Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2016 | 02h56

Ano novo

A Quarta-Feira de Cinzas marcou o início de um ano cheio de emoções fortes para os brasileiros, especialmente para o ex-presidente Lula e sua discípula Dilma Rousseff. Lula enfrentará as investigações sobre as propinas dadas por meio das obras no sítio em Atibaia e no apartamento no Guarujá. Dilma, que tem a espada de Dâmocles sobre a cabeça, enfrentará o impeachment. Correndo por fora estão os presidentes da Câmara e do Senado, ambos com o rabo preso na Justiça. De fato não faltará assunto para o cotidiano da população informada. Para os que se alienam nas comemorações de carnaval, as emoções só virão, pouco a pouco, com os preços inflacionados dos alimentos e dos produtos de primeira necessidade.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Retiro de carnaval

Onde será que a família Lulla da Silva passou os dias de carnaval? No tríplex no Guarujá ou no sítio em Atibaia? Acredito que em nenhum deles, pois esses imóveis estão sendo vigiados. Mas como a família e o próprio estão repletos de amigos generosos, devem ter passado em algum lugar paradisíaco que logo será alvo de investigação também.

DALMIR MEDEIROS

dalmirmedeiros@uol.com.br

São Paulo

Bancoop

O artigo O recruta Lula contra o resto do pelotão (10/2, A2), de José Nêumanne, é contundente e bem estruturado, mas me falta ainda uma informação e gostaria, até esperava, que o excelente articulista desse algum esclarecimento. Como ficam os sindicatos e sindicalistas recentes, que viram seus membros ser ludibriados, quanto à atitude de seu líder e de seu partido, se é que assim podemos falar? Afinal, para doar um apartamento, reformado por R$ 770 mil, alguém levou na cabeça. Não há almoço grátis. Estamos vendo isso nas nossas costas, aposentados, operários e classe média restante. Só os sócios do Bolsa Família e os financiados pelo BNDES se salvam. Mas creio que um pronunciamento desses sindicatos seria oportuno. Ou estão de acordo?

M. MENDES DE BRITO

voni.brito@gmail.com

Bertioga

Esquadrão de defesa

Li no Estadão de 9/2 que a cúpula do PT cobra de Lula “a contratação de uma equipe de advogados de peso, para intimidar a nossa Justiça”. Como conseguir esse objetivo? Esquadrão de advogados do MST devidamente armados de facões e foices, bonés vermelhos na cabeça e sanduíches de mortadela na pasta? Porque esquadrão de advogados de maior peso que os que compareceram ao plenário do Supremo Tribunal Federal quando da abertura do processo do mensalão, indiscutivelmente, não existe. E deu no que deu. Ou melhor, deu Papuda! E ainda existe alguma opção? Rá, rá, rá!

JOSÉ WILSON LOPES

jwlopes@uol.com.br

Garça

Prepotência

E a Lava Jato vai lá se intimidar, como diz a cúpula do PT, com os tais “advogados de peso”? Dizer isso é que é intimidação!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Direita e esquerda

O PT defende Lula dizendo que as acusações contra ele são coisa da direita. E por abominar a direita o partido aliou-se, vendeu-se a Sarney, Collor, Maluf, Renan Calheiros... Quando é que os petistas vão pensar, ao menos um pouquinho, nas besteiras e incoerências que dizem?

VANDERLEY JORDÃO

vandjord@outlook.com

São João da Boa Vista

Desagravo do povo

Pretende o sr. Rui Falcão, presidente do PT, promover um desagravo do ex-presidente Lula porque ele vem sendo acusado e apontado como feitor de coisas indevidas pelos órgãos e entidades que promovem a aplicação da justiça neste país. Mas quem fará o desagravo da população deste país, jogada que foi no fundo do poço da recessão e outras coisas tão deprimentes quanto?

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Falácias

Conviver e respeitar posições diferentes faz parte de uma sociedade democrática. Contudo é difícil aceitar a pertinência dos argumentos do sr. Rui Falcão, presidente nacional do PT, em defesa do ex-presidente Lula, os quais distorcem fatos concretos divulgados pela mídia brasileira.

NILCE PIVA ADAMI

npadami@uol.com.br

São Paulo

Lula nunca mais!

Não importa o que diga o falastrão da vez, sr. Rui Falcão, sobre o “linchamento” de Lula. Não importa se o tríplex no Guarujá e o sítio em Atibaia são ou não dele, nem se cobrou milhões por suas inúteis palestras internacionais. Tampouco importa se sabia de tudo ou de nada. Lula nunca mais! Vamos trabalhar para limpar esse passado e construir o futuro, esquecendo o Lula. O Brasil tem pressa de se reconstruir. É isso que importa. Vamos deixar a Lava Jato e o japonês da Federal fazerem o que têm de fazer. Mas não sem antes esgotar todas as possibilidades de interromper o mandato da sua cria: pressão pra renúncia, impeachment, estelionato eleitoral, plebiscito. Não deixar por menos. Lula, Dilma, PT? Nunca mais!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Petismo envergonhado

Rui Falcão, o “lábios trêmulos”, determinou que o programa político do PT não colocasse a voz de Lulla e Dillma em suas inserções. O motivo é óbvio: evitar novos panelaços. Mesmo assim a tigrada se agarra com unhas e dentes ao osso do puder.

