Fórum dos Leitores

O BRASIL EM FRANGALHOS

O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2016 | 02h55

Desespero de causa

Em seus cinco anos de pura inércia, cujo único afã é se manter no poder, e particularmente num momento de grande dificuldade na relação com o Congresso, Dilma resolveu mostrar serviço em reunião do Conselhão, marcada para hoje, repetindo os erros que estão levando o País à depressão econômica. Pretende injetar R$ 50 bilhões advindos dos bancos públicos para movimentar setores que já falharam, como o da construção civil, pois a inadimplência levou a grande número de distratos, eis que os juros altos favorecem só os bancos e mesmo esses mais baixos que serão subsidiados são incompatíveis com o avanço do desemprego. Quanto à injeção nas pequenas e microempresas, seria até saudável se elas tivessem a quem vender, mas se refletirá o mesmo problema da construção civil: povo desempregado não constrói nem compra! Apesar da pouca capacidade cognitiva que Dilma e seu compadrio têm demonstrado, é impossível que não tenham percebido os fatores restritivos. O que nos parece é que, não tendo respaldo na credibilidade externa – nem interna –, a presidente resolveu reeditar seus erros para tentar colher dividendos, caso alguma medida logre êxito, para daqui a três ou quatro meses, época de eleições. De novo, mais do mesmo!

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Desgoverno petista

Injeção de R$ 50 bilhões no crédito? Estão de volta as pedaladas bilionárias à custa do Banco do Brasil, do BNDES, da Caixa Econômica Federal e do FGTS. É o retorno à política econômica “anticíclica”, ótima para angariar votos no curto prazo, mas suicida depois.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

É preciso nos ouvir

A mensagem do mercado e da imprensa que não está de joelhos para o governo é bem clara: a retomada dos investimentos e a superação da crise econômica passam primordialmente pelo ajuste das contas públicas. Mas a presidente Dilma parece não ter dado a devida atenção à sugestão de seu vice de que “precisa ouvir mais”. De ouvidos tapados, o governo convoca o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, para anunciar a liberação de R$ 50 bilhões em linhas de crédito do Banco do Brasil, do BNDES e da Caixa – incluindo os recursos do FGTS. A presidente repete a receita “desenvolvimentista” que nos levou ao buraco, com um detalhe: os recursos a serem usados provêm da quitação das chamadas pedaladas fiscais (!). É ou não o fim da picada? Apesar de garantir que o Tesouro não fornecerá subsídios adicionais, crédito a perder de vista não pactua com a ideia de ajuste fiscal. A equipe econômica deveria entender que os investidores agirão quando tiverem confiança, mas o governo não inspira confiança alguma – aliás, as linhas de crédito tendem a desgastar a que ainda restou. Se o governo se preocupasse só com suas funções básicas (prover saúde, educação, segurança e manter as contas equilibradas) e não desempenhasse o papel de empresário, seria meio caminho andado. Como diria o saudoso economista, ministro e deputado Roberto Campos, o cobertor é curto e o talento é escasso. Com esse (des)governo petista onde é que vamos parar? Dilma deveria ouvir os nossos conselhos, não os dos chapa-branca do Conselhão.

ELIAS MENEZES

elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

Lulopetismo demolidor

O governo federal vai injetar R$ 50 bilhões para o consumo, via bancos públicos, certamente a juros bem mais baixos que os do mercado. Então, teremos ações do Banco do Brasil e outros em baixa, podendo acontecer o mesmo que na Petrobrás. Aliás, o Petros, o fundo de pensão dos funcionários da Petrobrás, está com um rombo por volta de R$ 20 bilhões, devendo os funcionários arcar com a cobertura deficitária. Mais uma vez o lulopetismo demonstra a sua competência e decência no trato dos negócios públicos... Se continuar à testa da gestão deste país, em breve a quebra da Nação estará visível, já que o déficit público está por volta de R$ 3 trilhões, o que fez as agências de risco, na verdade, riscarem o Brasil da lista sadia para os investidores.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Ilha Fiscal

A convocação da “nobreza” brasileira – banqueiros, empresários, artistas, intelectuais e políticos – para uma reunião do Conselhão da Dilma tem ares do baile da Ilha Fiscal, o último encontro dos nobres com o imperador, antes do fim do Império no Brasil. Faço votos de que a história se repita.

OLAVO FORTES C. RODRIGUES

olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

DESMANDOS

Imposto sindical

Apura-se corrupção na Operação Lava Jato, na Operação Zelotes e em outras mais. Pergunto: e o imposto sindical? Trata-se de imposto mesmo, pois não é pago voluntariamente, é compulsório. Qual o montante arrecadado? Que fim leva esse dinheiro? Está havendo mau uso? Quem está metendo as mãos nele e quais as medidas para impedir que continue o mau uso do trabalho dos brasileiros?

