: quem a obriga a sofrer tanto? Qual o nível de vaidade que a impede de sair de cena e dar adeus a um universo do qual seria vítima? Por que não passa para a história como heroína, enquanto é tempo? Ah, entendi, quem cala consente!

 

Maria Luiza Feitosa de Souza souzamlu@uol.com.br

São Paulo

 

*

SEGREDO

 

Criador e criatura, Lula e Dilma, se reuniram no segundo dia útil do ano, em segredo. Da reunião participaram outros iluminados. O que estão tramando agora? Coisa boa não deve ser, senão a “reunião” não teria sido secreta! Devemos nos preparar e rezar muito para espantar os maléficos, não?!

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul

 

*

CALAR OU OCULTAR?

 

Desde as primeiras mentiras públicas, nos debates eleitorais, e bem antes da vertiginosa queda de popularidade, a presidente Dilma teve inúmeras chances de se redimir, mas por que não o fez? Ao abandonar a espontaneidade, que lhe resgataria a simpatia, e a sinceridade, que lhe devolveria a credibilidade, ela envia sinais claros de que não pode dizer tudo, ou pior, de que não deve dizer nada.

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

PERGUNTAR NÃO OFENDE...

 

Nasceu mais um neto da senhora presidente Dilma. A alegria é plenamente justificada. Entretanto, será que a “mulher sapiens” também estaria alegre se o bebê tivesse nascido na rua, tendo a mãe dado à luz na calçada, por falta de vaga hospitalar? Acaso a “rainha da mandioca” já perguntou aos seus botões como se sentem as gestantes sem assistência numa hora tão peculiar?    

 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

 

*

EQUILÍBRIO ECONÔMICO

 

A presidente Dilma Rousseff diz que está procurando com muito esforço e interesse a normalização da vida econômica brasileira. Presidente Dilma, saiba que ninguém mais que os brasileiros também querem isso, são eles que pagam os custos de uma má administração pública em estado de decomposição anárquica. É incrível que numa situação de cofres vazios como esta não aparece um economista, técnico neste assunto e que tenha a coragem de explicar qual o verdadeiro remédio para solucionar o problema econômico brasileiro. Não acredito que eles não saibam. Tenho certeza de que lhes faltam hombridade para receitar o remédio que é conhecido até por um simples e humilde contabilista, como eu. O corte das despesas inúteis na administração pública, somado juntamente a um grande esforço no aumento da produção que certamente gerará a receita para o equilíbrio nas contas públicas do País. Jamais o aumento de impostos poderá ser considerado neste caso como solução, é um suicídio para o País que já cobra a maior tributação fiscal do mundo e procura sair do atoleiro econômico em que se meteu. Se a senhora, presidente, tem mesmo interesse em resolver essa tarefa, corte as despesas no inchaço da máquina pública feito pelo seu próprio partido e até conhecido pelos brasileiros leigos nesse assunto. O que está faltando são vontade, seriedade e competência.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

 

*

VAQUINHA PARA A POLÍCIA FEDERAL

 

A que ponto chegou! Como nada do que diz este governo se sustenta, tampouco a mentira deslavada de que é o único, desde Cabral, que investiga corrupção neste país, a nobre Polícia Federal (PF) pode ficar sem recursos para continuar investigando os corruptos na Operação Lava Jato, diga-se, infestadas essas quadrilhas de graduados petistas. Tudo porque o Planalto, que faz até “o diabo” para não ser investigado, cortou míseros R$ 133 milhões do orçamento da PF, que estão fazendo muita falta. Será que o povo vai precisar fazer uma vaquinha a fim de fazer com que corruptos desta era petista vão para a cadeia? É uma vergonha! Mas as tetas das vacas gordas e fartas das nossas estatais, sob a complacência do Planalto, estão sempre à disposição de camaradas, aliados e amigos para a literal roubalheira que se instalou desde o governo Lula.  Polícia Federal neles!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

FALTA DE BOM SENSO OU CASO PENSADO?

