Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2016 | 03h00

Levy no Banco Mundial

Joaquim Levy será diretor financeiro do Banco Mundial. O pessoal do banco que contratou Levy parece ter cometido um erro terrível, porque não deve ter-se aconselhado com o PT, que realmente entende de financistas. A própria presidente já demonstrou seu valor como economista e poderia ser levada ao Banco Mundial quando encerrar seu mandato...

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

Mais uma prova da incapacidade desse governo, eles só querem quem faz o jogo deles, não importa a capacidade. Joaquim Levy assumiu um cargo no comando no Banco Mundial, só para o corrupto PT ele não serve. Pobre Brasil! Até quando?

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Avisem a presidente

Enquanto o ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy é nomeado diretor financeiro do Banco Mundial, tendo tentado fazer em seu mandato o ajuste fiscal necessário para acertar as contas do Brasil contra barreiras ideológicas impostas por Dilma, o Palácio do Planalto tenta proteger o atual ministro, Nelson Barbosa, do processo pelas pedaladas fiscais no Tribunal de Contas da União, correndo o risco de ser demitido por isso. É o PT insistindo em nos manter no retrocesso em que nos colocou. Será que a presidente, além de não perceber o tamanho da crise dos últimos anos, não está atentando para esse fato também?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Nunca antes

Mais uma façanha do Planalto: nesta vergonhosa era petista de desconstrução total do Brasil, a caderneta de poupança rendeu míseros 8,7% em 2015. E pela primeira vez na História perdeu para a inflação, de 10,67%. O povo só perde, na terra do PT.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Aumento de juros

Parabéns pela criatividade ao nosso arguto presidente do Banco Central, que tem uma inovadora solução para a alta da inflação: ele declarou que, se preciso, vai aumentar as taxas básicas de juros – o que até hoje sempre se mostrou não somente ineficaz, como também gerador de mais inflação, menos investimentos de capital, mais desemprego e mais dívida pública.

EDVALDO ANGELO MILANO

e_milano@msn.com

Limeira

Paranoia fiscal

Depois de gastar US$ 90 bilhões em operações de câmbio em 2015, para controlar o incontrolável, o governo não para de falar em CPMF. Deve ser alguma paranoia fiscal, pois não resolveria nada diante de tanta gastança perdulária. Ao câmbio atual, US$ 90 bilhões são quase dez vezes o que a CPMF arrecadaria, o que leva a crer que não é bem aumentando impostos que se vai resolver alguma coisa.

JOÃO BRÁULIO JUNQUEIRA NETTO

São Paulo 

Linguagem oligofrênica

E o dilmês volta a atacar. Disse Dilma, para explicar aos jornalistas reunidos em café da manhã no Planalto assuntos complexos como o reequilíbrio fiscal e a estabilidade macroeconômica. “Acho que não tenho um coelho numa cartola porque a questão da estabilidade macroeconômica, ela tem a ver com algum, eu diria assim, dois grandes, duas grandes ações que uma está ligada a outra e que nós temos de encaminhar: a primeira é estabilidade macroeconômica, a estabilidade macroeconômica, ela tem o seguinte componente fundamental: o reequilíbrio fiscal do país”. Depois desses esclarecimentos passou imediatamente para outro assunto. Cada um dos jornalistas que tire suas conclusões e informe ao púbico pagante o que a presidente quis dizer sobre o tão esperado equilíbrio fiscal com seu linguajar um tanto oligofrênico.

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Falas da Dilma

Enquanto Dilma não disser como providenciará reduções de despesas de custeio a fim de obter um saldo primário para pagar juros e reduzir dívidas, como era antes, na ordem de 4% a 5% do Orçamento, todas as falas são vazias e para fazer dormir a todos nós, e aos bois também.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo 

Corrupção

Disse Dillma também que podem continuar virando-a do avesso... Ora, ela ainda não percebeu que já está do avesso há muito tempo, ou seja, desde que a corrupção e as falcatruas se alojaram em seu governo?

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Perguntar não ofende

Qual é a diferença entre um corrupto e uma conivente com a corrupção?

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

O avesso do avesso

Se virarmos a “presidenta” do avesso vamos encontrar o Lula. Se virarmos o ex-presidente do avesso vamos encontrar o PT “lambuzado”. Se virarmos o PT do avesso vamos encontrar a incompetência, a mentira e o atraso. O que elles não enxergam (ou não querem enxergar) é que o Muro de Berlim caiu no final de 1989, reunindo as duas Alemanhas e revelando a grande ilusão do populismo demagógico (ou da ditadura do comunismo). Quando será que o nosso “muro” vai cair? O Brasil que trabalha, produz e sonha não pode esperar mais. Impeachment já!

