Fórum dos Leitores

GOVERNO (?) LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2016 | 02h55

Visão de estadista

O Brasil perdeu 1,5 milhão de empregos, a indústria está em queda há anos, o desequilíbrio fiscal dos governos federal e estaduais é enorme, as perspectivas para o nosso futuro são negras. E o que faz a nossa presidente? Vai se encontrar com Evo Morales, presidente da Bolívia, que se apoderou das instalações da Petrobrás naquele país sem a menor cerimônia. Sem dúvida, é lá que encontraremos a solução para o nosso futuro...

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

Ideia fixa

Dona Dilma esteve presente na abertura dos trabalhos do Congresso e, em discurso, solicitou aos nobres parlamentares que considerem a excepcionalidade do momento e aprovem a CPMF, por ser, alegou ela, a melhor solução do momento para ampliar, no curto prazo, a receita fiscal. Essa ideia fixa é a única que se apresenta para corrigir os rumos da economia? Por que o enxugamento da máquina federal ficou para as calendas? Quais são os planos de trabalho para fazer o País crescer? Por que o público pagante é novamente intimado a colaborar sem ter sido responsável pela gastança desenfreada, quando não roubo? Por que tanto cinismo e ganância?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Acuidade mental

É no manejo das situações diárias de um líder que transparece a sua capacidade de liderar e ou de ocupar o cargo que ocupa. Com uma aprovação de apenas 7% dos brasileiros, Dilma, sem cortar um milímetro nos gastos do governo, arvora-se a propor a recriação da CPMF, que sofre a rejeição de 100% do povo brasileiro. Ficamos petrificados com toda essa acuidade mental.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Vaias

Só mesmo um político sem a mínima vivência na área poderia pedir a volta da CPMF e esperar não ser vaiado no Congresso Nacional. Dona Dilma achou que ainda tinha algum prestígio ou gosta mesmo de vaias?

ANTONIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

Dilma diz não ter ficado “nem um pouco” aborrecida com as vaias no Congresso. Nada mais natural. Ela não se incomodou com as mentiras da campanha eleitoral, a quebra da Petrobrás, a compra da refinaria de Pasadena, a inflação galopante, os juros estratosféricos, a corrupção generalizada, o desemprego, a quebra de empresas, a recessão, o zika vírus, etc., por que se incomodaria com vaias?

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Aposta

Quem cai primeiro, Dilma ou Cunha? O Brasil.

MILAN TRSIC

cra612@gmail.com

Ribeirão Preto

ESTADO-CAMARÃO

Reforma

Correta a análise de Bolívar Lamounier (Impeachment e reforma do Estado-camarão, 31/1, A2) na área trabalhista para que o Brasil seja um verdadeiro Estado Democrático de Direito: fim da unicidade sindical para a afirmação do princípio da pluralidade sindical e supressão do poder normativo da Justiça do Trabalho. Está nas mãos dos ministros do STF (ARE 679.137-RJ), já com a repercussão geral aprovada, julgar que não há inconstitucionalidade no comum acordo das partes para o ajuizamento de dissídio coletivo de natureza econômica, quando então as respectivas sentenças normativas terão natureza de arbitragem pública, e não o exercício de poder normativo, de resto, este sim, inconstitucional, já que é prerrogativa do Poder Legislativo a criação de normas.

RENATO RUA DE ALMEIDA

renatorua@uol.com.br

São Paulo

O ‘MAIS HONESTO’

Laranjal

Saiu uma notinha no Estado de 2/2 dizendo que parte da carga dos 11 caminhões da mudança do Lula em 2011 foi entregue no tal sítio em Atibaia. Só por curiosidade: quantos caminhões tinha a mudança de entrada do Lula no palácio, em Brasília? A diferença pode indicar que deve ter saído com mais do que deveria. Outra coisa: o Lula é um amigo sem “semancol”, pois usa mais o sítio do que os donos, leva alguns caminhões de mudança para armazenar na propriedade alheia e ainda entrega um barco para lá deixar guardado. Tudo no sítio dos “outros”! Só a Cutrale possui mais laranjas que a família Lula da Silva. Mas daquelas que são para fazer suco!

MARCO BINGRE

marco.bingre@terra.com.br

Bertioga

‘A farsa desmontada’

Não entendo por que tanta elucubração (2/2, A3), Lula já havia passado seu traço de personalidade: “Se eu for fazer apenas o que diz a lei, eu não vou fazer nada...”. Extraído da biografia autorizada Lula, o Filho do Brasil (pág. 120, 3.ª edição, 4.ª reimpressão).

