Fórum dos Leitores

GOVERNO (?) LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2016 | 02h55

O Grande Irmão

Sempre é possível surpreender o contribuinte neste país. A penúltima novidade, já deve haver outra em andamento, é o controle sobre movimentações financeiras mensais superiores a R$ 2 mil; os bancos terão de informar à Receita Federal dados dos correntistas. Quer dizer, milhões foram movimentados sob as mais diferentes formas desde o mensalão, passando pelo petrolão e outras menos famosas, sempre com figuras carimbadas do mundo político, financeiro e do especializado em lavagem de dinheiro, e o culpado será o zé povinho, com seus 2 mil caraminguás. Querem enganar a quem?

MARCO ANTONIO ESTEVES BALBI

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

Vimos o aprimoramento da Receita relativo às “fabulosas” movimentações de R$ 2 mil, em que “todos” serão taxados e investigados se assim ela quiser. Mas quando se trata da circulação de milhares de reais em caixas, malas, cuecas, etc., os fabulosos auditores não conseguem enxergar ou acompanhar tão significante valor. Agora, em se tratando do indefeso contribuinte, a Receita tem todo o poder de intimidá-lo, fazê-lo pensar antes de qualquer contestação. Desejamos que a Justiça prevaleça e não permita mais essa arbitrariedade.

ADILSON PELEGRINO

gumerci@terra.com.br

São Paulo

Senhora de um trilhão

A “excepcionalidade do momento” econômico, no Brasil de hoje, anunciada pela presidente Dilma em sua visita ao Congresso, tem como parâmetro um trilhão de reais de prejuízos que ela conseguiu “amealhar” em dívidas em cinco anos. Grande feito!

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Zika vírus

Fala-se muito na parcela de culpa da população no combate ao mosquito Aedes aegypti, mas, e a falta de saneamento? E a falta de água encanada nas casas? E a limpeza dos rios, córregos, fundos de vales, piscinões? E a falta de urbanização dos milhares de favelas expandidas até em cidades pequenas? Será que a quantia de um trilhão, valor estimado e atribuído a dona Dilma de prejuízo em sua gestão, não teria sido suficiente para minimizar e prevenir a proliferação desse mosquito? Será que vamos ter de dar outro trilhão para a presidenta gastar à vontade e não fazer as obras estruturais que aliviariam o combate ao Aedes?

REGINA M. FERRARI

ferrari@tavola.com.br

Santana de Parnaíba

O ‘MAIS HONESTO’

História...

O ministro Jaques Wagner disse que a história de Lula precisa ser respeitada. Diga isso ao próprio Lula, ministro!

JOÃO MANUEL CARVALHO MAIO

clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

Blindagem

O Palácio do Planalto entra na blindagem a Lula e avaliza CPIs para investigar tucanos. Blindar para quê, se ele tem a alma mais honesta do universo?

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Que vergonha! Precisa blindar a alma viva mais honesta que a nossa República jamais viu? Tem mesmo é que blindar o povo brasileiro, que paga com o próprio sangue os impostos para depois serem roubados.

MARA HERDADE

maraherdade@gmail.com

São Paulo

CPI contra tucanos

Querem nos fazer acreditar que a culpa pelo desgoverno no País é da oposição. Só o que faltava!

WILSON CASSIO CAVAZZANI

cavazzani@hotmail.com

São José dos Campos

Vagas para todos

Já está ficando ridículo, para não dizer infantil, os petistas ficarem justificando seus crimes citando exemplos de outras pessoas, políticos incluídos. O povo brasileiro, em sua imensa maioria, não é filiado a partidos e exige que tudo seja investigado, doa a quem doer, seja de que partido for. Se são petistas que estão na linha de frente das investigações, que tratem de se defender ou que sejam processados e paguem por seus crimes, até mesmo com a devolução do dinheiro. E os outros, se investigados, que ponham as barbas de molho, pois há vagas para todos nos presídios nacionais. Que o País saia mais maduro deste lixo todo.

DOMINGOS CESAR TUCCI

d.ctucci@globo.com

São Paulo

CULTURA

Memória perdida

A memória cultural escrita e audiovisual do País foi duplamente atingida em menos de dois meses. Depois de ter o nosso idioma afetado pelo incêndio no Museu da Língua Portuguesa, agora a nossa imagem é destruída no incêndio da Cinemateca Brasileira. Aliás, este país, que se arvora tanto em ter o pai da aviação, acaba de ter o Museu da Aviação fechado. Nada mais simbólico e contraditório.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

VIVO

Negligência

Enviei a carta a seguir ao sr. Amos Ganish, presidente da Vivo, no dia 3/2: “Serve a presente para informá-lo novamente, como já fizemos em carta datada de 17 de dezembro de 2015, que agora, pela quarta vez em apenas dois meses, este escritório está com todas as suas linhas telefônicas inoperantes, tronco 11-3060-4300, isso sem contar ocorrências anteriores que, infelizmente, não foram por nós registradas. Todas as vezes que isso ocorreu recebemos a informação de que o problema seria resolvido em até 24 horas, ou seja, ficaremos mais uma vez com o sistema inoperante até que alguém nesta concessionária de serviço público, em regime de monopólio, se digne a fazer a necessária correção. Junto com esta vêm explicações que nada explicam e muito menos resolvem, eis que os defeitos se sucedem uns em seguida aos outros. Não há, pois, diante disso, como não considerar tratar-se de incompetência, negligência ou simplesmente mera e contumaz irresponsabilidade na prestação de serviço público essencial. Nada mais havendo a fazer a respeito, estamos encaminhando à Anatel cópias das reclamações anteriores e respectivos protocolos. Como a mera comunicação dessas falhas reiteradas, cujos prejuízos serão objeto de ação própria à concessionária e à autoridade reguladora, tem se mostrado inútil, estamos também encaminhando cópia desta carta ao jornal O Estado de S. Paulo, para que os demais assinantes que têm passado por situações idênticas possam saber que isso não acontece apenas com eles”.