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

MPL

Manifestantes ou bandidos?

Novamente bandidos mascarados e armados invadiram as ruas de várias capitais do País e destruíram patrimônio público e privado, durante passeatas do Movimento Passe Livre (MPL), sexta-feira. Eles questionam o aumento das passagens do transporte público. Mas por que não questionam o aumento do combustível, da energia elétrica, da inflação, da corrupção, etc.? Enfim, eles retornaram apenas para causar o caos e por isso mesmo precisam ser combatidos rapidamente. Espero que em São Paulo o governador Geraldo Alckmin coloque nas ruas o pelotão ninja, que prenda os vândalos, e a Justiça faça a sua parte, processando e condenando esses depredadores. Chega de vandalismo e de impunidade.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

REGIME DE SUSPEIÇÃO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, poderá pedir a investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF) de Jaques Wagner (PT), ministro-chefe da Casa Civil, de Edinho Silva (PT), ministro das Comunicações, e de Henrique Eduardo Alves (PMDB), ministro do Turismo, todos eles mencionados em e-mails de Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, preso acusado de envolvimento na corrupção na Petrobrás. Assim, os ministros de Dilma Rousseff estão, desde já, em regime de suspeição, cabendo o afastamento deles até o fim da apuração, como procedeu exemplarmente, há tempos, Itamar Franco. Dona Dilma assevera que poderá ser “virada do avesso” e nada se encontrará contra ela, exceto, obviamente, o caso da Refinaria de Pasadena e as suas vistas grossas para algumas de suas colaboradoras. Como bem disse Ulysses Guimarães, “não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública”.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

REVIRANDO DO AVESSO

“Podem continuar me virando do avesso que não vão encontrar nada”, disse Dilma. Porém, no Brasil, que ela conseguiu virar do avesso, qualquer simples investigação encontra uma inflação de dois dígitos, desemprego crescente, economia em recessão e uma enorme desesperança em todo o povo. Ela deveria entender que não basta uma pretensa honestidade para estar qualificada para governar um país do tamanho do nosso. É fundamental que um presidente tenha uma boa dose de competência, o que, claramente, lhe falta.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

ATÉ O ÚLTIMO TOSTÃO

Dilma Rousseff disse que podem virá-la ao avesso, que não encontraremos nada. Na verdade, ela e o PT que viraram o Brasil ao avesso, para roubar tudo o que há nos bolsos dos brasileiros, e, o pior de tudo: continuam sacudindo para roubar mais.

Waldir Cassapula waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

*

LISURA

José Eduardo Cardozo é o ministro da Justiça do PT ou da República Federativa do Brasil? Como pode afirmar que tem plena convicção da lisura do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, se o teor das conversas obtidas pela Operação Lava Jato o coloca como suspeito? O PT não sabe distinguir o que é público e privado. Enquanto Dilma pedala, o Brasil fica parado. Fora PT!

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

NADA DE MAL...

O ministro Edinho Silva, ex-tesoureiro do PGDB (Partido da Grande Decepção dos Brasileiros) e braço direito da presidenta Dilma Rousseff, admitiu publicamente, com sua peculiar calma e naturalidade, a intimidade com a cúpula das tetas de Ali Babá e que ganhava pequenos presentinhos das empreiteiras envolvidas nos escândalos da Operação Lava Jato. Afinal, o que há de mal nisso, se a gente já está conformado em viver numa republiqueta de bananas de quinta categoria, recentemente nomeada como uma cleptocracia desmesurada?