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

MALDDADES

Ainda a Giovanni Gronchi

As malddades do prefeito e do seu secretário de Transportes na região da Avenida Giovanni Gronchi não se limitam à controversa faixa de ônibus. O trânsito foi desviado do trecho final do “ladeirão” – que apresentava um ótimo esquema de faixas reversíveis a partir das 17 horas – para um trecho ainda mais deserto e perigoso, onde três vias confluem em outra mais estreita, esburacada, íngreme e escorregadia. O motorista ainda tem de encarar engarrafamentos decorrentes da suspensão, pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), das faixas reversíveis pela manhã em frente ao palácio do governo do Estado (dos Bandeirantes), o que, desnecessariamente, inferniza ainda mais a vida dos motoristas.

CARLOS E. LESSA BRANDÃO

celb@iname.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

QUESITO APURAÇÃO, NOTA ZERO

Mais uma apuração do carnaval de São Paulo para nos envergonhar. Esta turma das escolas de samba passa o ano todo montando um espetáculo carnavalesco e, na hora da apuração do resultado, nos faz assistir (e ao mundo inteiro) a cenas deprimentes dos senhores do carnaval praticando pastelão por causa de míseros pontos. E tendo, ainda, a Polícia Civil na proteção deste circo, uma polícia que é remunerada pelos impostos que pagamos todo santo dia e que deveria estar na rua, combatendo o crime contra nós, cidadãos. No ano que vem, todas estas escolas de samba deveriam desfilar no Sambódromo com uma faixa nos carros abre-alas: “Desculpem-nos a vergonha da apuração 2016”.

 

Deodoro M. Santos deo.santos0105@gmail.com

São Paulo

 

*

INDIGNOS DO DINHEIRO PÚBLICO

 

É lamentável o que nos proporcionaram na terça-feira no Anhembi, durante a apuração das notas das escolas de samba que participaram do desfile de carnaval de São Paulo. Num determinado momento, elementos pertencentes a diretorias de escolas, não concordando com notas recebidas, simplesmente se atracaram com socos, pontapés, muita agressividade e marginalidade. Verdadeiros trogloditas. Foi preciso que o Grupo de Operações Especiais (Goes) interferisse, portando até armas de grosso calibre para intimidá-los e acalmá-los. É bom que nosso excelentíssimo prefeito Fernando Haddad tenha assistido a tudo, para que no próximo ano não lhes dê nosso dinheiro, como faz todos os anos.

                                                                                                                                                                     Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

VEXAME

 

O vexame na apuração dos votos das escolas de samba de São Paulo, mostrado para o mundo inteiro, só não foi maior do que o apresentado pelos nossos políticos por ocasião da tentativa de impeachment de Dilma Rousseff.

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

CARNAVAL DE RUA

 

Aí está o grande legado do sr. Fernando Haddad em São Paulo: muito lixo na rua, gente bêbada para todo lado, cheiro de urina e a degradação de bairros antes pacatos. Isso é que é “democratizar o espaço público” ou “expressar-se carnavalescamente”, como disse um professor da Unesp em entrevista ao “Estado” (8/2)! E o gênio ainda comparou os blocos de carnaval de rua ao Movimento Passe Livre e à invasão das escolas estaduais. Nisto ele até está certo: são manifestações de uma esquerda desesperada, sem rumo.

 

Marcello Menta Simonsen Nico mentanico@hotmail.com

São Paulo

 

*

PRAÇA ROOSEVELT

 