ALEXANDRE KLEIN CHOW

akcw66@gmail.com

São Paulo

Repto lançado

Dizer que Lula está sendo perseguido e que isso acontece porque as elites não o perdoam por ele ter feito o pobre ser menos pobre é uma das mais ridículas insanidades ditas por petistas aloprados e alienados. E que ninguém perdoa o fato de um operário ter sido presidente da República é de uma burrice atroz. Chega desse coitadismo, dessa santificação de uma pessoa que não tem a menor vergonha de fazer as coisas que faz. O pior ainda é a sra. Dilma, que deveria cobrar trabalho, projetos e atitudes de seus ministros, mandá-los defender Lula, em vez de instruí-los a manter-se longe disso. Os petistas ainda não perceberam quão velho e esfarrapado é esse discurso, quão ridículo é querer proteger uma pessoa que ultrapassou a linha do razoável e só diz mentiras e incoerências. É só saírem às ruas e ir conversando com a população, vão ver como o povo odeia a malandragem e a roubalheira. Desafio qualquer político petista conhecido, inclusive Lula, a sair sozinho pelas ruas e conversar com a população. Duvido que tenham coragem! Vão passear na Avenida Paulista, no Viaduto do Chá. Peguem ônibus ou metrô. Desafio!

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Só rindo

Já temos o título para o segundo filme sobre a vida do “grande estadista”: O Perseguido.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O DISCURSO DE DILMA

 

Falta credibilidade! Em relação ao discurso da presidente Dilma Rousseff na reabertura do Congresso Nacional, das propostas de reforma apresentadas para a retomada do crescimento econômico, fica a sensação de que tudo não passa de retórica e o único crescimento que realmente interessa ao governo neste momento é o da arrecadação, via aumento de impostos e recriação da CPMF. Basta ver a declaração do ministro Miguel Rossetto sobre a reforma da Previdência, de não haver pressa para mudar as regras da aposentadoria.

 

Celso Neves Dacca celsodacca@gmail.com

São Paulo

 

*

A VOLTA DA CPMF

 

A presidente Dilma Rousseff esteve na terça-feira no Congresso Nacional e, em tom de súplica, defendeu a volta da CPMF como a última saída da crise econômica que estamos passando. Foi vaiada. A presidente tem de entender que, para conseguir este objetivo, o seu governo tem de, de fato, fazer a sua parte, tem de reduzir drasticamente o número de ministérios e enxugar a máquina pública. Sem essas duas medidas, as suas súplicas não terão respaldo do Congresso e, principalmente, do povo brasileiro.

 

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

 

*

BARGANHA

 

Quando Dilma Rousseff propõe que o Congresso ponha em votação e aprove a CPMF, não bastam algumas vaias isoladas ouvidas no plenário do Congresso. Precisaríamos de uma voz contundente, de alguém bem articulado e corajoso, para impor uma contrapartida ao seu apelo. Alguém com algum carisma e força moral, que pudesse em alto e bom som lançar um desafio. No momento, lembro-me de Carlos Lacerda. Se o objetivo é tirar o País do atoleiro em que o PT o meteu, com inflação em alta, taxas crescentes de desemprego, redução drástica da atividade econômica e queda da arrecadação, e é necessário esforço comum, independentemente de partidos ou bandeiras, poderíamos fazer uma barganha. O povo admite mais sacrifícios, aceita a CPMF e até a revisão das normas de aposentadoria, em troca da renúncia da Dilma. O que não faz sentido é impor-nos mais encargos, mais arrochos, para salvar o governo dela. Nós não temos parcela de culpa nos malfeitos de seu governo: corrupção, pedaladas fiscais, compra de base política aliada. A parte que caberia à presidente, no chamado esforço comum, seria renunciar, demonstrando dignidade e real preocupação com os destinos da Nação. Mas não temos oposição confiável, atuante, respeitada. Falta-nos, e não é de agora, um brasileiro com perfil de estadista. Alguém capaz de mobilizar a sociedade a fim de que retomemos o caminho do crescimento com Dilma fora do poder. Se ela não renuncia, por falta de grandeza, então vamos tirá-la pelo meio legal, que é o impeachment. Sem ela eu topo pagar CPMF.