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

Cotia

*

JAQUES WAGNER

Cavalgando pelos lambuzados caminhos da corrupção, Jaques Wagner conquistou a Casa Civil de Dilma. Nada que ver com a Cavalgada das Valquírias de Richard Wagner.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

LAMBUZADOS

O ministro Jaques Wagner está sendo criticado pela direção do PT pela declaração de que o partido “se lambuzou” ao chegar ao poder. Lambuzou-se mesmo. É como o cara que nunca viu melado e, quando vê pela primeira vez, se lambuza todo. O próprio presidente de honra do PT, Lula, disse, entre outras coisas, há uns meses que o partido é o partido da boquinha, e falou para todos. Ninguém retrucou. Por quê? Por que é o presidente de honra? Não, porque 99% dos eleitos pelo partido devem sua eleição a ele. Elegeram-se tirando foto com ele, subindo no palanque com ele, aparecendo na propaganda na TV com ele. Então, além de ser verdade o que disse, ninguém tem moral para criticá-lo contra as críticas que fez ao partido. Se hoje eles têm um mandato e uma boquinha, agradeçam a ele.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A INTOLERÂNCIA

Muito bem elaborado o texto de Paulo Sotero (“Estadão, 8/1, A2), cujo título, “O veneno da intolerância”, foi fartamente exemplificado e complementado com ideias de diversos autores. Entretanto, faltou comentar e também justificar as verdadeiras razões deste surto repentino de ódio, pois esse é um fato recente, após a ascensão ao poder deste pseudopartido político chamado PT. Vêm das hostes mais radicais desse partido as ameaças e a discriminação às “zelites”, ora da boca do sr. Lula da Silva, ora da do presidente da legenda, o sr. Rui Falcão. Numa democracia, temos de conviver com os contrários, com o contraditório, porém alguns chamados intelectuais e artistas já deveriam ter acordado há muito tempo e compreendido o que o PT está fazendo com o Brasil.

João M. Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

*

‘O VENENO DA INTOLERÂNCIA’

Já li muitos comentários sobre a “intolerância”. No entanto, penso que haja algum tipo de mau uso da palavra. Desde que surgiu o Partido dos Trabalhadores (PT), e isso tem mais de 30 anos, foi feita uma separação: os que apoiavam o partido, filiando-se ou não, mas que aderiam ao “programa” e discursos, eram os bons, éticos, detentores do monopólio da verdade e da salvação nacional. E, assim, os que não eram simpatizantes do partido e de seus filiados, já eleitos ou não, eram o atraso, o símbolo de todos os males que assolavam o País. O PT e seus adeptos poderiam ser chamados de tudo, menos de “tolerantes”. Ocorre que, depois do mensalão e, agora, do petrolão, quando o partido que governa há 13 anos o País se encontra em colossais dificuldades, os que sempre foram alvos de ataques pelos “puros” resolveram manifestar seu repúdio ao estado de coisas que abala de forma criminosa a vida nacional, vez que comprometendo o futuro de gerações, tornaram-se os “intolerantes”. O partido que sempre foi contra tudo e todos, agora, que se depara com a ruína, espera dos que sempre souberam de sua hipocrisia que venham lhes dar sustentação? Chico Buarque pode ser excelente compositor e escritor, mas não está livre de receber críticas quando acredita que seu apoio ao que quer que seja tenha o condão de purificá-lo e/ou engrandecê-lo. Lambuzaram-se e, agora, esperam que ajudemos a limpar o salão?!

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

A BANDIDAGEM NO COMANDO

Com a notícia de que o governo está promovendo uma operação de desmonte na Polícia Federal, cortando verbas de até R$ 151 milhões para livrar o andar de cima da política e ex-presidentes de processos e prisões, pergunto: até quando ficaremos à mercê de bandidos no comando do País? Nas ruas, quando um marginal comete crimes, vai preso. Mas, quando a bandidagem está no comando do País, a quem devemos recorrer?

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

CAFÉ COM JORNALISTAS

Em café da manhã com os jornalistas (7/1/2016), a inquilina do Planalto disse que apoia o trabalho do Ministério Público, da Polícia Federal e da Justiça.  Omitiu, contudo, que tem a garantia da tropa de choque, trabalhando nas sombras, para minar os trabalhos, haja vista o corte de recursos à Polícia Federal e a certeza da fidelidade dos integrantes da Justiça e do Ministério Público. 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

DISCURSO

Em café da manhã com jornalistas, Dilma, mais uma vez, tentou defender o indefensável, ou seja, tudo aquilo que nunca fez. Mas a inquilina do Planalto, em sua eterna soberba, deveria saber que de boca fechada ela é uma excelente filósofa.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ELA ACREDITA QUE O POVO ACREDITA?

