Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2016 | 02h55

Governo fracassado

A economia encolherá 2,9% em 2016, e não mais 1,9%, confessando assim o governo seu fracasso. Dessa forma a queda da atividade econômica perdurará ao menos por dois anos, o que não se vê desde 1930. Entretanto, deseja o governo liberdade para gastar, com as tais bandas de flutuação fiscal, sendo a imposição de redutores de despesas mero expediente para iludir, eis que o Planalto não ataca efetivamente o corte de gastos, ficando na periferia das medidas necessárias e esperando a criação e o aumento de tributos. Quem investirá, no quadro atual, com este governo?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

Injeção de otimismo...

No discurso sobre a injeção de otimismo necessária aos brasileiros, o sr. vice-presidente contou que inúmeros empresários estrangeiros o procuram para investir em nosso país. Por que, então, os investimentos não são feitos? O que falta? A renúncia dos governantes, juntamente com os políticos incompetentes que os apoiam, seria a tal injeção de otimismo necessária para que tal se concretize. Sejam patriotas ao menos uma vez na vida!

JOSE CARLOS AMARAL

jc.amaral1 @uol.com.br

São Paulo

Perspectiva negativa

A perda do grau de investimento do Brasil, anunciada pela agência de classificação de risco Moody’s na quarta-feira, era mais que esperada, uma vez que apenas seguiu o que já fora feito pela Standard & Poor’s em setembro e pela Fitch em dezembro. Pronto! Segundo as três agências de maior credibilidade, nosso país é mau pagador e investir nele é um negócio de alto risco. Os títulos emitidos pelo governo brasileiro não passam de lixo (junk bonds é a expressão usada). Tampouco o rebaixamento de dois graus de uma só vez nos surpreendeu, pois a nau do ajuste fiscal não tem comandante nem tripulação: o governo raras vezes anuncia cortes e propostas (nunca passam disso), e sempre com a discordância de sua “base” parlamentar. E assim vamos, com Dilma e seus ministros preocupados em barrar o avanço dos processos de impeachment no Congresso e de cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral, quando não se estão mobilizando fervorosamente para defender a “viva alma mais honesta deste país”. E a economia que se dane! Que mal fazem as ações heterodoxas do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa? As três agências foram unânimes em considerar que a perspectiva da economia tupiniquim é negativa. Trocando em miúdos, com este governo que aí está, a situação só tende a se agravar.

ELIAS MENEZES

elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

Rebaixamento

O Palácio do Planalto diz que a agência Moody’s ignorou “bons sinais”. Ora, só se foram sinais de fumaça... Chamem os bombeiros! Em 13 anos de poder o PT construiu um castelo de mentira que está ruindo diante das primeiras ondas da verdade.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Redução de salário

Dilma informa aos brasileiros que reduziu em 10% seu próprio salário. E nós, os brasileiros, informamos a Dilma que não a queremos nem de graça!

SANSÃO JOSÉ DA SILVA

sansao@sansaojsilva.com.br

Uberlândia (MG)

Realmente, o desconto no salário da presidente, do marido da moça das tranças bonitas e dos ministros vai ajudar muito mesmo, diante do rombo da corrupção... Para eles isso é dinheiro de cafezinho e não vai fazer falta. Mas para milhões de brasileiros que estão desempregados seria o sustento de famílias inteiras!

ANGELA MARIA DE SOUZA BICHI

angela_bichi@hotmail.com

Santo André

R$ 27.841,23

Fiquei indignado com o novo salário dessa senhora lá de Brasília. Em qualquer empresa privada, há muito tempo ela já teria sido despedida por justa causa: burrice alarmante, incompetência exponencial, autoritarismo besta e voluntarismo suicida. Merece salário-desemprego, no máximo!

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Em São Paulo

Demagogo esse Fernando Haddad, ao dizer que não liga para a renda das multas de R$ 1,2 milhão. Vá mentir assim na China! Ele não entende nada de mobilidade urbana. Os paulistanos esperam dezembro, quando esse prefeito estará fora!

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Trânsito

Com seu Arco do Futuro, Haddad fez da retrógrada “São Paulo que não para” a progressista “São Paulo que não anda”...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

O mago da impostura

Muito interessante o pedido da defesa do João Santana para que ele fosse protegido na sua chegada ao Brasil, para evitar que houvesse “odioso espetáculo público”. Esqueceram a “odiosa” campanha que ele fez para a reeleição da Dilma, repleta de mentiras e agressões e, mais uma vez, apostando no clima de antagonismo que tanto mal tem feito à nossa sociedade. Famosa a sua previsão de que a Dilma venceria no primeiro turno e que uma antropofagia iria ocorrer entre os anões. Porém o tempo se encarregou de mostrar quem são os anões e desse grupo fazem parte o próprio João Santana e todos os que o contrataram. Anões da ética, da moral, da decência, e que hoje se dizem vítimas das mentiras mais deslavadas. O Brasil vive um clima de perseguição, sim, como João Santana alegou. Está perseguindo os corruptos, os mentirosos e todos os que se tornaram um tumor maligno e devem ser extirpados da nossa sociedade. O Brasil e os brasileiros descobriram que a justiça é para todos, “erga omnes”. Não é o João Santana que deve ser protegido, somos nós que temos que ser protegidos da sua figura grotesca e patética! Chegou a hora da sua colheita e, com certeza, os frutos serão bem amargos e espinhosos.

JOSÉ ANTÔNIO MELO E SILVA

melosilva02@hotmail.com

São Paulo

Eleições 2014

Eu me lembro de que um dos delatores, em meados de 2014, disse à reportagem de uma famosa revista semanal: “Se eu abrir a boca não haverá eleições este ano”. Hoje entendo melhor o que ele disse.