 

Jorge Carrano carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)

 

*

ESTADO PAQUIDÉRMICO

 

Em seu discurso no Congresso Nacional, a presidente pediu a volta da CPMF e foi vaiada por boa parte dos deputados, fato inédito na vida republicana. Como o atual governo não tem vontade nem condições políticas de enxugar o Estado brasileiro, caberá ao próximo presidente essa tarefa, reduzindo o número de ministérios para 15, no máximo, privatizando o que não for função essencial do Estado e, consequentemente, diminuindo o enorme déficit público, que nos empurra para um caminho espinhoso que já vimos no passado.

 

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘FIM DOS FUNDAMENTALISMOS’

 

Excelente o artigo de Celso Ming “Fim dos fundamentalismos” (3/1, B2). Mas eu acrescentaria mais uma crença fundamentalista a ser urgentemente abandonada: o Estado é capaz de gerir empresas com eficácia e honestidade. Os fatos relacionados especialmente à Petrobrás estão aí escancarados para mostrar que o Estado deve abandonar as atividades produtivas que a iniciativa privada consegue gerenciar com muito mais eficácia.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

INSISTINDO NOS ERROS

 

A presidente Dilma nada aprendeu com os erros de seu primeiro mandato e os repete no segundo: não diminui despesas e aumenta impostos. Tirou a autonomia do Banco Central, não está nem aí para a inflação e insiste na CPMF. É o caos!

 

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

 

*

AS VAIAS E O BRIO

 

Enfim, os representantes do povo no Parlamento vaiaram dona Dilma, quando pedia e defendia a volta da CPMF. Disseram, na linguagem merecida, que o povo não quer a CPMF. Restou uma situação deplorável para a presidente da República, que, se tiver ainda brios a resguardar, engaveta de vez essa gula pelo tributo execrado pelo povo. Caso insista no seu retorno, outras manifestações mais sutis poderão advir, colocando-a na situação que deve ser orientadora de presidentes com brio e dignidade.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

TRISTE FIGURA

 

Visivelmente constrangida, a presidente Dilma foi ao Congresso discursar sobre a necessidade de aprovação da CPMF e da reforma da Previdência. Se não fosse a falta de ética dos parlamentares, até que a vaia valeria, já que toda a população é contra mais um imposto. Mas mostrou que a maioria dos congressistas não tem noção do cargo que eles e a presidente ocupam. O respeito que seus cargos exigem daria o tom. Independentemente disso, ficou clara ao leigo a total falta de jogo político da presidente. Parecia mais a rainha da Inglaterra, tendo de se curvar aos súditos. Triste figura, muito triste.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

TRIO DE VALOR

 

A bela foto de primeira página do “Estadão” de 3/2 nos leva a pensar no pior “trio de valor” (paper-penico e kokor), a ordem pouco importa. Como estamos mal servidos, políticos corruPTos de carteirinha do PT/PMDB. Que desrespeito ao povo brasileiro... Vaias e mais vaias! Foi muito pouco pelos desacatos ao povo brasileiro. Roubam e deixam roubar, chefiados pela “alma mais honesta do País”. E temos de aguentar e$$a podridão?

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

 

*

FIM DO RECESSO

 

Na imagem de Dilma rodeada por toda aquela gente,

a constatação cabal de quão frouxo é o Código Penal.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

DIA DO PENICO

 

Na minha longa vivência (83 anos) neste país que já foi motivo de orgulho, estou hoje muito revoltado e, por que não dizer, “pê” da vida com o descaramento da nossa presidente e de seus assessores petistas ou assemelhados quando vêm propor a volta da CPMF ou pedindo ao povo compreensão e economia, quando ela e seus acólitos não tomam a mínima providência para economizar recursos públicos. Basta simplesmente reduzir seu bando de ministros para 10 ou12, como nos países civilizados. Já imaginaram a economia que isso geraria? São milhares de secretários, assessores, seguranças, puxa-sacos, etc., etc., etc. Ora, se ela não tem competência para isso, ela deve simplesmente puxar o carro e, para a felicidade do País, criar o “Dia do Penico”, em oposição ao Dia do Fico.

