Fórum dos Leitores

PARTIDO DESTRUIDOR

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2016 | 02h57

Reincidência

Editorial de domingo (O ossário petista, A3) refere-se ao escândalo da Bancoop como uma espécie de laboratório de que se serviu o PT para testar maneiras de subtrair do alheio vultosos recursos para financiar seu projeto de poder eterno. Quero observar que esse caso não foi o primeiro teste que mostraria a incompetência dos petistas e seus correligionários sindicalistas metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Nos primeiros anos da década de 1980, essa corriola conseguiu tomar a direção da Cooperativa de Consumo dos Funcionários da Volkswagen do Brasil, com sede naquela cidade e filiais em Santo André e Taubaté, que serviam de maneira notável aos trabalhadores das fábricas do Grupo VW e a suas famílias. Equiparava-se aos melhores centros de compras existentes na época, com preços menores que a concorrência, e os consumidores funcionários tinham suas despesas financiadas pela empresa, com vinculação ao salário. Além de todos os produtos de um supermercado, a cooperativa tinha um consórcio para financiar automóveis e eletrodomésticos para seus associados. Um ano após o conselho administrativo ter sido eleito pela força dos sindicalistas metalúrgicos, a instituição começou o seu processo falimentar, ocasionado pela péssima e corrupta administração, terminando com tudo o que fora criado ao longo de duas décadas de contribuição dos associados. Deixaram de pagar aos fornecedores, desviaram mercadorias do estoque para abastecer o fundo de greves e surrupiaram o caixa da cooperativa para uso pessoal e do PT. Todos os bens imóveis da cooperativa foram leiloados para pagar a dívida deixada por sua incompetente e corrupta diretoria. Milhares de consorciados, após terem pago muitas prestações para a compra do sonhado veículo ou de um eletrodoméstico, nunca viram o produto desejado nem a cor do seu dinheiro. Eu afirmaria que esse acontecimento foi realmente a primeira experiência petista em destruir um empreendimento. Passados 20 anos, ao chegarem ao poder, em 2003, começaram a levar a cabo seu projeto de destruição do nosso Brasil.

WALDEMAR CASAGRANDE

wcasa@uol.com.br

São Bernardo do Campo

O ‘MAIS HONESTO’

Incendiários

Os companheiros e “cúmplices” de Lula dizem que se ele for preso os “movimentos sociais”, como o MST, a CUT (milícias armadas), e a militância, que se dizem democratas (sic), vão pôr fogo no País caso não haja provas contundentes do envolvimento do líder. Não percam por esperar, pois acredito que elas existam e vão ser reveladas no seu devido tempo. E pensar que chegaram a cogitar do nome dele para o Nobel da Paz e para o cargo de secretário-geral da ONU...

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Lavagem de dinheiro

O Ministério Público assevera que já há evidências de lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá. E Lula ameaça processar todos os que fizerem acusações contra ele, especialmente após ter declarado ser o mais honesto dos homens, o santo Lula. Ressalte-se que o Ministério Público não precisa pedir autorização ou consultar a defesa, porque, como titular da ação penal, pode e deve agir tendo elementos para ofertar a peça acusatória. Lula que se defenda e se explique ao povo deste país.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

Imprensa e oposição

Por causa do apartamento no Guarujá, o pessoal do PT (Instituto Lula) mais uma vez acusa a imprensa e a oposição pelas dores de cabeça que afligem o “grande chefe”. Injustiça pura! Nunca antes na História deste país nossa imprensa acarinhou (esse é o termo) tanto um político e um partido como fez com o “grande chefe” e o PT. Quanto à oposição, melhor deixar quieto.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

CONTRA ISSO QUE ESTÁ AÍ

Cadê as elites morais?

Surfando na onda dos artigos de Sergio Fausto e Bolívar Lamounier no Estadão de domingo (A2), pergunto: onde estão as elites morais do nosso querido Brasil? Sentimos falta, precisamos dessas elites. Então, onde encontrá-las? Na oposição? Difícil. Não sei qual o motivo, mas estão escondidas. Se estão esperando a grandeza (e a vergonha) de uma renúncia do atual governo, podem esperar sentadas, pois não vai ocorrer. Se esperam que o governo tome as medidas impopulares para resolver a questão, então a oposição não merece crédito, por ser covarde e não estar entendendo o que acontece neste país. Prefere afundar o País para se eleger em 2018. Doce ilusão. O Brasil precisa de confiança em seus Poderes Executivo e Legislativo. O Poder Judiciário é o reflexo puro da lacuna deixada pelos outros dois Poderes da República. O que vamos fazer? Esperar 2018? O que vamos eleger em 2018 se continuarmos com a situação de descalabro moral atual? Elites morais, se existirem, que saiam da sombra e resolvam. Os artigos no Estadão supracitados mostram caminhos. Mão à obra, pois do jeito que está não pode ficar. Assumam as rédeas do País.