RICARDO FIORAVANTE LORENZI

ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

LEI ANTITERRORISMO

 

Quer dizer que a referida lei aprovada na quarta-feira pela Câmara dos Deputados exclui da tipificação de terrorismo manifestações do tipo sindicais-salariais e muitas outras, inclusive religiosas? E se o Estado Islâmico resolver fazer manifestações políticas ou sociais, como é que fica?

 

Antonio Claudio Pereira da Silva aclaudiops@uol.com.br

São Paulo

 

*

TERRORISMO

 

Quer dizer que os movimentos sociais ligados ao PT podem praticar o terrorismo? Acho que não entendi!

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

OPERAÇÃO ZELOTES

 

Ontem foi a vez de André Gerdau, diretor-presidente e presidente do Comitê Executivo da empresa, ir prestar esclarecimentos à Operação Zelotes, da Polícia Federal. É cada vez mais revoltante ver que grandes empresários se uniram a esta quadrilha que governa o Brasil. A falta de escrúpulos, a ganância e a certeza da impunidade levaram essa gente ao mais abjeto projeto de poder criminoso instalado no Brasil. O povo confia na Polícia Federal, é o que nos resta!

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

DIFÍCIL DE ENTENDER

 

Como pode alguém que, apesar de fazer críticas à imobilidade governamental sobre suas decisões e caminhos a serem tomados, tem assento em reuniões do mais alto significado neste mesmo governo, e agora é conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para prestar depoimento sobre se eventualmente houve tentativa de não pagamento de tributos da ordem de R$ 1,5 bilhão ao órgão fiscalizador competente, ou seja, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Não dá para entender. Refiro-me ao Grupo Gerdau, suas empresas e presidência.

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

ATÉ TU?

 

Sempre tive admiração pelo Grupo Gerdau, como alavanca de desenvolvimento e empregos no Brasil. A surpresa desagradável apareceu quando, como conselheiro da Petrobrás, Jorge Gerdau aprovou a compra da Refinaria de Pasadena. Agora, a empresa é alvo da Polícia Federal em investigação sobre sonegação fiscal. Coincide com a declaração de Fernando Henrique Cardoso de que “há muita gente graúda fugindo da Justiça”. Honestidade em completa carência neste Brasil!

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

O CANTO DA SEREIA

 

Gerdau, Gerdau, quem diria! De passado impoluto, ícone da indústria nacional, tão facilmente corrompido pela sedução petista à impunidade da corrupção corporativa institucionalizada. Estou desolado.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

O RETRATO DO ESCÁRNIO

 

É um escárnio a imagem sorridente de Mônica Moura, a sétima mulher e sócia do marqueteiro João Santana, estampada nas páginas de diversos jornais. O casal estava se dirigindo para o Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, onde fariam exame de corpo de delito para, depois, serem transferidos para a carceragem da Polícia Federal. Chegou o momento de a população ir para as ruas, senão será sempre motivo de risos e de chacotas para políticos, agentes públicos e empresários corruptos. Basta de impunidade, de corrupção e de mentiras. A nação brasileira está sangrando e, se nada for feito, chegará a óbito por anemia, decorrente das ações destes párias e sanguessugas do erário.

 

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

É PRECISO BAIXAR A BOLA

 

Seria bom que a esposa do sr. João Santana, Mônica Moura, ficasse um bom tempo presa, para poder se arrepender da risada irônica e escarnecedora registrada pelas fotos publicadas pela imprensa. Certamente, está se sentindo muito segura, amparada pela fortuna que divide com o marido, que afirmam ser para mais de US$ 50 milhões. Afinal, como dizem por aí, dinheiro não é problema, é solução.

 

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

DE CABEÇA ERGUIDA

 

Os corruptos detidos pela Policia Federal geralmente chegam de cabeça erguida, certamente porque confiam nos melhores advogados “caras de pau” que vão contratar para defendê-los. Sabem que a “Justiça” brasileira é de mentirinha e que tudo vai acabar em pizza. Nenhuma novidade quando a sra. Mônica Moura, esposa do marqueteiro João Santana,   falou que chegava de cabeça erguida. Se o Brasil fosse um país sério, certamente ela não falaria isso.

 

Carlos dos Reis Carvalho bigcharles020@g.mail.com

Avaré

 

*

PERSEGUIDOS

 

João Santana e Mônica Moura, marqueteiros do PT presos pela Operação Lava Jato, como os demais dirigentes palacianos, se apresentam à Polícia Federal de maneira arrogante e soberba, sempre dizendo que são alvos de perseguição, o que, por incrível que pareça, é a pura verdade. São perseguidos pela Polícia Federal.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

 

*

O PÃO QUE O DIABO AMASSOU

 

Pai Santana vai cobrar em acarajés para dar consulta à companheirada na carceragem da Polícia Federal de Curitiba. Atendimentos para Lula e Dilma o mago das eleições só fazia com búzios, porque no Tarô sempre saía o diabo, a torre em queda ou a carta do louco. O programa político do PT de terça-feira na televisão, sem a supervisão de Santana, já explica os arcanos do Tarô. Disseram que fariam “o diabo” nas eleições, e agora na Lava Jato estão comendo o pão que o tinhoso amassou.

 

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

 

*

DEFESA

 

O sr. Fabio Tofic, que defende o casal Santana, pode sorrir pelo honorários que vai receber, mas sua afirmação de inocência é algo em que nem a velhinha de Taubaté acredita.                            

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

 

*

A JUSTIFICATIVA DO MINISTRO

 

O ilustre ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, perdeu uma boa oportunidade de ministrar a pasta, ao invés de procurar justificar nos pagamentos ao marqueteiro João Santana no exterior. “Quem declarou R$ 70 milhões pode declarar R$ 80 milhões, R$ 85 milhões. Por que então (o marqueteiro) teria de receber no caixa 2?”, pergunta o ministro. Para um petista desconectado, basta lembrar que os tais R$ 15 milhões, que ele pretendeu desconsiderar, foram pagos durante a campanha por empresa e lobista envolvidos na corrupção na Petrobrás.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

CONFLITO FUNCIONAL

 

José Eduardo Cardozo sabe perfeitamente o que faz no Ministério da Justiça, mas nós, que pagamos seu salário e todas as suas mordomias, precisamos saber: ele é ministro da Justiça ou advogado de defesa dos “companheiros” petistas?