A presidente Dilma, apresentando, por ocasião de café da manhã com representantes da imprensa, uma nova imagem de urbanidade e alegria calma, com  direito a selfies e euforia pelo nascimento do neto, afirmou que o maior erro em 2014, ano de campanha eleitoral, quando, segundo um então assessor próximo, se fez “o diabo”,  foi não ter notado que a crise nacional era tão aguda. Será que, ao insistir nisso e de reiterar que a origem das desgraças que o povo está amargando é o ambiente externo, ainda que se assista hoje à retomada de crescimento dos Estados Unidos e de países da Europa, além de ser a responsável direta por mergulhar o País que presumivelmente governa numa tenebrosa estagflação, o pior dos mundos de uma economia, ainda acredita que o povo acredita no que ela diz?

Paulo Roberto Gotaç  prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

*

DEVANEIO

Às vezes, em meus devaneios, penso em vitimar a presidente Dilma, que, viciada no petismo, torna-se uma presa fácil nas mãos da “petralhada” toda. Por outro lado, vejo-a cortando verbas ou pensando em cortar verbas da Polícia Federal, objetivando, é claro, atrapalhar a sequência da Operação Lava Jato. Daí, então, caio na real e digo com todas as letras: neste desgoverno que aí está não se salva ninguém, todos, absolutamente todos, não passam de farinha do mesmo saco.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

‘SURRUPIOS NA LUTA DE CLASSES’

Do primoroso artigo “Surrupios na luta de classes”, de Eugênio Bucci (7/1, A2), sobre o inferno astral e as dores d’alma de Dilma Rousseff – castigo e punição em vida dos deuses da honestidade e da ética pela corrupção institucionalizada em seu governo –, cabe ressaltar a frase atribuída ao mítico rei grego Agamenão: “Qui non vetat peccare, cum possit, jubet” (quem, podendo, não impede o pecado incentiva-o). Que sejam todos os envolvidos condenados à danação no inferno!

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

*

À ESPERA DA RENÚNCIA

A presidente da República, Dilma Rousseff, está demorando muito tempo para renunciar ao cargo. Ela não tem apoio popular, não tem apoio no Senado e muito menos na Câmara dos Deputados. Dilma não está governando o País. Ela está apenas empurrando os problemas com a barriga e se mantendo no poder, mesmo não tendo nenhum apoio. Se Dilma tivesse um pouquinho de consciência, ela deixaria a política de uma vez por todas, em respeito aos brasileiros, que pagarão uma conta muito alta em razão dos inúmeros erros cometidos pelo Poder Executivo. Como ela não está nem um pouco preocupada com a situação do Brasil, continua usufruindo das benesses do cargo e garantindo mais um tempo morto ao PT. A presidente não tem a capacidade de governar este país continental, como já foi comprovado por diversas vezes.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

ELA PODERIA

Como muitas avós aposentadas do INSS que continuam trabalhando para poder enfrentar os gastos principalmente com saúde, já que os aumentos da aposentadoria não são jamais no mesmo porcentual de inflação, salário mínimo, impostos, e vendo a foto da presidente Dilma no “Estadão” segurando seu neto Guilherme (8/1), permitam-me um conselho à presidente: a vida é muito curta e ela deveria deixar seu cargo de presidente para curtir seus netos sem preocupações com plano de saúde, aumento de preços dos remédios, impostos, moradia, comida, produtos de primeira necessidade, volta da CPMF... É o que toda avó em sã consciência almeja.

Rossana Baharlia rbah44@yahoo.com.br

São Paulo

*

A POLÍTICA FERVE

Janeiro é mês das férias de verão. Como dizia o famoso colunista Ibrahim Sued, “férias, pernas para o alto!”. Ledo engano. Em ano eleitoral, a política ferve. Dilma trabalha diuturna “e noturnamente” para desenvolver projeto de impacto que possa causar esperança ao povo e desencorajamento ao processo de impeachment que a assombra. Michel Temer trabalha com Eduardo Cunha para manter a Presidência e o poder na próxima convenção do PMDB. Renan Calheiros, que volta às manchetes em novas delações da Operação Lava Jato e se incomoda com a postura de Temer junto do governo, procura melar os objetivos do vice-presidente na convenção. Para isso, conta com a ajuda de seu fiel escudeiro Jucá e parte da bancada peemedebista do Rio, ligada ao governador Pezão. José Dirceu, em clima intelectual, lê com interesse livros de FHC e de Pedro Malan para entender o modo de pensar atual de seus adversários. Ato de humildade, já que está cansado de saber. Empresários esperam medidas do governo para decidir como agir, enquanto as vendas de suas empresas despencam. A Fiesp se posiciona contra a criação de mais impostos, cujos custos aos produtos impactarão em vendas ainda piores. O povo corta gastos seja pela iminência da perda ou perda efetiva do emprego, seja pelo recebimento dos impostos a pagar já majorados como usualmente feito pelos governos nesta época do ano, seja pela crescente inflação, que aumenta os custos de produtos básicos. Finalmente, chega-se ao País que espera em banho-maria o dia da redenção.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