ONOFRE C. DE ARRUDA SAMPAIO

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

LULA, LULINHA E A GAMECORP

 

Conforme divulgado pelas duas revistas mais conceituadas do País, o ex-presidente Lula pediu para que os donos da Telemar/Oi fizessem uma proposta expressiva para adquirir participação na Gamecorp – e agora entendemos o porquê daqueles R$ 5 milhões investidos, àquela altura, numa empresa “de fundo de quintal”. Depois de três anos, Lula alterou e adequou a legislação para que houvesse fusão entre a Telemar/Oi com a Brasil Telecom, fazendo com que estas requisitassem serviços sem necessidade, sendo apenas para gerar receita para a Gamecorp – entenda-se, Lulinha e seus sócios, que são os mesmos proprietários do famoso sítio de Atibaia (SP) e do apartamento onde este último vive de graça. Consta, ainda, na reportagem que a Gamecorp, apesar de todas essas manobras, apresenta um prejuízo acumulado de cerca de R$ 7 milhões, mas que tem uma cláusula contratual que permitiu que seus sócios retirassem no ano de 2015 a “módica” quantia de R$ 1,7 milhão. Qual empresa séria, não envolvida em negociatas, com prejuízo acumulado, permitiria que seus sócios sacassem uma quantia dessas? Por favor, dr. Sérgio Moro, pode pedir para alguém investigar mais esta ponta de iceberg que está contribuindo para o enriquecimento da família Lula da Silva? Os brasileiros que trabalham e pagam impostos agradecem.

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

A PONTA DO ICEBERG

 

Há tempos, no Estado do Piauí, em outubro de 2015, Lula, entre suas muitas desafinações, disse: “Quem roubou não pode chamar o PT de ladrão”. Risível e patético. Supõe Lula, em seu falso filosofar, que os que estão engolfados até as entranhas na patranha da gatunagem não podem acusar o PT. Belo raciocinar. Com isso, abrem-se as portas para a rapinagem geral dos cofres públicos. Seguindo nessa linha de raciocínio, o presidente do Instituto Lula, ao ser entrevistado num canal de TV, questionado pela entrevistadora sobre o inafastável e mais do que evidente enriquecimento do ex-presidente Lula, já quanto à “negociata” do tríplex no Guarujá (SP), ou a do sítio de Atibaia (SP), tartamudeou a seguinte desculpa: “Aquele imóvel não mede mais do que 85 metros quadr ados”. Como se abocanhar a propina de um “tríplex pequeno” fosse menor crime que surripiar um de 200 metros. Onde estamos, senhores? Senhor presidente do Instituto Lula, roubar é roubar, tanto faz se mil ou um milhão. E, segundo a defesa de Lula, não se trata mais do que um imóvel “Minha Casa, Minha Vida”. Ora, senhores, a desfaçatez e o cinismo galgam as culminâncias do inimaginável. Dizer ser “merreca” o tríplex do Guarujá, assessorado e servido de elevador privativo demonstra-nos claramente que no Brasil os políticos perderam por inteiro o senso do ridículo e estão distantes anos-luz da honestidade. Riem de nós, os idiotas, que ainda acreditamos nas desafinadas desculpas. A conclusão a que arriba aquele senhor é a de que roubou pouco! E “tem gente que roubou muito mais”. Portanto, Lula seria “ficha peque na”, em face de outros políticos que por aí andam. Como se o roubo dos outros políticos limpasse a “ficha corrida” e deletasse a maracutaia luloptiana, que aos poucos vai-se descobrindo imensa e despudorada. Velho chavão popular diz que “ninguém entre no serviço público para servir, senão para dele se servir”. A conclusão certeira de tudo isso que por aí corre à solta é de que a proposta de Lula de servir aos pobres transmudou-se, e serviu-se ele dos pobres para enriquecer. O tríplex no mar do Guarujá não é senão a ponta do iceberg que vem por aí.

 

Antonio B. Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

 

*

A REFORMA DO TRÍPLEX

 

Se perguntar não ofende: por que a OAS faria a reforma no valor de R$ 777 mil, tudo ao gosto do freguês Lula, se o ex-presidente tinha pedido a devolução dos valores pagos pela família Lula à Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop)? Teria o ex-presidente Lula e sua senhora, Marisa, mudado de ideia esperando o momento certo para se tornarem proprietários ou, a exemplo dos filhos e do sítio, seria a propriedade de um terceiro e o casal a ocuparia de graça? Afinal, somos todos bobos e acreditamos em tudo o que ele fala.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

CASOS INEXPLICADOS

 

Tenho uma dúvida: será que a alma mais honesta do Brasil, quiçá do mundo, tem como explicar como a cota de R$ 47 mil da sua galega, num apartamento do Guarujá, se transformou numa reforma de R$ 777 mil? Aliás, que número cabalístico, hein? Será que agora a Polícia Federal consegue esclarecer o ainda inexplicado caso Celso Daniel, o caso Bancoop, o moch... E ainda dizem que querem “sujar” a biografia do “Brahma”... Esta Polícia Federal viu, só quer complicar a vida de pessoas dignas e honestas.

 

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

A ASCENSÃO DE LULA

 

Do pau-de-arara do agreste de Garanhuns ao duplex de São Bernardo do Campo, ao tríplex à beira-mar do Guarujá e ao sítio de mais de 170 mil m² em Atibaia. Quem te viu, quem te vê...

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

DOAÇÃO

 

Para que se resolva definitivamente o problema do sítio em Atibaia, basta que os dois proprietários dele apresentem o contrato de reforma, feito com a empreiteira, para que assim se esclareça quais serviços foram contratados, qual o prazo de entrega deles, o valor total dos serviços e a forma de pagamento, bem como dos respectivos projetos, se existirem. E que a Receita Federal apure se o valor pago pelas reformas foi declarado. Além disso, que se verifique a data de aquisição do sítio, o valor pago e se ele foi devidamente declarado pelos dois proprietários, sócios do filho de Lula. É bem provável que Lula nem saiba, mas o sítio é dele, feita uma doação como retribuição aos excelentes trabalhos feitos por seu filho em prol da empresa que possui com seus dois amigos.