FRANCISCO DE CASTRO

fcastro48@gmail.com

São Paulo

MÉDICOS DO INSS

Direitos desumanos

A greve dos médicos do INSS é um crime, mais uma maldade praticada contra os trabalhadores – esquecem que são os trabalhadores os responsáveis por seus empregos. Sempre são prejudicados os humildes, os doentes, os velhos ou simplesmente os impedidos de trabalhar temporária ou definitivamente por acidentes ou doenças. Muitas dessas pessoas passaram fome neste período de quatro meses, com certeza, e o governo nada fez para ajudá-las. Não creio que seja dado o direito a uma pessoa, só porque fez um concurso público, de debochar da desgraça alheia. A desonestidade neste país começa quando uma pessoa se dispõe a trabalhar pela nação, mas ao ser aprovada só pensa no seu salário e em todas as regalias que o cargo lhe proporciona. Funcionário público que não cumpre a sua função deveria ser dispensado sumariamente, em todos os níveis de governo.

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

SEGURANÇA PÚBLICA

Salários da PM

São Paulo registra a menor taxa de homicídios em 20 anos e também o menor salário dos policiais militares, só perde para o Piauí. Acorde, governador, e prestigie sua PM com salários dignos da grandeza do Estado mais rico do Brasil.

LUIZ DE GONZAGA SANTOS, major PM da reserva

lg.santos@terra.com.br

Paraibuna

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

DIFÍCIL DE EXPLICAR

 

Conforme noticiou a revista “Veja”, o ex-presidente Lula será denunciado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo por ocultação de propriedade, o que, na prática, o enquadrará no crime de lavagem de dinheiro. A tramoia toda chega a ser até de difícil compreensão, mas, resumindo, depois da falência da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) – já presidida pelo ex-tesoureiro do PT e hoje presidiário João Vaccari Neto –, a empreiteira OAS (envolvida no petrolão) atendeu a um pedido de Lula e concluiu a construção de alguns prédios da Bancoop. A pergunta que fica no ar é: a troco de quê? Gratidão pelos lucros oriundos dos cofres da Petrobrás? E, para complicar ainda mais, o ex-presidente, ao que tudo indica, é o real proprietário de um tríplex no Guarujá (SP) que está no nome da empreiteira. É melhor Lula começar a bolar algumas frases de efeito, do tipo “não há ninguém mais honesto do que eu”, e reunir novamente meia dúzia de jornalistas chapa-branca. Está ficando difícil para ele se explicar...

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

O TRIPLEX

 

A nova fase da Operação Lava Jato, que aconteceu ontem, se chama Triplo X. Triplo X, vulgo triplex? Título do filme: “Meu reino por um tríplex”.

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com 

São Paulo

 

*

TRIPLO X

 

O sr. Luiz Inácio Lula da Silva e família não negam que tenham a opção de compra de um triplex no Guarujá. Opção de compra seria como um sinal que você dá na compra, por exemplo, de um automóvel, cujo bem fica reservado para você por alguns dias. Se você desistir, o dinheiro é restituído; se você optar pela compra, paga o restante ou uma parte e financia o resto. Mas opção de compra não dá direito a você de mandar colocar insulfilme, pintar o retrovisor na cor do carro, colocar bancos de couro e trocar o rádio por um sistema multimídia. Nenhuma concessionária toparia esse tipo de negócio, nem mesmo as da “boca”. Assim como opção de compra não dá direito a ninguém de fazer obras num apartamento (“olha, você reserva esse apartamento para mim, mas, enquanto isso, eu quero que você troque o azulejo do banheiro, faça os armários da cozinha e, se não for pedir muito, gostaria que você instalasse um elevador entre o segundo e o terceiro andares. O.k.?”). E a OAS – tão boazinha – topou. Muito bem, o sr. Luiz Inácio Lula da Silva e a família visitaram o imóvel em questão várias vezes e deram ordens de como queriam a reforma. Só no Brasil essa história absurda ainda gera dúvidas de quem é o dono desse apartamento. Resta ao sr. Luiz Inácio Lula da Silva provar como pagou ou está pagando o apartamento e de onde veio o dinheiro (de palestras, certamente). Como se trata da pessoa menos insuspeita da face da Terra, ele vai saber contornar esta marolinha em torno dos seus bens e da sua família.

 

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br 

São Paulo

 

*

BALANÇA, MAS NÃO CAI!