COISA DE LOUCO

Os alquimistas do governo Dilma agem escandalosamente contra o deputado Eduardo Cunha. Toda a máquina federal na perseguição feroz, torpe, cretina e covarde contra Cunha. Quando não é vazamento da Receita Federal, é do Banco Central ou da Procuradoria-Geral da República. O motivo: Cunha teve a audácia de aceitar e colocar em votação pedido de impeachment contra Dilma. Cunha apenas cumpriu os ritos da lei. Cunha não inventou o instrumento do impeachment. A iniciativa é prevista e determinada pela Constituição. O jogo de vingança contra o presidente da Câmara é tão sujo que o ministro da Justiça mandou apurar o vazamento envolvendo conversa nada republicana do ministro Jaques Wagner com um empreiteiro condenado pela Lava Jato. Mas Cardozo não agiu com o mesmo rigor mandando apurar vazamento da Receita Federal contra Eduardo Cunha. Coisa de louco. Não demora Dilma e apaniguados vão acusar Cunha de  matar Caim e Abel e de ser culpado pelo rebaixamento para a série B do Vasco da Gama.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

INDIGNAÇÃO

Ao invés de a Procuradoria-Geral da República, do Ministério Público Federal e da Polícia Federal se preocuparem somente com as suspeitas de crimes do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, os diálogos obtidos no celular do empresário da OAS Léo Pinheiro, que podem ser enquadrados como suspeitas de  crimes, dão margem também para investigação de três ministros de Estado, do presidente do Senado, de alguns senadores e deputados citados nas conversas pouco republicanas desses políticos no celular do empresário. É dever dessas instituições apurar e, se comprovar as suspeitas, abrir inquérito contra este grupo que, juntamente com o PT, tudo indica, tinham a intenção de desviar o dinheiro do contribuinte e se perpetuarem no poder.

José Wilson de Lima  jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

APOIO

Gostaria de entender: grande parte dos governadores e prefeitos mais prejudicados por este desgoverno é exatamente formada por aqueles que o apoiam. Citem-se, como exemplo (o Rio de Janeiro está uma verdadeira anarquia), Pezão e Paes.

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

OPERAÇÃO ZELOTES

O STF encaminhará, por meio do ministro Teori Zavascki, ao juiz Sergio Moro a documentação que contém suspeitas de arrecadação ilegal pelas campanhas eleitorais de Lula e de Dilma. Quase todos perceberam que essas campanhas foram ricas e luxuosas e que ali corria dinheiro a rodo. Pelo andar da carruagem, Lula deverá negar seu conhecimento de tais irregularidades, porém, diante da perspectiva de ser arguido pelo juiz Moro, esperamos que não tenha as mesmas regalias que tem tido com os demais delegados que marcam hora e ele presta depoimento de forma oculta dos jornalistas, sempre alegando que compareceu espontaneamente – e as notícias são de que ele negou tudo e não está sendo acusado de nenhuma irregularidade, mesmo sendo interrogado por cinco longas horas pela Operação Zelotes, na Polícia Federal. Por que será que o cidadão sr. Luiz Inácio Lula da Silva goza de regalias inimagináveis para os cidadãos comuns?

Leila E. Leitão

São Paulo

*

A (TEMERÁRIA) REFORMA EDUCACIONAL

Além de toda a crise – política e econômica –, o brasileiro agora também começa a ser bombardeado pelas discussões sobre a proposta da base nacional comum curricular, apresentada pelo Ministério da Educação (MEC). Especialistas que analisaram o documento alertam que a proposta despreza a origem grega e europeia de nossa história, inclusive não cita o episódio de Tiradentes e atribui a formação do povo brasileiro à mistura dos indígenas com os negros africanos. As críticas são ácidas e vão desde a atribuição de falta de conhecimento aos autores até o mesquinho propósito de lançar o povo à ignorância quanto à sua própria origem ou, pior ainda, ao objetivo de ideologizar o que se ensina nas escolas. Riscar da história pontos angulares e consolidados há gerações seria um crime de lesa-história. Governantes e políticos precisam ter em mente que sua permanência nos postos é temporária e, principalmente, respeitar o conjunto de conhecimentos herdados de gerações anteriores. Jogar tudo na lata do lixo para adotar outras opções é algo temerário e não atende em nada aos interesses da população. Aperfeiçoar aquilo que já existe é o ideal, mas substituí-lo pelo incerto pode ser desastroso.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CURRÍCULO NACIONAL, DESEDUCAÇÃO E INCULTURA