 

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

 

*

MAROLA

 

Segunda Lula, “era só uma marolinha”, mas, prevenida, dona Marisa comprou um barco...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

LULA LÁ

 

Com o carnaval aí, não custa lembrar o velho refrão: “Tá chegando a hora”.

 

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

 

*

PERDENDO TEMPO

 

A política e seu noticiário regrediram ao jardim de infância. O Supremo Tribunal Federal (STF) faz um evento para anunciar que voltou a trabalhar. Aí, neste evento, ao invés de anunciar quais serão as causas de relevo a serem decididas no ano, discute-se se o procurador-geral da República cumprimentou ou não o presidente da Câmara dos Deputados. No dia seguinte, a presidente da República vai ao Congresso Nacional para mais um rapapé. E tudo o que ocorre à oposição e parte de seus próprios aliados é vaiá-la, ao invés de retomar, para o bem ou para o mal, a análise do pedido de impeachment. No fim do evento, ficamos sabendo que a presidente distribuiu beijos, mas o presidente da Câmara, oh, ganhou apenas um aperto de mão. Senhores, é sério isso? Precisamos lembrar que há uma economia se esfarelando e epidemias gigantescas se espalhando pelo País? O tempo de brincadeiras mais do que acabou.

 

Luiz Augusto Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CARADURISMO

 

Quer dizer que o presidiário bandido José Dirceu está querendo aumentar sua pensão como ex-preso da época do regime militar? O caradurismo deste pessoal do PT não tem fim mesmo! É Lula que não é dono de sítio ao qual ele foi 111 vezes nos últimos anos, nem de apartamento tríplex no Guarujá onde até garoto-propaganda do Condomínio Solaris era. Lula realiza palestras custando mais que palestras ministradas por Bill Clinton, sendo Lula um semianalfabeto. São dólares na cueca, pedaladas fiscais que acreditam ser da maior legalidade existente no mundo moderno, apesar do contrário, etc. Quer dizer que um presidiário condenado no mensalão do PT e preso por falcatruas no petrolão ainda tem a pachorra de requerer aumento de sua pensão por ser ex-preso político da época da ditadura ? O que vão achar os demais bandidos do PCC, do Comando Vermelho, etc.? Vão requerer os mesmos direitos mais hora menos hora. É, os lulopetistas não têm o menor semancol mesmo, se acham acima das leis vigentes no País e acreditam ser deuses do Olimpo a serem adorados por seus atos ilícitos por um grupo de pessoas desavisadas e iludidas por “falsos brilhantes” que nada mais são que cacos de vidro de fundo de garrafa pegos no lixo.

 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

 

*

A APOSENTADORIA DE DIRCEU

 

Dá uma canseira... Zé Dirceu entra com processo para aumento de sua aposentadoria de anistiado. O cara fugiu para Cuba, fez plástica para mudar a face, voltou e se instalou clandestinamente durante 20 anos no Paraná. Não foi torturado e, mesmo assim, recebeu aposentadoria de anistiado. Com a subida do PT ao poder, subiu nas tamancas, mandou e desmandou, foi o cabeça do mensalão, que surrupiou milhões do Banco do Brasil, e, mesmo indiciado e julgado, entrou com tudo no petrolão, estando agora preso por denúncia de ter recebido milhões. Mesmo assim, quer aumento de aposentadoria por ter sido um bonzinho e exemplar guerrilheiro? Enquanto o brasileiro comum trabalhou 30 anos e há anos vem perdendo aumento até para a inflação, Dirceu almeja, agora, sair do sufoco exigindo R$ 10 mil mensais de aposentadoria. Por favor, poupe-nos de mais es se abuso de poder.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

SEM PERDER O VIÇO

 

O condenado José Dirceu está apelando às Cortes brasileiras para conseguir aumento de sua pensão alimentícia da época da ditadura, mas, como não perde o viço, logo após declara, também na Justiça, que os R$ 120 mil que recebia por mês dando “consultorias” são irrisórios. E o Brasil ainda tem de aguentar este “cara de pau” falando pelos cotovelos?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                            

 

*

‘MEU PRESTÍGIO’

 

A falta de caráter e o cinismo dos elementos desta quadrilha que há 13 anos tomou conta do País ultrapassam todos os limites. Até os bandidos já condenados e presos continuam, na primeira oportunidade que surge, expondo a pouca vergonha e a falta de caráter que lhes são marcas registradas. O ex-ministro chefe da Casa Civil no governo Lula depôs na sexta-feira (29/1), em Curitiba, e afirmou perante o juiz Sérgio Moro que a quantia de R$ 120 mil por mês, recebida para prestar consultoria a empresas investigadas na Operação Lava Jato, era “irrisório”. Informou, ainda, que cumpriu os contratos de “consultoria”, mas que não tem relatórios para provar. Afinal, emprestava seu nome e seu “prestígio” a cerca de 60 dessas empresas, que o contratavam para obterem uma avaliação dos panoramas político e econômico do Brasil. Prestígio? Que prestígio tem esse bandido e muitos outros que participaram e ainda participam deste governo comandado por Dilma Rousseff? E, como se não bastasse, ainda recebe ordens de um “capo”? Para mim, Fernandinho Beira-Mar e Marcola têm mais dignidade do que José Dirceu de Oliveira e Silva.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

PREJUÍZOS SEM CONTA

 

José Dirceu, quando interrogado pelo juiz Sérgio Moro, alegou que não se conforma com sua prisão. E nós? Conformamo-nos com tanta bandalheira praticada contra a Petrobrás? O prejuízo para todos os acionistas da estatal foi desastroso. José Dirceu deveria refletir sobre isso, antes de se lamentar sobre seu encarceramento.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

CONFISSÕES PERIGOSAS

 

Se José Dirceu, por preservação, finalmente admitiu que a sua “consultoria” no fundo não passava de venda de prestígio, eufemismo para tráfico de influência, o que dirá Luiz Cláudio Lula da Silva para justificar o recebimento de  R$ 2,5 milhões por um simples trabalho de Ctrl C/Ctrl V, do qual, agora, alega não ter a fonte primária do seu “trabalho”, apenas cópias impressas, o que impede a verificação da data de elaboração do relatório? Bons de histórias que não colam. Essa gangue de petralhas deveria escrever ficção.