 

O Ministério Público do Estado de São Paulo deve denunciar o ex-presidente Lula e sua mulher, Marisa Letícia, por ocultação de propriedade. O alvo “inicial” será o tríplex no Edifício Solaris, reformado e mobiliado pela OAS no Guarujá (SP), empreiteira envolvida na Operação Lava Jato. Segundo um dos promotores responsáveis pela investigação, este imóvel é a “evidência material” mais visível da ligação do ex-presidente com empresários denunciados e condenados na Operação Lava Jato. O Instituto Lula nega o mérito da acusação. Segundo o Instituto, Lula nunca negou a opção de compra de um apartamento no edifício investigado, portanto nunca ocultou nada, e vai esperar para ver se a Justiça acata ou não a denúncia. Quando se faz a opção de compra, assina-se um documento e, se efetivado o negócio, tem de constar obrigatoriamente na declaração de bens no Imposto de Renda, com nome e CNPJ ou CPF do vendedor, condições e os valores efetivamente pagos, “pelo menos é assim que funciona para os esfolados contribuintes”. O Instituto Lula parece-me seguro diante da investida do Ministério Público, portanto deve estar calçado com os documentos probatórios. Então, apresente-os, desta maneira veremos se a honestidade altoproclamada pelo “cara” tem fundamento.  

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

CASO BANCOOP

 

Faço minhas as palavras do jornalista José Nêumanne (“Somos mais de 160 milhões de vítimas”, 27/1, A2), afinal, a “cumpanheirada” no poder deitou e rolou e a corrupção “nunca antes vista no País” mostra a cada dia a faceta criminosa do PT. Espero que com tantos raios caindo no País (somos campeões mundiais nisso), algum afete estes 14% que ainda vivem ou de sonho ou de corrupção. E o Ministério Público estadual cuide com carinho do caso Bancoop, afinal, só um saiu bem na foto e de graça: Lula, com sua cobertura no Guarujá, terra “de ricos”, para quem sempre se disse humilde operário.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

‘IL CAPO’

 

Finalmente a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) na mira da Operação Lava Jato. Agora, é só esperar que o japa da Polícia Federal vá buscar “il capo di tutti capi”! É o desmonte da máfia do PT.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

ESTÁ QUENTE

 

Está circulando na internet, sobre Lula: nem carcereiro tem tantos amigos na cadeia!

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

POR ONDE ANDAM?

 

A Operação Triplo X, da Polícia Federal, foi iniciada ontem. Onde estão Graça Foster e a sua equipe de ex-diretores da Petrobrás? Será que essa turma não sabe de nada da OAS, da Bancoop, de Nelci Warken, João Vaccari Neto, etc.?

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

TESOUREIRO

 

Nunca na história deste país um tesoureiro entesourou tanto como João Vaccari Neto.

 

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br

São Paulo

 

*

AS DECISÕES DE SÉRGIO MORO

 

“Tribunais revisam 3,5% das decisões da Lava Jato.” O índice de reforma das decisões do juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato é porcentualmente pequeno, mas processualmente é titânico, comprovando que a carta por mim também subscrita apontando os desmandos vindos de Curitiba não traz questão de somenos. Seriam dirigíveis elogios a um médico que, de 200 atendimentos, erra em 7? Como se pode elogiar um juiz que erra 7 de cada 200 decisões? Sete prisões indevidas, sete restrições patrimoniais ilegais, sete manchetes na imprensa que não deveriam ter acontecido. Ainda que não se faça juízo de valor sobre as decisões dos tribunais que não reconheceram o mal proceder judicial da primeira instância, os números são absolutamente desfavoráveis à Lava Jato.

 

Roberto Soares Garcia roberto@CarneloseGarcia.com.br

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO ZELOTES

 

E não é que o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) se pôs a campo para livrar a cara da sra. Cristina Mautoni e tentar livrá-la para a prisão domiciliar? Realmente, as condições da carceragem da Polícia Federal devem ser as melhores para ela: sem mordomo, sem serviçais, sem champanhe (tudo supostamente pago com recursos investigados na Operação Zelotes – não confundir com “zelites”), condições essas inadequadas para qualquer pessoa de bem, honesta e decente, que não tenha participado de falcatruas. O nobre (sic) parlamentar, como não é difícil de inferir, não propugna por “direitos humanos” na comissão que preside. Em desespero, visa a neutralizar a delação do marido da “vítima”, o sr. Mauro Marcondes Machado, este, sim, não um homem-bomba, mas uma das espoletas que pode detonar sabe-se lá quantas bombas que implodam a quadrilha de larápios (entre eles plagiadores de publicações da internet) responsáveis por expropriar recursos do erário que poderiam estar sendo usados em prol do povão pobre e, a esta altura, também desempregado. Essa turma de barbudos deve, mesmo, ficar com as barbas de molho. Moro “nelles”!

 

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo 

 

*

NOVIDADE

 

Lula afirmou com veemência que “não sabia que seu filho havia sido contratado” pelo casal de lobistas Mautoni, que está preso na Polícia Federal em face da Operação Zelotes. Aliás, Lula afirmou também que nem sabia que tinha filho.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                             

 

*

QUEM NÃO SABE NÃO TEME

 

Lula é o homem mais honesto do Brasil porque ele nunca sabe de nada. E quem não sabe não teme!