 

Até o mais modesto gerente da mais modesta lojinha de R$ 1,99 entenderia que, se ganhasse R$ 3 mil a partir de um investimento de R$ 133,00, este seria um excelente negócio. Pois estamos surpresos com notícias de que se ameaça cortar R$ 133 milhões da verba de funcionamento da Polícia Federal, a mesma que já ajudou a recuperar perto de R$ 3 bilhões de dinheiro desviado criminosamente do País na Operação Lava Jato.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

QUE TAL?

 

As manifestações de entidades representativas do sistema policial federal repercutiram evitando, com isso, o corte de verbas que prejudicariam as atividades desse setor, que no momento atual estão em destaque. Como no caso da Operação Lava Jato. Mas que tal se fosse feita uma pressão para que o sistema judiciário também contasse com verbas que permitam a adequação de seus efetivos funcionais com uma estrutura moderna, que proporcione as condições para que os processos tenham uma tramitação menos demorada?

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

DISSIMULAÇÃO

 

Sr. ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Polícia Federal pode usar os mais de R$ 140 milhões recuperados na Lava Jato para repor seu orçamento “cortado” pelo governo? Seria de interesse do Brasil, embora vossa excelência afirme que não haverá prejuízo nas investigações. Por enquanto, só falta o pagamento de luz de sua sede...

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

DE UM SANTO A OUTRO

 

Toda vez que o governo promete verba para algum segmento, neste caso o ministro Cardozo garante que não faltará verba para a Polícia Federal, fico aqui pensando de onde sairá o dinheiro... Seria da saúde, da educação ou da segurança? Ultimamente a presidente Dilma adotou a política do desveste um santo para vestir outro?

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

EXPEDIENTE NA PETROBRÁS

 

Circulou na internet que o presidente da Petrobrás só aparece para trabalhar na empresa às terças, quartas e quintas-feiras. E o seu apelido, conforme divulgado, é “TQQ”. Essa notícia, eu a consideraria um fato relevante, porque despreparado para o cargo que ocupa tem menos tempo para fazer besteiras. Tenho a impressão de que com isso as ações da empresa deverão dar boas alegrias a seus acionistas.

 

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

UM PAC PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL

 

Quando a presidente Dilma vai fazer pronunciamento em rede nacional para anunciar o “novo PAC”? Faz tempo que não tem panelaço e as minhas panelas estão enferrujando. Estou aguardando o tal pronunciamento ansiosamente. Não demore, Dilma.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

A CHANCE DO PT

 

Nada leva a crer que o novo PAC a ser anunciado pelo governo irá reverter o desastroso cenário que o Brasil enfrenta. O plano é apenas mais do mesmo PAC que não funcionou no passado, mais um vertedouro de propinas e superfaturamentos. A melhor chance que o PT tem de sobreviver ao desastre Dilma é deixá-la afundar sozinha, por meio da renúncia ou de uma cassação rápida. Com o bode fora da sala, o PT poderia voltar a respirar, na oposição, e torcer para que em 2018 o Brasil já tenha se esquecido e se recuperado um pouco do pesadelo que foi a gestão Dilma Rousseff.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br   

São Paulo

 

*

AJUDA

 

O setor automobilístico teve queda acentuada em suas vendas em 2015, e qual a solução encontrada pelo governo? Um novo estímulo. Mas abaixar o alto preço dos carros vendidos no Brasil, nem pensar, aliás, nem em diminuir sua margem de lucro para os carros vendidos no País, que, diga-se, sempre são os piores em termos de segurança, tendo o brasileiro de pagar por acessórios que são obrigatórios em países sérios e responsáveis.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

CRESCIMENTO (OU NÃO) ECONÔMICO

 

Pelo visto,  para 2016,  nosso Produto Interno Bruto (PIB) ficará  muito parecido com a temperatura europeia: três abaixo de zero.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

RECORDE NEGATIVO

 

Para não quebrar a rotina, este governo corrupto, sujo e desonesto atinge outro recorde negativo, para somar-se às dezenas já atingidas. O Banco Central perdeu R$ 89,7 bilhões em 2015 com as intervenções no câmbio nas operações de swap cambial. Este já é o maior rombo em um ano desde 2002 – exatamente o tempo deste governo no “pudê”.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PEDALADAS E LAMBANÇAS

 

As “pedaladas” foram a grande lambança fiscal do petismo; o pagamento delas, a “lambuzança”, foi ainda pior; como se a fatura de um cartão de crédito fosse paga com outro. A maior proeza da Ciência Econômica.