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

OS NEGÓCIOS DE DIRCEU

 

Zé Dirceu não muda. Emprestar o prestígio em troca de fortuna só sendo um herói do povo brasileiro? Sérgio Moro deve ter se sentido um imbecil na frente desse petista ordinário.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

FALSA MODÉSTIA

 

Que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu é um corrupto desonesto, disso ninguém tem mais dúvidas. Agora descobrimos que é também cínico e cara de pau. Basta ver que, questionado pelo juiz Sérgio Moro sobre os R$ 120 mil mensais pagos pela Engevix, ele alegou que recebia tal valor por emprestar seu nome e prestígio, além de dizer que esse preço era “irrisório”. E concluiu: “Sem falsa modéstia”.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CINISMO

 

O ex-ministro da Casa Civil de Lula não perde a pose. Tem um currículo de dar inveja a qualquer malandro ou picareta que anda por aí. Teve seu mandato de deputado cassado, foi preso pelo mensalão e, como um corrupto reincidente, está encarcerado pelo petrolão. Ao ser interrogado pelo juiz Sérgio Moro, para explicar os R$ 40 milhões que recebeu por supostos serviços de consultoria por meio de sua empresa JD Consultoria, soberbo, apesar de não ter onde cair morto, disse que cobrava de seus clientes um valor irrisório de R$ 120 mil, ou merreca de 140 salários mínimos, por consultoria realizada. E, quase zombando do juiz Moro, esnobou: “Eu emprestava meu nome, meu prestigio” e esse pagamento não “visava ao enriquecimento”. Esse embrulhão e botador de banca ralé tinha de ser mesmo um corrupto petista,&n bsp;já que, para esta gente, que desviou dezenas de bilhões de reais em 13 anos de poder, os R$ 40 milhões recebidos pelo ex-ministro são apenas um troquinho, que muita falta faz hoje, no mínimo no bolso de 9 milhões de trabalhadores brasileiros desempregados em razão deste perverso governo Dilma.  Dirceu, contudo, borrou-se todo quando Sérgio Moro solicitou-lhe os relatórios de serviços que ele diz ter prestado a seus clientes. Como de receita de propina não se passa recibo, Zé não teve outra saída para não afirmar que jamais em tempo algum fez tais relatórios. O cinismo perante um implacável juiz como Sérgio Moro, dentro em breve, poderá custar a Zé Dirceu, ex-braço direito de Lula, uma condenação de outros bons anos trancafiados em alguma cadeia deste país.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

DISSIMULAÇÃO

 

José Dirceu, no depoimento ao juiz Sérgio Moro, mostrou que aprendeu a mesma dissimulação do chefe Lula. Um verdadeiro paladino do povo brasileiro, que, apesar dos milhões recebidos, vai morrer à míngua, por tanto  altruísmo realizado. Então tá...

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

DOIS PESOS, UMA MEDIDA

 

Lamentavelmente, os presidentes do Senado e da Câmara federal, ou seja, os mais altos representantes do Poder Legislativo, estão sendo processados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Entretanto, um tem um processo célere, enquanto o outro tem um processo normal. Aliás, ambos, mais a presidente da República, deveriam, se tivessem dignidade, renunciar de seus respectivos cargos. Essa notícia revela, do STF, uma conduta típica de tratar uma mesma situação com dois pesos e uma medida. Basta ler a reportagem da página A7 da edição de ontem (“STF vai julgar denúncia contra Renan”).

 

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

*

O PAPEL DA JUSTIÇA NO DESASTRE BRASILEIRO

 

O Supremo Tribunal Federal deve explicações à Nação por estar há 3 anos sentado em cima da denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente do Senado, Renan Calheiros. O papel do Poder Judiciário é cada vez maior  na falência moral e econômica do País.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

REPUGNANTE

 

É repugnante ver no Congresso Nacional tantos parlamentares envolvidos com corrupção, livres para agir e decidir em nome da população brasileira. Seria culpa apenas dos eleitores? Ou precisamos rever a imensa facilidade que a Justiça propicia aos bandidos do colarinho branco com tanta impunidade. Não é possível que gente suspeita como Paulinho da Força, Eduardo Cunha, Renan Calheiros e tantos outros possam agir impunemente mesmo tendo processos nas costas na Justiça em vários tribunais.

    

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

 

*

INSTITUIÇÕES FORTES E JANOT

 

O procurador-geral Rodrigo Janot, aquele que não viu motivos ainda para denunciar Renan Calheiros no caso petrolão, resolveu pedir indulto para o mensaleiro João Paulo Cunha. É o fim da picada! Depois perguntam como o Brasil conseguiu atingir tais níveis de corrupção. A resposta está aí: nossas instituições estão fortes, sim, no sentido de fazer prevalecer a impunidade. O procurador-geral debocha dos brasileiros honestos.