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

POPULISMO BARATO

 

Com certeza, Lula não é o homem mais honesto do País, mas, sim, o maior enganador da história brasileira. Com o seu populismo barato e inoperante, iludiu milhões de brasileiros. Hoje, colhemos o que foi (e ainda é) plantado pelo lulopetismo.

 

Jouber Turolla j.turolla@hotmail.com

Rio Claro

 

*

DECLARAÇÃO DESONESTA

 

“Não existe ninguém neste país viva alma mais honesta do que eu!” Acorde, “bola da vez”, sua declaração já é no mínimo desonesta!

 

Antonio Vieira Ambar avambar@gmail.com

Salto

 

*

LUIZ INÁCIO

 

Além de contrariar todos os Dez Mandamentos, traiu toda confiança que o Padim Ciço depositou no ser humano, principalmente no povo brasileiro, a começar do Juazeiro do Norte. Mentir uma vez, vá lá, ser contumaz é demais. Com certeza é um “rabo de burro”, pejorativo no serão nordestino, que veio a destruir os bons costumes dos brasileiros. Lula e o PT representam os 20% de corruptos que sustentam os outros 80% do partido. É tão cara de pau que envolveu a família e a ex-primeira-dama dona Marisa. Isso é uma vergonha!

 

Yoshio Asanuma yasanuma2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

HONESTIDADE

 

Será que algum dia teremos o prazer de pegar o jornal ou abrir a internet e não ver a foto de Lula e de seus filhos envolvidos em escândalos (“o homem mais honesto do Brasil”)? Não me lembro de ter visto alguma notícia do filho de FHC envolvido em esquemas e escândalos durante e após o governo do pai. É enojante.

 

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

 

*

PERGUNTAS

 

Segue a minha sugestão à Polícia Federal, aos procuradores que estão trabalhando na Operação Lava Jato e ao dr. Sérgio Moro. Para pegar o chefe da quadrilha, não é muito difícil. Quando Bill Clinton deixou a Presidência dos Estados Unidos, passou a fazer palestras pelo mundo. Preço: US$ 200 mil. O ex-presidente do mais influente país do mundo. Ao nosso ex-presidente deverão ser feitas perguntas e investigados os seguintes temas: 1) em que país foram proferidas suas palestras? 2) Quantas pessoas compareceram? 3) Quem patrocinou e organizou as palestras? 4) Em que local foram realizadas as palestras, com data e hora? 5) Quanto custou a cada ouvinte o ingresso? 6) Quanto cobrou o palestrante? Pronto. Resolvido o problema.

 

Carlos Alberto Ferreira carlos.alberto572@terra.com.br

São Paulo

 

*

DINHEIRO

 

O ex-ministro Gilberto Carvalho disse que, na Operação Zelotes, a preocupação deveria ser só a recuperação do dinheiro. Como sempre, o PT só se importa com o dinheiro.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

PAÍS MARAVILHOSO

 

O Brasil é campeão mundial em roubalheira (mensalão, petrolão...). Também é campeão mundial em inocentes. Segundo os advogados, ninguém tem culpa de nada. Estão pedindo a soltura de todos os envolvidos! País maravilhoso para os ladrões...

 

Giampiero Giorgetti giampiero@falcare.com.br

São Paulo

 

*

FIM DA GREVE DOS MÉDICOS PERITOS

 

Finalmente os médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) decidiram retornar ao trabalho depois de 140 dias de greve  remunerada,  e com um saldo de 1,3 milhão de segurados sem atendimento em todo o País. E o projeto de lei do servidor público, que está parado há 25 anos, ou mais, no Senado federal? Com exceção dos bombeiros e da Polícia Federal, o que funciona bem neste país para uma população que trabalha cinco meses no ano para pagar impostos? E ainda o governo Dilma quer a volta (obsessão oficial) da CPMF?

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

GREVE INADMISSÍVEL

 

Os 140 dias de greve de uma categoria socialmente tão importante são algo inadmissível! Faltou competência do governo para a negociação, além do fato de não termos até hoje uma legislação adequada que discipline uma greve dessa ordem. Os dramas sociais decorrentes do fato, que a imprensa divulgou, são de cortar o coração. No fim, a história de sempre: faz-se o acordo, perdoam-se os dias parados e muitos no governo até devem ter ficado felizes por ter postergado os pagamentos de auxílio aos sofridos trabalhadores.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

PURPURINA X SAÚDE

 

Cumprimento o prefeito da cidade de Jundiaí e toda a Câmara Municipal, pela incompetência, inércia e escolha das prioridades a serem mantidas. Certamente, o munícipe jundiaiense prefere que, entre a purpurina e a saúde pública, a verba seja destinada à alegria do prefeito, que nunca escondeu ser adepto ferrenho dos blocos carnavalescos em detrimento da saúde. O Núcleo Integrado de Saúde (NIS) conta hoje com um único neurologista para o atendimento de toda a população, que ultrapassa 300 mil habitantes, e os munícipes, para serem atendidos, precisam se engalfinhar por uma vaga. Para compensar a falta da contratação com um salário digno mais médicos, o nosso caríssimo prefeito destina a verba à purpurina, já que a mais medíocre Câmara Municipal de vereadores que passou pela história de nossa cidade de Jundiaí permanece inerte, omissa e, portanto, conivente com a destinação de verba para a purpurina, sim. Para a saúde, deixa como está, já que o funcionalismo público não utiliza os serviços públicos, especialmente o SUS.