Até que o título, Base Nacional Comum Curricular, soa com pompa e circunstância parecendo coisa séria, mas não passa de uma sorrateira falácia eivada de ranços ideológicos, sendo difícil de acreditar que seja uma peça criada a várias mãos de ministros, secretários e assessores muito bem remunerados. O Ministério da Educação, diante do clamor da sociedade em geral, já fala em mudanças no texto. O ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa, ou não analisou o texto ou não teve um bom professor de História Geral, quando afirma que “não há qualquer chance de haver um viés ideológico”. Indígenas e escravos assumem importância exagerada diante de personagens e acontecimentos que foram responsáveis pelas mais importantes transformações sociais, políticas e econômicas do mundo. Segundo a especialista em Educação Paula Louzano, pós-doutoranda na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, há problemas graves em Português e Matemática. Passar ao largo pela Idade Média, não citar a influência do Renascimento nas artes, é como despedaçar a “Pietá”, de Michelangelo Buonarrotti, e a expansão do cristianismo. Heródoto, o grande historiador grego, deve estar de bruços no túmulo. No 1.º ano, espera-se que o aluno conte até 30.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

‘AI DE TI, BRASIL!’

Não surpreendem as trapalhadas do MEC com o ensino de História, brilhantemente denunciadas dia 5/1/2016 por Marco Antonio Villa em grandes jornais e que originaram matérias correlatas e cartas de leitores nos dias subsequentes. Como também não surpreendem as declarações do ministro interino, na mesma data, à noite, num telejornal, afirmando peremptoriamente “não haver viés ideológico” nas mudanças propostas para o currículo nacional. Ora, viés ideológico – leia-se implantação da luta de classes – é só o que há desde que o PT assumiu o governo e aparelhou com seus ideólogos esquerdistas toda a área da Educação. Recordem-se, a exemplo: em 2010, a tentativa de “cassar” Monteiro Lobato, acusado de racismo (negros contra brancos); em 2011, o patrocínio de uma novilígua, pelo livro “Para viver melhor”, de Heloísa Ramos, que valoriza o falar errado, tipo “nóis pega o peixe” (língua dos “pobres” contra a das “zelites”); ainda em 2011, o criminoso kit gay para distribuição a crianças, em suas escolas (heterossexuais contra homossexuais). E, agora, a aplicação do velho princípio marxista do revisionismo histórico. Qualquer semelhança entre as atuações do PT no MEC e a Revolução Cultural de Mao Tsé Tung não será mera coincidência. Já temos até o Livro Vermelho (cor do PT), que congrega, dentre outros absurdos, o sedicioso PNDDH 3, os 14 pontos do PT para “resolver” a crise econômica de 2016 e o currículo nacional em tela. Como diria Rubem Braga, “ai de ti, Brasil”!

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

A LAMA DO RIO DOCE CHEGA À BAHIA

Já que o PT não conclui a transposição do Rio São Francisco, a Samarco vai inaugurar a transposição do Rio Doce!

Vera Helena V. Passos verahp@icloud.com

São Paulo

*

O PAC DELÍRIO DO PLANALTO

Desnorteada, sem credibilidade e segurando seus últimos fios de cabelos para não perder seu mandato, Dilma Rousseff está prestes a cometer mais um ato de insensatez apostando num novo PAC, com o objetivo esquizofrênico de estimular a construção civil, como no programa Minha Casa, Minha Vida, e recuperar empregos. Ora, o trabalhador brasileiro, mesmo o que ainda está empregado, sem recursos, está penando para pagar suas dívidas. Neste caso, como poderá investir na compra de um novo imóvel? É um absurdo! É o senso retrógrado e de demagogia que infelizmente impera há 13 anos entre esta gente do Planalto. Investir, estimular o desenvolvimento econômico, ter condições de criar empregos e distribuir renda passam, obrigatoriamente, pela modernização das estradas, ferrovias, portos, eclusas, aeroportos, saneamento básico, transporte urbano como metrô, etc. Somente com a sensível melhora da infraestrutura é que vamos produzir com custos menores no País e aumentar a nossa produtividade, que é uma das mais baixas entre os países emergentes. Chega de delírio, de PACs farsantes dos quais, desde o primeiro, lançado por Lula, em 2007, pouco ou nada se conclui.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MAIS DO MESMO