SALVADOR BORDIERI NETO

sbordierineto@gmail.com

Sorocaba

Estado-camarão

Enquanto não se decapitar o camarão – poder político bolivariano –, privatizar todas as estatais, pois não é função do Estado ser empresário, fixarem residência em São José dos Pinhas as principais cabeças, reduzir 60% dos ministérios e da administração federal, o Brasil não voltará crescer. (O governo) prometeu cortar na carne. E cortou a carne da mesa do cidadão, cortou o emprego do brasileiro, cortou a imagem do Brasil no exterior, etc.

ARI BERGER

ariberger@uol.com.br

São Paulo

CICLOVIAS

Pelo ralo

Sábado, passando pela Avenida General Ataliba Leonel observei que a tinta vermelha de demarcação da ciclovia desapareceu, deixando reaparecer a cor preta do asfalto. Isso significa que o dinheiro do contribuinte literalmente escorreu pelo ralo. Claro, alguém deve ter lucrado muito com essa pintura, que não durou nem até o fim do mandato do alcaide. Esse é o estilo de governo do pt (minúsculas mesmo).

JOSÉ ROBERTO VIEIRA

jrsvieira@ig.com.br

São Paulo

Algo me intriga. É uma pergunta que me faço todos os dias enquanto estou no trânsito: quem é ou quem são os fornecedores das tintas de vida efêmera que emporcalham as ruas de São Paulo? Nunca vi nenhuma propaganda institucional de ufanismo por fornecer tal material.

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O FIM DO RECESSO

 

Hoje os nobres parlamentares brasileiros iniciarão os trabalhos do ano de 2016. Os deputados e senadores não fizeram falta alguma durante o mês de janeiro. Muito pelo contrário, o País mostrou mais uma vez que funciona muito bem sem as constantes trapalhadas do Congresso Nacional.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

E AGORA?

 

Deputados, senadores e os ministros dos tribunais superiores voltam às suas sessões ordinárias hoje. Esse fim do recesso parlamentar e judiciário traz expectativas diferentes dos demais anos. No lugar do simples começar de uma nova jornada, indaga-se sobre a sequência do já aberto processo de impeachment presidencial e das 11 comissões parlamentares de inquérito (CPIs) pendentes e muita coisa ruim. Questiona-se se o governo terá força suficiente para fazer aprovar as medidas do ajuste fiscal. E o Congresso ainda está apreensivo com os processos contra o presidente da Câmara e outros parlamentares.  Apesar da reabertura do Congresso e do Judiciário, Brasília deverá ficar deserta a partir da quarta-feira, em razão do carnaval. A retomada – de verdade – deverá ocorrer só no dia 15/1, primeira segunda-feira após o carnaval. Detalhe preocupante a registrar: no período de recesso, os indicadores de inflação, desemprego e de atividade econômica só pioraram. O Brasil precisa de definições urgentes, urgentíssimas.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

                                                                                                    

*

O JOGO DAS MARACUTAIAS

 

Quem ainda tem ilusões relacionadas ao caráter de Luiz Inácio deve procurar no www.institutolula.org o texto “Os Documentos do Guarujá: Desmontando a Farsa”. Depois, é só observar com acuidade as datas 2005, 2009, 2010 e 2015 e ligar os pontos. No e-mail incluído estão as melhores dicas. Vence o jogo quem descobrir o maior número de lorotas. 

 

Helena Costa Valente helenacv@uol.com.br 

Rio de Janeiro

 

*

INGENUIDADE

 

Os advogados do ex-presidente Lula terão pela frente tempo mais que suficiente para preparar sua defesa, tanto no caso do tríplex do Guarujá quanto no do sítio em Atibaia. É até possível que sejam bem-sucedidos, se apresentarem argumentos plausíveis que deixem dúvidas no ar. A questão mais importante, no entanto, não é a legal. Alguém, em sã consciência, ainda acredita que Lula não se beneficiou de qualquer tipo de favorecimento por tráfico de influência? Alguém ainda acredita na ladainha petista de que todas essas acusações são obra da “zelite” inconformada e da mídia entreguista? E de que Lula enriqueceu dando palestras (palestras caras, não?)? À luz das evidências e do bom senso, é possível ainda tanta ingenuidade?

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

JESUS E O DIVINO COMBATE AOS FARISEUS

 

Lula não teve o tríplex no Guarujá, porém o declarou em sua declaração de Imposto de Renda. Quando o fez, não disse que se tratava de cota. A família não tem o sítio de Atibaia, mas dona Marisa comprou um barco, com nota fiscal em seu nome, e pediu que ele fosse entregue nesse sítio. Lula nega tudo, menos a pureza de sua alma incomparável. Assim como, no passado, no afã do poder, todos que não eram companheiros eram pústulas miseráveis. Será que vivemos um mundo fantástico, sonho, pesadelo, onde são vãos nossos esforços em procurar verossimilhança nos fatos?

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br  

São Paulo

 

*

E O BARQUINHO VAI...