 

Glória Anaruma glória.anaruma@gmail.com

Jundiaí

 

*

A GUERRA CONTRA O AEDES AEGYPTI

 

A epidemia de Ebola, que desde 2013 fez 3,5 mil vítimas em Serra Leoa e se alastrou por outros países da África Ocidental, como Libéria e Guiné, está encerrada porque esses países ficaram 42 dias sem nenhum caso registado, portanto estão livres da doença. Não há como comparar a gravidade da doença deles e as condições em que vivem. Aqui, no Brasil, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, na maior cara de pau, declarou que estamos perdendo feio a batalha contra o mosquito Aedes aegypti e que estamos há três décadas convivendo com o mosquito, responsável pela transmissão de febre zika, dengue e chikungunya. A Organização Mundial da Saúde (OMS) contestou as declarações do ministro e considerou sua fala fatalista. Então, cabe perguntar aonde foi todo o dinheiro da saúde recolhido da CPMF, que não produziu uma vacina. E onde estão os investimentos da saúde que todo candidato diz que vai resolver? E a presidente Dilma ainda quer a volta da CPMF? Há Estados, como Minas e Pernambuco, com epidemia de dengue, mas nada se diz. Essa é uma pequena mostra da ineficiência, do descaso, da falta de gestão e seriedade com a coisa pública. Atenção, eleitor, veja bem quem promete resolver o problema da saúde! Você é vítima  dessas promessas. E, por acreditar em promessas falsas e baratas, o Brasil está se tornando o país do atraso, do retrocesso e da maior corrupção de que se tem notícia. Enquanto você deixar, os políticos vão roubar. Isso é uma vergonha, um acinte. Reaja!

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

SINCERO E INCONVENIENTE

 

O Planalto deveria saber que a atitude politicamente correta não enche a barriga e tampouco cura a saúde do povo. E, como a propaganda enganosa é uma marca constante dos petistas no poder, agora o governo pode fritar ou até demitir este ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB), que se mostrou inconveniente só porque foi sincero ao afirmar que o País está “perdendo feio a guerra” contra o Aedes aegypti – o que é muita verdade! Nos últimos anos, este mosquito prolifera assustadoramente pela maioria dos 5.565 municípios desta maltratada terra tupiniquim, aumentando o número de infectados e de mortes. Este relapso governo federal jamais enfrentou esta epidemia de dengue e da febre zika com interesse e competência. Ou melhor, se lixou para este grave problema do mosquito Aedes aegypti, que apavora e afeta a saúde dos brasileiros.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

DERROTA

 

Com relação ao que disse o ministro da Saúde, que perdemos a batalha contra o Aedes aegypti, não foi só isso. Perdemos a batalha contra as drogas e contra o tráfico de armas. Décadas de gestão corrupta e irresponsável dos presidentes e governadores dos Estados e conivência total do Poder Judiciário. O Brasil se torna, assim, um dos países mais violentos e doentes do mundo.

 

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

 

*

MICROCEFALIA GERENCIAL

 

É injusto responsabilizar o atual ministro da Saúde pelo vírus zika ou pelo aumento dos casos de microcefalia. O Brasil padece de microcefalia gerencial há longos 13 anos.

 

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

 

*

SOCORRO

 

Aedes aegyPTi. SOS!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

O ERRO DO MINISTRO

 

Ao comentar que o Brasil se rendeu à dengue, o ministro da Saúde cometeu o maior pecado que um ministro pode cometer: esqueceu-se de lembrar que a presidente só aceita verdades quando lhe favorecem.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

 

*

MINISTRO FRÁGIL

 

A menos de quatros meses no cargo o ministro da Saúde, Marcelo Castro tem se ocupado em produzir gafes e frases infelizes tendo como inspiração o Aedes aegypti. Depois de assinar a rendição ao poderoso exército dos mosquitos, alçado a inimigo número um, o ministro entregou para a população a responsabilidade sobre uma das maiores crise de saúde pública do País. Não dá para entender como um mosquito tão poderoso como esse ainda não derrubou um ministro tão frágil assim.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                  

Rio de Janeiro

 

*

INCOMPETÊNCIA NA SAÚDE

 

