Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2016 | 03h00

Rebaixamento da Moody’s

O forte rebaixamento do Brasil no ranking da Moody’s, em “duas posições”, revela descrença total em nossa economia, em nossa capacidade de recuperação e no ministro da Fazenda, Nelson Barbosa – provavelmente por ter sido um dos principais membros da equipe de Mantega, que arrasou a economia brasileira. Nenhuma agência estrangeira mencionou a capacidade do País de reverter a queda proximamente. Segundo órgão de economia inglês, depois da Venezuela o Brasil tem a pior previsão de crescimento no mundo.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Conseguiram

Mais um recorde dos petralhas: a Moody’s rebaixou-nos em dois graus de uma vez. Mais uma façanha petista que terá de ser corrigida no futuro. E enquanto continua preocupada em se defender, em várias frentes – afinal, correm processo de impeachment, processo no TSE e a pressão pública é cada vez maior –, nossa presidenta só sabe falar no malfadado aumento de impostos, com a reintrodução da famigerada CPMF – Contribuição Para Mais Fraudes. Chega, não aguentamos mais! Chega de humilhações externas e internas! Renúncia já! Quanto mais tempo elles ficarem roubando, mais demorará a reconstrução do País!

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Conversa fiada

Pior que o último rebaixamento da nota de crédito do Brasil, desta vez pela Moody’s, são as justificativas apresentadas pelo Ministério da Fazenda e pela liderança do governo na Câmara, demonstrando a utopia em que vivem, acreditando nas pueris medidas ficais apresentadas pelo Executivo diante da gravidade da situação. Mais uma mostra de falta de sensibilidade perante a crise que eles mesmos provocaram. E ainda acham que com conversa fiada vão convencer os especialistas e a descrente sociedade.

MARIO COBUCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

A Moody’s rebaixa a nota e o Brasil perde o selo de bom pagador. E agora, Lula, a culpa é da oposição também?

WILSON CASSIO CAVAZZANI

cavazzani@hotmail.com

São José dos Campos

PANELAÇO

A dissolução de um líder

Quem interrompeu por alguns instantes o ritmo do protesto com suas panelas e assistiu ao programa político-partidário do PT na noite de anteontem pôde ver o fragoroso desmanche da figura do outrora carismático Lula da Silva. Notoriamente arrasado física e psiquicamente, restou tão somente de sua clássica bazófia um discurso cheio de velhos chavões, agora enriquecido com tiques nervosos. “As pessoas que falam em crise, crise, crise, repetem isso todo dia e ficam minando a confiança do nosso país”, disse ele. Revirando os olhos nas órbitas, enfatizou que existem pessoas, hoje, que não gostam de “dividir a poltrona dos aviões com os mais pobres”. E foi por aí adiante. Em suma, o PT procurou fazer um programa de desagravo ao seu decaído líder e, nessa tentativa, mais uma vez demonstrou sua crença de que nós somos eternamente vestidos de estupidez coletiva.

LUÍS LAGO

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

Lula e a ‘zelite’

Lula criticando “essa gente que não gosta de dividir a poltrona dos aviões com o nosso povo”?! E quem é que há anos só anda de jatinho de empreiteiros amigos? Macaco, olha teu rabo...

MARIA IGNEZ MACHADO

ignez.machado@terra.com.br

Rio de Janeiro

Cara de pau

Em seu pronunciamento durante a propaganda obrigatória do PT, Lula citou o agronegócio como exemplo de que o Brasil está em franca recuperação. Pode até ser verdade, mas o setor nada deve ao lulopetismo, muito pelo contrário. Além de financiar a destruição de importantes pesquisas científicas promovidas pelo chamado “exército do Stédile”, tanto Lula quanto Dilma tentaram estrangular a indústria sucroalcooleira, movidos por sinistras intenções.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

A mesma ladainha

Lula quer se fazer de coitado e perseguido, quando a realidade é exatamente a oposta. Coitados somos nós, com esses governos petralhas chefiados por ele, eivados de promessas vãs, mentiras, dinheiro enviado para países governados por tiranetes, superfaturamentos em obras, incluídas as prometidas e não concluídas, corrupção desvairada e tudo mais que não presta. Em seu discurso na TV fez uma pantomima e só conseguiu o maior panelaço que o Brasil já ouviu. Deve existir um meio de acabar com essa gentalha, e ser posto em prática rapidamente, para que o Brasil não naufrague de vez.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A PROPAGANDA DO PT