 

Maria Cristina Rocha crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

UM NOVO FANTASMA

 

Um novo fantasma aterroriza os funcionários das empresas estatais: os desvios nos fundos de pensão patrocinados pelo atual governo. Além dos desvios apurados na Petrobrás, já contabilizados em mais de R$ 50 bilhões, e dos casos Eletrobrás, CEF, Correios, BNDES, etc., agora é a vez dos fundos de pensão. No Postalis os prejuízos apurados já passam de R$ 5 bilhões. Os funcionários do Banco do Brasil (BB) são a bola da vez. Após o BB deixar de aportar R$ 8 bilhões na Previ, para inflar seus lucros e pagar dividendos à União (mais uma pedalada!), dinheiro que deveria ser destinado a melhoria nas pensões e aposentadorias que não ultrapassam, em média, R$ 2,5 mil, os aposentados e pensionistas da Previ se deparam com um prejuízo de mais de R$ 400 milhões, dinheiro aplicado (a mando de quem?) na Sete Brasil, empresa em estado falimentar. O que mais revolta é que, enquanto a média das complementações não ultrapassa R$ 2,5 mil (e ainda incide desconto mensal de 8% para o fundo), alguns príncipes, como o ex-presidente do BB, levam uma aposentadoria da Previ de R$ 62 mil. É realmente um exemplo de ética e apreço para com os funcionários da estatal. A Caixa de Assistência também recebe o mesmo tratamento e periga deixar milhares de aposentados na rua da amargura. É este o governo dos trabalhadores?

 

Elio S. Santos ele56@bol.com.br

Brasília

 

*

CRISE

 

Manchetes do “Estadão” quase que diárias: “Indústria tem maior queda desde 2003”, “produção do setor de bens de capital recua uma década”, “nem programa do governo impede demissão do trabalhador”. A alma mais pura do planeta e seu poste conseguiram: nunca se viu tanto roubo, tanta incompetência, tanta mentira (de dar inveja a Pinóquio), tanta corrupção. Mas nada disso impede que o governo queira a CPMF a qualquer custo, para cobrir suas lambanças e, claro, não deixar seu cofre vazio. Evidentemente, isso é o mais importante, visto que os roubos estão sendo investigados, mas nunca serão extintos, pois faz parte da política brasileira: governar e roubar andam de mãos dadas. Governo ladino e oposição morta (ou conivente?). Só Deus por nós!

 

Márcia Rossi Soares marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

 

*

BANCOS + GOVERNO X INDÚSTRIA

 

É necessário observar que nesta paródia de nação a incompetência, os malfeitos e a carga massacrante de impostos cobrados pelo nosso governo, somados aos juros estratosféricos e à gana insaciável dos banqueiros, a indústria sofre quedas paralisantes na produção, reduzindo empregos e arrecadação. Nos últimos dez dias, os maiores bancos privados do Brasil anunciaram crescimento em torno dos 20% (num ano de recessão) com ganhos de no mínimo R$ 18 bilhões cada um. Então, o crescimento dos bancos é inversamente proporcional ao crescimento da indústria, deixando mais clara a necessidade URGENTE de tirar esta tralha de assaltantes e criminosos pré-alfabetizados e preguiçosos do comando do País, mesmo porque pessoas estão morrendo por culpa desse grupo: desemprego é igual a aumento da miséria e da violência, que deve, com toda sorte, virar-se contra os bancos e integrantes do atual governo. Tomara que isso aconteça, pois ninguém, nenhuma autoridade neste país, tem coragem para enfrentar os bancos, mas a população tem!

 

Nelio Alves Gomes raytomonelio@hotmail.com

Curitiba

 

*

VAIAS NO CONGRESSO

 

Que Dilma Rousseff é incompetente e inconsequente é fácil saber, basta ver o caos em que ela colocou o nosso país. Mas posar de burra durante discurso na abertura do ano legislativo, quando pediu e enfatizou a volta da CPMF, já é demais. Poderia perfeitamente dormir sem essa, ou seja, sem o zunido de chô e chô.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

TROCA

 

Já que Dilma “Poste” Rousseff deseja cobrir os roubos com a CPMF, sugiro que ela primeiro renuncie. Aí, então, o povo talvez apoie a volta do famigerado imposto, que deverá ser destinado exclusivamente à área da saúde. Se o dinheiro for desviado para outras finalidades, haverá crime de responsabilidade fiscal, com punições rigorosas. Que tal a troca? Se for para o bem do Brasil e felicidade geral da Nação...

 

Jaime Pereira da Silva jaimesil54@gmail.com

São Paulo

 

*

BOM SENSO

 

O editorial de ontem, “Discurso vazio”, destaca num dos trechos: “Quem garante que o dinheiro da CPMF não seria usado para ajudar o PT a se afastar da borda do precipício em que está”. Como a Operação Lava Jato fechou o ralo do desvio do dinheiro roubado do contribuinte para o PT, não resta dúvida de que o povo não garante nem apoia a volta deste famigerado imposto. Só dependemos do bom senso dos parlamentares.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

SAQUE

 

O governo roubou, roubou, roubou  e agora vai  descontar  tudo o que pode nos brasileiros por meio de impostos. E nós, simplesmente chamados de idiotas por eles, vamos pagar tostão por tostão  para depois, com o saco cheio de dinheiro, continuarem a saquear  novamente os cofres públicos.

 

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

A CPMF NECESSÁRIA

 

A cada final de ano, o governo altera limites estabelecidos para caber o rombo criado. Carece mesmo de CPMF: Cumprimento Prioritário das Metas Fiscais.

 

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

 

*

NUNCA

 

CPMF, nunca. Toma-cá, dá-lá, nunca. Custa dinheiro do contribuinte, vamos ficar de olho.

 

Yoshio Asanuma yasanuma2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

NOVA CPMF

 

Estão com toda a razão os parlamentares e demais cidadãos que se opõem à volta da CPMF. É preciso lembrar a presidente, aos seus beneficiados e demais apoiadores da volta do imposto, que parte dessa arrecadação será usada para que o governo possa continuar pagando a enorme estrutura de ministérios, cargos comissionados e todas as muitas outras mordomias que se mantêm intactas apesar de toda essa enorme crise criada em grande parte pela roubalheira e incompetência do governo petista.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                     

Rio de Janeiro

 

*

E OS 3 MIL CARGOS?