 

A aquisição de um barco de alumínio por pouco mais de R$ 4 mil efetuada pela esposa do ex-presidente Lula e entregue num sítio na cidade interiorana de Atibaia, noticiada pelo jornal “Folha de S.Paulo”, foi o suficiente para provocar uma enxurrada de postagens nas redes sociais por exaltados militantes petistas. A ação, transformada de imediato em verdadeiro meme, tinha dois objetivos: primeiro, ridicularizar aquele órgão de imprensa e, segundo, minimizar o estrago recém-sofrido na imagem do líder supremo de seu partido.  Evidentemente, não se deram conta de que não importa a espécie de embarcação, se um iate ou uma canoa, ou um simples barquinho de papel, senão o ato em si. Talvez a simplória ex-primeira-dama quisesse apenas agradar ao marido afeiçoado a pescarias. Mas nunca é demais lembrar que a aquisição de um modesto Fiat Elba provocou o estopim da desgraça política de Fernando Collor. Oxalá o ex-presidente passe incólume sob as marquises do Edifício Solaris e os arvoredos do sítio atibaiense. Caso contrário, o barquinho do seu projeto político pode virar.

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

A HONESTIDADE DE LULA

 

Espelho meu, pergunto apenas para confirmar: existe neste país viva alma mais honesta do que eu? A Lula, responde o espelho: o tríplex Solaris com certeza dirá.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

EX-PRESIDENTE

 

Os coelhos que Lula assa em São Bernardo são encontrados em Atibaia e no Guarujá...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

O CRIME QUASE PERFEITO

 

O que costuma fazer um cidadão normal, que acumula fortuna em dinheiro? Vai realizar seus sonhos de consumo, vai viajar comprando passagem em primeira classe, vai comprar um sítio legal para passar os fins de semana com a família ou vai comprar um apartamento de luxo no Guarujá, já que sua fortuna acumulada lhe permite. Sai gastando, porque dinheiro não é sua preocupação. Mas há aqueles que, por mais ricos que estejam, e porque sua fortuna foi adquirida por meios “inéditos”, querem construir patrimônio imobiliário de forma que seu bolso seja poupado. A ganância, a amoralidade e o mau hábito falam mais alto. Falando claramente, Lula podia ter comprado o tríplex, o sítio e viajado às suas expensas que isso não o iria descapitalizar. Pois então temos de lhe agradecer por sua falta de caráter, que fez com que deixasse os rabichos necessários para ser enquadrado pela lei. Foi um crime quase perfeito... quase!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

A FAMÍLIA LULA E A BANCOOP

 

Gostaria de entender: dona Marisa Letícia não era bancária, seu marido também não, então por que ela comprou cota de apartamento da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop)? Se eu fosse bancária, não concordaria com essa compra, e, como brasileira, além de não concordar, não acredito na versão dada. Moro neles!

 

Lydia L. Ebide lebide@vivointernetdiscada.com.br

São Paulo

 

*

DA COTA AO TRÍPLEX

 

Será que alguns apartamentos do Edifício Solaris, no Guarujá, foram contratos de gaveta (sem custos) com a construtora OAS?

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

O GOLPE DO TRÍPLEX 164-A

 

Este Lula que se intitula pai dos pobres e até já se comparou a Cristo deve ter mesmo é pacto com o diabo. O soberbo acha que está acima das leis, mas, na velocidade com que se revela um grande trambiqueiro, agora como investigado, vai ter muita dificuldade para explicar às autoridades policiais como foi que, pagando por um apartamento no Guarujá, na Praia das Astúrias, somente R$ 47 mil (que nem do Minha Casa Minha Vida compraria), o filho de Garanhuns consegue um luxuoso tríplex com quase 300 metros de área útil e elevador privativo. Como diz o velho ditado, “quem tem amigo não morre pagão”, e Lula recorreu a outro trambiqueiro desta era petista, já condenado na Operação Lava Jato: Léo Pinheiro, diretor da Construtora OAS, que, a um custo de reforma apurado de R$ 777 mil e mais R$ 380 mil como despesa de decoração do imóvel, deu este mimo a Lula. É lógico que à custa do contribuinte brasileiro.  Ou seja, fruto de propina do petrolão. Este é Lula, que disse duvidar de que exista no Brasil alguém mais honesto do que ele.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

PROPRIEDADE SEM DONO

 

Vendo um sítio e um tríplex. Não tratar diretamente com o proprietário, nunca.

 

Sinclair Rocha sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

 

*

NÃO É DE NINGUÉM

 

Se nem Lula, nem dona Marisa, nem a OAS são donos do tríplex 164-A, então por que o MST não invade o “apezinho” do Guarujá? Afinal, caberiam muitas famílias nos quase 300 metros quadrados.

 

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

 

*

TRÍPLEX OU POSTE

 

Perguntaram a Lula e a Marisa o que foram fazer no apartamento tríplex no Guarujá e ambos responderam que estavam à procura da tartaruga.

 

Jorge Wiszniewiecki jatw@terra.com.br

São Paulo

 

*

INVESTIGADOS

 

Como já sugeriram alguns missivistas, o depoimento de Lula e de Marisa Letícia como “investigados” deveria ser transmitido ao vivo, pois, como sempre, veremos Lula dizendo que não sabe de nada, não viu nada, o promotor pergunta A e ele responde B, faz seus autoelogios e vai tentar dar nó em pingo d’água. Por outro lado, teremos dona Marisa Letícia, que em oito anos como primeira-dama nunca deu uma declaração que compete a este cargo e abdicou de suas responsabilidades – e tenho quase certeza de que ela frequentou a mesma escola da presidente Dilma, que gosta de estocar vento, dobrar metas que não existem, etc. Imagino a cartilha que os advogados estão preparando para ela decorar e não sair do script, pois, dependendo do que falar, pode ser a cereja que falta para desmascarar de vez o ex-presidente.