 

Antonio Narvaes Filho anarvaes@uol.com.br

São Paulo

 

*

FELIZ 2019

 

A maior demonstração de incompetência de um governo é quando ele aumenta impostos por ser incapaz e irresponsável no cumprimento de um orçamento. No caso da presidente Dilma, é uma vergonha de governo da pior qualidade. Diante das dificuldades, a presidente havia prometido diminuir o gasto do governo com ministérios e pessoal. Não reduziu quase nada, milhares de companheiros inúteis ainda estão lotados em todos os setores e o Planalto ainda conta com 4.600 funcionários (a Casa Branca tem menos de 500). Dilma nunca vai conseguir baixar a inflação para perto de 4,5%, nem em 2018. Esqueçam. Sua capacidade intelectual para governar é insuficiente. Ninguém mais acredita em algum milagre da presidente, motivo pelo qual empresas estão sendo fechadas e funcionários, demitidos. Para fingir um esforço, Dilma decidiu por um ridículo aumento de impostos sobre cigarros, chocolates, sorvetes e rações, este último que contribuirá para o aumento em alimentos. Fala-se que igualmente ridícula medida será o próximo aumento de imposto sobre papel higiênico, absorvente íntimo, abacates e pasta de dente, coisas supérfluas no entender de Dilma e Nelson Barbosa. Balas foram retiradas, porque as crianças reclamariam. E assim o Brasil segue na expectativa de um bom 2019.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

DESESPERO

 

Sobrou para os gatos, cachorros, o sorvete, o chocolate, o cigarro e até para o esquecido fumo picado. A fúria tributária do governo, acreditando conseguir R$ 190 bilhões em aumento nominal de arrecadação ao sonhado – até quando? – superávit de 0,5% do PIB neste ano. Faltou taxarem pastéis, empadas, croquetes e coxinhas. Quem sabe assim conseguirão resolver o problema fiscal originário no governo populista bolivariano de dona Dilma, que, não sabendo resolver o problema que criou, está obcecada com novos tributos, mesmo diante da realidade que ela ignora por ideologia brizolista-petista, aquela que nada perturba?

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

SACO SEM FUNDO

 

Mais impostos para o pobre brasileiro pagar. A fome dos governantes é um saco sem fundo. Enquanto isso, suas despesas não diminuem. Até quando vamos deixar isso acontecer?

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso zaffalon@uol.com.br

Bauru

 

*

ARRECADAÇÃO EM QUEDA

 

Correta e precisa a avaliação do sócio do Itaú-Unibanco, o economista Ilan Goldfajn (“Queda de arrecadação, muito além do PIB”, 2/2, A2). Não há como discordar, em particular, exatamente no mesmo dia em que o Banco Itaú publica seu fabuloso lucro, superior ao do Bradesco e ao do Santander, publicados na semana passada. O artigo é bem escrito, com terminologia típica do economista, que não economiza no jargão técnico, que poderia ser mais palatável. Fui do ramo, linha de frente por 26 anos, inicialmente em mercado internacional, especializado em marketing financeiro, onde atuei como consultor por 12 anos. Simplifico a leitura: redução de receita de impostos como decorrência da redução de vendas do setor privado implica queda na coluna crédito e crescimento de despesas obrigatórias, em aumento na coluna débito, inevitável queda no crédito; saldo negativo não sobra nada. Em linguagem do governo: déficit primário. E, além de tudo, existem os juros da dívida pública. É simples: o problema é de gestão, os gestores são incompetentes, maus profissionais e a crise maior é de confiança. O desalento está dominando o consumidor, que se retrai, atormentado pelo medo do desemprego, equilibrando o orçamento, cada dia mais corroído pela inflação no preço dos alimentos. Neste cenário, só ganham dinheiro os bancos que praticam as maiores taxas do mundo. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) poderia empunhar a luta contra as taxas de juros que representam um estelionato aos brasileiros.

 

Sérgio Brasil Gadelha sbgadvocacia@gmail.com

São Paulo

 

*

O LUCRO DOS BANCOS

 

O lucro do Itaú em 2015 foi de R$ 23,36 bilhões, um crescimento de 15,4%. Os juros escorchantes e o aumento das tarifas são a causa desse lucro. O Bradesco, por sua vez, cresceu 14%, um crescimento de R$ 17,19 bilhões. Interessante observar que a indústria e o comércio estão estagnados. Trabuco, do Bradesco, e Setúbal, do Itaú, participaram da reunião do Conselhão de Dilma Rousseff na semana passada. Dá para entender por que os banqueiros apoiam o governo do PT? Com a inflação nas alturas, economia em recessão e desemprego fazendo suas vítimas, os banqueiros estão sorridentes. Para eles, a crise não chegou, pois nenhuma medida tomada pelo governo afeta banqueiros. Por isso eles são a favor da recriação da CPMF, são eles que governam o País. Vão arrecadar mais. Brasil, um país de tolos!