 

A versão tupiniquim do “State of the Union” se caracterizou por estrepitosa vaia recebida pela presidente Dilma durante seu discurso no Congresso, sempre que ela se referia à necessidade de aprovação da CPMF, o que é compreensível, na medida em que o novo imposto representa um item a mais na já escorchante carga tributária. Além de demandar sacrifícios para tirar o País de uma crise cuja eclosão, causada por gastos desordenados e políticas econômicas com fins eleitorais, foi de responsabilidade exclusiva, embora nunca reconhecida, de quem hoje pede socorro e de constituir a nova contribuição uma solução de eficácia discutível, há ainda a questão da falta de confiança, que remete à contrapartida do governo, representada pela redução clara de seus custos. Por exemplo, onde foi parar o tão decantado corte de 3 mil cargos públicos de comissão, anunciado e prometido pelo Planalto? Faltam, sobretudo, honestidade de propósito e transparência, atributos essenciais a qualquer governo que pretende ganhar a ajuda da população para a solução de seus problemas.

 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

MAIS UM BLEFE

 

Ao anunciar que, a partir de março, só haverá “bandeira verde” nas contas de luz, o governo de dona Dilma mais uma vez “marqueteia”, porque não haveria necessidade desse mísero desconto se ela não tivesse editado a Medida Provisória 579, em setembro de 2012, que, ao desorganizar totalmente o sistema elétrico brasileiro com mudanças regulatórias nas concessões, provocou aumentos de tarifas de mais de 70% em 2015.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

RETROCESSO

 

Lendo o artigo do sr. Washington Novaes de 29/1/2016, “Por que retroceder no campo de energias?”, só posso ficar estarrecida e indignada com a contínua desfaçatez desta “presidenta”. Ela (eles!) quer mesmo acabar com o Brasil. Vão tomando, às escondidas, disfarçadamente, porque longe do conhecimento público, decisões que são contrárias ao bem da Pátria. Palavra, aliás, que certamente desconhecem ou não “sentem”. É isto o que anda faltando muito por aqui: patriotismo, amor à Pátria. E como não ter saudades do “baixinho” inteligente e patriota Getúlio Vargas ou do dinâmico e honrado ex-prefeito de São Paulo sr. Francisco Prestes Maia? Será que fazendo promessa a todos os santos, pedindo a graça de que surja depressa por nossas plagas um líder honesto e capaz, que acabe pelo menos com uma quarta parte de nossas “pragas”? Por  mim, saio com a faixa “Reforma Política já!”. Penso que alguma coisa boa terá de vir como consequência.

 

Maria Helena Coimbra Rinaldi mhcr39@hotmail.com

São José do Rio Preto

 

*

ATÉ QUANDO?

 

Duro é tomar conhecimento do derretimento de nossa economia, da nossa Petrobrás quebrada, antes tão valiosa, de toda esta enxurrada de fatos escabrosos noticiados todos os dias e que nos colocam diante de um cenário aterrorizante, com uma presidente que dá a impressão de estar alheia à realidade, que, se de improviso, fala sem nexo, fazendo aumentar nossa insegurança, e ficar a se perguntar com o desalento de quem não vê resposta: até quando vamos suportar? E como tudo isso vai acabar para que possamos viver num país que ofereça um mínimo de condições de bem-estar para todos? Um país sem corrupção, a mãe de todos os males, e, portanto, sem zika nem dengue, sem violência, sem mortes em filas de hospitais, com educação que permita oportunidade igual para o povo, enfim, tudo o que &e acute; básico num país com um IDH apenas razoável?

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

O MAR DE ROSAS

 

Não foi à toa que a presidente Dilma suportou a tortura dos tempos da ditadura. Seu comportamento atual, a frieza demonstrada diante de tantos ataques da oposição, diante da realidade das pesquisas de opinião e de tantas adversidades, explica por que ela atua como se o Brasil estivesse com o ajuste fiscal feito, a máquina pública enxuta, o vírus zika controlado, feita a reforma da Previdência, a Petrobrás com seu valor original na Bolsa de Valores e a redução de gastos consolidada. Parece que Dilma está vivendo num mar de rosas. Que coisa! Ela tem sangue de barata e não se incomoda com nada: o Brasil que se dane, o povo é um detalhe e o que interessa é estar no poder! Apenas ficou um pouco alarmada com a possibilidade de o ex-presidente Lula ter de enfrentar o cárcere. Isso não seria um problema, já que n&a tilde;o lhe afeta diretamente: ao contrário, desvia o foco do impeachment, seu próximo tema a ser tratado.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

TERRA ARRASADA

 

Extirpar os “petralhas” do poder é questão de sobrevivência do Brasil, mas o estrago está feito e as próximas gerações foram penhoradas.

 

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

 

*

DESMORALIZAÇÃO

 

A derrocada ética, moral e econômica do País é algo avassalador, que está minando progressivamente a Nação e seus filhos. Todos nós, que ainda desejam trabalhar honestamente, sustentar sua família, defender a cidadania e merecer um mínimo de respeito, só assistimos às controvérsias, desculpas esfarrapadas e chicanas jurídicas acontecendo para aliviar a canalha. Estamos numa espiral descendente sem precedentes, com os atuais “falsos líderes” buscando a permanência em seus palácios e mordomias imorais, a ponto de o ex-presidente ser investigado junto com os mandatários corruptos do Senado e da Câmara, que, igualmente, se equilibram em apoios vergonhosos para não visitar definitivamente o lugar que lhes faça justiça, ou seja, a cadeia. Temos um presidencialismo de “coaliz&a tilde;o” em que a melhor definição chama-se conluio dos corruptos, ou seja, “você me ajuda e eu te protejo”. E assim o nosso Titanic já afundou, com milhões de desempregados, além de inibir aqueles que desejam estudar e ser alguém. Não está sobrando nada aos decentes, pois que o Estado brasileiro da Pátria Educadora não forma jovens, atrapalha quem produz e se esquece dos que ajudaram a construir um país tão potencial. Enquanto eles se escoram nos doutores da lei, a Nação arruinada se arrasta no atraso e na desmoralização interna e externa. Até quando, Brasil?