 

Paulo Mario B. de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

DOIS PONTOS

 

Primeiro, é realista a visão do editorial do “Estadão” “Sombras nas bolas de cristal” (5/1, A3), que bem retrata a incipiência e até lances de mediocridade nas opiniões de alguns pseudocientistas sociais em prever o futuro da Economia deste país. A matéria refere-se ao que estes propalaram no início de 2015; porém, deveria fazer menção ao que o mesmo jornal publicou dias atrás destes mesmos alquimistas, e não economistas. Em segundo lugar, é inacreditável a crença que se difunde sobre o “superávit” comercial brasileiro; qualquer vocacionado à Ciência Econômica bem sabe que isso representa uma tragédia. Isso não passa de um sinal claro de que a Economia brasileira está em completa desaceleração e entrando no pior período recessivo de que se tem notícias. Ou seja, o governo, em sua notável incompetência, continua cavando o fundo da fossa séptica em que lançaram o futuro desta nação.      

 

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

 

*

DE UM DIA PARA O OUTRO...

 

Segunda-feira: o dólar oscilou no mundo todo por causa da queda da bolsa lá da China. Aqui, no Brasil, o valor passou novamente de R$ 4,00, por isso o ministro petista veio a público e disse que o dólar oscilou por causa da crise econômica mundial. Porém um articulista brasileiro “de direita” (leia-se anti-PT) escreveu que o dólar ficou mais alto de novo, no fundo, por simples incompetência da presidente Dilma, que não sabe administrar o País e, por isso, vive responsabilizando o exterior. Terça-feira: a balança comercial do Brasil fechou com alta histórica, próxima de R$ 20 bilhões, nunca antes na história deste país se registrou tanto dinheiro nessa área. Então, o ministro petista veio a público e declarou que o valor da balança comercial de 2015 é fruto da administração econômica federal dos últimos anos. Porém, o articulista brasileiro “de direita” escreveu que este ganho na balança brasileira, na verdade, verdade mesmo, não passa de uma consequência natural diante da economia mundial, que é, inevitavelmente, toda ela interligada.

 

Wellington Anselmo Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru

 

*

OPINIÃO PÚBLICA X REALIDADE

 

O discurso da imprensa tem o propósito de baixar a guarda da população exaltada com os desmandos deste “governo”: a inflação em alta contínua e a imprensa quer fazer o povo acreditar que ela vai entrar em declínio; as reservas financeiras abaixo de US$ 20 bilhões, quando deveriam estar em US$ 600 bilhões, e a imprensa dá como resultado positivo; 1,5 milhão de postos de trabalhos fechado, e a imprensa responsabiliza os empresários; petrolão, mensalão, “pedaladas”, BNDES, ruivinha, instituições (?)... Vamos para a rua gritar “Fora Dilma, PT, imprensa vermelha, ministro Lewandowski, Teori e STF!”.

 

João Ferreira Mota jfmota@ig.com.br

São Paulo

 

*

SÓ EMBROMAÇÃO

 