A propaganda “gratuita” do Partido dos Trabalhadores (PT) veiculada no dia 23 de fevereiro, no horário nobre da TV, provocou nos telespectadores ira, raiva e furor, manifestados em panelaços pelo País, em luzes piscando nos apartamentos e em muitos motoristas buzinando pelas ruas. O Brasil enfrenta hoje crise financeira, escândalos de corrupção, desemprego, alta dos juros, etc. As lideranças que são referências petistas estão presas, e o líder maior também está sendo investigado pelos casos do tríplex no Guarujá e do sítio em Atibaia, e eles acreditam que, por meio da propaganda, a sociedade ainda pode ser enganada. Não existe partido incorruptível, mas o PT conseguiu ser pior do que todos juntos. 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com 

Sumaré

PESADELO

Apesar de a presidente Dilma não ter aparecido na propaganda do PT, houve panelaços em todo o País. O pior pesadelo do PT se tornou realidade e o grito de “fora Dilma” já foi substituído por “fora PT”. Sem poder contar com o mago da mentira, que está preso, o PT vai ter de rebolar muito para mudar a imagem cada vez mais consolidada de pior governo do universo. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

DE PANELAÇO EM PANELAÇO

 

O Partido dos Trabalhadores (PT), hoje perdido no olho do furação, foi alvo de mais um panelaço na terça-feira. O barulho das panelas, que já derrubou um presidente na Argentina, hoje ronda Dilma Rousseff e seu governo. O País já vinha escandalizado com uma sucessão de malfeitos políticos. A revelação do mensalão, que resultou na prisão de líderes do PT e de partidos aliados, foi o começo da desconstrução da imagem de “único honesto” que o PT cultivou desde a sua fundação e no que firmou todo o seu proselitismo quando na oposição. Com o petrolão, que ainda tem muita coisa a ser apurada, a autocriada condição de repositório da moralidade pública acabou de se liquidar. Os partidos políticos precisam adquirir uma forma consistente e sustentável de vida e gestão. As campanhas eleitorais devem ter meios de custeio que, revelados, não esbarrem no Código Penal. E os governos têm de abandonar o expediente de cooptar os perdedores para com eles formar a maioria parlamentar fisiológica que hoje turva a imagem da classe política nacional. No dia que isso for concretizado, acabarão os panelaços, com certeza.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

ILUSIONISMO

O filme do PT no horário eleitoral de terça-feira pode ser candidato ao Oscar de melhor curta estrangeiro de ilusionismo.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

DELÍRIO

Depois do programa do PT na TV, o destino do “homi” mais honesto deste país não será com o japonês da Polícia Federal nem no Presídio da Papuda. Seu destino será uma camisa de força! Lula está delirando!

Milton Bulach mbulach@gmail.com 

Campinas

VELHINHA DE TAUBATÉ

Será que a velinha de Taubaté acreditou na propaganda eleitoral do PT?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

A HIPOCRISIA DO EX-PRESIDENTE

Segundo Lula, “é isso no fundo que incomoda quem não gosta de dividir poltrona de avião com o nosso povo”. Isso dito por alguém que só viaja em jatinhos executivos de empreiteira e empresário de graça, ou ainda é remunerado por isso, não sem antes escolher o tipo e a marca da bebida que lhe será servida a bordo. Soa tão real quanto todas as demais mentiras divulgadas no programa político do PT. Por que Rui Falcão, Lula e toda a camarilha corrupta desta organização criminosa travestida de partido não cala a boca?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo

MUDEM O DISCO

As aranhas peçonhentas de São Bernardo e do Planalto poderiam, pelo menos, mudar o disco monocórdico das respostas às denúncias diárias. Alguma criatividade. Não suportamos mais do mesmo. Dou uma colaboração: “A denúncia improcede. As acusações são falsas. Quem acusa tem o dever de provar. Assim que nossa inocência unânime ficar comprovada à saciedade, ficaremos cobertos de glória e processaremos todos os acusadores por indenização moral”. Vários outros modelos poderiam ser disponibilizados ao PT, Lula e Dilma. Nem o genial marqueteiro preso fez essas inovações. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

O ÚLTIMO A SORRIR

Ao encontrarem-se com os fotógrafos na porta do Instituto Médico Legal de Curitiba, Mônica Moura, mulher do marqueterio João Santana, mostrou um sorriso cínico e debochado, próprio de quem não tem vergonha de nada e se sente isenta de qualquer condenação por crimes que tenha cometido por causa do marketing das eleições de Lula e de Dilma Rousseff. Os marqueteiros aprenderam a mentir para alcançar seu objetivo. Pior fizeram os candidatos Lula e Dilma em aceitar disseminar as mentiras ao País e iludir os eleitores com promessas impossíveis de serem cumpridas e utilizarem números de estatísticas sem fundamentação para impressionar o eleitorado. Toda sorte de falcatruas foi implementada durante as eleições de 2014, sob a orientação destes marqueterios. Eles podem ter todas as qualificações positivas e negativas, porém falta a eles a mais importante: caráter. Para Mônica, seria bom ensinar a ela o ditado antigo: ri melhor quem ri por último.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro 