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

O DEPOIMENTO DE DIRCEU

 

José Dirceu finalmente foi ouvido pelo temível juiz Sérgio Moro e admitiu suas culpas, conforme declarações de seu advogado aos jornalistas. Interessante: vem alguém, no caso, Milton Pascowitch, e paga, sem mais nem menos, reformas na casa e no apartamento do réu – e Zé disse que iria pagar o “favorzinho”. Zé também sofre da síndrome “lullite aguda”, já que declarou que “(...) não conhecia Renato Duque, que nunca o tinha visto, não sabia quem era (...)”, mas deu sua canetada para sua indicação para o cargo na Petrobrás, já que a última palavra era dele, o poderoso chefe da Casa Civil, a quem Lula se referiu numa ocasião dizendo ser o “capitão do time”. Zé também declarou ao juiz Moro, conforme entrevista de seu advogado aos jornalistas, sobre seus 113 voos de jatinho, que tudo foi emprestado (“os aviões sempre me foram cedidos. Sempre voei  e sempre me deram” – deve ser por causa dos seus lindos olhos). O doutor quis dizer para a imprensa que Zé foi o bobo da corte que se deixou usar por terceiros, e não o lobo que o Brasil conhece e de quem todos se aproveitaram para conseguir contratos astronômicos. Poupe-nos, sr. advogado! o Brasil  e o juiz Moro sabem quem é Zé Dirceu.

 

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

 

*

OS AMIGOS DE DIRCEU

 

Será que eu entendi a declaração do advogado de José Dirceu, dr. Roberto Podval, de que seu cliente, para permitir que pessoas se dissessem seu amigo, teria de receber um grande favor como, por exemplo, pagar a reforma de seu apartamento e a da sua casa e emprestar jatinhos para suas viagens? É isso?

 

Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br

São Paulo

 

*

DELAÇÃO E CARÁTER

 

Estarrecido, vejo o nobre causídico Roberto Podval, advogado de José Dirceu, soltar a seguinte pérola: “Por que o José Dirceu não faz uma delação? Aí ele entrega alguém e vai embora, seria a coisa mais óbvia. Mas alguns ainda têm caráter, outros nunca tiveram”. Quer dizer que roubar dinheiro público, mentir para uma nação inteira, cometer crimes continuados, não desqualifica o caráter de ninguém. Só a delação o faz, e Dirceu não delata. Assim como a presidente Dilma, Podval não respeita delatores. Que mensagem ele está passando para os nossos jovens! Merecia uma séria censura da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

DEFESA

 

Só para entender: José Dirceu recebeu R$ 40 milhões em consultorias, mas agora passa por privações financeiras por ter, ou ter tido, despesas demais. Sendo assim, o advogado Roberto Podval não está recebendo nada para defendê-lo. Continuamos a ser logrados da forma explícita e as leis permitem. A primeira coisa que o advogado deve esclarecer é quem está custeando a defesa em curso deste réu, senão fica fácil de lavar dinheiro tão abertamente, como estão sabidamente fazendo as bancas advocatícias desta corja.

 

Claudio Randolfi Claudio.Schmidt@thyssenkrupp.com

São Paulo

 

*

A HORA H

 

É hora de Delcídio Amaral (PT-MS) fazer sua delação e contar todas as mazelas do governo petista. Com Lula envolvido em se defender das denúncias contra sua pessoa, cada vez maiores, e  Dilma preocupada em escapar do impeachment, Delcídio se vê abandonado, a exemplo do que aconteceu com Marcos Valério, que hoje paga sozinho pelos crimes cometidos, nada tendo valido seu silêncio. Provavelmente, hoje, alegarão que Delcídio aproveitou a confiança  nele depositada pelo governo para obter vantagens pessoais. Como sempre, se fazem de inocentes,  passando a imagem de “honestíssimos”.

 

José Olinto Olivotto Soares jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

 

*

‘AEDES CORRUPTUS’

 

Preocupante e genial o artigo do sr. José Roberto de Toledo, “O vetor da corrupção” (1/2, A6).  Antigamente se dizia que “ou o Brasil acaba com a saúva  (formiga) ou a saúva acaba com o Brasil”.  O mesmo podemos dizer do novo/velho “mosquito”, revelado neste artigo: ou o Brasil acaba com o “Aedes corruptus” ou o “Aedes corruptus” acaba com o Brasil. Desconfio de que, além dos males causados ao bolso do sacrificado trabalhador/contribuinte brasileiro, o “mosquito” também provoca a “microcefalia” de funcionários  públicos que aprovam e controlam a destinação das grandes verbas governamentais. Todos nunca sabem de nada, não viram nada de estranho na explosão desses gastos nem os inexplicáveis aumentos de patrimônio de pessoas envolvidas e seus familiares.  Deus nos salve dos “microcéfalos” e desse terrível “mosquito”, que estão arrasando nosso país!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

O VETOR DA CORRUPÇÃO

 

Ou o Brasil acaba com o “Aedes corruptus”, que grassa País afora em todas as esferas de governo e de partidos, ou o mosquito acaba com o Brasil. Basta!