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

MEU BANCO, MINHA VIDA

 

Enquanto os bancos enriquecem, o povo empobrece. Bela política econômica a nossa!

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

MAIS PRESSÃO SOBRE O BC

 

Não tem jeito mesmo! Esta relapsa e inconsequente Dilma se mete onde não deve. Se no mês de janeiro a presidente exigiu, e o inseguro presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, obedeceu que a taxa Selic não sofresse alteração, contrariando as previsões do mercado de 14,25%, agora, pelo que a imprensa noticia, o governo volta à carga e faz pressão para que o Banco Central comece a reduzir os juros básicos mesmo sabendo que a inflação subiu, e muito, após a última e desastrada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Esse filme nós já vimos, e deu no que deu, quando, também por pressão do Planalto, o mesmo serviçal presidente do Banco Central iniciou sem justificativa alguma, em agosto de 2011, a redução da Selic, de 12,5% para 12%, culminando em outubro de 2012 na sua última redução da taxa, para 7,25%. O BC cumpriu à risca esse absurdo de mover a taxa de juros na canetada. E é por essas e outras que o PIB brasileiro afunda e se consolida num patamar negativo e humilhante de queda na ordem de 4%. Foi assim em 2015, e em 2016, pelas ações esquizofrênicas que este governo já está deliberando, poderá ser pior ainda...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

‘A SENHORA DE UM TRILHÃO’

 

Excelente o artigo de Paulo Rabello de Castro neste jornal ontem (“A senhora de um trilhão”, 3/2, A2). O desastre Dilma já nos custou, até agora, aproximadamente R$ 1 trilhão.

 

Antônio Borges anionborges@gmail.com

São Paulo

 

*

O CRÉDITO QUE MATA

 

Resolveu-se abrir a torneira do crédito. Como seria interessante que os “intelectuais” do governo lessem este singelo trecho de um famoso economista: “Não há meios de evitar o colapso final de um ‘boom’ criado por uma forte expansão de crédito. A alternativa é apenas se a crise deve chegar mais cedo, como resultado de um abandono voluntário de mais expansão de crédito, ou depois, como uma catástrofe final e total do sistema monetário envolvido” (Ludwig von Mises).

 

Werly da Gama dos Santos gama_eamsc@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

CONSELHÃO

 

Dona Dilma, o problema do Brasil não é de crédito (distribuição de dinheiro), e, sim, da sua própria falta de credibilidade!

 

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

 

*

DINHEIRO SÓ PARA OS OUTROS

 

Lemos a notícia no “Estadão”: “Brasil se compromete a colaborar com a Venezuela no combate à crise”. O Brasil concordou em montar uma aliança para ajudar a Venezuela a combater a grave crise que atravessa. Após uma reunião, o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira, e a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, anunciaram a criação de um grupo de trabalho para reaquecer o comércio entre os dois países. É bastante preocupante, pois o Brasil está afundado em crise econômica, política e ética. E de onde sairia essa ajuda? É só lembrar que o defunto Hugo Chávez deu um calote enorme com milhões de prejuízo ao nosso BNDES com a farsa da PDVSA. É bom ficar de olho bem vivo, pois Dilma sempre dá um jeitinho de arrumar dinheiro, só que para os outros.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

‘COXINHAS’ CONTRA LULA

 

O mais novo advogado contratado para tentar livrar o ex-presidente Lula das grades fez um pronunciamento que está mais para agressão à sociedade do que um argumento de defesa. O “ilustríssimo” causídico, o senhor Nilo Batista, vomitou para a imprensa que “coxinhas não admitem que um operário possa comprar um tríplex”. E arrematou, sobre o tríplex no Guarujá: “(...) coisa modesta tipo Minha Casa, Minha Vida”. Pois é, Nilo Batista já combinou com dona Dilma Rousseff que o programa do governo em sua nova fase terá apartamento tríplex com elevador privativo? Sim, em tempo, não se esqueça de incluir na sua tese de defesa o “Meu Sítio, Minha Vida”.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

COXINHA X TRÍPLEX

 

Depois dessa, só apelando para o bordão de conhecido comediante: Cala a boca, Batista!

 

J.Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘PÓS’ CONCEITO

 

Contra Lula não há preconceito. Há “pós” conceito. Preconceito tiveram os brasileiros quando o elegeram.

 

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

 

*

A COMPRA DO APARTAMENTO

 

“Coxinhas não admitem que um operário possa comprar um tríplex”, segundo Nilo Batista. Se o operário comprou o tríplex, será o seu proprietário. Vão continuar negando?