DEBOCHE

 

A primeira página do “Estadão” de ontem mostrava o marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, sorrindo enquanto se dirigiam à prisão. Um ladrão “comum”, quando é preso, abaixa a cabeça para que sua imagem não apareça nas manchetes ou na TV. Parece que ambos estão posando para a câmara fotográfica. Sorriem porque acreditam que nada acontecerá a eles ou é para debochar da cara dos brasileiros?

 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com 

São Paulo

A SOBERBA DO JOÃO

O pobre marqueteiro rico João Santana tem toda razão quando afirma que é atingido pelo clima de “perseguição” da Operação Lava Jato. É a perseguição almejada por todos os brasileiros de bem, contra a corrupção, a bandidagem, o estelionato político e financeiro perpetrados pela quadrilha a que esse indivíduo pertence, juntamente com sua amada.

Fabio Porchat fabioporchat@gmail.com 

São Paulo

JOÃO SANTANA

A expressão facial de João Santana e de sua mulher, Mônica, ao se encaminharem à sede da Polícia Federal, é nitidamente de deboche. Pode ser por falta de opção, pela enrascada em que se encontram e da qual será difícil de saírem. O marqueteiro faria muito bem se, em vez de negar as acusações que pesam sobre ele, não só as admitisse, já que são de difícil refutação, como também entregasse tudo o que sabe em todos os detalhes. Seria uma bela propaganda de marketing para o seu futuro. Ademais, João Santana não pode se esquecer de que o PT já o abandonou, assim como fez com todos os que estão presos e tinham ligação com o partido. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

MENOSPREZO

Sinto-me ofendido e menosprezado pela atitude arrogante e soberba da esposa do marqueteiro João Santana, a senhora Mônica Moura, até agora acusada de fraude bilionária. Vejam as cenas da sua chegada ao Brasil e da chegada à Polícia Federal. Na foto de primeira página do “Estadão”, ela ofende o Brasil com a sua prepotência. Nenhum envolvido no processo da Operação Lava Jato, alguns muito mais ricos e importantes do que ela, menosprezou o povo brasileiro como ela faz agora.

Antonio Favano Neto a.favano.nico@uol.com.br

São Paulo

A CERTEZA DA IMPUNIDADE

A foto do casal marqueteiro estampada na primeira página do “Estadão” (24/02) é a prova cabal do desprezo e do escárnio que esta corja “petralha” instalada no poder manifesta pela moral, ética, honestidade, retidão de caráter, legislação, justiça e pelo povo desta pobre nação. É o retrato cruel da certeza da impunidade, que tem em sua santidade boquirrota o exemplo mais notável dessa lamentável verdade.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com 

São Paulo

A FOTO E O FATO

Reveladora a foto de Mônica Moura, mulher do marqueteiro de Dilma, sorrindo ao sair do exame de corpo de delito, após declarar que “não vai abaixar a cabeça”, enquanto, logo atrás, o próprio João Santana, cabeça baixa, parece pensar alto: “Sabe de nada, inocente!”

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

SORRISOS

Já está na hora de tirar o sorriso idiota do rosto destes corruptos. O sorrisinho do milionário João “Acarajé” Santana e de sua mulher na Polícia Federal, como se estivessem certos da liberdade, é uma bofetada no rosto do brasileiro.

Cesar Araujo cesar0304araujo@gmail.com 

São Paulo

JOÃO ‘PATINHAS’

O que é o que é: tem nome e sobrenome popular, mas não é um João Ninguém?

Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

ACARAJÉ

Depois da prisão dos donos e dos executivos da construtora baiana Odebrecht e da prisão de João Santana, também baiano, na 23.ª fase da Operação Lava Jato, denominada de Acarajé, lembrando a famosa comida baiana, aqui, em São Paulo, fala-se a boca pequena que, se eles tivessem comido bastante dessa iguaria, bem apimentada e em dias extremamente quentes, teriam necessariamente evitado a “prisão” preventiva. É verdade.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com 

São Paulo 

MANDRAKE

A cada dia que passa um novo componente da gangue petista é descoberto. Desta vez foi o marqueteiro João Santana, apelidado por mim a partir de hoje de “Mandrake”, o homem que fez sua fortuna de R$ 1 milhão se transformar em mais de R$ 60 milhões em apenas dez anos, trabalhando para os pais do partido, ou seja, Lula e Dilma, os reis dos “petralhas”.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

OUTRO MIDAS

Estamos produzindo Midas em profusão. Agora, o marqueteiro Santana, como o Rei Midas apaixonado por dinheiro. Tudo o que toca vira ouro. Que país é este, meu Deus?