 

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO ALBA BRANCA

 

O Brasil passa por um momento muito interessante.  As investigações para apurar irregularidades  de  integrantes do governo federal, denominada de  Lava Jato, recebem manifestações de vários segmentos sociais, numa demonstração clara de tentar desgastar  possíveis  candidatos às eleições de 2018. Mas as investigações foram além do que muitos esperavam e surge a Operação Alba Branca, dando alguns indicativos de irregularidades em relação ao governo de São Paulo – que, por sinal, não é a primeira investigação. Será querer muito cobrar coerência dos críticos? Porque alegar que a honra e a moral foram perdidas nos últimos anos é fingir que desconhece o que aconteceu em muitos governos anteriores. E não apenas em São Paulo ou em Brasília.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

ROUBO NA MERENDA

 

Roubar de merenda escolar não tem perdão e a punição deveria ser duplicada. Porque fica claro que o produtor, para pagar a propina, no mínimo deve tirar da qualidade da merenda, dando às crianças produtos da pior qualidade, que muitas vezes é a única refeição diária da criança. Não interessa de qual partido for, o Ministério Público de São Paulo deve ir a fundo e punir todos os que roubam, mas principalmente a “merenda escolar”.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

OS POLÍTICOS E SEUS PARTIDOS

 

O governador Geraldo Alckmin tem razão, Lula é o retrato moral do PT. Com o aparelhamento das instituições estatais, comandado por ele e continuado pela sua sucessora, o Brasil quebrou e se transformou no símbolo mundial da roubalheira institucionalizada. Há que reconhecer, entretanto, que o governador paulista é a alma do PSDB. Não adianta só chutar cachorro morto. Onde estão as propostas do governador ou do seu partido para tirar o Brasil do atoleiro? Onde estão suas soluções? Por que não se compromete para valer com a privatização ou com uma reforma estrutural que tornem nossas estatais, agências reguladoras e tribunais imunes aos governantes e políticos desonestos?

 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

 

*

A ESQUERDA BRASILEIRA

 

Fernando Gabeira (“Do Aedes aegypti ao tsé-tsé”, 29/1, A2) é realmente uma das leituras mais agradáveis de que pude desfrutar nos últimos tempos. Ele deixa evidente toda a incoerência dos discursos da “esquerda” bolivariana diante dos fatos que se escancaram diante dos nossos olhos, com a propriedade de quem já participou ativamente e que, com certeza, ainda tem todos os princípios que regem uma política mais igualitária, mas decidiu por abandonar este partido que decepcionou até conservadores que acreditaram ao menos em sua austeridade, por desilusão e respeito aos próprios ideais.

 

Sérgio Lian sergiolian@terra.com.br

São Paulo

 

*

APELO AOS BRASILEIROS

 

O Brasil é um país maravilhoso. Com dimensões continentais, com o maior rio de água doce do mundo, o Rio Amazonas, sem terremotos, sem vulcões, sem furacões, sem temperaturas extremas, com imensas florestas e terras férteis, sem problemas de fronteiras com os países vizinhos e com uma população de mais de 200 milhões de pessoas que representam um povo tradicionalmente pacífico, o Brasil merece ter e precisa ter um grande presidente da República. E, para ser um grande presidente da República, homens ou mulheres, brancos ou negros, precisam possuir, entre outras, duas qualidades essenciais: honestidade e competência. Por isso, na iminência do julgamento do “ impeachment “ da atual presidente, permitam-me os Exmos. srs. deputados, senadores e ministros do Supremo Tribunal Federal fazer-lhes um apelo: não votem por partidos políticos, mas o façam com a própria consciência, com base na legislação vigente. Com tal procedimento, certamente, todos votarão contra ou a favor do “impeachment”. Caso o impedimento seja aprovado, é necessário que todos os partidos políticos e o povo brasileiro em geral apoiem e colaborem com o novo presidente da República. Caso o “impeachment” não seja aprovado, é importante que todos os partidos políticos e o povo brasileiro em geral apoiem e colaborem com a atual presidente, até o término normal de seu mandato.

 

Olavo Nogueira Dell’Isola olavondellisola@task.com.br

Belo Horizonte

 

*

CRISE

 

 “Quem gerou a crise que a resolva.” É o que seria o correto, mas será que o Brasil suporta mais três anos sob a tutela de Lula/Dilma? Melhor não arriscar, pois a situação está insustentável e, ao que parece, ainda não atingimos a fundo do poço.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

DESEMPREGO A TODO VAPOR

 

Conforme noticiado, o Brasil fechou o ano de 2015 com desemprego de 1,54 milhão de vagas formais, ou seja, a pior taxa em 24 anos. Para completar essa triste notícia, é bom lembrar que o Brasil está entre os poucos países de economia capitalista que não assinaram a convenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que dá ao trabalhador ampla liberdade de escolher entre contribuir ou não com o imposto sindical, que é um dia de trabalho descontado do trabalhador em março de cada ano, para o sindicato de sua preferência. Até quando a classe trabalhadora será furtada por estes 15.007 (2013) sindicatos, que nunca prestam contas aos brasileiros, que já trabalham cinco meses no ano para pagar impostos ao governo federal? E ainda o atual governo perdulário da presidente Dilma deseja a volta da famigerada CPMF. É o fim da  picada!