 

Wilson Lino wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

E FEZ ‘O DIABO’

 

Agora está ficando clara a fala de dona Dilma Rousseff quando bradou, num raro momento de sincericídio, que poderia fazer “o diabo” para ser eleita presidente em 2014. Pois é, agora e aos poucos estão chegando ao conhecimento da sociedade brasileira todas as maracutaias que a organização criminosa, também conhecida como PT, fez para se manter no poder e eleger, em 2018, o homem “mais honesto do Brasil”, também conhecido como Pixuleco, Brahma ou “o homem sem sítio em Atibaia”. Enfim, como se diz no mundo do crime, a casa caiu.

 

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

*

REFORMA INADIÁVEL

 

Muito bem lembrado por José Nêumanne em seu ótimo artigo “O talento número 1 de João Patinhas” (24/2, A2): o criminoso sempre volta ao local do crime. Urge, portanto, nestes tempos de lulopetismo, uma reforma constitucional que extinga de vez qualquer tipo de reeleição, inclusive partidária.

 

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

 

*

MAIS UM REBAIXAMENTO

 

Mais um rebaixamento do Brasil pelas agências de risco, desta vez pela Moody’s. A “mãe dos pobres” está se tornando uma péssima madrasta. Em março de 2015, Dilma Rousseff declarou que os fundamentos da economia eram sólidos e que a crise era passageira, de fácil solução. Pois é, já estamos no terceiro rebaixamento e sem perspectiva nenhuma de melhora. Sairemos do buraco em que o PT nos colocou, mas não será fácil. Os que estão no governo, quando saírem, com certeza estarão com situação financeira tranquila, e o povo trabalhador que se dane. Isso é o Brasil. Se nós não mudarmos nossa atitude, continuaremos a ser eternamente vira-latas ou galinhas de voo curto.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

AS NOTAS AO LULOPETISMO

 

As três maiores agências internacionais de verificações para investidores baixaram as notas do Brasil, inclusive a Standard & Poor’s e a Moody’s, mais recentemente, terminaram por aplicar as merecidas penas ao lulopetismo, aconselhando, implicitamente, o capital internacional a não investir no Brasil. É claro que fica uma grandiosa lição ao lulopetismo: são as empresas nacionais e internacionais que geram empregos e a riqueza nacional; e até para partidos políticos mamarem nos seus resultados. Agora, não adianta posarem de bonzinhos em programas de TV, porque os eleitores minimamente inteligentes vão jogar na lata do lixo as asseverações lulopetistas. 

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

QUE LÁSTIMA

 

Com todos estes rebaixamentos do Brasil, nós perdemos o título de bom pagador. Mas quem perdeu mais foi o Banco Santander, que dispensou uma ótima analista.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

QUIETO, POR FAVOR

 

Num dia Lula recebe um palpitante panelaço durante o programa do PT, pelas mentiras sobre a economia nacional. No dia seguinte, o Brasil tem redução da nota de crédito pela única agência de classificação de risco que ainda não tinha se manifestado. Claros sinais de que Lula tem de ficar “Moody’s” e parar de mentir.

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

A TRAGÉDIA BRASILEIRA

 

O Brasil foi merecidamente rebaixado de volta à segunda divisão da economia mundial. A gestão da presidente Dilma é diretamente responsável pela perda do grau de investimento do País. A presidente Dilma praticou atos que caracterizam uma gestão temerária, ruinosa é injustificável, causou prejuízos bilionários à Petrobras, à Eletrobrás e ao País. A presidente Dilma está envolvida até a alma em todos os escândalos de corrupção que estão sendo desbaratados pela polícia – se ela não roubou para si mesma, deixou que roubassem como nunca antes na história. Uma vez descobertos os crimes em sua gestão, a presidente Dilma nada fez para colaborar com a Justiça, pelo contrário, agiu para dificultar as investigações e para facilitar a vida dos envolvidos nos crimes, ofereceu perdão às empreiteiras, demorou muito para demitir a presidente da Petrobrás, agiu o tempo todo contra os interesses do Brasil e pela manutenção dos esquemas de desvio de dinheiro investigados. Nada justifica que a presidente Dilma continue governando o País, sua substituição imediata é imprescindível para que o Brasil resgate sua dignidade e volte a andar de cabeça erguida.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

INIBIDOS CORTES

 

O ministro do Planejamento, Valdir Simão, e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, anunciaram tímidos cortes na sexta-feira (19/2). O governo prevê uma queda de 2,9% no PIB deste ano e uma inflação de 7,10%. Dilma não quer sacrificar as despesas da corte, pois o governo contingenciou apenas R$ 23,4 bilhões do Orçamento de 2016. Em 2012, esse corte foi de R$ 55 bilhões, ou seja, mais que o dobro. Pelo visto, o rebaixamento do Brasil pelas agências de risco não sensibilizou a presidente, que continua não enxergando a lama em que o País estás afundado, amargando enormes índices de desemprego e de inflação.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

DESEMPREGO

 

Sob o incompetente e desastroso desgoverno do Partido dos Trabalhadores, o País alcançou o impressionante número recorde de mais de 9 milhões de trabalhadores desempregados. Muda, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

INVALIDEZ POLÍTICA

 