Esquecendo um pouco o lamaçal fétido político que ocupou as manchetes da mídia durante todo o ano passado e com certeza vai transbordar para 2016 – só não aconteceu até o momento porque os fazedores das ondas tóxicas estão em férias parlamentares –, demos uma olhada no outro lamaçal que destruiu vilas inteiras e provocou o maior desastre ecológico de que se tem notícias: o rompimento das barragens de armazenamento de rejeitos da mineradora Samarco, em Mariana (MG). Dois meses após o rompimento das barragens, tudo continua na lama e os desabrigados, desnorteados, continuam procurando uma solução para onde ir, onde recomeçar nova vida e ter uma moradia novamente sua. Mas que nada, é só embromação. A empresa responsável pelo desastre anunciou que em 90 dias estará tudo limpo e os ribeirinhos, finalmente, assentados. Mais uma enrolação. As imagens mostram que há muito por fazer, portanto, sem dúvidas, esse prazo será postergado mais uma vez. Mas isso é normal em nosso país: passado o momento de comoção, empurra-se de barriga até a próxima catástrofe. Mas novos sobrevoos na região, este ano, serão programados. Da presidente Dilma e da ministra do Meio Ambiente, e receberão a visita do governador, do prefeito, de vereadores e outros afins, pois as eleições municipais se aproximam, e esta é hora de dar o troco. Não vote em promessas. Se isso acontecer, o relento será a sua moradia por mais uns 40 anos. Pessimismo? Não, é a realidade.

 

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

A ESTRATÉGIA

 

Findadas as eleições parlamentares venezuelanas, o governo chavista de Nicolás Maduro proferiu belas palavras acerca do respeito à democracia. Evidentemente, não era nada para ser levado muito a sério. Dito e feito. O Tribunal Supremo de Justiça – aparelhado como é de praxe em governos totalitários de esquerda – impediu a posse de deputados da Mesa de Unidade Democrática (MUD) na medida certa para evitar a formação de uma maioria qualificada da oposição, a qual seria capaz de implementar profundas reformas no país. Durante a primeira sessão com maioria oposicionista desde 1999, os chavistas se rebelaram e obstruíram quando se iniciou o debate sobre uma Lei da Anistia. O Palácio do Planalto, no Brasil, julgando-se sabichão, mudou o tom de amigável para questionador. Segundo nota do Ministério das Relações Exteriores – aprovada pelo Planalto –, “não há lugar, na América do Sul do século 21, para soluções políticas fora da institucionalidade e do mais absoluto respeito à democracia e ao Estado de Direito”. Que bela analogia, não, Dilma? Respeito ao resultado das eleições lá, aqui... Ela deve nos considerar idiotas! O PT patrocinou a formação desta ditadura vizinha – inclusive lutando pela permanência do país no Mercosul – e, agora, quer se isentar da responsabilidade. Que Venezuela e Brasil sigam o exemplo da Argentina e deem adeus ao populismo!

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

ITAMARATY BOLIVARIANO

 

O “Estado” (6/1, A9) noticiou declarações de Marco Aurélio Garcia, assessor internacional da presidente Dilma, afirmando que o governo não vê desrespeito às cláusulas democráticas por parte do governo Maduro e que não vê razão para afastar a Venezuela do Mercosul. Pobre Itamaraty, de gloriosas tradições, submetido hoje à formulação de nossa política externa por esse senhor que ficou nacionalmente conhecido como “top top”, ao ser filmado praticando gesto obsceno com as mãos.

 

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

 

*

CONVERSA FRANCA

 

O País de “cabeça para baixo” e Dilma pretende ter uma conversa franca e definitiva, mas discreta, com Nicolás Maduro. O conselho é para que a Venezuela não siga o mesmo caminho dos outros países latinos que depuseram a situação (chavismo). Aliás, é o que está faltando aqui, no Brasil.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

PRESIDENCIALISMO DE CONFRONTAÇÃO

 

A situação-limite na Venezuela chama-se presidencialismo de confrontação. A esquerda controla o Executivo e a direita, o Legislativo. O presidente usará todos os mecanismos legais para restringir a ação do Legislativo, enquanto o Parlamento usará o referendo revocatório para retirar legalmente o Executivo do poder. O fato de as eleições não serem simultâneas, para o presidente poder formar uma coalizão parlamentar de apoio ao governo, provoca essa anomalia no presidencialismo que é insustentável, pois obriga necessariamente a saída de um dos dois poderes.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

REFERENDO

 

Referendo seria a maneira democrática e segura para formalizar o impeachment de Dilma Rousseff, atendendo ao desejo da esmagadora maioria do povo brasileiro.