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

SOB RISCO

 

Com a volta das férias do Congresso Nacional, nós, moradores do Brasil, após a democratização fajuta, seremos saqueados. Se tivéssemos tido um bom governo, seríamos um país de Primeiro Mundo. Trabalhadores e empresários temos a ameaça que paira, da volta da CPMF. Inaceitável no governo do PT. Por motivos óbvios. Espero que não.

 

Roberto Moreira da Silva Rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

ALTERNATIVA À CPMF

 

Dilmalula, solicito “encarecidamente” que ministérios e secretarias sejam reduzidos à metade. Solicito “encarecidamente” que a administração pública federal seja desaparelhada e, assim, reduzida à metade, e o mérito, restabelecido. Solicito “encarecidamente” que os estarrecedores desvios perpetrados na administração pública, nas empresas e nos bancos estatais sejam inteiramente devolvidos aos cofres brasileiros, além dos corruptos e corruptores presos. Eis a alternativa correta à sua proposição de espoliar a população com a CPMF.

 

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

 

*

O APELO DE DILMA

 

Aprovar a CPMF e reformar a Previdência, senhora presidente, só será conseguido com a sua  renúncia e a extinção do seu partido. Mesmo porque  nenhum brasileiro patriota investirá e nem vai quer ser cúmplice ou membro deste grupo corrupto que no nosso país se estabeleceu.

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUEM NÃO TEM NÃO GASTA

 

A presidente faz uma reunião para ela que recebesse sugestões para recuperar as finanças do País. Suas propostas são assustadoras: a volta da CPMF; reforma da Previdência, isto é, tirar mais um pouco de quem já recebe muito pouco pelo que trabalhou; emprestar dinheiro a empresários para que melhorem a produção de suas empresas, mesmo não tendo a quem vender pelo descrédito já angariado; e, agora, vejam de onde ela retiraria os bilhões necessários: daria mais uma pedaladinha básica. Porém esquece-se de que, quando não se tem grana, deve-se economizar para ver se consegue se recuperar, e não fazer mais empréstimos. Lembrem-se de que já pagamos em impostos cinco meses de trabalho em um ano. Lembre-se, senhora, de que há poucos dias liberou um dinheirão para o Fundo Partidário e que seu governo vive de promessas. Analise suas contas e deixe de jogar pela janela bilhões de reais. Nossos “representantes” já estão suficientemente ricos e podem bancar suas campanhas para continuar a não fazer nada pela Pátria.

 

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com

São Paulo

 

*

O ESFORÇO DO GOVERNO

 

Qual é o tão propalado total que o governo federal cortou de seus gastos?

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

 

*

ENCENAÇÃO

 

Nosso governo, na quinta-feira passada, fez toda a encenação de consultar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (o Conselhão) já levando pronto o pacote idealizado com a mesma mentalidade e os mesmos erros que estão levando nosso país a uma crise profunda. Realmente, o governo Dilma não consegue ouvir, só tomar suas decisões equivocadas.

 

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

 

*

REUNIÃO DO CONSELHÃO

 

E Dilma Rousseff é de receber conselho de alguém?

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

 

*

PROPAGANDA ENGANOSA

 

O pessoal que participa do chamado Conselhão (não esquecer que alguns participantes de reuniões anteriores não puderam ir porque estão presos) tem mais informações e sabem muito mais do que nós, simples eleitores. Eles devem saber, inclusive, que pouco se fez e pouco se fará com essas reuniões, posto que, desde a sua criação, nada produziu que merecesse registro. Portanto, sabem esses senhores, que estão encenando “prá inglês ver”, que nada se obterá dessas reuniões além de gastos com hotéis, passagens, cafezinhos e muitas fotos. Mais do que isso, todos eles, inclusive o governo Dilma, sabem que, antes de se resolver o problema econômico, é preciso resolver o problema político instalado no Brasil. Não há, na história deste país, governo mais desacreditado do que o atual, fruto da incompetência, da arrogância e do concreto envolvimento em dezenas de crimes de corrupção. Além, é claro, de praticar a maior desonestidade eleitoral de que se tem conhecimento na história recente brasileira. E, por outro lado, o que me parece, lendo alguns dos pronunciamentos dos “notáveis” que compõem o Conselhão, é que cada um irá defender seus próprios interesses, e não os do País. Aparecem na mídia e tentam puxar “algumas brasas para suas sardinhas”. Quem sabe uma medida provisória providencial para resolver alguns probleminhas setoriais? Portanto, é lamentável a que se prestam esses senhores. É de “doer” verificar que muitos deles (acredito que deve haver alguns de boa-fé e querendo, de fato, ajudar o Brasil) se disponham a montar um cenário no qual Dilma e PT apresentem-se como sérios e trabalhando para o bem do País. Os principais dirigentes desse desgoverno somente trabalham para si e suas reais preocupações são com a Operação Lava Jato. Estão trabalhando para se defenderem deste e de outros crimes que, mesmo contra a vontade deles, teimam em aparecer diariamente no noticiário brasileiro. Não há, infelizmente, um só santo dia sem que apareçam novas denúncias de corrupção praticada por eles. Será que é possível, para qualquer governo, realizar seja lá o que for sem credibilidade e a confiança de seu povo? É possível que a população brasileira, principalmente aquela mais sofrida, enganada e que sabe que seu futuro está comprometido de forma irremediável, diante das mazelas do desgoverno atual, continue a dar crédito a quem a traiu vergonhosamente? Triste Brasil, que, além de ter de aguentar um governo incompetente e corrupto, ainda conta com personalidades importantes da economia e da sociedade brasileiras (inocentes úteis, interesseiros, companheiros ou coniventes?) para a produção de mais propaganda enganosa.