Já passou da hora de o ministro da Saúde, Marcelo Castro, ir ocupar o seu lugar na lata de lixo da história, na companhia de tantas outras nulidades do governo Dilma. Seria uma maravilha se no lugar dele fosse nomeado alguém competente, de boa-fé, sem vinculação política, com disposição e força para combater, além do mosquito da dengue, as tantas quadrilhas criminosas especializadas em desviar dinheiro das gordas tetas do Ministério da Saúde.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

ZIKA VÍRUS

 

Se o ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB), não é competente, foi escolha de Dilma, também incompetente. Ela deve tomar cuidado com o vírus do zika Lula, não é mosquito, mas transmite várias doenças crônicas que afetam o Brasil há anos.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br  

São Paulo

 

*

A DENGUE E ‘LOS HERMANOS’

 

O governo da província de Buenos Aires está fumigando toda a cidade para combater o Aedes. São mais de 80 ações de combate para prevenir a dengue, aliadas a uma forte campanha para a população. Buenos Aires teve 24 (sim, vinte e quatro!) casos da doença. Eis um governo responsável. Aprenda, dona Dilma!

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

RECADO AO POVO BRASILEIRO

 

Carnaval são só três dias, enquanto dengue, zika, chikungunya e, sobretudo, o desgoverno Dilma são, salvo algum milagre, para o ano inteiro.

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

MEU CARNAVAL

 

Carnaval é cultura, não há discussão. E alegria, irreverência e crítica social também têm seu lugar, mas será que não temos de ir além? Não estaria na hora de dar um basta no oba-oba, nem que seja para repensar? Que seja romper com uma festividade tradicional para mostrar nossa indignação ao mundo, e daí? Afinal, vamos comemorar o quê? A zika, a dengue, a chikungunya? O desemprego, o “lixo” dos hospitais? A violência, a recessão? A corrupção, as pedaladas? O drama ecológico de Mariana? A falência da educação? Os juros altos, a inflação? Para mim, válvula de escape é ver tudo isso resolvido. Aí, sim, podem me chamar, que eu sambo até o amanhecer.

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

CULPADOS

 

O noticiário e as seções de cartas dos leitores fazem críticas aos políticos corruptos e à falta de combate  ao Aedes aegypti, etc., etc. Mas a maior parte da culpa é dos cidadãos e eleitores, quando deixam água parada em vasilhas, pneus, caixas d’água destampadas, etc. e quando votam em candidatos do PT, do PP e do PMDB, apesar das constantes críticas à sua incompetência e desonestidade. Ao reeleger Lula, Dilma, Maluf, etc., põem a culpa na sua ignorância ou alheamento.

 

Mário A. Dente éticototal@gmail.com

São Paulo

 

*

HOJE TEM ESPETÁCULO? ‘TEM, SIM SINHÔ!’

 

Amanhã, na terrinha da fantasia e da corrupção institucionalizada, sob o comando do gênio que nos governa, será armado mais uma vez um grande circo com o pomposo nome de Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, mais um “enche linguiça”, com a pretensão de resolver os problemas da nossa falida economia. A principal pauta do encontro deverá ser a aprovação da abertura de uma linha de crédito oficial pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal (CEF), incluindo recursos do FGTS, e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 50 bilhões com juros subsidiados, ou seja, juros abaixo dos de mercado. O anúncio da medida será feito pelo ministro da Fazenda, que provavelmente chegou de Davos com o cérebro congelado. Também serão anunciadas novas linhas de crédito pelo BNDES para financiar a produção de bens e serviços para exportação (?). Provavelmente para Cuba, para a Bolívia e para a Venezuela. Dona Dilma quer que o comércio exterior seja um dos caminhos para reativar a economia. O outro caminho, segundo a equipe econômica, é atender à demanda por crédito existente no mercado, justificando dessa maneira a injeção dos R$ 50 bilhões. Será que essas “antas”, que dia a dia destroem a nossa economia, se esqueceram de que essa medida já foi adotada e não deu certo, só estimulou o consumo e hoje mostra o resultado negativo, com uma das mais altas taxas de inadimplência já registradas? Ah, uma notinha de esclarecimento: para o espetáculo deste ano, o circo perdeu alguns artistas, estão na cadeia, mas o governo imediatamente se empenhou em repor a trupe. Em convênio celebrado com a Rede Globo de Televisão, acaba de contratar novos artistas, um deles, convidado pela “presidenta”, é Wagner Moura, sem dúvida um mestre das finanças públicas. Quem sabe, talvez, um estudioso e beneficiário da Lei Rouanet.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

‘CONSELHÃO’

 

A presidente Dilma se reúne com o “Conselhão”. Quer  encontrar “saídas” para a crise econômica. Vamos gastar muito, nesta reunião, com  locomoção,  hospedagem, suvenir, alimentação, etc. Torço fervorosamente para que surja um ser corajoso, patriota e resoluto e orgulhosamente apresente a solução óbvia.