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

IRONIA

Lendo o histórico da vida de João Santana, neste jornal, consta que em 2003 ele lançou o romance “Aquele sol negro azulado”. Que ironia, agora ele vai ver “Aquele sol negro quadrado”.

Celia H. Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com 

Avaré

OS FRUTOS DA ELEIÇÃO DE 2014

Durante a campanha eleitoral de 2014, a presidente Dilma falou em alto e bom som que ela e o partido poderiam fazer “o diabo” para se eleger. Levada pouco a sério na época, essa frase foi interpretada como uma força de expressão. Mas parece que não era. Os diabos que protagonizaram com ela as ações que a fizeram ganhar as eleições presidenciais começam, agora, a aparecer mais nitidamente. Será que satanás, o líder dos diabos, também aparecerá?

Manoel Sebastião de Araújo Pedrosa link.pedrosa@gmail.com  São Paulo

‘O DIABO’

Tenho certeza de que o gênio do marketing eleitoral vai fazer “o diabo” para transmutar-se de João (Acarajé) Santana a João Santana do Livramento, tentando escapar das garras da Polícia Federal.

Paulo Eduardo Grimaldi pgrimaldi@uol.com.br 

Cotia

O DIA DO CAÇADOR

Esperamos que o marqueteiro sinta, agora, na pele o que é “fazer o diabo”!

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

BILHETE FATAL

 

O cinismo e o escárnio estampados na foto de Mônica Moura na mídia são proporcionais à sua esperteza em produzir “um bilhete”, com a Operação Lava Jato em plena atuação, para o operador Zwi Skornicki. Ele será peça fundamental para a acusação do casal. Vamos rir no final!

  

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

ELBA E SANTANA

Collor caiu por um Elba. Dilma cairá por um Santana.

João Roberto Caramurú jrcaramuru@gmail.com 

São Paulo

AINDA E SEMPRE A CORRUPÇÃO

Perguntar não ofende: o risonho marqueteiro petista e sua zombeteira sócia e mulher alegam serem alvos de perseguição. Pura verdade, pois a Justiça persegue objetivos e bandidos que há 13 anos (número maldito) tomaram o Brasil de assalto. De onde a pergunta óbvia: nós, aqueles que o chefão chamou de “elite branca”, queremos saber se a eleição do garboso prefeito paulistano (aquele com uma fixação ideológica contra essa mesma “elite burguesa” que insiste em se locomover em automóveis) também não seria passível de investigação, já que o marqueteiro em questão é o mesmo, o ilibado e cínico sr. Santana. Pois nós, a tal da “elite”, somos informados e bem-pensantes. Com muito orgulho.

Marly N. Peres marly.lexis@gmail.com  

São Paulo 

MAIS UM REBAIXAMENTO

A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou a nota de crédito do Brasil e também tirou do País seu selo de bom pagador – é a terceira agência a fazê-lo. Enquanto isso, na adega da mansão dos “Da Silva”, além de uma majestosa antena, de um lado, era possível avistar um lindo lago, com um moderníssimo barco, e, do outro lado, uma placa em que, com letras garrafais, estava escrito: “Quebrei a Petrobrás, mas, em compensação, contribuí substancialmente para a alta da Ambev”.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br 

São Paulo

FITCH, S&P E MOODY’S

Viva o PT! O Braziu, ziu, ziu é tri!

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

ONDE ESTÁ A CRISE?

O vice-presidente Michel Temer disse que não sabe onde está a crise de que tanto se fala. De fato, quem vive no Palácio do Planalto não corre risco de perder o emprego, não faz compras, não paga conta de energia, gasolina, telefone, passagens de avião e tem carros com motoristas. Como vai enxergar a crise? A crise é a política fiscal do governo que o senhor apoia. Sem contar que a crise política do governo Dilma está no centro do rebaixamento da nota do Brasil. País que tem nota rebaixada é país sem credibilidade, é mau pagador. Isso assusta quem quer investir aqui. Chegamos ao fundo do poço, mas o governo ainda não se deu conta disso. Gasta muito e gasta mal, porque manda a conta para os trabalhadores. Assim é difícil de enxergar a crise. Espera- se que os eleitores se lembrem da crise quando forem às urnas. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