O “Estadão” de 8 de fevereiro publicou, em primeira página, a fotografia de uma foliona num terraço na Rua Martins Fontes e, ao fundo, a Rua Augusta e a Praça Roosevelt cobertas de gente. Parecia uma festa bonita, divertida, alegre. Talvez até fosse – mas não para os moradores do entorno da Praça Roosevelt e das ruas vizinhas. Em 29 de janeiro, os blocos carnavalescos vieram para as ruas, e, desde então, a situação do nosso bairro piorou ainda mais. Blocos que extrapolam seus horários acordados com a subprefeitura, ou adotam percursos não permitidos, ou têm participantes em número muito superior ao previsto, ou não têm permissão da subprefeitura para sair, mas decidem sair assim mesmo. Blocos que deveriam apenas passar pela Praça Roosevelt, mas ali permanecem por horas a fio, com trios elétricos extrapolando todos os decibéis admissíveis. Pessoas que fazem sua festa particular numa praça que já se tornou sinônimo de desrespeito aos milhares de vizinhos que têm tido seu direito ao sossego violado diariamente, desde setembro de 2012 – data em que a nova Praça Roosevelt foi inaugurada. Esses moradores foram submetidos a horas ininterruptas de som, música, gritos, fogos de artifício, batuques e trios elétricos em volume que ultrapassa todos os limites. Isso vai pela noite adentro, muito além das 22 horas – e cabe lembrar que perturbação de sossego não tem limite de horário. Os foliões ficam a madrugada toda gritando, tocando, batucando e cantando, devidamente abastecidos de álcool e drogas. Nos apartamentos vizinhos o som, amplificado pela acústica da praça, é ensurdecedor, enlouquecedor e insuportável. Os banheiros químicos não livram a praça nem as ruas vizinhas da urina, das fezes e do vômito dos foliões. Na manhã seguinte, os varredores não dão conta de limpar todas as ruas do entorno e os moradores da região têm de caminhar em meio a todos esses dejetos, embalagens de cerveja e garrafas quebradas, respirando o horrível fedor. Muito se falou, desde o carnaval de 2015, sobre a necessidade de respeito aos moradores, considerando o que acontece na Vila Madalena. Ora, na Praça Roosevelt a mesma situação aconteceu no ano passado e continua acontecendo, sem que nenhum meio de comunicação faça qualquer registro. Parece que na região da Praça Roosevelt não mora ninguém! Mas há milhares de cidadãos sem dormir por noites a fio, com a saúde física e mental prejudicada; trabalhadores que não têm tido o descanso necessário; crianças nervosas e com comportamento alterado; e pessoas doentes que precisam de um mínimo de tranquilidade para suportar sua condição. Nas ruas e na praça apinhadas de gente, uma pessoa não consegue ir de um lado a outro. Vizinhos não conseguem chegar a sua casa. Fecham-se artérias importantes para o trânsito de veículos e ônibus. Essas vias – por exemplo, a Avenida da Consolação (nos dois sentidos) e a Rua Augusta – ficam várias horas totalmente tomadas por foliões, impedindo o ir e vir, além do acesso de bombeiros ou ambulâncias. Não se vê nenhum órgão público sequer tentando controlar a situação, que logo se torna incontrolável. Quem passar mal no meio da multidão não conseguirá socorro; quem estiver a fim de assaltar ou barbarizar, com um revólver ou uma faca, terá impunidade garantida. Para entender, basta avaliar a foto publicada pelo jornal. O carnaval é uma festa muito brasileira, não há dúvida, mas urge planejar um carnaval de rua com mais civilidade, mais controle dos órgãos públicos, mais rigor com relação a horários e percursos e, principalmente, mais respeito aos moradores da região. Uma festa que não infrinja o direito de ir e vir de todos os cidadãos. Que não perturbe indefinidamente o sossego e o descanso de quem não quer ou não pode brincar. Que não acarrete problemas de saúde para os moradores. Enfim, uma festa democrática, em que possa brincar ou descansar quem quiser fazê-lo.

 

Lia Zalszupin, vice-presidente da Associação dos Moradores e Amigos do Bairro da Consolação e Adjacências vicepresidenciaamacon@gmail.com

São Paulo

 

*

PLANEJAMENTO

 

Tendo em vista que o Autódromo de Interlagos e o Estádio Municipal do Pacaembu, pertencentes à Prefeitura do Município de São Paulo, juntos têm espaço suficiente para acolher perfeitamente o número de alegres foliões que aproveitam o carnaval para manifestar todos os desejos de liberação de recalques, crises de gênero, traições sem culpa, consumo de drogas, molecagens, etc., etc., etc., e que representam no máximo 3% da população paulistana, para o ano que vem o sr. prefeito poderia canalizar essa minoria para esses locais, deixando em paz os demais 97% idosos (entre os quais me incluo), crianças e outras pessoas, na maioria trabalhadoras – que não possuem tríplex ou sítios suntuosos para fugir da Capital nesses tenebrosos dias –, para desfrutar ao menos do descanso noturno garantido pela Constituição federal. É provável que o atual prefeito já não esteja no cargo no próximo ano, mas bem que podia fazer algo razoável ainda este ano.

 

Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com

São Paulo

 

*

DESCENDO A LADEIRA

 

Não é impressionante a grande quantidade de pessoas que se diverte pelas ruas do País, muito maior que em carnavais de anos anteriores? Essa grande multidão em todas as cidades mostra que neste ano de 2016 o Brasil teve “o maior carnaval de rua de todos os tempos”, o que os números confirmam. Mas isso não acontece por acaso nem por algum arrebatamento de imensa alegria da população. Ao contrário, a falta de dinheiro não deixou ao povo outra alternativa senão a mais barata e “democrática” de todas, que é divertir-se pelas ruas de suas próprias cidades, já que não dá para viajar nem gastar em clubes ou desfiles. O noticiário chega a mostrar os foliões levando de casa suas geladeiras de isopor com a cerveja gelada e o tira-gosto, pois nem dá para comprar nada pelas ruas. Lá vem o Brasil, descendo a ladeira.

 

Edwin Parra Rocco edwrocc@gmail.com

Santos

 

*

CARNAVAL BRASILEIRO

 

O povo pula e bebe para esquecer a m... em que este país se transformou!

 

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

 

*

PANELAÇO

 

Nota 10 a Escola de Samba São Clemente, que, trazendo em sua bateria colheres de pau e panelas, avisou que o panelaço continua vivo na cabeça do povão.

 

Leônidas Marques leo.marques.vr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

 

*

COMEÇA O ANO

 

Ufa, o carnaval terminou! Agora, vai trabalhar, Brasil, para tirar o atraso, recuperar a esperança, focar no que interessa. Chega de circo, precisamos de mais pão. Que o brasileiro tenha a mesma energia para sair às ruas no dia 13 de março!