A situação crítica do Brasil não para de piorar. Desemprego e inflação em alta; economia encolhendo; surtos virais preocupantes, consequência direta de falta de investimento em saneamento básico; descontrole das contas públicas; desmoralização do governo, do PT e de aliados políticos (Operação Lava Jato), e por aí vai. A presidente Dilma Rousseff não sabe o que fazer, pois o plano era “esquentar a cadeira” até a volta do “cara”; o resto é resto. Como técnico de time de futebol de quinta categoria, Lula exige providências para reverter este quadro dramático, mas ele mesmo não sabe definir quais. O rebaixamento pela terceira vez da classificação do Brasil pelas agências de risco mostra que os investidores estrangeiros não confiam neste governo. Precisamos encontrar uma solução inovadora, pois é inaceitável continuar neste atoleiro até 2018. O sr. Lula prestaria um enorme serviço ao Brasil se convencesse Dilma Rousseff a requerer aposentadoria antecipada por incompetência administrativa e invalidez política.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

OUTRO BLEFE DE DILMA

 

Dilma Rousseff, como servidora pública, é um exemplo a não ser seguido. Como presidente da República, então, é uma mediocridade. Assim como o são suas promessas, que jamais são cumpridas. Uma delas é a que anunciou em outubro de 2015, de que reduziria seu salário, o do vice-presidente e o dos ministros em 10%. Não passou de outra mentira, ou verdadeiro blefe! Depois de 150 dias desse anúncio, Dilma continua recebendo integralmente seus proventos, de R$ 30.934,70 por mês. Ora, esta presidente, que foi capaz de mentir deslavadamente na última campanha eleitoral, que escondeu da sociedade brasileira a real situação das deterioradas contas públicas, incluindo as pedaladas fiscais, etc., não teve tampouco a dignidade de sustentar o corte do seu salário, e não lhe restam mais mínimos resíduos de escrúpulos para continuar governando este país. E seu professor de picaretagens institucionais é o investigado pai do mensalão e do Petrolão, Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

SÓ MENTIRAS

 

Quem acreditou em mais esta do governo, de que Dilma Rousseff e Michel Temer reduziriam seus salários em 10%? Nada mais foi que uma mentira, uma balela, uma lorota para inglês ver. E o povo “sifu”, como diria o “cara”.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DESINFORMAÇÃO SOBRE O SINDICALISMO

 

O artigo “Pelo fim dos tributos sindicais”, de Sérgio Amad Costa, publicado no dia 20/2, representa uma postura marcadamente antissindical. No texto, o articulista critica os tributos sindicais de maneira superficial, mas não leva em consideração sua importância como custeio fundamental da atividade dos sindicatos. É com esse recurso que os representantes dos trabalhadores conseguem manter suas ações sindicais e estruturas, como sedes, subsedes, clubes de campo e promover iniciativas, desprezadas pelo Estado, como atendimento à saúde e capacitação educacional e profissional dos seus representados. A manutenção deste custeio é fundamental para os sindicatos prosseguirem com a força necessária para a defesa dos direitos dos trabalhadores enquanto profissionais e seres humanos.

 

Luiz Carlos Motta, presidente da Federação dos Comerciários do Estado de São Paulo (Fecomerciários) e União Geral dos Trabalhadores de São Paulo (UGT-SP) falepresidente@fecomerciarios.org.br

São Paulo

 

*

PEC 51/2013

 

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) apresentou em 2013 uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que altera, na sua essência, a atual configuração das polícias brasileiras, a famigerada PEC 51, que visa a desmilitarização da Polícia Militar (PM) e que será votada, furtivamente, nesta sexta-feira (26 de fevereiro), enquanto nós só nos preocupamos com a manifestação do dia 13 de março. Vinda de um político petista, esta PEC já é suspeita em se tratando de desmilitarização da PM, sempre vista pela esquerda como uma instituição truculenta, nunca percebendo o trabalho consistente que ela executa em defesa da sociedade. Criticar que a Polícia Militar brasileira se pauta pela violência é pretender que ela vá conter a violência social jogando flores aos marginais. Mesmo nas maiores democracias do mundo, há necessidade de existir uma polícia ostensiva e fardada, responsável pelo controle dos desmandos de cidadãos. Imaginar que a unificação entre Polícia Civil e Polícia Militar seja possível é desconhecer que as carreiras civis e militares são totalmente diferentes entre si, inviáveis de estabelecer união. Por exemplo, a carreira da Polícia Militar é organizada em patentes nos moldes das Forças Armadas e a da Polícia Civil, por cargos de delegado agente de polícia, escrivão, perito criminal, etc. Mas a PEC 51 de Lindbergh Farias não explicou por que sua proposta só visa à união das polícias em nível de Estados, porque a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Ferroviária Federal são preservadas. Por quê? Estranhamente, esta PEC 51 exige que todo novo policial ingresse sempre no nível mais baixo e de menor remuneração da carreira, ignorando as diferentes qualificações dos candidatos, o que resultará num esvaziamento dos quadros policiais.  A aprovação desta PEC só serve àqueles que têm ojeriza pelas Forças Armadas e pela PM, vindos de uma geração que combateu o regime militar, mas que, paradoxalmente, não acabou morta no “paredón”, método adotado pelo tão exaltado regime Castro para dar fim a todos os seus oponentes. Na verdade, está aí ocupando cargos de relevância ou presa pela Operação Lava Jato. Ajude a impedir a aprovação desta PEC 51/2013: ligue para a Câmara dos Deputados (0800619619) e para o Senado (0800612211), cadastre-se e explique que você é contra a aprovação desta famigerada PEC. Vamos pressionar! 

 

Mara Montezuma Assaf Montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

O ÚLTIMO APAGUE A LUZ

 

Hoje deve ser votada no Senado a PEC 51. Caso seja aprovada esta emenda de autoria de Lindbergh Farias (PT-RJ), os 500 mil PMs hoje pertencentes às Forças Armadas passarão a constituir uma polícia sob diretrizes diretas do governo federal, ou seja, do PT. Será uma vergonha se os senadores deixarem passar este descalabro! Aí, o último que sair apague a luz.