 

João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com

Barueri

 

*

PROCURA-SE

 

O Brasil está precisando de um estadista que, sem qualquer ranço ideológico, tenha coragem e respaldo político e popular para propor reformas e propostas claras e objetivas nas áreas administrativa, política, trabalhista, da Previdência e tributária, para serem discutidas com seriedade pela sociedade e sem estarem vinculadas ao calendário eleitoral, ao contrário do que vemos hoje, velhas soluções imediatistas para os mesmos problemas de sempre. E, com certeza, a presidente Dilma não é a pessoa mais indicada para isso, mas parece que ela ainda não entendeu isso. Ou será preciso desenhar?

 

Celso Neves Dacca celsodacca@gmail.com

São Paulo

 

*

DIREITA VOLVER!

 

A volta da democracia ao País ainda produz questionamentos em alguns setores da sociedade com toda esta bandalheira atualmente reinante no Brasil. O País está falido. Culpa de quem colocou no poder esta gangue da estrela vermelha que o juiz Celso de Mello definiu como “projeto criminoso de poder”. Não se trata, evidentemente, de pregar o retorno dos militares ao poder – longe disso –, mas é notório vislumbrar o despreparo do ponto de vista educacional e cultural da classe política em se alinhar aos preceitos republicanos. Os militares que conduziram o Brasil morreram pobres, tendo sido necessário familiares deles se cotizarem para pagar as despesas de funerais. E estes que estão no poder, vão morrer pobres ou ricos?

 

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.com.br

Santos

 

*

A FALÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES

 

Ao iniciar um novo ano, a análise da situação atual do Brasil merece muitas e profundas reflexões sobre a sua estrutura institucional. A Constituição cidadã de 1988, sob a liderança do grande homem público, um patriota da lavra de Ulisses Guimarães, deu grande contribuição para estabilizar a democratização do País após a ditadura militar de 1964, que causou inúmeros prejuízos à Nação, deixando um legado de grandes perdas para as nossas instituições. Direitos humanos foram lesados, crimes contras as pessoas foram cometidos, tais como torturas e mortes nas masmorras e cassações de mandatos populares sem direito à defesa. A Constituição federal foi rasgada e as suas páginas só são comparáveis à vergonha da hist&o acute;ria da escravidão negra. Nos tempos atuais, as nossas instituições merecem análise e reformas, senão vejamos: a legislação penal está inteiramente ultrapassada, pois os Códigos Penal e de Processo Penal são de 1940 e 1944, merecendo ser atualizados. Hoje o Brasil ostenta terrivelmente nas estatísticas  50 mil homicídios por ano e 150 execuções diárias. É o 2.º país nas Américas por mortes causadas por balas perdidas! O Legislativo permanece inerte e não toma a iniciativa de fazer estas reformas. Em Minas Gerais, que tem o território maior que o da Bélgica e o da França, com 853 municípios e 296 comarcas judiciais, quase cem estão desprovidas de juízes titulares, prejudicando a prestação jurisdicional. Em muitos Estados da Federação existe essa situaç&at ilde;o, causando as dificuldades já mencionadas. O País necessita também, urgentemente, de uma reforma política, pois não podemos conviver com a existência de inúmeras legendas de aluguel  que nascem a cada dia, totalizando, no momento, 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entre algumas reformas a serem propostas está a metodologia de apuração de votos para consagrar os eleitos. Não tem cabimento os senadores sem votos ocuparem as vagas dos titulares que morreram ou renunciaram para disputar outro mandato. Caso típico em Minas Gerais, onde suplentes sem voto ocuparam as vagas dos senadores Eliseu Resende, Itamar Franco e Hélio Costa. Outra mudança reclamada se refere ao chamado voto de legenda, com o qual muitos candidatos se elegem com a soma dos votos de outros. Isso constitui uma violação à vontade popular! De vem ser eleitos os mais votados, independentemente do partido a que estão filiados! Coincidência das eleições, outro aspecto que precisa ser reformulado trata-se da realização das eleições de dois em dois anos, tendo em vista os elevados custos para o Tesouro Nacional. O Brasil precisa também fazer um processo de saneamento dos seus gastos inúteis e supérfluos, para que haja recursos para a educação, saúde pública e realização de obras de infraestrutura tais como mobilidade urbana. É preciso reduzir o número exagerado de municípios, secretarias estaduais e órgãos públicos e empresas que não trazem benefícios para a população e o exerçam de forma gravosa aos cofres públicos. É preciso, pois, uma ampla auditoria em todos os Três Poderes, nas esferas federal, estadua l e municipal, para reduzir gastos supérfluos.

 

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

 

*

UM FATO LAMENTÁVEL

 

Lamentável a troca de Sibá Machado por Afonso Florence na liderança do PT na Câmara federal. Estou trocando a cultura e o preparo político de um profundo conhecedor dos problemas brasileiros por alguém no mínimo desconhecido. Esse fato é realmente lamentável.