PUNIÇÃO À SAMARCO

É com alegria que leio a notícia sobre a ordem de prisão do ex-presidente da Samarco, de diretor e de gerentes da empresa. Isso porque, em todos os fatos anteriores relacionados ao assassinato do meio ambiente no País envolvendo poderosos – como foi o rompimento das barragens em Minas Gerais no final de 2015 –, estes poderosos ficaram impunes. Na ordem de prisão de ontem, porém, faltam pessoas do serviço público que, por incompetência, irresponsabilidade ou ambos, ou por receberem dinheiro por fora, foram coniventes com os desmandos praticados pela mineradora. Ou alguém duvida de que isso possa ter acontecido? As famílias que perderam seus entes queridos e os prejudicados economicamente pelo descaso da Samarco e das autoridades (municipal, estadual e federal) têm o direito de ter uma compensação financeira. A Samarco e suas controladoras têm de pagar em dinheiro o grande débito para com os atingidos e os governos com isenção de impostos, crédito com juros subsidiados ou qualquer outra medida, para que os pescadores, fazendeiros, comerciantes, enfim, todos os que foram prejudicados tenham condições de se sustentarem e de sustentar sua família. Algo tem de ser feito para que isso não mais se repita, e, se porventura acontecer novamente, que todos venham a pagar.

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br 

São Paulo

REFERENDO NA BOLÍVIA

Não dá para confiar nos bolivarianos, sempre prontos para inventar expedientes para permanecerem no poder. Mas, se valer a palavra de Evo Morales no sentido de respeitar sua eventual derrota no referendo, ele enfrentará menos problemas do que seus “companheiros” brasileiros. Isso porque os maldosos empreiteiros não poderão presenteá-lo com um tríplex na praia, já que não há mar na Bolívia. Além de continuar sua produção cocaleira, resta-lhe também tornar-se o primeiro conferencista na língua quechua.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 

São Paulo

PALADINOS DO ATRASO

Os bolivianos não querem mais Evo Morales, os venezuelanos não querem mais Maduro, os argentinos não quiseram mais Cristina Kirchner e nós não queremos mais Dilma Rousseff. Xô, paladinos do atraso!

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com 

São Paulo

DEDO PODRE

Lula participou da campanha do indicado por Cristina Kirchner para sucedê-la. Perdeu. Dilma Rousseff apoiou Nicolás Maduro, na Venezuela, para renovação do Congresso. Perdeu. Dilma se aproximou de Evo Morales, que tinha se candidatado a um quarto mandato. Perdeu. Lula e Dilma estão tentando quebrar o Brasil. Tomara que percam mais uma vez...

Aldo Bertolucci aldo.bertolucci@ppefios.com.br

São Paulo

O PRESENTE

A telefônica Oi instalou uma antena de celular perto do enigmático Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Há um ditado popular que diz que não existe almoço grátis. O Ministério Público de Portugal descobriu, na Operação Marques, que em 2010 o então presidente Lula, juntamente com José Dirceu, convenceram o primeiro-ministro José Sócrates a autorizar a compra de 23% da Oi pela operadora de telefonia Portugal Telecomunicações. A transação financeira custou 3 bilhões e 700 milhões de euros aos cofres públicos lusitanos. Vários políticos portugueses participaram da ilicitude e atualmente Sócrates está preso por corrupção. Gostaria muito que o Ministério Público Federal brasileiro se pronunciasse sobre o fato.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com 

Rio de Janeiro

OS AMIGOS DE LULA

Alguém tem um amigo que empresta o sítio, todo mobiliado, muito confortável, contendo uma invejável adega de vinhos e ainda por cima equipado com antena quase privativa de telefonia celular? A antena não tem licença para operar, mas é um pequeno detalhe. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte 

SUSPEITA E CERTEZA

A Polícia Federal “ainda” vê possível elo de Lula com prática criminosa. Nós, brasileiros de bem, temos absoluta certeza disso faz tempo!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

PARA O ‘FILHO DO BRASIL’

Só os tolos não sabem que esperteza, quando é muita, come o dono.   

  

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 

Rio de Janeiro 

A MULHER DE CÉSAR

Não adianta, apenas, proclamar-se honesto! É preciso parecer honesto, porém o que se noticia...