 

Elcio Espindola elcio.espindola2013@gmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

PAU QUE BATE EM CHICO...

 

Em artigo no “Estadão” de segunda-feira (“Mais um duro golpe contra a impunidade”, 22/2, A2), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, teceu belas palavras sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a execução penal a partir do julgamento em segunda instância. Mais do mesmo. Quando o procurador irá escrever e, principalmente, dará seu parecer acerca da Medida Provisória 703, a “MP da Corrupção”? Os leitores continuam aguardando... Aguardamos, também, que pare de blindar o presidente do Senado, Renan Calheiros, e trate-o com o mesmo rigor com que tem tratado Eduardo Cunha!

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

‘MAIS UM DURO GOLPE CONTRA A IMPUNIDADE’

 

Tem razão o procurador-geral da República, pois, não obstante o esperneio dos criminalistas de sempre, o Supremo Tribunal Federal, ao julgar o HC 126.292/SP, decidiu com coerência ao permitir a prisão do condenado logo após o julgamento final de segunda instância, não sendo mais necessário aguardar o julgamento de recursos tanto no Superior Tribunal de Justiça (STJ) quanto no STF. É mais do que sabido que, salvo raríssimas exceções, estes servem apenas e tão somente para postergar ao máximo o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, na expectativa da ocorrência da prescrição da pena.

 

Luiz H. Freire Cesar Pestana luizhenriquefcpestana@gmail.com

São Paulo

 

*

ÀS ÚLTIMAS CONSEQUÊNCIAS

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em artigo publicado no “Estadão”, aplaude a decisão do STF que coroa um árduo e incessante trabalho contra a impunidade e a própria corrupção. No entanto, somente teremos a certeza de que o operoso avanço terá um fim exitoso se o douto procurador investigar tudo e todos os envolvidos em crimes, sem receio de blindar ou esmorecer, haja vista que nunca vimos fatos tão estarrecedores e vexatórios para a Nação com o volume do dinheiro público desviado. Não há nenhuma pessoa acima da lei ou que possa merecer tratamento diferenciado. O Brasil e a sociedade esperam que o sr. Janot vá às últimas consequências para que o País seja liberto dos maus governantes e da classe política corrupta.

 

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORTINA DE FUMAÇA

 

O artigo que Janot publicou na página 2 do “Estadão” de segunda-feira, “Mais um duro golpe contra a impunidade”, fala sobre o óbvio, ou seja, a correta decisão do STF sobre a suficiência da dupla jurisdição para a prisão dos condenados. O artigo é mera cortina de fumaça, para desviar a atenção sobre a sua conduta omissiva com respeito à Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a Medida Provisória n.º 703, que anistia as empreiteiras da Lava Jato e extingue as ações do Ministério Público contra elas. Janot foi convocado pelos seus colegas do Ministério Público para entrar com a Adin já em 22/12/2015, e até hoje não ingressou com a ação no STF. Por acaso Janot é a favor desta MP, que devolve às empreiteiras todos os direitos e as isenta de todas as penalidades? Afinal, qual é a posição de Janot em tudo isso? Pelo visto, ele não é tão contra a impunidade como pretende parecer.

 

Carlos Escobar carlosgcescobar@gmail.com

São Paulo

 

*

NOVA JURISPRUDÊNCIA DO STF

 

Lendo a notícia de segunda-feira (22/2) de que, “após decisão judicial, Gil Rugai é preso na zona oeste de São Paulo”, a pergunta que não pode se calar é: até quando Maluf e outros similares, já condenados em segunda instância, vão continuar em liberdade?

 

Francisco Paulo Uras francisco.uras@uras.com.br

São Paulo

 

*

‘DURA LEX, SED LEX’

 

Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que penas podem ser cumpridas após condenação em segunda instância, muitos acham que isso provocará uma superlotação ainda maior em nossos presídios. É verdade, se nosso sistema prisional continuar o mesmo. Gostaria de sugerir mudanças radicais nesse sistema. Deixar claro que prisão não é lugar de ociosidade, com casa, comida, roupa lavada, visita íntima e outras benesses, além da “bolsa prisioneiro”, tudo pago com o dinheiro público. Aliás, existem nações que estão cobrando da família o custo de manter seu parente na cadeia. O tempo na carceragem deve ser todo ocupado com exercícios, estudo, trabalho (produzir utilidades, cuidar de horta, lavar roupa, louça, etc.), com horários impostos e inflexíveis a todos. Penas não deveriam ser em tempo corrido, mas, sim, em pontos a serem pagos pelo meliante com bom comportamento, estudo, leitura, etc. Uma vez o prisioneiro conseguindo pagar seus “pontos”, obteria com esforço próprio a liberdade. Pode ser em poucos ou muitos anos, dependerá dele mesmo. Assim, todos sairiam da detenção com hábitos melhores.  Hoje, a prisão é uma “escola de crime”, que produz bandidos mais revoltados e mais habilitados para o crime. Ou seja, estamos pagando ricamente para piorar progressivamente a segurança em nossa sociedade. E, última, (a mais controvertida): acabar com o serviço de alimentação convencional. Servir a todos um alimento bem balanceado e completo, rico em vitaminas, sais minerais, proteínas, etc., mas sem tempero (pode-se chamar de “ração humana”). Isso deixaria claro que prisão não é uma “residência com maus tratos”, é uma prisão para corrigir o cidadão para que retorne à sociedade uma pessoa melhor.  Tenho certeza de que os defensores dos “direitos humanos” (mais dos bandidos do que de cidadãos honestos e trabalhadores) vão reclamar muito.  Acharão que seria um crime não continuar tratando a pão de ló os criminosos (que dizem ser vítimas de uma sociedade injusta). Pessoalmente, acho que essas sugestões forçariam todos a pensar duas vezes antes de cometer um crime. Forçariam uma recuperação de marginais e criminosos para a disciplina e o trabalho – além de simplificar todo o sistema prisional, que deve ser igual para todos, desde o pivete até o político graúdo. Numa lei, igual para todos, o meliante com diploma superior deve sofrer mais, pois teve mais oportunidades e deveria ter maior consciência da lei, e não o contrário, como é nosso caso. Ou impomos uma lei de fato, dura e igual para todos, ou nossos netos continuarão lutando para sobreviver nesta terra onde só bandidos se dão bem. A escolha é nossa!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