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

DEPOIS DA FOLIA

 

Na política brasileira, depois da tempestade, ao invés da bonança virá o dilúvio.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

A VERDADE PREVALECE

 

Joseph Goebbels, ministro das comunicações de Adolf Hitler, tornou célebre a frase “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. Esse é o artificio dos “petralhas” para ludibriarem o incauto povo brasileiro. Rui Falcão, presidente do PT, acusa a oposição e setores da direita de promoverem um linchamento político e moral de Lula, mas o carnaval acabou e a máscara do homem “mais honesto do Brasil” caiu.

 

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

 

*

MUITO FÁCIL CULPAR OS OUTROS

 

Para o PT, é fácil culpar a oposição pelo fracasso do governo, porém as sucessivas denúncias nas Operações Zelotes e Lava Jato não param de apontar supostos fraudadores do dinheiro público. Que a Petrobrás foi saqueada é fato, basta ver a situação da empresa e o valor de suas ações. Com uma inflação insuportável, em que os preços não param de subir, desemprego fazendo suas vítimas, 8 dos 9 programas sociais do governo Lula/Dilma perdendo recursos, será que tem algum brasileiro que acredita que a culpa do fracasso do PT está na Lava Jato, na crise lá fora ou no desânimo do brasileiro? A propaganda gratuita do PT conclama o povo a ir trabalhar, pois o carnaval acabou e o ano de 2016 vai começar. Vai começar para os políticos, o povo que sustenta a camarilha já foi agraciado com IPVA, IPTU e logo mais o será com o Imposto de Renda. Ao contrário do carnaval que acaba na quarta-feira, a justiça brasileira prossegue com seu trabalho.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

CULPADO OU INOCENTE?

 

O PT afirma que nunca na história deste país um ex-presidente foi tão perseguido. “Querem seu linchamento”, completam. E, “en passant”, o PT atribui à oposição tal maldade. Caros petistas, tomara tivéssemos uma oposição que fizesse jus a este nome, pois, se assim fosse, Lula teria sido impedido desde o mensalão. Esta oposição, de tão benevolente, deixou para lá naquela ocasião. E até agora fica constrangida em pedir o impeachment de Dilma Rousseff. Tem oposição mais amiga do que esta? Então, isso posto, quem seria o algoz? O juiz Sérgio Moro? Os procuradores de Curitiba, o “Japa” da Polícia Federal? Enfim, quem o persegue tão cruelmente? Que se saiba: estes são órgãos que agem conforme a lei e só não existiriam para cumprir sua missão de investigar caso estivéssemos numa ditadura das mais ferozes, como a da Coreia do Norte de Kim Jong-un. Então seria bom que o PT, por meio do Instituto Lula, explicasse ao distinto público quem faz essa maldade com o pobre do Lula, que é pobre moralmente falando e pecuniariamente também, já que tudo aquilo de que usufrui não lhe pertence, nem a seus filhos. Tudo lhe é emprestado por amigos generosíssimos que jamais pedem algo em troca. Amizade pura, coisa bonita essa! Sugiro, então, que Lula apele para uma corte internacional, pois, pelo que alegam, está sendo tratado como um perseguido político. Será ótimo, pois, assim, o mundo inteiro poderá tirar a prova dos nove: culpado ou inocente?

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

O LINCHAMENTO DO POVO

 

Quero esclarecer ao presidente do PT, sr. Rui Falcão, o seguinte: linchamento sofre o povo brasileiro há 13 anos, vendo o sr. Lula roubar e mentir descaradamente ao dizer que nunca sabe de nada – mas ele sabe enriquecer seus familiares, amigos e adquirir bens que não condizem com o seu salário. Linchamento sofre o povo que está sem saúde, sem emprego, enfrentando juros altos e bancos e financeiras agindo como agiotas, destruindo a vida de milhões de trabalhadores endividados, vendo bilhões roubados e os bandidos livres. Linchamento sofre o povo para ir trabalhar, sem transporte coletivo de qualidade, e, quando vai de carro, toma multa a 40 km/h e ainda é assaltado nos semáforos e no trânsito caótico. Linchamento sofrem nossos filhos sem escola, sem transporte escolar, sem segurança. Linchamento é ver nossas estatais servirem apenas para empregar seus amigos e serem levadas à falência pela péssima administração federal. Linchamento é roubar por 13 anos e, depois, implantar mais um imposto para fazer o povo pagar a conta da irresponsabilidade e da impunidade do seu partido. Então, sr. Rui Falcão, pense antes de falar e jogar a população uns contra os outros para defender um déspota irresponsável. Já temos problemas demais com o PT no poder.

 

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

 

*

‘O COITADO DO LULA’

 

Se é mesquinhez apontar uma história mal contada sobre a propriedade de um sítio paradisíaco em Atibaia e de um tríplex em Guarujá, reformados por empreiteiras implicadas na Operação Lava Jato, imaginemos o que nos espera na hora em que encontrarem coisas maiores que já não podem ser consideradas como tais.