 

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

CHEGOU A VEZ DO FGTS

 

Depois de o governo acabar com a economia do País, enfiar as mãos nos fundos de pensão, fazendo-os sócios de qualquer empresa em dificuldade, agora ele estuda começar a comer pelas bordas o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), única garantia do trabalhador brasileiro em caso de desemprego. O ministro Joaquim Barbosa estuda liberar “multa do FGTS como garantia para crédito”, primeiro passo. Daqui a pouco, enfiarão as mãos no fundo propriamente dito, porque, com arrecadação em baixa e gastos em alta, em breve as “multas” virarão pó e a saída será liberar o FGTS propriamente dito. Aí para o trabalhador o benefício será liberado apenas em época da aposentadoria. Nas mãos do governo socialista, é assim que a coisa funciona. Onde tem dinheiro vão enfiando as mãos, até quebrar o País por inteiro. Hoje só sobrou o FGTS. Até quando?

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

 

*

R$ 50 BILHÕES PARA CRÉDITO

 

Governo deve liberar R$ 50 bilhões em linhas de crédito do Banco do Brasil, BNDES E Caixa, incluindo recursos do trabalhador (FGTS). Só para tranquilizar o ministro Nelson  Barbosa, que defendeu em Davos o plano  de ampliar o crédito, ocasião em que lembrou o ditado “Vamos levar o cavalo à água para ver se ele quer bebê-la”, completando assim: “Você pode levar o cavalo à água, mas não pode forçá-lo a beber”. Fique em paz, prezado ministro, quando se trata de crédito fácil, o empresário brasileiro cata correndo, agora, pagar, aí são outros quinhentos, somente Deus é quem sabe.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

O CAVALO NÃO QUER ÁGUA

 

Obstinação de keynesianismo equivocado: Nelson Barbosa verá que cavalo não vai querer beber (nem) água nem crédito. Já está endividado, tem capacidades ociosas, não vê o que fazer – mercado.  Nem interessa o valor de juros, a menos que aplique no mercado financeiro nacional.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

AS REFORMAS E O ‘FOGO AMIGO’

 

A sinalização das bancadas do Partido dos Trabalhadores (PT) de que vão barrar a reforma da Previdência e outras medidas do ajuste econômico (“Estado”, 25/1) é mais um complicador que se coloca diante da presidente Dilma. Se o seu partido e o maior aliado – o PMDB – são contrários às medidas que pretende implementar, seu governo está politicamente órfão e não tem o que fazer. O “fogo amigo”, inclusive o de Lula, seu criador político, somado ao ativismo da CUT e do MST, que ficam ao lado do partido e contra o governo, tornam a presidente cada dia mais vulnerável. Difícil de saber se seu afastamento resolveria problemas ou se estes estariam solucionados com ajustes pontuais. O Brasil de hoje carece de ampla reforma de conceitos. Ou assume de vez o regime parlamentarista pretendido (mas não conseguido) por expressiva parcela dos constituintes de 1988 ou expurga do presidencialismo as fraquezas que o têm tornado vulnerável ao longo das últimas três décadas. Feito isso, as reformas pontuais virão como consequência.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

O QUE ESPERAR DO LEGISLATIVO

 

“Legislativo veta decreto de emergência econômica e nega poderes a Maduro” (“Estado”, 22/1). Este é um dever do Parlamento: verificar se os aumentos de impostos e outras medidas econômicas propostas contribuem efetivamente para resolver os problemas do país, e não simplesmente corroborá-las como solução dentro de uma estratégia errada do Executivo. Assim como lá, na Venezuela, é o que nós, brasileiros, esperamos do nosso Congresso. Se o Executivo tem um modelo errado e desperdiça os recursos da população dentro de um modelo assistencialista e de aparelhamento da máquina estatal, não é o aumento de impostos que colocará o Brasil no caminho correto, mas, sim, a diminuição de despesas (com a eliminação de “direitos” do funcionalismo público) e a reestruturação do Poder Executivo, que, de imediato, se torna necessária.

 

Jorge Alves jorgersalves@gmail.com

Jau

 

*

A CONVERSA FIADA DA CPMF

 

Causa asco ver com que cara de pau a presidente da República e seus asseclas têm batido no assunto, querendo mostrar ao povo que essa é uma das medidas necessárias para ajudar a tirar o País da crise econômica. Em 2014, importante lembrar os momentos cruciais que antecederam as eleições presidenciais, muitos – não foi o meu caso – se deixaram levar pela propaganda ufanista que mostrava um País navegando em mar de rosas proporcionada pelos anos de “ouro” das administrações petistas. Mais quatro anos nos transformaria num país de Primeiro Mundo. Haja! A realidade, nua e crua, acabou aparecendo muito mais rápido do que poderíamos imaginar. Ganharam as eleições e perderam todos os brasileiros, as contas estão aí, com “pedaladas” e muitos perdendo o emprego diariamente, indústrias e empresas fechando as portas, inflação em alta, pacientes sem vagas ou morrendo pelos corredores dos hospitais, falta de remédios nas farmácias populares, Petrobrás quebrada, desgoverno, aumento de impostos afetando as famílias, falta de rumo e, principalmente, de credibilidade. Então somos obrigados a escutar e conviver diariamente com esta conversa furada, como se nada de errado tivesse acontecido e a conjuntura internacional fosse a culpada por todos os males econômicos do País, convidando-nos amistosamente com cara de mártires a pagar a conta de tamanha incompetência. Calar é concordar, cobrar é preciso, passou da hora de botarmos a boca no trombone. Não à CPMF!