NO RANKING DAS MELHORES CIDADES

 

Lamentável que nenhuma cidade brasileira esteja situada entre as 100 melhores em termos de qualidade de vida, no mundo. Estudo realizado em 430 cidades ao redor do planeta coloca Viena em 1.º lugar, seguida de cidades como Zurique, Dusseldordf, Melbourne, Vancouver e Sydney. Outro estudo feito em 36 países coloca o Brasil como o 4.º pior em qualidade de vida. Problemas crônicos de violência, insegurança, locomoção, burocracia, saneamento básico, corrupção e desrespeito pelo cidadão e pelo meio ambiente colocam o Brasil para baixo e depõem contra a qualidade de vida no País, que tem um longo caminho pela frente.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

DESFIGURANDO SÃO PAULO DE VEZ

 

É inacreditável o que o prefeito Fernando Haddad e os vereadores de São Paulo vêm fazendo com a cidade, no último ano de seu mandato, em prol das construtoras que atuam na cidade e ignorando o compromisso que deveriam ter com a população e o futuro da cidade. Até parece uma operação fim de feira. A última que nos chega esta semana, na segunda-feira, é de que com um projeto, cujo relator é o vereador Paulo Frange, do PTB, a Prefeitura vai liberar as construções de prédios de grande porte em estações de trens e de metrô e nos terminais de ônibus, inclusive sobre as estações e terminais já construídos. O vereador afirmou que o projeto foi inspirado em modelo adotado na Espanha – como se pudéssemos adotá-lo aqui, em condições totalmente diferentes de lá. Alguns dos argumentos apresentados pelo vereador são totalmente falaciosos, como a afirmação de que são espaços nobres onde predomina a insegurança por causa da escuridão. E cita como exemplo a construção de 3 mil apartamentos sobre a Estação Bresser Mooca, da linha vermelha do Metrô, e de prédios comerciais na área da Estação Tucuruvi, onde o trânsito já é infernal por causa do shopping ali existente. Ora, nessas linhas, os trens já trafegam superlotados e simplesmente não aguentariam mais passageiros em tal quantidade, principalmente a linha vermelha. Aparentemente, os nossos vereadores não atinam para o fato de que as linhas dos trens e do metrô são extremamente insuficientes para atender à demanda da cidade e muitas outras ainda deverão ser construídas para que possam servir à população condignamente. Para tanto, certamente algumas delas deverão fazer entroncamentos com as estações já existentes, a exemplo do que existe nas grandes cidades do mundo, inclusive na Espanha. Mais uma vez salta à vista que o principal objetivo deste projeto, senão o único, é favorecer as grandes construtoras, em detrimento da população paulistana. Prefeito e vereadores, que estão apenas de passagem pelo Executivo e pela Câmara Municipal, não podem comprometer o futuro das gerações que estão por vir e condenar São Paulo a um amontoado de edifícios mal planejados. O Ministério Público tem de dar um basta a tais manobras.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

CANALHICE OFICIAL

 

A multa foi aplicada pelo DSV por excesso de velocidade no dia 13/12/2015: 59 km/h, em vez dos 50 km/h regimentais. Merecida: descuido. Só que, até 21/2/2016, seria possível pagá-la com 20% de desconto: R$ 68,10, em vez de R$ 85,12. No entanto, o aviso de pagamento chegou no dia 23/2/2016 – dois dias depois do vencimento. Portanto, devoraram o vencimento. Tudo isso com o Correio funcionando normalmente. Pequenas canalhices empilhadas para resultar em canalhice monumental, retrato dos governos nacionais. Uma forma enviesada, desonesta, desprezível, indigna mal intencionada e torpe de aumentar a arrecadação da Prefeitura. Quem é o secretário de Transportes da Prefeitura, que comanda o DSV? Jilmar Tatto, claro. Quem é o prefeito? Haddad. É por isso que a maioria das pessoas quer que essas autoridades apodrecidas, corrosivas, intoleráveis e suspeitas se danem e sejam amaldiçoadas para todo o sempre. No mínimo. Por enquanto. E não importa o partido.

 

Josué Rodrigues Silva Machado jrsmachado@terra.com.br

São Paulo

 

*

EMPRESAS AÉREAS E OS NOSSOS DADOS

 

Empresas buscam antecipar ciberataques (23/2, B5). Que bom! Enquanto isso, empresas aéreas latino-americanas não estão nem aí com os dados dos passageiros, que só deveriam ser informados às autoridades de imigração, mas, na prática, expõem dados de forma desleixada. Passageiro não tem obrigação de entender de hacker, mas, mesmo se entender, não tem como se proteger de más empresas aéreas. A Copa parece ter um site protegido até o passageiro fazer check-in antecipado e receber via e-mail comum seu cartão de embarque constando nome completo, n.º de passaporte e data de nascimento; o cartão de embarque impresso, descartável após a viagem, pode ser recuperado e os dados, expostos. Caberia à Copa, ainda, informar o que faz com a sua cópia dos cartões de embarque usados. A TAM publica na internet os mesmos dados do passageiro, acessíveis, sem senha, mediante o número da passagem ou o código da reserva que constam no cartão de embarque; neste caso, a situação é mais inaceitável, já que a sua dona, a Lan, dispõe de site de internet mais seguro, que deveria ser usado pela TAM, mas não é. O feliz passageiro brasileiro não está livre dos desmandos da TAM comprando bilhete Lan – já que a saída do Brasil só se dá por voos TAM. Oligopólios de empresas negligentes expõem seu passageiro ao perigo de roubo de sua identidade e até dão oportunidade ao terrorismo – oferecendo, assim, banquetes a hackers. Intervenções da Polícia Civil e da Polícia Federal são necessárias para impedir falhas perigosas com dados pessoais em empresas que oferecem voos aos brasileiros.