 

Arrigo H. B. Terni arrigot@gmail.com

São Paulo

 

*

DEMAGOGIA

 

Forte e eloquente a coluna “Notas & Informações” de 8/2! Finaliza assim: “(Lula) tem a seu dispor todos os legítimos meios de defesa. Prefere a demagogia – a arte de engabelar os trouxas”. Após a eleição de 2014 o presidente Fernando Henrique afirmou que Dilma Rousseff foi eleita pelos eleitores pouco esclarecidos. O lulopetismo acusou de preconceito, como sempre. Agora, estão fazendo de tudo para comprovar que foi isso mesmo.

 

Jose Antonio Garbino ja.garbino@gmail.com 

Bauru

 

*

CASA PRÓPRIA

 

O sonho de Lula no programa Minha Casa, Minha Vida está indo por água abaixo. Pegaram o seu tríplex no Guarujá e o seu sítio e o seu barco em Atibaia. Que tristeza, hein?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

PERGUNTAS

 

As perguntas que devem ser respondidas sobre o caso do ex-presidente Lula são: por que a empresa OAS pagou a reforma do apartamento do Guarujá? Por que as reformas do sítio de Atibaia forma feitas e pagas pela Odebrecht? Por que o ex-presidente e família frequentavam o sítio com muita frequência? Por que são feitos os obséquios a Lula? A mentalidade de que ninguém tem nada que ver com os favores é anacrônica do ponto de vista legal, porque troca de benefícios como forma de pagamento oculto é considerada propina e é crime. Eu não tenho dúvida de que as graças prestadas a Lula são uma forma de corrupção que deve ser punida e eliminada do cenário político brasileiro.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

VERGONHA?

 

Eu não sei por que Lula quer tanto esconder o sítio de Atibaia e o apartamento do Guarujá. Será por medo da Justiça ou vergonha de fazer parte da “zelite”?

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

QUEM É O DONO?

 

Como disse um amigo meu, “tríplex de bêbado não tem dono”.

 

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br

São Paulo

 

*

APARTAMENTO NO GUARUJÁ

 

João Vaccari Netto, ex-tesoureiro do PT, declarou ser proprietário de apartamento no Edifício Solaris. Não sabe em que em andar, nem qual é o apartamento. Pergunta: ele não paga condomínio todos os meses? Ou paga sem saber onde é? Ou quem paga?

 

Francisco de Castro fcastro48@gmail.com

São Paulo

 

*

HORTALICEIRA

 

O “Estado” noticiou que dona Marisa Letícia promove festas, cuida de horta, planta frutíferas e cria patos no sítio de Atibaia (8/2, A6). Deveras diligente a ex-primeira-dama, reconheça-se, dando de barato que as festas fazem parte da catarse da tribulação do cotidiano, que ninguém é de ferro.  Mas, verdade se diga, haja pés de couve, goiabeiras, avezinhas aquáticas e congêneres para compensar a derrubada de 173 mil m2 da Mata Atlântica para dar lugar ao sítio em questão, descanso do guerreiro.

 

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

 

*

REFORMA

 

Eu gostaria de convidar o ex-presidente Lula a minha casa. Quem sabe consigo uma reforma grátis com alguma empreiteira amiga?

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

AMIZADES

 

Eu sou um sujeito realmente azarado. Não tenho nenhum amigo empreiteiro...

 

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br

São Paulo

 

*

COMPARAÇÃO ABSURDA

 

O ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro da Justiça Tarso Genro (PT-RG) alegou que o que estão fazendo com Lula equivale ao que Hitler fez com os judeus na 2.ª Guerra Mundial. A nosso ver, não é possível que uma pessoa em pleno gozo de suas faculdades mentais possa proferir uma aberração desta. Ninguém está matando ninguém e Lula está sendo investigado segundo os ditames da lei. Temos uma Constituição. Se há indícios de atos contrários ao que prescreve a lei, por que não investigar?

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

ESTUPIDEZ

 

A infelicíssima declaração do judeu Tarso Genro comparando Lula aos perseguidos pelos nazistas merece a histórica resposta de Simon Wiesenthal: “Um judeu pode ser estúpido, mas isso não é obrigatório”.

 

Alberto Dwek aldwek@hotmail.com

São Paulo

 

*

CARNAVAL EM CASA

 

Senti falta da família Silva na Sapucaí e no Anhembi... Eles poderiam ter ido para testar a popularidade no quesito honestidade, corrupção e mentiras.

 

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br 

Ourinhos

 

*

‘CEPA’ COMPROMETIDA

 

O sr. Lula da Silva reclamou com dona Dilma Rousseff e com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por eles não “brecarem” as notícias advindas das Operações Zelotes e Lava Jato, enfatizando que ele é alvo de campanha difamatória não só da mídia conservadora, mas também das “zelites” e da oposição golpista. Entretanto, entre essa reclamação e a construção de uma imagem de mártir, seu filho caçula agora aparece novamente no noticiário sendo acusado de receber R$ 500 mil do E. C. Corinthians Paulista sem ter efetuado nenhum tipo de trabalho, o que foi confirmado pelo ex-diretor de Marketing do E.C.C.P., sr. Luiz Paulo Rosemberg. Se for pelos frutos que se conhece a árvore, a “cepa” dos da Silva de São Bernardo do Campo está totalmente comprometida.