Diante de rumores de que o governo vai tentar minorar a crise com mais um PAC, pergunto, primeiramente, de onde virá o dinheiro, pois o País está tecnicamente “quebrado”. Em segundo lugar, pode-se fazer uma analogia com um doente que já foi medicado contra um suposto mal e o medicamento não funcionou. O bom senso buscaria outro medicamento e até mesmo confirmar se a doença é mesmo a que está sendo tratada. Quando o governo diz que vai conversar com as “forças vivas” da Nação, ele reconhece implicitamente que é uma “força morta”, ou seja, gerencia mal e favorece a corrupção em seu seio. A única saída para a crise econômica é o crescimento da produtividade e isso está intimamente associado à livre iniciativa e à liberdade econômica. Todas as vezes que o governo se intrometeu na economia, só fez piorar a situação. A escolha unilateral de “campeões” para receber os financiamentos do BNDES ou para terem sua carga tributária reduzida deu no que deu. Para ilustrar, imaginemos um “fone pizza” estatal. O freguês teria de fazer o pedido com meses de antecedência e a pizza chegaria fria e diferente da pedida. De quebra, com o tempo, certamente seria descoberta uma fraude com superfaturamento no fornecimento da farinha de trigo. O governo já demonstrou que é incompetente na gestão de empresas, levando-as à beira da falência ao utilizá-las como ferramenta de suas políticas econômicas malucas e torná-las, bem como aos seus fundos de pensão, extremamente vulneráveis à ação predatória dos maus elementos com que as aparelha. A conclusão é óbvia, mas duvido que a equipe que está no poder tenha a coragem de tomá-la: menos Estado e mais iniciativa privada. Está havendo uma mudança de consciência na América Latina, como já se nota na Argentina e até na Venezuela, e nós corremos o risco de continuar na rabeira do pensamento econômico.

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

*

A SAÍDA PARA O PT

Se o governo Dilma adotar o ajuste fiscal, a situação da nossa economia piora antes de começar a melhorar, e o PT é contra. Se o governo Dilma adotar a política de gastança da famigerada nova matriz econômica, atendendo a orientação do PT, aí é que a economia vai piorar de vez, sem chances de melhora futura. Para o PT, a única saída possível é aquela para a qual ele realmente tem talento e inegável competência: ser oposição. Como ele não pode ser oposição ao seu próprio governo, o jeito é substituir Dilma por um governo de transição que lhe desse fôlego até 2018 para praticar com maestria sua arte incomparável de atirar pedras e prometer mentiras. Para isso, só resta ao PT apoiar o impeachment contra Dilma. Não tem outra saída.

Paulo T. Sayão psayaoconsultoria@gmail.com

Cotia

*

A CRISE E AS PREVISÕES

É lamentável a possibilidade de fazer previsões negativas que, com muita probabilidade, se tornarão realidade. Tanto para começar, com algum truque, o impeachment se tornará uma quimera. Chefiando a Fazenda se alternarão ministros de acordo com a disposição ou não de executar a política econômica sugerida pela presidente, que, com o apoio dos sindicatos, de vários movimentos sociais e forçada também pelas greves do funcionalismo público, retomará a política populista e os incentivos setoriais às indústrias. Enquanto isso, o dólar continuará a subir e os aproveitadores de sempre continuarão a puxar para cima a inflação, aumentando abusivamente os preços. O dinheiro usado para comprar novamente uma parte do eleitorado continuará faltando no sistema de saúde, na educação, no transporte e em outros serviços essenciais. Deputados e senadores continuarão a movimentação para que as malandragens cometidas não sejam descobertas. À noite, terão negros sonhos de grades e algemas. Entretanto, se a sociedade acordar saindo massivamente às ruas, como no tempo das “Diretas Já”, toda esta tragédia poderá ser evitada. Em caso contrário, será bastante duro aguentar até 2018.