 

Cláudio Eustáquio Duarte claudio_duarte@hotmail.com

Belo Horizonte

 

*

ESCÁRNIO

 

É um ato obsceno, de zombaria, de deboche e de escárnio o advogado de Lula, Nilo Bastista, classificar o tríplex de “Minha Casa, Minha Vida”. Falta ética ao defensor e ao defendido. Pergunto: será que o nobre advogado já foi visitar alguma casinha de 50 metros quadrados?

 

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

 

*

BATOM NA CUECA

 

O advogado do boquirroto Lula tem tanta dificuldade de explicar o patrimônio do ex quanto o cidadão que chega em casa e tenta explicar uma mancha de batom na cueca.

 

Luiz Francisco de Assis Salgado salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

 

*

LULA ME AFRONTA, LULA ME SUBESTIMA

 

O ex-presidente Lula afronta minha inteligência e, quiçá, a do povo brasileiro com esta negativa sobre o apartamento tríplex do Guarujá, sobre as investigações da Operação Zelotes, sobre o sítio em Atibaia, etc. Faço parte do povo, mas minha inteligência é só minha e com ela subi degraus na vida – e não é agora, aos 74 anos, que vou me deixar envolver por coisas totalmente inexplicáveis sobre seu governo, sua condescendência com outros e suas aquisições mirabolantes, assim como de seus filhos. Sinto-me afrontada, sinto-me humilhada, sinto-me engasgada, sinto-me envergonhada de alguém zombar de minha inteligência e do meu conhecimento, conhecimento este que lutei uma vida inteira para tê-lo – e não é agora que serei subestimada. Torno a repetir: não aos 74 anos. Tivera eu 20 anos menos e estaria marchando, não em prol do impeachment, não em prol do passe livre, não em prol de tantos clamores populares, mas em prol de um “não afronte a minha inteligência”. E pare, senhor ex-presidente, de atacar outros com o lema de que “a melhor defesa é o ataque” e concentre-se em provar apenas sua inocência no âmbito de todas as investigações. Aguardo.

 

Lucilia Costa pirajuense@hotmail.com

São Paulo

 

*

AS FASES DE LULA

 

Podemos separar a vida pós-Presidência de Lula em duas fases: antes da Lava Jato (ALJ) e pós-Lava Jato (PLJ). Lula ALJ viajava de jatinhos, dava palestras a peso de ouro, “vendia” empresas brasileiras nos países amigos, não desmentia ser dono do sítio de Atibaia, a família visitava o tríplex no Guarujá, etc. Para o Lula PLJ, convites para palestras sumiram (só faz “palestras” gratuitas para sindicalistas e ditos movimentos sociais) e não possui as propriedades em Atibaia e no Guarujá, etc. Só numa coisa ele permanece o mesmo: nunca sabe de nada.

 

Marco Cruz mm.cruz23@gmail.com

São Paulo

 

*

EM BAIXA

 

Lula nem sequer pode sair na rua, quanto mais ser candidato a presidente.

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

‘NOUVEAU-RICHE’

 

José “Pepe” Mujica mora numa casa rústica com teto de zinco – que nunca foi reformada por empreiteira –, acompanhado de galinhas e de Manuela, sua cadela aleijada. O ex-presidente do Uruguai cozinha cebolas com carne, seu prato preferido, lava, estende roupa no varal e dirige um velho Fusca azul. Mujica é admirado em todo o mundo, principalmente pela juventude, e foi eleito pela prestigiosa revista “Time”, em 2014, por sua história política, um dos homens mais influentes do planeta. Moral da história: quem nasceu para ser Luiz Inácio Lula da Silva, o enrolado e deslumbrado burguês “nouveau-riche” (novo rico), propagandista de empreiteiras envolvidas em corrupção, nunca chegará a ser um José “Pepe” Mujica.

 

Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

 

*

MEU TRÍPLEX

 

Lula tem razão: “Quem bancou meu tríplex foram os bancários e tá acabado”.