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

 

*

POLÍCIA FEDERAL

 

Faço, aqui, uma pergunta a dona Dilma e ao seu ministro da Justiça: existe no Brasil alguma lei que diferencie cidadãos de primeira e de segunda classes, ou seja, aqueles que são alcançados pela Polícia Federal e pela Justiça e os que não? Pois, de acordo com a Constituição, todos são iguais perante a lei. Portanto, Dilma e Cardozo, seu ex-chefe Lula deve, sim, ser tratado como um cidadão comum, e, se for preciso, responder por atos praticados.

 

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

 

*

NOS TEMPOS DE MURICI

 

Nos artigos de Dora Kramer (“República de Murici”) e de Eliane Cantanhêde (“Prova dos Nove”) em 7/2, as comentaristas de política conseguiram, em conjunto, sintetizar a real situação do País. Uma realidade que eu, que nasci quando o presidente era o então ditador Getúlio Vargas, jamais assisti. Os desmandos que ocorreram desde 2003 e vêm ocorrendo no Brasil atingiram tal magnitude que, embora a vaca ainda não tenha ido para o brejo, está aflita para entrar. O desconcerto que a presidente Dilma conseguiu realizar em nossa economia, em seu primeiro mandato, foi de tal magnitude que, para restabelecer o que era quando ela tomou posse, em 2011, dependerá de uma conjunção política difícil de concretizar e que dificilmente será alcançada em face da absoluta falta de capacidade da chefe de Estado. Dora Kramer foi buscar o provérbio “em tempo de murici, cada um cuida de si” para descrever a situação atual. Murici é uma fruta nacional do Norte e do Nordeste do Brasil, totalmente alheia ao significado do adágio, que é equivalente ao “salve-se quem puder”. Uma outra coincidência apontada pela colunista é que Murici é uma cidade de Alagoas onde a família do presidente do Senado manda e desmanda. Os processos relativos à Operação Lava Jato entram, agora, em sua fase dos depoimentos e julgamentos dos políticos agraciados com as delações premiadas, entre eles simplesmente a quase totalidade das mais altas autoridades do País. As investigações também vêm se aproximando decididamente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste particular, cumpre chamar a atenção para o fato de que uma eventual comprovação de seu envolvimento na maior maracutaia da nossa história, o castelo de areia montado pela quadrilha desabará sob a onda de um mar de lama. Já Eliane Cantanhêde, depois de descrever as situações periclitantes de nossos políticos, como o fez Dora Kramer, foca o seu comentário sobre a única alta autoridade que ainda não é investigada pela Operação Lava Jato, o presidente do Supremo Tribunal Federal, que, de acordo com a nossa a nossa Carta Magna, poderia assumir o comando da Nação se os demais forem destituídos. E sobre ele pesa a impressão deixada pela sua atuação no processo do mensalão e, agora, no da Lava Jato, pois é muito próximo do ex-presidente Lula e o maior aliado do PT no Judiciário. Eu não acredito que o ministro Ricardo Lewandowski interferirá no sentido de complicar o hipotético julgamento, pois, no tempo de murici, cada um cuida de si.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

PROVA DOS NOVE EM RISCO

 

Na edição de 7/2, o excelente artigo da excelente Eliane Cantanhêde mostra que o agora dilmista Renan Calheiros jogou magistralmente para se livrar, no STF de hoje – diferente daquele ao qual Joaquim Barbosa deu honorabilidade – de qualquer acusação. O risco é só para a “Prova dos Nove”. As más línguas (teriam razão?) criaram coisas como “SPTF” e “Lulandowski”...

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

 

*

A DEFESA DE DELCÍDIO

 

Os advogados do senador Delcídio Amaral, ex-líder do governo no Senado, entraram com pedido de anulação da gravação feita pelo filho de Nestor Cerveró, alegando ilegitimidade. O que eles queriam, afinal? Que o garoto pedisse licença ao senador para gravar? Ou pedisse autorização ao Supremo Tribunal Federal (STF), cuja maioria dos atuais ministros foi nomeada pelo atual governo, ligado ao PT? Esses advogados estão piores do que os tais famosos “advogados de porta de cadeia”, porque nunca encontraram pela frente um juiz Sérgio Moro, que vem moralizando nossa Justiça de baixo para cima. Aí ficam desarvorados mesmo.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

POR QUE ANULAR A GRAVAÇÃO?

 

Qual é o problema em investigar Delcídio Amaral, se ele não fez nada de errado? O próprio Delcídio, que não deve nada a ninguém, deveria incentivar a continuação das investigações baseadas na gravação feita pelo filho de Nestor Cerveró, a fim de esclarecer de uma vez por todas essas acusações de que ele teria participado do esquema de corrupção da Petrobrás. Por que a defesa de Delcídio pediu ao STF a anulação dessa gravação?