 

Paulo Roberto Guedes prguedes51@gmail.com

São Paulo

 

*

JOGO DE CENA

 

É lamentável que exista quem se preste ao risível papel de comparecer à reunião de um “conselho”   meramente destinado a efetuar jogo de cena, espetáculo para a plateia, propostas de palanque e supremo desprezo à inteligência alheia, defesa de  novos impostos a fim cobrir os rombos da incompetência administrativa e política! Curiosa, perguntei  ao  conselheiro Acácio: Por que o tal conselho não foi convocado antes da realização de tantos erros? Por que não houve convocações  em  tempo de serem corrigidos rumos? “Ora pois,  tolinha”, respondeu o conselheiro, “é que antes havia a necessidade de ganhar as eleições”. 

 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

 

*

PAÍS DO CARNAZIKA

 

Quanto mais informações recebemos sobre a disseminação do zika vírus no Brasil, mais parece irresponsável e inconsequente a realização e promoção das festas carnavalescas nas cidades afetadas. É certo que muitas delas dependem de festas populares para a sua economia, mas não há arrecadação e lucro que paguem o desastre que se anuncia. Milhares de foliões reunidos em locais onde o Aedes aegypti tem presença garantida, fornecem ao mosquito todas as chances de transmitir o vírus. Recomendações para que “mulheres grávidas” evitem esses locais tampouco são eficazes, uma vez que, se seu parceiro contrair o vírus, não se descarta a transmissão do mesmo por meio de relações sexuais. A grávida pode contrair zika mesmo sem ter ido a festa alguma. As cidades mais afetadas pelo zika são no Nordeste, principalmente na Bahia e em Pernambuco, e, no Sudeste, no Rio de Janeiro. É onde acontecem as maiores festas de carnaval. Um governo preocupado com seus cidadãos e com a imagem do País cancelaria a festança e recomendaria que as pessoas evitassem aquele tipo de aglomeração. A situação é similar à de Paris, que não hesitou em cancelar os festejos de réveillon na cidade, com receio de atentados. A zika fará muito mais vítimas do que um atentado terrorista. Mas o Brasil está mais interessado em arrecadar e em distrair o povo dos seus sérios problemas econômicos e políticos. Vale tudo. “Depois a gente vê como está para ver como é que fica.” O importante, ao que parece, é proteger os turistas estrangeiros durante a Olimpíada, e é só.  Essa é a diferença entre os países civilizados e os outros. O Brasil é uma brincadeira!

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

A EPIDEMIA DE ZIKA

 

A despeito do brilhante artigo de Debora Diniz de 31/1, pergunto: qual é a medida emergencial para os depósitos de carros velhos e apreendidos que o município e o Estado dispõem pelos cantos da cidade? Muito se tem falado da destinação das carcaças e do ferro velho em que se encontram, e a céu aberto. É sabido que grande parte dos criadouros do mosquito aí se encontram. O que nossas autoridades têm a  dizer?

 

Fernando A. Santos fer_santos403@hotmail.com

São Paulo

 

*

AGORA O EUA SERVEM

 

A presidente Dilma Rousseff pediu ajuda ao presidente Barack Obama, na última sexta-feira, na luta contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e suas derivações. Fica uma pergunta: por que não pedir ajuda ao presidente de Cuba, Raúl Castro, e a seus brilhantes médicos e cientistas?

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

 

*

PERDENDO A LUTA CONTRA O AEDES

 

Em vez de a presidente estar preocupada com os “danos à imagem do Brasil no exterior”, deveria estar preocupada com os brasileiros. O País está “perdendo a luta contra o Aedes” porque nunca lutou para acabar com ele.

 

Maria Tereza Castillo mterezacastillo@uol.com.br

São Paulo

 

*

AEDES 7 X 1 DILMA

 

O mais breve possível o povo brasileiro sonha em colocar uma faixa no Palácio do Planalto: “Sob nova direção”.

 

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

 

*

PAÍS DO FUTURO?