 

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

VITÓRIA DA OPOSIÇÃO

 

Muito boa a notícia que vem da Venezuela neste início de ano. Pena que o feito não seja por aqui. Extirparam o cancro. Mas nós também vamos conseguir!

 

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

GOVERNO VENEZUELANO

 

Vai cair de maduro?

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

 

*

SUGESTÃO

 

Que tal fazermos uma vaquinha para comprar uma passagem só de ida para o sr. Marco Aurélio Garcia, com destino à Coreia do Norte? Para quem  afirma que na Venezuela tudo ocorre dentro das normas legais...

 

Evelina Holender eveholender@hotmail.com

São Paulo

 

*

A BOMBA COREANA

 

Países mostram preocupação com a bomba H que teria sido explodida pela Coreia do Norte. A União Europeia classificou de “grave violação”. De quê? Se a Coreia do Norte faz parte do acordo de não produzir ou testar armas nucleares, é uma violação, do contrário, não. O Conselho de Segurança da ONU realizará uma reunião de emergência. A Rússia e a China também condenaram a ação, mas a Rússia apelou por moderação das partes envolvidas. E por aí vai... Quando a França fazia seus testes nucleares no Pacífico, diziam alguma coisa? O Conselho de Segurança da ONU se reunia? As bombas atômicas de Hiroshima, Nagasaki e as bombas incendiárias Napalm foram objeto de protesto? A ONU disse o quê? Paremos com a hipocrisia. É a eterna discussão entre o mundo capitalista e democrático (?) contra o socialista/comunista.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

NEGÓCIOS DA CHINA

 

A bomba de hidrogênio detonada pela Coreia do Norte, um país pobre, chantagista, (des)governado por um maluco, tem o DNA chinês. Como a China não pode realizar testes, utiliza a Coreia do Norte como quintal. Os benefícios para a China são muitos: mantém sob ameaça o Japão, seu “velho inimigo” da Segunda Guerra Mundial, e a próspera Coreia do Sul. Existe a hipótese de ajuda do Paquistão e do Irã, uma cortina de fumaça lançada pela China.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

ALMAS GÊMEAS

 

Irã e Coreia do Norte, além de grandes aliados, têm muito em comum: o culto à personalidade de seus líderes, o grau de respeito aos direitos humanos e à democracia, o notório bom senso, etc. Seus programas militares também guardam muitas semelhanças e, coincidência ou não, seus foguetes e mísseis são iguais. A estratégia mundial adotada pelas potências para mantê-los desnuclearizados também tem sido a mesma: diplomacia em doses cavalares, premiação econômica-financeira ao bom comportamento e rígida fiscalização internacional abrandada por tolerância ao engodo. O resultado na Coreia do Norte tem sido motivo de grande orgulho para o presidente Kim-Jong Um e de grande preocupação para o resto da humanidade. Ocorre que, nos testes nucleares dos norte-coreanos, seus colegas iranianos são presenças que não podem faltar. Para quem já está apavorado com a perspectiva de uma bomba de hidrogênio no Extremo Oriente, é só contar até dez, abrir os olhos e testemunhar ao vivo e a cores o que vai acontecer quando esta moda chegar ao Oriente Médio.

 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo

 

*

QUE VALHA PARA TODOS

 

Foram realizados testes nucleares na Coreia do Norte da mesma forma que outros países já o fizeram. Os Estados Unidos, a Rússia e alguns países europeus constroem e testam armas nucleares há décadas. Em 1945, os Estados Unidos lançaram bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, deixando um rastro de centenas de milhares de mortos. Não só a Coreia do Norte, mas nenhum país do mundo poderia produzir e armazenar bombas, com potência capaz de arrasar cidades inteiras.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

PARA QUÊ?

 

Uma poderosa bomba de hidrogênio foi supostamente explodida pela Coreia do Norte, de Kim Jong-Um, ditador por herança do país. Ora, para que lhe serve ter/explodir uma bomba atômica? Que benefícios a explosão trará para o seu povo? 