 

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

Vinhedo

 

*

FIM DE PAPO

 

Já que ninguém é dono do tríplex no Guarujá, que tal leiloar e a arrecadação ir para asilos ou creches?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

LULA NERVOSO

 

O número de ações cíveis e criminais movidas por Lula contra jornalista e personalidades por afirmações que ele considera injuriosas ou ofensivas chegou, na semana passada, a 15, que tramitam em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Olhando por essa ótica, poderiam, então, os brasileiros que não pactuam com as últimas notícias lulísticas, eivadas de corrupção e mentiras, colocá-lo no paredão?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

O EMBATE MAIS AGUARDADO DO ANO

 

Com tantas notícias bombásticas nunca vistas neste país, a maioria dos brasileiros aguarda com expectativas a grande luta do ano, o encontro de dois pesos pesados brasileiros. Não é judô nem sumô, mas será o confronto final de dois japoneses: o da Polícia Federal e o do Instituto!

 

Antonio S. Ramos toninhoramos47@gmail.com

Atibaia

 

*

ESPERTEZA

 

Quando o japonês da Polícia Federal ligar ao celular da “alma mais honesta do Brasil’’, ouvirá uma mensagem: “este telefone está temporariamente fora de serviço”. Mas ele deverá prestar atenção, pois a voz da gravação é rouca.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

MARCHINHA

 

Trecho da marchinha que vai fazer sucesso neste carnaval: “Ih, ih, ih, Ishii! Olha quem é que está aqui! Ih, ih, ih Ishii! Ele chegou, eu me f...!”

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

AINDA HÁ ESPERANÇA?

 

Temo haver poucas chances de o Brasil sair do buraco após esse período calamitoso de lulopetismo. A economia e estatais estão destroçadas e a moeda, ridicularizada. Lula conseguiu dividir os brasileiros (“nós contra eles”, negros contra brancos, índios contra todos), conseguiu incutir o conceito na população de que “a gente temos direitos”, de que o Estado tudo pode e de que ninguém mais tem deveres perante a Nação. No caso de um impedimento redentor ou de uma renúncia milagrosa da “presidenta”, quem assumir ou sucedê-la vai comer o pão que o diabo amassou, pois, além do espólio de terra arrasada, a horda restante da tigrada petista que não estiver condenada e presa vai praticar a mais sórdida e vingativa oposição, juntamente com os ditos movimentos sociais e com as centrais sindicais, sem contar os partidecos fisiológicos. Espero estar errado e que tudo se conserte com o tempo. Com 53 anos de idade gostaria de ser um pouco mais ingênuo...

 

Sergio Araki Yassuda sergio-araki@uol.com.br

São Paulo

 

*

AS ABELHAS INVISÍVEIS

 

As estereotipadas e já nauseantes negativas de governantes no que toca a atos ímprobos praticados por subordinados, com ou sem sua ciência, e dos próprios atos inverossímeis, como os de Lula e dona Marisa Letícia, não poderiam ser declarações diversas, a menos que se tratassem de réus grotescamente confessos (por vezes surgem em audiências criminais) ou de premiados por delações. Admita-se a hipótese de absolvição, uma das duas alternativas do processo penal, posto que o ônus da prova é do acusador. O consciente coletivo, porém, já está formado e profundamente frustrado em suas justas esperanças. Dessa cognição intuitiva do povo ninguém escapa. “Somos as abelhas do invisível. Loucamente juntamos o mel do visível para armazená-lo na grande colmeia do mundo do invisível” (Rilke, “Carta a Hulewics”).

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

GASTANDO OS ÚLTIMOS CARTUCHOS

 

Começou esta semana na TV a campanha publicitária milionária visando a reabilitar este autêntico “pau de galinheiro” que é a imagem do Partido dos Trabalhadores (PT). Os filmes são de ótima qualidade em todos os sentidos, inclusive nos textos, devendo impressionar o público ao qual foram destinados. Os custos devem ter sido elevadíssimos, o que não impressionou o partido, que está com os cofres repletos daquelas contribuições “estritamente legais”, gentilmente ofertadas pelos empreiteiros da Lava Jato, muitos dos quais amargam o cárcere. Parece que, na dúvida sobre o rumo dos acontecimentos futuros, o partido resolveu gastar a grana acumulada.

 

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

 

*

A BATALHA CONTRA O AEDES

 

No dia 22/1 o ministro da Saúde declarou que o País estava perdendo feio a batalha para o Aedes aegypti. Agora (3/2), afirma que está tudo sob controle? Que rapidez!

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

O MOSQUITO DO MOMENTO

 

O problema do mosquito é o nome: Aedes aegyPTi.

Vai precisar de bastante inseticida.