 

O Conde Joseph-Marie de Maistre (1753-1821), escritor, filósofo, advogado e diplomata francês, é o autor de uma das frases mais verdadeiras que já li: “Toute nation a le gouvernement qu’elle mérite”. Em uma tradução direta: “Todo povo tem o governo que merece”. Essa afirmação é facilmente comprovada, principalmente na nossa republiqueta tupiniquim, a famosa terra do carnaval e do futebol, quando se leem as manchetes dos principais jornais do País. Cito, por exemplo, o jornal “O Estado de S. Paulo”, que ontem publicou em primeira página: “Pré-carnaval leva 300 mil pessoas às ruas de São Paulo”, com direito a fotos ilustrativas. A noção de cidadania passa longe dessa gente acomodada e alienada, que se deixa roubar por um governo corrupto, desde que sobre algum para comprar a fantasia ou o ingresso para o futebol. Dá para acreditar no futuro de um povo que, com apoio financeiro de um governo incompetente, segregacionista e berçário de ladrões, usando dinheiro publico, patrocina parada gay e põe 2 milhões de pessoas nas ruas, enquanto um movimento pela cidadania não consegue apoio de 100 mil? Que todos os fins de semana, os estádios de futebol estão lotados para ver e aplaudir 22 analfabetos e semianalfabetos correrem atrás de uma esfera e, no fim do mês, receberem R$ 100 mil de salário? Este não é o país que eu queria.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

O POVO NAS RUAS

 

As fotos estampadas nos jornais a propósito das pré-festividades do carnaval de domingo são realmente uma maravilha. Quanta alegria prévia! Imagine-se o que então ocorrerá nos três que são quase cinco dias oficiais das festividades do Rei Momo. Porém, ao mesmo tempo, muito nos entristecem, porque este mesmo pessoal, a grande maioria deles, não se valem da mesma ideia de se reunir nas ruas e exigir honradez, honestidade, etc. dos governantes e postular pela higidez da economia do País e, sobretudo, menos encargos tributários. 

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

BLOCOS DE CARNAVAL

 

Salvador, Bahia, tem o bloco de carnaval Filhos de Ganhdi. Se Brasília tivesse um bloco de políticos, seria Filhos de quem?

 

Miguel Politi miguel.politi@uol.com.br

São Paulo

 

*

A CORRUPÇÃO ESCANCARADA

 

Se estamos procurando malversação dos fundos públicos, não precisamos de Sherlock nem de rer a imaginação de uma Agatha Christie. É só ter olhos para ver o que está escancarado na nossa face e aos nossos olhos. Moro na Rua Cuba, pegado à Rua Canadá. Passeio sempre a pé pelo bairro, e há mais de 20 dias vejo duas imensas máquinas (me parecem retroescavadeiras, mas não sou perita) absolutamente paradas na Rua Canadá, quase ao lado do Clube Harmonia. Está escrito ao lado destes gigantes: “A serviço da Subprefeitura” e da “Eletropaulo”. Ora, pergunto eu, se não ofender a honra dos “homens mais honestos”: por que a Eletropaulo e a Subprefeitura (que no nosso bairro é a regional de Pinheiros) estariam alugando tais máquinas que estão completamente paralisadas há semanas? Alguém está pagando o aluguel, e suponho que não seja o papa nem a família Castro. Pago uma viagem de ida e volta para qualquer cidade do Iraque ao dirigente desta empreiteira ou da Eletropaulo e da regional de Pinheiros que me der uma resposta que não suponha que eu sou oligofrênica.

 

Marize Carvalho Vilela marizecarvalhovilela@gmail.com

São Paulo

 

*

‘DEZ ANOS DE PRÉ-SAL’

 

Como sempre, os artigos da jornalista Suely Caldas fazem parte de meu domingo, pela excelência com que ela trata seus assuntos. Gostaria de comentar algo a respeito do texto “Dez anos de pré-sal” (31/1, B2). Em meados de 1970, como pesquisador do então Instituto de Energia Atômica de S. Paulo, hoje Ipen, estando na sala da diretoria, alguns membros de outras áreas ali estavam conversando sobre política nuclear e também sobre quais seriam os nomes de candidatos à Presidência da República: Costa Cavalcanti, Medici ou outro. A conversa seguiu, depois, para interesses outros, e se falou sobre questões que interessavam ao petróleo e sua, então, atual importância. Ouvi, um tanto perplexo, que os americanos há tempos falavam que muitos poços da área do litoral brasileiro já estavam “selados” (?), pois eles se situavam a 3 ou 4 mil metros de profundidade, como a Bacia de Santos. Daí sua quase impossibilidade da obtenção, dados seus custos e os grandes investimentos necessários. Na minha ignorância, perguntei o que seria “selar”, e a resposta foi de que prospecções já indicavam a impossibilidade de obtenção e, por isso, “esquecidas” ou seladas.

 

José Carlos Barbério carlitobarberio@hotmail.com 

São Paulo

 

*

REFLEXOS NA ÁREA CULTURAL

 

É impressionante como a corrupção e virtual destruição da Petrobras é danosa para a área cultural e artística do País. Teatro, cinema, dança, orquestra, milhares de empregos e bolsas relativos à cultura estão deixando de ser criados por causa disso. Os corruptos brasileiros que saquearam a Petrobrás são responsáveis diretos por cada evento cultural e artístico que a Petrobrás deixou de ajudar.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.