 

José Piacsekk Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

A CRISE NA PETROBRÁS

 

Estamos numa crise política e damos uma importância muito grande às falcatruas deste governo, na Petrobrás e em quase todas as áreas em que o governo colocou políticos para mandar. No entanto, os bilhões roubados na Petrobrás são a ponta do iceberg dos problemas da estatal. O que a levou ao descalabro em que se encontra foi o jogo político que a fez investir em áreas que não são naturais dela, e os megainvestimentos no pré-sal, quando todo o mundo do petróleo sabia da existência de enormes jazidas de petróleo no EUA, o que faria fatalmente despencar o preço do petróleo. Desta maneira, é muito mais barato comprar petróleo a US$ 30 ou US$ 35 o barril do que produzi-lo aqui. A bandeira apregoada por Lula era sabiamente um barco furado, mas serviu para eleger Dilma, que, especialista em energia, sa bia disso. A dívida é a maior das produtoras de petróleo e, pior ainda, para saná-la, é preciso uma quinada total na sua direção, o que afetaria interesses de muitos aliados do governo. O petróleo barato inviabiliza 80% dos campos da Petrobrás, pois são de baixa produtividade, extraindo entre 1 mil e 16 mil barris de petróleo por dia, ou seja, entre US$ 300 e US$ 480.000 mil por dia, com custos acima disso, e teriam de ser abandonados (“O Estado de S. Paulo”, 25/1/2016). A diretora de Exploração e Produção da Petrobrás, Solange Guedes, descartou mudar a política em relação a estes campos, evidentemente por razões políticas. A única alternativa é vendê-los a companhias menores que podem operar a um custo menor, o que o governo descarta e, no entanto, é o que é feito no Mar do Norte. Nos sa crise é política, pois sem apoio dos “aliados” não se faz o que é preciso.

 

Carlos A. N. Brisolla carlos.brisolla@terra.com.br

Vargem Grande Paulista

 

*

EFEITO RUIM

 

Um dos efeitos perversos de um país entregue ao banditismo e com péssimos exemplos de lideranças é a total deterioração do serviço público. Tomemos dois casos recentes: o primeiro, a vergonhosa greve dos médicos peritos do INSS, que deixou milhões de cidadãos sem atendimento, sem esperança e sem dinheiro. Um bando de gente vil e sem nenhum respeito pelo trabalho e pelos seres humanos. O segundo caso é relativo ao genocídio ocorrido na Boate Kiss, há três anos, com mais de 200 mortos. Até hoje, ninguém foi punido. Isso mostra o descaso do Poder Judiciário para com a sociedade e, novamente, cidadãos, e, neste caso, com as famílias dos mortos na boate. O Judiciário mostra seu desprezo pelas pessoas. Fica a pergunta: para que precisamos desse tipo de gente? Para que servem esses servidores? E o pior: custam fortunas para os trabalhadores decentes do País.

 

André  Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

 

*

GREVE DE CURTA DURAÇÃO

 

A greve realizada pelos aeronautas e aeroviários brasileiros na quarta-feira tumultuou a vida de quem precisava viajar entre as 6 horas e as 8 horas. Mas, dependendo de seu desfecho, poderá servir de modelo às demais categorias que buscam fazer chegar suas reivindicações ao empregador. Cabe, do outro lado, ao empregador entender o recado e partir para a negociação sincera, que leve ao equilíbrio entre o pedido e a possibilidade. Paralisações de poucas horas ou até de minutos são comuns nos países desenvolvidos, onde a greve busca produzir apenas os efeitos trabalhistas e nem de longe contemplam metas políticas ou ideológicas. Precisamos acabar com as greves intermináveis, especialmente as do serviço público, em que os grevistas prejudicam a população usuária de seus serviços e, ainda, ganham sem trabalhar. O direito de greve é constitucional, mas a politização do movimento tem levado o Brasil a perder muito. Isso é inadmissível.

     

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo         

 

*

A VERDADEIRA PÁTRIA EDUCADORA

 

Coisas do Brasil: na segunda-feira (dia 1.º de fevereiro), ladrões furtaram de uma residência no Cambuci um lote de 3 computadores que contêm uma pesquisa científica de âmbito internacional desenvolvida pela Unesp com participação de acadêmicos franceses sobre a história da imprensa e da leitura no Brasil. O detalhe é que não conseguirão vender os equipamentos, pois possuem sistemas de segurança, não podendo ser destravados ou mesmo formatados. No entanto, além da própria ferramenta de processamento, os dados são importantes e precisam retornar aos pesquisadores, sob pena de prejuízo à academia, aos profissionais, ao conhecimento da história nacional e ao próprio contribuinte, pois as máquinas são patrimoniadas (logo, do Estado). Já há investigadores trabalhando no caso, mas o mais provável é que ninguém dê muita atenção ao assunto, pois o que representam a educação e a pesquisa numa terra arrasada moral, política e economicamente, como a nossa?

 

Marcelo Januário informa2016@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CARTA À PRESIDENTE

 

Se você acha que o caminho para a ressuscitação da economia brasileira passa pelo aumento da competividade e inovação, e não dos impostos; pela diminuição do tamanho do Estado, e não pelo aumento de seu insuportável peso; pelo intenso combate à corrupção e aumento da transparência das ações governamentais; pela melhoria mensurável da qualidade de educação, saúde e transporte, e não pelo lançamento de campanhas publicitárias (Mais Médicos, Pátria Educadora), então escreva à presidente Dilma, que declarou precisar das ideias do Conselhão, pois este somos nós! Aproveite, também, para perguntar por que não implantou nenhuma reforma política ou econômica digna do nome nos últimos cinco anos.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

INVESTIMENTOS EM MARCHA À RÉ

 

Não causa surpresa alguma o fato de este desgoverno lulopetista sob a direção (?) de Dilma ter feito recuar em anos os investimentos federais. São tão incompetentes que não conseguiram viabilizar as parcerias público-privadas no setor de infraestrutura, como transportes, por exemplo. E, pasmem, recuaram também os investimentos na educação (Pátria Educadora?) e na Defesa, esta sempre sofrida, impedindo as Forças Armadas de prosseguirem minimamente alguns dos seus projetos básicos. Deve ser por isso que os militares serão sancionados com uma recomposição de 5,5% em agosto (?), contra uma inflação que terminou o ano em 10,67%. Será que a diferença será investida em algum programa prioritário?

 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.