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

A LENDA

 

Diz a lenda que havia uma deusa que punia com severidade a arrogância e a presunção. Hoje, naturalmente, com certeza, puniria a roubalheira desta quadrilha de marginais que se aproveitou da inocência de milhões e a esperteza de milhares para chegar ao poder e se lambuzar com tanta mordomia e pôr a mão no nosso dinheiro. Aliás, o castigo para muitos já começou com o mensalão e a Operação Lava Jato. Mas, contudo, ainda falta o articulador, o mentor cruel desta roubalheira. Depois de tantas evidências, ele precisa ser incluído na Lava Jato. Não podemos deixar que escape, o japonês da Federal precisa bater à sua porta. Temos muito que agradecer à turma da Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e, principalmente, ao corajoso juiz Sérgio Moro. Se eles não atuassem tão bem, ainda estraríamos sendo roubados por todos eles que, felizmente, estão na cadeia – nem todos.

 

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

JOGOS OLÍMPICOS

 

Quando será aberta a CPI para apurar o superfaturamento e as propinas pagas sobre os R$ 39 bilhões gastos?

 

Sergio Scalisse sscalisse@hotmail.com   

Jacareí

 

*

QUE VANTAGEM HAVERIA?

 

Vendo os petistas em festa porque um delator da Operação Lava Jato acusou Aécio Neves (PSDB) de ter recebido propina, surgem duas perguntas. A primeira é a mesma que fez o juiz Sérgio Moro ao delator: por que o PT haveria de dar a um partido de oposição um canal de propina? Indo além: por que, então, o PT não fez uso desta informação durante a campanha presidencial de 2014, para abater o então candidato Aécio Neves, que ameaçava a vitória de sua candidata Dilma Rousseff? Havia algum acordo de longuíssimo prazo, do tipo “uma mão lava a outra”, entre o PT e o PSDB? Ou tratar-se-ia de uma mentira daquele delator, tão ligado ao PT e a José Dirceu? A segunda pergunta, e a mais importante, que todos se fazem, é: no que o fato de Aécio Neves e o PSDB receberem propinas aliviaria ou tiraria a culpa do PT dos seus crimes? Parece que a situação do PT e de Lula ainda se agravaria, uma vez que Lula, o presidente da República recém-eleito na época, teria dado ordens expressas para que o “esquema” com o PSDB em Furnas, seja lá qual fosse, continuasse. Em vez de Lula denunciá-lo ou acabar com ele, teria deixado ainda que tal esquema de corrupção permanecesse por longos 13 anos.  Cairia por terra o famoso “não sabia de nada” de Luiz Inácio Lula da Silva, que passaria da ignorância dos fatos para a corrupção ativa e prevaricação, sem escalas. Por fim, para os brasileiros de bem, se o PSDB participou do saque aos cofres públicos, que pague por isso na Justiça, junto com o PT e seus aliados. A maioria de nós, não petistas, não tem “corruptos de estimação” e não nutre o menor apreço por qualquer um deles, seja quem for. Que a Justiça seja feita.

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

ROUBO GENERALIZADO

 

O PSDB roubando no Estado de São Paulo, o PT roubando no Brasil inteiro, e o povo brasileiro roubado por ambos.

 

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva

 

*

REFLEXÕES

 

Enquanto o tal “Instituto” (sic) Lula” só faz defender os ladravazes (ladrões para os íntimos) da República, Fernando Henrique Cardoso oferece oportunas reflexões para os brasileiros. Vide o importante artigo “O certo e o errado”, publicado no “Estadão” de 7/2, entre muitos outros já publicados.

 

Ruy de Jesus Marçal Carneiro Ruycar88@uol.com.br

Londrina (PR)

 

*

‘O CERTO E O ERRADO’

 

Muito bom o artigo de Fernando Henrique Cardoso sobre o reducionismo do PT (7/2, A2). Apenas comento que, mesmo o partido tendo surgido pela influência de movimentos sociais católicos, como lembra o ex-presidente ao citar entrevista do sociólogo José de Sousa Martins, de forma alguma sua forma de fazer política pode ser comparada aos ensinamentos deixados por Jesus Cristo. A igreja não separa os bons dos maus nem os fiéis dos descrentes. Pelo contrário, ensina que todos somos pecadores, falíveis e que muitos dos que acreditam ser os primeiros a entrar no Reino dos Céus, na verdade, serão os últimos. O cristão não pode fazer distinção de pessoas, colocando-se como melhor do que os outros, como de maneira geral os partidários do lulopetismo agem.

 

Marcelo Furtado mrijofurtado@gmail.com

São Paulo

 

*

O BRASIL RETROCEDEU

 

Excelente o comentário de Fernando Henrique Cardoso na coluna “Espaço Aberto” de domingo. Com clareza e conhecimento, demonstra muito bem a política do atraso, do embuste, da farsa, do aparelhamento do Estado e de erros deste governo petista que ameaçam todas as conquistas do seu governo.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

COMPARAÇÃO

 

Leitor e assinante deste jornal há mais de 37 anos, peço que dentro do possível seja publicado neste “Fórum” qual era o volume de funcionários públicos federais no final da gestão FHC e qual é a atual situação, para que os leitores em geral possam sentir a vergonha que é.