 

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

 

*

DESCONSTRUÇÃO

 

O PT iniciou a fase de desconstrução dos seus possíveis rivais políticos para as eleições municipais deste ano e também para a Presidência da República em 2018. As vítimas, como sempre, foram FHC e Geraldo Alckmin (eles adoram FHC, se pudessem, seriam ele). No caso de FHC, como ter amante não é lá tão grave assim (ainda mais daquelas que sujam o prato em que comem), apelam para pagamentos irregulares no exterior. No caso do dr. Geraldo, usam a questão da merenda, em que ele pensou demais para se desligar do mau servidor, o sr. Fernando Capez, dizendo acreditar em sua inocência. Inocente ele até pode ser, mas o que fazia lá que não viu nada e colocou seu chefe no maior perrengue? Como no PT, que tem o homem com a alma mais “onesta” do mundo, nada lhes será cobrado ou imposto, porque todos têm a maior candura e lisura, então o PSDB vai ter de engolir tudo, pois não sabe nada do jogo em que estão. Será que eles vão criar coragem e “cair de pau” nos desafetos? De todo modo, não há mais em quem acreditar politicamente falando, pois todos, sem exceção, somente se locupletam no poder e seu único objetivo é nele permanecer. Deixo um viva muito esfuziante para o STF, por mandar prender culpados na segunda condenação. Agora vai!

 

Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br

São Paulo

 

*

PENSAMENTO PEQUENO

 

A que ponto chega a mediocridade! O deputado Waldih Damous (PT-RJ) pede apuração do caso FHC/Mirian Dutra, deixando de lado todos os casos que acontecem com colegas seus de partido. Hoje, muito dos seus companheiros estão envolvidos no maior escândalo de corrupção do mundo. Dois ex-presidentes do partido, dois tesoureiros e vários elementos ligados ao PT estão presos. Até senador petista que foi preso tem pleno exercício do cargo. No entanto, o ilustre deputado está preocupado com fofocas, aos moldes das revistas televisivas. Como pode um deputado pensar pequeno dessa maneira?

 

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com 

Bragança Paulista

 

*

DOIS PESOS

 

O Ministério Público vai investigar os R$ 3 mil que FHC enviava a Miriam Dutra no exterior, mas não vai investigar os milhões de dólares enviados a Cuba, via BNDES, para a construção do Porto de Mariel? Dois pesos e duas medidas? Ou é a turma do tríplex do Guarujá e do sítio de Atibaia agindo?

 

Susana Menda susanamenda2010@gmail.com

Florida (EUA)

 

*

O JULGAMENTO DO MINISTRO

 

As reações desbalanceadas do ministro da Justiça às acusações aos ex-presidentes Lula e FHC remetem a uma história do tempo do regime militar: um brasileiro perguntou a um paraguaio por que eles tinham ministro da Marinha, se não tinham saída para o mar. O paraguaio perguntou por que os brasileiros tinham ministro da Justiça.

 

Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com

São Paulo

 

*

‘GUERRA AO MOSQUITO’

 

Cumprimento o “Estadão” por ter tido a coragem de publicar o artigo “Guerra ao mosquito”, do general de Exército R1 Rômulo Bini  Pereira (25/2, A2). Parabéns por demostrar que o artigo142 já se tornou um campo prioritário. Parabéns por demonstrar que os partidos (social comunista) pregam abertamente a retomada do poder caso a sra. presidente seja impedia, democraticamente. Ele, como nós, de 1960, sabemos que a presidente é sequestrada moral  e estrategicamente (dos partidos), e não pode renunciar por sua vontade. Uma medida seria ela pedir afastamento (tão em moda) por 30 dias e procurar tratamento oncológico nos EUA. Acredito que em uma semana o Brasil recupera um selo de credibilidade comercial.

 

Flavio Prada flavioprada39@gmail.com

São Paulo

 

*

DA GUERRA AO MOSQUITO AO CONFLITO NACIONAL

 

Bem elaborado o artigo “Guerra ao mosquito”, do general de Exército R/1 Rômulo Bini Pereira, em que o articulista, por conta das ações das Forças Armadas na luta contra a dengue, entende,  deveria ser esta uma ação militar temporária, sob pena de as Forças se tornarem uma “Zicabrás”, o que, na minha opinião, se deixar a critério do governo, fica do jeito que está, porque, atrás de um folgado, sempre tem um sufocado. Nesse caminho, fica letra morta o artigo 142 da nossa Constituição federal. Na sequência, o que nos assustaram, e muito, foram as palavras do ex-presidente Lula: “Pôr o exército do Stédile nas ruas”. O que nos assustam são as palavras de um dos filhos de Lula: “Não se tem ideia da reação que será desencadeada”, disse, em razão das ameaças de líderes não governamentais ante o que pode suceder se Lula sofrer qualquer sanção judicial em razão das denúncias que chegaram à Operação Lava Jato. Por isso, é bom nos lembrar das palavras do filósofo Publius Vegetius: “Si vis pacem, para bellum” (“se queres a paz, prepara-te para a guerra”). Por lógico, não queremos os anos de chumbo, foram horríveis. Porém, no extremo em que a maldade e o desgoverno imperam, as Forças Armadas devem estar alertas para cumprir, se extremamente necessário, o que reza nossa Carta Magna. Infelizmente, todos os do governo destes últimos 14 anos só estão fazendo maldade impunemente. Até quando?