 

Nilton Junqueira niltongjunqueira@yahoo.com.br  

São Paulo

 

*

RESERVAS

 

Imaginem onde vão parar as reservas que Dilma Rousseff pretende utilizar para “suprir” as dificuldades econômicas do País! Depois ela se diz “estarrecida” com as avaliações do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o Brasil.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

ELEIÇÃO 2016

 

Mais uma vez o PSDB deve perder a eleição para ele mesmo. Desta vez, na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Definitivamente, os tucanos não se entendem. O ego, a soberba e a vaidade dentro do partido são tão grandes que acabarão destruindo mais um projeto político deste que seria, caso quisesse, o partido com mais chances de viabilizar não só o próximo prefeito de São Paulo, como também seu fortalecimento para outros cargos políticos deste país. O PSDB é um partido dentro de outros partidos, outras ramificações e tendências. Será que ninguém consegue unir os tucanos e acabar de vez com as picuinhas internas que só destroem aquilo que levaram anos para construir?

 

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

 

*

‘TUCANICÍDIO’ EM SÃO PAULO

 

Falta pouco para elegermos um prefeito paulistano e os tucanos brigam entre si e dão chances de reeleição a este traste que eleitores analfabetos colocaram na Prefeitura. Se não for ele, até seria Celso Russomano que num possível segundo turno é quase certo que enfrentaria e perderia  para uma Marta “Suplício” que está babando para ter a Prefeitura de volta depois de sair de um PT que apodreceu na corrupção, em que ela, se não tomou parte, conviveu e se aproveitou de todos esses anos até sacar que o partido está em agonia. No tucanato, parece que Andrea Matarazzo é aquele com mais conhecimento dos problemas de nossa capital, mas não é político, não sabe ir à periferia e conversar com um eleitorado que gosta de papo furado e promessas vazias. Duro é ouvir que o lerdo Alckmin não apoia Matarazzo  porque ele é do grupo de Serra. Um bando de tucanos estúpidos que, em vez de se unirem, cada um quer para si este cargo – e amanhã será a perda do Estado.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

GOVERNO MEDROSO

 

Quem acompanha pari-passo todas as façanhas criminosas dos marginais mascarados-acobertados por pretensos movimentos sociais vê que não passam de baderneiros camuflados de reivindicantes de uma imponderável gratuidade no uso dos transportes públicos, como se vivêssemos numa Suécia ou Dinamarca. Nossas autoridades policiais não os enfrentam para valer, por causa da falta de coragem do nosso governo em não autorizar as ações de acordo com as necessidades prementes, com medo das consequências políticas que poderiam acarretar prejuízos para o PSDB nas próximas eleições e nas de 2018. Enganam-se totalmente os próceres tucanos, porque essa omissão é que os levará às possíveis derrotas nas urnas. O eleitor consciente, o cidadão probo sabe discernir e aprovar as ações que se fazem necessárias.

 

Aloisio De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

 

*

ABISMO SEM FIM

 

O Brasil está em um abismo sem fim. Descendo cada vez mais. Governo sem vergonha, corrupto, ladrão, incompetente, e tudo isso fortalecido por uma oposição de igual quilate, pois quem cala consente. Aí vem um tal de Movimento Passe Livre (MPL) para condenar um aumento de R$ 0,30 na passagem do transporte público em São Paulo. Quer dizer, tudo o que está acontecendo no País, abrangendo São Paulo, que se dane. O importante é o não aumento na passagem, passagem esta que dá 50% de desconto a estudantes e isenção a aposentados e desempregados. Que se dane o resto! Isso é nossa juventude? Isso é o futuro do País? Ainda bem que, matematicamente falando, acho que  não estarei aqui para ver esse futuro!

 

Márcia Rossi Soares marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

 

*

AMÉRICA LATINA

 

O presidente da Bolívia, Evo Morales, completou dez anos no poder. Conseguiu grandes feitos, como reduzir a pobreza de 53% para 29%, beneficiando assim boa parte da população boliviana. Apesar disso, é inaceitável que Morales queira um quarto mandato consecutivo e permanecer no poder até 2025, em evidente violação à democracia e à alternância do poder. Evo Morales repete o mesmo vício autoritário de seus colegas do Equador e da Venezuela, pouco afeitos à democracia, que não querem largar o osso de jeito nenhum.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.