 

Milton Birman mbirmaneng@uol.com.br

São Paulo

 

*

CASTA PRIVILEGIADA

 

É muito bom ser servidor público, pois ele tem estabilidade no emprego e não fica desempregado, como nós, da iniciativa privada. Servidores públicos têm aumentos salariais garantidos e, se aposentados ou pensionistas, seus salários são corrigidos como se fossem da ativa. Como bem colocou José Paulo Kupfer em seu artigo no “Estadão” de 9/2, 90% das despesas do governo estão atreladas a regras legais e são “imexíveis”. O resto da população que se vire para pagar impostos escorchantes em troca de nada. Vamos ver de onde o governo vai tirar dinheiro para pagar esses privilegiados, pois o povo não aguenta mais. Direitos adquiridos vão ter de ser revistos ou vamos todos para o brejo, incluídos aí os amigos do rei.

 

Airton Moreira Sanches moreira.sanches@uol.com.br

São Paulo

 

*

NOSSO SISTEMA POLÍTICO

 

O professor Miguel Reale Júnior, em seu artigo “Semipresidencialismo”, de 6 de fevereiro de 2016, acerta de forma precisa o diagnóstico, mas falha na prescrição. Um sistema de semipresidencialismo é sub-ótimo, por desnecessária complexidade, em relação ao que seria um sistema mais simples de parlamentarismo, em que apenas um governante, o primeiro-ministro, é “accountable” pelo governo, perante o Congresso. Não deveríamos nos mirar em democracias de Estado grande e eficiência baixa, como são os burocráticos e atrasados Portugal e França, mas em sistemas notadamente mais eficientes politicamente, como o do Reino Unido.

 

Julio A. Nunes Queiroz nunes.julio@gmail.com 

São Paulo

 

*

‘SEMIPRESIDENCIALISMO’

 

Magistral a análise de Miguel Reale Júnior (“Semipresidencialismo”, 6/2, A2) no sentido de que um regime semipresidencialista e o voto distrital são os instrumentos indispensáveis para o desenvolvimento do espírito público na política brasileira. De fato, o melhor exemplo é a França com a 5.ª República instalada em 1958 por Charles De Gaulle. De uma Nação ingovernável de 1946 a 1958, com o parlamentarismo de coalizão e o voto proporcional, para uma Nação politicamente exemplar a partir de 1958, com o semipresidencialismo e o voto distrital.

 

Renato Rua de Almeida renatorua@uol.com.br 

São Paulo

 

*

A JUSTIÇA QUE DESEMPREGA

 

Cumprimento o professor José Pastore pelo seu artigo de 9/2 (“Terceirização em call centers”), mostrando que a Justiça do Trabalho de Minas contribui para fechar mais de 10 mil empregos fixos e com carteira assinada. Com desemprego beirando os 10 milhões, os srs. juízes, com os olhos vendados, proíbem os bancos de contratarem os call centers. A consequência é tais chamadas passarem para a automação ou para call centers de outros países.

 

Amancio Luiz Coelho Barker abarker4141@gmail.com

São Paulo

 

*

SINDICATOS, GREVES E PT

 

Gostaria de convidar a presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, para ser presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Federais, pois Dilma, “presidenta figurante” do Brasil, não deu nenhum centavo de aumento aos servidores públicos federais e ainda afirmou que fez um “acordo” com os sindicatos da categoria para conceder um aumento de 20% parcelado em quatro anos. Será que são os professores paulistas ou os servidores públicos federais que estão com os salários defasados? Ou será que sindicatos e sindicalistas só sabem defender os direitos dos servidores cujo chefe de Executivo seja do PSDB? É por isso que eu digo: fora PT, fora sindicatos.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

BIOBUROCRACIA

 

Em maio de 2015, quando os primeiros casos de zika vírus estavam surgindo no Brasil, a presidente Dilma Rousseff sancionou uma nova lei para que os pesquisadores pudessem usar os recursos genéticos do País. Acreditem se quiser, diante da atual e grande preocupação mundial para saber se o vírus está realmente por trás dos casos de microcefalia, a nova lei ainda não foi regulamentada no País e o envio de amostras do vírus para o exterior é considerado um “crime”, conforme afirmação de Paulo Gadella, presidente da Fundação Oswaldo Cruz. Em resumo: o Brasil não está compartilhando amostras e dados com pesquisadores norte-americanos e europeus, o que poderá retardar em muito as pesquisas internacionais sobre o vírus zika, que é uma emergência internacional. Pelo visto a bioburocracia já é parte do complicado governo brasileiro, o que é uma lástima.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

AEDES AEGYPTI

 

Não entendi por que a comunidade internacional ainda não focou nos hábitos dos mosquitos. Eles deixam seus filhotes nos mesmos lugares. Deveríamos transformá-los em matadouros, e não destruí-los! Com larvicidas (o simples detergente de lavar louças ou outro, a ser distribuído pelo governo) poderemos acabar com esta praga. É só pensar certo.

 

Elisabeth Klasina Hajenius achedefreitas@gmail.com

Bertioga

 

*

O SURTO DE MICROCEFALIA

 

Não são apenas os grupos feministas que devem influenciar positivamente o Supremo Tribunal Federal (STF) a aprovar o aborto em caso de microcefalia. É o bom senso que deve predominar neste momento tão crítico.

 

Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.