Tharsis Silveira Barros tharsissilveira@bol.com.br 

Araçariguama

A DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA

Em artigo publicado na seção “Espaço Aberto”, do “Estado” (“A democracia na América Latina sob juízo”, 20/2, A2), Daniel Zovatto apresentou ideias extremamente dissociadas da opinião pública, quando não do raciocínio lógico, porém em nome de um suposto consenso existente. O texto começa citando o Índice Democrático da Economist Intelligence Unit (EIU), que evidencia uma situação preocupante para a América Latina – salva, segundo diz Zovatto, pelos bons índices da Justiça Eleitoral. Neste critério, o Brasil possui nota 9,58. Cita, ao fim do artigo, avanços importantes, como a adoção do sistema de urnas eletrônicas, “caso que se tornou referência mundial”, além do fim das doações eleitorais feitas por pessoas jurídicas, medida imposta (é este o termo mais adequado) recentemente pelo STF. Pois bem, com exceção da situação temerosa e instável de muitas democracias latino-americanas bolivarianizadas (pouco citada no texto), o resto se resume a pura balela. Em relação ao voto eletrônico, o professor da Unicamp Diego Aranha (especialista em criptografia e segurança computacional) é um dos muitos defensores da fraudulência das urnas eletrônicas. Como ressaltou em entrevista ao programa “The Noite” (SBT), o registro e a contagem são unicamente eletrônicos, ao contrário dos demais países que adotam esse sistema. Mais uma jabuticaba: toda a confiança é depositada numa equipe de programadores. Quando professor da UNB, participou de uma auditoria proposta pelo próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e alerta: “encontramos falhas fundamentais nos mecanismos de segurança deste sistema”. A simples divergência entre especialistas já é preocupante, então por que não adicionar ao sistema o registro impresso?! O Brasil não deveria servir de laboratório para tais experiências... Quanto às doações empresariais, diversos formadores de opinião, além do próprio presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, expressaram preocupação com aquilo que chamaram de “institucionalização do caixa 2”. Poderia ser citado, ainda, mas falta espaço para tal, os efeitos dramáticos para a situação fiscal do País – já dramática. Para finalizar, não cabe ao STF legislar sobre nada, está aí um bom exemplo de violação da independência entre os Três Poderes. Que nas próximas publicações tomem mais cuidado para não tomar uma opinião pessoal como consenso ou mesmo verdade absoluta. 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com 

Nepomuceno (MG)

BALBÚRDIA ENTRE OS PODERES

Aqui com meus botões, penso sobre a recente decisão do STF acerca do cumprimento de pena (não prisão cautelar) antes do trânsito em julgado da sentença condenatória. Não é de hoje que o STF vem legislando, decidindo contra texto literal da Constituição, engessando os juízes do povo com súmulas e precedentes de casos repetitivos, ignorando fatores individuais concretos. A justiça deveria ser feita para tentar pacificar os conflitos, buscar segurança, dar estabilidade e ajudar a obtenção da propalada paz social. Não é de hoje que o Congresso não cumpre a contento a sua missão de revisor da Constituição, como poder constituinte derivado. Não é de hoje que o Poder Executivo age paulatinamente ignorando os anseios e vontades dos cidadãos a quem deveria servir. Não é de hoje que a política do fisiologismo e a corrupção generalizada enojam o povo, do qual todo o poder deveria ser emanado e por ele deveria ser exercido. Não é de hoje que o povo assiste a tudo e parece estar anestesiado. As instituições estão ruindo, os direitos e garantias individuais também, a insegurança jurídica decorrente dos rompantes argumentativos dos eruditos, típicos de tribunais de exceção, estão se instalando, provocando o caos “nas instâncias inferiores”. Agora, mais do que nunca, tudo é relativo e depende. Ninguém sabe mais nada, um dia é assim, amanhã talvez, e a mutação constitucional ocorre às avessas, de dentro para fora, e não de fora para dentro. A partir de 11 cabeças (ou, melhor, apenas 7), e não de 200 milhões. Nem mesmo uma emenda poderia abolir uma garantia individual. O princípio da vedação do retrocesso impediria até mesmo o poder originário de fazê-lo. Cada vez mais os meios justificam os fins, a ditadura judicial do atual maior Poder da República parece estar implantada. Há tempos a tripartição, harmonia e o balanceamento entre os Três Poderes parece uma balbúrdia. O guardião aos poucos usurpa o poder do povo, até quem sabe um dia ele perceber que a sua liberdade pode ter sido sequestrada por quem diz ser salvador.

Victor Libanio Pereira victor.libanio@uol.com.br

São Paulo

O PAPEL DO STF

A sociedade brasileira precisa estar atenta aos julgamentos “politicamente corretos” que estão acontecendo no Supremo Tribunal Federal. O STF, guardião maior dos preceitos constitucionais, não pode interpretá-los de acordo com os ventos. O trânsito em julgado, conforme dispõe o inciso LVII do artigo 5, não deixa dúvidas: só acontece quando não houver mais possibilidade de recurso. Caso contrário, para que serviria o próprio Supremo?