 

Valter Prieto Jr. valter.prieto@gmail.com

São Paulo

 

*

O BRASIL COM ZIKA

 

O zika vírus não entrou no Brasil em abril de 2015. Teve, sim, início em outubro de 2002. Foi a maior “zica” que poderia acontecer ao Brasil. Sua virulência vem aumentando a cada quatro anos. Muitos brasileiros morreram e ainda morrem nas filas dos hospitais e na criminalidade que se alastrou. Este “zica vírus”, transmitido pelo mosquito PT, causa corrupção e mentira, cujas consequências extremamente maléficas atingem e prejudicam todos os brasileiros. A vacina existe e se chama voto! Mas o remédio chama-se impeachment.

 

Julio Walder julio.walder@gmail.com

Santos

 

*

PERIGOS

 

Perigos que nos rondam: Lula e zika. De qual dos dois nos vamos livrar primeiro?

 

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo

 

*

FUMACÊ

 

Enquanto o governo, tentando diminuir sua culpa, insiste em dizer que 2/3 das águas paradas estão dentro das nossas casas, o mosquito agradece o estímulo à sua propagação. É óbvio ululante que a periferia das casas alberga muito mais poças que não são consideradas, pois estão fora do alcance visual de todos. O único grande recurso nessa atualidade dramática é o chamado fumacê.

 

Geraldo de Paula e Silva geraldo-paula2015@bol.com.br

Teresópolis (RJ)

 

*

ISOLAMENTO

 

Nesta luta contra o mosquito, pouco se fala no isolamento que se deve fazer de uma pessoa afetada por dengue ou zika. É essa pessoa a maior responsável pela propagação da doença. É coisa simples que deveria ser obrigatória.

 

J. Treffis jotatreffis@outlook.com

Rio de Janeiro

 

*

AEDES TRANSGÊNICOS

 

O Aedes transgênico provou, conforme notícias, ser um método eficaz de eliminar o mosquito e, consequentemente, os três vírus de uma só vez. No entanto, não se ouve mais falar dele, e somente em pesquisar vacinas que, embora necessárias, ainda demandam muito tempo de pesquisa. Portanto, não devemos perder de vista a solução apresentada pelo transgênico, enquanto não temos as vacinas.

 

Victor Hugo renard-46@hotmail.com

São Paulo

 

*

‘INJUSTIÇA’ BRASILEIRA

 

Mais de oito anos após escândalo, Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir se recebe denúncia contra Renan Calheiros por peculato. Assim funciona a “Injustiça” brasileira. Fosse para julgar benefícios de interesse próprio, já estavam aprovados antes mesmo de serem colocados em plenário. Ou utilizar de outra forma qualquer para obtê-los de imediato. Alguém se lembra da ajuda de custo de moradia para os juízes, implementada pelo ministro Luiz Fux? Quanto tempo demorou para entrar em vigor? Oito anos ou oito segundos? Isso sem falar do julgamento das perdas da poupança que ocorreram entre os anos de 1986 e 1992, cujo julgamento também está parado já há alguns anos no Supremo.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

 

*

ESCÂNDALOS EM SÉRIE

 

O escândalo do dia: “Ministro Fachin liberou para a pauta de julgamento o inquérito que apura se Renan usou dinheiro de empreiteira para pagar pensão a uma filha que teve fora do casamento” (UOL, 3/2/2015). Eduardo Cunha, acusado de mentir sobre contas no exterior, tem seu processo de cassação de volta à estaca zero. A “presidAntA” Dilma se jacta de não ter conta secreta no exterior. Mas caberia a pergunta: teria aqui, no Brasil? Além disso, é no mínimo incompetente confessa, pois em sua gestão na presidência do conselho da Petrobrás foi comprada uma refinaria que valia US$ 45 milhões por mais de US$ 1 bilhão. “Aquele que nunca soube de nada” – talvez por isso tenham “corrido soltos” sob suas barbas o mensalão e o petróleo – está às voltas com a Justiça por visitar um apartamento em milionária reforma da OAS e por frequentar, por comprovadas 111 vezes, o sítio de amigos em Atibaia. Portanto, uma presidente da República, seu mentor ex-presidente e os dois presidentes do Poder Legislativo estão sob suspeita de condutas não republicanas. Para estes “impolutos” cidadãos conviria lembrar que o ministro da Economia do Japão acaba de renunciar porque um jornal publicou uma notícia que o comprometeria. Que nos resta, a nós outros, brasileiros de cara e consciência limpas? Só nos resta a vergonha de termos como concidadãos dirigentes deste país com estes currículos. Pior, agarrando-se aos seus cargos sem nenhum pudor.

 

Antonio C. Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.