Francesco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

*

CONTRA PEDALADAS

Se não eram ilegais as tais “pedaladas” usadas e abusadas pelo governo Dilma para produzir resultados artificiais e mostrar um quadro mentiroso e irreal da nossa situação econômica, conforme defendeu veementemente o advogado-geral da União, por que o Tesouro Nacional quitou R$ 72,4 bilhões, tirados de alguma cartola, já que era sabido que dinheiro não havia? A bicicleta de Dilma tem pedal e contrapedal. Contrapedalar também é pedalar. Só que em sentido contrário.  

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A CHINA E A CRISE

Será que foi a crise brasileira que derrubou as bolsas da China? A tese do governo brasileiro será recíproca?

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

AS LIÇÕES DO DESASTRE

A Argentina e a Venezuela mostram que existe luz no fim do túnel e é possível sair desse atoleiro populista em que o Brasil caiu. As lições que o Brasil deveria aprender para não repetir nunca mais os erros que levaram o País à ruína são: respeitar a Constituição, acabar com a imunidade parlamentar, o recesso e todas as absurdas regalias que custam muito e não produzem nada de útil para o País. O governo tem de respeitar as leis, inclusive a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Diminuir o poder do Executivo, aumentando o poder dos órgãos reguladores, por exemplo, o Tribunal de Contas da União (TCU), com poder de decisão, e não só de opinião. Controlar e cobrar os programas de governo: quem se elege com mentiras perde o cargo. O Brasil tem um futuro brilhante pela frente, basta se livrar do governo corrupto e incompetente da presidente Dilma e criar mecanismos para não repetir os erros criminosos que ela cometeu, e em poucos anos voltaremos a ser um grande país.  

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

TÁ DOIDO

O presidente venezuelano Nicolás Maduro está em pleno “jus sperdinandi”. Talvez precise de uma camisa de força.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FUTEBOL BRASILEIRO, 2016

Mal começou o ano e o atual campeão brasileiro, Corinthians, já desmanchou e desmontou o time de 2015. Pior ainda é o fato de que a maioria dos jogadores vai para a China e outros centros periféricos do futebol mundial. Um retrato indiscutível do pobre e decadente futebol brasileiro de hoje. Além do desmanche de equipes campeãs, é triste ver que, salvo honrosas exceções, só ficam por aqui jogadores medianos e veteranos em final de carreira. Os melhores, via de regra, vão jogar no exterior, mesmo que seja na Ásia, nos EUA e em países sem tradição no futebol. Ao pobre torcedor brasileiro resta apenas a nostalgia dos velhos e bons tempos em que os grandes craques permaneciam jogando nos seus clubes, no Brasil. Esses tempos, infelizmente, ficaram para trás, num passado cada vez mais distante, e não voltam mais.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

EXPORTAÇÃO DE JOGADORES

Agora o “campeão dos campeões” passou a liderar também a área de exportação. E que golaço! Valeu, Coringão!

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

VAI CORINTHIANS!

Coringão vai dar o troco nos chineses! Já negocia a volta de Zizhao!

Luiz H. Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

‘ESTADÃO’, 141 ANOS

Cumprimento o “Estadão” pelos gloriosos 141 anos de vida, jornal que recebo diariamente, sempre mantendo-nos muito bem informados, reportando-nos as notícias, os fatos com a maior lisura, tanto do Brasil como do mundo. Portanto, cabe ressaltar e enaltecer tal marca, pois não é qualquer jornal que se mantém vivo por tantos anos, tendo passado por diversas fases difíceis no País. Não esquecendo que ele está vergonhosamente sob censura em razão da Operação Boi Barrica, que envolve o clã Sarney.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

Como leitor assíduo, bato um papo diariamente com os editorialistas, colunistas como Eliane Cantanhêde, Dora Kramer, José Roberto de Toledo, Celso Ming, entre tantos outros, além dos leitores do jornal no “Fórum dos Leitores”. É como se tivesse a chance de conversar e fizesse parte do círculo de amizades de todos. Então, parabéns a todos que fazem parte desse círculo. E ao “Estadão”, em especial, meu muito obrigado! Enriquecendo-me diariamente em cada palavra e valendo cada centavo investido. Que venham outros 141 anos!

Giovani Lima Montenegro giovani.limamontenegro@gmail.com

São Paulo

*

Parabéns ao “Estadão” na comemoração dos 141 anos de existência, informando com isenção ideológica e permanente postura democrática.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.