Erminio Lima Neto erminio.lima@gmail.com 

São Paulo

‘REDUÇÃO DA IMPUNIDADE’

O editorialista do jornal, em “Redução da impunidade” (22/2, A3), acredita que a Constituição federal, a Carta Magna, deva ser rasgada. Isso é o que se depreende de seu raciocínio, vejamos: “Fazer prevalecer o princípio da presunção da inocência sobre duas decisões judiciais, sendo uma delas de um colegiado, é tratar os juízes de 1.º instância como idiotas”. Não, senhor, não é o caso de tratar juízes, tampouco desembargadores, como idiotas, apenas devemos cumprir a Constituição. Neste país tupiniquim, até o Supremo Tribunal Federal (STF), que deveria ser o guardião da Constituição federal, a desrespeita. Um ministro que utiliza 4 horas para proferir um voto, ignorando a Constituição, não deveria estar na Suprema Corte. Foi o poder constituinte que a elaborou, e somente ele pode modificá-la. Se em seu artigo 5.º, inciso LVII, a Carta gravou a ordem de que “ninguém será culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”, é porque assim deve ser. Se querem que seja diferente, que convoquem nova constituinte para lavrar nova Carta Maior. Não se pode ignorar a Constituição; fazê-lo é rasgá-la. Hoje, este é o editorial que será lançado no lixo. Amanhã, qual será?

Antonio Ferreira Dourado Filho aferreirad@terra.com.br 

São Paulo

CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS

Com apenas 14 anos, inexperiente e ingênuo, acreditando na Previdência, na Justiça e nos sindicatos, tirei minha primeira carteira profissional, começando uma vida inteira de assalariado. Durante 35 anos ininterruptos trabalhei em período integral, fazendo horas extras, pagando todos os impostos e as contribuições previdenciárias e sindicais para ter meus direitos defendidos e assegurados, inclusive para ter uma velhice tranquila. Mas não! De 1956 a 1960, o presidente Bossa Nova usou o dinheiro das nossas contribuições para construir Brasília, deixando-nos na mão. Nossa “justiça” e sindicatos o permitiram. Tive a primeira decepção. Em 1964, entraram os militares no poder. Com eles, continuamos empregados, recebendo nossos salários e reajustes. As contribuições à Previdência continuaram com teto de 20 mínimos. O “Pé na Cova” e o pecúlio foram mantidos e os aposentados recebiam seus benefícios reajustados pelo salário mínimo. Em 1985, saíram os militares, voltando a “democracia”, os parasitas e os ladrões. Depois de eleitos e sem nos consultar, traiçoeiramente abaixaram o teto das contribuições pela metade, reduzindo, assim, os benefícios futuros em até 50%. Deram-nos uma rasteira. Roubaram todos os trabalhadores que contribuíam acima do novo teto de 10 salários mínimos. Foi uma atitude indigna, egoísta, mesquinha, covarde, injusta e imoral, mas nesta “democracia” plena, 100% “legal”! Nossa “justiça” e sindicatos nada fizeram para impedir mais esse roubo. Indignado, concluí que existimos apenas para trabalhar e pagar impostos, sem termos direito algum. Continuando, acabaram com o “Pé na Cova” e também com o pecúlio. Nossa “Justiça” e sindicatos concordaram. Desvincularam os reajustes dos aposentados, até então atrelados ao salário mínimo, roubando-nos novamente e chamando-nos de vagabundos. Nossa “justiça” e sindicatos deixaram passar. Com o nosso dinheiro, a irresponsável e esbanjadora presidente Dilma Rousseff aprovou pagar aposentadoria pelo teto aos jogadores de futebol campeões do mundo das Copas de 1958 e 1962, que ganharam muito dinheiro, gastaram tudo e, principalmente, nunca contribuíram com a Previdência Social. Nossa “justiça” e sindicatos não viram nada de errado. Os demais campeões, inclusive de outras modalidades de esporte, também vão querer, e nós, os trouxas, pagamos tudo. Isso sem falar nas fraudes bem-sucedidas de milhares de Jorginas da vida que continuam sangrando a Previdência. Sádico, agora o governo cobra contribuições também das domésticas. Coitadas! Com a idade que a maioria delas têm, começando a contribuir agora, não vão se aposentar nunca. É o que o governo quer. Quanto às mais novas, perto de conseguirem o benefício, as regras serão mudadas e elas, roubadas também. E como “nossa justiça é cega”, por conveniência nunca viu nada e não vai ver mesmo! Por sua vez, os sindicatos cobrarão todas as contribuições a que têm direito. Direito? Já vi esse filme muitas vezes! E tem mais roubo pela frente. Vem aí a reforma da Previdência. Inacreditável! E ainda falam mal dos militares!