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

DEZ ANOS DA DEFENSORIA PÚBLICA EM SP

 

Cumprimento a Defensoria Pública paulista (DP/SP) pelos seus dez anos de criação e pelos excelentes serviços prestados aos mais pobres, na defesa da cidadania, dos direitos humanos e na construção de uma sociedade mais justa, humana, digna e solidária. Criada a partir da antiga Procuradoria de Assistência Judiciária (PAJ) em janeiro de 2006, a DP/SP realizou um grande trabalho em sua primeira década de existência, como instituição pública autônoma e independente, atendendo com qualidade e competência milhões de cidadãos que tanto necessitam de seu serviço essencial e buscando trazer justiça a quem precisa. A DP/SP é indispensável à cidadania, à democracia e aos direitos humanos, além de ter-se tornado padrão de qualidade, inovação e referência para as demais defensorias públicas do Brasil.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

TABELA PERIÓDICA

 

A confirmação dos elementos químicos que completam o sétimo período da tabela periódica é fato importante para o entendimento das forças nucleares que mantêm os átomos unidos. Não é apenas conhecimento fútil, como apregoam muitos que desconhecem a ciência. Um dia criticaram as viagens espaciais, mas os fornos de micro-ondas e equipamentos de ressonância magnética estão aí. Os que preferem o lado sombrio da ignorância, que lá permaneçam.

 

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas

 

*

HADDAD E A DÍVIDA DE ESTADOS E MUNICÍPIOS

 

A liderança do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, na vitoriosa iniciativa de mudança de correção do índice da dívida dos Estados e municípios com a União deveria ser comemorada por todos que foram beneficiados, em especial os paulistanos. Tratou-se de corrigir uma flagrante injustiça, pois a União drenava recursos importantes dos Estados e dos municípios. É um menosprezo à inteligência dos leitores a tentativa ridícula de esconder que os paulistanos foram realmente os beneficiados e o prefeito exerceu honradamente o dever de atuar defendendo os justos interesses da cidade de São Paulo.

 

Paulo Sergio Fidelis Gomes psf.gomes@ig.com.br

São Paulo

 

*

A MORTE DO SOLDADO

 

Ontem, como há mais de 30 anos, abri meu “Estadão” e, para minha surpresa, deparei-me no caderno “Metrópole”, página A14, um dos meus preferidos, com uma notícia de destaque sobre a segurança no Rio de Janeiro; na parte do meio da página, notícia sobre crime em Santa Catarina; e, na parte final, como notícia menos importante, com o assassinato de um soldado da Polícia Militar de São Paulo, um agente do Estado que nos protege, que foi covardemente assassinado, deixando-nos preocupados com a nossa segurança como cidadãos. Acredito que temos de nos indignar com tal fato, e o assassinato deste soldado deve servir de indignação do governo do Estado, porque o soldado é a peça mais importante do sistema de Justiça e Segurança do Estado. A indignação deveria ter sido demonstrada como manchete do caderno “Metrópole”.

 

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

 

*

‘ESTADÃO’, 141 ANOS

 

Aplausos pelos  141 anos do “Estadão”. Todo marcado por trajetória de lutas marcantes e vitoriosas pela democracia e liberdade de expressão.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

Parabéns pelos 141 anos de jornalismo que prima pela observação, análise, prudência e a experiência, virtudes insubstituíveis à crível informação. O “Estadão” orgulha o Brasil e, em especial, a nós, paulistas.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

Durante 141 anos o “Estadão” agiu sempre com coragem e com patriotismo, enfrentando a arbitrariedade governamental e apoiando as causas de interesse nacional. As censuras sofridas serviram como estímulo ao jornalismo correto e verdadeiro, e as perseguições financeiras do poder serviram para continuar na linha digna e decente de um periódico de categoria e renome internacional. Como assinante de décadas, quero cumprimentar todos quantos militam no “Estadão”, desde a exemplar família Mesquita até aqueles funcionários que do andar humilde fazem o esforço para pôr nas ruas o grande periódico.

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

Prefiro a liberdade de escolher você, “Estadão”. Que venham muitos mais anos de existência!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.