 

José Jair Januzzi de Assis januzzi.adv@terra.com.br

São Paulo

 

*

FOCOS DO MOSQUITO

 

Esta semana fui levar meu filho ao Aeroporto Internacional de Guarulhos e me deparei com vários pontos de água parada, que não têm escoamento. Há alguns “jardins” suspensos que armazenam a água da chuva e constituem um terreno fértil para a proliferação do mosquito transmissor do zika vírus. Belo cartão postal para todos que aqui chegam! Uma vergonha!

 

Maria de Lourdes Alvarenga loualvarenga@gmail.com

São Paulo

 

*

GRAVIDADE

 

Se depender do secretário municipal de Saúde (ex-ministro) Alexandre Padilha, considerações políticas e irônicas sem atentar para a gravidade do problema, teremos 2 mil casos de dengue em fevereiro de 2016.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

AEDES POLYTKI

 

Autora de discursos confusos e excêntricos, a presidente Dilma Rousseff disparou a pronunciar o slogan da campanha para o combate contra a proliferação do Aedes aegypti: “Um mosquito não pode ser e não é mais forte que um país inteiro”. Felizes são os cérebros orientados por ouvidos manipuladores, fazendo-lhes acreditar na existência da causa única de todo o mal vivenciado. Nunca foi apenas “um mosquito” a origem dos males presentes, mas a múltipla negligência e omissão dos organismos destinados à vigilância e proteção da saúde pública, falhos e incompetentes, caros e ineficientes, burocráticos e inoperantes. Cargos públicos preenchidos e distribuídos como pagamento de “dívidas de campanha” aos “puxadores” de votos, têm como especialidade a terceirização de promessas eleitorais, e fazem da máquina estatal um cabide de empregos. Muito mais letal do que a picada do mosquito é a caneta do político. Com apenas um rabiscar no papel, promove-se o saque da merenda escolar, a desvalorização do professor, o sucateamento das estruturas de aprendizado, o fechamento das escolas, o abandono do ensino público. Com apenas uma assinatura nas linhas pontilhadas, mantêm-se os doentes sem remédios, os hospitais sem leitos, os médicos doentes, a saúde pública na UTI. Com apenas um visto no papel timbrado faz-se do policial uma vítima do medo, dos prisioneiros detentores da organização dos presídios, da população prisioneira de sua liberdade e das delegacias convertidas em plantões de dúvidas. Uma rubrica proporciona milhares de carimbos de rescisão contratual, diminuição de carteiras de trabalho assinadas, aumento do subemprego, liquidação dos direitos trabalhistas. Muito mais eficaz do que os métodos de combate e prevenção ao Aedes aegypti é o voto. Com apenas um apertar de botão expulsam-se os criadouros de parasitas sanguessugas do poder, preserva-se o bem público da ganância do privado, exterminam-se os políticos que fazem do poder um balcão de negócios. Com uma decisão nas urnas barram-se milhões de reais em desvios de receitas públicas, desmonte de quadrilhas instaladas em palácios governamentais, fim das promessas e início das práticas. O poder popular restaura as funções de uma República, faz do cidadão um agente do Estado, privilégios de alguns são extintos e instalados benefícios a todos. Ver em apenas um mosquito a grande causa do caos na saúde pública é acreditar que apenas um político é o articulador de toda a corrupção corrosiva do futuro do País. Basta matar o mosquito e a saúde reinará em nossos corpos, basta neutralizar um politico do poder e a honestidade voltará a perpetuar na Nação, todos infectados pela esperança sem ação. A retórica do grande salvador é semelhante aos livros de autoajuda, novas certezas na primeira página e a desilusão na última. As mais variadas representatividades da sociedade civil estão engajadas na luta contra o Aedes aegypti, momento oportuno para discutir novas frentes de batalha, novos caminhos a percorrer, um novo futuro visualizar. Os grandes manipuladores aguardam o próximo caos para desviar a atenção do verdadeiro foco que deve ser combatido, o criadouro do “Aedes polytki”, as próximas eleições.

 

Daniel Clemente daniel.historia@bol.com.br

Santos

 

*

VERBA DA OMS PARA O COMBATE AO ZIKA

 

Oba! Mais dinheiro para desviar...

 

Hélio Boturão heliobot@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

O VENTO VAI SOPRAR NOVAMENTE

 

O populismo na América Latina, representado por aprendizes do marxismo que aqui por estas bandas está maquiado de bolivarianismo, está numa fase de extinção. Essa mudança foi observada há pouco, em 6 de dezembro de 2015, quando o sucessor de Hugo Chávez, Nicolás Maduro, foi derrotado pela oposição depois de 16 anos de domínio do Legislativo. Nas eleições argentinas de 22 de novembro de 2015, Maurício Macri acabou com 12 anos de kircherismo na Argentina. E a terceira grande lufada de ar aconteceu na Bolívia esta semana. Evo Morales havia convocado o povo boliviano a votar num referendo que decidiria se ele deveria continuar na presidência. O povo deu um basta. Se vencesse, Evo se tornaria o único presidente democrático a permanecer no poder por quase duas décadas. Estes bem-vindos ventos estão soprando também pelas bandas de Pindorama, onde o simulacro de governo do PT, que já dura 13 anos, só agora acerta as contas com a Justiça. Sangra copiosamente o sangue vampirizado do povo brasileiro, resgatando boa parte da Justiça e, principalmente, o Ministério Público e a Polícia Federal. Chegou o “mene, mene tekel” do Império do PT.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

A DERROTA DE EVO MORALES

 

Graças a Deus Evo Morales, mais um comunista financiado pelo PT, como Nicolás Maduro e Cristina Kirchner, foi derrotado. Falta só o PT cair por aqui e toda a América Latina ficar liberta destes bandidos, desta quadrilha nojenta que quer destruir o bem e a paz.  Que o Brasil se livre urgentemente do PT.  E toda América deste inferno.

 

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br   

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.