 

Nilson Martins Altran nilson.altran@hotmail.com 

São Caetano do Sul

PREVIDÊNCIA

Todos falam na necessidade de retardar o acesso dos trabalhadores à aposentadoria para garantir a sustentabilidade das contas da Previdência, mas ninguém pergunta quem é que vai dar emprego aos sessentões, quando nossa “cultura” é de sucatear os idosos.

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com 

São Paulo

ILEGALIDADE EM OBRA DA CICLOVIA

Aconteceu o que deveria acontecer, só que demorou demais. É sabido que a Justiça atrasada não faz justiça... O julgamento poderá ocorrer dentro de dez anos, quando ninguém se lembrar mais. Que rápido! Os envolvidos podem começar a gastar o dinheiro público ou “lavar a grana”. O Ministério Público Estadual (MPE) pede à Justiça a condenação do prefeito Fernando Haddad e do secretário de Transportes, Jilmar Tatto, por improbidade na ciclovia que só custou R$ 54 milhões. Cada quilômetro do trecho Ceagesp-Ibirapuera, contratado com “violação à Lei de Licitações”, custou R$ 4,4 milhões. Será que o asfalto, em vez de ser pintado, foi revestido com granito ou porcelanato? Quanto rendeu para e$$a dupla ou turma do PT? Precisamos da Justiça e de justiça mais célere, caso contrário, estaremos aceitando um fim muito triste para o povo brasileiro e para o País rico “alcançado” pelo PT. Estamos sendo roubados descaradamente, prefeito e PT não se emendam. Será que fica por i$$o mesmo?   

 

Maria Teresa Amaral mteresaamaral@uol.com.br 

São Paulo

CRIME A CÉU ABERTO

As águas das chuvas têm de desaguar nos rios, por meio da sua permeabilidade pelo solo até o lençol freático e pelas galerias, devidamente dimensionadas para isso. Não existe outra maneira. Permeabilidade pelo solo numa metrópole como a nossa, dentro de um país como o nosso, esquece. Sempre atendendo a interesses particulares, essas áreas, devidamente projetadas para este fim, são vendidas às grandes incorporadoras, que, ainda, as verticalizam multiplicando várias vezes a relação metro quadrado/habitante/veículos e conturbando cada dia mais o já caótico trânsito da cidade. Por outro lado, as galerias de águas pluviais, para exercer suas funções, teriam de ser desobstruídas periodicamente, mas não são. Diz a Prefeitura que não tem dinheiro. Enquanto isso, a cada chuva, nossas ruas se tornam verdadeiros rios, que, quase sempre, carregam na enxurrada munícipes que pagam o suado IPTU. Então pergunto: não há dinheiro para livrar esses cidadãos dessas tormentas e, com isso, preservar sua vida, mas há dinheiro para fazer ciclovias? Por que a Prefeitura, na pessoa do prefeito, não responde criminalmente por essas mortes? Até quando vamos ter de conviver com estes vergonhosos desmandos?

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com 

São Paulo

COMBATE AO AEDES AEGYPTI

A propaganda da “Pátria Educadora” convocando estudantes e professores para combater o mosquito Aedes aegypti é apelativa. Duas perguntinhas: quanto custou essa peça publicitária? E, se o governo está fazendo a parte dele, quais as providências do Ministério das Cidades quanto ao saneamento básico, a limpeza de córregos e quanto ao esgoto a céu aberto das periferias de todas as cidades? Aliás, uma terceira pergunta: por onde anda este sinistro (isso mesmo) Gilberto Kassab, aquele que foi desancado pelos “petralhas” quando foi prefeito de São Paulo, mas hoje é aliado?  

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul

‘ZIKA DAY’

Na segunda-feira, quando começou a terceira fase de testes da vacina contra a dengue, Dilma Rousseff, com seu profundo sentimento nacionalista, tentou se voluntariar para receber dose da vacina a ser testada. Ocorre que, com sua falta de credibilidade, poderia pôr em xeque a eficácia dos estudos perante os brasileiros. A ideia foi abortada.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                              

DILMA E A ‘MOSQUITA’

É verdade mesmo? Eu pensei que fosse brincadeira! A presidente Dilma Rousseff se referiu à fêmea do Aedes aegypti como “mosquita”? Dá para acreditar, vindo de alguém com formação superior, embora isso não seja atributo de ouvirmos absurdos de vez em quando? Bem, agora já sei onde está a microcefalia no País.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.